Como Calcular o Capital de Giro do seu Negócio

Como Calcular o Capital de Giro do seu Negócio

Nas janelas entre pagamentos e recebimentos o seu negócio precisa ter uma reserva financeira para não depender dos valores das transações. A essa quantia é dado o nome de capital de giro, e ele é um dos aspectos mais importantes para que uma empresa possa trabalhar de maneira confortável financeiramente.

Saber calcular seu valor pode fazer toda a diferença na hora de estabelecer controles financeiros mais claros e minuciosos. Neste artigo, explicaremos como você pode fazer isso. Confira!

 

Como calcular o capital de giro?

Antes de falar sobre o cálculo do capital de giro, é crucial compreender que o valor obtido não é exatamente absoluto. Isso porque a quantia dependerá, também, da fase pela qual a empresa está passando, bem como do investimento inicial colocado no negócio. Um capital semente maior permite, na maioria das vezes, que a empresa possa contar com um capital de giro mais robusto.

Porém, ainda assim, o cálculo ajuda a ter uma boa noção do quanto deve-se ter disponível entre as transações. Para realizá-lo você precisa de dois valores: os custos fixos e os variáveis, além dos prazos médios de pagamento e recebimento.

Custos fixos

Os custos fixos de seu negócio são aqueles inevitáveis, que precisam ser pagos todos os meses de maneira regrada, como energia elétrica, água, aluguel, tarifas e despesas bancárias, etc.

Custos variáveis

Nos custos variáveis entram, entre outros, os gastos mensais com matéria prima, manutenções pontuais e tudo diretamente ligado à produção feita pelo seu negócio.

Prazos

Os prazos de pagamento e recebimento de fornecedores e clientes faz a diferença na hora da conta, pois nem sempre você precisará de um capital de giro que atenda exatamente às necessidades do mês.

 

Fazendo o cálculo

Depois de conseguir todos os valores, o cálculo não é uma tarefa difícil. Siga os passos abaixo:

  1. faça uma média de seus custos fixos e variáveis mensais (some-os e divida-os por dois);
  2. divida o valor por 30 dias (em média, um mês);
  3. multiplique o resultado pelo número de dias de sua janela entre pagamento e recebimentos;
  4. o resultado é uma boa noção da primeira parte de seu capital de giro.

Valor do estoque

Além de cobrir os custos fixos e variáveis no período descoberto pelos recebimentos, o capital de giro precisa, também segurar os valores dedicados ao estoque, pelo menos o mínimo. Isso independentemente de ser no momento de abrir a empresa ou com alguns anos de negócio em atividade.

Some este valor ao cálculo anterior, e então você terá uma noção muito próximo daquilo que é necessário para seu capital de giro.

Gostou de saber mais sobre este cálculo tão importante para sua empresa? Aproveite e confira mais artigos como esse aqui no e-Dou!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*