Tem mais espaço para um advogado especialista ou generalista?

Será que é mais vantagem se tornar um advogado especialista ou advogado generalista?

Segundo dados divulgados em 2010 pela OAB, o Brasil possui mais faculdades de Direito do que todos os países no mundo juntos. Ha 7 anos, eram 1.240 cursos para a formação de advogados em território nacional contra 1.100 no restante do planeta.

Com uma faculdade a cada esquina oferecendo curso de Direito, ano após ano, milhares de advogados ingressam no mercado de trabalho jurídico, aumentando a oferta e a concorrência, e essa alta quantidade de profissionais acaba não sendo absorvida pelo mercado.

Diante dessa análise do mercado, imediatamente, surgem algumas questões: a especialização garante mais chances de sucesso no mercado? Ser um advogado generalista basta? É melhor se tornar um advogado especialista?

No artigo de hoje, vamos falar sobre como o mercado se comporta diante desses profissionais. Acompanhe.

O advogado generalista

O advogado generalista é aquele que sabe um pouco de tudo. Pode soar presunçoso, mas esse tipo profissional deve entender as noções básicas das áreas mais comuns do Direito, do Constitucional ao Ambiental.

A grande vantagem de ser um advogado generalista é ter a capacidade de enxergar cada caso de uma maneira ampla, já que é preciso estudar sempre um pouco de cada assunto. Além disso, é mais divertido lidar com a diversidade de ações e mais motivador, já que há sempre algo a aprender.

Apesar de parecer menos complicado, ser um advogado generalista de sucesso é algo bastante difícil. O mercado jurídico e os clientes valorizam o especialista por um motivo simples: as demandas são específicas em cada área, e seguem um procedimento próprio. Um profissional geral não lida com o Direito do Consumidor da mesma forma que um especialista nesse campo. O cliente tem mais segurança em quem sabe mais, o que é perfeitamente compreensível.

A importância da especialização

Imagine que você seja sócio de um escritório de advocacia e abriu um processo seletivo para preencher a vaga de advogado de Direito de Família. Ao ler os currículos, percebe que o melhor deles é de um profissional com uma pós-graduação em Direito Familiar, que está cursando mestrado em Alienação Parental e possui curso de Mediação de Conflitos – ou seja, um advogado especialista. Você, certamente, escolherá alguém com esse gabarito para a vaga, não é mesmo?

No exemplo acima, a experiência do profissional com mediação pode resolver um processo sem litigar na justiça, diminuindo custos e economizando tempo.

O advogado especialista

Um advogado especialista pode se ocupar inteiramente com os casos de seu campo de atuação, contribuindo para que o escritório funcione de forma mais eficiente. Isso porque a especialização facilita a prospecção de novos clientes, que tendem a considerar apenas os escritórios e profissionais especializados em sua demanda.

Apesar de ser um expert em determinado assunto ou área, esse profissional não deve imergir apenas em seu mundo jurídico. As empresas e escritórios possuem predileção pelos profissionais que conseguem sair de sua zona de conforto, sugerindo ideias e soluções no desenvolvimento da estrutura como um todo.

Um advogado especialista proativo que pensa em planejamento estratégico pode aumentar a rentabilidade do escritório. Apesar de essa não ser sua função, cada dia mais é valorizada a capacidade de se distinguir positivamente de outros profissionais.

Especializações em alta no mercado jurídico

Ao escolher uma área de atuação para se especializar, o profissional deve considerar fatores como número de advogados atuando nela, o local de atuação onde possui maior capacidade de absorção do mercado e, claro, o interesse pelo tema.

Não adianta querer dedicar-se ao Direito Desportivo em uma região onde o mercado não absorve essa mão de obra especializada. Da mesma forma, atuar com Direito Marítimo em comarcas territoriais, muito distantes do litoral, não faz sentido. Por fim, seria um erro dedicar-se a estudar uma área que não lhe desperta a vontade de atuar nela, que não lhe dê prazer em exercer a profissão ou que trate de temas nada interessantes.

Considerando esses fatores, vimos que, nos últimos anos, muitas áreas jurídicas se expandiram, mas não há profissionais suficientes para atender tamanha demanda. Essa é uma ótima oportunidade para crescer na carreira com maior rapidez, tanto no tocante a salários quanto a possibilidades de emprego.

Especializações que abrangem áreas como Direito Digital e Eletrônico, Direito Bancário, Direito Ambiental, Direito Desportivo, além de temas como Recuperação Judicial, Falências, Fusão e Aquisição, Compliance e Ética vêm crescendo no Brasil e são carentes de especialistas.

Conclusão: o mercado prefere os especialistas

Um advogado especialista que se dedicou a ler milhares de páginas de doutrinas na faculdade, na pós-graduação, no mestrado e no doutorado, certamente, possui mais conhecimento do que um advogado generalista. O aprendizado que serve como base teórica é o que possibilita uma atuação mais segura, que atenderá melhor aos anseios do cliente.

No começo da atuação, a insegurança é um sentimento comum, já que há a preocupação do profissional em lidar com a vulnerabilidade do cliente. Porém, para que ela se torne menor, a especialização é um dos caminhos, aliada à prática, claro. Investir em qualificação enquanto advogado é, por isso, essencial para obter sucesso na profissão e crescer na carreira.

É ela também que possibilita ao advogado se preparar para atender às demandas mais complexas, estando apto a oferecer um serviço melhor para seus clientes e a atender suas expectativas. Assim, ele é capaz de se tornar referência no mercado e maximizar seus ganhos na advocacia.

Vale uma última dica: em geral, grande parte dos advogados é especialista. Para se destacar, é preciso aliar práticas e habilidades que fazem a diferença para a empresa ou para o escritório. Muitas práticas facilitam a atuação e contribuem para a gestão do negócio, e o advogado que as conhece tem muito mais valor do que aqueles que se restringem à atividade jurídica!

Está esperando o que para começar a se especializar? Se você ficou com alguma dúvida, escreva pra gente pelos comentários e até a próxima.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*