Diário Oficial da União – Seção 1 – 20-02-2014

20 de fevereiro de 2014
0

Ano CLI No-36
Brasília – DF, quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014
ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
Sumário.
PÁGINA
Atos do Poder Judiciário ………………………………………………………….. 1
Atos do Congresso Nacional …………………………………………………….. 1
Atos do Poder Executivo ………………………………………………………….. 1
Presidência da República ………………………………………………………….. 2
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento …………………. 5
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação ……………………………. 6
Ministério da Cultura ……………………………………………………………….. 7
Ministério da Defesa ………………………………………………………………… 9
Ministério da Educação ………………………………………………………….. 10
Ministério da Fazenda…………………………………………………………….. 13
Ministério da Integração Nacional …………………………………………… 18
Ministério da Justiça ………………………………………………………………. 18
Ministério da Previdência Social……………………………………………… 21
Ministério da Saúde ……………………………………………………………….. 25
Ministério das Cidades……………………………………………………………. 32
Ministério das Comunicações ………………………………………………….. 32
Ministério das Relações Exteriores ………………………………………….. 34
Ministério de Minas e Energia ………………………………………………… 34
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ……….. 44
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior … 44
Ministério do Meio Ambiente …………………………………………………. 45
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão…………………….. 49
Ministério do Trabalho e Emprego ………………………………………….. 50
Ministério dos Transportes ……………………………………………………… 54
Conselho Nacional do Ministério Público ………………………………… 54
Ministério Público da União …………………………………………………… 56
Tribunal de Contas da União ………………………………………………….. 57
Defensoria Pública da União …………………………………………………… 73
Poder Judiciário ……………………………………………………………………… 74
Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais … 75
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
PLENÁRIO
DECISÕES
Ação Direta de Inconstitucionalidade e
Ação Declaratória de Constitucionalidade
(Publicação determinada pela Lei nº 9.868, de 10.11.1999)
Acórdãos
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.726 (1)
ORIGEM :ADI – 62947 – SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
PROCED. : SANTA CATARINA
R E L ATO R : MIN. JOAQUIM BARBOSAREQTE.(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA
INTDO.(A/S) : GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CA-
TA R I N A
INTDO.(A/S) : ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE
SANTA CATARINA
Decisão:Após o voto do Senhor Ministro Joaquim Barbosa
(Relator), julgando procedente a ação direta, no que foi acompanhado
pelos Senhores Ministros Menezes Direito, Cármen Lúcia, Eros Grau,
Carlos Britto, Cezar Peluso, Ellen Gracie, pediu vista dos autos o
Senhor Ministro Marco Aurélio. Ausente, justificadamente, porque
em representação do Tribunal no exterior, o Senhor Ministro Ricardo
Lewandowski. Presidência do Senhor Ministro Gilmar Mendes. Ple-
nário, 08.10.2008.
Decisão:Prosseguindo no julgamento, o Tribunal, por maio-
ria e nos termos do voto do Relator, Ministro Joaquim Barbosa
(Presidente), julgou procedente a ação direta, vencido o Ministro
Marco Aurélio. Não votaram os Ministros Roberto Barroso, Teori
Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux e Dias Toffoli, por sucederem, res-
pectivamente, aos Ministros Ayres Britto, Cezar Peluso, Ellen Gracie,
Eros Grau e Menezes Direito. Plenário, 20.11.2013.
EMENTA: CONSTITUCIONAL. FINANCEIRO. ICMS.
PARTILHA DO PRODUTO ARRECADADO. VALOR ADICIONA-
DO. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. LEI ORDINÁRIA DO
ESTADO-MEMBRO QUE UTILIZA CRITÉRIOS DE PARTILHA
COM BASE NA ÁREA INUNDADA PELO RESERVATÓRIO E
DEMAIS INSTALAÇÕES DA USINA HIDRELÉTRICA.
Nos termos do art. 161, I, da Constituição, cabe à lei com-
plementar federal estabelecer a definição de valor agregado, para o
efeito de partilha entre os municípios do valor arrecadado com o
Imposto sobre Operação de Mercadorias e Serviços, a que faz alusão
o art. 158, par. único, I, também da Constituição..
É inconstitucional a Lei 13.249/2004, do Estado de Santa
Catarina, que estabeleceu ela própria a referida definição. Violação do
art. 161, I, da Constituição de 1988. Vício insanável.
Ação Direta de Inconstitucionalidade julgada procedente.
Secretaria Judiciária
PATRÍCIA PEREIRA DE MOURA MARTINS
Secretária
I – Programa de Trabalho: 10.512.0122.002L.0027/2005 –
Apoio a Implantação, Ampliação ou Melhoria de Sistema Público de
Esgotamento Sanitário em Municípios Integrantes de Regiões Me-
tropolitanas e Regiões Integradas de Desenvolvimento – no Estado de
Alagoas – Obras de esgotamento sanitário no município de Pilar/AL,
vinculado à Unidade Orçamentária 36211 – Fundação Nacional de
Saúde – Funasa;
II – Objeto: Convênio 2.386/2005 (SIAFI 553838) e contrato
dele decorrente – Execução das obras do sistema de esgotamento
sanitário no município de Pilar/AL – (Valor: 2.170.000,00 – Data base:
09/12/2005);
III – Irregularidades: Sobrepreço decorrente de preços ex-
cessivos frente ao mercado; os desembolsos dos recursos referentes
ao convênio não têm conformidade com o o Plano de Trabalho
correspondente (Acórdão nº 2005/2013-TCU-Plenário).
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Congresso Nacional, em 19 de fevereiro de 2014
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente
ATO DO PRESIDENTE DA MESA
DO CONGRESSO NACIONAL N
o-2, DE 2014
O PRESIDENTE DA MESA DO CONGRESSO NACIO-
NAL, cumprindo o disposto no art. 6º da Resolução nº 01/2011-CN,
que “dispõe sobre a Representação Brasileira no Parlamento do Mer-
cosul, sua composição, organização e competências”, e para os efeitos
do que determina o art. 10 da referida Resolução, resolve:
Art. 1º Designar o Senador MOZARILDO CAVALCANTI,
na condição de membro titular da Representação Brasileira no Par-
lamento do Mercosul, em substituição ao Senador Alfredo Nasci-
mento, de acordo com anuência expressa de S. Exª aposta no Ofício
nº 002/2014-BLUFOR, da Liderança do Bloco Parlamentar União e
Força no Senado Federal.
Art. 2º Este Ato entra em vigor na data da sua publicação.
Senado Federal, 19 de fevereiro de 2014
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente da Mesa do Congresso Nacional
ATO DECLARATÓRIO DO PRESIDENTE DA MESA
DO CONGRESSO NACIONAL N
o-3, DE 2014
O PRESIDENTE DA MESA DO CONGRESSO NACIO-
NAL, nos termos do parágrafo único do art. 14 da Resolução nº 1, de
2002-CN, faz saber que a Medida Provisória nº 625, de 2 de setembro
de 2013, que “Abre crédito extraordinário, em favor do Ministério de
Minas e Energia, no valor de R$ 60.000.000,00, para o fim que
especifica”, teve seu prazo de vigência encerrado no dia 10 de fe-
vereiro do corrente ano.
Congresso Nacional, em 19 de fevereiro de 2014
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente da Mesa do Congresso Nacional Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do parágrafo
único do art. 52 do Regimento Comum, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
N
o-95, DE 2014
Determina o bloqueio da execução
física, orçamentária e financeira do
Convênio 2.386/2005 (SIAFI 553838),
vinculado ao Programa de Trabalho
10.512.0122.002L.0027/2005 – Apoio a
Implantação, Ampliação ou Melhoria de
Sistema Público de Esgotamento Sani-
tário em Municípios Integrantes de Re-
giões Metropolitanas e Regiões Integra-
das de Desenvolvimento – no Estado de
Alagoas – Obras de esgotamento sani-
tário no município de Pilar/AL, da Uni-
dade Orçamentária 36211 – Fundação
Nacional de Saúde – Funasa, com fun-
damento no art. 93, combinado com o §
4º do art. 97, ambos da Lei nº 12.708, de
2012 (LDO/2013).
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica bloqueada a execução física, orçamentária e
financeira do Programa de Trabalho a seguir especificado, com fun-
damento no art. 93, combinado com o § 4º do art. 97, ambos da Lei
nº 12.708, de 2012 (LDO/2013);
Atos do Poder Judiciário.
Atos do Congresso Nacional.
DECRETO N
o-8.196, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Dispõe sobre o saldo remanescente das au-
torizações para provimento de cargos, em-
pregos e funções constantes do Anexo V à
Lei nº 12.798, de 4 de abril de 2013 – Lei
Orçamentária Anual de 2013.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, caput, inciso IV, da Constituição, e tendo
em vista o disposto no § 4º do art. 80 da Lei nº 12.919, de 24 de
dezembro de 2013,
Atos do Poder Executivo.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20142ISSN 1677-7042
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
1
DECRETA:
Art. 1º O saldo remanescente das autorizações para provimento de cargos, empregos e funções
constantes do Anexo V à Lei nº 12.798, de 4 de abril de 2013 – Lei Orçamentária Anual de 2013, no
âmbito do Poder Executivo federal, é o constante do Anexo.
Art. 2º O saldo remanescente de que trata o art. 1º poderá ser utilizado no exercício de 2014,
condicionado aos limites orçamentários constantes do Anexo V à Lei nº 12.952, de 20 de janeiro de
2014 – Lei Orçamentária Anual de 2014.
Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 19 de fevereiro de 2014; 193º da Independência e 126º da República.
DILMA ROUSSEFF
Miriam Belchior
ANEXO
Saldo remanescente das autorizações para provimento de cargos efetivos constantes do Anexo V
à Lei no12.798, de 4 de abril de 2013 – Lei Orçamentária Anual de 2013
FinalidadeProvimento de cargos efetivos,
exclusive substituição
de terceirizadosProvimento de cargos efetivos
para substituição de terceirizados
Saldo Remanescente 12.056 3.401
DECRETO DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Abre ao Orçamento Fiscal da União, em favor da Secretaria da Micro e
Pequena Empresa da Presidência da República, crédito suplementar no valor
de R$ 3.938.600,00, para reforço de dotação constante da Lei Orçamentária
vigente.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput,
inciso IV, da Constituição, e tendo em vista a autorização contida no art. 4º,caput, inciso I, alínea “e”,
da Lei nº 12.952, de 20 de janeiro de 2014,DECRETA:
Art. 1º Fica aberto ao Orçamento Fiscal da União (Lei nº 12.952, de 20 de janeiro de 2014), em
favor da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República, crédito suplementar no
valor de R$ 3.938.600,00 (três milhões, novecentos e trinta e oito mil e seiscentos reais), para atender
à programação constante do Anexo.
Art. 2º Os recursos necessários à abertura do crédito de que trata o art. 1º decorrem de superávit
financeiro, relativo a Recursos Ordinários, apurado no Sistema Integrado de Administração Financeira
do Governo Federal – SIAFI, em 31 de dezembro de 2013.
Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 19 de fevereiro de 2014; 193º da Independência e 126º da República.
DILMA ROUSSEFF
Miriam Belchior
ÓRGÃO: 69000 – Secretaria da Micro e Pequena EmpresaUNIDADE: 69101 – Secretaria da Micro e Pequena Empresa
ANEXOCrédito Suplementar
PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTAÇÃO) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00FUNCIO-
NALPROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODU-
TOE
S
FG
N
DR
PM
O
DI
UF
T
EVA L O R
2023 Comércio e Serviços 3.938.600AT I V I D A D E S23 691 2023 2031 Serviços de Registro Mercantil e Atividades
Afins3.938.600
23 691 2023 2031 0001 Serviços de Registro Mercantil e Atividades
Afins – Nacional3.938.600
F 3 2 90 0 300 3.938.600TOTAL – FISCAL3.938.600TOTAL – SEGURIDADE0TOTAL – GERAL3.938.600
DESPACHOS DA PRESIDENTA DA REPÚBLICA
MENSAGEM
N
o s-18 e 19, de 19 de fevereiro de 2014. Comunica à Câmara dos
Deputados e ao Senado Federal, respectivamente, que se ausentará do
País no período de 21 a 24 de fevereiro de 2014, nos dias 21 e 22 em
visita às cidades do Vaticano e de Roma, e nos dias 23 e 24, em visita
à cidade de Bruxelas.
CASA CIVIL
IMPRENSA NACIONAL
COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO
PORTARIA No-3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO
DA IMPRENSA NACIONAL,usando da competência que lhe con-
fere o inciso II do art. 1º da Portaria nº 107, de 10 de maio de 2012,
do Diretor-Geral da Imprensa Nacional, publicada no Diário Oficial
da União de 11 de maio de 2012, e com base no que dispõe o item
13 do Termo de Referência – Anexo I do Edital de Pregão Eletrônico
nº 20/2013, resolve:
Art. 1º Aplicar à empresa JANE NUNES FAGUNDES-ME,
inscrita no CNPJ sob o nº 17.955.140/0001-16, estabelecida à Quadra
SDE 3, Conjunto “A”, Lote 1 – Setor de Oficinas de Taguatinga – DF,
CEP: 72145-300, as penalidades de advertência e de multa no valor
de R$ 1.670,52 (um mil, seiscentos e setenta reais e cinquenta e dois
centavos), em virtude de inexecução total das obrigações assumidas
no Pregão Eletrônico nº 20/2013, a teor da documentação acostada ao
Processo Administrativo nº 00034.000187/2014-68, com base no ar-
tigo 87, incisos I e II, da Lei nº 8.666/93.
Art. 2º O referido processo encontra-se com vista franqueada
ao interessado na Coordenação-Geral de Administração da Imprensa
Nacional.
SANDOVAL LUIZ DE SOUZA
Presidência da República.
INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA
DA INFORMAÇÃO
DESPACHO DO DIRETOR-PRESIDENTE
Em 19 de fevereiro de 2014
Entidade: AR B1 BRASIL, vinculada à AC CERTISIGN MÚLTIPLA,
AC OAB, AC CERTISIGN JUS, AC CERTISIGN RFB e AC BR RFB
Processos n
os: 00100.000040/2003-84, 00100.000280/2008-93,
00100.000208/2006-02, 00100.000183/2003-96 e 00100.000126/2008-11
Acolhe-se as Notas nºs 013/2014/PRCC/PFE-ITI/PGF/AGU,
042/2014 e 045/2014/DSB/PFE-ITI/PGF/AGU, 096/2014 e
111/2014/PRCC/PFE-ITI/PGF/AGU que opina pelo deferimento dos
pedidos de alteração de nome da AR B1 BRASIL para AR CER-
TIFICADOS BRASIL, vinculada à AC CERTISIGN MÚLTIPLA,
AC OAB, AC CERTISIGN JUS, AC CERTISIGN RFB e AC BR
RFB, para as Políticas de Certificados credenciadas.
RENATO DA SILVEIRA MARTINI
ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO
PROCURADORIA-GERAL FEDERAL
SUBPROCURADORIA-GERAL FEDERAL
PORTARIA No-151, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Dispõe sobre a colaboração mútua entre a
Procuradoria Seccional Federal em Feira de
Santana/BA e os órgãos de execução que
especifica.
O SUBPROCURADOR-GERAL FEDERAL, no uso da
atribuição que lhe foi delegada pelo Procurador-Geral Federal, nos
termos da Portaria PGF nº 200, de 25 de fevereiro de 2008, re-
solve:
Art. 1º A Procuradoria Seccional Federal em Feira de San-
tana/BA, a Procuradoria Federal Especializada junto ao Instituto Na-
cional do Seguro Social – INSS em Santo Antonio de Jesus/BA e em
Feira de Santana/BA e a Representação da Procuradoria Federal Es-
pecializada junto ao Instituto Nacional do Seguro Social – INSS emJequié/BA prestarão colaboração mútua, sob a coordenação do res-
ponsável pela primeira.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação, convalidando-se os atos anteriormente praticados.
RENATO RODRIGUES VIEIRA
SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO
DA IGUALDADE RACIAL
PORTARIA No-9, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Estabelece os valores de contrapartida fi-
nanceira a serem exigidos das entidades
privadas sem fins lucrativos beneficiárias
das transferências de recursos públicos rea-
lizadas no âmbito da Secretaria de Políticas
de Promoção da Igualdade Racial da Pre-
sidência da República e dá outras provi-
dências.
A MINISTRA DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA
DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL
DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – SEPPIR/PR, no uso das
atribuições que lhe conferem o artigo 24-C da Lei 10.683, de 28 de
maio de 2003 e o art. 15 do Decreto 7.261, de 12 de agosto de 2010,
e tendo em vista o disposto no artigo 59 da Lei nº 12.919, de 24 de
dezembro de 2013, resolve:
Art. 1º – Estabelecer os percentuais de contrapartida finan-
ceira para os convênios, contratos de repasse, termos de parceria e
outros instrumentos congêneres, firmados com entidades privadas
sem fins lucrativos, no âmbito da Secretaria de Políticas de Promoção
da Igualdade Racial – SEPPIR:
I – 2% (dois por cento) para transferências de recursos até o
valor de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais);
II – 3% (três por cento) para transferências nos valores acima
de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) até R$ 400.000,00 (quatro-
centos mil reais); e
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20143ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
III – 5% (cinco por cento) para transferências nos valores
acima de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais).
Art. 2º – A contrapartida financeira poderá ser dispensada e
os percentuais fixados no art. 1º poderão ser reduzidos, mediante
justificativa expressa do titular da Pasta, que deverá constar no pro-
cesso correspondente.
Art. 3º – Não se exigirá contrapartida nas transferências de
recursos às entidades que atuem nas áreas de saúde, educação e
assistência social e atendam ao disposto no art. 54, da Lei nº 12.919,
de 2013.
Art. 4° – Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
LUIZA HELENA DE BAIRROS
CONSELHO DE GOVERNO
CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR
RESOLUÇÃO No8, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Altera o direito antidumping definitivo, de
que trata a Resolução CAMEX no124, de
26 de dezembro de 2013, atribuído ao pro-
dutor/exportador que menciona.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR, no exercício da competência conferida pelo
inciso XV do art. 2odo Decreto no4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando
o que consta na Nota Técnica no
16/2014/CGAC/DECOM/SECEX, de 31 de janeiro de 2014, resolve:
Art. 1oAtribuir ao Produtor/Exportador do Taipé Chinês Li
Peng Enterprise Co., Ltd. por um prazo de até 5 (cinco) anos a contar
da publicação no Diário Oficial da União da Resolução CAMEX no
124, de 26 de dezembro de 2013, o direito antidumping definitivo de
US$ 445,45/t (quatrocentos e quarenta e cinco dólares e quarenta e
cinco centavos por tonelada) às importações brasileiras de fios têxteis
de filamentos contínuos de náilon (poliamida 6, poliamida 6.6), de
título inferior a 50 tex, qualquer número de filamento, perfil ou
maticidade (brilhante, opaco ou semi-opaco), lisos ou texturizados,
sem torção ou com torção inferior a 50 voltas por metro, tintos, crus
ou branqueados, comumente classificadas nos itens 5402.31.11,
5402.31.19 e 5402.45.20 da Nomenclatura Comum do MERCOSUL –
NCM.
Art. 2oEsta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-9, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Dá provimento ao pedido de reconsideração
apresentado em face da Resolução CAMEX
nº 106, de 18 de dezembro de 2013, e altera
o direito antidumping aplicado às empresas
que menciona.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência con-
ferida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de
2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
11/2014/CGAS/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Comer-
cial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desen-
volvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Conhecer e dar provimento ao pedido de recon-
sideração apresentado pela empresaKenda Rubber (Vietnam) Co.,
Ltd. em face da Resolução CAMEX nº 106, de 18 de dezembro de
2013, publicada no Diário Oficial da União em 19 de dezembro de
2013.
Art. 2º Alterar, ex-officio, o direito antidumping aplicado às
empresas Good Time Rubber Co., Ltd. e Link Fortune Tyre Tube
Co., Ltd.
Art. 3º Tendo em vista o disposto nos artigos 1º e 2º, o art.
1º da Resolução CAMEX nº 106, de 2013, passa a vigorar com a
seguinte redação:
“Art. 1º………………………………………………………………………….
País P ro d u t o r / E x p o r t a d o rD i re i t o
Antidumping
(US$/kg)
China Aspama International Corporation 2,21Cheng Shin Rubber (Xiamen) Ind., Ltd.2,21Chongqing Super Star Rubber Industrial
Co., Ltd.3,23
Kenda Rubber (Shenzhen) Co., Ltd. 2,21Qingdao Morewin Rubberware Co., Ltd.2,21Qingdao Taifa Tyre Co., Ltd. 2,21Sichuan Yuanxing Rubber Co., Ltd. 2,21
Tianjin Kings Glory Tire Co., Ltd. 2,21Tianjin Wanda Tyre Group Co., Ltd. 3,23Wenzhou Zhengxin Tyre Co., Ltd. 2,21Zhejiang Yizheng Tyre Co., Ltd. 2,21Demais 7,40Ta i l â n d i a Inoue Gomu Kogyo 5,72Inoue Rubber (Thailand) Public Co., Ltd.5,72Michelin Siam Company Limited 5,72Michelin Thailand 5,72Vee Rubber Corporation Ltd. 5,72Vee Rubber International Co., Ltd. 5,72Demais 6,18Vi e t n ãGood Time Rubber Co., Ltd. 0,78Kenda Rubber (Vietnam) Co., Ltd. 0,78Link Fortune Tyre Tube Co., Ltd. 7,79Demais 7,79″(NR)
Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-10, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido de reconside-
ração, com efeito suspensivo, apresentado
em face da Resolução CAMEX nº 99, de
25 de novembro de 2013.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência con-
ferida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de
2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
02/2014/CGAC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Co-
mercial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do De-
senvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Negar provimento ao pedido de reconsideração, com
efeito suspensivo, apresentado pela Shenyang Guanpin Woodenwa-
re Co. Ltd.em face da Resolução CAMEX nº 99, de 25 de no-
vembro de 2013, publicada no Diário Oficial da União em 26 de
novembro de 2013.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-11, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Dá provimento parcial ao pedido de recon-
sideração apresentado em face da Resolu-
ção CAMEX nº 101, de 28 de novembro de
2013.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência con-
ferida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de
2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
09/2014/CGMC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Co-
mercial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do De-
senvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Conhecer e dar provimento parcial ao pedido de
reconsideração apresentado pelas empresasAsk do Brasil Ltda.;
Bravox S/A Indústria e Comércio Eletrônico;Harman do Brasil
Indústria Eletrônica e Participações Ltda.; e Thomas K.L. In-
dústria de Alto-Falantes Ltda. em face da Resolução CAMEX nº
101, de 28 de novembro de 2013, publicada no Diário Oficial da
União em 29 de novembro de 2013.
Art. 2º O art. 2º da Resolução CAMEX nº 101, de 2013,
passa a vigorar com a seguinte redação:
“Art.2º ………………………………………………………………………….:
a) …………………………………………………………………………………;
b) …………………………………………………………………………………;
c) …………………………………………………………………………………;
d) ………………………………………………………………………………….
e) …………………………………………………………………………………;
f) …………………………………………………………………………………;
g) alto-falantes destinados a serem integrados a aparelhos de
áudio e/ou vídeo, desde que esses aparelhos não sejam de uso em
veículos automóveis, tratores e outros veículos terrestres.” (NR)
Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do ConselhoRESOLUÇÃO N
o-12, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido de reconside-
ração, com efeito suspensivo, apresentado
em face da Resolução CAMEX nº 106, de
18 de dezembro de 2013.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência confe-
rida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
17/2014/CGAS/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Comer-
cial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desen-
volvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Negar provimento ao pedido de reconsideração, com
efeito suspensivo, apresentado pelaSociedade Michelin de Parti-
cipações, Indústria e Comércio Ltda.em face da Resolução CA-
MEX nº 106, de 18 de dezembro de 2013, publicada no Diário Oficial
da União em 19 de dezembro de 2013.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-13, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido de reconsidera-
ção apresentado em face da Resolução CA-
MEX nº 107, de 18 de dezembro de 2013.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência confe-
rida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
14/2014/CGMC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Co-
mercial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do De-
senvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Negar provimento ao pedido de reconsideração, apre-
sentado pela RHI Refmex S.A. de C.V.e pelaRHI Brasil Re-
fratários Ltda.em face da Resolução CAMEX nº 107, de 18 de
dezembro de 2013, publicada no Diário Oficial da União em 19 de
dezembro de 2013.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-14, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido de reconsidera-
ção apresentado em face da Resolução CA-
MEX nº 124, de 26 de dezembro de 2013.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência confe-
rida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
19/2014/CGAC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Co-
mercial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do De-
senvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Negar provimento ao pedido de reconsideração, apre-
sentado pela empresa Yiwu Huading Nylon Co., Ltd.em face da
Resolução CAMEX nº 124, de 26 de dezembro de 2013, publicada no
Diário Oficial da União em 27 de dezembro de 2013.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-15, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido suspensão da
cobrança retroativa do direito antidumping
apresentado em face da Resolução CAMEX
nº 124, de 26 de dezembro de 2013.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência confe-
rida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
25/2014/CGAC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Co-
mercial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do De-
senvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20144ISSN 1677-7042
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
1
Art. 1º Negar provimento ao pedido de suspensão da co-
brança retroativa do direito antidumping aplicado pela Resolução
CAMEX nº 124, de 26 de dezembro de 2013, publicada no Diário
Oficial da União em 27 de dezembro de 2013, para as importações de
Taipé Chinês, República Popular da China e República da Coreia,
apresentado pelas empresasAdvance Indústria Têxtil Ltda.; Ven-
tuno Produtos Têxteis Ltda.; eTrop Comércio Exterior Ltda.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-16, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido de reconsidera-
ção apresentado em face da Resolução CA-
MEX nº 124, de 26 de dezembro de 2013.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência confe-
rida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
23/2014/CGAC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Co-
mercial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do De-
senvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Negar provimento ao pedido de reconsideração, apre-
sentado pela empresa Lealea Enterprise Co. Ltd.em face da Re-
solução CAMEX nº 124, de 26 de dezembro de 2013, publicada no
Diário Oficial da União em 27 de dezembro de 2013.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-17, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido de reconside-
ração, com efeito suspensivo, apresentado
em face da Resolução CAMEX nº 1, de 15
de janeiro de 2014.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência confe-
rida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
22/2013/CGSC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Comer-
cial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desen-
volvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Negar provimento ao pedido de reconsideração, com
efeito suspensivo, apresentado pela Nexen Tires Co. Inc.em face da
Resolução CAMEX nº 1, de 15 de janeiro de 2014, publicada no
Diário Oficial da União em 16 de janeiro de 2014.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO N
o-18, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Nega provimento ao pedido de reconside-
ração apresentado em face da Resolução
CAMEX nº 1, de 15 de janeiro de 2014.
O CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE CO-
MÉRCIO EXTERIOR – CAMEX no exercício da competência confe-
rida pelo art. 2º, inciso XV do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003,
Considerando o contido na
Nota Técnica no
21/2013/CGSC/DECOM/SECEX do Departamento de Defesa Comer-
cial da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desen-
volvimento, Indústria e Comércio Exterior, resolve:
Art. 1º Negar provimento ao pedido de reconsideração apre-
sentado pela Svizz-one Corporation Ltd.em face da Resolução
CAMEX nº 1, de 15 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial
da União em 16 de janeiro de 2014.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
MAURO BORGES LEMOS
Presidente do Conselho
SECRETARIA DE PORTOS
AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES
A Q U AV I Á R I O S
PORTARIA No-98, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014
O DIRETOR-GERAL SUBSTITUTO DA AGÊNCIA
NACIONAL DE TRANPORTES AQUAVIÁRIOS – ANTAQ, no
uso da competência que lhe é conferida pelos incisos IV e VII do art.
54 do Regimento Interno, considerando a Portaria nº 014/2013-DG,
de 6 de fevereiro de 2013, o que determina a Cláusula Quinta do
Convênio de Delegação nº 01/2012, celebrado entre a União, por
intermédio da Secretaria de Portos da Presidência da República e o
Estado de Santa Catarina para a administração e exploração do porto
de Imbituba/SC, e o que foi deliberado pela Diretoria Colegiada em
sua 355ª Reunião Ordinária, realizada em 30 de janeiro de 2014,
resolve:
Art. 1º Reconstituir a Comissão Especial de Inventariança de
Bens, composta pelos servidores Geraldo Magela Esteves dos Reis,
Bruno Januzzi e Deivid da Silva para, sob a presidência do primeiro,
realizar a avaliação, inventariança, entrega e recebimento dos bens do
Porto de Imbituba, a serem cedidos por força do Convênio de De-
legação.
Art. 2º Os trabalhos da comissão deverão ser concluídos e
relatados no prazo de 120 (cento e vinte) dias.
Art. 3º Esta portaria entra em vigor nesta data.
PEDRO BRITO
RETIFICAÇÃO
No inciso V, do art. 27, do Anexo da Resolução nº 3.290, de
13 de fevereiro de 2014, publicado no DOU de 17 de fevereiro de
2014, Seção 1, página 10, onde se lê:”…plano de segurança do porto
o rg a n i z a d o . . . ” , leia-se:”…plano de segurança do terminal…”
SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL
AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL
DECISÃO No-13, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIA-
ÇÃO CIVIL – ANAC, no exercício da competência que lhe foi
outorgada pelos arts. 8º, incisos XIX, XX e XLVI, e 11, inciso V, da
Lei nº 11.182, de 27 de setembro de 2005,
Considerando que compete à ANAC regular as autorizações
de horários de pouso e decolagem de aeronaves civis, observadas as
condicionantes do sistema de controle do espaço aéreo e da in-
fraestrutura aeroportuária disponível;
Considerando que a regulação da ANAC visa, também, as-
segurar a prestação de serviço adequado, condição para manutenção
dos horários alocados às empresas de serviços aéreos para pouso e
decolagem nos aeroportos;
Considerando que é infração imputável à concessionária ou
permissionária de serviços aéreos a não observação, sem justa causa,
dos horários aprovados;
Considerando que o responsável pela administração do ae-
roporto deve preservar a qualidade operacional do aeroporto e que a
ele é imputável como infração a não obediência a quaisquer preceitos
do Código Brasileiro Nacional de Aviação Civil e das normas re-
gulamentares; e
Considerando o que consta do processo nº 00058.038657/2013-
15, deliberado e aprovado na Reunião Deliberativa da Diretoria realizada
em 18 de fevereiro de 2014, decide:
Art. 1º O operador de aeródromo deve garantir as condições
de utilização da infraestrutura que preservem o fluxo das operações
aéreas de acordo com os Horários de Transporte – HOTRAN e slots
alocados pela ANAC.
Art. 2º O operador de aeródromo deverá estabelecer e dis-
ponibilizar, previamente, ao operador aéreo, as regras de utilização do
aeródromo em questão.
Art. 3º O operador de aeródromo poderá proceder à imediata
remoção da aeronave que violar as regras de utilização do aeródromo
nas seguintes hipóteses:I – ultrapassado o tempo de permanência autorizado pelo
operador de aeródromo para determinada operação aérea;
II – a aeronave for estacionada em posição diferente da
determinada; e
III – qualquer outra hipótese que impeça, sem justa causa, o
fluxo de operações aéreas.
Parágrafo único. A remoção realizada pelo operador de ae-
ródromo ocorrerá por conta e risco do operador aéreo, respeitados os
requisitos de segurança aplicáveis ao procedimento de movimentação
de aeronaves.
Art 4º O disposto nesta Decisão não afasta a incidência da
legislação referente à segurança operacional e de atos de interferência
ilícita aplicáveis às atividades dos operadores de aeródromo e aéreos.
Art 5º Esta Decisão entra em vigor na data de sua publicação.
MARCELO PACHECO DOS GUARANYS
Diretor-Presidente
DECISÕES DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIA-
ÇÃO CIVIL – ANAC, no exercício da competência que lhe foi
outorgada pelo art. 11, inciso III, da Lei nº 11.182, de 27 de setembro
de 2005, tendo em vista o disposto na Lei nº 7.565, de 19 de de-
zembro de 1986, e na Portaria nº 190/GC-5, de 20 de março de 2001,
e considerando o deliberado e aprovado na Reunião Deliberativa da
Diretoria realizada em 18 de fevereiro de 2014, decide:
N
o-14 – Autorizar, por 5 (cinco) anos, a sociedade empresária BRISA
AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA. – ME, CNPJ nº 92.553.486/0001-03,
com sede social em Espumoso (RS), a explorar serviço aéreo público
especializado na atividade aeroagrícola. Processo nº
00058.054757/2013-81.
N
o-15 – Autorizar, por 5 (cinco) anos, a sociedade empresária CRU-
ZADA AÉREO AGRÍCOLA LTDA. – ME, CNPJ nº
92.841.501/0001-19, com sede social em São Vicente do Sul (RS), a
explorar serviço aéreo público especializado na atividade aeroagrí-
cola. Processo nº 00058.055699/2013-11.
Estas Decisões entram em vigor na data da publicação.
O inteiro teor das Decisões acima encontra-se disponível no
sítio da ANAC na rede mundial de computadores – endereço
h t t p : / / w w w. a n a c . g o v. b r.
MARCELO PACHECO DOS GUARANYS
Diretor-Presidente
RETIFICAÇÃO
Na Portaria nº 329, de 07 de fevereiro de 2014, publicada no
Diário Oficial da União nº 29, de 11 de fevereiro de 2014, Seção 1,
página 2, onde se lê:”(…) com sede social em Água de Goiás (RJ)
(…)”, leia-se “(…) com sede social em Água Fria de Goiás (GO) (…)”.
SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA
A E R O P O RT U Á R I A
PORTARIA No-417, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Publicação do Plano Anual de Controle de
Qualidade AVSEC – PACQ/AVSEC-2014.
O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AE-
R O P O RT U Á R I A , no uso das atribuições que lhe confere o art. 41,
incisos V, XIV e XLII, do Regimento Interno aprovado pela Re-
solução n° 110, de 15 de setembro de 2009, considerando o que
dispõe o RBAC nº 111, item 111.27 (a), e tendo em vista as in-
formações que constam nos autos do processo nº 00058.096514/2013-
10, resolve:
Art. 1º Aprovar o Plano Anual de Controle de Qualidade
AVSEC 2014 (PACQ AVSEC), na forma do Anexo a esta Portaria.
Art. 2º Os testes AVSEC serão divulgados por meio de ofício
encaminhado aos operadores aeroportuários no mês anterior à data de
realização.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FABIO FAIZI RAHNEMAY RABBANI
ANEXO
PROGRAMAÇÃO DE AUDITORIA AVSEC – AEROPORTOS
AUDITORIAS AEROPORTOSNo-ICAO LOCALIDADE ATENDIDA UF ADMINISTRADOR PACQ 20141 SBGR GUARULHOS SP GRU AIRPORT 1° SEMESTRE2 SBBR BRASÍLIA DF INFRAMÉRICA 1° SEMESTRE3 SBCF BH – CONFINS MG INFRAERO 1° SEMESTRE4 SBSV S A LVA D O R BA INFRAERO 1° SEMESTRE5 SBUL UBERLÂNDIA MG INFRAERO 1° SEMESTRE
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20145ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
6 SBFZ F O RTA L E Z A CE INFRAERO 1° SEMESTRE7 SBVT VITÓRIA ES INFRAERO 1° SEMESTRE8 SBBE BELÉM PA INFRAERO 1° SEMESTRE9 SBEG MANAUS AM INFRAERO 1° SEMESTRE10 SBGO GOIÂNIA GO INFRAERO 2° SEMESTRE11 SBSL SÃO LUÍS MA INFRAERO 2° SEMESTRE12 SBJP João pessoa PB INFRAERO 2° SEMESTRE13 SBSR SÃO J. RIO PRETO SP DAESP 2° SEMESTRE14 SBPJ PA L M A S TO INFRAERO 2° SEMESTRE15 SBMQ Macapá AP INFRAERO 2° SEMESTRE
PROGRAMAÇÃO DE AUDITORIA AVSEC – CENTROS DE INSTRUÇÃO
AUDITORIA DE CENTROS DE INSTRUÇÃONo-CENTRO DE INSTRUÇÃO PACQ 20141 RANAP2º SEMESTRE2 TOP LYNE2º SEMESTRE3 TA S S2º SEMESTRE4 PROAIR2º SEMESTRE5 VA LV E R2º SEMESTRE6 E M B R A S ATA2º SEMESTRE7 ALIANÇA2º SEMESTRE8 INFRAERO2º SEMESTRE9 AV I A N C A2º SEMESTRE10 CARGO SERVICE CENTER 2º SEMESTRE11 SWISSPORT BRASIL2º SEMESTRE12 VIT SOLO2º SEMESTRE13 TOTAL LINHAS AÉREAS 2º SEMESTRE
PROGRAMAÇÃO DE AUDITORIA AVSEC – OPERADORES AÉREOS
AUDITORIA OPERADORES AÉREOSNo-OPERADOR AÉREOPACQ 20141 LAN AIRLINE S/A1° SEMESTRE2 TAME LÍNEA AÉREA DEL ECUADOR 1° SEMESTRE3 AIRES AEROVIAS DE INTEGRACIÓN REGIONAL S.A. 1° SEMESTRE4 KLM ROYAL DUTCH AIRLINES 1° SEMESTRE5 ANGOLA AIRLINES1° SEMESTRE6 AUSTRAL LÍNEAS AÉREAS, CIELOS DEL SUR S.A. 1° SEMESTRE7 CONDOR FLUGDIENST GMBH 1° SEMESTRE8 ABSA – AEROLINHAS BRASILEIRAS 1° SEMESTRE9 ATLAS AIR INC1° SEMESTRE10 MAP – TRANSPORTES AÉREOS LTDA 1° SEMESTRE11 SATA INTERNACIONAL 1° SEMESTRE12 LAN CARGO S.A.1° SEMESTRE13 AIR ITALY S.P.A.1° SEMESTRE14 SETE LINHAS AÉREAS 1° SEMESTRE15 LOS CIPRESES SOCIEDAD ANONIMA 1° SEMESTRE16 SURINAM AIRWAYS LTDA 1° SEMESTRE1 7 AV I A N C A / O C E A N I R2° SEMESTRE18 NHT LINHAS AÉREAS LTDA (atual BRAVA). 2° SEMESTRE19 AZUL LINHAS AÉREAS BRASILEIRAS S.A 2° SEMESTRE20 PASSAREDO TRANSPORTES AÉREOS LTDA. 2° SEMESTRE21 TAM LINHAS AÉREAS S/A 2° SEMESTRE22 VRG LINHAS AÉREAS S/A. / GRUPO GOL 2° SEMESTRE23 BRITISH AIRWAYS PLC 2° SEMESTRE24 CUBANA DE AVIACION S/A. 2° SEMESTRE25 ETIHAD AIRWAYS P.J.S.C 2° SEMESTRE26 LACSA – LINEAS AÉREAS COSTARRICENSES S/A 2° SEMESTRE
SUPERINTENDÊNCIA DE PADRÕES OPERACIONAIS
GERÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DE
ORGANIZAÇÕES DE INSTRUÇÃO
PORTARIAS DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O GERENTE DE CERTIFICAÇÃO DE ORGANIZA-
ÇÕES DE INSTRUÇÃO, no uso das atribuições que lhe confere o
art. 1º, inciso V, da Portaria nº 3.377/SPO, de 20 de dezembro de
2013, resolve:
N
o-414 – Homologar o curso de Treinamento de Solo R66, pelo
período de 5 (cinco) anos, da Ultra Pilot Escola de Aviacao Civil
Ltda. situada a Avenida Ayrton Senna, nº 2451 – Rua A/Prédio E –
38/parte, Aeroporto de Jacarepaguá, na Cidade do Rio de janeiro – RJ,
CEP: 22.775-002, conforme despacho dado ao requerimento atinente
ao processo nº 00065.142119/2013-27.
N
o-415 – Autorizar o funcionamento, pelo período de 5 (cinco) anos,
da ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL PLA EIRELI – ME, situada na
Rua na Francisco Valois S/Nº, Hangar 14 – Setor Aeroporto, CEP:
75104-280, na cidade de Anápolis-GO. Homologar os Cursos de
Mecânico de Manutenção Aeronáutica, Habilitações Célula, Grupo
Motopropulsor e Aviônicos, partes teórica e prática, pelo período de 5
(cinco) anos, da ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL PLA EIRELI – ME,
situada na Rua na Francisco Valois S/Nº, Hangar 14 – Setor Ae-
roporto, CEP: 75104-280, na cidade de Anápolis-GO. Processo nº
00065.045191/2013-15.
Estas Portarias entram em vigor na data da publicação.O inteiro teor das Portarias acima encontra-se disponível no
sítio da ANAC na rede mundial de computadores – endereço
h t t p : / / w w w. a n a c . g o v. b r.
AUDIR MENDES DE ASSUNÇÃO FILHO
SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO
ECONÔMICA E ACOMPANHAMENTO
DE MERCADO
PORTARIA No-418, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Autoriza o funcionamento jurídico de so-
ciedade empresária de serviço aéreo públi-
co especializado.
O SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO ECONÔ-
MICA E ACOMPANHAMENTO DE MERCADO SUBSTITU-
TO , no uso da atribuição que lhe confere o art. 39, inciso XXXVII,
do Regimento Interno aprovado pela Resolução nº 110, de 15 de
setembro de 2009, considerando o disposto na Portaria nº 190/GC-5,
de 20 de março de 2001, e tendo em vista o que consta do processo
nº 07-01/13650/05, resolve:
Art. 1º Autorizar o funcionamento jurídico da sociedade em-
presária RITTER AERO AGRÍCOLA LTDA – ME, CNPJ nº
07.629.863/0001-71, com sede social em Acreúna/GO, como empresa
exploradora de serviço aéreo público especializado na atividade ae-
roagrícola, pelo prazo de 12 (doze) meses contados da data da pu-
blicação desta Portaria.Parágrafo único. A exploração dos serviços referidos no ca-
put fica condicionada à outorga de autorização operacional pela Di-
retoria Colegiada da ANAC, após o atendimento dos requisitos téc-
nico-operacionais.
Art. 2º A empresa deverá comprovar o início do processo de
certificação para obtenção do Certificado de Operador Aéreo – COA
no prazo de 30 (trinta) dias, sob pena de revogação desta Autorização
de Funcionamento Jurídico.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
RAFAEL PEREIRA SCHERRE
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA No-95, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ-
RIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere o
art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, tendo em vista o
disposto no § 1º do art. 5º do Decreto-Lei nº 79, de 19 de dezembro
de 1966, alterado pela Lei nº 11.775, de 17 de setembro de 2008, e o
que consta do Processo nº 21000.000224/2014-03, resolve:
Art. 1º O preço mínimo básico da uva industrial para a safra
2013/2014 nas Regiões Sul, Sudeste e Nordeste é de R$ 0,63 (ses-
senta e três centavos) por quilograma (kg), no período de 1º de
janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2014.
Art. 2º O preço mínimo de que trata o art. 1º desta Portaria
foi aprovado pelo Conselho Monetário Nacional por meio do Voto
CMN nº 149/2013, de 30 de dezembro de 2013, sendo utilizado em
operações de Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor
(FGPP) e de subvenção econômica, na forma de equalização de pre-
ços.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
ANTÔNIO ANDRADE
SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA
PORTARIA Nº 19, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MI-
NISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMEN-
TO, no uso das atribuições que lhe conferem os arts. 10 e 42 do
Anexo I do Decreto nº 7.127, de 4 de março de 2010, tendo em vista
a Portaria nº 339, de 28 de setembro de 2009 e o que consta do
Processo nº 21000.004413/2013-66, resolve:
Art. 1º Alterar a razão social do laboratório Linkgen Bio-
tecnologia Veterinária Ltda., CNPJ nº 01.255.226/0001-04, constante
da Portaria SDA nº 339, de 28 de setembro de 2009, para Linkgen
Biotecnologia Ltda-ME.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
RODRIGO FIGUEIREDO
Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento
.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20146ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA Nº 184, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA
E INOVAÇÃO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 2º do
Decreto nº 98.830, de 15 de janeiro de 1990, resolve:
Art. 1º. Fica a representante da contraparte brasileira, Dra.
LUCIETA GUERREIRO MARTORANO, da Empresa Brasileira de
Pesquisa Agropecuária (Embrapa) da Amazônia Oriental, autorizada a
realizar coleta de dados no âmbito do projeto de pesquisa científica
intitulado: “Potencial da biodiversidade e dos ecossistemas na mi-
tigação de mudanças climáticas – Role of Biodiversity in Climate
Change Mitigation – ROBIN”, Processo CNPq nº 002607/2013-1, em
cooperação com o NERC Centre for Ecology & Hydrology – CEH e
com o Wagningen Universiteit, ambos da Holanda, e, ainda, com o
Instituto Boliviano de Investigacion Forestal Asociacion – IBIF, da
Bolívia, representados pelo DR. TERRY PARR, contraparte estran-
geira, pelo prazo de um ano, contado a partir da publicação desta
Portaria no Diário Oficial da União.
§ 1º. O prazo previsto neste artigo poderá ser prorrogado,
mediante a apresentação, antes de seu término, de pedido específico
pelo representante da contraparte brasileira, acompanhado de relatório
parcial das atividades realizadas.
§ 2º. A autorização de que trata este artigo compreende a
participação nos trabalhos de campo dos pesquisadores estrangeiros
abaixo relacionados:
Equipe Estrangeira Nacionalidade InstituiçãoMarielos Peña Claros Holandesa Wageningen UniversiteitLourens Poorter Holandesa Wageningen UniversiteitMasha van der Sande Holandesa Wageningen Universiteit
Art. 2º. A coleta de material e seu destino ficam vinculados
à estrita observância das normas do Decreto nº 98.830, de 15 de
janeiro de 1990, e da Portaria MCT nº 55, de 14 de março de
1990.
Art. 3º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MARCO ANTONIO RAUPP
PORTARIA Nº 185, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA
E INOVAÇÃO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 2º do
Decreto nº 98.830, de 15 de janeiro de 1990, resolve:
Art. 1º. Fica o representante da contraparte brasileira, Dr.
MARIA VICTORIA RAMOS BALLESTER, do Centro de Energia
Nuclear na Agricultura – CENA da Universidade de São Paulo – USP,
autorizada a realizar coleta de dados no âmbito do projeto de pesquisa
científica intitulado: “Trocas Líquidas do Ecossistema Baixo Rio
Amazonas – Da Terra para o Oceano e Atmosfera”, Processo CNPq nº
002622/2013-0, em cooperação a University of Washington – UW
(EUA), representada pelo DR. JEFFREY EDWARD RICHEY, con-
traparte estrangeira, natural dos Estados Unidos, pelo prazo de um
ano, contado a partir da publicação desta Portaria no Diário Oficial da
União.
§ 1º. O prazo previsto neste artigo poderá ser prorrogado,
mediante a apresentação, antes de seu término, de pedido específico
pelo representante da contraparte brasileira, acompanhado de relatório
parcial das atividades realizadas.
§ 2º. A autorização de que trata este artigo inclui a par-
ticipação nos trabalhos de campo da equipe de pesquisadores es-
trangeiros abaixo relacionados:
Equipe Estrangeira Nacionalidade InstituiçãoNicolas David Ward Americana University of WashingtonRichard Keil Americana Americana University of WashingtonWillian Gagne-Maynard Americana University of Washington
Art. 2º. A coleta de material e seu destino ficam vinculados
à estrita observância das normas do Decreto nº 98.830, de 15 de
janeiro de 1990, e da Portaria MCT nº 55, de 14 de março de
1990.
Art. 3º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MARCO ANTONIO RAUPP
PORTARIA N
o-193, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA
E INOVAÇÃO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87,
parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal, e tendo em
vista o disposto nos arts. 3
oda Lei no8.248, de 23 de outubro de
1991, e 7odo Decreto no5.906, de 26 de setembro de 2006, re-
solve:
Art. 1
oReconhecer, conforme consta do processo MCTI no
01200.005174/2013-06, de 01 de novembro de 2013, que o produto,
e respectivos modelos descritos abaixo, desenvolvido pela empresa
Schneider Electric It Brasil Indústria e Comércio de Equipamentos
Eletrônicos Ltda., inscrita no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do
Ministério da Fazenda – CNPJ/MF sob o n
o07.108.509/0001-00,atende à condição de bem de informática e automação desenvolvido
no País, nos termos e para os fins estabelecidos na Portaria MCT n
o
950, de 12 de dezembro de 2006:
Produto: Estabilizador de tensão microprocessado.
Modelo: APC FRIDGE PLUS VOLTAGE REGULATOR.
Art. 2
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MARCO ANTONIO RAUPP
PORTARIA N
o207, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA
E INOVAÇÃO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87,
parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal, e tendo em
vista o disposto nos arts. 3
oda Lei no8.248, de 23 de outubro de
1991, e 7odo Decreto no5.906, de 26 de setembro de 2006, re-
solve:
Art. 1
oReconhecer, conforme consta do processo MCTI no
01200.004363/2013-53, de 11 de setembro de 2013, que o produto, e
respectivo modelo descrito abaixo, desenvolvido pela empresa BR ID
Equipamentos e Sistemas S.A., inscrita no Cadastro Nacional da
Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda – CNPJ/MF sob o n
o
13.650.799/0001-03, atende à condição de bem de informática e au-
tomação desenvolvido no País, nos termos e para os fins estabe-
lecidos na Portaria MCT n
o950, de 12 de dezembro de 2006:
Produto: Unidade de bordo para pedágio e controle de acesso
(“TAG”), baseado em técnica digital, de frequência inferior a 15 GHz
e taxa de transmissão inferior a 34 Mbits/s.
Modelo: TAV7.
Art. 2
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MARCO ANTONIO RAUPP
PORTARIA Nº 208, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Dispõe sobre os parâmetros de aplicação
dos recursos de equalização no âmbito do
Fundo Nacional de Desenvolvimento Cien-
tífico e Tecnológico – FNDCT.
O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA
E INOVAÇÃO, no uso de suas atribuições, com fulcro no art. 13, §6º,
do Decreto nº 6.938, de 13 de agosto de 2009, tendo em vista o
disposto nos arts. 2º, inciso II, 13 e 14 do Decreto nº 4.195, de 11 de
abril de 2002, e
CONSIDERANDO as recomendações da Câmara Técnica de
Políticas de Incentivo à Inovação, resolve:
Art. 1º A equalização de que trata o art. 14 do Decreto nº
4.195, de 11 de abril de 2002, incidirá sobre os encargos das ope-
rações de crédito da Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP e
poderá abranger:
I – o custo de captação da FINEP e de sua administração;
II – spread variável, definido pela FINEP a cada operação, de
acordo com o respectivo risco de crédito.
§ 1º A Câmara Técnica de Políticas de Incentivo à Inovação
fará publicar, trimestralmente, até os dias 5 de janeiro, 5 de abril, 5 de
julhoe5deoutubro de cada ano, os encargos financeiros a serem
aplicados nas operações de crédito que vierem a ser contratadas nos
respectivos trimestres civis, respeitados os valores fixados nos mes-
mos períodos pelo Conselho Monetário Nacional, assim como os
critérios de seleção que serão utilizados pela FINEP para a prio-
rização dos projetos a serem beneficiados.
§ 2º A Câmara Técnica de Políticas de Incentivo à Inovação
definirá e fará publicar os procedimentos operacionais relativos à
transferência dos recursos do Fundo Nacional do Desenvolvimento
Científico e Tecnológico – FNDCT para a FINEP, que permitirão o
cumprimento, por essa Agência Financeira, do disposto no caput do
presente artigo.
§ 3º Caberá à FINEP informar à Câmara Técnica de Políticas
de Incentivo à Inovação, semestralmente, os montantes utilizados no
período, bem como a previsão de utilização de recursos nos exer-
cícios futuros, em função dos compromissos já assumidos.
§ 4º O valor das equalizações de taxas de juros ficará li-
mitado ao diferencial entre o custo da fonte de recursos, acrescido da
remuneração da FINEP e dos seus agentes financeiros, quando hou-
ver, e o encargo do mutuário final.
Art. 2º Para se candidatar à obtenção do benefício de que
trata o art. 1º desta Portaria, as empresas deverão apresentar à FINEP
projetos e/ou programas de desenvolvimento tecnológico a serem
realizados no país, consoante a política operacional da referida Agên-
cia Financeira.
Art. 3º A equalização de que trata esta Portaria somente
poderá ser concedida a empresas que apresentem documentação com-
probatória do atendimento às seguintes condições:
I – comprovação da situação de adimplência relativamente ao
recolhimento dos tributos e contribuições federais e do Fundo de
Garantia do Tempo de Serviço; e
II – comprovação, quando for o caso, da situação de adim-
plência do recolhimento da contribuição de intervenção no domínio
econômico – instituída pela Lei nº 10.168, de 29 de dezembro de
2000, e alterada pela Lei nº 10.332 de 19 de dezembro de 2001.
Art. 4º Todos os contratos em que haja a concessão do
benefício de recurso de equalização deverão prever cláusula de ex-
purgo em caso de inadimplemento contratual ao longo de sua exe-
cução.§1º Considera-se como inadimplemento contratual as seguin-
tes hipóteses:
I – existência de mora no pagamento de qualquer quantia;
II – aplicação dos recursos do financiamento em fins diversos
do pactuado;
III – inexatidão nas informações prestadas pela empresa fi-
nanciada;
IV – paralisação do projeto.
§ 2º Para fins de caracterização da hipótese do inciso I do
parágrafo anterior, considerar-se-á inadimplente financeiramente a
empresa que não quitar seus débitos até 20 (vinte) dias após a data
fixada contratualmente para o vencimento de cada parcela de juros
e/ou amortização, acumulando dois atrasos sucessivos ou intercalados
no mesmo exercício.
§ 3º A paralisação do projeto não acarretará perda do be-
nefício da equalização se devidamente justificada e nos casos em que
a financiada ou interveniente coexecutor, quando houver, não con-
correu ou contribuiu, a qualquer título, para sua ocorrência ou ele-
vação do risco natural do projeto.
§ 4º Na ocorrência de qualquer das hipóteses de inadim-
plência contratual previstas nos incisos II, III e IV, a FINEP poderá,
alternativamente, suspender os desembolsos dos recursos pelo prazo
de 30 (trinta) dias até que a empresa financiada preste os escla-
recimentos devidos, ou sane as irregularidades identificadas.
§ 5º A perda do benefício da equalização produzirá efeitos a
partir da data de ocorrência das hipóteses previstas no § 1º até o
término da vigência do contrato, nas seguintes condições:
I – no caso de inadimplemento financeiro, o expurgo do
benefício atingirá as prestações não pagas e as vincendas, de modo
que o saldo devedor será recalculado a partir da ocorrência do ina-
dimplemento;
II – nas demais hipóteses do § 1º, ressalvado o disposto nos
§§ 3º e 4º, o expurgo do benefício atingirá as prestações pagas, não
pagas e as vincendas, de modo que o saldo devedor será recalculado
à data de celebração do contrato.
§ 6º Os programas de execução descentralizada que utilizem
recursos equalizados deverão prever as condições deste artigo em seu
regulamento e instrumentos contratuais.
Art. 5º O disposto no artigo anterior aplica-se às operações
de crédito contratadas posteriormente à data da publicação desta por-
taria.
Art. 6º Fica revogada a Portaria MCTI nº 727, de 24 de
novembro de 2005.
Art. 7º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MARCO ANTONIO RAUPP
PORTARIA Nº 214, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Aprova o regimento Interno do Comitê Na-
cional de Pesquisas Antárticas – CONAPA.
O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA
E INOVAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto
no art. 4º do Decreto nº 1.791, de 15 de janeiro de 1996, resolve:
Art. 1º Retificar o § 5º do art. 2º e os §§ 1º 2 8º do art. 4º
da Portaria MCTI nº 31 de 13 de janeiro de 2014 – que aprova o
regimento interno do Comitê Nacional de Pesquisas Antárticas – CO-
NAPA, que passa a ter a seguinte redação:
Art. 2º (…)
§ 5º os representantes da comunidade científica definidos
participarão, durante a vigência de seus mandatos, das reuniões dos
Grupos Científicos Permanentes do SCAR, correspondentes a suas
áreas específicas de conhecimento.
Art. 4º (…)
§ 1º As reuniões ordinárias e extraordinárias do CONAPA
serão convocadas pelo Coordenador do Comitê, com antecedência
mínima de quinze dias corridos para as sessões ordinárias, e cinco
dias corridos para as sessões extraordinárias.
§ 8º As reuniões da Plenária obedecerão aos seguintes pro-
cedimentos:
I – instalação dos trabalhos pelo Coordenador e conferência
de quórum;
II – leitura e aprovação de pauta;
III – leitura e aprovação da ata da reunião anterior;
IV – deliberação sobre a ordem do dia;
V – previsão estimada da próxima reunião; e
VI – encerramento dos trabalhos.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MARCO ANTONIO RAUPP
COMISSÃO TÉCNICA NACIONAL
DE BIOSSEGURANÇA
EXTRATO DE PARECER TÉCNICO Nº 3.920/2014
O Presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegu-
rança – CTNBio, no uso de suas atribuições e de acordo com o artigo
14, inciso XIX, da Lei 11.105/05 e do Art. 5º, inciso XIX do Decreto
5.591/05, torna público que na 169ª Reunião Ordinária, ocorrida em
06 de fevereiro de 2014, a CTNBio apreciou e emitiu parecer técnico
para o seguinte processo:
Ministério da Ciência, Tecnologia
e Inovação
.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20147ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Processo nº: 01200.005905/2005-03
Requerente: BASF SA
CNPJ: 48.539.407/0001-18
Endereço: Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.600 – 8º andar, São Paulo-SP.
Assunto: Revisão de CQB
Extrato Prévio: 3.644/2013
Ementa: A CTNBio, após apreciação do pedido de parecer
para revisão do CQB 31/97 para inclusão das seguintes estruturas: 1-
Câmara Fria 02 de Biotecnologia da EEA-SP; 2 – nova Área de
Descarte localizada no Sítio Gericó, EEA-SP; 3 – Quadras Expe-
rimentais localizadas no Sítio Gericó EEA-SP; Adequação do La-
boratório Global de Resíduos e Estudos Ambientais de Produtos para
Agricultura, Guaratinguetá – SP (GENCS); exclusão da Câmara Fria
de Biotecnologia da EEA- SP; e exclusão da Área de Descarte da
EEA-SP, concluiu pelo DEFERIMENTO. No âmbito das competên-
cias do art. 14 da Lei 11.105/05, a CTNBio considerou que as me-
didas de biossegurança propostas atendem às normas e à legislação
pertinente que visam garantir a biossegurança do meio ambiente,
agricultura, saúde humana e animal. Assim, atendidas as condições
descritas no processo e neste parecer técnico, essa atividade não é
potencialmente causadora de significativa degradação do meio am-
biente ou saúde humana.
A CTNBio esclarece que este extrato não exime a requerente
do cumprimento das demais legislações vigentes no país, aplicáveis
ao objeto do requerimento.
A íntegra deste Parecer Técnico consta do processo arqui-
vado na CTNBio. Informações complementares ou solicitações de
maiores informações sobre o processo acima listado deverão ser en-
caminhadas por escrito à Secretaria Executiva da CTNBio.
FLÁVIO FINARDI FILHO
CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO
CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
DIRETORIA DE GESTÃO E TECNOLOGIA
DA INFORMAÇÃO
RETIFICAÇÃO
No despacho do Diretor, publicado no D.O.U, Seção 1, pág.
5, do dia 18 de fevereiro de 2014, na 529ª Relação de Revalidação de
Credenciamento – LEI 8.010/90, onde se lê: credenciamento
900.0187/1991, leia-se: credenciamento 900.0197/1991.RETIFICAÇÃO
Na Deliberação nº. 225 de 11/12/2013, publicada no DOU
nº. 241 de 12/12/2013, Seção 1, pág. 10, em relação ao projeto
“Getúlio, Últimos Dias”, para considerar o seguinte:
onde se lê:
Valor total do orçamento aprovado: R$ 7.185.964,50
leia-se:
Valor total do orçamento aprovado: R$ 7.158.964,50
SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO
DELIBERAÇÃO Nº 31, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE DE FOMENTO da ANCINE, no
uso das atribuições legais conferidas pela Portaria nº 324 de 10 de
outubro de 2011; e em cumprimento ao disposto na Lei nº 8.685, de
20 de julho de 1993, Medida Provisória nº 2.228-1, de 06 de se-
tembro de 2001, Decreto nº 4.456, de 04 de novembro de 2002,
delibera:
Art. 1º Autorizar a substituição do título do projeto au-
diovisual de “Sérgio Bernardes – Documentário” para “Bernardes”.
12-0175 – Bernardes
Processo: 01580.012251/2012-68
Proponente: 6D Filmes Produções Cinematográficas Ltda. ME
Cidade/UF: Rio de Janeiro / RJ
CNPJ: 09.460.226/0001-40
Art. 2º Aprovar o remanejamento das fontes de recursos e
realizar a revisão orçamentária do projeto audiovisual relacionado
abaixo, para o qual a proponente fica autorizada a captar recursos
através da comercialização de certificados de investimento nos termos
do art. 1º da Lei nº. 8.685, de 20/07/1993, e mediante patrocínio, na
forma prevista no art. 1º-A da Lei nº. 8.685, de 20/07/1993.
10-0169 – Querido Embaixador
Processo: 01580.017375/2010-78
Proponente: Toscana Audiovisual Ltda.
Cidade/UF: Rio de Janeiro / RJ
CNPJ: 29.254.331/0001-30
Valor total do orçamento aprovado: de R$ 2.660.657,44 para
R$ 2.603.287,71
Valor aprovado no artigo 1º da Lei nº. 8.685/93: de R$
2.025.572,33 para R$ 1.412.683,91
Banco: 001- agência: 1569-5 conta corrente: 22.031-0
Valor aprovado no artigo 1º-A da Lei nº. 8.685/93: R$
170.000,00
Banco: 001- agência: 1569-5 conta corrente: 25.684-6
Prazo de captação: até 31/12/2013.
Art. 3º Aprovar o remanejamento das fontes de recursos do
projeto audiovisual relacionado abaixo, para o qual a proponente fica
autorizada a captar recursos através da comercialização de certifi-
cados de investimento e através da formalização de contratos de
coprodução nos termos dos arts. 1º, 3º e 3º-A da Lei nº. 8.685, de
20/07/1993 respectivamente, e mediante patrocínio, na forma prevista
no art. 1º-A da Lei nº. 8.685, de 20/07/1993.
11-0233 – Dona Flor e Seus Dois Maridos
Processo: 01580.020327/2011-48
Proponente: Reginaldo Faria Produções Artísticas Ltda.
Cidade/UF: Rio de Janeiro / RJ
CNPJ: 39.527.494/0001-00
Valor total aprovado: R$ 5.738.361,80
Valor aprovado no artigo 1º da Lei nº. 8.685/93: R$
2.000.000,00
Banco: 001- agência: 0525-8 conta corrente: 26.498-9
Valor aprovado no artigo 1º-A da Lei nº. 8.685/93: de R$
2.000.000,00 para R$ 406.794,00
Banco: 001- agência: 0525-8 conta corrente: 26.500-4
Valor aprovado no artigo 3º da Lei nº. 8.685/93: de R$
1.406.794,00 para R$ 1.000.000,00
Banco: 001- agência: 0525-8 conta corrente: 26.499-7
Valor aprovado no artigo 3º-A da Lei nº. 8.685/93: de R$
0,00 para R$ 2.000.000,00
Banco: 001- agência: 0525-8 conta corrente: 29.902-2
Prazo de captação: até 31/12/2014.
Art. 4º Aprovar o remanejamento das fontes de recursos do
projeto audiovisual abaixo relacionado, para o qual a proponente fica
autorizada a captar recursos mediante patrocínio, na forma prevista no
art. 1º-A da Lei nº. 8.685, de 20/07/1993.
11-0368 – U-513 Em Busca do Lobo Solitário
Processo: 01580.032914/2011-80
Proponente: PSI Comércio e Serviços Ltda.
Cidade/UF: São Paulo / SP
CNPJ: 05.372.676/0001-20
Valor total do orçamento aprovado: R$ 1.801.230,00
Valor aprovado no artigo 1º-A da Lei nº. 8.685/93: de R$
990.013,00 para R$ 1.711.168,50
Banco: 001- agência: 2807-X conta corrente: 39.540-4
Valor aprovado no artigo 3º da Lei nº. 8.685/93: de R$
721.155,50 para R$ 0,00
Prazo de captação: até 31/12/2015.
Art. 5º Aprovar o remanejamento das fontes de recursos e
realizar a revisão orçamentária do projeto audiovisual relacionado
abaixo, para o qual a proponente fica autorizada a captar recursos
mediante patrocínio, na forma prevista no art. 1º-A da Lei nº. 8.685,
de 20/07/1993.
13-0453 – Corpo Aberto
Processo: 01580.036530/2013-06
Proponente: F64 Produções Audiovisuais Ltda.
Cidade/UF: Goiânia / GOCNPJ: 17.904.679/0001-46
Valor total aprovado: de R$ 513.774,41 para R$
489.474,49
Valor aprovado no artigo 1º da Lei nº. 8.685/93: de R$
438.085,41 para R$ 0,00
Valor aprovado no artigo 1º-A da Lei nº. 8.685/93: de R$
0,00 para R$ 195.000,76
Banco: 001- agência: 1242-4 conta corrente: 43.371-3
Prazo de captação: até 31/12/2016.
Art. 6º Aprovar o remanejamento das fontes de recursos do
projeto audiovisual abaixo relacionado, para o qual a proponente fica
autorizada a captar recursos através da formalização de contratos de
coprodução nos termos dos arts. 3º e 3º-A da Lei nº. 8.685, de
20/07/1993 respectivamente, e mediante patrocínio, na forma prevista
no art. 1º-A da Lei nº. 8.685, de 20/07/1993.
13-0373 – Chorar de Rir
Processo: 01580.028210/2013-74
Proponente: Coração da Selva Transmídia Ltda.
Cidade/UF: São Paulo / SP
CNPJ: 05.508.188/0001-05
Valor total aprovado: R$ 11.421.052,64
Valor aprovado no artigo 1º da Lei nº. 8.685/93: de R$
2.000.000,00 para R$ 0,00
Valor aprovado no artigo 1º-A da Lei nº. 8.685/93: de R$
2.000.000,00 para R$ 4.000.000,00
Banco: 001- agência: 2962-9 conta corrente: 20.641-5
Valor aprovado no artigo 3º da Lei nº. 8.685/93: de R$
2.700.000,00 para R$ 1.800.000,00
Banco: 001- agência: 2962-9 conta corrente: 20.640-7
Valor aprovado no artigo 3º-A da Lei nº. 8.685/93: de R$
0,00 para R$ 1.200.000,00
Banco: 001- agência: 2962-9 conta corrente: 20.887-6
Prazo de captação: até 31/12/2016.
Art. 7º Prorrogar o prazo de captação de recursos do projeto
audiovisual abaixo relacionado, para o qual a proponente fica au-
torizada a captar recursos através da comercialização de certificados
de investimento nos termos do art. 1º da Lei nº. 8.685, de 20/07/1993
e mediante patrocínio, na forma prevista no art. 1º-A da Lei nº. 8.685,
de 20/07/1993.
06-0114 – Os Pobres Diabos
Processo: 01580.013580/2006-88
Proponente: Cariri Produções Artísticas Ltda.
Cidade/UF: Fortaleza / CE
CNPJ: 10.505.568/0001-18
Prazo de captação: 01/01/2014 até 31/12/2014.
Art. 8º Esta Deliberação entra em vigor na data de sua
publicação.
PAULO ALCOFORADO
SECRETARIA DE FOMENTO E INCENTIVO
À CULTURA
PORTARIA Nº 83, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL-
TURA, no uso de suas atribuições legais que lhe confere a Portaria nº
46 de 29 de janeiro de 2014, considerando o sistema de Creden-
ciamento criado pela Portaria nº 43, de 09 de julho de 2009, pu-
blicada no D.O.U. do dia 13 de julho de 2009, e o que dispõe os
Capítulos X e XI da Portaria nº 83, de 08 de setembro de 2011,
publicada no D.O.U. do dia 11 de setembro de 2011, resolve:
Art. 1º Tornar pública, conforme disposto no Art. 26 da
Portaria nº 83, de 8 de setembro de 2011, relação de peritos des-
credenciados do Banco de Pareceristas do Ministério da Cultura, a
pedido, constante do Anexo I.
Art. 2º Tornar pública, conforme disposto no item 5 do
Edital de Credenciamento, relação de peritos descredenciados do
Banco de Pareceristas do Ministério da Cultura, por não firmarem
Termo de Compromisso, constante do Anexo II.
Art. 3º Esta portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação e revoga as disposições em contrário.
ANA CRISTINA DA CUNHA WANZELER
ANEXO I
132 Joana Medrado Nascimento 01400.020367/2009-46
Diversidade Cultural – Cultura Afro-brasileira II
Diversidade Cultural – Práticas, representações e conhecimentos tra-
dicionais II
Diversidade Cultural – Festas Populares II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Trabalho II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Educação II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Campo II
185 Marinez Teodoro Fernandes 01400.020424/2009-97
Artes Cênicas – Circo III
Artes Cênicas – Dança III
Artes Cênicas – Teatro III
Diversidade Cultural – Cultura Afro-brasileira II
Diversidade Cultural – Capoeira II
574 Marta Cesar 01400.023509/2009-27
Artes Cênicas – Dança III
606 Wanderlino Gutemberg de Oliveira 01400.021547/2009-45
Diversidade Cultural – Cultura Afro-brasileira III
GABINETE DA MINISTRA
DESPACHO DA MINISTRA
Em 19 de fevereiro de 2014
Nº 11 – Processo Administrativo nº 01400.019147/2013-56 (PRONAC
nº 13-7379). Recorrente: Márcio Roberto Oliveira da Silva. (CPF nº
786.200.155-91). Nos termos do § 1º do art. 50 da Lei nº 9.784, de 29
de janeiro de 1999, declaro concordância com os fundamentos das
manifestações técnica e jurídica proferidas nos autos do processo
administrativo nº 01400.019147/2013-56 e NEGO PROVIMENTO ao
recurso interposto por Márcio Roberto Oliveira da Silva.
MARTA SUPLICY
AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA
DELIBERAÇÃO Nº 30, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O DIRETOR-PRESIDENTE da ANCINE, no uso das atri-
buições legais elencadas pela Resolução de Diretoria Colegiada nº.
22/2011, e em cumprimento ao disposto na Lei nº. 8.313, de
23/12/1991, Lei nº. 8.685, de 20/07/1993, Medida Provisória nº.
2.228-1, de 06/09/2001, e Decreto nº. 4.456, de 04/11/2002, resolve:
Art. 1º Aprovar a análise complementar do projeto audio-
visual relacionado abaixo, para o qual a proponente fica autorizada a
captar recursos através do art. 39, inciso X, Medida Provisória nº.
2.228-1, de 06/09/2001, introduzido pelo art. 14 da Lei nº. 10.454 de
13/05/ 2002.
13-0175 – “15”
Processo: 01580.010933/2013-17
Proponente: Plano Geral Filmes e Vídeos Ltda.
Cidade/UF: Rio de Janeiro / RJ
CNPJ: 06.023.805/0001-37
Valor total do orçamento aprovado: R$ 473.547,00
Valor aprovado no artigo 39 da MP 2.228/01: R$
449.547,00
Banco: 001- agência: 1842-2 conta corrente: 22.056-6
Aprovado na Reunião de Diretoria Colegiada nº. 509, rea-
lizada em 14/01/2014.
Prazo de captação: até 31/12/2016.
Art. 2º Esta Deliberação entra em vigor na data de sua
publicação.
MANOEL RANGEL
Ministério da Cultura
.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20148ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Diversidade Cultural – Festas Populares III
Música – Música Erudita III
Música – Música Instrumental III
Música – Música popular III
Humanidades – Edição de Livros II
Humanidades – Leitura II
968 Mariana Rabelo Junqueira 01400.022391/2009-10
Artes Cênicas – Circo III
Artes Cênicas – Teatro III
1497 Cristiani Zonzini 01400.020590/2010-27
Artes Cênicas – Circo III
Artes Cênicas – Circo – Grupos Circenses III
Artes Cênicas – Teatro III
2474 – Mary Lucia da Silva Ferreira Lima 01400.020318/2010-47
Artes Visuais – Design – Objeto II
Artes Visuais – Design – Moda I
Transversalidade da Cultura – Cultura e Meio Ambiente III
Diversidade Cultural – Cultura de Comunidades Tradicionais II
Diversidade Cultural – Moda e vestuário de interesse cultural II
ANEXO II
9 Reinofy Borges Duarte 01400.020197/2009-08
Audiovisual – Produção Televisiva (programas não seriados) I
Humanidades – Literatura I
26 Orlando Ramos Filho 01400.020210/2009-11
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material III
346 Luiz Sergio Fragelli Castanheira 01400.020677/2009-61
Audiovisual – Capacitação, Formação e Pesquisa III
Audiovisual – Eventos III
546 Rosana Antunes 01400.021402/2009-44
Artes Visuais – Artes Plásticas III
Diversidade Cultural – Carnaval, escolas de samba e blocos car-
navalescos III
Transversalidade da Cultura – Cultura e Juventude III
666 Paloma Elaine Santos Goulart 01400.021632/2009-11
Transversalidade da Cultura – Cultura e Direitos Autorais III
Transversalidade da Cultura – Cultura e Direitos Humanos III
Patrimônio Cultural – Patrimônio Imaterial III
854 Mariana Sayad de Sousa Bustamante 01400.022141/2009-80
Transversalidade da Cultura – Cultura e Comunicação II
Música – Música Instrumental II
Humanidades – Obras de Referência III
Humanidades – Edição de Livros III
963 João Luiz Maximo da Silva 01400.022482/2009-55
Diversidade Cultural – Gastronomia de interesse cultural II
Humanidades – História II
Humanidades – Arquivo II
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material II
Patrimônio Cultural – Patrimônio Museológico II
1247 Gina Guelman Gomes Machado 01400.022846/2009-05
Humanidades – Acervo Bibliográfico III
Humanidades – Arquivo III
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material III
Patrimônio Cultural – Patrimônio Museológico III
1263 Elaine Cristina Correia da Silva 01400.022862/2009-90
Artes Cênicas -Teatro III
Música – Música Erudita III
Música – Música Instrumental III
1273 Sebastiana Cordeiro da Silva 01400.022872/2009-25
Humanidades – Acervo Bibliográfico III
Humanidades – História III
Humanidades – Arquivo III
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material III
Patrimônio Cultural – Patrimônio Museológico III
1349 Eduardo Sandroni 01400.022974/2009-41
Artes Cênicas – Circo II
Artes Cênicas – Dança II
Artes Cênicas – Teatro II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Gênero II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Cidade II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Educação II
Humanidades – Crítica cultural II
Humanidades – Eventos de reflexão, crítica e pensamento cultural II
1350 Helen Cristiane de Aguiar 01400.022975/2009-95
Artes Cênicas – Dança II
Artes Cênicas – Performance de artes cênicas II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Juventude II
Transversalidade da Cultura – Cultura e Educação II
1557 Giordanna Laura da Silva Santos 01400.017135/2010-44
Transversalidade da Cultura – Cultura e Comunicação II
Artes Cênicas – Manifestações dramáticas populares, cortejos II
1713 Edelton Menezes Santos 01400.016974/2010-45
Avaliação de Resultado – Execução e Resultados da aplicação de
Recursos II
1721 Vanderleia Regina de Paiva 01400.016958/2010-52
Avaliação de Resultado – Execução e Resultados da aplicação de
Recursos II
1888 Nilza Perez de Resende 01400.017766/2010-63
Humanidades – Edição de Livros III
Humanidades – Literatura III
1916 – Celina Arczynska Lago 01400.017645/2010-11
Patrimônio Cultural -Patrimônio Material -Arquitetônico e urbanístico III
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material – Arquitetônico e urba-
nístico – Edificações individuais III1974 Luiz Valdemir Varini 01400.018437/2010-30
Artes Cênicas – Circo III
Artes Cênicas – Circo – Teatro III
Artes Cênicas – Circo – Grupos Circenses III
Artes Visuais – Fotografia II
Artes Visuais – Novos meios III
Artes Visuais – Novos meios – Videoarte III
Audiovisual – Eventos III
Audiovisual – Produção Radiofônica III
Audiovisual – Produção Televisiva (programas não seriados) III
2139 Leandro Chiarelli 01400.018580/2010-21
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material II
Patrimônio Cultural – Patrimônio Imaterial – Celebrações II
2227 Anne Mary Silva Oliveira 01400.018692/2010-82
Artes Cênicas – Circo III
Artes Cênicas – Circo – Social/Educativo III
2318 Hamilton Garcia Leite 01400.018939/2010-61
Artes Cênicas – Teatro III
Artes Visuais – Fotografia II
Diversidade Cultural – Festas Populares II
Diversidade Cultural – Gastronomia de Interesse Cultural II
2332 – Benita Lamas Gonzalez (Benita Prieto – nome artístico)
01400.018959/2010-31
Humanidades – Evento Literário III
Humanidades – Literatura Oral III
Humanidades – Leitura III
Artes Cênicas – Teatro – Narrativa oral cênica (Contação de histórias) III
2404 – Mônica Fonseca Alves Ferreira 01400.019497/2010-70
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material II
Patrimônio Cultural – Patrimônio Imaterial II
Patrimônio Cultural – Patrimônio Museológico II
Diversidade Cultural – Cultura de Comunidades Tradicionais II
Diversidade Cultural – Festas Populares II
Diversidade Cultural – Folguedo da Cultura Tradicional II
2463 – Elisangela Aparecida Gonçalves 01400.020360/2010-68
Avaliação de Resultado – Execução e Resultados da aplicação de
Recursos II
2648 Luciana Bastos Figueiredo 01400.019397/2010-43
Humanidades – Edição de Livros II
2509 Rubens Massao Taira 01400.020589/2010-01
Patrimônio Cultural – Patrimônio Material II
PORTARIA Nº 84, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL-
TURA, no uso das atribuições legais, que lhe confere a Portaria nº 46
de 29 de janeiro de 2014 e o art. 4º da Portaria nº 120, de 30 de
Março de 2010, resolve:
Art. 1.º – Aprovar projetos culturais, relacionados nos anexos
à esta Portaria, para os quais os proponentes ficam autorizados a
captar recursos, mediante doações ou patrocínios, na forma prevista,
no § 1º do artigo 18 e no artigo 26 da lei n.º 8.313, de 23 de
dezembro de 1991, alterada pela Lei nº 9.874, de 23 de novembro de
1999.
Art. 2.º – Esta portaria entre em vigor na data de sua pu-
blicação.
ANA CRISTINA DA CUNHA WANZELER
ANEXO I
ÁREA: 1 ARTES CÊNICAS (Artigo 18 , § 1º )
140098 – Dia Branco Uma Fábula Urbana
CELIA TERPINS 66972680859
CNPJ/CPF: 15.037.602/0001-90
Processo: 01400000103201433
Cidade: São Paulo – SP;
Valor Aprovado R$: R$ 1.119.820,00
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 30/12/2014
Resumo do Projeto: Dia Branco é um Espetáculo Teatral Musical que
quer entreter e levar o espectador a refletir sobre a vida e valores
como o amor familial e a solidariedade. Pretende também sensibilizar
a plateia para a existência da Talassemia, anemia de origem genética,
em parceria com a ABRASTA-Associação Brasileira de Talassemia.
Dia Branco focaliza ainda o senso estético pela apreciação de as-
pectos da mitologia clássica e da manifestação popular denominada
Zambiapunga, ocorrente no litoral da Bahia.
140370 – Festival Artes do Sagrado – edição 2014
Sole Produções e Eventos e Representações LTDA.
CNPJ/CPF: 08.594.658/0001-80
Processo: 01400000377201422
Cidade: Salvador – BA;
Valor Aprovado R$: R$ 1.874.400,00
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 31/12/2014
Resumo do Projeto: O projeto Festival Artes do Sagrado – em sua
edição para o ano de 2014, consiste num amplo programa integrado
de atividades e eventos de interesse artístico-cultural, em vários es-
paços de Salvador entre os dias 11 a 21 de abril de 2014. Concertos,
recitais, apresentações de dança, feira de artigos sacro-religiosos, ação
cidadania global, e uma grande encenação d’A Paixão de Cristo ce-
lebrarão a Semana Santa, com a integração destas iniciativas artísticas
locais relacionadas ao tema.
140054 – OLHAR CÊNICO
COMPANHIA OPUS DE ENTRETENIMENTO
CNPJ/CPF: 08.382.997/0001-01Processo: 01400000059201461
Cidade: Porto Alegre – RS;
Valor Aprovado R$: R$ 5.090.489,00
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 31/12/2014
Resumo do Projeto: O Projeto OLHAR CÊNICO pretende estimular
a formação de plateias e o intercâmbio cultural através da circulação
de 7 qualificadas montagens de artes cênicas nacionais e interna-
cionais nas cidades de Recife, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto
Alegre e Novo Hamburgo, perfazendo um total de 35 apresentações,
a depender da demanda de público.
ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 18 , § 1º )
1311294 – 1º CIRCUITO ARAXAENSE DE MÚSICA ERUDITA E
I N S T R U M E N TA L
RENATO GUIMARÃES RODRIGUES
CNPJ/CPF: 356.292.826-20
Processo: 01400044794201304
Cidade: Belo Horizonte – MG;
Valor Aprovado R$: R$ 883.861,00
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 30/06/2014
Resumo do Projeto: Realizar 12 apresentações de música instrumental
(erudita, popular, jazz, fusões diversas) gratuita e em espaço público
na cidade de Araxá/MG. Será ressaltada a diversidade da linguagem
instrumental para um público estimado em 20.000 pessoas.
1311217 – MÚSICA E ENERGIA – CORAL CASA DO CAMI-
NHO
Alexandre Francisco da Silva
CNPJ/CPF: 854.015.446-34
Processo: 01400044597201387
Cidade: Araxá – MG;
Valor Aprovado R$: R$ 461.517,00
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 31/12/2014
Resumo do Projeto: O presente projeto pretende proporcionar aulas
de canto na entidade CASA DO CAMINHO na cidade de Araxá/MG,
durante todo o ano de 2014. Serão adquiridos equipamentos e con-
tratados professores e corpo técnico para a realização de duas aulas
semanais para cada uma das turmas, sendo que deverá haver no
mínimo 08 apresentações durante o ano. A entidade atende seus
internos de forma gratuita e democrática e as aulas de canto seguirão
o mesmo padrão. O local onde as aulas acontecerão é totalmente
acessível e os locais de apresentação também será.
ÁREA: 5 PATRIMÔNIO CULTURAL (Artigo 18 , § 1º )
1111434 – Restauro da Sede da Antiga Fazenda Cacutá
J.Binotti Arquitetura Ltda.
CNPJ/CPF: 04.394.265/0001-72
Processo: 01400036103201129
Cidade: Americana – SP;
Valor Aprovado R$: R$ 1.761.232,93
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 31/12/2014
Resumo do Projeto: Restaurar a Sede da antiga Fazenda Cacutá, que
faz parte da história da cidade de Valinhos-SP. O Casarão foi cons-
truído por escravos (sem data exata), com toda parte térrea em taipa,
e com decoração interna composta por mobílias francesas, estilo mui-
to utilizado pelas famílias abastadas cafelistas no final do século XIX.
Foi tombado em 2004 pelo Condephaat e hoje funciona como sede do
Clube de Campo Vale Verde.
ÁREA: 6 HUMANIDADES (Artigo 18 , § 1º )
1311333 – Cultura é Identidade – A herança cultural no Rio Grande
do Sul – Coleção de Livros Histórico Culturais
identidade cultural projetos e eventos ltda epp
CNPJ/CPF: 18.769.367/0001-30
Processo: 01400044857201314
Cidade: Novo Hamburgo – RS;
Valor Aprovado R$: R$ 308.100,00
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 31/12/2014
Resumo do Projeto: Será desenvolvida uma coleção de livros sobre os
grupos que formaram a identidade cultural dos gaúchos, que pretende
contribuir para o fortalecimento cultural através da memória com-
partilhada, da história, dos habitantes primitivos e sua colonização,
dos mitos e lendas,da arquitetura predominante, da culinária tradi-
cional,enfim,de todos os aspectos que compõem a cultura local atra-
vés de uma linguagem visual e escrita.Serão 7 livros,3 mil de cada
tema, total de 14 mil,e versão digital na Internet
ANEXO II
ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26 , § 1º )
1311136 – Congada, Maracatu e Carnaval, FOLIA DOS REIS
Bloco Carnavalesco Ibeji
CNPJ/CPF: 00.148.314/0001-36
Processo: 01400044487201315
Cidade: Salvador – BA;
Valor Aprovado R$: 382690.00
Prazo de Captação: 20/02/2014 à 31/05/2014
Resumo do Projeto: Promover 02 dias de desfiles do Bloco Afro
Infantil Ibéji no Carnaval de Salvador 2014 celebrando 20 anos de
participações no festejo momesco apresentando a música popular, a
congada e o maracatu, potencializando as manifestações culturais
herdadas de nossa MÃE ÁFRICA e inserindo-as no carnaval, ga-
rantindo o exercício do direito e cidadania no processo de apren-
dizagem onde a interdisciplinaridade e a sistematização das infor-
mações propiciem nas crianças a construção de valores e conhe-
cimentos.
PORTARIA N° 85, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL-
TURA, no uso de suas atribuições legais, que lhe confere a Portaria
nº 46 de 29 de janeiro de 2014 e o art. 4º da Portaria nº 120, de 30
de março de 2010, resolve:
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 20149ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Art.1° – Prorrogar o prazo de captação de recursos do(s)
projeto(s) cultural(is), relacionado(s) no(s) anexo(s) desta Portaria,
para o(s) qual(is) o(s) proponente(s) fica(m) autorizado(s) a captar
recursos, mediante doações ou patrocínios, na forma prevista no § 1º
do Artigo 18 e no Artigo 26 da Lei n.º 8.313, de 23 de dezembro de
1991, alterada pela Lei n.º 9.874, de 23 de novembro de 1999.
Art. 2º – Esta portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
ANA CRISTINA DA CUNHA WANZELER
ANEXO I
ÁREA: 1 ARTES CÊNICAS – (ART.18, §1º)
13 10066 – DISNEY LIVE! 2014
OPUS GESTÃO DE ENTRETENIMENTOS LTDA
CNPJ/CPF: 13.172.646/0001-06
RN – Natal
Período de captação: 01/01/2014 a 31/12/2014
ÁREA: 3 MÚSICA INSTRUMENTAL/ERUDITA –
(ART.18, §1º)
12 2287 – Musicalidades do Sul – Banda Marcial Cristo
Redentor
GILNEI FERNANDO KEIBER – ME
CNPJ/CPF: 10.709.140/0001-97
RS – Porto Alegre
Período de captação: 01/01/2014 a 31/07/2014
10 5643 – GOYAZ FESTIVAL – MOSTRA DE MÚSICA
I N S T R U M E N TA L
Instituto Centro Brasileiro de Cultura
CNPJ/CPF: 05.619.125/0001-18
GO – Goiânia
Período de captação: 01/01/2014 a 30/06/2014
ÁREA: 4 ARTES VISUAIS – (ART. 18)
12 4130 – 1º SALÃO DE ARTES VISUAIS DE GOIÁS
Laila Chalub Santoro
CNPJ/CPF: 428.731.501-49
GO – Goiânia
Período de captação: 01/02/2014 a 31/07/2014
ANEXO II
ÁREA: 3 MÚSICA EM GERAL – (ART. 26)
12 4242 – Bloco Carnavalesco Timoneiros da Viola
Grêmio Recreativo Bloco Carnavalesco Timoneiros da Viola
CNPJ/CPF: 15.318.890/0001-51
RJ – Rio de Janeiro
Período de captação: 01/01/2014 a 31/03/2014Despacho : “Aos representados para alegações finais.”
Prazo : “10 (dez)dias.”
Proc. nº 25.589/11 – “SILO 99 B”
Relator : Juiz Marcelo David Gonçalves
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representados : Fluviomar S.A.
: Serviço de Navegação da Bacia do Prata
Advogada : Dra. Marilena Freitas Silvestre (OAB/MS
5.565)
Representado : Bolivian Register of Shipping S/A
Advogado : Dr. Antonio Francisco Sobral Sampaio (OAB/RJ
63.503)
Despacho : “Aos representados para provas.”
Prazo : “05 (cinco) dias.”
Proc. nº 25.758/11 – BP “JOÃO LUCA I”
Relator : Juiz Marcelo David Gonçalves
PEM : Dra. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Erivaldo Tavares da Silva (Tripulante)
Defensora : Dra. Maria Izabel Gomes Sant’Anna (DPU/RJ)
Representado : Alexsandro Miranda da Conceição (Tripu-
lante)
Defensor : Dr. Eduardo Duílio Piragibe (DPU/RJ)
Representado : Joilson de Oliveira Martins (Tripulante)
Advogado : Dr. Cley Anderson de Queiroz Rodrigues
(OAB/RN 10.243)
Representado : Everaldo Oliveira da Silva (Tripulante)
Defensor : Dr. Eduardo Duílio Piragibe (DPU/RJ)
Representado : Francisco José Ribeiro de Souza (Tripulante)-
Revel
Representado : Erivaldo Machado da Cruz (Proprietário).
Defensora : Dra. Fernanda Ayala Bianchi (DPU/RJ)
Despacho : “Encerro a Instrução, à PEM para alegações
finais.”
Prazo : “10 (dez) dias.”
Proc. nº 26.681/12 – sem nome, não inscrita
Relatora : Juiz Marcelo David Gonçalves
PEM : Dra. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Raffael de Almeida Coutinho (Proprietá-
rio/Condutor)
Advogado : Dr. Marcelo da Rocha Bruno (OAB/RJ
162.902)
Representado : Ricardo Francisco Freitas Filho (Proprietá-
rio)
Advogado : Dr. André Aguiar Moreira (OAB/RJ 124.908)
Despacho : “Não faz sentido o agravo de fls. 175/177, já que
não houve indeferimento de qualquer prova requerida, assim des-
considero-o. Defiro a prova testemunhal requerida pelo 2º repre-
sentado que deve apresentar o rol e qualificação em 05 dias. Pu-
blique-se.”
Proc. nº 27.109/12 – “FRIEND’S” e outras
Relator : Juiz Marcelo David Gonçalves
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representado : Josemar Mendes Dina (Aquaviário)
Advogado : Dr. Luiz Leandro Gaspar Dias (OAB/PR
30.389)
Despacho : “Aos representados para alegações finais.”
Prazo : “10 (dez) dias.”
Proc. nº 27.326/12 – BM “ESPLENDOR DOS MARES”
Relator : Juiz Marcelo David Gonçalves
PEM : Dra. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Otim Sadlac Farias Caldas (Comandante)
Advogado : Dr. Raimundo Rubens Fagundes Lopes
(OAB/PA nº 4.305)
Despacho : “Aberta a instrução, às partes para provas. Prazos
sucessivos de 05 (cinco) dias.”
Proc. nº 27.623/12 – “CITIUS” e outras
Relator : Juiz Fernando Alves Ladeiras
PEM : Dra. Mônica de Jesus Assumpção
Representados : Joel David Stewart (Comandante)
: Maria Henriette Geenen (Imediato)
Advogado : Dr. Thiago T. de Mello Miller (OAB/SP
154.860)
Despacho : “Encerro a Instrução. À D. Procuradoria, para
Alegações Finais.”
Prazo : “10(dez) dias.”
Proc. nº 24.388/09 – “COMTE MAURIAN”
Relator : Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Dra. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representada : Centrais Elétricas do Estado do Pará (CEL-
PA )
Advogado : Dra. Eldine Barroso Santos (OAB/PA 118.344)
Representado : Jonilson dos Santos (Condutor Inabilitado)
Revel
Representado : Maurício de Abreu Teixeira (Responsável)
Advogados : Dr. Antonio Éden John de Souza Coelho
(OAB/PA 4.572)
: Dra. Aline Neves Hoyos (OAB/PA 15.712)
Despacho : “Encerrada a Instrução. À PEM para razões fi-
nais.”
Prazo : “10(dez) dias.”
Proc. nº 24.679/10 – balsa “SALAZAR I”
Relator : Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Drª Aline Gonzalez RochaRepresentados : Ilcimar Costa Carvalho (Comandante) – Re-
vel
: José Maracaípe da Silva (Tripulante) – Revel
: Paulo Henrique de Carvalho (Tripulante) – Revel
Representado : Dario Rodrigues Salazar (Proprietário/Arma-
dor).
Advogado : Dr. Anselmo Darolt Salazar (OAB/MS 13.208)
Despacho : “Ao representado Dario Rodrigues Salazar para
apresentar os quesitos iniciais, especificando a qual testemunha ar-
rolada às fls. 237, 238 e 272 se refere e efetuar o preparo, para que
sejam ouvidas pela Capitania Fluvial do Araguaia-Tocantins, con-
forme previsto no Art. 63, da Lei 2.180/54 e nos Art. 110 e Art. 130,
do RIPTM. O silêncio será recebido como desistência da produção da
prova requerida.”
Prazo : “05 (cinco) dias.”
Proc. nº 25.078/10 – BP “SÃO GONÇALVES”
Relator : Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representado : Ademar Jauvne dos Santos (Proprietário/Ar-
mador)- Revel
Despacho : “Encerrada a Instrução. À PEM para razões fi-
nais.”
Prazo : “10 (dez) dias.”
Proc. nº 26.086/11 – BM “COMTE AIRES II”
Relator : Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Dr. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representados : Antônio Quintas Paiva (Comandante)- Re-
vel
: Delson Santos Aires (Gerente)- Revel
: Manoel dos Santos Aires (Proprietário)- Revel
Despacho : “Aberta a Instrução. À PEM para provas.”
Prazo : “05 (cinco) dias.”
Proc. nº 26.380/11 – Balsa “ILHA III”
Relator : Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representado : Consórcio Florianópolis Monumento
Advogado : Dr. Carlos Alberto de Araújo Gomes (OAB/SC
13565)
Representados : Empresa Catarinense de Exploração e Ser-
viços Náuticos
: Marcelo Lebarbenchon Moura
Advogado : Dr. Marcelo Rupp (OAB/SC 1201)
Despacho : “1) Ao representado Consórcio Florianópolis
Monumento para efetuar o preparo e Apresentar os quesitos Iniciais
para a produção da prova oral requerida por Delegação de Atri-
buições. 2) O silêncio será recebido como desistência da produção da
prova requerida.”
Proc. n° 26.805/12 – Embarcação “NORONHA NETO” e
outras
Relator : Juiz Nelson Cavalcante e Silva Filho
PEM : Dra. Mônica de Jesus Assumpção
Representados : Waldomiro Campos de Avelar (Comandan-
te/Falecido)
: João da Silva Gomes (Comandante)
Defensor : Dr. Eraldo Silva Júnior ( DPU/RJ)
Despacho : “Encerro a Instrução. À Procuradoria para ale-
gações finais.”
Prazo : “10(dez) dias.”
Proc. nº 27.223/12 – Emb. “FNS”
Relator : Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Dra. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Fernando Neto da Silva (Proprietário)
Advogado : Dr. Thiago Antonio Nepomuceno Rebouças
(OAB/RN 7.901)
Representado : Raimundo Eduardo Rodrigues de Oliveira
(Marinheiro Auxiliar de Convés)- Revel
Despacho : “Aberta a Instrução. À PEM para provas.”
Prazo : ” 05 (cinco) dias.”
Proc. nº 27.535/12 – “AMABILLE T”
Relator : Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representado : Fábio Paulucci Kazandjian (Proprietário)
Advogada : Dra. Vanessa Plinta (OAB/SP 204.006)
Despacho : “Aberta a Instrução. À PEM para provas.”
Prazo : ” 05 (cinco) dias.”
Proc. nº 26.464/11 – “CBO RIO”
Relator : Juiz Nelson Cavalcante e Silva Filho
PEM : Dra. Aline Gonzalez Rocha
Representado : Companhia Brasileira de Offshore (Proprie-
tária/Armadora)
Advogado : Dr. Luiz Roberto Leven Siano (OAB/RJ
94.122)
Representado : Arten Comercial e Revendedora Ltda.
Advogado : Dr. Marcos Tinoco Falcão (OAB/RJ nº
65.757)
Representado : Miguel Ângelo de Almeida Sales
Advogada : Dra. Fabiana Simões Martins (OAB/RJ
95.226)
Representado : Hélio Paulino dos Santos Júnior (Coman-
dante)
Advogado : Dr. Luiz Roberto Leven Siano (OAB/RJ
94.122)
Representado : José Roberto Cintra Nunes (Imediato)
Advogado : Dr. Júlio César da Rosa Paiva (OAB/RJ
65.526)
COMANDO DA MARINHA
TRIBUNAL MARÍTIMO
S E C R E TA R I A – G E R A L
DIVISÃO DE SERVIÇOS CARTORIAIS
EXPEDIENTE DOS EXMOS. SRS. JUÍZES RELATORES
Proc. nº 25.696/11 – “VALÕES”
Relator : Juíza Maria Cristina de Oliveira Padilha
PEM : Dra. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Município de Irienópolis – SC (Proprietário)
Advogado : Dr. Fábio Roberto Kampmann (OAB/SC 13.335
– OAB/PR 31.674-A)
Representado : Carlos Ferreira de Souza (Condutor/Respon-
sável)
Advogados : Dr. Luiz Carlos dos Santos (OAB/PR 53.673)
: Dr. Jonhy C. Gonçalves Guimarães (OAB/PR 50.578)
Representado : Ary Senn (Motorista do veículo)
Advogada : Dra. Iamila Bueno Muller (OAB/PR 52.725)
Despacho : “13/02/2014 – Defiro a produção das provas
requeridas pelos representados, Carlos Ferreira de Souza e Município
de Irineópolis,conforme abaixo: 1- ao representado Carlos Ferreira de
Souza, para: a) Apresentar os quesitos iniciais especificando a qual
testemunha arrolada às fls.182, se refere e efetuar o preparo, para que
sejam ouvidas na Capitania dos Portos, conforme art. 63, da Lei
2.180/54 e os art. 110 e 130 do RIPTM. O silêncio será recebido
como desistência da produção da prova requerida, quanto as de-
clarações abonatórias devem ser juntadas até o encerramento da fase
de instrução.
2- Ao representado Município de Irineópolis, para: a) Apre-
sentar o rol de testemunhas, rol de quesitos e efetuar o preparo,
conforme art. 63, da Lei 2.180/54 e os art. 110 e 130 do RIPTM. o
silêncio será recebido como desistência da produção da prova re-
querida; b) defiro a apresentação de parecer técnico; e c) a prova
documental deve ser juntada até o encerramento da fase de instrução.
Prazo : 10 (dez) dias
3- Defiro o requerido pela defesa do representado, Município
de Irineópolis, item “e”, de sua peça defensória de fls. 148. Intime-se,
pessoalmente o patrono do representado, dando conhecimento do des-
pacho acima. via capitania. Publique-se.
Proc. nº 25.121/10 – BM “AMAZÔNIA HUM” e a LM
” YA N N A ”
Relator : Juiz Marcelo David Gonçalves
PEM : Dra. Aline Gonzalez Rocha
Representado : José Raimundo da Silva Guerra (Condutor)
Advogado : Dr. Wallace Brasil Louzada (OAB/RJ 8.221)
Ministério da Defesa.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201410ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Representados: Célio Toledo da Silva (Chefe de Máquinas)
: Luciano Martins de Aguiar Penna (Chefe de Máquinas)
Advogada : Dra. Fabiana Simões Martins (OAB/RJ
95.226)
Representado : Marcio Braga Castello Branco (Vistoriador)
Advogado : Dr. Alberto Bento Alves (OAB/RJ 104.406)
Representação de Parte:
Autor : Companhia Brasileira de Offshore (Proprietária/Ar-
madora)
Advogado : Dr. Luiz Roberto Leven Siano (OAB/RJ
94.122)
Representada : Yana Bell Colting Mesquita (2ª Of. de Náu-
tica)
Advogado : Dr. Edson Martins Areias (OAB/RJ 94.105)
Despacho : “Aberta a Instrução. À Procuradoria para pro-
vas.”
Prazo : “05 (cinco) dias.”
Proc. nº 26.960/12 – F/B “ARCA DA ALIANÇA”
Relator : Juiz Nelson Cavalcante e Silva Filho
PEM : Dra. Aline Gonzalez Rocha
Representados : A. F. Vasconcelos – ME (Armadora)
Manoel Noronha dos Santos (Condutor)
Abenonir Farias Vasconcelos (Tripulante)
Advogados : Dr. Adriano Zaharias Rebouças Silva (OAB/PA
19.234) e
Dr. Caio Renato de Oliva Fernandez (OAB/PA 18.838).
Despacho : “Encerro a Instrução. À Procuradoria para ale-
gações finais.”
Prazo : “10 (dez) dias.”
Proc. nº 27.207/12 – L/M “KURUKAWA”
Relator : Juiz Nelson Cavalcante e Silva Filho
PEM : Dra. Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Marcio Fernandes de Alcântara (Comandan-
te)
Advogado : Dr. Ivan Barbosa Ferreira (OAB/AM 5.564)
Representado : Ricardo Rossete Moraes (Proprietário)
Advogados : Dr. André Luiz Guedes da Silva (OAB/AM
5.261)
: Dr. Erivelton Ferreira Barreto (OAB/AM 5.568)
Despacho : “Encerro a Instrução. À Procuradoria para ale-
gações finais.”
Prazo : “10 (dez) dias.”
Proc. nº 27.217/12 – “GIL IV” e outra
Relator : Juiz Nelson Cavalcante e Silva Filho
PEM : Dra. Aline Gonzalez Rocha
Representada : Gilbelita Eliseu de S. Nascimento (Proprie-
tária)
Advogado : Dr. Alberto Cesar Santos (OAB/BA 12.256)
Despacho : “Encerro a Instrução. À Procuradoria para ale-
gações finais.”
Prazo : “10 (dez) dias.”
Proc. nº 27.397/12 – NM “MILAGRO”
Relator : Juiz Geraldo de Almeida Padilha
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representado : Flávio D’Ávila Mello Peixoto (Prático)
Advogada : Dra. Leonilia Maria de Castro Lemos (OAB-RJ
75.746)
Representado : Orlandino de Souza (Comandante do rebo-
cador)
Advogada : Dra. Marise Campos (OAB/RJ 51.913)
Despacho : “À D. PEM para conhecer a representação de
parte de fl. 308/333 e o parecer técnico de fl. 337/359 e querendo
manifestar-se. Sucessivamente ao Assistente Técnico da D. PEM, a
Empresa Ifestos Owning Company Limited, tomar conhecimento da
Representação de Parte de fl. 308/333. Publique-se.”
Prazo : “05 (cinco) dias.”
Secretaria do Tribunal Marítimo, em 19 de fevereiro de 2013.
PROCESSOS EM PAUTA PARA JULGAMENTO
SESSÃO DE 25 DE FEVEREIRO DE 2014 (TERÇA-FEIRA),
ÀS 13H30MIN
Nº 25.546/2010 – Fato da navegação envolvendo o NM
“ODIN PACIFIC”, de bandeira maltesa, e dois clandestinos, ocorrido
durante a travessia do porto de Guiné Bissau para o porto de San-
tarém, Pará, Brasil, em 04 de junho de 2010.
Relatora : Exmª Srª Juíza Maria Cristina Padilha
Revisor : Exmº Sr. Juiz Geraldo de Almeida Padilha
PEM : Drª Aline Gonzalez Rocha
Representado : Kadir Deniz (Comandante)
Advogada : Drª Maria Joanna Pacheco e Chaves (DPU/RJ)
Nº 26.399/2011 – Acidente e fato da navegação envolvendo
as lanchas “TIGUILI” e “KARUNA VI”, um dispositivo banana boat
e um passageiro, ocorridos na praia de Piúma, Espírito Santo, em 12
de janeiro de 2011.
Relator : Exmº Sr. Juiz Fernando Alves Ladeiras
Revisor : Exmº Sr. Nelson Cavalcante
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representados : Napoleão Duarte Filho (Mestre da lancha
“KARUNA VI”)Advogado : Dr. Thales Arcoverde Treiger (DPU/RJ)
: Marcio da Silva Cardozo
(Condutor da lancha “TIGUILI”)
Advogado : Dr. Eduardo Duílio Lopes Piragibe (DPU/RJ)
Nº 25.689/2011 – Acidente da navegação envolvendo o ferry
boat “DOMINGOS ACATAUASSU NUNES”, ocorrido no rio Pará,
nas proximidades da ilha de Tatuoca, Pará, em 19 de janeiro de
2009.
Relator : Exmº Sr. Juiz Sergio Bezerra de Matos
Revisora : Exmª Srª Juíza Maria Cristina Padilha
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representados : Lucio Flávio Gomes Pereira (Imediato) e
: Henvil Transportes Ltda. (Armadora)
Advogada : Drª Eliani Espíndola Santos (OAB/RJ 82.086)
Nº 26.050/2011 – Acidente da navegação envolvendo o com-
boio formado pelo Rb “JEAN FILHO LXII” com as balsas “GIO-
VANNA II”, “GIOVANNA III” e “JEANY SARON II” e o comboio
integrado pelo Rb “ANTOMAR II” com a balsa “VÓ ERNESTINA”,
ocorrido no rio Amazonas, Santarém, Pará, em 30 de janeiro de
2 0 11 .
Relator : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
Revisor : Exmº Sr. Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representados : Francisco Raimundo Jesus do Nascimento
(Condutor do comboio formado pelo Rb “JEAN FILHO LXII”)
Advogada : Drª Fernanda Cabral Marques (OAB/AM
6.755)
: Juarez José Ferreira (Condutor do comboio formado pelo
Rb “ANTOMAR II”)
Advogado : Dr. Manoel Altemar Moutinho de Souza
(OAB/PA 12.139)
Nº 27.293/2012 – Acidente da navegação envolvendo o ve-
leiro “BONS VENTOS I” com o alto fundo, ocorrido nas proxi-
midades do Clube Jangadeiros, rio Guaíba, Porto Alegre, Rio Grande
do Sul, em 04 de dezembro de 2011.
Relator : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
Revisor : Exmº Sr. Juiz Fernando Alves Ladeiras
PEM : Drª Mônica de Jesus Assumpção
Representado : Luiz Augusto Konig Lebsa (Proprietá-
rio/Condutor) – Revel
Nº 26.909/2012 – Acidente e fato da navegação envolvendo
o BP “NASCER DO SOL”, ocorridos nas proximidades da praia da
cidade de Ilha Comprida, São Paulo, em 03 de outubro de 2010.
Relator : Exmº Sr. Juiz Geraldo de Almeida Padilha
Revisor : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : José Antonio Rosa (Proprietário/Condutor) –
Revel
Nº 27.347/2012 – Acidente da navegação envolvendo o bote
“SAMUCA”, ocorrido nas proximidades da praia da Galheta, Laguna,
Santa Catarina, em 17 de abril de 2012.
Relator : Exmº Sr. Juiz Geraldo de Almeida Padilha
Revisor : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Samuel Fernandes (Proprietário)
Advogado : Dr. Fernando Soares Dias Júnior (OAB/RS
79.763)
Secretaria do Tribunal Marítimo, em 19 de fevereiro de 2014.
PROCESSOS EM PAUTA PARA JULGAMENTO
SESSÃO DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 (QUINTA-FEIRA),
ÀS 13H30MIN
Nº 26.239/2011 – Fato da navegação envolvendo a moto
aquática “JEH SKI” e um de seus ocupantes, ocorrido na represa da
Usina Ester, Cosmópolis, São Paulo, em 29 de outubro de 2010.
Relatora : Exmª Srª Juíza Maria Cristina Padilha
Revisor : Exmº Sr. Juiz Geraldo de Almeida Padilha
PEM : Dr. Luís Gustavo Nascentes da Silva
Representados : Vinícius Marsoli (Proprietário) e
: Oswaldo de Mori Filho (Condutor)
Advogado : Dr. Deivid Demori (OAB/SP 217.310)
Nº 25.586/2011 – Fato da navegação envolvendo o NM “LO-
BIVIA”, de bandeira liberiana, e dois clandestinos, ocorrido durante a
travessia do porto de Durban, África do Sul, para o porto de Itajaí,
Santa Catarina, Brasil, em 24 de outubro de 2010.
Relator : Exmº Sr. Juiz Fernando Alves Ladeiras
Revisora : Exmª Srª Juíza Maria Cristina Padilha
PEM : Drª Aline Gonzalez Rocha
Representado : Oleksandr Kraskovsky (Comandante)
Advogado : Dr. Renato Gradowski de Figueiredo (OAB/PR
3 2 . 11 7 )
Nº 26.116/2011 – Acidente e fato da navegação envolvendo a
lancha “TIAGO I”, ocorridos na rampa do Mercado Modelo, Sal-
vador, Bahia, em 04 de julho de 2010.
Relator : Exmº Sr. Juiz Sergio Bezerra de Matos
Revisora : Exmª Srª Juíza Maria Cristina Padilha
PEM : Drª Mônica de Jesus Assumpção
Representados : Reboques e Transportes Marítimos Yasmin
Ltda. (Proprietária/Armadora) e
: Antonio Bartolomeu de Lima (Comandante)
Advogado : Dr. Carlos José Alcântara (OAB/BA 6.617)Nº 26.409/2011 – Acidente da navegação envolvendo a chata
“ESTRELA DALVA II” e as embarcações “ERÉ”, “CELEBRIDA-
DE”, “REAL BARCO HOTEL II” e “REAL XVII”, ocorrido no rio
Paraguai, Porto Geral, Corumbá, Mato Grosso do Sul, em 30 de
outubro de 2010.
Relator : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
Revisor : Exmº Sr. Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Manoel Eufrasio de Moura
(Proprietário da chata “ESTRELA DALVA II”)
Advogado : Dr. Márcio Rômulo dos Santos Saldanha
(OAB/MS 12.046)
Nº 27.252/2012 – Fato da navegação envolvendo o NM
“TARGALE”, de bandeira marshallina, e um tripulante, ocorrido no
porto de São Francisco do Sul, Santa Catarina, em 13 de março de
2012.
Relator : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
Revisor : Exmº Sr. Juiz Sergio Bezerra de Matos
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representado : Glancevs Valerijs (Oficial de Manobra)
Advogado ad hoc : Dr. Ricardo Otávio da Silveira Brunato
(OAB/SC 20.916)
Nº 26.183/2011 – Fato da navegação envolvendo o catamarã
“IGT 1”, ocorrido no cais de Santa Luzia, Angra dos Reis, Rio de
Janeiro, em 21 de novembro de 2010.
Relator : Exmº Sr. Juiz Geraldo de Almeida Padilha
Revisor : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representados : Renato dos Santos Calheiro (Mestre) – Re-
vel
: Ilha Grande Agência de Turismo Ltda. – ME (Armadora)
Advogado : Dr. Wallace Delgado Pinto (OAB/RJ 134.631)
Nº 26.818/2012 – Acidente da navegação envolvendo o com-
boio formado pelo Rb “SABINO PISSOLO” com as balsas “HER-
MASA I”, IV, VII, IX, XXXI, 50, 55, 65 e 70 e o comboio integrado
pelo Rb “JEAN FILHO XIV” com as balsas “JEANY SARON XX-
XI” e “MAG VI”, ocorrido no rio Madeira, nas proximidades do
porto de Itacoatiara, Amazonas, em 21 de julho de 2010.
Relator : Exmº Sr. Juiz Geraldo de Almeida Padilha
Revisor : Exmº Sr. Juiz Nelson Cavalcante
PEM : Drª Gilma Goulart de Barros de Medeiros
Representados : Sebastião de Lima (Imediato do Rb “JEAN
FILHO XIV”)
Advogada : Drª Fernanda Cabral Marques (OAB/AM
6.755)
: Gregório Pará Pinheiro
(Contramestre do Rb “SABINO PISSOLO”)
Advogado : Dr. Flávio Infante Vieira (OAB/RJ 50.692)
Secretaria do Tribunal Marítimo, em 19 de fevereiro de 2014.
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA No-156, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de
suas atribuições, tendo em vista o disposto no Decreto n
o5.773, de 9
de maio de 2006, na Portaria Normativa no40, de 12 de dezembro de
2007, e no Parecer no272/2013, da Câmara de Educação Superior, do
Conselho Nacional de Educação, conforme consta do processo e-
MEC n
o201115701, e diante da conformidade do Regimento da
Instituição e de seu respectivo Plano de Desenvolvimento Institu-
cional com a legislação aplicável, resolve:
Art. 1
oFica credenciada a Faculdade Jaraguá, com sede na
Avenida Vênus, Quadra 14, lote 01, no141-61, bairro Jardim Athe-
nas, no Município de Jaraguá, no Estado de Goiás, mantida pelo
Centro de Ensino Superior de Rubiataba Ltda. – CESUR, com sede no
Município de Rubiataba, no Estado de Goiás.
Art. 2
oO credenciamento de que trata o art. 1oé válido pelo
prazo máximo de 4 (quatro) anos, fixado pelo Anexo III da Portaria
Normativa n
o1, de 2 de janeiro de 2014, observado o disposto no art.
4oda Lei no10.870, de 19 de maio de 2004, bem como o art. 10, §
7o, do Decreto no5.773, de 9 de maio de 2006.
Art. 3oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
JOSÉ HENRIQUE PAIM FERNANDES
PORTARIA N
o-157, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de
suas atribuições, tendo em vista o disposto no Decreto n
o5.773, de 09
de maio de 2006, na Portaria Normativa no40, de 12 de dezembro de
2007 e no Parecer no133/2013, da Câmara de Educação Superior, do
Conselho Nacional de Educação, conforme consta do Processo e-
MEC n
o20077074, e diante da conformidade do Regimento da Ins-
tituição e de seu respectivo Plano de Desenvolvimento Institucional
com a legislação aplicável, resolve:
Art. 1
oFicam recredenciadas as Faculdades Integradas Uru-
bupungá, com sede na Avenida Coronel Jonas de Mello, no1660,
Bairro Centro, no Município de Pereira Barreto, no Estado de São
Paulo, mantida pela Associação de Ensino e Cultura Urubupungá,
com sede no mesmo Município e Estado.
Ministério da Educação.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201411ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Art. 2oO recredenciamento de que trata o art. 1oé válido
pelo prazo máximo de 3 (três) anos, fixado pelo Anexo III da Portaria
Normativa n
o1, de 2 de janeiro de 2014, observando o disposto no
art. 4oda Lei no10.870, de 19 de maio de 2004, bem como o art. 10,
§ 7o, do Decreto no5.773, de 9 de maio de 2006.
Art. 3oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
JOSÉ HENRIQUE PAIM FERNANDES
PORTARIA N
o-158, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de
suas atribuições, tendo em vista o disposto no Decreto n
o5.773, de 09
de maio de 2006, na Portaria Normativa no40, de 12 de dezembro de
2007 e no Parecer no188/2013, da Câmara de Educação Superior, do
Conselho Nacional de Educação, conforme consta do Processo e-MEC n
o201000950, e diante da conformidade do Regimento da
Instituição e de seu respectivo Plano de Desenvolvimento Institu-
cional com a legislação aplicável, resolve:
Art. 1
oFica recredenciada a Faculdade de Macapá, com sede
na Rodovia Duque de Caxias, s/no, km 5, Bairro Cabralzinho, no
Município de Macapá, no Estado do Amapá, mantida pela União de
Faculdades do Amapá Ltda., com sede no mesmo Município e Es-
tado.
Art. 2
oO recredenciamento de que trata o art. 1oé válido
pelo prazo máximo de 3 (três) anos, fixado pelo Anexo III da Portaria
Normativa n
o1, de 2 de janeiro de 2014, observado o disposto no art.
4oda Lei no10.870, de 19 de maio de 2004, bem como o art. 10, §
7o, do Decreto no5.773, de 9 de maio de 2006.
Art. 3oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
JOSÉ HENRIQUE PAIM FERNANDEStica, nº 854, Praia Campista, Macaé/Rio de Janeiro; Campus Uni-
versitário de São João do Meriti – Rua da Matriz, nº 204, Centro, São
João de Meriti/Rio de Janeiro; Campus VII – Nova Iguaçu – Rua
Coronel Bernardino de Mello,nº 1.771, Centro, Nova Iguaçu/Rio de
Janeiro; Unidade Barra da Tijuca/Campus II – Rio de Janeiro – Av.
Airton Sena, nº 3.383, Tijuca, Rio de Janeiro/Rio de Janeiro; Unidade
Carioca – Campus Rio de Janeiro – Avenida Vicente de Carvalho, nº
909, Vicente de Carvalho, Rio de Janeiro/Rio de Janeiro; Unidade –
Magé – Rua João Valério, nº 654, Bairro Centro, Magé/Rio de Ja-
neiro; a partir da oferta do curso de Administração, bacharelado, com
o número de vagas fixado pela Secretaria de Regulação e Supervisão
da Educação Superior do Ministério da Educação, conforme consta
do processo e-MEC n
o2 0 11 0 6 7 7 3 .
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer nº
111/2013, da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional de
Educação, que, com fulcro no art. 6
o, inciso VIII, do Decreto no
5.773/2006, conhece do recurso para, no mérito, negar-lhe provi-
mento, mantendo os efeitos da Portaria SERES nº 2, de 16 de janeiro
de 2012, que indeferiu o pedido de autorização para o funcionamento
do curso de Medicina, bacharelado, que seria ministrado pelo Instituto
de Ensino Superior de Minas Gerais, mantida pela União de Ensino
Superior de Sabinópolis Ltda., ambos localizados no Município de
Sabinópolis, no Estado de Minas Gerais, conforme consta do Pro-
cesso nº 23000.010831/2012-37.
Nos termos do art. 2
oda Lei no9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, HOMOLOGA o Parecer no
135/2010, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, que é favorável ao credenciamento da Escola de Socio-
logia e Política de São Paulo, mantida pela Fundação Escola de
Sociologia e Política de São Paulo, com sede na Rua General Jardim,
nº 522, bairro Vila Buarque, no Município de São Paulo, no Estado
de São Paulo, para ofertar cursos de pós-graduação lato sensu, na
modalidade de educação a distância, pelo prazo máximo de 3 (três)
anos, fixado Anexo III da Portaria Normativa MEC nº 01, de 2 de
janeiro de 2014, a partir da oferta do curso de Especialização em
Assessoria Parlamentar e Capacitação Política, conforme consta do
Processo n
o2 3 0 0 0 . 0 0 111 4 / 2 0 0 9 – 1 9 .
Nos termos do art. 2oda Lei no9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer
CNE/CES n
o265/2013, da Câmara de Educação Superior, do Con-
selho Nacional de Educação, que, com fulcro no art. 6o, inciso VIII,
do Decreto no5.773, de 9 de maio de 2006, conhece do recurso para,
no mérito, negar-lhe provimento, mantendo os efeitos da Portaria
SERES n
o254, de 5 de junho de 2013, publicada no Diário Oficial da
União de 6 de junho de 2013, da Secretaria de Regulação e Su-
pervisão da Educação Superior – SERES/MEC, que indeferiu o pe-
dido de aumento de vagas do curso de graduação, bacharelado, em
Administração, ministrado pela Faculdade Maurício de Nassau de
Lauro de Freitas, com sede na Estrada do Côco, s/n
oKm 4,5, Centro,
no município de Lauro de Freitas, no Estado da Bahia, mantida pelo
Centro de Ensino e Tecnologia da Bahia Ltda., com sede no mesmo
Município e Estado, conforme consta do Processo n
o
2 3 0 0 1 . 0 0 0 11 7 / 2 0 1 3 – 1 0 .
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer nº
264/2013, da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional
de Educação, que, com fulcro no artigo 6º, inciso VIII, do Decreto nº
5.773/2006, conheceu do recurso para, no mérito, negar-lhe provi-
mento, mantendo os efeitos da Portaria SERES nº 254, de 5 de junho
de 2013, publicada no Diário Oficial da União em 6 de junho de
2013, que indeferiu o pedido de aumento de vagas dos cursos de
graduação, bacharelado, em Ciências Contábeis, Sistemas de Infor-
mação e Administração, ministrados pela Faculdade Maurício de Nas-
sau de Belém, com sede na Avenida Serzedelo Correa, nº 514, Bairro
Batista Campos, no município de Belém, no Estado do Pará, mantida
pela Universo Professores Associados S/S Ltda., com sede no mesmo
município, conforme consta do Processo nº 23001.000093/2013-91.
Nos termos do art. 2
oda Lei no9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer
CNE/CES n
o240/2013, da Câmara de Educação Superior, do Con-
selho Nacional de Educação, que, com fulcro no art. 6o, inciso VIII,
do Decreto no5.773, de 9 de maio de 2006, conhece do recurso para,
no mérito, negar-lhe provimento, mantendo os efeitos do Despacho
SERES n
o237, de 18 de novembro de 2011, publicado no Diário
Oficial da União de 22 de novembro de 2011, da Secretaria de
Regulação e Supervisão da Educação Superior – SERES/MEC, que
determinou a aplicação da medida cautelar de limitação das quan-
tidades de novos ingressos, mantendo a quantidade de estudantes
matriculados no ano letivo de 2011 nos cursos ministrados pelo Cen-
tro Universitário Capital – UNICAPITAL, localizado na Rua Ibi-
petuba, n
o130, Parque da Mooca, no Município de São Paulo, Estado
de São Paulo, mantida pela Instituição Luso-Brasileira de Educação e
Cultura S/S Ltda., com sede no mesmo Município e Estado, conforme
consta do Processo n
o23000.010965/2013-39.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995,
o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer nº 221/2013, da
Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional de Educação, que,
com fulcro no art. 6
o, inciso VIII, do Decreto nº 5.773, de 2006, conheceu do
recurso para, no mérito, negar-lhe provimento, mantendo os efeitos da de-
cisão da Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior que, por
meio do Despacho nº 243/2011-SERES/MEC, de 28 de novembro de 2011,
publicado no Diário Oficial da União de 29 de novembro de 2011, aplicou
medida cautelar de redução de 4 (quatro) vagas no curso de Farmácia, ba-
charelado, oferecido pela Universidade Antônio Carlos – UNIPAC, com sede
no Município de Barbacena, Estado de Minas Gerais, mantida pela Fundação
Presidente Antônio Carlos, com sede no município de Belo Horizonte, estado
de Minas Gerais, conforme consta do Processo nº 23000.006693/2013-72.
JOSÉ HENRIQUE PAIM FERNANDES PORTARIA N
o-159, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Decreto n
o5.773, de 9 de
maio de 2006, na Portaria Normativa no40, de 12 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 2010, e no Parecer no228/2013,
da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional de Educação, conforme consta do processo e-MEC no201106773, e diante da
conformidade do Estatuto da Instituição e de seu respectivo Plano de Desenvolvimento Institucional com a legislação aplicável, resolve:
Art. 1
oFica credenciada a Universidade do Grande Rio Professor José de Souza Herdy – UNIGRANRIO, para oferta de cursos
superiores na modalidade a distância, com sede na Rua Professor José de Souza Herdy, no1.160, Bairro 25 de Agosto, no Município de Duque
de Caxias, no Estado do Rio de Janeiro, mantida pela Sociedade Nilza Cordeiro Herdy de Educação e Cultura S/S Ltda., com sede no mesmo
endereço.
Art. 2
oAs atividades presenciais obrigatórias serão desenvolvidas nos polos de apoio presencial relacionados no Anexo desta
Portaria.
Art. 3
oNos termos do Art. 2oda Portaria Normativa MEC nº 01, de 2 de janeiro de 2014, Anexo III, este ato autorizativo é válido
por 5 (cinco) anos a partir da publicação desta Portaria.
Art. 4
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
JOSÉ HENRIQUE PAIM FERNANDES
ANEXO
PoloEndereçoPolo – Sede Rua Professor José de Souza Herdy, nº 1.160, Bairro 25 de Agosto, Duque de Caxias/Rio de Janeiro.Polo – Campus III Silva Jardim, Rodovia BR 101, nº Km 244, Imbaú, Silva Jardim/Rio de Janeiro.Polo – Campus II Rio de Janeiro/Lapa – R. da Lapa, nº 86, Centro, Rio de Janeiro/Rio de Janeiro .Polo – Campus I Unidade Santa Cruz da Serra – Rua Rio Grande do Norte, nº 9, Bairro Santa Cruz da Serra, Duque de Caxias/Rio de
Janeiro.
Polo – Campus Macaé Av. Atlântica, nº 854, Praia Campista, Macaé/Rio de Janeiro.Polo – Campus Universitário de São João do Meriti Rua da Matriz, nº 204, Centro, São João de Meriti/Rio de Janeiro.Polo – Campus VII Nova Iguaçu – Rua Coronel Bernardino de Mello, nº 1.771, Centro, Nova Iguaçu/Rio de Janeiro.Polo – Unidade Barra da Tijuca/Campus II Rio de Janeiro – Av. Airton Sena, nº 3.383, Tijuca, Rio de Janeiro/Rio de Janeiro.Polo – Unidade Carioca Campus Rio de Janeiro – Avenida Vicente de Carvalho, nº 909, Vicente de Carvalho, Rio de Janeiro/Rio de Janeiro.Polo – Unidade – Magé Rua João Valério, nº 654, Bairro Centro, Magé/Rio de Janeiro.
PORTARIA No-160, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de
suas atribuições, tendo em vista o disposto no Decreto n
o5.773, de 9
de maio de 2006, na Portaria Normativa no 40, de 12 de dezembro de
2007, republicada em 29 de dezembro de 2010, na Resolução nº 01,
de 08 de junho de 2007, e no Parecer n
o135/2010, da Câmara de
Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, conforme
consta do Processo no 23000.001114/2009-19, Registro SAPIEnS n
o
20080002502, resolve:
Art. 1oFica credenciada, para oferta de cursos de pós-gra-
duação lato sensu na modalidade a distância, a Escola de Sociologia
e Política de São Paulo, mantida pela Fundação Escola de Sociologia
e Política de São Paulo, com sede na Rua General Jardim, n
o522,
bairro Vila Buarque, no Município de São Paulo, no Estado de São
Paulo.
Art. 2
oNos termos do Art. 2º, da Portaria Normativa MEC nº
01, de 2 de janeiro de 2014, Anexo III, este ato autorizativo é válido
por 3 (três) anos a partir da publicação desta Portaria.
Art. 3
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
JOSÉ HENRIQUE PAIM FERNANDES
DESPACHOS DO MINISTRO
Em 19 de fevereiro de 2014
Processo n
o: 71000.090000/2009-88
Interessada: Fundação Comunitária Tricordiana de Educação
Três Corações
Assunto: Requerimento de renovação do Certificado de En-
tidade Beneficente de Assistência Social
DECISÃO: Vistos os autos do processo em referência, e com
fulcro no Parecer n
o122/2014/CONJUR-MEC/CGU/AGU, cujos fun-
damentos adoto, nos termos do art. 50, § 1oda Lei no9.784, de 29 de
janeiro de 1999, conheço e nego provimento ao recurso interposto,
mantendo na íntegra a Portaria n
o7, de 12 de janeiro de 2012, da
Secretaria de Educação Superior – SESu.
Nos termos do art. 2
oda Lei no9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer no
188/2013, da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional
de Educação, favorável ao recredenciamento da Faculdade de Ma-
capá, com sede na Rodovia Duque de Caxias, s/n
o, km 5, Bairro
Cabralzinho, no Município de Macapá, no Estado do Amapá, mantida
pela União de Faculdades do Amapá Ltda., com sede no mesmo
Município e Estado, observado o prazo máximo de 3 (três) anos,
fixado pelo art. 4
oda Lei no10.870, de 19 de maio de 2004, bem
como a exigência avaliativa prevista no art. 10, § 7o, do Decreto no
5.773, de 9 de maio de 2006, conforme consta do processo e-MEC no
201000950.Nos termos do art. 2
oda Lei no9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer no
272/2013, da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional
de Educação, favorável ao credenciamento da Faculdade Jaraguá,
com sede na Avenida Vênus, Quadra 14, lote 01, n
o141-61, bairro
Jardim Athenas, no Município de Jaraguá, no Estado de Goiás, man-
tida pelo Centro de Ensino Superior de Rubiataba Ltda. – CESUR,
com sede no Município de Rubiataba, no Estado de Goiás, pelo prazo
máximo de 4 (quatro) anos, fixado pelo Anexo III da Portaria Nor-
mativa n
o1, de 2 de janeiro de 2014, observado o disposto no art. 4o
da Lei no10.870, de 19 de maio de 2004, bem como o art. 10, § 7o,
do Decreto no5.773, de 9 de maio de 2006, a partir da oferta do curso
de Administração, bacharelado, com 60 (sessenta) vagas totais anuais,
Engenharia Civil, bacharelado, com 100 (cem) vagas totais anuais, e
Análise e Desenvolvimento de Sistemas, tecnológico, com 60 (ses-
senta) vagas totais anuais, conforme consta do processo e-MEC n
o
2 0 111 5 7 0 1 .
Nos termos do art. 2oda Lei no9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer no
133/2013, da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional
de Educação, favorável ao recredenciamento das Faculdades Inte-
gradas Urubupungá, com sede na Avenida Coronel Jonas de Mello, n
o
1660, Bairro Centro, no Município de Pereira Barreto, no Estado de
São Paulo, mantida pela Associação de Ensino e Cultura Urubupungá,
com sede no mesmo Município e Estado, pelo prazo máximo de 3
(três) anos, fixado pelo Anexo III da Portaria Normativa n
o1, de 2 de
janeiro de 2014, observando o disposto no art. 4oda Lei no10.870, de
19 de maio de 2004, bem como o art. 10, § 7o, do Decreto no5.773,
de 9 de maio de 2006, conforme consta do processo e-MEC no
20077074.
Nos termos do art. 2
oda Lei no9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação HOMOLOGA o Parecer no
228/2013, da Câmara de Educação Superior, do Conselho Nacional
de Educação, favorável ao credenciamento da Universidade do Gran-
de Rio Professor José de Souza Herdy – UNIGRANRIO, para oferta
de cursos superiores na modalidade a distância, com sede na Rua
Professor José de Souza Herdy, n
o1.160, Bairro 25 de Agosto, no
Município de Duque de Caxias, no Estado do Rio de Janeiro, mantida
pela Sociedade Nilza Cordeiro Herdy de Educação e Cultura S/S
Ltda., com sede no mesmo endereço, pelo prazo máximo de 5 (cinco)
anos, conforme o art. 13, § 4
o, do Decreto no5.773/2006, com
abrangência de atuação em sua sede, e nos seguintes polos de apoio
presencial: Polo na Sede – Rua Professor José de Souza Herdy, nº
1.160, Bairro 25 de Agosto, Duque de Caxias/Rio de Janeiro; Campus
III – Silva Jardim, Rodovia BR 101, nº Km 244, Imbaú, Silva Jar-
dim/Rio de Janeiro; Campus II – Rio de Janeiro/Lapa – R. da Lapa, nº
86, Centro, Rio de Janeiro/Rio de Janeiro; Campus I – Unidade Santa
Cruz da Serra – Rua Rio Grande do Norte, nº 9, Bairro Santa Cruz da
Serra, Duque de Caxias/Rio de Janeiro; Campus Macaé – Av. Atlân-
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201412ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA
E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE
PORTARIA No-517, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tec-
nologia Sul-rio-grandense, no uso das atribuições legais, resolve:
Prorrogar por 1 (um) ano o prazo de validade dos processos
seletivos abaixo relacionados, para o cargo de Professor Substituto:
E dital nº Área Ca m pus Data de H o
mologa ção
012/2013 Letras Bagé 19/02/2013
MÁRIO LEONARDO BOÉSSIO
Em exercício
SECRETARIA DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO
DA EDUCAÇÃO SUPERIOR
DESPACHOS DO SECRETÁRIO
Em 14 de fevereiro de 2014
Dispõe sobre o arquivamento do processo
de supervisão nº 23000.025972/2007-97.
Nº 49 – O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA
EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso das atribuições que lhe confere o
Decreto nº 7.690, de 2 de março de 2012, em atenção aos referenciais
substantivos de qualidade expressos na legislação e nos instrumentos
de avaliação dos cursos de graduação e às normas que regulam o
processo administrativo na Administração Pública Federal, e com
fundamento expresso nos art. 206, VII, 209, I e II e 211, § 1º, da
Constituição Federal; no art. 46 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro
de 1996; no art. 2º, I, VI e XIII, da Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de
1999; e no Capítulo III do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006,
tendo em vista as razões expostas na Nota Técnica nº 103/2014-
CGSE/DISUP/SERES/MEC, determina que:
1.Seja arquivado o processo de supervisão nº
23000.0025972/2007-97, com fundamento expresso no art. 49 do
Decreto nº 5.773, de 2006; e
2.Seja o CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE
NITERÓI – (cód. 515) notificado da publicação do presente Despacho
de arquivamento, nos termos do art. 28 da Lei nº 9.784, de 1999.
Dispõe sobre o arquivamento do processo
de supervisão nº 23000.000424/2013-01.
Nº 50 – O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA
EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso das atribuições que lhe confere o
Decreto nº 7.690, de 2 de março de 2012, em atenção aos referenciais
substantivos de qualidade expressos na legislação e nos instrumentos
de avaliação dos cursos de graduação e às normas que regulam o
processo administrativo na Administração Pública Federal, e com
fundamento expresso nos art. 206, VII, 209, I e II e 211, § 1º, da
Constituição Federal; no art. 46 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro
de 1996; no art. 2º, I, VI e XIII, da Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de
1999; e no Capítulo III do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006,
tendo em vista as razões expostas na Nota Técnica nº 104/2014-
CGSE/DISUP/SERES/MEC, determina que:
1.Seja arquivado o processo de supervisão nº
23000.000424/2013-01, com fundamento expresso no art. 49 do De-
creto nº 5.773, de 2006;
2.Sejam revogados os efeitos das medidas cautelares apli-
cadas à FACULDADES INTEGRADAS MATO-GROSSENSES DE
CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS – ICE (cód. 3303), por meio do
Despacho SERES/MEC nº 198, de 21 de dezembro de 2012, pu-
blicado no Diário Oficial da União em 26 de dezembro de 2012;
3.Seja a FACULDADES INTEGRADAS MATO-GROS-
SENSES DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS – ICE (cód. 3303)
notificada da publicação do presente Despacho de arquivamento, nos
termos do art. 28 da Lei nº 9.784, de 1999.
Dispõe sobre a decisão de processo admi-
nistrativo instaurado em face do curso de
Fisioterapia (cód. 67938) ofertado pela FA-
CULDADE SEAMA – SEAMA (cód.
1591). Processo MEC nº
2 3 0 0 0 . 0 1 8 0 5 1 / 2 0 11 – 5 4 .
Nº 51 – O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA
EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o
Decreto nº 7.690, de 2 de março de 2012, tendo em vista os ins-
trumentos de avaliação dos cursos de graduação e as normas que
regulam o processo administrativo na Administração Pública Federal,
e com fundamento expresso nos art. 206, VII, 209, I e II, e 211, § 1º,
todos da Constituição Federal; no art. 46 da Lei nº 9.394, de 20 de
dezembro de 1996; no art. 2º, I, VI e XIII, da Lei nº 9.784, de 29 de
janeiro de 1999; e no Capítulo III do Decreto nº 5.773, de 9 de maio
de 2006, e as razões expostas na Nota Técnica nº 105/2014-CG-
SE/DISUP/SERES/MEC, determina que:
1. Sejam reduzidas as vagas autorizadas para o curso de
Fisioterapia (cód. 67938) ofertado pela FACULDADE SEAMA –
SEAMA (cód. 1591), de 100 (cem) para 80 (oitenta) vagas totais
anuais, como forma de convolação da penalidade de desativação do
curso, prevista no art. 52, inciso I, do Decreto nº 5.773, de 2006, em
atenção ao princípio da proporcionalidade, previsto no art. 2º da Lei
nº 9.784, de 1999;2. Sejam revogadas as medidas cautelares aplicadas ao curso
de Fisioterapia (cód. 67938) ofertado pela FACULDADE SEAMA –
SEAMA (cód. 1591), aplicadas por meio do Despacho SERES/MEC
nº 249, de 2011;
3. Seja notificada a FACULDADE SEAMA – SEAMA (cód.
1591) da possibilidade de interposição de recurso, nos termos do art.
53 do Decreto nº 5.773, de 2006; e
4. Seja notificada a FACULDADE SEAMA – SEAMA (cód.
1591) do teor do Despacho, nos termos do art. 28 da Lei nº 9.784, de
1999.
JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO
DE PESSOAS
PORTARIA Nº 147, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O Pró-Reitor de Desenvolvimento de Pessoas, no uso das
atribuições previstas na Portaria de Delegação de Competência n°
448, de 17/05/2011, resolve:
Homologar o resultado do Concurso Público de Provas e
Títulos para a classe de Professor da Carreira do Magistério Superior
desta Universidade, para exercício na cidade de Salvador e de Vitória
da Conquista, conforme Edital n° 03/2012, publicado no DOU de
17/09/2012.
Unidade: INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
Departamento: BIO-FUNÇÃO
Área de Conhecimento: Fisioterapia Respiratória
Vagas: 1
Classe: ASSISTENTE A
Regime de Trabalho: DE
Processo: 23066.004925/14-30
1º Cássio Magalhães da Silva e Silva
ANTÔNIO EDUARDO MOTA PORTELA
PORTARIA Nº 236, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O Pró-Reitor de Desenvolvimento de Pessoas, no uso das
atribuições previstas na Portaria de Delegação de Competência n°
448, de 17/05/2011, resolve:
Homologar o resultado do Concurso Público de Provas e
Títulos para a classe de Professor da Carreira do Magistério Superior
desta Universidade, para exercício na cidade de Salvador e de Vitória
da Conquista, conforme Edital n° 01/2013, publicado no DOU de
19/08/2013.
Unidade: ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZO-
OTECNIA
Departamento: ANATOMIA, PATOLOGIA E CLÍNICAS
VETERINÁRIAS
Área de Conhecimento: Técnica Cirúrgica e Clínica Cirúr-
gica de Pequenos Animais
Vagas: 1
Classe: ADJUNTO A
Regime de Trabalho: DE
Processo: 23066.002744/14-14
1º Francisco de Assis Dórea Neto
2º Aracelle Elisane Alves
Unidade: FACULDADE DE ARQUITETURA
Departamento: TEORIA E PRÁTICA DO PLANEJAMEN-
TO
Área de Conhecimento: Projetos e Instalações Prediais
Vagas: 1
Classe: AUXILIAR
Regime de Trabalho: 40 Horas
Processo: 23066.002917/14-31
1º Mauricio Felzemburgh Vidal
2º Sofia Araújo Lima Bessa
3º Helena Fernanda Graf
4º Manoel Messias Teixeira Junior
Unidade: INSTITUTO DE MATEMÁTICA
Departamento: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO
Área de Conhecimento: Computação Aplicada
Vagas: 2
Classe: ADJUNTO A
Regime de Trabalho: DE
Processo: 23066.005918/14-18
1º Maurício Pamplona Segundo
2º Rubisley de Paula Lemes
3º Tatiane Nogueira Rios
4º Ricardo Araújo Rios
Área de Conhecimento: Informática e Educação
Vagas: 1
Classe: ADJUNTO A
Regime de Trabalho: DE
Processo: 23066.002096/14-04
1º Ecivaldo de Souza Matos
2º Tatiane Nogueira Rios
ANTÔNIO EDUARDO MOTA PORTELA
UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA
PORTARIA Nº 36, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A REITORA PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FE-
DERAL DO OESTE DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe
conferem o art. 11 da Lei nº 12.825, de 5 de junho de 2013, e a
Portaria MEC Nº 575, de 28 de junho de 2013, resolve:
Homologar o resultado do Concurso Público de Provas e
Títulos para a classe de Professor da Carreira do Magistério Superior
da Universidade Federal do Oeste da Bahia – UFOB, para exercício
na cidade de Barreiras, conforme Edital 01/2013, publicado no DOU
de 19/08/2013, Seção 3, pág. 57-61.
Unidade: Instituto Ciências Ambientais e Desenvolvimento
Sustentável – Campus: Barreiras
Área de Conhecimento: Geologia do Petróleo/ Recursos
Energéticos. Vagas: 01
Classe: Assistente. Regime de Trabalho: Dedicação Exclu-
siva. Processo: 23066.074892/13-96. Não houve candidatos aprova-
dos.
Área de Conhecimento: Geografia Humana: Geografia da
População/ Geografia Econômica/ Geografia Política. Vagas: 01.
Classe: Assistente. Regime de Trabalho: Dedicação Exclusiva. Pro-
cesso: 23066.074893/13-59. 1º Allison Bezerra Oliveira; 2º Girlan
Cândido da Silva.
Área de Conhecimento: Geotecnologias: Sensoriamento Re-
moto/ Cartografia/ Geoprocessamento. Vagas: 01. Classe: Assistente.
Regime de Trabalho: Dedicação Exclusiva. Processo:
23066.074894/13-11. 1º José Yure Gomes Dos Santos; 2º Mirna Karla
Amorim Da Silva; 3º Leônidas Luiz Volcato Descovi Filho
Área de Conhecimento: Geografia Humana: Geografia do
Brasil/ Geografia Regional. Vagas: 01. Classe: Assistente. Regime de
Trabalho: Dedicação Exclusiva. Processo: 23066.074901/13-85. 1º
Robson Soares Brasileiro; 2º Camila Dutra dos Santos; 3º Geraldo
Inácio Martins.
Área de Conhecimento: Química Geral. Vagas: 01. Classe:
Adjunto. Regime de Trabalho: Dedicação Exclusiva. Processo:
23066.074905/13-36. Não houve candidatos aprovados.
Área de Conhecimento: Matemática. Vagas: 04. Classe: As-
sistente. Regime de Trabalho: Dedicação Exclusiva. Processo:
23066.074903/13-36. 1º Edvaldo Elias de Almeida Batista.
Área de Conhecimento: Biologia Celular/ Biologia Mole-
cular. Vagas: 01 Classe: Adjunto. Regime de Trabalho: Dedicação
Exclusiva. Processo: 23066.074906/13-07. 1º Dihego de Oliveira
Azevedo
Área de Conhecimento: Construção Civil. Vagas: 01. Classe:
Assistente. Regime de Trabalho: Dedicação Exclusiva. Processo:
23066.074910/13-76. Não houve candidato aprovado.
Área de Conhecimento: Filosofia Geral. Vagas: 01. Classe:
Assistente. Regime de Trabalho: Dedicação Exclusiva. Processo:
23066.074911/13-39. 1º Cristóvão Atílio Viero
Área de Conhecimento: Física Geral. Vagas: 02. Classe: As-
sistente. Regime de Trabalho: Dedicação Exclusiva. Processo:
23066.074913/13-64. 1º Eduardo Alves Reis; 2º Edward Ferraz de
Almeida Júnior; 3º Marcelo Jorge Nascimento Souza
Área de Conhecimento: Física Geral/ Ensino de Física. Va-
gas: 01. Classe: Assistente. Regime de Trabalho: Dedicação Exclu-
siva. Processo: 23066.074915/13-90. Não houve candidatos aprova-
dos.
IRACEMA SANTOS VELOSO
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
CENTRO DE LETRAS E ARTES
ESCOLA DE BELAS ARTES
PORTARIA No-602, DE 27 DE JANEIRO DE 2014
O Diretor da Escola de Belas Artes da Universidade Federal
do Rio de Janeiro, professor Carlos Gonçalves Terra, nomeado pela
Portaria nº 214 de 25/01/2010, publicada no DOU nº 17, Seção 02, de
26/01/2010, no uso de suas atribuições conferida pelo Art. 19 da Lei
9.610 de 19 de fevereiro de 1998 e amparada na determinação ju-
dicial proferida nos autos do Processo n° 23079.074133/2013-39, faz
saber que por este termo e ato, realiza o cancelamento do Registro de
Direitos Autorais do autor SÉRGIO MARIN, identidade n°
4.527.532, CPF n° 638.574.308-00, registro n°14.133 no livro 34, p.
68-verso, lavrado no Livro de Cancelamento de Registro de Direitos
Autorais p.5, por ordem do Excelentíssimo Juiz Federal no exercício
da titularidade Dr. Danilo Almasi Vieira Santos, Ofício n°0508/2013-
SEC (asq) com data de 19 de novembro de 2013.
CARLOS GONÇALVES TERRA
INSTITUTO DE QUÍMICA
PORTARIA Nº 1.672, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A Diretora do Instituto de Química da Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Professora Cássia Curan Turci, no uso de suas
atribuições, resolve:
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201413ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Tornar público o resultado do processo seletivo para pro-
fessor visitante do Programa de Pós-graduação em Ciência de Ali-
mentos, do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de
Janeiro – Área: Biopolímeros em Alimentos e Microbiologia Mo-
lecular em Alimentos, observado o disposto no Edital nº 435, de 4 de
dezembro de 2013, publicado no Diário Oficial da União nº 236,
seção 03, de 5 de dezembro de 2013.
Aprovado – Classificação Final
1º Colocado: Eduardo Mere Del Aguila.
CÁSSIA CURAN TURCI
PORTARIA Nº 1.673, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A Diretora do Instituto de Química da Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Professora Cássia Curan Turci, no uso de suas
atribuições, resolve:
Tornar público o resultado do processo seletivo para pro-
fessor visitante do Programa de Pós-graduação em Bioquímica, do
Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro –
Área: Tecnologia Enzimática, observado o disposto no Edital nº 441,
de 24 de novembro de 2013, publicado no Diário Oficial da União nº
239, seção 03, de 10 de dezembro de 2013.
Aprovado – Classificação Final
1º Colocado: Ricardo Sposina Sobral Teixeira.
CÁSSIA CURAN TURCIArt. 1º Fica cancelada a Certidão de Regularidade Fiscal
Positiva com Efeitos de Negativa de Créditos Fiscais Não Previden-
ciários inscritos em Dívida Ativa da União emitida em favor de
TRANSPORTES IMEDIATO LTDA, CNPJ 49.151.483/0001-14, por
força de decisão definitiva proferida nos do Mandado de Segurança nº
0008291-40.2013.403.6102, da 4ª Vara Federal de Ribeirão Preto-SP.
Art. 2º Este Ato Declaratório entra em vigor na data de sua
publicação.
MARIO AUGUSTO CARBONI
BANCO DO BRASIL S/A
DIRETORIA DE MARKETING E COMUNICAÇÃO
EXTRATO DA ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA
DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
REALIZADA EM 16 DE DEZEMBRO DE 2013
Em dezesseis de dezembro de dois mil e treze, às dez horas, na sede
social da empresa, no Setor Bancário Sul, Quadra 1, Bloco G, 24º
andar (parte), Asa Sul – Brasília (DF), sob a presidência da Sra.
Adriana Queiroz de Carvalho, realizou-se reunião ordinária do Con-
selho de Administração do Banco do Brasil S.A. (CNPJ:
00.000.000/0001-91; NIRE: 5330000063-8), com a participação dos
Conselheiros Aldemir Bendine, Bernardo Gouthier Macedo, Elvio
Lima Gaspar, Henrique Jäger, Rafael Vieira de Matos e Sérgio Eduar-
do Arbulu Mendonça. Estiveram presentes, também, os Srs. Antonio
Pedro da Silva Machado, Diretor Jurídico, e Luís Aniceto Silva Ca-
vicchioli, Diretor de Estratégia e Organização. O Conselho de Ad-
ministração decidiu:1.aprovar: (…) f) a alienação da participação de
19% detida pelo BB – Banco de Investimentos na empresa Itapebi
Geração de Energia S.A. para o Grupo Neoenergia, conforme a Nota
Dimec-2013/1898, de 27.11.2013, aprovada pelo Conselho Diretor
em 03.12.2013; (…) Nada mais havendo a tratar, o Sr. Presidente deu
por encerrada a reunião, da qual eu,ass.) Luiz Cláudio Ligabue, Se-
cretário, mandei lavrar esta ata que, lida e achada conforme, vai
assinada pelos conselheiros. Ass.) Adriana Queiroz de Carvalho, Al-
demir Bendine, Bernardo Gouthier Macedo, Elvio Lima Gaspar, Hen-
rique Jäger, Rafael Vieira de Matos e Sérgio Eduardo Arbulu Men-
donça. ESTE DOCUMENTO É PARTE TRANSCRITA DO LIVRO
Nº 28 PÁGINAS 48 A 51. A Junta Comercial do Distrito Federal
certificou o registro em 04.02.2014 sob o número 20140064923 –
Mônica Amorim Meira – Secretária-Geral.
BANCO CENTRAL DO BRASIL
ATO Nº 1.268, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Declara cessada a liquidação extrajudicial
da Banorte Patrimonial S.A.
O Presidente do Banco Central do Brasil, no uso das atri-
buições que lhe confere o art. 12, inciso XVII, do Regimento Interno,
com fundamento no art. 19, alínea “a”, da Lei nº 6.024, de 13 de
março de 1974, tendo em vista o disposto no art. 16, § 1º, da citada
lei, aplicável à sociedade enquanto perdurar o regime especial a que
está sujeito seu controlador, Banco Banorte S.A. – Em Liquidação
Extrajudicial, resolve:
Art. 1º Art. 1º Fica cessada a liquidação extrajudicial da
Banorte Patrimonial S.A., CNPJ 10.397.495/0001-98, com sede em
Recife (PE), a que foi submetida pelo Ato do Presidente nº 682, de 21
de maio de 1997, publicado no Diário Oficial da União de 22 de maio
de 1997.
Art. 2º Art. 2º Fica dispensado do encargo de liquidante o
senhor Pedro Ataide Pinheiro, carteira de identidade RG 212.423-
SSP-DF e CPF 451.650.928-87.
ALEXANDRE ANTONIO TOMBINI
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS
SUPERINTENDÊNCIA DE RELAÇÕES
COM INVESTIDORES INSTITUCIONAIS
ATO DECLARATÓRIO Nº 13.533, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O Superintendente de Relações com Investidores Institucio-
nais da Comissão de Valores Mobiliários, no uso da competência
delegada pela Deliberação CVM nº 158, de 21 de julho de 1993,
autoriza FERNANDO AZEVEDO DE ARAÚJO JÚNIOR, CPF nº
089.080.297-10, a prestar os serviços de Administrador de Carteira de
Valores Mobiliários previstos na Instrução CVM nº 306, de 5 de maio
de 1999.
FRANCISCO JOSÉ BASTOS SANTOS
RETIFICAÇÃO
No ATO DECLARATÓRIO CVM de Nº 13.529, de 10 de
fevereiro de 2014, publicado no DOU de 13 de fevereiro de 2014,
Seção 1, pág.. 42, onde se lê “OTAVIO RAMAGNOLLI MENDES.”,
leia-se “OTAVIO ROMAGNOLLI MENDES”.
SUPERINTENDÊNCIA-GERAL
SUPERINTENDÊNCIA DE PROCESSOS
SANCIONADORES
COORDENAÇÃO DE CONTROLE DE PROCESSOS
A D M I N I S T R AT I V O S
PAUTA DE JULGAMENTOS
PAUTA DE JULGAMENTOS, ABERTOS AO PÚBLICO, DE
PROCESSOS ADMINISTRATIVOS SANCIONADORES – CVM.
I – Marcação de Sessão de Julgamento: nos termos do dis-
posto nos artigos 27 a 36 e artigo 40, todos da Deliberação CVM nº
538, de 05.03.2008, comunicamos que serão realizadas as seguintes
Sessões de Julgamento de Processos Administrativos Sancionadores,
na data, horário e local abaixo mencionados.
Ficam desde já convocados os acusados e seus represen-
tantes, ou advogados, devidamente constituídos nos autos, para, que-
rendo, comparecer à Sessão de Julgamento do Processo Adminis-
trativo Sancionador e oferecer sustentação oral de sua defesa.
Eventuais alterações na presente pauta serão objeto de pu-
blicação no Diário Oficial da União.
PAS CVM nº SP2010/178 – Cruzeiro do Sul Corretora de
Va l o r e s
Data: 25.03.2014 – terça-feira
Horário: 14h30min
Relator: Diretor Roberto Tadeu Antunes Fernandes
Procuradora: Julya Sotto Mayor Wellisch
Local: Rua Sete de Setembro, 111 – 34° andar – Centro – Rio
de Janeiro – RJ
Objeto do processo: irregularidades reiteradas no registro de
ordens de operação no mercado de valores mobiliários por parte da
CRUZEIRO DO SUL S.A. Corretora de Valores, além de uso de
prática não equitativa, conforme alínea “d”, item II, da Instrução
CVM nº 08/79.
ACUSADOS ADVOGADOSFernando Luiz Martins
Perroni FilhoDébora Martins Perroni
OAB/SP nº 101.956
Felipe Neira Lauand Maria Isabel do Prado Bocater
OAB/RJ nº 28.559
Marcello Garbes Ro-
driguesMaria Isabel do Prado Bocater
OAB/RJ nº 28.559
Luís Felippe Índio da
CostaPaulo Cezar Aragão
OAB/SP nº 102.836-A
Cruzeiro do Sul S.A.
Corretora de Valores e
MercadoriasNão constituiu advogado.
PAS CVM nº RJ2012/218 – Walpires S.A. CTVM
Data: 25.03.2014 – terça-feira
Horário: 14h30min.
Relator: Diretor Roberto Tadeu Antunes Fernandes
Procurador: Raul José Linhares Souto
Local: Rua Sete de Setembro, 111 – 34° andar – Centro – Rio
de Janeiro – RJ.
Objeto do processo: Apurar eventual responsabilidade de
Alexandre Cony dos Santos Junior por infração ao art. 3º da Instrução
CVM nº 434/06 e ao art. 3º da Instrução CVM nº 306/99; de CW7
Agentes Autônomos Ltda., por infração ao inciso VI do art. 16 da
Instrução CVM nº 434/06; e de Walpires S.A. CCTVM, por infração
ao §2º do art.17 da Instrução CVM nº 434/06.
ACUSADOS ADVOGADOSCW7 Agentes Autôno-
mos Ltda.Giulia Giannotti
OAB/RJ nº 110.116
Walpires S.A.
CCTVMGloria Maria Cunha de Macedo Soares Por-
chat
OAB/SP nº 88.325-B
Alexandre Cony dos
Santos JuniorNão constituiu advogado
PAS CVM nº SP2011/233 – São Paulo Corretora
Data: 25.03.2014 – terça-feira
Horário: 14h30min
Relator: Diretor Roberto Tadeu Antunes Fernandes
Procurador: Raul José Linhares Souto
Local: Rua Sete de Setembro, 111 – 34° andar – Centro – Rio
de Janeiro – RJ
Objeto do processo: apurar eventual responsabilidade da São
Paulo Corretora de Valores Ltda. por infração ao disposto no art. 2º
da Instrução CVM nº 333/00 e ao inciso II do art.19 da Instrução
CVM nº 387/03; por infração ao art. 19 e ao § 4º do art. 10 da
Instrução CVM nº 387/03; de Jorge Ribeiro dos Santos, por infração
ao parágrafo único do art. 10 da Instrução CVM nº 387/03; de
Marcelo Gennari Mariano, de Ellen Cristiane da Silva Pereira, Luiz
Ildefonso Augusto da Silva e Arouch Invest Empreendimentos e
Serviços por infração aos itens I e II, “c”, da Instrução 08/79.
ACUSADOS ADVOGADOSEllen Cristiane da Silva
PereiraRenata Scandiuzzi da Silveira
OAB/SP nº 299.305
Arouch Invest Empreen-
dimentos e Serviços S/C
Ltda.Adriano Pereira de Almeida
OAB/SP nº 260.894
Luiz Ildefonso Augusto
da SilvaAdriano Pereira de Almeida
OAB/SP nº 260.894
Jorge Ribeiro dos San-
tosNão constituiu advogado.
Marcelo Gennari Maria-
noNão constituiu advogado.
São Paulo Corretora de
Valores Ltda. [em liqui-
dação extrajudicial]Não constituiu advogado.
GABINETE DO MINISTRO
DESPACHO DO MINISTRO
Em 19 de fevereiro de 2014
Processo n
o: 17944.000310/2013-08.
Interessados: Município de Porto Alegre e Caixa Econômica Federal
– CAIXA.
Assunto: Contratos de Garantia a serem firmados entre a União, a
Caixa Econômica Federal – CAIXA e o Município de Porto Alegre, e
Contratos de Vinculação de Receitas e de Cessão e Transferência de
Crédito, em Contragarantia, a ser firmado entre a União e o Mu-
nicípio de Porto Alegre, com a interveniência da CAIXA, ambos
relativos a Contratos de Financiamento, Mediante Abertura de Cré-
dito, firmados entre o Município de Porto Alegre e a CAIXA des-
tinados à execução dos Projetos de Mobilidade Urbana associados à
Copa do Mundo de 2014, no valor total de R$ 424.682.362,89 (qua-
trocentos e vinte e quatro milhões, seiscentos e oitenta e dois mil,
trezentos e sessenta e dois reais e oitenta e nove centavos). Esse
montante envolve as obrigações financeiras relacionadas aos contratos
de financiamentos nos valores, respectivamente, de R$ 84.382.597,79
(oitenta e quatro milhões, trezentos e oitenta e dois mil, quinhentos e
noventa e sete reais e setenta e nove centavos) – Contrato 0394.388-
90/2013; R$ 29.669.446,27 (vinte e nove milhões, seiscentos e ses-
senta e nove mil, quatrocentos e quarenta e seis reais e vinte e sete
centavos) – Contrato 0394.383-48/2013; R$ 61.400.000,00 (sessenta e
um milhões e quatrocentos mil reais) – Contrato 0394.379-89/2013;
R$ 12.521.979,24 (doze milhões, quinhentos e vinte e um mil, no-
vecentos e setenta e nove reais e vinte e quatro centavos) – Contrato
0394.329-72/2013; R$ 71.300.000,00 (setenta e um milhões e tre-
zentos mil reais) – Contrato 0394.322-02/2013; R$ 24.900.795,19
(vinte e quatro milhões, novecentos mil, setecentos e noventa e cinco
reais e dezenove centavos) – Contrato 0394.317-38/2013; R$
99.527.369,20 (noventa e nove milhões, quinhentos e vinte e sete mil,
trezentos e sessenta e nove reais e vinte centavos) – Contrato
0394.311-74/2013; e R$ 40.980.175,20 (quarenta milhões, novecentos
e oitenta mil, cento e setenta e cinco reais e vinte centavos) – Contrato
0394.308-27/2013.
Despacho: Tendo em vista as manifestações da Secretaria do
Tesouro Nacional e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, au-
torizo as contratações mediante o cumprimento das exigências legais,
revogo o DESPACHO publicado no Diário Oficial da União, em 31
de dezembro de 2013, na seção 1, página 18.
GUIDO MANTEGA
Ministério da Fazenda.
PROCURADORIA-GERAL
DA FAZENDA NACIONAL
PROCURADORIA DA FAZENDA NACIONAL
EM SÃO PAULO
PROCURADORIA SECCIONAL
DA FAZENDA NACIONAL EM RIBEIRÃO PRETO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 1,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Cancelamento de Certidão Positiva com
Efeitos de Negativa. Decisão Judicial.
O PROCURADOR SECCIONAL DA FAZENDA NACIO-
NAL EM RIBEIRÃO PRETO-SP, no uso da competência outorgada
pelo art. 67 do Regimento Interno da Procuradoria-Geral da Fazenda
Nacional, aprovado pela Portaria nº 36, de 24 de janeiro de 2014,
publicada no D.O.U de 29 de janeiro de 2014, determina:
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201414ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
PAS CVM nº RJ2013/9766 – Audimec Auditores Indepen-
dente S/S
Data: 25.03.2014 – terça-feira
Horário: 14h30min
Relator: Diretor Roberto Tadeu Antunes Fernandes
Procuradora: Danielle Oliveira Barbosa
Local: Rua Sete de Setembro, 111 – 34° andar – Centro – Rio
de Janeiro – RJ
Objeto do processo: apurar eventual responsabilidade da Au-
dimec Auditores Independentes S/S por não terem os seus sócios
Geremias Bernanrdo da Silva e Petrônio de Araújo Pereira parti-
cipado do Programa de Educação Continuada – IFRS/CPC para o ano
de 2011, em infração ao disposto no art. 1º da Deliberação CVM nº
570/09, c/c o art. 34 da Instrução CVM nº 308/99.
ACUSADO ADVOGADOAudimec Auditores In-
dependentes S.SNão Constituiu Advogado.
Rio de Janeiro-RJ, 19 de fevereiro de 2014.
RITA DE CÁSSIA MENDES
Chefe da Coordenação
ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA
PORTARIA Nº 26, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Institui o XIX Prêmio Tesouro Nacional –
2014.
O DIRETOR-GERAL DA ESCOLA DE ADMINISTRA-
ÇÃO FAZENDÁRIA – ESAF, no uso das atribuições que lhe confere
o art. 23, do Regimento Interno, aprovado pela Portaria Ministerial no
106, de 03/06/2008, resolve:
Art. 1
ºInstituir o XIX Prêmio Tesouro Nacional – 2014, com
a finalidade de estimular a pesquisa e a elaboração de monografias na
área de Finanças Públicas, conforme regulamento a ser publicado no
sítio eletrônico da Escola de Administração Fazendária na internet
( w w w. e s a f . f a z e n d a . g o v. b r ) .
Art. 2
ºEsta portaria entre em vigor na data de sua pu-
blicação.
ALEXANDRE RIBEIRO MOTTA
SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL
DA 2ª REGIÃO FISCAL
ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
NO PORTO DE BELÉM
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 3,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O Inspetor-Chefe da Alfândega no Porto de Belém, no uso
da competência fixada no § 2º do artigo 40 da Instrução Normativa
RFB nº 1.183 de 19 de agosto de 2011, e atendendo ao que consta no
processo 10280.722521/2011-37, declara:
INAPTA a inscrição do CNPJ 05.405.273/0001-30, da em-
presa J C COMERCIO, IMPORTACAO, EXPORTACAO, REPRE-
SENTACAO E DISTRIBUICAO DE PECAS E ACESSORIOS LT-
DA – ME, pela ocorrência de irregularidade em operações de co-
mércio exterior, com a falta de comprovação da origem, da dis-
ponibilidade e da efetiva transferência dos recursos empregados nas
operações, e por não terem sido apresentadas contraposições pela
interessada.
SERGIO LUIZ NORONHA FRAIHA
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM PORTO VELHO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 2,
DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
Exclui pessoa jurídica do Parcelamento Es-
pecial (Paes), de que trata o art. 5º da Lei
nº 10.684, de 30 de maio de 2003.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM
PORTO VELHO, no uso de suas atribuições e tendo em vista o
disposto nos arts. 5º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, no
art. 12 da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, nos arts. 9º a
17 da Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de 2004, e
na Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de setembro de 2004,
declara:
Art. 1º Fica excluída do Parcelamento Especial (Paes) de que
trata o art. 5º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, de acordo
com seu art. 7º, a pessoa física relacionada no Anexo Único a este
Ato Declaratório Executivo (ADE), tendo em vista que foi constatada
a ocorrência de três meses consecutivos ou seis alternados sem re-
colhimento das parcelas do Paes ou que este tenha sido efetuado em
valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos I e II do
§ 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido no Centro de Atendimento ao Contribuinte – CAC, da De-
legacia da Receita Federal do Brasil (RFB) em Porto Velho – RO.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste ADE, apresentar recurso ad-
ministrativo dirigido a Delegada da Receita Federal do Brasil em
Porto Velho, no endereço: Avenida Rogério Weber, 1752 – Centro –
Porto Velho – RO – CEP 76.801-030.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo pre-
visto no art. 3º, a exclusão do Paes será definitiva.
Art. 5º Este ADE entra em vigor na data de sua publicação.
CLAUDINEY CUBEIRO DOS SANTOS
ANEXO ÚNICO
Relação das pessoas físicas e jurídicas excluídas do Parcelamento
Especial (Paes).
Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento ou
com recolhimento inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º,
incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Relação dos CPF E CNPJ das pessoas físicas e jurídicas excluídas:
149.583.25204
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL
DA 3ª REGIÃO FISCAL
PORTARIA Nº 117, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DO
BRASIL DA 3ª REGIÃO FISCAL, no uso das atribuições conferidas
pelo §1º do artigo 314, do Regimento Interno da Secretaria da Receita
Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio
de 2012, resolve:
Tornar sem efeito a Portaria nº 116, de 18 de fevereiro de
2014, publicada no DOU de 19 de fevereiro de 2014, que transfere a
competência para habilitação de importadores e exportadores, na mo-
dalidade simplificada, para operação no Sistema Integrado de Co-
mércio Exterior (Siscomex), prevista no art. 10 da Instrução Nor-
mativa SRF nº 650, de 12 de maio de 2006, atribuída à Alfândega da
Receita Federal do Brasil do Aeroporto Internacional Pinto Martins
(CE), para a Alfândega da Receita Federal do Brasil do Porto de
Fortaleza (CE).
MOACYR MONDARDO JÚNIOR
PORTARIA Nº 118, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DO
BRASIL DA 3ª REGIÃO FISCAL, no uso das atribuições conferidas
pelo §1º do artigo 314, do Regimento Interno da Secretaria da Receita
Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio
de 2012, resolve:
Considerar prorrogada, a partir de 17 de agosto de 2013, a
competência para habilitação de importadores e exportadores, na mo-
dalidade simplificada, para operação no Sistema Integrado de Co-
mércio Exterior (Siscomex), prevista no art. 10 da Instrução Nor-
mativa SRF nº 650, de 12 de maio de 2006, atribuída à Alfândega da
Receita Federal do Brasil do Aeroporto Internacional Pinto Martins
(CE), para a Alfândega da Receita Federal do Brasil do Porto de
Fortaleza (CE).
MOACYR MONDARDO JÚNIOR
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL
DA 4ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM JOÃO PESSOA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 8,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Declara Inapta a inscrição no CNPJ da em-
presa que menciona, por motivo de não ser
localizada.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM
JOÃO PESSOA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso III
do art. 302 e inciso VI do art. 314 do Regimento Interno da Secretária
da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de
14 de maio de 2012, publicado no D.O.U. de 17/05/2012, e tendo em
vista o disposto no parágrafo 5º do artigo 81 e artigo 82 da Lei nº
9.430/96 e inciso II do art. 37 c/c com inciso II e parágrafo 2º do art.
39 da Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 19 de agosto de 2011,
considerando ainda o que consta no processo nº 14747.720.1712013-
62, resolve declarar:
Art. 1º – INAPTA a inscrição no Cadastro Nacional de Pes-
soas Jurídicas (CNPJ) da empresa EDEZIA MARIA DE ALMEIDA
GOMES (CNPJ nº 09.256.025/0001-25) por não ser localizada, con-
forme inciso II do artigo 37 e II do art. 39 da IN/RFB nº 1.183/2011
e registros constantes do processo acima indicado;
Art. – 2º Inidôneos os documentos emitidos por essa pessoa
jurídica, não produzindo efeitos tributários em favor de terceiros a
partir de 18/02/2014.
JOSÉ HONORATO DE SOUZA
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL
DA 7ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM NOVA IGUAÇU
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 64,
DE 3 DE DEZEMBRO DE 2013
Comunicação de Inaptidão . Contribuinte:
EMVISERV SEGURANÇA SC LTDA –
EPP. CNPJ: 74.101.742/0001-40. Processo:
15563.720.267/2013-41.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM
NOVA IGUAÇU, de acordo com o disposto nos artigos 81 e 82, da
Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, combinado com o pre-
ceituado nos artigos 37, inciso II, 39, inciso II, parágrafo 2o e 43,
parágrafo 3o, inciso I, alínea “b” da Instrução Normativa RFB nº
1.183, de 19 agosto de 2011, declara:
Art. 1º. O contribuinte acima identificado fica com a ins-
crição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) enquadrada,
quanto à situação cadastral, em INAPTA pelo motivo infraposto:
I – No curso dos trabalhos de ação fiscal, amparada pelo
Mandado de Procedimento Fiscal no 0710300-2012-01351-9, por não
haver sido localizada no endereço informado à RFB, caracterizando a
situação cadastral inapta da referida sociedade, a teor do inciso II do
artigo 37 da IN RFB nº 1.183/2011.
Art. 2º – Serão considerados tributariamente ineficazes, a
partir da publicação deste Ato Declaratório Executivo, os documentos
emitidos pela pessoa jurídica em epígrafe em razão da constatação do
descrito no inciso anterior.
Art. 3º – Este ato entrará em vigor na data de sua publicação
no Diário Oficial da União.
CARLOS ALBERTO DO AMARAL AZEREDO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 16,
DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
Exclui pessoas jurídicas do Parcelamento
Excepcional (Paex), de que trata o art. 1º
da Medida Provisória nº 303, de 29 de ju-
nho de 2006.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM
NOVA IGUAÇU abaixo identificado, no uso da competência de-
legada pela Portaria RFB n.º 1.569, de 23 de agosto de 2005, pu-
blicada no DOU de 24 de agosto de 2010, e tendo em vista o disposto
nos arts. 1º e 7º da Medida Provisória nº 303, de 29 de junho de 2006,
nos arts. 6º a 13 da Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 1, de 3 de janeiro
de 2007, declara:
Art. 1º Ficam excluídas do Parcelamento Excepcional (Paex)
de que trata o art. 1º da Medida Provisória nº 303, de 2006, de acordo
com seu art. 7º, as pessoas jurídicas relacionadas no Anexo Único a
este Ato Declaratório Executivo (ADE), tendo em vista que foi cons-
tatada a ocorrência de dois meses consecutivos ou alternados sem
recolhimento das parcelas do Paex ou com recolhimento parcial.
Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) na
Internet, no endereço , com a utilização
da Senha Paex.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste ADE, apresentar recurso ad-
ministrativo dirigido ao Delegado da Delegacia da Receita Federal de
Nova Iguaçu (RJ), situada na Rua Ataíde Pimenta de Moraes nº 220,
na cidade de Nova Iguaçu (RJ).
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo pre-
visto no art. 3º, a exclusão do Paex será definitiva.
Art. 5º Este ADE entra em vigor na data de sua publicação.
CARLOS ALBERTO DO AMARAL AZEREDO
ANEXO ÚNICO
Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial (Paex).
Duas parcelas consecutivas ou alternadas sem recolhimento ou com
recolhimento parcial.
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
NI NOME00.490.523/0001-63 MARCENARIA E CARPINTARIA ERAMOS TRES
LTDA M E – ME
32.373.987/0001-86 COMABEL-COMERCIO DE MATERIAL DE CONS-
TRUCAO BEMPOSTA LTDA – ME
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM VOLTA REDONDA
ATO DECLARATORIO EXECUTIVO Nº 4,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Declara NULA a inscrição no Cadastro Na-
cional da Pessoa Jurídica – CNPJ.
O DELEGADO ADJUNTO DA RECEITA FEDERAL DO
BRASIL EM VOLTA REDONDA – RJ, no uso das atribuições que
lhe são conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria da Receita
Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio
de 2012, publicada no DOU de 17 de maio de 2012, e tendo em vista
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201415ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
o disposto no art. 33, inciso I, da Instrução Normativa RFB nº 1.183
de 19 de agosto de 2011 e considerando o que consta no Processo
Administrativo nº 13014.720027/2014-19, declara:
Art. 1º. NULA a inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa
Jurídica da empresa SABRINA E COSTA SERVICOS E COMER-
CIO LTDA – ME, CNPJ: 19.462.210/0001-20, com efeitos a partir de
26/12/2013, por ter sido atribuído mais de um número de inscrição no
CNPJ para o mesmo estabelecimento.
Art. 2º. Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na
data de sua publicação.
ANDRÉ LUIS BRONATTI MORELLI
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
NO RIO DE JANEIRO I
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 14,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Declara a nulidade da inscrição de entidade
perante o Cadastro Nacional da Pessoa Ju-
rídica.
A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO
RIO DE JANEIRO I, usando de suas atribuições, definidas no Re-
gimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado
pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio de 2012, publicada no D.O.U.
de 17 de maio de 2012, e de acordo com o disposto no inciso I, artigo
33, da Instrução Normativa RFB nº 1.183, publicada no D.O.U. de 22
de agosto de 2011, da Secretaria da Receita Federal do Brasil, e
considerando o que consta do Processo Administrativo nº
11707.721352/2013-94, declara:
Art.1º – A NULIDADE da inscrição nº 00.102.734/0001-81
no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ de CONDOMÍNIO
DO EDIFÍCIO SERRA DAS LAGES, em virtude de ter sido atri-
buído mais de um número de inscrição para a referida pessoa ju-
rídica.
Art.2º – Este ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO entrará
em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de
21/06/1994.
MÔNICA PAES BARRETO
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL
DA 8ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM PIRACICABA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 11,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Contribuinte: Marcelo F. e Silva Informá-
tica. CNPJ: 14.938.693/0001-72. Processo:
13886.720322/2012-44.
O Delegado da Receita Federal do Brasil em Piracicaba, no
uso da competência prevista no art. 224, III, do Regimento Interno da
Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF
n.º 203, de 14 de maio de 2012, publicado no DOU em 17 de maio
de 2012, de acordo com o artigo 33, II, § 1º e § 2º, todos da Instrução
Normativa RFB nº 1.183, de 19 de agosto de 2011, resolve:
Art. 1º – Declarar NULA a inscrição do CNPJ nº
14.938.693/0001-72, do contribuinte acima identificado, pelo motivo
abaixo exposto:
I – foi constatado vício no ato cadastral.
Art. 2º – Este Ato Declaratório Executivo entrará em vigor a
partir de sua publicação no Diário Oficial da União e produzirá
efeitos desde o termo inicial de vigência do ato cadastral declarado
nulo.
LUIZ ANTONIO ARTHUSO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 12,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Contribuinte:Marcelo C. Marques Couros.
CNPJ:14.733.668/0001-52. Proces-
so:13886.720468/2012-90.
O Delegado da Receita Federal do Brasil em Piracicaba, no
uso da competência prevista no art. 224, III, do Regimento Interno da
Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF
n.º 203, de 14 de maio de 2012, publicado no DOU em 17 de maio
de 2012, de acordo com o artigo 33, II, § 1º e § 2º, todos da Instrução
Normativa RFB nº 1.183, de 19 de agosto de 2011, resolve:
Art. 1º – Declarar NULA a inscrição do CNPJ nº
14.733.468/0001-52, do contribuinte acima identificado, pelo motivo
abaixo exposto:
I – foi constatado vício no ato cadastral.
Art. 2º – Este Ato Declaratório Executivo entrará em vigor a
partir de sua publicação no Diário Oficial da União e produzirá efeitos
desde o termo inicial de vigência do ato cadastral declarado nulo.
LUIZ ANTONIO ARTHUSO
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM SANTO ANDRÉ
SERVIÇO DE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO
TRIBUTÁRIO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 8,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Exclui pessoas jurídicas do Parcelamento
Especial (Paes), de que trata o art. 1º da Lei
nº 10.684, de 30 de maio de 2.003.
O CHEFE DO SERVIÇO DE CONTROLE E ACOMPA-
NHAMENTO TRIBUTÁRIO DA DELEGACIA DA RECEITA FE-
DERAL DO BRASIL EM SANTO ANDRÉ, no uso de suas atri-
buições e tendo em vista o disposto nos arts. 1º e 7º da Lei nº 10.684,
de 30 de maio de 2.003, no art. 12 da Lei nº 11.033, de 21 de
dezembro de 2.004, e nos arts. 10 a 17 da Portaria Conjunta
PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de 2.004, declara:
Art. 1º Ficam excluídas do Parcelamento Especial (Paes) de
que trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2.003, de
acordo com seu art. 7º, as pessoas jurídicas relacionadas no Anexo
Único a este Ato Declaratório (ADE), tendo em vista que foi cons-
tatada a ocorrência de três meses consecutivos ou seis meses al-
ternados sem recolhimento das parcelas do Paes, ou que estas tenham
sido efetuadas em valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º,
incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2.003.
Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) na
Internet, no endereço , com a utilização
da Senha Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 (dez)
dias, contado da data de publicação deste ADE, apresentar recurso
administrativo dirigido ao Delegado da Receita Federal do Brasil em
Santo André na Av. José Caballero, nº 35, piso térreo, Centro, Santo
A n d r é / S P.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo pre-
visto no art. 3º, a exclusão do Paes será definitiva.
Art. 5º Este ADE entra em vigor na data de sua publicação.
CARLOS ANDRÉ PEREZ MARTINEZ D’AVILA
ANEXO ÚNICO
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
00.960.887/0001-60 58.776.303/0001-80
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO
SEÇÃO DE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO
TRIBUTÁRIO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 13,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Exclui pessoa jurídica do Parcelamento Es-
pecial (Paes), de que trata o art. 1º da Lei
nº 10.684, de 30 de maio de 2003.
O CHEFE DA SEÇÃO DE CONTROLE E ACOMPANHA-
MENTO TRIBUTÁRIO DA DELEGACIA DA RECEITA FEDE-
RAL DO BRASIL EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP, no uso da
competência delegada pela Portaria DRFSJR nº 068, de 03 de de-
zembro de 2013, publicada no DOU de 05 de dezembro de 2013 e
tendo em vista o disposto nos arts. 1º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de
maio de 2003, no art. 12 da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de
2004, nos arts. 9º a 17 da Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25
de agosto de 2004, e na Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de
setembro de 2004, declara:
Art. 1º Fica excluída do Parcelamento Especial (Paes) de que
trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, de acordo
com seu art. 7º, as pessoas jurídicas e as pessoas físicas relacionadas
no Anexo Único a este Ato Declaratório Executivo (ADE), tendo em
vista que foi constatada a ocorrência de três meses consecutivos ou
seis alternados sem recolhimento de qualquer dos tributos e das con-
tribuições referidos nos arts. 1º e 5º, inclusive os com vencimento
após 28 de fevereiro de 2003, e/ou das parcelas do Paes, não adim-
plentes ou com pagamentos efetuados em valor inferior ao fixado nos
incisos II e III do § 3º, incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei
nº 10.684, de 2003.
Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal (SRF) na Internet,
no endereço , com a utilização da Se-
nha Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste ADE, apresentar recurso ad-
ministrativo dirigido ao Delegado da Delegacia da Receita Federal do
Brasil em São José do Rio Preto/SP, na Rua Roberto Mange, 360,
Nova Redentora.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo pre-
visto no art. 3º, a exclusão do Paes será definitiva.
Art. 5º Este ADE entra em vigor na data de sua publicação.
VALDEIR LOPES MACHADO JUNIORANEXO ÚNICO
Relação das pessoas jurídicas e das pessoas físicas excluídas do
Parcelamento Especial (Paes).
Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento de
qualquer dos tributos e das contribuições referidos nos arts. 1º e 5º,
inclusive os com vencimento após 28 de fevereiro de 2003, e/ou das
parcelas do Paes, não adimplentes ou com pagamentos efetuados em
valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos I e II do
§ 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas:
00.152.718/0001-01 02.602.568/0001-08 47.067.434/0001-7200.238.597/0001-07 02.655.474/0001-05 4 8 . 3 11 . 5 1 8 / 0 0 0 1 – 7 200.246.130/0001-09 02.677.131/0001-33 49.991.292/0001-6000.327.584/0001-04 02.692.517/0001-14 52.934.544/0001-2400.621.035/0001-48 02.769.986/0001-94 54.945.308/0001-3900.737.427/0001-77 02.797.156/0001-70 56.173.685/0001-2200.741.642/0001-41 03.078.471/0001-00 56.444.946/0001-0000.941.974/0001-70 03.180.895/0001-81 57.202.517/0001-8001.098.902/0001-75 03.568.012/0001-05 57.547.226/0001-2401.196.227/0001-17 03.600.014/0001-34 57.582.736/0001-3201.463.382/0001-52 03.837.243/0001-77 59.365.403/0001-8701.597.385/0001-89 0 4 . 111 . 4 1 8 / 0 0 0 1 – 2 759.997.098/0001-4601.884.082/0001-47 0 4 . 11 8 . 5 9 4 / 0 0 0 1 – 9 0 6 4 . 11 5 . 6 8 6 / 0 0 0 1 – 4 901.970.915/0001-92 04.172.935/0001-06 64.158.132/0001-290 2 . 11 7 . 3 8 7 / 0 0 0 1 – 9 6 04.365.705/0001-63 64.690.472/0001-0402.247.589/0001-52 04.459.661/0001-30 6 5 . 7 11 . 7 6 4 / 0 0 0 1 – 3 002.355.236/0001-76 04.689.970/0001-05 67.292.417/0001-4602.397.281/0001-93 44.688.828/0001-50 68.226.596/0001-8602.408.039/0001-78 46.596.342/0001-17 68.863.844/0001-0802.500.604/0001-22 46.948.162/0001-57 74.400.029/0001-0502.528.612/0001-87
Relação dos CPF das pessoas físicas excluídas:
056.391.158-15 172.150.058-87 412.197.918-49063.309.098-06 244.589.028-49 434.233.616-20097.390.188-82 260.148.158-72 464.051.516-20098.314.258-04 352.302.668-72 475.383.338-00
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM TAUBATÉ
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 18,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Declaração de cancelamento de inscrições
no CPF, com fundamento em decisão ad-
ministrativa.
A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM
TAUBATÉ/SP, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
artigo 302 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do
Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio de 2012
publicado no DOU de 17 de maio de 2012, com base no disposto nos
artigos 24, 26, II, 30, III e 31, da Instrução Normativa-IN RFB nº
1042, de 10 de junho de 2010 e considerando o que consta no
processo nº 10880.722402/2013-87, declara:
Art. 1º – Fica CANCELADA a inscrição no Cadastro de
Pessoa Física do Ministério da Fazenda, CPF nº 427.356.308-89, em
nome de Juliana Aparecida Pereira, com fundamento na decisão ad-
ministrativa que foi proferida no processo acima mencionado.
Art. 2º – Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na
data de sua publicação no Diário Oficial da União.
MARIA TERESA CAMARGO BARBOSA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 19,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Declara nula a inscrição no CNPJ por ter
sido constatado vício no ato cadastral.
A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM
TAUBATÉ/SP, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
artigo 302 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do
Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203 de 14 de maio de 2012,
publicado no DOU de 17 de maio de 2012, com base no artigo 33, II
da IN 1.183 de 19.08.2011 e considerando o que consta do processo
nº 10880.722402/2013-87, declara:
Art. 1º – NULA a inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa
Jurídica, CNPJ nº 12.257.348/0001-48 em nome de JULIANA A.
PEREIRA SUPLEMENTOS – ME, com efeitos a partir do termo
inicial de vigência do ato cadastral, por ter sido constatado vício no
ato cadastral.
Art. 2º – Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na
data de sua publicação no Diário Oficial da União.
MARIA TERESA CAMARGO BARBOSA
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201416ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL
DA 9ª REGIÃO FISCAL
INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM FLORIANÓPOLIS
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 2,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Declara cancelada a habilitação ao regime
aduaneiro especial de exportação e de im-
portação de bens destinados às atividades
de pesquisa e de lavra das jazidas de pe-
tróleo e de gás natural (Repetro) a pessoa
jurídica que menciona.
O INSPETOR-CHEFE DA RECEITA FEDERAL DO BRA-
SIL EM FLORIANÓPOLIS, no uso de suas atribuições regimentais,
observando o disposto no art. 7º da Instrução Normativa (IN) RFB nº1415, de 4 de dezembro de 2013, e tendo em vista o que consta do
processo administrativo 10768.002714/2012-86, declara:
Art. 1 Fica cancelada a habilitação ao regime aduaneiro
especial de exportação e de importação de bens destinados às ati-
vidades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural
(Repetro), concedida à SHAW MEIO AMBIENTE E INFRAESTRU-
TURA LTDA, CNPJ 09.551.724/0001-06, por meio do Ato Decla-
ratório Executivo nº 1, de 30 de janeiro de 2013, desta Inspetoria da
Receita Federal do Brasil em Florianópolis,
Art. 2 Este Ato entra em vigor na data de sua publicação no
Diário Oficial da União.
MARCO ANTONIO FRANCO
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM FLORIANÓPOLIS
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 26, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Autoriza o fornecimento de selos de controle de bebidas para importação.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM FLORIANÓPOLIS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
artigo. 302, inciso IX, combinado com o Artigo 224, inciso VII e o artigo 314 inciso VI, da Portaria MF nº 203, de 14 de maio de 2012,
publicada no DOU de 17 de maio de 2012, e considerando o disposto no art. 51, da Instrução Normativa RFB nº 1.432, de 26 de dezembro
de 2013, publicada no DOU de 27 de dezembro de 2013 e no artigo 336 do Decreto nº 7.212 de 15 de junho de 2010, publicado no DOU de
16 de junho de 2010 e, ainda, considerando o pedido do contribuinte DIAGEO BRASIL LTDA, CNPJ nº 62.166.848/0010-33, portador do
Registro Especial de Importador de Bebidas Alcólicas de nº 09201/110, formulado nos autos do processo 16511.000051/2012-53, situado à Rua
Vereador Germano Vieira, nº 429, Sala 01, Bairro Itaipava, CEP 88.316-701, Itajaí/SC, declara:
Art. 1º – Autorizado o fornecimento de 2.030.280 (dois milhões e trinta mil, duzentos e oitenta) selos de controle, Código 9829-14,
Tipo UÍSQUE, Cor AMARELO, para produto estrangeiro a ser selado no exterior, para os produtos e quantidades abaixo identificados, a
saber:
Unidade Caixa Marca comercial Características do produto58.374 9.729 Black & White Uísque escocês em caixas de 6 garrafas de 1000 ml 40 GL idade acima de 12 anos.1.812 302 Buchanan´s Uísque escocês em caixas de 6 garrafas de 750 ml 40 GL idade acima de 12 anos.11 . 2 8 0 940 J&B Rare Uísque escocês em caixas de 12 garrafas de 1000 ml 40 GL idade até 8 anos.225.528 18.794 Johnnie Walker Black Label Uísque escocês em caixas de 12 garrafas de 1000 ml 40 GL idade acima de 12 anos.939.240 78.270 Johnnie Walker Red Label Uísque escocês em caixas de 12 garrafas de 1000 ml 40 GL idade até 8 anos.127.356 10.613 Grand Old Parr Uísque escocês em caixas de 12 garrafas de 1000 ml 40 GL idade até 12 anos.350.232 29.186 White Horse Uísque escocês em caixas de 12 garrafas de 1000 ml 40 GL idade até 8 anos.102.684 8.557 White Horse Uísque Escocês acondicionado em caixas de 12 garrafas de 500 ml 40 GL idade até 8 anos.12.492 1.041 Logan deluxe Uísque escocês em caixas de 12 garrafas de 1000 ml 40 GL idade 12 anos.30.396 2.533 Johnnie Walker Double Black Uísque escocês em caixas de 12 garrafas de 1000 ml 40 GL idade até 12 anos.37.992 6.332 Johnnie Walker Gold Label Reserve Uísque escocês em caixas de 6 garrafas de 750 ml 40 GL idade acima de 12 anos.127.848 5.327 Johnnie Walker Red Label Uísque escocês em caixas de 24 garrafas de 500 ml 40 GL idade até 8 anos.5.046 841 Johnnie Walker Blue Label Uísque escocês em caixas de 6 garrafas de 750 ml 40 GL idade acima de 12 anos.
Art. 2º – O presente Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União (DOU).
LUIZ AUGUSTO DE SOUZA GONÇALVES
INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM CURITIBA
SERVIÇO DE DESPACHO ADUANEIRO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 6,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Inscrição no Registro de Despachantes
Aduaneiros e cancelamento de inscrição no
Registro de Ajudantes de Despachante
Aduaneiros.
O CHEFE DO SERVIÇO DE DESPACHO ADUANEIRO
DA INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CU-
RITIBA, no uso da competência conferida pelo § 3º do art. 810 do
Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009 (Regulamento Adua-
neiro), alterado pelo Decreto nº 7.213, de 15 de junho de 2010 e,
pelos poderes delegados pela Portaria IRF/CTA nº 102, de 27 de julho
de 2012, resolve:
Art. 1º Inscrever no Registro de Despachantes Aduaneiros,
com fundamento no art. 810 do Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de
2009 (Regulamento Aduaneiro), alterado pelo Decreto nº 7.213, de 15
de junho de 2010, com automática exclusão do Registro de Ajudantes
de Despachante Aduaneiros, OSMAR CORREIA BARBOZA JU-
NIOR, CPF 779.350.479-87, processo nº 15165.720420/2014-12.
Art. 2º Este Ato entrará em vigor na data de sua publicação
no Diário Oficial da União.
ALBERTO HIROSHI YAMAMOTO
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL
DA 10ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM CAXIAS DO SUL
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 23,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Declara baixada,de ofício a inscrição pe-
rante o Cadastro Nacional da Pessoa Ju-
rídica – CNPJ.
O Delegado da DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO
BRASIL EM CAXIAS DO SUL- RS, no uso da atribuição que lhe
confere o artigo 302 do Regimento Interno da Secretaria da Receita
Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 17/05/2012,
publicada no DOU de 17/05/2012, considerando o disposto no art. 29,
§§ 1º e 2º, e com base no Edital nº 001/2014, publicado no DO-U,
Seção 3, de 06/01/2014, por força do que estabelece o 27, inciso II,
letra “a”, da IN RFB nº 1.183, de 19 de 2011, e tendo em vista o que
consta no processo 10907.722823/2013-62, resolve:
Declarar baixada de ofício a inscrição no CNPJ sob o nº
12.963.957/0001-12, em nome de GOLD STARS COMÉRCIO E
IMPORTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS METÁLICOS E ELETRÔ-
NICOS LTDA., NIRE nº 43206780147.
A baixa da inscrição produzirá efeitos a partir da publicação
do presente Ato Declaratório Executivo no Diário Oficial da União.
LUIZ WESCHENFELDER
SERVIÇO DE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO
TRIBUTÁRIO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 24,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Declarar a baixa, de ofício, da inscrição
perante o Cadastro Nacional da Pessoa Ju-
rídica – CNPJ.
O CHEFE SUBSTITUTO DO SERVIÇO DE CONTROLE E
ACOMPANHAMENTO TRIBUTÁRIO DA DELEGACIA DA RE-
CEITA FEDERAL DO BRASIL EM CAXIAS DO SUL- RS, no uso
da atribuição que lhe confere o artigo 302 do Regimento Interno da
Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº
203, de 17/05/2012, publicada no DOU de 17/05/2012 , considerando
o disposto no art. 27, inciso IV, da IN RFB nº 1.183, de 19 de 2011,
e tendo em vista o que consta no processo 11020.724179/2013-03
resolve:
Declarar a baixa, de ofício, da inscrição no CNPJ sob o nº
92.658.772/0001-33, em nome de BM ADMINISTRAÇÃO E PAR-
TICIPAÇÕES LTDA – ME, NIRE 4320168006-3, com efeitos a partir
de 01/11/2012.
ANDRE MACKE ROESE
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM PELOTAS
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 3,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Baixa, de oficio, a inscrição da pessoa ju-
rídica que menciona, no Cadastro Nacional
da Pessoa Jurídica – CNPJ.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM
PELOTAS – RS, no uso das atribuições que lhe confere o art. 302, do
Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB,
aprovado pela Portaria MF no 203, de 14 de maio de 2012, e com
fundamento nos artigos 27, inciso IV, e 31 da Instrução Normativa
RFB nº 1.183, de 19 de agosto de 2011, declara:
Art. 1º Baixada, de ofício, no Cadastro Nacional da Pessoa
Jurídica (CNPJ) do Ministério da Fazenda, a inscrição de nº
87.473.534/0001-13, em nome de LAURO BLASKOWSKI – ME, da
jurisdição desta Unidade, por ter sido constatado o cancelamento de
seu registro perante a Junta Comercial do Rio Grande do Sul, conforme
apurado no processo administrativo nº 16637. 720007/2014-14.
Art 2º Este Ato Declaratório somente terá validade após sua
publicação no Diário Oficial da União.
RICARDO DE SOUZA MOREIRA
INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM PORTO ALEGRE
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 2,
DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Inscrição no Registro de Ajudante de Des-
pachante Aduaneiro.
O INSPETOR-CHEFE DA INSPETORIA DA RECEITA
FEDERAL DO BRASIL EM PORTO ALEGRE, no uso das atri-
buições que lhe são conferidas pelo art. 224 do Regimento Interno da
Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº
203, de 14 de maio de 2012, e tendo em vista o disposto na IN/RFB
nº1.209, de 07 de novembro de 2011 e no artigo 810 do Decreto nº
6759, de 05 de fevereiro de 2009, com nova redação dada pelo artigo
1º do Decreto nº 7.213, de 15 de junho de 2010, resolve:
Art. 1º INCLUIR no Registro de Ajudantes de Despachante
Aduaneiro a seguinte pessoa:
CPF NOME PROCESSO006.013.540-95 THIAGO ZATT ELGUES 10521.720026/2014-56
Art. 2º O Ajudante de Despachante Aduaneiro deverá incluir
seus dados cadastrais, mediante utilização de certificado digital, no
Cadastro Aduaneiro Informatizado de Intervenientes no Comércio
Exterior- sistema CAD-ADUANA, para fins de sua efetivação no
Registro Informatizado de Ajudantes de Despachante Aduaneiro, de
acordo com a IN RFB nº 1.273, de 06 de junho de 2012 e ADE
COANA nº 27, de 17 de setembro de 2013.
Art. 3º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na
data de sua publicação.
ANTONIO CARLOS GISCHKOW VALDEZ
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201417ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
SUBSECRETARIA DE RELAÇÕES FINANCEIRAS INTERGOVERNAMENTAIS
PORTARIA Nº 88, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUBSECRETÁRIO DE RELAÇÕES FINANCEIRAS INTERGOVERNAMENTAIS DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 25 do ANEXO I do Decreto nº 7.386, de
8 de dezembro de 2010 e tendo em vista o disposto na Lei Complementar nº 115, de 26 de dezembro de 2002, resolve:
Art. 1º. Divulgar o montante dos recursos a serem entregues aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios relativo ao mês de FEVEREIRO de 2014, de acordo com o disposto no item 1 do Anexo da
Lei Complementar nº 115, de 2002.
R$ 1,00
UF COEF (%) TO TA L ESTADOS (75%) MUNICÍPIOS (25%)AC 0,09104 147.940,00 11 0 . 9 5 5 , 0 0 36.985,00AL 0,84022 1.365.357,50 1.024.018,13 341.339,37AP 0,40648 660.530,00 495.397,50 165.132,50AM 1,00788 1.637.805,00 1.228.353,75 409.451,25BA 3,71666 6.039.572,50 4.529.679,38 1.509.893,12CE 1,62881 2.646.816,25 1 . 9 8 5 . 11 2 , 1 9 661.704,06DF 0,80975 1.315.843,75 1.315.843,75 0,00ES 4,26332 6.927.895,00 5.195.921,25 1.731.973,75GO 1,33472 2.168.920,00 1.626.690,00 542.230,00MA 1,67880 2.728.050,00 2.046.037,50 682.012,50MT 1,94087 3.153.913,75 2.365.435,31 788.478,44MS 1,23465 2.006.306,25 1.504.729,69 501.576,56MG 12,90414 20.969.227,50 15.726.920,63 5.242.306,87PA 4,36371 7.091.028,75 5.318.271,56 1.772.757,19PB 0,28750 467.187,50 350.390,63 11 6 . 7 9 6 , 8 7PR 10,08256 16.384.160,00 12.288.120,00 4.096.040,00PE 1,48565 2.414.181,25 1.810.635,94 603.545,31PI 0,30165 490.181,25 367.635,94 122.545,31RJ 5,86503 9.530.673,75 7.148.005,31 2.382.668,44RN 0,36214 588.477,50 441.358,13 1 4 7 . 11 9 , 3 7RS 10,04446 16.322.247,50 12.241.685,63 4.080.561,87RO 0,24939 405.258,75 303.944,06 101.314,69RR 0,03824 62.140,00 46.605,00 15.535,00SC 3,59131 5.835.878,75 4.376.909,06 1.458.969,69SP 31,1418 50.605.425,00 37.954.068,75 12.651.356,25SE 0,25049 407.046,25 305.284,69 101.761,56TO 0,07873 127.936,25 95.952,19 31.984,06TO TA L 100,00 000 162.500.000,00 122.203.960,97 40.296.039,03
Art. 2º. Dos valores discriminados no art. 1º serão destinados recursos para composição do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação
(FUNDEB), conforme a Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007.
Art. 3º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
EDUARDO COUTINHO GUERRA
INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
EM SANTANA DO LIVRAMENTO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 1,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Inscrição no Registro de Ajudante de Des-
pachantes Aduaneiros
O INSPETOR-CHEFE DA INSPETORIA DA RECEITA
FEDERAL DO BRASIL EM SANT’ANA DO LIVRAMENTO, no
uso da atribuição que lhe confere o artigo 810, § 3º do Decreto nº
6.759, de 5 de fevereiro de 2009, resolve:
INCLUIR no Registro de Ajudante de Despachantes Adua-
neiros as seguintes pessoas:
NOME CPF ProcessoSamuel Quines Thomaz 013.585.760-09 11 0 0 7 . 7 2 2 0 0 6 / 2 0 1 3 – 11Márcio Ribeiro Lopes 013.910.040-78 11 0 0 7 . 7 2 0 0 7 6 / 2 0 1 4 – 1 5
Este Ato entrará em vigor na data de sua publicação no
Diário Oficial da União.
ADILSON VALENTE
SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL
PORTARIA Nº 86, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
Estabelece regras para o recebimento dos
dados contábeis e fiscais dos entes da Fe-
deração no exercício de 2014 e dá outras
providências.
O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das
atribuições que lhe confere a Portaria do Ministro de Estado da
Fazenda nº 244, de 16 de julho de 2012, que aprova o Regimento
Interno da Secretaria do Tesouro Nacional, eConsiderando o disposto no art. 51 da Lei Complementar nº
101, de 4 de maio de 2000, e nos arts. 111 e 112 da Lei nº 4.320, de
17 de março de 1964, que conferem ao Poder Executivo da União
promover a consolidação, nacional e por esfera de governo, das con-
tas dos entes da Federação relativas ao exercício anterior, e a sua
divulgação, inclusive por meio eletrônico de acesso público;
Considerando o disposto no inciso I do art. 17 da Lei nº
10.180, de 6 de fevereiro de 2001, e no inciso I do art. 6º do Decreto
nº 6.976, de 7 de outubro de 2009, que conferem à Secretaria do
Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda a condição de órgão
central do Sistema de Contabilidade Federal;
Considerando as competências do órgão central do Sistema
de Contabilidade Federal, estabelecidas no art. 18 da Lei nº 10.180,
de 2001, no art. 7º do Decreto nº 6.976, de 2009, e nos incisos XIV,
XXI, XXII e XXIII do art. 21 do Anexo I do Decreto nº 7.482, de 16
de maio de 2011;
Considerando a necessidade de elaborar o Balanço do Setor
Público Nacional previsto no inciso VII do art. 18 da Lei nº 10.180,
de 2001, com base no Plano de Contas Aplicado ao Setor Público, a
ser utilizado por todos os entes da Federação, conforme o disposto no
inciso II do art. 1º da Portaria do Ministro de Estado da Fazenda nº
184, de 25 de agosto de 2008; resolve:
Art. 1º No exercício de 2014, o recebimento das contas
anuais na forma do §1º do art. 51 da Lei Complementar nº 101, de 4
de maio de 2000, referentes ao exercício de 2013, será efetuado pelo
Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Bra-
sileiro – SICONFI mediante o preenchimento:
I – da Declaração das Contas Anuais – DCA, para os entes da
Federação que tenham implantado o Plano de Contas Aplicado ao
Setor Público – PCASP e as Demonstrações Contábeis Aplicadas ao
Setor Público – DCASP no exercício de 2013;
II – do Quadro de Dados Contábeis Consolidados – QDCC
para os demais entes.
§ 1º Para o disposto nos incisos I e II, aplicam-se os prazos
previstos no § 1º do art. 51 da Lei Complementar nº 101, de 2000.§ 2º A inobservância dos prazos a que se refere o § 1º deste
artigo impedirá, até que a situação seja regularizada, que o ente da
Federação receba transferências voluntárias e contrate operações de
crédito, exceto as destinadas ao refinanciamento do principal atua-
lizado da dívida mobiliária, nos termos do § 2º do art. 51 da Lei
Complementar nº 101, de 2000.
Art. 2º As informações inseridas no SICONFI serão va-
lidadas e homologadas automaticamente pelo sistema e terão fé pú-
blica mediante assinatura eletrônica dos formulários, por meio de
certificação digital do Chefe do Poder Executivo.
§ 1º As contas anuais deverão ser enviadas mediante con-
firmação do Contabilista Responsável.
§ 2º Serão aceitos certificados digitais tipo A3, conforme o
padrão ICP Brasil.
Art. 3º A DCA e o QDCC conterão os dados consolidados
de todos os Poderes e órgãos da administração direta e das entidades
da administração indireta definidos no § 3º do art. 1º da Lei Com-
plementar nº 101, de 2000, e os modelos de preenchimento serão
disponibilizados para consulta nos sítios e antes da abertura dos pra-
zos para preenchimento no SICONFI.
Art. 4º As contas anuais de exercícios anteriores a 2013
deverão ser entregues e homologadas por meio do Sistema de Coleta
de Dados Contábeis e Fiscais dos Entes da Federação – SISTN, nos
termos da Portaria STN nº 683, de 6 de outubro de 2011.
Art. 5º Para o envio dos demonstrativos fiscais, a que se
referem os arts. 52 e 54 da Lei Complementar nº 101, de 2000, e para
o cumprimento do disposto no § 4º do art. 32 da referida lei, observa-
se o disposto na Portaria STN nº 683, de 2011.
Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
ARNO HUGO AUGUSTIN FILHO
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201418ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
PORTARIA N° 89, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUBSECRETÁRIO DA DÍVIDA PÚBLICA, DA SECRETARIA DO TESOURO NACIO-
NAL, no uso da competência que lhe confere a Portaria STN nº 143, de 12 de março de 2004, tendo em
vista o disposto na Portaria MF nº 183, de 31 de julho de 2003, e em conformidade com o art. 11 da
Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, e com o Decreto nº 3.859, de 4 de julho de 2001, resolve:
Art. 1º Autorizar o resgate antecipado de 1.372.451 (um milhão, trezentos e setenta e dois mil,
quatrocentos e cinquenta e um) Certificados Financeiros do Tesouro, Série E, sub-série 1 – CFT-E1, no
valor de R$ 4.040.597,28 (quatro milhões, quarenta mil e quinhentos e noventa e sete reais e vinte e oito
centavos), em favor da Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB, observadas as seguintes con-
dições:DATA DE EMISSÃO DATA DE VENCIMENTO VALOR NOMINAL
ATUALIZADO EM
1º/2/2014QUANTIDADE VALOR (R$)
1º/1/2006 1º/1/2036 2,944074 43.705 128.670,751º/1/2008 1º/1/2038 2,944074 17.959 52.872,621º/1/2009 1º/1/2039 2,944074 286.154 842.458,551º/1/2010 1º/1/2040 2,944074 23.886 70.322,151 º / 1 / 2 0 11 1º/1/2041 2,944074 14 41,211º/1/2012 1º/1/2042 2,944074 20.300 59.764,701º/1/2013 1º/1/2043 2,944074 506.903 1.492.359,941º/1/2014 1º/1/2044 2,944074 473.530 1.394.107,36TO TA L 1.372.451 4.040.597,28
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
PAULO FONTOURA VALLE
SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO
E DEFESA CIVIL
PORTARIA Nº 59, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Autoriza o empenho e a transferência de
recursos para ações de Defesa Civil ao Es-
tado da Bahia.
A UNIÃO, por intermédio do MINISTÉRIO DA INTEGRA-
ÇÃO NACIONAL, neste ato representado pelo SECRETÁRIO NA-
CIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL, nomeado pelo De-
creto de 16 de outubro de 2013, publicado no D.O.U., de 17 de
outubro de 2013, Seção II, consoante delegação de competência con-
ferida pela Portaria nº 477, de 05 de julho de 2011, publicada no
D.O.U., de 06 de julho de 2011, e tendo em vista o disposto na Lei
nº 12.340, de 01 de dezembro de 2010, na Lei nº 12.608, de 10 de
abril de 2012 e no Decreto nº 7.257, de 04 de agosto de 2010,
resolve:
Art. 1° Autorizar o empenho e repasse de recurso ao Estado
da Bahia, no valor de R$ 4.224.000,00 (quatro milhões e duzentos e
vinte e quatro mil reais), para a execução de obras de reconstrução de
danos causados por Inundações, no Município de Lajedinho, no Es-
tado da Bahia, descrita no Plano de Trabalho juntado ao processo n°
59050.000051/2014-01.
Art. 2º Os recursos financeiros serão empenhados a título de
Transferência Obrigatória, Classificação orçamentária; PT:
06.182.2040.22BO.6501; Natureza de Despesa: 4.4.30.42; Fonte:
0329; UG: 530012.
Art. 3º O Plano de Trabalho foi analisado e aprovado pela
área competente, com cronograma de desembolso previsto para li-
beração do recurso em 03 (três) parcelas.
Art. 4° Considerando a natureza e o volume de ações a
serem implementadas, o prazo de execução das obras e serviços é de
365 dias, a partir da publicação desta portaria no Diário Oficial da
União – D.O.U.
Art. 5º A utilização, pelo ente beneficiário, dos recursos
transferidos está vinculada exclusivamente à execução das ações es-
pecificadas no art. 1° desta Portaria.
Art. 6º O proponente deverá apresentar prestação de contas
final no prazo de 30 dias a partir do término da vigência, nos termos
do Art. 14 do Decreto nº 7.257, de 04 de agosto de 2010.
Art. 7º Esta Portaria entra em vigor na data da publicação.
ADRIANO PEREIRA JÚNIOR
Ministério da Integração Nacional.
CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA
ECONÔMICA
ATA DE DISTRIBUIÇÃO ORDINÁRIA Nº 46,
REALIZADA EM 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Hora: 10:00
Presidente: Vinicius Marques de Carvalho
Secretário Substituto do Plenário: Paulo Eduardo Silva de Oliveira
A presente ata tem também por fim a divulgação a terceiros
interessados dos atos de concentração protocolados perante o Sistema
Brasileiro de Defesa da Concorrência, nos termos da Lei nº
8.884/1994 e da Lei nº 12.529/2011.
Foi excluído do sorteio o nome do Conselheiro Ricardo
Machado Ruiz, em razão da proximidade do final do mandato.
Foi distribuído em razão de conexão o seguinte feito:
Requerimento nº 08700.001048/2014-63
Requerentes: Acesso Restrito
Advogado(s): Acesso Restrito
Relatora: Conselheira Ana Frazão
Foram distribuídos pelo sistema de sorteio os seguintes fei-
tos:
Processo Administrativo nº 08012.008507/2004-16
Representante: Procuradoria Federal Especializada do INSS
em OsascoRepresentadas: Associação Brasileira de Ortopedia Técnica –
Abotec, Casa Ortopédica Philadélfia Ltda., Estar Bem Aparelhos
Ortopédicos e Podologia Ltda. Epp, Ortolab Órtese e Prótese Ltda.,
Ortopedia A Especialista Ltda., Ortopedia Americana Ltda., Orto-
pedia Belo Horizonte Ltda., Ortopedia Fubelle Ltda., Ortopedia Ger-
mânia Ltda., Ortopedia Kamia Ltda., Ortopedia Lapa Ltda., Ortopedia
Mathias Ltda. Epp, Ortoservice Comércioe Serviços Ortopédicos Lt-
da. Epp
Advogado(s): Íris Borges de Carvalho, João Batista Lima
Pereira, Luiz Otávio Lunardi, Evaldo da Cunha Leme e outros
Relator: Conselheiro Gilvandro Vasconcelos Coelho de
Araújo
Processo Administrativo nº 08012.000432/2005-14
Representante: Ministério Público de Minas Gerais
Representadas: Associação Médica de Divinópolis, Unimed
Divinópolis – Cooperativa de Trabalho Médico Ltda.
Advogado(s): Ildeu Guimarães Mendes, Marden Drumond
Viana, Joaquim Rocha Dourado e outros
Relator: Conselheiro Márcio de Oliveira Júnior
VINICIUS MARQUES DE CARVALHO
Presidente do CADE
PAULO EDUARDO SILVA DE OLIVEIRA
Secretário do Plenário
Substituto
PORTARIA Nº 51, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Regulamenta o processo de consulta sobre
a existência de conflito de interesses e o
pedido de autorização para exercício de ati-
vidade privada.
O Presidente do Conselho Administrativo de Defesa Eco-
nômica, no uso da atribuição que lhe é conferida pelo disposto no
inciso IX, art. 10 da Lei n.º 12.529, de 30 de novembro de 2011, e
art. 22 do Anexo I do Decreto n.º 7.738, de 28 de maio de 2012, e
tendo em vista o disposto na Lei nº 12.813, de 16 de maio de 2013,
e na Portaria Interministerial nº 333, de 19 de setembro de 2013,
resolve:
Art. 1º Esta Portaria regulamenta o processo de consulta
sobre a existência de conflito de interesses e o pedido de autorização
para exercício de atividade privada.
Parágrafo único. Vinculam-se aos procedimentos definidos
nesta Portaria os servidores ou empregados públicos abrangidos pelo
art. 1º, caput, da Portaria Interministerial Nº 333, de 19 de setembro
de 2013.
Art. 2º A consulta sobre a existência de potencial conflito de
interesses e o pedido de autorização para o exercício de atividade
privada deverão ser formulados mediante petição eletrônica a ser
criada e disponibilizada pela Controladoria-Geral da União (CGU).
Art. 3º A petição eletrônica conterá, no mínimo, os seguintes
elementos:
I – identificação do interessado;
II – referência a objeto determinado e diretamente vinculado
ao interessado; e
III – descrição contextualizada dos elementos que suscitam a
dúvida.
Parágrafo único. Não será apreciada a consulta ou o pedido
de autorização formulado em tese ou com referência a fato gené-
rico.
Art. 4º Até que seja criado o sistema referido no art. 2º desta
Portaria, as consultas e os pedidos de autorização deverão ser for-
mulados nos termos dos Anexos I e II da Portaria Interministerial nº
333, de 19 de setembro de 2013.
Parágrafo único. Os formulários referidos no caput serão
disponibilizados pela Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas da
Diretoria Administrativa (CGESP/DA) no sítio eletrônico da intra-
net.
Art. 5º A consulta sobre a existência de conflito de interesses
e o pedido de autorização para o exercício de atividade privada
deverão ser dirigidos à CGESP/DA.
Art. 6º Cabe à CGESP/DA:
I – receber as consultas sobre a existência de conflito de
interesse e os pedidos de autorização para o exercício de atividade
privada dos servidores e empregados públicos em exercício no Cade
e comunicar aos interessados o resultado da análise;
II – efetuar análise preliminar acerca da existência ou não de
potencial conflito de interesses nas consultas a ela submetidas;III – autorizar o servidor ou empregado público a exercer
atividade privada, quando verificada a inexistência de potencial con-
flito de interesses ou sua irrelevância;
IV – monitorar e controlar o processamento das consultas e
dos pedidos de autorização para o exercício de atividade privada, de
forma a garantir o cumprimento de prazos internos e prestar as in-
formações pertinentes aos interessados;
V – encaminhar à CGU, mediante manifestação fundamen-
tada que identifique as razões de fato e de direito, as consultas e os
pedidos de autorização para exercício de atividade privada que te-
nham recebido manifestação preliminar pela existência de potencial
conflito de interesses;
VI – prestar informações adicionais, quando solicitadas pela
CGU;
VII – receber os recursos interpostos pelos interessados, en-
caminhando-os, imediatamente, à CGU;
VIII – comunicar aos interessados o resultado do julgamento
dos recursos; e
IX – informar os servidores ou empregados públicos sobre
como prevenir ou impedir possível conflito de interesses e como
resguardar informação privilegiada, de acordo com as normas, pro-
cedimentos e mecanismos estabelecidos pela CGU.
§ 1º Presentes as informações mencionadas no art. 3º desta
Portaria, a CGESP/DA terá o prazo de até quinze dias para analisar a
consulta ou o pedido de autorização para o exercício de atividade
privada.
§ 2º A CGESP/DA poderá solicitar parecer da Procuradoria
Federal Especializada junto ao Cade (ProCade) ou da Comissão de
Ética criada pela Portaria nº 154, de 25 de novembro de 2009,
fixando prazo para manifestação, observado, em qualquer caso, o
limite máximo referido no parágrafo anterior.
§ 3º No caso do inciso V, o interessado deverá ser co-
municado.
§ 4º No caso de superação do prazo previsto no §1º deste
artigo sem resposta por parte da CGESP/DA, fica o interessado au-
torizado, em caráter precário, a exercer a atividade privada até que
seja proferida manifestação acerca do caso.
§5º A comunicação do resultado de análise que concluir pela
existência de conflito de interesses implicará a cassação da auto-
rização mencionada no § 4º deste artigo.
Art. 7º A CGESP/DA organizará banco de informações sobre
as consultas e os pedidos de autorização para exercício de atividade
privada, com o objetivo de estabelecer tipologias que subsidiem a
análise preliminar acerca da existência ou não de potencial conflito de
interesses.
Art. 8º Esta Portaria entra em vigor na data da sua pu-
blicação.
VINICIUS MARQUES DE CARVALHO
SUPERINTENDÊNCIA-GERAL
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE-GERAL
Em 19 de fevereiro de 2014
Nº 194 – Ato de Concentração nº 08700.000709/2014-33. Partes:
Construcap CCPS Engenharia e Comércio S.A., McDermont Offshore
Services Company, Inc., Orteg Equipamentos e Sistemas S.A. e CMO
Construção e Montagem Offshore S.A. Advogados: Adriana Roldan
Pinto de Lima, Carlos Geraldo Egydio Rameh e Roberto Hugo Lima
Pessoa. Decido pela aprovação, sem restrições.
EDUARDO FRADE RODRIGUES
Substituto
Ministério da Justiça.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201419ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
DIRETORIA EXECUTIVA
COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE
DE SEGURANÇA PRIVADA
ALVARÁ Nº 117, DE 14 DE JANEIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2013/9386 – DPF/NIG/RJ, resolve:
CONCEDER autorização à empresa SUPERVIG SEGU-
RANÇA E VIGILÂNCIA PATRIMONIAL LTDA, CNPJ nº
11.412.859/0001-24, sediada no Rio de Janeiro, para adquirir:
Em estabelecimento comercial autorizado pelo Exército:
2 (dois) Revólveres calibre 38
24 (vinte e quatro) Munições calibre 38
VÁLIDO POR 90 (NOVENTA) DIAS A CONTAR DA DA-
TA DE PUBLICAÇÃO NO D.O.U.
LICINIO NUNES DE MORAES NETTO
ALVARÁ Nº 462, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2013/10808 – DELESP/DREX/SR/DPF/PI, resolve:
DECLARAR revista a autorização de funcionamento, válida
por 01(um) ano da data de publicação deste Alvará no D.O.U., con-
cedida à empresa A4 VIGILÂNCI A E SEGURANÇA PATRIMO-
NIAL LTDA, CNPJ nº 14.585.324/0001-43, especializada em se-
gurança privada, na(s) atividade(s) de Vigilância Patrimonial, para
atuar no Piauí, com Certificado de Segurança nº 265/2014, expedido
pelo DREX/SR/DPF.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 488, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2014/304 – DELESP/DREX/SR/DPF/PB, resolve:
DECLARAR revista a autorização de funcionamento de ser-
viço orgânico de segurança privada na(s) atividade(s) de Vigilância
Patrimonial, válida por 01(um) ano da data de publicação deste Al-
vará no D.O.U., concedida à empresa MAURICEA ALIMENTOS
DO NORDESTE LTDA, CNPJ nº 12.819.074/0007-29 para atuar na
Paraíba.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 506, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2013/11018 – DELESP/DREX/SR/DPF/DF, resolve:
DECLARAR revista a autorização de funcionamento, válida
por 01(um) ano da data de publicação deste Alvará no D.O.U., con-
cedida à empresa OMNI EMPRESA DE VIGILÂNCIA E SEGU-
RANÇA LTDA, CNPJ nº 72.649.734/0001-07, especializada em se-
gurança privada, na(s) atividade(s) de Vigilância Patrimonial e Se-
gurança Pessoal, para atuar no Distrito Federal, com Certificado de
Segurança nº 283/2014, expedido pelo DREX/SR/DPF.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 508, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2014/20 – DELESP/DREX/SR/DPF/MS, resolve:DECLARAR revista a autorização de funcionamento, válida
por 01(um) ano da data de publicação deste Alvará no D.O.U., con-
cedida à empresa MJB VIGILANCIA E SEGURANCA LTDA, CNPJ
nº 06.236.934/0002-94, especializada em segurança privada, na(s)
atividade(s) de Vigilância Patrimonial, para atuar no Mato Grosso do
Sul, com Certificado de Segurança nº 316/2014, expedido pelo
D R E X / S R / D P F.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 527, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2014/1623 – DELESP/DREX/SR/DPF/DF, resolve:
CONCEDER autorização à empresa PLANETA SEGURAN-
ÇA LTDA – ME, CNPJ nº 08.604.962/0001-61, sediada em Goiás,
para adquirir:
Em estabelecimento comercial autorizado pelo Exército:
2 (dois) Revólveres calibre 38
36 (trinta e seis) Munições calibre 38
VÁLIDO POR 90 (NOVENTA) DIAS A CONTAR DA DA-
TA DE PUBLICAÇÃO NO D.O.U.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 535, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2014/1372 – DELESP/DREX/SR/DPF/CE, resolve:
CONCEDER autorização à empresa CORPVS – CORPO DE
VIGILANTES PARTICULARES LTDA, CNPJ nº 07.957.111/0002-
10, sediada no Ceará, para adquirir:
Em estabelecimento comercial autorizado pelo Exército:
5 (cinco) Revólveres calibre 38
60 (sessenta) Munições calibre 38
VÁLIDO POR 90 (NOVENTA) DIAS A CONTAR DA DA-
TA DE PUBLICAÇÃO NO D.O.U.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 541, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2013/10866 – DELESP/DREX/SR/DPF/SP, resolve:
DECLARAR revista a autorização de funcionamento, válida
por 01(um) ano da data de publicação deste Alvará no D.O.U., con-
cedida à empresa SCHIMITD SERVIÇOS DE SEGURANÇA PA-
TRIMONIAL LTDA, CNPJ nº 00.892.482/0001-31, especializada em
segurança privada, na(s) atividade(s) de Vigilância Patrimonial, para
atuar em São Paulo, com Certificado de Segurança nº 81/2014, ex-
pedido pelo DREX/SR/DPF.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 552, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2014/1414 – DELESP/DREX/SR/DPF/MG, resolve:
CONCEDER autorização à empresa ALPHA VIGILANCIA
E SEGURANCA LTDA, CNPJ nº 03.108.004/0001-86, sediada em
Minas Gerais, para adquirir:
Em estabelecimento comercial autorizado pelo Exército:
26 (vinte e seis) Revólveres calibre 38
390 (trezentas e noventa) Munições calibre 38
VÁLIDO POR 90 (NOVENTA) DIAS A CONTAR DA DA-
TA DE PUBLICAÇÃO NO D.O.U.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGESALVARÁ Nº 553, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2013/10792 – DELESP/DREX/SR/DPF/MG, resolve:
CONCEDER autorização à empresa ESCOLA MINEIRA
DE SEGURANÇA LTDA, CNPJ nº 05.845.911/0005-67, sediada em
Minas Gerais, para adquirir:
Da empresa cedente VIC SEGURANÇA LTDA, CNPJ nº
04.825.494/0001-02:
22 (vinte e dois) Revólveres calibre 38
VÁLIDO POR 90 (NOVENTA) DIAS A CONTAR DA DA-
TA DE PUBLICAÇÃO NO D.O.U.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 555, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2013/11030 – DELESP/DREX/SR/DPF/AL, resolve:
CONCEDER autorização à empresa TIGRE VIGILÂNCIA
PATRIMONIAL DE ALAGOAS LTDA, CNPJ nº 01.771.692/0001-
34, sediada em Alagoas, para adquirir:
Em estabelecimento comercial autorizado pelo Exército:
4 (quatro) Revólveres calibre 38
20 (vinte) Munições calibre 38
VÁLIDO POR 90 (NOVENTA) DIAS A CONTAR DA DA-
TA DE PUBLICAÇÃO NO D.O.U.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
ALVARÁ Nº 569, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
O COORDENADOR-GERAL DE CONTROLE DE SEGU-
RANÇA PRIVADA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDE-
RAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 20 da
Lei 7.102/83, regulamentada pelo Decreto nº 89.056/83, atendendo à
solicitação da parte interessada, de acordo com a decisão prolatada no
Processo nº 2013/10188 – DELESP/DREX/SR/DPF/PR, resolve:
DECLARAR revista a autorização de funcionamento, válida
por 01(um) ano da data de publicação deste Alvará no D.O.U., con-
cedida à empresa ONDREPSB PR SISTEMAS DE SEGURANÇA
LTDA, CNPJ nº 10.852.997/0001-61, especializada em segurança pri-
vada, na(s) atividade(s) de Vigilância Patrimonial, Escolta Armada e
Segurança Pessoal, para atuar no Paraná, com Certificado de Se-
gurança nº 2300/2013, expedido pelo DREX/SR/DPF.
SILVANA HELENA VIEIRA BORGES
SECRETARIA NACIONAL DE JUSTIÇA
DEPARTAMENTO DE ESTRANGEIROS
DIVISÃO DE PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS
DESPACHOS DO CHEFE
Tendo em vista que ficou demonstrada a efetiva necessidade
da manutenção do estrangeiro na empresa, considerando que o pro-
cesso encontra-se instruído na forma da lei e diante da informação do
Ministério do Trabalho e Emprego, DEFIRO o(s) Pedido(s) de Pror-
rogação de Estada no País, temporário item V, abaixo relaciona-
do(s):
Processo Nº 08000.005186/2012-47 – ANDRZEJ PRZE-
MYSLAW MARCINIAK, até 10/07/2014
Processo Nº 08000.006881/2013-15 – TEDDY PUNZALAN
LAUS, até 03/10/2015
Processo Nº 08000.008877/2013-83 – LARRY JAMES BA-
TISTE, até 22/08/2015
Processo Nº 08000.013043/2013-90 – DARRYL WILLIAM
JONES, até 03/11/2014
Processo Nº 08000.014185/2013-74 – NESTOR ARRIES-
GADO PEPITO, até 24/09/2015
Processo Nº 08000.014263/2013-31 – RAJA KRISHNAMO-
ORTHY, até 12/03/2015
SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS
PORTARIA Nº 8, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
O SECRETÁRIO NACIONAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS, no uso das atribuições que
lhe conferem o Decreto n° 6.061, de 15 de março de 2007, e com base no Edital de Chamamento
Público nº 001/2013 – SENAD/MJ torna pública a habilitação e pré-qualificação (Fase 1) do referido
edital, conforme os trabalhos realizados pela Comissão Especial de Avaliação, nomeada pela Portaria
Senad nº 55/2013, de 18 de setembro de 2013, retificada no DOU nº 185, de 24 de setembro de 2013
nos seguintes termos:
Art. 1º Fica habilitada e pré-qualificada, nos termos do Edital de Chamamento Público nº
001/2013, a seguinte entidade:
CNPJ Nome da Instituição Nº do Processo Va g a s *11 . 0 9 9 . 4 9 9 / 0 0 0 2 – 3 3 ONG MARIA BONITA 08129.015664/2013-61 30 ADF
*ADF: ADULTO FEMININO.
Art. 2º Torna sem efeito a habilitação e pré-qualificação da referida entidade, constante da
Portaria nº 79, de 5 de dezembro de 2013, publicada no DOU nº 237, seção 1, página 137 e 138, de 6
de dezembro de 2013.
Art. 3º Esta portaria entra em vigor na data de sua assinatura.
VITORE ANDRE ZILIO MAXIMIANO
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201420ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Processo Nº 08000.013792/2013-17 – OZREN LJUBETIC,
até 02/08/2014
Processo Nº 08000.011941/2013-11 – GREGORIO SALI-
NAS, até 28/02/2015
Processo Nº 08000.013779/2013-68 – KARE INGE RA-
NUM, até 01/08/2015.
Tendo em vista que ficou demonstrada a efetiva necessidade
da manutenção do estrangeiro na empresa, considerando que o pre-
sente processo encontra-se instruído na forma da lei e, diante da
informação do Ministério do Trabalho e Emprego, DEFIRO os Pe-
didos de Prorrogação de Estada no País, abaixo relacionados. Ou-
trossim, informo que o estrangeiro deverá ser autuado por infringir o
disposto no Art. 125, XVI da Lei 6.815/80 c/c Art. 67, § 3° do
Decreto 86.715/81:
Processo Nº 08000.012976/2013-60 – OLE PETTER DAN-
NEVIG, até 17/06/2015
Processo Nº 08000.012833/2013-58 – JESSIE BALADHAY
ALAR, até 17/06/2015.
Determino o ARQUIVAMENTO dos processos de prorro-
gação de prazo, abaixo relacionados, por já ter decorrido prazo(s)
superior (es) ao da(s) estada(s) solicitada(s):
Processo Nº 08000.020884/2012-72 – WILLIAM NORMAN
GORDON
Processo Nº 08000.001841/2013-79 – DMYTRO KOSTIN
Processo Nº 08000.014393/2013-73 – CHRISTIAN MAR-
CEL GASTON
Processo Nº 08506.011061/2012-65 – HEZRON JACOB
Processo Nº 08000.005891/2012-44 – PRATEEK SINGH
Processo Nº 08000.014272/2013-21 – JERRY WILKER-
SON.
Determino o ARQUIVAMENTO dos processos, abaixo re-
lacionados, diante da solicitação da empresa responsável pela vinda
do(a/s) estrangeiro(a/s) ao país:
Processo Nº 08000.009468/2013-02 – TEODORO URUGA
MACAUBA
Processo Nº 08000.009461/2013-82 – VELIMIR VALEN-
TIC
Processo Nº 08461.006208/2013-40 – JACQUES LE
ROUX
Processo Nº 08000.009451/2013-47 – DOBROMIR DIMI-
TROV GEORGIEV
Processo Nº 08000.009458/2013-69 – ISMAIL MURAD IS-
MAIL
Processo Nº 08000.009463/2013-71 – JEFFREY MENDOZA
MALIMBAN
Processo Nº 08461.006138/2013-20 – JERZY BOGDAN SZ-
PULECKI
Processo Nº 08000.009462/2013-27 – ROMERO ALOBA
BORLASA
Processo Nº 08000.006784/2013-14 – KYLOR KAY
KLUMB.
INDEFIRO o pedido de prorrogação, por falta do cumpri-
mento de exigência junto ao Ministério do Trabalho. Processo Nº
08000.008870/2013-61 – ANSHAR BASIR.
Tendo em vista que ficou demonstrada a efetiva necessidade
da manutenção do estrangeiro na empresa, considerando que o pro-
cesso encontra-se instruído na forma da lei e diante da informação do
Ministério do Trabalho e Emprego, DEFIRO os Pedidos de Trans-
formação de Visto item V em Permanente, abaixo relacionados:
Processo Nº 08000.014707/2012-57 – DARIO ZAINO
Processo Nº 08505.026224/2013-03 – ISMO ANTERO MA-
LINEN
Processo Nº 08505.027246/2013-82 – MARK KOCIVAR-
N O R B U RY
Processo Nº 08505.035521/2013-31 – DIANE DULANJALI
COZIAN
Processo Nº 08505.035280/2013-21 – YOSHIHIRO MORI-
TA, HANA MORITA, JINSUKE MORITA e SETSUKO MORITA
Processo Nº 08505.036229/2013-36 – MARTINHO GOMES
ASCENSO
Processo Nº 08505.036534/2013-28 – LUIS FILIPE DE
AZEVEDO MATA, VANDA LURDES FERREIRA GUARDIAO e
VASCO GUARDIAO DE AZEVEDO
Processo Nº 08505.051125/2013-51 – GO KAMADA, AKI-
KO KAMADA, ICHIGO KAMADA, ISSA KAMADA e ITSUKI
KAMADA
Processo Nº 08505.051183/2013-85 – GEORG ERWIN RIE-
KEHR, MARIANA AUGUSTA VALENZUELA CAMPANA e MA-
RIOLI ANTONELLA NARITELLI VALENZUELA
Processo Nº 08505.052166/2013-65 – EDGAR RAVI MAR-
QUES ANIL MURARGI
Processo Nº 08505.052201/2013-46 – WUDAN LAN e
CHUNQIN XIE
Processo Nº 08505.052206/2013-79 – ZHUANGZHI WU,
TIANLIN WU e YAN ZHAO
Processo Nº 08505.059066/2013-60 – JEFFREY ALEX
BERGER
Processo Nº 08505.092496/2012-11 – MANUEL FRANCIS-
CO GONZALEZ CABALEIRO.
JOSÉ AUGUSTO TOMÉ BORGES
Substituto
DEFIRO o(s) pedido(s) de prorrogação do prazo de estada
no País, do(s) temporário(s) item IV, abaixo relacionado(s):
Processo Nº 08212.002240/2013-98 – ALAN ALEXANDER
MONTALBETTI DALLMANN, até 07/03/2014
Processo Nº 08230.004446/2013-34 – ORLANDO MEN-
DONÇA, até 30/03/2014
Processo Nº 08354.007429/2013-52 – IRENE GELVEZ ZU-
NIGA, até 07/09/2014Processo Nº 08352.000571/2013-99 – GUILLERMO AS-
DRUBAL VARGAS ELIAS, DAVID RICARDO VARGAS GOMEZ
e MARIA EUGENIA GOMEZ ESTRADA, até 16/03/2014
Processo Nº 08390.004898/2013-83 – JOSENILDE MARIO
JANGUIA, AKALINDE JAAZIEL JERONIMO GUILHERME e
UPILE SVEN GEHLHAAR, até 24/08/2014
Processo Nº 08433.003694/2013-81 – LUIS MANUEL HER-
NANDEZ GARCIA, até 09/09/2014
Processo Nº 08433.003695/2013-26 – MAXIMILIANO SE-
GUNDO ESCALONA JIMENEZ, até 09/09/2014
Processo Nº 08433.003706/2013-78 – LUIS GUILLERMO
RAMIREZ MERIDA, até 09/09/2014
Processo Nº 08444.000672/2013-31 – LUIS ANTONIO LEI-
VA HERCULES, até 08/03/2014
Processo Nº 08240.014771/2013-96 – EDRY ANTONIO
GARCIA CISNEROS, até 29/06/2015
Processo Nº 08444.007535/2013-27 – YAN LUWEN, até
04/10/2014
Processo Nº 08458.005176/2013-14 – STEPHANE PIERRE
BENOIT CROMBEZ, até 17/07/2014
Processo Nº 08458.005235/2013-54 – CLAUDIA VERONI-
CA SALAS MAGANO, até 08/08/2014
Processo Nº 08458.005437/2013-04 – ROSSANA FORTES
DELGADO, até 19/07/2014
Processo Nº 08494.004557/2013-40 – JORGE MIGUEL
BRUGES ECHEVERRIA, até 22/06/2014
Processo Nº 08501.007446/2013-59 – FRANCISCO JOSE
MATEUS, até 22/07/2014
Processo Nº 08501.007480/2013-23 – HERNANDO EMILIO
GONZALEZ HORMIGA e JULIAN CAMILO GONZALEZ GU-
TIERREZ, até 06/08/2014
Processo Nº 08508.007499/2013-18 – LUZ NATALIA
FRANCO MONTOYA e NATALY VILLADA FRANCO, até
27/07/2014
Processo Nº 08514.004965/2013-16 – ALEJANDRO ARTU-
RO RIOS CRUZ, até 04/08/2014
Processo Nº 08702.005960/2013-93 – JOCEU WANDO
BAPTISTA CAPILO, até 23/07/2014.
DEFIRO o(s) pedido(s) de prorrogação do prazo de estada
no País, do(s) temporário(s) item VI, abaixo relacionado(s):
Processo Nº 08354.004665/2013-17 – ANTONIO TRESPA-
LACIOS DE LA GARZA, até 04/07/2014
Processo Nº 08460.014578/2013-61 – JUAN PABLO MON-
DINI, até 18/04/2017.
Determino o ARQUIVAMENTO dos processos de prorro-
gação de prazo, abaixo relacionados, por já ter decorrido prazo(s)
superior (es) ao da(s) estada(s) solicitada(s):
Processo Nº 08270.000450/2013-57 – MURTALA MOHA-
MED DJALO
Processo Nº 08270.000541/2013-92 – JULIA DE FÁTIMA
JOSÉ BREGANHA
Processo Nº 08270.002602/2013-56 – N DUBA LUIS FO-
NA
Processo Nº 08707.005954/2013-96 – JAVIER JONNA-
THAN SANCHEZ.
INDEFIRO o pedido, tendo em vista que no momento da
autuação, o requerente encontrava-se em situação irregular no país,
nos termos do artigo 38, da Lei 6.815/80, alterada pela Lei 6.964/81.
Processo Nº 08270.022550/2013-34 – VALERIO JOSE FALCAO.
FRANCISCO DE ASSIS PEREIRA DA SILVA
p/Delegação de Competência
DEFIRO o(s) pedido(s) de prorrogação do prazo de estada
no País, do(s) temporário(s) item IV, abaixo relacionado(s):
Processo Nº 08460.007727/2013-35 – JONATHAN CHAR-
LES GUIDO BARRE ARDIZZI, até 28/04/2014
Processo Nº 08505.068136/2013-71 – BRENDA CAROLI-
NA ALVIR ABRAHAM, até 27/08/2014
Processo Nº 08796.002530/2013-18 – JEROME CLAVERIE,
até 21/04/2014.
DEFIRO o pedido de prorrogação do prazo de estada. Pro-
cesso Nº 08000.021808/2013-65 – JONATHAN VIAL, até
24/10/2014.
DEFIRO o pedido de prorrogação do prazo de estada. Pro-
cesso Nº 08000.014706/2013-93 – EZEQUIEL ANTONIO RIVAS,
até 28/10/2014.
Determino o ARQUIVAMENTO dos processos de prorro-
gação de prazo, abaixo relacionados, por já ter decorrido prazo(s)
superior (es) ao da(s) estada(s) solicitada(s):
Processo Nº 08000.002886/2012-80 – LIANBAO WANG
Processo Nº 08000.024260/2012-24 – PASCAL FELIZOT
Processo Nº 08461.004679/2013-13 – KJELL MIKAEL GA-
VELL
Processo Nº 08000.002888/2012-79 – JIAWEI WANG
Processo Nº 08000.005197/2013-16 – BRAJA GOPAL
DAS
Processo Nº 08000.012649/2013-16 – ANTONIO RUI TRO-
CADO DE CASTRO
Processo Nº 08000.017482/2012-91 – LEIF BUGGE
Processo Nº 08000.004093/2012-03 – CHRISTOPER JAR-
DENICO FLORES
Processo Nº 08000.010379/2013-09 – XIOMARA LOUREN-
CO PESTANA
Processo Nº 08000.014816/2013-55 – PANTING ANAK JU-
GAH
Processo Nº 08000.014956/2013-23 – IAN JAMES
R AW L I N S O NProcesso Nº 08000.014965/2013-14 – JOHN GIRVAN
Processo Nº 08000.015068/2013-28 – ROBERT SARNO TA-
PAWA N
Processo Nº 08000.015233/2013-41 – RONALD MAN-
GAHAS LABRO
Processo Nº 08000.015235/2013-31 – RICO PALONPON
FEGARIDO
Processo Nº 08000.015245/2013-76 – GRAHAM JAMES
M O WAT
Processo Nº 08000.015248/2013-18 – YANN MICHAEL
S T U A RT
Processo Nº 08000.015251/2013-23 – JOHN MAGNUS
GARRICK
Processo Nº 08000.015903/2013-20 – SANDIP MURI-
LIDHAR REDKAR.
Determino o ARQUIVAMENTO dos processos, abaixo re-
lacionados, diante da solicitação da empresa responsável pela vinda
do(a/s) estrangeiro(a/s) ao país:
Processo Nº 08000.004601/2013-26 – PRZEMYSLAW KR-
ZYSZTOF PIKUL
Processo Nº 08000.005012/2013-65 – RODNEY DORME-
TORIO SAYSON
Processo Nº 08000.006372/2013-84 – MARCEL KOWALC-
ZYK
Processo Nº 08000.007704/2013-48 – PIOTR ROMAN MI-
KLEWICZ
Processo Nº 08000.009943/2013-32 – OMAR ARIAS TOR-
RECILLA
Processo Nº 08000.010034/2013-47 – JANUSZ JOZEF KA-
LINOWSKI
Processo Nº 08000.011401/2013-20 – TONG KAH WAH
Processo Nº 08000.012066/2013-87 – FRASER GORDON
STRACHAN
Processo Nº 08000.015367/2012-81 – CHRISTOPHER JA-
MES SCHMIT
Processo Nº 08000.018447/2013-70 – WILFREDO NASE
SORIANO
Processo Nº 08000.022495/2012-81 – IOANNIS BOURI-
KAS
Processo Nº 08000.023199/2012-06 – ANTONEL COMI-
NOS
Processo Nº 08000.004097/2012-83 – JOHN TERJE KARL-
SEN.
Determino o ARQUIVAMENTO do pedido de republicação,
conforme art. 52 da Lei nº 9.784/99, considerando que já decorreu o
prazo de estada concedido à requerente. Processo Nº
08508.015813/2012-47 – ALICE INACIA ANNY LOPES CA.
Diante da manifestação contrária do Ministério do Trabalho
e Emprego, informando que a empresa não cumpriu os percentuais
exigidos pela RN 72/06 para contratação de mão-de-obra brasileira,
INDEFIRO os pedidos de prorrogação de estada no País, abaixo
relacionados:
Processo Nº 08000.014280/2013-78 – PAWEL KONRAD
S TA C H O W I A K
Processo Nº 08000.016951/2013-35 – PAVLO KLETS
Processo Nº 08000.014247/2013-48 – HANS MAGNUS
DAHLEN
Processo Nº 08000.014249/2013-37 – PATXI XABIER AL-
VAREZ ILORO
Processo Nº 08000.014253/2013-03 – ADESOLA OLUSO-
LA AMURE
Processo Nº 08000.014282/2013-67 – DAMIR MEKINIC
Processo Nº 08000.014283/2013-10 – TERJE SKOGHEIM
Processo Nº 08000.014286/2013-45 – SERHIY KOPYL
Processo Nº 08000.014288/2013-34 – LARS KENNY RO-
BERT BACKLIN BLOMBERG
Processo Nº 08000.014289/2013-89 – DMYTRO ZHURBA
Processo Nº 08000.014290/2013-11 – KJELL ARNE FARS-
TA D
Processo Nº 08000.014293/2013-47 – KRZYSZTOF TO-
MASZ MASLAK
Processo Nº 08000.014299/2013-14 – RONNY ARNE MA-
THISEN
Processo Nº 08000.014301/2013-55 – JAMES NICHOLAS
W H Y TO C K
Processo Nº 08000.014329/2013-92 – PAVLO MALE-
ZHYK.
INDEFIRO o pedido de prorrogação, por falta do cumpri-
mento de exigência junto ao Ministério do Trabalho. Processo Nº
08000.009785/2013-11 – GORDON FRANK ROWLEY.
FÁBIO GONSALVES FERREIRA
p/Delegação de Competência
RETIFICAÇÕES
No Diário Oficial da União de 16/01/2014, Seção 1, Pág. 44,
onde se lê: Tendo em vista a autorização para concessão de per-
manência no País, outorgada pelo Conselho Nacional de Imigração
nos autos do processo nº 46094.029812/2013-69, com base na Re-
solução Normativa nº 77 de 29 de janeiro de 2008, publicada no
Diário Oficial da União de 23 de dezembro de 2013, Seção 1, página
190, DEFIRO a permanência no País do(a) nacional francês MA-
RINA MAKEICHIK.
Leia-se: Tendo em vista a autorização para concessão de
permanência no País, outorgada pelo Conselho Nacional de Imigração
nos autos do processo nº 46094.029812/2013-69, com base na Re-
solução Normativa nº 77 de 29 de janeiro de 2008, publicada no
Diário Oficial da União de 23 de dezembro de 2013, Seção 1, página
190, DEFIRO a permanência no País do(a) nacional cazaque MA-
RINA MAKEICHIK.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201421ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
No Diário Oficial da União de 16/01/2014, Seção 1, Pág. 44,
onde se lê: Tendo em vista a autorização de concessão de perma-
nência no País, outorgada pelo Conselho Nacional de Imigração, nos
autos do processo nº 46094.020035/2013-97, com base na Resolução
Normativa nº 27 de 25 de novembro de 1998, publicada no Diário
Oficial da União de 26 de novembro de 2013, Seção 1, página 67,
DEFIRO a permanência no País do(a) nacional guineense DAVID
SILVA CA.
Leia-se: Tendo em vista a autorização de concessão de per-
manência no País, outorgada pelo Conselho Nacional de Imigração,
nos autos do processo nº 46094.020035/2013-97, com base na Re-
solução Normativa nº 27 de 25 de novembro de 1998, publicada no
Diário Oficial da União de 26 de novembro de 2013, Seção 1, página
67, DEFIRO a permanência no País do(a) nacional guineense DAVID
DA SILVA CA.
SECRETARIA EXTRAORDINÁRIA
DE SEGURANÇA PARA GRANDES EVENTOS
PORTARIA Nº 57, DE 31 DE JANEIRO DE 2014
O SECRETÁRIO EXTRAORDINÁRIO DE SEGURANÇA
PARA GRANDES EVENTOS e o SECRETÁRIO DE ESTADO DA
SEGURANÇA PÚBLICA DE SANTA CATARINA, no uso de suas
atribuições legais, resolvem:
Art. 1º – Constituir a Comissão Estadual de Segurança Pú-
blica e Defesa Civil para Eventos Subordinados da Copa do Mundo
FIFA 2014 no Estado de Santa Catarina.
Art. 2°- São atribuições da Comissão Estadual de Segurança
Pública e Defesa Civil para Eventos Subordinados da Copa do Mun-
do FIFA 2014 no Estado de Santa Catarina:
a) Elaborar os Planos Estratégico, Tático e Operacional In-
tegrados para as ações de Segurança Pública e Defesa Civil dos
Eventos Subordinados da Copa do Mundo FIFA 2014 no Estado de
Santa Catarina;
b) Coordenar a execução das Ações de Segurança Pública e
Defesa Civil para os Eventos Subordinados da Copa do Mundo FIFA
2014 no Estado de Santa Catarina.
Art. 3°- A Comissão será formada por representantes in-
dicados pelas seguintes instituições:
§ 1º Na condição de membros natos:
I – Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes
Eventos do Ministério da Justiça;
II – Secretaria de Estado da Segurança Pública de Santa
Catarina;
III – Departamento de Polícia Federal;
IV – Departamento de Polícia Rodoviária Federal;
V – Polícia Militar do Estado de Santa Catarina;
VI – Polícia Civil do Estado de Santa Catarina;
VII – Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Santa Ca-
tarina;
VIII – Instituto Geral de Perícias do Estado de Santa Ca-
tarina; e
IX – Departamento Estadual de Trânsito do Estado de Santa
Catarina.
§ 2º A Comissão poderá convidar representantes de outros
Órgãos e Entidades envolvidos com as atividades de planejamento
para integrarem a Comissão, na condição de Membros Convidados.
Art. 4º – A Coordenação dos trabalhos desenvolvidos pela
Comissão será compartilhada entre os representantes da Secretaria
Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos do Ministério da
Justiça e da Secretaria de Estado da Segurança Pública de Santa
Catarina.
Art. 5º – Esta portaria entra em vigor na data se sua pu-
blicação.
ANDREI AUGUSTO PASSOS RODRIGUES
Secretário Extraordinário
CÉSAR AUGUSTO GRUBBA
Secretário de Estado da Segurança Pública de
Santa Catarina
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA CONJUNTA No-64, DE 19 DE FEVEREIRO DE
2014
Disciplina a celebração de convênios, acor-
dos de cooperação técnica e termos de exe-
cução descentralizada, que visem à dispo-
nibilização de dados constantes de cadas-
tros geridos pelo Ministério da Previdência
Social – MPS, pelo Instituto Nacional do
Seguro Social – INSS e pela Superinten-
dência Nacional de Previdência Comple-
mentar – PREVIC, dispõe sobre os proce-
dimentos relativos ao Cadastro Nacional de
Informações Sociais – CNIS, ao Sistema
Informatizado de Controle de Óbitos – SI-
SOBI e ao Sistema Corporativo de Bene-
fícios do INSS – SISBEN, e dá outras pro-
vidências.
O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL,
o PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SO-
CIAL – INSS e o DIRETOR-SUPERINTENDENTE DA SUPERIN-
TENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR
– PREVIC, no uso das atribuições que lhes confere o art. 87, pa-
rágrafo único, incisos I e II da Constituição da República de 1988;
art. 6
oda Lei Complementar no95, de 26 de fevereiro de 1998; arts.
25 e 26 c/c art. 6odo Decreto-Lei no200, de 25 de fevereiro de 1967;
Decreto no7.078, de 26 de janeiro de 2010; Decreto no7.556, de 24
de agosto de 2011; Decreto no7.075, de 26 de janeiro de 2010;
Decreto no6.932, de 11 de agosto de 2009; Portaria MPS no751, de
29 de dezembro de 2011; Portaria MPS no296, de 09 de novembro de
2009; Portaria MPS no183, de 26 de abril de 2010, resolvem:
Art. 1oA celebração de convênios, acordos de cooperação
técnica e termos de execução descentralizada, que visem à dispo-
nibilização de dados constantes de cadastros geridos pelo Ministério
da Previdência Social – MPS, pelo Instituto Nacional do Seguro
Social – INSS e pela Superintendência Nacional de Previdência Com-
plementar – PREVIC, obedecerá à Lei n
o12.527, de 18 de novembro
de 2011, à Lei no8.666, de 21 de junho de 1993, à Lei no8.212, de
24 de julho de 1991, à Lei no8.213, de 24 de julho de 1991, ao
Decreto no7.845, de 14 de novembro de 2012, ao Decreto no6.170,
de 25 de julho de 2007, à Portaria Interministerial no507, de 24 de
novembro de 2011, aos demais instrumentos normativos de regência
e ao disposto nesta Portaria.
Capítulo I
DAS DEFINIÇÕES
Art. 2
oPara os fins desta Portaria, considera-se:
I – convênio: acordo, ajuste ou qualquer outro instrumento
que discipline a transferência de recursos financeiros de dotações
consignadas nos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União
e tenha como partícipe, de um lado, o MPS, o INSS ou a PREVIC e,
de outro lado, órgão ou entidade da administração pública estadual,
distrital ou municipal, direta ou indireta, ou ainda, entidades privadas
sem fins lucrativos, visando à execução de programa de governo,
envolvendo a realização de projeto, atividade, serviço, aquisição de
bens ou evento de interesse recíproco, em regime de mútua co-
operação;
II – termo de execução descentralizada: instrumento por meio
do qual é ajustada a descentralização de crédito do MPS, do INSS ou
da PREVIC para outro órgão ou entidade integrante dos orçamentos
fiscal e da seguridade social da União, para execução de ações de
interesse da unidade orçamentária descentralizadora e consecução do
objeto previsto no programa de trabalho, respeitada fielmente a clas-
sificação funcional programática.
III – acordo de cooperação técnica: instrumento por meio do
qual o MPS, o INSS ou a PREVIC firma com outro órgão ou en-
tidade da Administração Pública ou com entidade privada, para a
execução de projeto, atividade ou serviço de interesse comum dos
partícipes, que não envolva a transferência de recursos financeiros;
IV – ajuste: termo genérico que engloba todos os institutos
disciplinados por esta portaria, notadamente, convênio, termo de exe-
cução descentralizada e acordo de cooperação técnica.
V – termo aditivo: instrumento que tenha por objetivo a
modificação do convênio, termo de execução descentralizada ou acor-
do de cooperação técnica já celebrado, vedada a alteração do objeto
aprovado;
VI – objeto: o produto do convênio, termo de execução
descentralizada ou acordo de cooperação técnica, observados o plano
de trabalho e as suas finalidades;
VII – termo de referência: documento apresentado quando o
objeto do convênio, contrato de repasse ou termo de execução des-
centralizada envolver aquisição de bens ou prestação de serviços, que
deverá conter elementos capazes de propiciar a avaliação do custo
pela Administração, diante de orçamento detalhado, considerando os
preços praticados no mercado da região onde será executado, a de-
finição dos métodos e o prazo de execução;
VIII – entidade descentralizada: entidade dotada de perso-
nalidade jurídica própria que recebeu do ente federativo que a ins-
tituiu (União, Estado, Distrito Federal ou Município) outorga ou de-
legação de competência para a prestação de serviço público específico
(autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia
mista); eIX – órgão desconcentrado: centro ou unidade de poder, que
compõe a estrutura do ente federativo (União – Ministérios; Estado,
DF e Municípios – Secretarias), e é incumbido regimentalmente da
execução de atribuições específicas.
Capítulo II
DOS PARÂMETROS DE ACESSO
Art. 3
oA disponibilização dos dados constantes de cadastros
geridos pelo MPS, pelo INSS e pela PREVIC poderá se dar:
I – de forma direta e plena ao banco de dados, conforme
expressa previsão no convênio, acordo ou termo de execução des-
centralizada, a partir da disponibilização e/ou instalação do próprio
sistema no ente com o qual se firme o instrumento;
II – via webservice ou mecanismo similar, por meio do qual
se gera uma comunicação entre o sistema próprio do ente com o qual
se firme o instrumento e o sistema gerido pelo MPS, pelo INSS ou
pela PREVIC, mediante leiaute aprovado pelo ente gestor do sis-
tema;
III – mediante interface própria – extrator -, que utilize os
dados necessários dos diversos sistemas da Previdência Social, cus-
tomizando-os segundo critérios de necessidade, conveniência e opor-
tunidade;
IV – mediante consulta em lote, via batimento de dados, sem
disponibilização de qualquer acesso ao sistema, consistente no envio
de arquivo com os dados conforme leiaute aprovado pelo órgão ou
entidade gestora do sistema cuja informação se necessita, com o
retorno a partir da verificação nos cadastros geridos pelo MPS, pelo
INSS ou pela PREVIC.
Parágrafo único. Em sendo o banco de dados operaciona-
lizado pela Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência
Social – DATAPREV, incluir-se-á cláusula específica no ajuste, pre-
vendo a necessidade de celebração de contrato entre o ente com o
qual se firma o instrumento e a DATAPREV, a fim de que esta seja
remunerada pela prestação dos respectivos serviços.
Art. 4
oNa celebração dos ajustes que visem à disponibi-
lização de dados constantes de cadastros geridos pelo MPS, pelo
INSS ou pela PREVIC, deverão ser considerados os seguintes níveis
de acesso:
I – completo, considerado aquele acesso pleno, facultado aos
entes integrantes da Administração Pública, cujo objetivo seja o de
fiscalizar e/ou combater fraudes, propiciar celeridade no andamento
de execuções fiscais ou ações previdenciárias, bem como outros fins
que guardem pertinência com as atividades institucionais do MPS, do
INSS ou da PREVIC;
II – intermediário, considerado aquele acesso facultado aos
demais entes integrantes da Administração Pública cuja finalidade
não se enquadre nas previsões do inciso anterior, devendo-se optar,
nesta hipótese, preferencialmente pelo acesso mediante webservice,
extrator ou mecanismo similar, ou, quando não for possível, mediante
consulta em lote, via batimento de dados;
III – restrito, considerado aquele acesso reservado aos entes
de natureza privada, a ser promovido sempre mediante consulta em
lote, via batimento de dados, respeitando-se as previsões do artigo
a n t e r i o r.
Parágrafo único. Ainda que possível o acesso completo, o
MPS, o INSS e a PREVIC deverão priorizar, por razões de segurança,
sempre que viável operacionalmente, a utilização do acesso via web-
service, extrator ou mecanismo similar.
Art. 5
oO MPS, o INSS e a PREVIC deverão evitar a ce-
lebração de múltiplos instrumentos com órgãos desconcentrados ou
entidades descentralizadas de um mesmo ente público (Estados, Dis-
trito Federal ou Municípios), fazendo constar, se for o caso, cláusula
específica no ajuste, que permita o compartilhamento do acesso a
esses órgãos ou entidades, respeitada a pertinência com o objeto.
Parágrafo único. Sempre que ocorrer a necessidade de com-
partilhamento do acesso, nos termos do caput, o respectivo ente
deverá solicitar previamente a anuência do MPS, do INSS ou da
PREVIC.
Art. 6
oDeverá constar obrigatoriamente, como anexo a cada
ajuste, minuta do termo de compromisso de manutenção de sigilo –
TCMS, constante do Anexo I do Decreto n
o7.845, de 14 de no-
vembro de 2012, a ser assinado individualmente por aqueles que
venham a ser cadastrados para ter acesso, na forma do art. 4
o, incisos
I e II, obrigando-se a manter o sigilo da informação, sob pena de
responsabilidade penal, civil e administrativa.
Parágrafo único. A área técnica competente do MPS, do
INSS ou da PREVIC deverá manter arquivados todos os termos de
compromisso de manutenção de sigilo – TCMS, referentes ao uso dos
sistemas sob sua gestão.
Art. 7
oOs custos de instalação e de manutenção dos sistemas
cujos acessos forem disponibilizados a outros entes – públicos ou
privados – deverão ser objeto de previsão específica nos ajustes, e nos
respectivos planos de trabalho, devendo ser arcados preferencialmente
pelo próprio ente demandante dos dados.
Art. 8
oA assinatura dos ajustes deverá ser realizada pelos
dirigentes máximos do MPS, do INSS e/ou da PREVIC, sendo fa-
cultada a delegação específica de poderes para cada ato, sem prejuízo
de eventual previsão em regimento interno.
Art. 9
oAs áreas técnicas competentes do MPS, do INSS e da
PREVIC deverão cessar imediatamente, sob pena de responsabili-
zação funcional, o acesso de usuários aos sistemas, nas seguintes
situações:
I – tão logo expirada a vigência do respectivo ajuste;
II – quando se der a rescisão do ajuste;
III – sempre que, durante o prazo de vigência, um usuário
cadastrado para acesso venha a incidir em alguma das situações
previstas no art. 9
oda Portaria MPAS no862, de 23 de março de
2001.
Ministério da Previdência Social.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201422ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Capítulo III
DO CADASTRO NACIONAL DE INFORMAÇÕES SO-
CIAIS – CNIS
Art. 10. O Cadastro Nacional de Informações Sociais –
CNIS, base de dados em que são armazenadas as informações re-
lativas à vida laborativa e previdenciária dos filiados, será gerido pelo
MPS, e operacionalizado pelo INSS, em suas atividades de manu-
tenção e concessão de benefícios previdenciários, tendo por obje-
tivos:
I – garantir os direitos dos trabalhadores, mantendo infor-
mações confiáveis sobre a vida laboral e liberando-os gradualmente
de ônus da prova;
II – inibir fraudes e desvios na concessão de benefícios pre-
videnciários e trabalhistas mediante o cruzamento das informações
administradas pelos vários sistemas governamentais;
III – instrumentalizar as instituições governamentais com in-
formações sociais confiáveis como forma de subsidiar a formulação,
o monitoramento, o estudo e a avaliação de políticas públicas;
IV – buscar o gerenciamento racional e coordenado de in-
formações dispersas em sistemas de diversos órgãos governamen-
tais.
§ 1
oO CNIS deverá ser alimentado periodicamente, a partir
de informações decorrentes das obrigações trabalhistas, tributárias e
previdenciárias prestadas pelas empresas, relativas a seus emprega-
dos, contribuições efetuadas por contribuintes individuais, emprega-
dos domésticos e filiados facultativamente, registros de benefícios,
períodos de atividade rural, cadastro de pessoa física e atualizações de
dados cadastrais, vínculos, remunerações e eventos previdenciários.
§ 2
oDeverão ser disponibilizadas no CNIS as informações
que serão utilizadas pelos sistemas de benefícios, bem como para o
extrato previdenciário e demais sistemas demandantes.
§ 3
oAs informações constantes no CNIS poderão, a qualquer
momento, ser aditadas, alteradas, excluídas ou validadas, mediante
solicitação do filiado/segurado, de modo a garantir maior confia-
bilidade das informações e veracidade ao cadastro.
Art. 11. O compartilhamento dos dados do CNIS atenderá às
seguintes diretrizes:
I – observância ao regramento constitucional e infracons-
titucional vigente relacionado à segurança dos dados pessoais e si-
gilosos, especificamente no tocante ao tratamento das informações
previsto no art. 31, da Lei n
o12.527, de 18 de novembro de 2011;
II – utilização como instrumento de planejamento, moni-
toramento, estudo e avaliação de políticas públicas realizadas pelos
órgãos partícipes;
III – atenção à uniformidade e à padronização dos ajustes,
sempre que possível;
IV – interoperabilidade dos cadastros no âmbito do governo
federal.
Art. 12. Competirá ao MPS e ao INSS, em conjunto, firmar
e rescindir os ajustes que visem à disponibilização dos dados cons-
tantes do CNIS, podendo, por ato normativo conjunto, expedir orien-
tações complementares, disciplinando o seu funcionamento e ope-
racionalização.
Art. 13. Aplicam-se, no que couberem, as disposições deste
Capítulo para a eventual disponibilização de dados da base de ca-
dastro que envolva os regimes próprios de previdência social.
Capítulo IV
DO SISTEMA INFORMATIZADO DE CONTROLE DE
ÓBITOS – SISOBI
Art. 14. Compete ao INSS a gestão do Sistema Informa-
tizado de Controle de Óbitos – SISOBI, bem como a celebração de
ajustes para sua disponibilização, com o objetivo de dar maior agi-
lidade e segurança aos procedimentos de cancelamento de pagamen-
tos indevidos, com suspensão ou cessação de benefícios cujos óbitos
lhe tenham sido comunicados, bem como proceder aos ajustes que
visem a disponibilizar estas informações para entes públicos ou pri-
vados.
Art. 15. Os Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais,
nos termos do art. 68 da Lei n
o8.212, de 24 de julho de 1991, estão
obrigados a comunicar ao INSS, até o dia 10 (dez) de cada mês, todos
os óbitos registrados no mês imediatamente anterior, ou a sua ine-
xistência no mesmo período, devendo esta comunicação ser feita
preferencialmente por meio eletrônico.
Art. 16. É obrigatória a comunicação ao INSS pelos Serviços
de Registro Civil de Pessoas Naturais, de toda alteração referente aos
seus dados cadastrais, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, contados
da data da alteração, devendo para tal utilizar o formulário para
atualização de dados de Cartório, constante do Anexo II desta Por-
taria.
Art.17. Serão de responsabilidade do titular do Serviço de
Registro Civil de Pessoas Naturais as informações prestadas ao
INSS.
Parágrafo único. A falta de comunicação na época própria e
o envio de informações inexatas sujeitarão o titular à multa prevista
no art. 92 da Lei n
o8.212, de 24 de julho de 1991.
Art. 18. A formatação do Sistema Informatizado de Controle
de Óbitos – SISOBI compreende os aplicativos eletrônicos, formu-
lários para cadastramento de óbitos e dados de cartórios, instruções
para seu preenchimento e leiaute do arquivo, conforme os anexos I a
III desta Portaria.
Art. 19. O preenchimento e envio dos dados constantes do
formulário para cadastramento de óbito deverão ser feitos em meio
eletrônico, via rede internet, ou por mídia gerada a partir do apli-
cativo SEO-Cartório, ou ainda por mídia gerada a partir de aplicativos
eletrônicos.
§ 1
oTodos os Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais
que optarem por remeter as informações de óbitos pela rede internet
– SISOBINET deverão solicitar prévio cadastramento junto à Pre-
vidência Social.§ 2
oO INSS deverá manter à disposição dos Serviços de
Registro Civil de Pessoas Naturais, em suas Gerências Executivas,
documentação, aplicativos eletrônicos, instruções, modelos dos for-
mulários e pessoal capacitado para esclarecer e orientar na correta
utilização do SISOBI.
§ 3
oOs Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais, que
dispõem de sistemas informatizados próprios, poderão compatibilizar
ao leiaute do arquivo do formulário para cadastramento de óbito.
Art. 20. O INSS deverá adotar as providências adminis-
trativas e operacionais junto às suas unidades descentralizadas para a
implantação e manutenção do SISOBI.
Parágrafo único. A Empresa de Tecnologia e Informações da
Previdência Social – DATAPREV deverá executar as atividades de
processamento eletrônico dos dados, de operação e manutenção do
banco de dados e de suporte técnico do SISOBI e, em articulação
com o INSS orientar os Serviços de Registro Civil de Pessoas Na-
turais quanto à utilização dos aplicativos eletrônicos disponibilizados
pela Previdência Social, na rede Internet e no portal eletrônico do
MPS.
Art. 21. O envio das informações de óbito, por meio ele-
trônico, pelos Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais, poderá
ser feito das seguintes formas:
I – sistema SISOBINET, disponível na Internet, no portal
eletrônico do MPS, enviando-se os dados de óbitos diretamente pela
internet para o banco de dados da Previdência Social;
II – aplicativo SEO-CARTÓRIO, disponibilizado pela Pre-
vidência Social na rede Internet e no portal eletrônico do MPS,
carregando arquivo em mídia a ser entregue à Gerência Executiva do
INSS de sua área de abrangência;
III – outros aplicativos/sistemas eletrônicos utilizados pelos
Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais, gerando mídia a ser
entregue à Gerência Executiva do INSS de sua área de abrangência,
desde que compatíveis com o leiaute do arquivo do SISOBI constante
dos Anexos I a III desta Portaria.
Art. 22. O SISOBI é composto pelos seguintes subsistemas
em diferentes plataformas:
I – SISOBINET – Versão Cartório – utilizado pelos cartórios,
permite, por meio da Internet, o cadastramento diário, semanal ou
mensal de óbitos ocorridos no período e eventuais atualizações de
dados enviados, inclusive dados cadastrais do próprio cartório;
II – SISOBINET – Versão Gerência Executiva – utilizado
pelas gerências do INSS permite, por meio da Intranet (rede interna
da Previdência Social), cadastramento e controle dos cartórios in-
tegrantes do sistema e habilitados ao uso do SISOBINET, e a di-
gitação dos dados que forem entregues em formulário em meio pa-
pel;
III – SEO-INSS – Sistema de Entrada de Dados – Versão
Gerência Executiva – aplicativo para recepção, crítica e transmissão
dos dados de óbitos entregues pelos cartórios do registro civil ao
INSS em mídia;
IV – SEO-CARTÓRIO – Sistema de Entrada de Dados –
Versão Cartório – aplicativo disponibilizado aos cartórios de registro
civil para digitação, crítica e geração do mídia a ser entregue ao INSS
com dados dos óbitos registrados no mês, ou transferência desses
arquivos via Internet;
V – SCO – Sistema de Controle de Óbitos – Versão Main-
frame – Sistema implantado no equipamento de grande porte da DA-
TAPREV que realiza o confronto entre as informações de óbitos
recebidas e o Cadastro de Benefícios da Previdência Social, e o
Cadastro Nacional de Informações Sociais – CNIS, promovendo ces-
sação e suspensão de benefícios e registrando os óbitos de traba-
lhadores no CNIS;
VI – SDO – Subsistema de Download – permite extrair do
SCO – Sistema de Controle de Óbitos, arquivos de óbitos para down-
load pela Internet, e disponibilizá-los para órgãos e entidades públicas
que firmarem ajuste com essa finalidade; e
VII – SCO – Sistema de Controle de Óbitos – versão Dardo
– subsistema para uso gerencial e estatístico dos dados de óbitos
arquivados.
Art. 23. O INSS, por intermédio das suas Gerencias Exe-
cutivas, incentivará os Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais,
localizados em suas respectivas áreas de abrangência, a utilizar meios
eletrônicos para o envio de dados para o banco de dados da Pre-
vidência Social.
Art. 24. As Serventias de Registro Civil de Pessoas Naturais
que optarem por participar como piloto na utilização do Sistema
Nacional de Informações de Registro Civil – SIRC, deverão utilizar,
obrigatoriamente, os aplicativos SIRC-WEB Internet (cadastro pela
web) ou SIRC-Carga (transmissão de arquivo por upload e trans-
missão por WebService), como instrumento para informar os dados de
certidões de nascimento, casamento, bem como, conforme determina
o art. 68 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, comunicar ao INSS
o registro ou a inexistência de óbitos, em substituição ao Sistema
Informatizado de Controle de Óbito-SISOBI, a partir de maio de
2 0 11 .
§ 1
oOs dados de óbitos registrados no SISOBI, antes da
implementação do piloto do SIRC, pelas serventias participantes nesta
condição migrarão para o SIRC.
§ 2
oAs Serventias de Registro Civil de Pessoas Naturais que
dispõem de sistemas informatizados próprios poderão compatibilizar
estes sistemas a partir de aplicativos eletrônicos formatados, con-
forme leiaute do arquivo para cadastramento de óbito previsto no
Manual de Recomendações Técnicas do SIRC.
§ 3
oAs Serventias de Registro Civil de Pessoas Naturais que
não participam do piloto do SIRC continuarão com a obrigatoriedade
de utilizar o SISOBI para comunicar ao INSS o registro dos óbitos ou
a sua inexistência, conforme determinam o art. 68 da Lei n
o8.212, de
24 de julho de 1991, e o art. 15 desta Portaria.
§ 4
oO INSS é responsável pela atividade de desenvolvi-
mento, operacionalização, armazenamento e manutenção do banco dedados do piloto do SIRC e dará suporte às Serventias que atuarem
como piloto na sua utilização, por meio das suas Gerências-Exe-
cutivas, as quais serão responsáveis pela orientação quanto à uti-
lização dos aplicativos eletrônicos disponibilizados para a realização
dos registros de nascimento, casamento e óbito.
Art. 25. As Gerências-Executivas do INSS responsabilizar-
se-ão pelo cadastramento dos usuários externos para acesso aos dados
constantes do Sistema Informatizado de Controle de Óbitos – SI-
SOBI.
Art. 26. O INSS poderá, por ato normativo interno, expedir
orientações complementares, disciplinando o funcionamento e a ope-
racionalização do SISOBI.
Capítulo V
DO SISTEMA CORPORATIVO DE BENEFÍCIOS DO
INSS – SISBEN
Art. 27. O Sistema Corporativo de Benefícios do INSS –
SISBEN – contempla o registro de todas as fases relativas à gestão do
requerimento, do reconhecimento e da manutenção dos benefícios
administrados pelo INSS, bem como da compensação previdenciária
entre o Regime Geral de Previdência Social – RGPS e os respectivos
Regimes Próprios de Previdência Social – RPPS, de que trata a Lei n
o
9.796/99, de 05 de maio de 1999.
Art. 28. Compete ao INSS firmar e rescindir os ajustes que
visem à disponibilização de dados constantes do Sistema Corporativo
de Benefícios do INSS – SISBEN.
Parágrafo único. As Gerências-Executivas do INSS respon-
sabilizar-se-ão pelo cadastramento dos usuários externos para acesso
aos dados constantes do SISBEN, na forma disciplinada pela Di-
retoria de Benefícios do INSS.
Art. 29. O INSS poderá, por ato normativo interno, expedir
orientações complementares, disciplinando o funcionamento e a ope-
racionalização do SISBEN.
Capítulo VI
DOS PROCEDIMENTOS GERAIS
Art. 30. Ao receber proposta de ajuste regulado por esta
Portaria, a área técnica competente do MPS, do INSS e da PREVIC
efetuará a autuação do feito, consignando o assunto, o nome do
interessado, o órgão consulente e a sua identificação, por meio de
número do Sistema Informatizado de Protocolo da Previdência Social
– SIPPS, ou outro que venha a substituí-lo, e procederá à numeração
e à rubrica das folhas.
Seção I
Da Celebração de Convênios
Art. 31. A celebração de convênios deverá observar as se-
guintes etapas preliminares:
I – prévio credenciamento do órgão ou entidade no Sistema
de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse – SICONV;
II – apresentação da proposta de trabalho;
III – cadastramento no SICONV.
§ 1
oCom vistas a selecionar projetos e órgãos ou entidades
públicas que tornem mais eficaz a execução do objeto, poderá ser
realizado chamamento público no SICONV.
§2º. Cumprirá à área técnica competente, no MPS, no INSS
ou na PREVIC, proceder ao devido cadastramento no SICONV.
Art. 32. Os atos e os procedimentos relativos à formalização,
execução, acompanhamento, prestação de contas e informações acer-
ca de tomada de contas especial dos convênios serão realizados no
SICONV, aberto à consulta pública, por meio do Portal dos Con-
vênios.
Art. 33. Após a apresentação da proposta de trabalho, a área
técnica competente a analisará e:
I – no caso de sua aceitação, a proposta convolar-se-á em
plano de trabalho;
II – no caso de sua recusa, comunicará o indeferimento ao
proponente.
Art. 34. A celebração de convênios com entidades privadas
sem fins lucrativos deverá ser precedida de prévia chamada pública,
podendo esta ser dispensada nas hipóteses previstas na Portaria In-
terministerial nº 507, de 24 de novembro de 2011, bem como nos
casos em que haja apenas uma entidade habilitada à consecução do
objeto pactuado ou, existindo mais de uma, as possíveis interessadas
deverão manifestar expressamente que não possuem interesse em
firmar o ajuste em questão.
Seção II
Da Celebração de Acordos de Cooperação Técnica
Art. 35. Na celebração de acordos de cooperação técnica,
após a apresentação da proposta de trabalho, cumprirá à área técnica
competente, responsável pela matéria objeto do acordo, analisá-la e se
manifestar pela sua aceitação ou pelo seu indeferimento.
Art. 36. Uma vez aceita a proposta de trabalho e feitos os
ajustes que a área técnica competente entender necessários, a proposta
convola-se em Plano de Trabalho.
Art. 37. Para a realização de acordos de cooperação técnica
com órgãos ou entidades públicas, serão exigidos:
I – cópia do ato que outorga ou delega competência ao
representante legal do órgão ou entidade para firmar o ajuste;
II – prova de regularidade com as Fazendas Federal, Es-
tadual, do Distrito Federal e Municipal, com o Fundo de Garantia do
Tempo de Serviço – FGTS e com a Previdência Social, na forma da
lei;
III – certidão negativa de dívidas trabalhistas; e
IV – certificado de regularidade previdenciária, quando for o
caso, nos termos do art. 1
o, inciso II, do Decreto no3.788, de 11 de
abril de 2001.
Art. 38. Para a realização de acordos de cooperação técnica
com entidades privadas, serão exigidos:
I – cópia autenticada do estatuto ou contrato social registrado
no cartório competente e suas alterações;
II – relação nominal atualizada dos dirigentes da entidade,
com número de inscrição do CPF, para fins de verificação da au-
tenticidade no sítio da Secretaria da Receita Federal do Brasil;
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201423ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
III – prova de inscrição da entidade no Cadastro Nacional de
Pessoas Jurídicas – CNPJ;
IV – prova de regularidade com as Fazendas Federal, Es-
tadual, do Distrito Federal e Municipal, com o Fundo de Garantia do
Tempo de Serviço – FGTS e com a Previdência Social, na forma da
lei; e
V – certidão negativa de dívidas trabalhistas.
Seção III
Da Celebração de Termos de Execução Descentralizada
Art. 39. Os termos de execução descentralizada deverão ser
preferencialmente firmados com base na minuta-padrão de Termo de
Cooperação para Descentralização de Crédito, aprovada nos termos
do Decreto n
o6.170, de 25 de julho de 2007, da Portaria Inter-
ministerial no507, de 24 de novembro de 2011, e da Portaria Con-
junta no08, de 07 de novembro de 2012, ambas dos Secretários-
Executivos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, da
Fazenda e da Controladoria-Geral da União.
Art. 40. Para a celebração de Termos de Execução Des-
centralizada, deverá ser apresentado projeto básico ou termo de re-
ferência, sendo facultada a sua exigência após a subscrição do ajuste,
desde que antes da liberação da primeira parcela de recursos.
Seção IV
Do Plano de Trabalho
Art. 41. O Plano de Trabalho a ser adotado nos ajustes
previstos nesta Portaria conterá, no mínimo:
I – justificativa para a celebração do instrumento;
II – descrição completa do objeto a ser executado;
III – descrição das metas a serem atingidas;
IV – definição das etapas ou fases da execução;
V – cronograma de execução do objeto;
VI – cronograma de desembolso; e
VII – plano de aplicação dos recursos a serem desembolsados
pelo concedente e da contrapartida financeira do proponente, se for o
caso.
§ 1
oCompreende-se por etapa ou fase a divisão existente na
execução de uma meta;
§ 2
oEntende-se por meta a parcela quantificável do objeto
descrita no plano de trabalho;
§ 3
oNos Acordos de Cooperação Técnica, por não haver
transferência de recursos, serão dispensados o cronograma de de-
sembolso e o plano de aplicação dos recursos, previstos nos incisos
VI e VII, respectivamente.
Seção V
Da Vigência
Art. 42. Os ajustes regulados por esta portaria começarão a
viger a partir da publicação do ato no Diário Oficial da União, salvo
disposição expressa em contrário, e terão prazo de vigência máxima
de 05 (cinco) anos.
§ 1
oOs ajustes firmados por período inicial inferior a 05
(cinco) anos poderão ser prorrogados, de acordo com o interesse das
partes envolvidas, observado o limite máximo previsto no caput.
§ 2
oEm caráter excepcional, devidamente justificado e me-
diante autorização da autoridade superior, o prazo de vigência pre-
visto no caput poderá ser prorrogado por até 12 (doze) meses.
§ 3
oÉ vedada a celebração de ajustes com prazo de vigência
indeterminado.
Seção VI
Da Análise Jurídica
Art. 43. Antes da celebração dos ajustes disciplinados por
esta portaria e após a análise técnica, os autos do processo ad-
ministrativo serão remetidos ao órgão de consultoria e assessoramentojurídico do respectivo ente, para análise conclusiva e manifestação
quanto aos aspectos jurídicos do procedimento e da minuta do futuro
ajuste, instruindo-se com:
I – fundamentação técnica e conclusiva do órgão interessado
sobre a celebração do ajuste e seus termos;
II – informação sobre os atos e diplomas legais aplicáveis ao
caso;
III – explicitação da dúvida jurídica específica, se houver;
IV- menção às opiniões contrárias que evidenciem a dúvida
jurídica suscitada, quando for o caso; e
V – eventuais documentos que facilitem a compreensão e o
exame do ajuste.
Parágrafo único. Excepcionalmente, nas hipóteses em que a
manifestação jurídica deva ser realizada em regime de urgência ou
prioridade, deverá haver solicitação expressa nos autos pelo órgão
competente, contendo a explicitação dos motivos que justifiquem o
pedido.
Capítulo VII
DAS MINUTAS-PADRÃO
Art. 44. No prazo de 30 (trinta) dias, a contar da publicação
desta Portaria, deverá ser constituído Grupo de Trabalho permanente,
composto por representantes das áreas técnica e jurídica do MPS, do
INSS e da PREVIC, com o objetivo de proceder à edição e constante
atualização das minutas-padrão para a celebração dos convênios,
acordos de cooperação técnica e termos de execução descentralizada,
que servirão como referência obrigatória aos dirigentes e agentes
públicos do MPS, do INSS e da PREVIC.
§ 1
oTão logo seja constituído, o Grupo de Trabalho terá o
prazo de 60 (sessenta) dias, para a entrega das minutas-padrão, re-
lativamente aos ajustes que atendam aos principais bancos de dados
do MPS, do INSS e da PREVIC.
§ 2
oAs minutas-padrão serão disponibilizadas na rede in-
terna da Previdência Social, sob a responsabilidade da Coordenação-
Geral de Informática do MPS.
§ 3
oExcepcionalmente, e desde que devidamente justificado
pela área técnica competente, e autorizado pelo dirigente máximo do
órgão, poderão ser incluídas, suprimidas ou modificadas cláusulas
constantes das minutas-padrão referidas no caput deste artigo.
§ 4
oA utilização de uma das minutas-padrão não afasta a
necessidade da análise prévia do instrumento e de seus anexos, por
parte do órgão de assessoramento jurídico do respectivo ente, em
respeito à Lei Complementar n
o73, de 10 de fevereiro de 1993 e às
Leis nos 8.666, de 21 de junho de 1993 e 10.480, de 02 de julho de
2002.
§ 5
oNa eventual celebração de ajustes cujos objetos não se
enquadrem em nenhuma das minutas-padrão, o MPS, o INSS e a
PREVIC deverão observar os parâmetros de acesso constantes do
Capítulo II, os procedimentos gerais constantes do Capítulo VI e, no
que couberem, as cláusulas constantes das respectivas minutas-padrão
referidas, adaptando-as ao objeto em questão.
Capítulo VIII
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 45. Os ajustes de que trata esta portaria, uma vez as-
sinados, deverão obrigatoriamente ser incluídos no Sistema de Gestão
de Acordos – SISAC, disponível no portal do MPS, pela área técnica
responsável no MPS, no INSS ou na PREVIC, em até 10 (dez) dias
após a sua publicação.§ 1
oA regra estabelecida no caput deste artigo aplica-se,
inclusive, aos instrumentos em vigor antes da publicação desta Por-
taria, observando-se o prazo máximo de 90 (noventa) dias após a sua
publicação.
§ 2
oNa hipótese de implantação de sistema eletrônico de
controle, registro e tramitação documental, no âmbito do MPS, do
INSS e da PREVIC, que venha a abarcar o sistema referido no caput
deste artigo, deverão ser adotados, no prazo de 60 (sessenta) dias, os
procedimentos necessários à migração dos dados e instrumentos.
Art. 46. Havendo a criação de sistemas mais amplos, que
congreguem informações sociais ou civis dos cidadãos, sob a res-
ponsabilidade ou coordenação de outras áreas do Governo Federal, o
MPS, o INSS e a PREVIC deverão adotar os procedimentos ne-
cessários à atualização desta portaria, das minutas-padrão e dos ajus-
tes eventualmente em vigor, obedecendo, para tanto, às disposições
constantes do instrumento normativo respectivo.
Art. 47. Aplica-se, no que couber, o disposto nesta Portaria
Conjunta aos ajustes firmados que, embora não tenham por objeto a
disponibilização de dados, envolvam a disponibilização de acesso aos
sistemas corporativos do MPS, do INSS ou da PREVIC.
Art. 48. Aplicam-se, no que couberem, as previsões desta
portaria aos ajustes internacionais celebrados por intermédio do MPS,
do INSS e da PREVIC.
Art. 49. Os ajustes em vigor quando da publicação desta
Portaria deverão ser adequados às novas regras, pela área técnica
competente, até o prazo máximo de 31 de dezembro de 2014.
Parágrafo único. O MPS, o INSS e/ou a PREVIC deverão
proceder à rescisão dos ajustes que não forem adequados às dis-
posições desta Portaria até o prazo limite estipulado no caput deste
artigo.
Art. 50. Os ajustes objeto desta portaria conjunta deverão
conter cláusula que indique o foro da Justiça Federal em Brasília/DF
como competente para dirimir qualquer questão suscitada em de-
corrência do seu cumprimento, estabelecendo-se a obrigatoriedade de
prévia tentativa de solução administrativa na Câmara de Conciliação
e Arbitragem da Administração Pública Federal – CCAF.
Parágrafo único. Tratando-se de ajuste firmado com enti-
dades privadas, fica afastada a obrigatoriedade de prévia tentativa de
solução administrativa na CCAF.
Art. 51. Os ajustes objeto desta Portaria conjunta e os pro-
cessos administrativos correlatos deverão ser guardados pelo prazo de
10 (dez) anos.
Art. 52. Esta Portaria Conjunta entra em vigor na data de sua
publicação.
Art. 53. Revogam-se as disposições em contrário, em es-
pecial o artigo 8
oda Portaria MPS no862, de 23 de março de 2001;
o artigo 1o, inciso I, da Portaria MPS no172, de 29 de maio de 2008;
a Resolução INSS/DC No106, de 05 de novembro de 2002; a Portaria
MPAS no847, de 19 de março de 2001; a Portaria MPAS no3.769, de
12 de dezembro de 2001; a Portaria MPS no1.408, de 03 de outubro
de 2003 e a Portaria MPS no269, de 25 de maio de 2011.
GARIBALDI ALVES FILHO
Ministro de Estado da Previdência Social
LINDOLFO NETO DE OLIVEIRA SALES
Presidente do Instituto Nacional do Seguro Social
JOSÉ MARIA RABELO
Diretor-Superintendente da Superintendência
Nacional de Previdência Complementar
ANEXO I
FORMULÁRIO PARA CADASTRAMENTO DE ÓBITOS – SISOBI
Folha: ___/___
1 – IDENTIFICAÇÃO DO CARTÓRIOTipo de Cadastro( 1 – CNPJ2 – CEI ):Nodo Cadastro:2 – IDENTIFICAÇÃO DO ÓBITOLivro: Folha:Te r m o :Data de Lavratura: Data do Óbito:3 – IDENTIFICAÇÃO DO FALECIDONome do Falecido:Nome da Mãe:Sexo (Masculino/Feminino/Ignorado ):Data de Nascimento: UF de Nascimento (sigla)Município de Nascimento:DOCUMENTOS DO FALECIDONIT ( PIS/PASEP/Contrib. Ind.):CPF:NoIdentidade: Emissor:Título de Eleitor:Certidão de Identificação: Tipo N = nascimento C = casamento LivroFolha: Termo:NoCarteira de Trabalho: Série: UF:Nodo Benefício do INSS:Nodo Benefício do INSS:Nodo Benefício do INSS:5 -EMISSOR E OFICIAL DE REGISTRO CIVILEmissor/Assinatura e CarimboOficial Reg. Civil/Assinatura e Carimbo:Data___/___/________Data___/___/_______
CÓDIGOS DE ÓRGÃO EMISSOR DE IDENTIDADE01 Secretária de Segurança Pública02 Ministério da Aeronáutica03 Ministério do Exército04 Ministério da Marinha05 SE/MAF – Delegacia de Policia Marítima, Aérea e Fronteira
06 CRA – Conselho Regional de Administração07 CRAS – Conselho Regional de Assistência Social08 CRB – Conselho Regional de Biblioteconomia09 CRC – Conselho Regional de Contabilidade10 CRECI – Conselho Regional dos Corretores de Imóveis11 CORECON – Conselho Regional de Economia12 COREN – Conselho Regional de Enfermagem13 CREA – Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura14 CRE – Conselho Regional de Estatística15 CRF – Conselho Regional de Farmácia16 C R E F I TO17 CRM – Conselho Regional de Medicina18 CRMV – Conselho Regional de Medicina Veterinária19 OMBCRE – Ordem dos Músicos do Brasil20 CRN – Conselho Regional de Nutrição21 CRO – Conselho Regional de Odontologia22 CONRERP – Conselho Regional de Relações Públicas23 CRP – Conselho Regional de Psicologia24 CRQ – Conselho Regional de Química25 CORE – Conselho Regional dos Escritores26 OAB – Ordem doa Advogados do Brasil27 CRB – Conselho Regional de Biologia28 CRFA – Conselho Regional de Fonoaudiologia29 CORESS – Conselho Regional Serviço Social30 CRTR – Conselho Reg. Técnicos em Radiologia31 DETRAN – Departamento de Trânsito32 PM – Policia Militar
Instruções para preenchimento do formulário de cadastramento de Óbitos
01. Identificação do Cartório.
Tipo de Cadastro: se CNPJ, preencher com o número 1; se matrícula CEI, preencher com o
número 2. (um) dígito.
Número do Cadastro: preencher com o número do respectivo cadastro, sem incluir barras,
pontos, hifens e espaços em branco entre os números do cadastro.
02. Identificação do óbito.
Livro. Preencher com o número do livro do cartório onde foi lavrado o óbito. Máximo de 6
(seis) dígitos.
Folha. Preencher como o número da folha do livro do cartório onde foi lavrado o óbito. Máximo
de 5 (cinco) dígitos.
Termo. Preencher com o número do termo do óbito. Máximo de 10 (dez) dígitos.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201424ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Data da Lavratura. Preencher com a data da lavratura da certidão de óbito. Formato
DD.MM.AAAA.
Data do óbito. Preencher com a data do óbito constante da certidão de óbito. Formato
DD.MM.AAAA. Em caso de desconhecimento desta data, preencher com a data de lavratura da certidão
de óbito.
03. Identificação do falecido.
Nome do falecido. Preencher o nome completo do falecido, sem abreviaturas e sem caracteres
especiais do tipo cedilha, til, acentos ou pontos. Máximo de 70 (setenta) caracteres. Em caso de
indigente, preencher com IGNORADO.
Nome da mãe do falecido. Preencher o nome completo da mãe do falecido, sem abreviaturas e
sem caracteres especiais do tipo cedilha, acentos, til ou pontos. Máximo de 70 (setenta) caracteres. Em
caso de desconhecimento, preencher com IGNORADO.
Sexo do falecido. Preencher com a letra inicial do sexo do falecido. Se masculino: M; se
feminino: F. Se não souber o sexo, preencher com a letra I, de ignorado.
Data de Nascimento. Informar a data de nascimento do falecido, conforme consta da certidão.
Preencher no formato DD.MM.AAAA.
UF de Nascimento (sigla). Identificar a unidade da federação (Estado ou Distrito Federal) de
acordo com a sigla oficial, onde nasceu o falecido. Atenção: não preencher este campo caso o falecido
tenha nascido no exterior.
Município de Nascimento. Identificar a cidade/ município, com o nome por extenso, onde
nasceu o falecido. Não preencher este campo caso o falecido tenha nascido no e x t e r i o r.
04. Documentos do falecido.
NIT (PIS/PASEP/Contribuinte individual). Informar o nº do PIS ou do PASEP, ou do con-
tribuinte individual da Previdência Social da pessoa falecida. Atenção, este campo deve ser preenchido
sem caracteres especiais do tipo hífens, barras, pontos ou vírgulas. 11 (onze ) dígitos.
CPF. Preencher este campo com o n
odo Cadastro de Pessoa Física (CPF) do falecido. 11 (onze)
dígitos (sem caracteres especiais do tipo hífens, barras, pontos ou vírgulas).
Nº de Identidade. Informar neste campo o número da carteira de identidade (RG) do falecido.
Máximo de 14 (quatorze) posições, sem caracteres especiais do tipo hífens, barras, pontos ou vír-
gulas.
Emissor. Preencher com o código do órgão emissor da carteira de identidade. Consultar os
códigos dos órgãos emissores no verso do formulário.
UF. Preencher com a sigla da unidade da federação (estado/distrito federal) do órgão emissor da
identidade.
Título de eleitor. Informar o número do título de eleitor da pessoa falecida. Até 12 (doze)
dígitos, sem caracteres especiais do tipo hífens, barras, pontos ou vírgulas.
Certidão de Identificação. Identificar qual o tipo de certidão de onde são extraídas as in-
formações da pessoa falecida. Se for de certidão de nascimento, preencher com N. Se for certidão de
casamento, preencher com a letra C.
Livro da Certidão de Identificação. Preencher com o número do livro do cartório que expediu
a certidão de nascimento ou de casamento da pessoa falecida. Até 6 (seis) caracteres.
Folha da Certidão de Identificação. Preencher com o número da folha do livro do cartório que
expediu a certidão de nascimento ou de casamento da pessoa falecida. Até 5 (cinco) caracteres.
Termo da Certidão de Identificação. Preencher com o número do termo do registro do cartório
que expediu a certidão de nascimento ou de casamento da pessoa falecida. Até 10 (dez) dígitos.
Nº da Carteira de Trabalho (CTPS). Informar o número da carteira de trabalho da pessoa
falecida. Até 6 (seis) dígitos.
Série. Informar a série da carteira de trabalho da pessoa falecida. Até 5 (cinco) dígitos.
UF. Informar a sigla da unidade da federação onde foi expedida a carteira de trabalho da pessoa
falecida.
Nº do benefício do INSS. Informar o número do benefício (NB) caso o falecido tenha seu
benefício previdenciário ou assistencial pago pelo INSS. Preencher o campo com o número do benefício
constante da Carta de Concessão, do cartão magnético, ou de extrato/documento fornecido pelo INSS.
Somente preencher este campo se o falecido for beneficiário do INSS. Estão disponíveis três campos
para estas informações que serão de grande valia para impedir o recebimento indevido de pagamentos
feitos pelo INSS, solicitando-se especial empenho por parte do cartório no preenchimento desta in-
formação. Até 10 (dez) dígitos.
05.Emissor e Oficial do Registro Civil.
Emissor / Assinatura e carimbo. Chancelar o formulário com assinatura e o carimbo do
empregado responsável pelo preenchimento do formulário.
Data. Preencher com a data de preenchimento do formulário.
Oficial do Registro Civil / Assinatura e carimbo. Chancelar o formulário com assinatura e o
carimbo do Oficial do Registro Civil ou de seu substituto legal.
Data. Preencher com a data da conferência das informações constantes do formulário.
Informações complementares.
* As informações prestadas no formulário deverão ser obrigatoriamente iguais as constantes dos
documentos oficiais (RG e Certidões) consultados.
* Em cada formulário deve ser registrado apenas um óbito.
* Os itens incluídos nos campos 01, 02, 03, 04 e 05 são de preenchimento obrigatório pelos
Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais (cartórios), nos termos da legislação vigente. As in-
formações constantes do campo 04, especialmente aquelas que identificam o falecido (Pis/Pasep/Con-
tribuinte Individual/CPF/Carteira de Identidade/titulo de eleitor/certidões ) e o item que identifica
eventual benefício pago pelo INSS (pensão, aposentadoria, auxilio doença, etc.) são de grande im-
portância para a Previdência Social, e a legislação obriga que conste do campo 04, pelo menos uma das
informações da pessoa falecida. Solicitando-se cumprimento da parte do cartório no preenchimento de
pelo menos um dos itens dos documentos de identificação do falecido, além do número de benefício
previdenciário do falecido, quando o mesmo for segurado da Previdência Social.
* O formulário com erros ou falhas no seu preenchimento será devolvido para o respectivo
cartório para as devidas correções.
* Quando o óbito for de pessoa estrangeira, os campos (U.F. de nascimento- Cod-prev) e
(Município de Nascimento Cod-IBGE) não devem ser preenchidos.
* O campo com a data do óbito é um campo obrigatório de preenchimento pelo Serviço de
Registro Civil, em caso de seu não preenchimento, o sistema rejeita a informação. Assim que na hipótese
do Serviço de Registro Civil não ter a data do óbito, solicita-se indicar neste campo a data de lavratura
do óbito, a fim de que a informação possa ser incluída no Banco de dados do SISOBI.
* Quando não houver informação do nome da mãe da pessoa falecida, escrever/digitar ignorado,
para que o sistema possa ter seqüência, a regra vale também quando a pessoa falecida é desconhecida.
Caso em que se deve escrever/digitar ignorado no campo do nome da pessoa falecida.
* Esclarecimentos relativos ao preenchimento do formulário para cadastramento de óbito po-
derão ser prestados pela Gerência Executiva do INSS da área de abrangência do cartório.
ANEXO II
FORMULÁRIO PARA ATUALIZAÇÃO DE DADOS DE CARTÓRIO – SISOBI
1 – IDENTIFICAÇÃO DO CARTÓRIOTipo de Cadastro( 1 – CNPJ / 2 – CEI ):Nº de Cadastro:Nome do Cartório:2 – DADOS CADASTRAIS
Endereço:Bairro ou Distrito:Município:UF: CEP:DDD: Telefone: Ramal:Te l e f o n e :Nome do Titular:Nome do Substituto:Forma de Entrada de Dados de Óbito: I___I1 – Formulário/2 – Mídia SISOBI/3 – Mídia de Sistema Próprio/4 – INTERNET (Registro a Re-
gistro)/5 -Transmissão de arquivo
Possui computador ? I___I Sim I___I NãoUsa o equipamento para automação das certidões I___I Sim I___I NãoUtiliza INTERNET? I___I Sim I___I NãoE-mail:3 – EMISSOR E OFICIAL REG. CIVIL
Emissor/Assinatura e Carimbo Oficial Reg. Civil/Assinatura e Carimbo
Data __/__/____ – Data __/__/______
Instruções para preenchimento do formulário para atualização de dados de cartórios
Para o preenchimento do formulário deverão ser observadas as instruções a seguir:
01. IDENTIFICAÇÃO DO CARTÓRIO
Tipo de cadastro: Deve ser o mesmo adotado pelo INSS para identificar o cartório, dentre as
opções abaixo:
1 – CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, obtido junto à secretaria da Receita
Federal
2 – CEI – Cadastro Específico do INSS, obtido junto ao INSS
Número do Cadastro: preencher com o número do cadastro correspondente, conforme item
anterior, sem hifens e traços.
Nome do Cartório: preencher com o nome do cartório, até 60 caracteres. O nome não deve
conter caracteres especiais do tipo cedilha, acentos, til ou pontos. Em caso de necessidade, usar a sigla
RCPN para abreviar “registro Civil de pessoas Naturais”. Ex.: RCPN do 17 ofício da comarca de .
02. DADOS CADASTRAIS
Endereço: rua, número, andar, sala, loja, complementos
Bairro: Nome do bairro ou distrito onde se localiza o cartório
Município: Nome por extenso do município
UF: Sigla da Unidade da Federação
CEP: Código de endereçamento postal da localização do cartório
DDD: Código da cidade para discagem direta à distancia
Telefone: Número de Telefone
Ramal: Informe se o telefone do cartório possui ramal
Telefone: Número de um segundo telefone do cartório
Nome do Titular: Preencher o nome completo do titular com até 45 caracteres, sem caracteres
especiais do tipo cedilha, acentos, til ou pontos.
Nome do Substituto: Preencher o nome completo do substituto com até 45 caracteres, sem
caracteres especiais, do tipo cedilha, til ou pontos.
Forma de entrada de dados: forma usual de entrega dos dados ao INSS, dentre as opções:
1 . entrega por meio de formulário papel;
2 . entrega por meio de mídia gerado pelo SISOBI aplicativo SEO-CARTÓRIO
3 . entrega por meio de mídia gerado por sistema próprio do cartório
4 . entrega por meio da INTERNET, registro a registro;
5 . entrega por meio de transmissão de arquivos pelo aplicativo SEO-CARTÓRIO
Automação do cartório:
. Possui ou não computador: sim ou não
. Usa o equipamento para automação das certidões: Sim ou Não
. Tem acesso à INTERNET: Sim ou Não
. E-Mail: Informar o endereço eletrônico, caso o cartório utilize a internet.
03. EMISSOR E OFICIAL DO REGISTRO CIVIL
Data e assinatura do EMISSOR e do OFICIAL DO REGISTRO CIVIL sobre carimbo
ANEXO III
DECLARAÇÃO DE ENTREGA – SISOBI
IDENTIFICAÇÃO DO CARTÓRIOTipo de Cadastro( 1 – CNPJ2 – CEI )Node Cadastro:Nome do Cartório:RECEBEDORGerência-Executiva:Declaramos o recebimento de _____ óbitos referentes ao mês de ____ de ___, entregue pelo Serviço deRegistro Civil acima identificado, conforme disposto no Decreto no3.048/1999 e no art. 68 da Lei no8.212 de 24/07/1991, na redação dada pela Lei no8.870/94.Data: ___/_____/_______.Assinatura/Carimbo do servidor do INSS:
ANEXO IV
SISOBINET
Sistema Informatizado de Controle de Óbitos – SISOBI
SISOBINET. Instruções para utilização da rede INTERNET para cadastro e envio dos óbitos pelos
Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais ao INSS.
Os Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais que optarem por remeter os dados de óbitos
para o INSS, via INTERNET, deverão previamente solicitar cadastramento junto à Previdência Social.
Este cadastramento deverá ser feito no seguinte endereço eletrônico: sisob i @ d f . p r e v i d e n c i a s o c i a l . g o v. b r
Concluído o cadastramento, o respectivo Serviço de Registro Civil de Pessoas Naturais terá acesso, via
internet, no endereço http: // www.previdenciasocial.gov.br , ao menu de serviços SISOBINET para
incluir e transmitir as informações de óbitos do período de competência mensal diretamente ao Banco de
Dados do SISOBI/MPS
Para o cadastramento são necessárias as seguintes informações:
a) Número de inscrição do Serviço de Registro Civil de Pessoal Naturais (Cartório) no CNPJ
(cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas), caso não tenha, informar o nº de matrícula CEI/INSS.
b) Nome completo do Serviço de Registro Civil de Pessoas Naturais (Cartório).
c) Caixa Postal eletrônica/E-mail do Serviço de Registro Civil (Cartório).
d) Nome completo e CPF da (s) pessoa (s) encarregada (s) pelo Titular do Serviço de Registro
Civil de Pessoas Naturais pelo preenchimento e transmissão das informações de óbito via Internet. Esta
pessoa ou pessoas serão cadastradas e terão uma senha inicial fixa “12345678”, a qual permitirá o
primeiro acesso ao sistema. A solicitação de troca de senha ocorrerá automaticamente após a digitação
do CPF no campo Usuário e da senha inicial no campo Senha. Após a troca da senha inicial será
mostrada uma tela de apresentação com informações gerais sobre o sistema. A partir dela, clicando-se
em SISOBINET, chega-se ao menu principal, com as opções disponíveis.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201425ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
2. Esta comunicação, via Internet, também dá cumprimento ao disposto no art. 68 da Lei n.
8.212, de 24 de julho de 1991, e os Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais, já cadastrados e
participantes do Projeto Piloto/SISOBINET, nos termos do Oficio Circular MPAS/SE/Ass. n. 17/2000,
ficam desobrigados de encaminhar a relação de óbitos por mídia, desde que mantenham o procedimento
de transmissão de dados de óbitos via internet.
3. A comunicação do óbito via internet poderá ser feita diariamente ou ao final de determinado
período (semanal ou mensal). A transmissão é direta para o Banco de Dados do SISOBI/MPS e com a
instalação do aplicativo SEO-CARTÓRIO (CD-ROM do SISOBI) no respectivo equipamento de in-
formática do Serviço de Registro Civil, é possível a transmissão, em um único acesso à INTERNET, de
arquivo contendo os óbitos de todo o período.
4. Todos os Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais que já solicitaram e obtiveram o
respectivo cadastramento, para participação no Projeto Piloto do SISOBINET, não precisam solicitar
novo cadastramento.
De acordo com o art. 3º desta Portaria, todos os Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais
que optarem por esta alternativa de envio dos dados de óbitos deverão iniciar os procedimentos a partir
da competência maio de 2001.
Como informar o óbito pela Internet.
O Serviço de Registro Civil previamente cadastrado deve acessar a página do MPS na Internet
no seguinte endereço eletrônico: www.previdenciasocial.gov.br e no menu, clicar o botão serviços, que
fica à esquerda, na tela. Uma vez aberta a tela serviços, procurar a palavra SISOBINET, clicar nela para
entrar no sistema.
Será aberto um formulário para digitação de Usuário e Senha. No campo Usuário informar
sempre o CPF previamente fornecido à coordenação do sistema via e-mail. No campo Senha, no
primeiro acesso, digitar 12345678. Após a troca de senha – obrigatória após o acesso inicial – digitar
sempre a senha escolhida. Em caso de esquecimento da mesma, enviar e-mail à coordenação do sistema
solicitando a reinicialização da senha.
O SISOBINET mostrará tela de apresentação com orientações sobre as opções disponíveis.
Após leitura da apresentação, clicar em SISOBINET para chegar à tela de menu, que tem as opções
abaixo :Cadastrar óbitos. Mostra na tela o formulário para cadastramento de óbito, que deverá ser
preenchido pelo Cartório e transmitido para a Previdência Social após clicar-se em incluir. Em caso de
dúvida quanto ao preenchimento, consultar a ajuda, localizada na tela de apresentação. Deve ser
preenchido um formulário para cada óbito e transmitido. Caso já esteja instalado no microcomputador do
usuário o CD-ROM com aplicativo SEO-CARTÓRIO, os formulários devidamente preenchidos poderão
ser arquivados e remetidos, todos juntos, em um único acesso à INTERNET.
Atualizar óbitos. Este comando possibilita fazer correções de informações enviadas erradamente
ou incompletas. Deve-se localizar a certidão de óbito a atualizar fornecendo sua identificação na primeira
tela, ou, deixando-a em branco, localizar na lista de todas as certidões que já foram enviadas (segunda
tela).
Consultar óbitos. Este comando permite consultar óbitos já informados. Informe os critérios
desejados para a seleção dos óbitos a consultar, ou deixe a primeira tela em branco para consultar todos
eles.
Informa inexistência de óbitos. Este comando permite informar a inexistência de óbitos, se no
período (mês) não houve qualquer registro de óbito feito pelo Cartório.
Emitir recibo. Este comando gera e permite que se imprima um recibo/comprovante da entrega
dos formulários de óbitos transmitidos por meio da internet para a Previdência Social. Para a impressão,
usar a opção Arquivo no menu do browser, opção Imprimir.
Consulta movimentos de cada mês. Este comando informa os movimentos de cada mês feitos
pelo Cartório.
Atualiza dados cadastrais dos cartórios. Este comando abre tela para atualização de dados do
cartório.
Atualiza senha de acesso. Este comando permite atualizar a senha da pessoa cadastrada pelo
Cartório junto à coordenação do sistema para acessar e transmitir os dados de óbitos à Previdência Social
via Internet.
Ajuda. Este comando abre tela de ajuda com esclarecimentos para o correto preenchimento do
formulário para cadastramento de óbito e transmissão dos dados para a Previdência Social, via In-
ternet.
O recibo deve ser emitido apenas ao final de cada mês. Nele constará o total de óbitos que
tenham a data de lavratura do óbito iguais ao do mês informado após clicar no botão novo recibo. Não
é um recibo com os óbitos um a um, apenas um sumário com os totais enviados. Caso o cartório queira
verificar um a um os óbitos enviados, basta clicar em consulta óbitos.
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA Nº 256, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Altera e acrescenta dispositivos à Portaria
nº 1.412/GM/MS, de 10 de julho de 2013,
em relação ao Programa Mais Médicos e ao
P R O VA B .
O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atri-
buições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art.
87 da Constituição, e
Considerando a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990,
que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recu-
peração da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços
correspondentes, e dá outras providências;
Considerando o Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011,
que regulamenta a Lei nº 8.080, de 1990, para dispor sobre a or-
ganização do Sistema Único de Saúde (SUS), o planejamento da
saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras
providências;
Considerando a Portaria nº 204/GM/MS, de 29 de janeiro de
2007, que regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos
federais para as ações e serviços de saúde, na forma de blocos de
financiamento, com o respectivo monitoramento e controle;
Considerando a Portaria nº 2.048/GM/MS, de 3 de setembro
de 2009, que aprova o regulamento do SUS;
Considerando a Portaria nº 3.462/GM/MS, de 11 de no-
vembro de 2010, que estabelece os critérios para alimentação dos
Bancos de Dados Nacionais dos Sistemas de Informação da Atenção
à Saúde;Considerando Portaria nº 4.279/GM/MS, de 30 de dezembro
de 2010, que estabelece diretrizes para a organização da Rede de
Atenção à Saúde no âmbito do SUS;
Considerando a Portaria nº 940/GM/MS, de 28 de abril de
2011, que regulamenta o Sistema Cartão Nacional de Saúde (Sistema
Cartão);
Considerando a Portaria nº 1.654/GM/MS, de 19 de julho de
2011, que institui, no âmbito do SUS, o Programa Nacional de Me-
lhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o
Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de
Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável (PAB Variável);
Considerando a Portaria nº 2.073/GM/MS, de 31 de agosto
de 2011, que regulamenta o uso de padrões de interoperabilidade e
informação em saúde para sistemas de informação em saúde no âm-
bito do SUS, nos níveis Municipal, Distrital, Estadual e Federal, e
para os sistemas privados e do setor de saúde suplementar;
Considerando a Portaria nº 2.488/GM/MS, de 21 de outubro
de 2011, que aprova a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB),
estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da
Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Pro-
grama de Agentes Comunitários de Saúde (PACS);
Considerando a Portaria nº 2.554/GM/MS, de 28 de outubro
de 2011, que institui, no Programa de Requalificação de Unidades
Básicas de Saúde (UBS), o Componente de Informatização e Te-
lessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado ao Programa
Nacional Telessaúde Brasil Redes;
Considerando a Portaria nº 1.834/GM/MS, de 27 de agosto
de 2013, que institui e redefine valores diferenciados de custeio às
Equipes de Saúde da Família que possuam profissionais médicos
integrantes de programas nacionais de provimento;
Considerando a necessidade de adotar medidas no campo da
saúde que objetivem a melhoria e a modernização do seu sistema de
gerenciamento de informações e a necessidade de reestruturar o Sis-
tema de Informação da Atenção Básica (SIAB) para um sistema
unificado, integrando todos os sistemas de informação para a AtençãoBásica (AB) e garantindo o registro individualizado por meio do
Cartão Nacional de Saúde (CNS);
Considerando a ampliação da cultura do uso da informação e
a gestão do cuidado em saúde ofertado à população e a imperativa
necessidade de utilização de um sistema de informação em saúde que
contemple os dados das equipes da AB, incluindo as equipes dos
Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), Consultórios na Rua
(CnR), Programa Saúde na Escola (PSE) e Academias da Saúde, além
de outras modalidades de equipes e programas que porventura sejam
incluídos na AB; e
Considerando deliberação ocorrida na Comissão Intergesto-
res Tripartite (CIT), em 25 de abril de 2013, resolve:
Art. 1º Fica acrescentado o §4º ao art. 3º da Portaria nº
1.412/GM/MS, de 10 de julho de 2013, o qual passa a vigorar com a
seguinte redação:
“Art. 3º ………………………………………………………………
§4º As Equipes de Atenção Básica que tenham recebido
profissionais médicos provenientes do Programa Mais Médicos para o
Brasil ou do Programa de Valorização do Profissional da Atenção
Básica (PROVAB) deverão registrar as informações e dados junto ao
Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB) em
até 60 (sessenta) dias, a partir da apresentação do profissional no
Município.” (NR)
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
ARTHUR CHIORO
Ministério da Saúde.
AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR
DIRETORIA COLEGIADA
DECISÃO DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A Diretoria Colegiada da AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR – ANS, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista o disposto no inciso VI do artigo 10 da Lei nº 9.961, de 28 de
janeiro de 2000, vem por meio deste dar ciência às Operadoras relacionadas abaixo, da decisão proferida nos seguintes processos administrativos:
Processo ANS n.º Nome da Operadora Relator Tipo de Infração Valor da Multa (R$)33902.205441/2002-61 ESMALE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE
SAÚDE LTDADIPRO Realização de operação financeira contrária à Lei (art. 9º, inciso I da RDC
24/2000). Procedência parcial do AI 11087. – Art. 22 c/c art. 12 da lei 9656/9894.105,68 (noventa e quatro
mil, cento e cinco reais e
sessenta e oito centavos)
Os autos do processo em epígrafe encontram-se à disposição dos interessados na sede da ANS.
ANDRÉ LONGO ARAÚJO DE MELO
Diretor-Presidente
DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO
NÚCLEO EM SÃO PAULO
DECISÃO DE 23 DE JANEIRO DE 2014
O(A) Especialista em Regulação – NUCLEO DA ANS SAO PAULO, no uso das atribuições que lhe foram delegadas através da Portaria nº RN 331 pelo Diretor de Fiscalização da Agência Nacional de Saúde
Suplementar – ANS, e tendo em vista o disposto no inciso V do artigo II-A da RN 219/2010, e no parágrafo único do art. 22, no art.15, inc. V c/c art. 25, todos da RN nº 48, de 19/09/2003, alterada pela RN nº 155,
de 5/6/2007, vem por meio deste dar ciência às Operadoras, relacionadas no anexo, da decisão proferida em processos administrativos.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201426ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Número do Processo na
ANSNome da Operadora Número do Regis-
tro Provisório
ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
25789.076310/2009-52 AMICO SAÚDE LTDA 306622. 51.722.957/0001-82 Art. 8º Lei 9656/98 c/c art. 13, Anexo II, item 6, RN
85.Auto de infração nº 49.177 anulado por
improcedência. Arquivamento.
RÚBIA PINHEIRO DA ROSA SHIMIZU
Chefe
DECISÃO DE 31 DE JANEIRO DE 2014
O(A) Especialista em Regulação – NUCLEO DA ANS SAO PAULO, no uso das atribuições que lhe foram delegadas através da Portaria nº RN 331 pelo Diretor de Fiscalização da Agência Nacional de Saúde
Suplementar – ANS, e tendo em vista o disposto no inciso V do artigo II-A da RN 219/2010, e no parágrafo único do art. 22, no art.15, inc. V c/c art. 25, todos da RN nº 48, de 19/09/2003, alterada pela RN nº 155,
de 5/6/2007, vem por meio deste dar ciência às Operadoras, relacionadas no anexo, da decisão proferida em processos administrativos.
Número do Processo na
ANSNome da Operadora Número do Regis-
tro Provisório
ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
2 5 7 8 9 . 0 5 9 9 8 4 / 2 0 11 – 1 5 BRADESCO SAÚDE S/A 0 0 5 7 11 . 9 2 . 6 9 3 . 11 8 / 0 0 0 1 – 6 0 Art. 25, Lei 9656/98. Não reembolsar despesas de pos-
tectomia realizada em 24/08/10 por benef. E.C.N.60000 (SESSENTA MIL REAIS)
25789.017970/2012-05 UNIHOSP SAÚDE S.A. 385255. 01.445.199/0001-24 Artigo 11, par. único; art. 12, II, “a”, Lei 9656/98 c/c
art. 16, §3º RN162. Deixar garantir tratamento cirúr-
gico bilateral para varizes em 12/07/11, à beneficiária
M.P.S.O., sob a alegação de dlp sem seguir rito legal.48000 (QUARENTA E OITO MIL
REAIS)
25789.003532/2012-51 UNIMED DO ABC – COOPE-
RATIVA DE TRABALHO
MÉDICO345270. 44.183.390/0001-58 Artigo 12, I, “b”, Lei 9656/98. Deixar de garantir 24
sessões de fonoaudiologia para benef. M.F.R.C.48000 (QUARENTA E OITO MIL
REAIS)
25789.060577/2010-61 SAÚDE MEDICOL S/A. 309231. 02.926.892/0001-81 Art. 11, § único; art. 12, II, “a”, Lei 9656/98 c/c art. 16,
§3º RN162. Deixar de garantir colecistectomia em
05/10 à benef. S.R.F., sob alegação de dlp sem seguir
rito legal.52800 (CINQUENTA E DOIS MIL,
OITOCENTOS REAIS)
2 5 7 8 9 . 0 1 4 11 3 / 2 0 1 2 – 4 5 SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA
MÉDICA AO SERVIDOR PÚ-
BLICO S/C LTDA-EM LIQUI-
DAÇÃO EXTRAJUDICIAL357685. 62.574.884/0001-45 Art. 12, I, “b” e art. 12, II, “a” , ambos Lei 9656/98. Auto de infração nº 48.263 anulado por
improcedência. Arquivamento.
2 5 7 8 9 . 0 6 5 1 5 7 / 2 0 11 – 5 2 AMIL ASSISTÊNCIA MÉDI-
CA INTERNACIONAL S.A.326305. 29.309.127/0001-79 Art. 12, I, “a”, Lei 9656/98. Deixar de garantir co-
bertura consulta com cardiologista em 28/04/11 para
benef. E.S.S.88000 (OITENTA E OITO MIL
REAIS)
RÚBIA PINHEIRO DA ROSA SHIMIZU
Chefe
DECISÃO DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014
O(A) Especialista em Regulação – NUCLEO DA ANS SAO PAULO, no uso das atribuições que lhe foram delegadas através da Portaria nº RN 331 pelo Diretor de Fiscalização da Agência Nacional de Saúde
Suplementar – ANS, e tendo em vista o disposto no inciso V do artigo II-A da RN 219/2010, e no parágrafo único do art. 22, no art.15, inc. V c/c art. 25, todos da RN nº 48, de 19/09/2003, alterada pela RN nº 155,
de 5/6/2007, vem por meio deste dar ciência às Operadoras, relacionadas no anexo, da decisão proferida em processos administrativos.
Número do Processo
na ANSNome da Operadora Número do
Registro Pro-
visório ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
25789.071538/2012-51 UNIMED PAULISTANA SOCIE-
DADE COOPERATIVA DE TRA-
BALHO MÉDICO301337. 43.202.472/0001-30 Art, 12, I, “a”, Lei 9656/98. Auto de infração nº 34.489 anu-
lado por improcedência. Arquiva-
mento.
25789.019077/2012-14 UNIMED PAULISTANA SOCIE-
DADE COOPERATIVA DE TRA-
BALHO MÉDICO301337. 43.202.472/0001-30 Art. 12, I, “b”, Lei 9656/98. Auto de infração nº 48.463 anu-
lado por improcedência. Arquiva-
mento.
RÚBIA PINHEIRO DA ROSA SHIMIZU
Chefe
DECISÃO DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014
O(A) Especialista em Regulação – NUCLEO DA ANS SAO PAULO, no uso das atribuições que lhe foram delegadas através da Portaria nº RN 331 pelo Diretor de Fiscalização da Agência Nacional de Saúde
Suplementar – ANS, e tendo em vista o disposto no inciso V do artigo II-A da RN 219/2010, e no parágrafo único do art. 22, no art.15, inc. V c/c art. 25, todos da RN nº 48, de 19/09/2003, alterada pela RN nº 155,
de 5/6/2007, vem por meio deste dar ciência às Operadoras, relacionadas no anexo, da decisão proferida em processos administrativos.
Número do Processo
na ANSNome da Operadora Número do
Registro Pro-
visório ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
25789.065326/2013-16 AMICO SAÚDE LTDA 306622. 51.722.957/0001-82 Art. 12, I, “a”, Lei 9656/98. Deixar de garantir consulta na es-
pecialidade de cardiologista para benef. M.S.T.88000 (OITENTA E OITO MIL
REAIS)
RÚBIA PINHEIRO DA ROSA SHIMIZU
Chefe
DECISÃO DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O(A) Especialista em Regulação – NUCLEO DA ANS SAO PAULO, no uso das atribuições que lhe foram delegadas através da Portaria nº RN 331 pelo Diretor de Fiscalização da Agência Nacional de Saúde
Suplementar – ANS, e tendo em vista o disposto no inciso V do artigo II-A da RN 219/2010, e no parágrafo único do art. 22, no art.15, inc. V c/c art. 25, todos da RN nº 48, de 19/09/2003, alterada pela RN nº 155,
de 5/6/2007, vem por meio deste dar ciência às Operadoras, relacionadas no anexo, da decisão proferida em processos administrativos.
Número do Processo
na ANSNome da Operadora Número do
Registro Pro-
visório ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
2 5 7 8 9 . 0 7 8 7 9 5 / 2 0 11 – 3 3 AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA
INTERNACIONAL S.A.326305. 29.309.127/0001-79 Art. 12, I, “b”, Lei 9656/98. Deixar de garantir reembolso para
ultrassonografias realizadas em 15/3/11 e 21/3/11 à benef. R.P.A.88000 (OITENTA E OITO MIL
REAIS)
2 5 7 8 9 . 0 3 3 4 0 2 / 2 0 11 – 6 2 PRÓ-SAÚDE PLANOS DE SAÚ-
DE LTDA. – EM LIQUIDAÇÃO
EXTRAJUDICIAL379697. 0 2 . 9 2 9 . 11 0 / 0 0 0 1 – 6 8 Art. 12, I, “b”, Lei 9656/98. Deixar de garantir mamografia e
densitometria óssea para benef. M.C.R. em 04/11.16000 (DEZESSEIS MIL
REAIS)
RÚBIA PINHEIRO DA ROSA SHIMIZU
Chefe
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201427ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
GERÊNCIA-GERAL DE FISCALIZAÇÃO
GERÊNCIA DE OPERAÇÕES DE FISCALIZAÇÃO REGULATÓRIA
DECISÃO DE 7 DE FEVEREIRO DE 2014
A Gerente de Operações de Fiscalização Regulatória, no uso das atribuições delegadas pela Portaria da Diretoria de Fiscalização nº 122, de 02/05/2012, publicada no DOU de 03/05/2012, seção 2, fl 85 c/c
Portaria da ANS nº 5.016 de 15/05/2012 c/c Portaria da ANS nº 5.058 de 25 de maio de 2012, e tendo em vista o disposto nos artigos 53, V, 54 e 85, III c/c § 3º, da Resolução Normativa nº 197/2009, alterada pela
RN nº 293, de 11/4/2012 e no artigo 13 da Resolução Normativa nº 48/2003, dá ciência e intima às operadoras de planos de saúde, relacionadas a seguir, das decisões proferidas em processos administrativos:
Número do Processo na
ANSNome da Operadora Número do Regis-
tro Provisório
ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
33902.215483/2009-87 PROTEÇÃO MÉDICA S/S LT-
DA370258 00.803.125/0001-50 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.220197/2008-52 MAYER SISTEMAS DE SAÚ-
DE LTDA-EM LIQUIDAÇÃO
EXTRAJUDICIAL412244 03.749.638/0001-18 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.215244/2008-46 PLANAMED ASSESSORIA E
SERVICOS LTDA.400408 90.935.875/0001-78 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151598/2007-74 SANTA BARBARA ASSIS-
TENCIA MÉDICA INTEGRA-
DA LTDA312151 0 1 . 8 4 5 . 11 7 / 0 0 0 1 – 3 9 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.036439/2010-46 MASSA FALIDA DE SANTA
CRUZ SAÚDE LTDA.404951 02.312.661/0001-88 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.212850/2008-18 MAM MONTREAL ASSIS-
TÊNCIA MÉDICA S/C LTDA
– EM LIQUIDAÇÃO EXTRA-
JUDICIAL341550 56.336.183/0001-75 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.220802/2008-95 PLANO DE SAÚDE VIP LT-
DA.416045 0 5 . 2 7 4 . 11 8 / 0 0 0 1 – 2 1 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 3 9 8 5 9 4 / 2 0 11 – 3 4 CSN – ASSIST. E
P R E S T. S E RV. O D O N T O L Ó G I –
COS LTDA401587 02.431.645/0001-04 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 5 0 0 1 2 0 / 2 0 11 – 6 9 MAYER SISTEMAS DE SAÚ-
DE LTDA-EM LIQUIDAÇÃO
EXTRAJUDICIAL412244 03.749.638/0001-18 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 4 9 4 4 4 4 / 2 0 11 – 5 1 UNIODONTO LESTE PAU-
LISTA COOP. ODONTOLO-
GICA410331 03.345.621/0001-03 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.220570/2008-75 PLANO DE ASSISTENCIA A
SAUDE NOSSA SENHORA
DA PENHA S/C LTDA414069 04.439.104/0001-58 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.220742/2008-19 R R ODONTO ASSISTÊNCIA
ODONTOLOGICA LTDA415120 06.281.795/0001-30 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.046377/2010-81 OASE – ORDEM AUXILIA-
DORA DE SENHORAS
EVANGÉLICAS DE MONTE-
NEGRO343587 91.365.718/0001-37 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 3 9 7 2 11 / 2 0 11 – 1 9 PRO ODONTO ASSISTEN-
CIA DENTARIA S/S LTDA.334057 56.468.887/0001-00 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
PATRÍCIA SOARES DE MORAES
Substituta
DECISÃO DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
A Gerente de Operações de Fiscalização Regulatória, no uso das atribuições delegadas pela Portaria da Diretoria de Fiscalização nº 122, de 02/05/2012, publicada no DOU de 03/05/2012, seção 2, fl 85 c/c
Portaria da ANS nº 5.016 de 15/05/2012 c/c Portaria da ANS nº 5.058 de 25 de maio de 2012, e tendo em vista o disposto nos artigos 53, V, 54 e 85, III c/c § 3º, da Resolução Normativa nº 197/2009, alterada pela
RN nº 293, de 11/4/2012 e no artigo 13 da Resolução Normativa nº 48/2003, dá ciência e intima às operadoras de planos de saúde, relacionadas a seguir, das decisões proferidas em processos administrativos:
Número do Processo na
ANSNome da Operadora Número do Regis-
tro Provisório
ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
33902.154849/2007-72 ODONTO BONNO LTDA. 409642 00.627.021/0001-31 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201428ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
33902.152884/2007-57 FALÊNCIA DE – CLÍNICA
DE ESPECIALIDADES MÉ-
DICAS NOVA SAÚDE LT-
DA.4 11 4 1 8 03.534.917/0001-64 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151587/2007-94 DENTAL ASSISTÊNCIA
ODONTOLOGICA INTE-
GRAL S/C LTDA.308129 53.689.154/0001-07 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.036660/2010-02 UNIMED CENTRO- RS – SOC
COOP DE SERVIÇOS MÉDI-
COS LTDA355356 87.535.555/0001-16 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.215464/2009-51 UNIMED REGIONAL DE
ARACATI- COOPERATIVA
DE TRABALHO MÉDICO L322717 41.314.246/0001-15 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151635/2007-44 UNIVERSAL ASSIS.MED
ODONT LTDA353469 02.619.408/0001-71 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.153084/2007-53 SISTEMA ODONTOLOGICO
INTEGRADO LTDA.403873 73.732.380/0001-22 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151576/2007-12 EMBRAER EMPRESA BRA-
SILEIRA DE AERONAUTICA
SA303569 60.208.493/0001-81 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.152737/2007-87 CLINIODONTO COOPERATI-
VA ODONTOLOGICA VALE
DO PARAIBA414603 03.455.032/0001-70 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.154873/2007-10 CLINICA MÉDICO CIRUR-
GICA SANTA MARGARIDA
LT D A407844 33.401.076/0001-88 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151619/2007-51 CDE – CENTRO DE DIAG-
NOSTICO ESPECIALIZADO
LTDA. – EM LIQUIDAÇÃO
EXTRAJUDICIAL350095 86.422.342/0001-15 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.202401/2009-34 ODONTO TIME ASSISTÊN-
CIA ODONTOLÓGICA LT-
DA414841 86.693.215/0001-50 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.153060/2007-02 GOTI GRUPO ODONTOLO-
GICO DE TRATAMENTO IN-
TEGRADO LTDA402494 01.707.505/0001-53 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.224102/2008-70 CENTRAL SISTEMA DE
SAUDE S/C LTDA327450 02.166.279/0001-03 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.154770/2007-41 FALÊNCIA DE SAUDE PLUS
ASSISTENCIA MEDICA LT-
DA412368 04.010.572/0001-02 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.203029/2009-83 EMPRESA BRASILEIRA DE
PLANEJAMENTO DE
TRANSPORTES – GEIPOT325457 00.366.914/0001-70 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 1 2 6 4 5 0 / 2 0 11 – 8 8 SISTEMA DE SAUDE PRO-
CLIN LTDA3 11 6 7 7 78.732.542/0001-46 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.542348/2013-98 OPEN SAÚDE LTDA – EM
LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDI-
CIAL376604 00.643.479/0001-84 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 4 0 0 5 5 2 / 2 0 11 – 7 1 TOLEDO & LINS LTDA 407542 03.344.475/0001-93 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 4 0 2 9 1 0 / 2 0 11 – 8 0 ODONTO TIME ASSISTÊN-
CIA ODONTOLÓGICA LT-
DA414841 86.693.215/0001-50 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 7 6 3 7 6 0 / 2 0 11 – 8 8 IRMANDADE DA
SANTA CASA DE MIESERI-
CORDIA DE IGARAPAVA330957 49.376.858/0001-44 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201429ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
33902.154915/2007-12 UNIMED SENHOR DO BON-
FIM – COOPERATIVA DE
TRABALHO MÉDICO-EM
LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDI-
CIAL407330 16.404.675/0001-36 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.154841/2007-14 FALÊNCIA DE – PLANOS DE
ASSISTÊNCIA MÉDICA E
ODONTOLÓGICA MAIS
SAÚDE LTDA.4 11 2 9 9 03.715.340/0001-97 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 1 5 2 8 8 3 / 2 0 0 7 – 11 UNIAO ASSISTENCIA ME-
DICA LTDA – EM LIQUIDA-
ÇÃO EXTRAJUDICIAL4 11 3 0 2 02.780.563/0001-75 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.154838/2007-92 SOCIEDADE BENEFICENTE
DE PAROBÉ412139 88.373.121/0001-20 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.154870/2007-78 COP-COMPANHIA ODON-
TOLOGICA PAULISTA S/C
LT D A408379 01.070.065/0001-76 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
PATRÍCIA SOARES DE MORAES
Substituta
DECISÃO DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014
A Gerente de Operações de Fiscalização Regulatória, no uso das atribuições delegadas pela Portaria da Diretoria de Fiscalização nº 122, de 02/05/2012, publicada no DOU de 03/05/2012, seção 2, fl 85 c/c
Portaria da ANS nº 5.016 de 15/05/2012 c/c Portaria da ANS nº 5.058 de 25 de maio de 2012, e tendo em vista o disposto nos artigos 53, V, 54 e 85, III c/c § 3º, da Resolução Normativa nº 197/2009, alterada pela
RN nº 293, de 11/4/2012 e no artigo 13 da Resolução Normativa nº 48/2003, dá ciência e intima às operadoras de planos de saúde, relacionadas a seguir, das decisões proferidas em processos administrativos:
Número do Processo na
ANSNome da Operadora Número do Regis-
tro Provisório
ANSNúmero do CNPJ Tipo de Infração (artigos infringidos pela Operadora) Valor da Multa (R$)
33902.154917/2007-01 TOLEDO & LINS LTDA 407542 03.344.475/0001-93 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.215404/2009-38 PROCLIN ASSISTÊNCIA
O D O N TO L Ó G I C A353019 01.856.379/0001-07 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.152959/2007-08 ORAL HEALTH SISTEMA
INTEGRADO DE ASSISTÊN-
CIA ODONTOLÓGICA LT-
DA300951 56.463.441/0001-84 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 . 4 9 2 3 7 3 / 2 0 11 – 5 1 UNIMED SENHOR DO BON-
FIM – COOPERATIVA DE
TRABALHO MÉDICO-EM
LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDI-
CIAL407330 16.404.675/0001-36 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.317351/2010-22 ITALICA SAÚDE LTDA – EM
LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDI-
CIAL320889 01.560.138/0001-08 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
3 3 9 0 2 4 9 2 3 9 3 / 2 0 11 – 2 2 POLICLINICA AMBULATO-
RIAL DE MIGUEL COUTO
LT D A407992 03.200.784/0001-90 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.220621/2008-69 CLINIODONTO COOPERATI-
VA ODONTOLOGICA VALE
DO PARAIBA414603 03.455.032/0001-70 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.037576/2010-06 LIRA E VALADARES CLÍNI-
CA E OPERADORA DE PLA-
NOS DE SAÚDE LTDA.408662 02.130.544/0001-01 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.179390/2009-81 CODEVAN CONVÊNIO
ODONTOLÓGICO EVANGÉ-
LICO LTDA.416134 96.490.933/0001-83 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151588/2007-39 CENTRO BENEFICENTE
DOS MOTORISTAS DE SÃO
PAULO-EM LIQUIDAÇÃO
EXTRAJUDICIAL308081 62.440.185/0001-02 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151627/2007-06 ORAL SAÚDE ADMINIS-
TRAÇÃO DE CONVÊNIOS
S/C LTDA340073 02.562.675/0001-50 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.154772/2007-31 ODONTO – TAL SERVIÇOS
ODONTOLÓGICOS S/C LT-
DA384739 01.750.026/0001-10 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.153328/2007-06 ODONTO-SERT SER-
VIÇOS ODONTOLÓGICOS
S/S LTDA.316971 74.495.177/0001-42 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201430ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
33902.153374/2007-05 INSTITUTO DE PESQUISAS
TECNOLÓGICAS DO ESTA-
DO DE SAO PAULO SA.325368 60.633.674/0001-55 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151610/2007-41 CANP SAUDE S/S LTDA –
EM LIQUIDAÇÃO EXTRA-
JUDICIAL344877 02.908.125/0001-40 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.155255/2007-89 MASSA FALIDA DE ATLAN-
TA OPERADORA DE PLA-
NOS DE SAUDE LTDA.405302 03.216.320/0001-71 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151581/2007-17 TAVARES BASTOS
SERVIÇOS DE SAÚDE LT-
DA330141 01.654.641/0001-22 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.221043/2008-88 CMC CLINICA MEDICA CA-
TARATAS LTDA407887 01.418.453/0001-03 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.066900/2009-51 TOLEDO & LINS LTDA 407542 03.344.475/0001-93 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
33902.151642/2007-46 CLINICA ODONTOLOGICA
PEDRO TELES LTDA334766 41.457.235/0001-94 Proc. Adm. sancionador. Representação. Cancelamento
da autorização de funcionamento ou do reg. provisório
da OPS. Pendência de decisão de 1ª instância. Pela
anulação do AI e pelo arq. dos autos com fundamento
no art. 26-D, § 3º, RN 85/04, introduzido pela RN
315/12.A R Q U I VA M E N T O
PATRÍCIA SOARES DE MORAES
Substituta
RESOLUÇÃO – RE N
o-593, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sa-
nitária, no uso das atribuições que lhe conferem o Decreto de re-
condução de 11 de outubro de 2011, da Presidenta da República,
publicado no DOU de 13 de outubro de 2011 e o inciso X do art. 13
do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16
de abril de 1999, tendo em vista o disposto no inciso VIII do art. 16
e no inciso I, § 1º do art. 55 do Regimento Interno da ANVISA,
aprovado nos termos do Anexo I da Portaria n.º 354, de 11 de agosto
de 2006, republicada no DOU de 21 de agosto de 2006,
considerando o art. 53 da Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de
1999;
considerando a informação da CSL Behring Comércio de
Produtos Farmacêuticos Ltda., de que somente algumas unidades dos
produtos objetos da Resolução-RE nº. 5.034, de 27 de dezembro de
2013, foram afetadas com o desvio de temperatura;
considerando que o rastreamento das unidades dos lotes que
foram objeto de desvio de temperatura foi realizado, e os clientes que
adquiriram os lotes foram identificados e notificados;
considerando, ainda, o risco de desabastecimento dos pro-
dutos, resolve:
Art. 1º. Revogar a Resolução-RE nº. 5.034 de 27 de de-
zembro de 2013, publicada no D.O.U. de 30 de dezembro de 2013,
que deu publicidade ao recolhimento voluntário, realizado na forma
da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 55/2005 dos me-
dicamentos BERIGLOBINA 320mg (lote 26740311A), TETANO-
GAMMA 250UI/ml (lote 31345811A) e BERIPLAST P 3ml (lote
604A67A), fabricados pela empresa CSL Behring Comércio de Pro-
dutos Farmacêuticos Ltda. (CNPJ: 62.969.589/0001-98), localizada na
Rua Olimpíadas, n° 194 – 5º andar – Vila Olímpia, São Paulo/SP.
Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANORESOLUÇÃO – RE No-594, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sa-
nitária, no uso das atribuições que lhe conferem o Decreto de re-
condução de 11 de outubro de 2011 da Presidente da República,
publicado no DOU de 13 de outubro de 2011 e o inciso X do art. 13
do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16
de abril de 1999, tendo em vista o disposto no inciso VIII do art. 16
e no inciso I, § 1º do art. 55 do Regimento Interno da ANVISA,
aprovado nos termos do Anexo I da Portaria n.º 354, de 11 de agosto
de 2006, republicada no DOU de 21 de agosto de 2006,
considerando o art. 7º da Lei nº 6.360, de 23 de setembro de
1976;
considerando o comunicado do Laboratório Teuto Brasileiro
S/A, detentor do registro do medicamento genérico Amitriptilina 25
mg, de que foram encontradas unidades do lote 2444408 embaladas
erroneamente com cartonagens de Metformina 850 mg comprimidos,
resolve:
Art. 1º. Determinar, como medida de interesse sanitário, a
suspensão, em todo o território nacional, da distribuição, comércio e
uso, do lote 2444408 do medicamento Amitriptilina 25 mg com-
primidos, com validade até 08/2015, produzido pela empresa La-
boratório Teuto Brasileiro S/A (CNPJ: 17.159.229/0001-76), loca-
lizada em VP 7 – D Módulo 11 – Quadra 13, DAIA, Anápolis –
GO.
Art. 2º Determinar à empresa o cumprimento de todos os
requisitos relativos ao recolhimento descritos na Resolução-RDC nº
55/2005.
Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANOGERÊNCIA-GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS,
FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS
DESPACHOS DO GERENTE-GERAL
Em 19 de fevereiro de 2014
N
o-46 – A Gerente-Geral substituta de Portos, Aeroportos, Fronteiras
e Recintos Alfandegados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária
– ANVISA, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo art. 42,
XII, da Portaria nº 354, de 11 de agosto de 2006, alterada pela
Portaria nº 783, de 13 de julho de 2009, vem tornar pública as
decisões administrativa(s) referente(s) ao(s) processo(s) abaixo re-
lacionado(s), ao qual reconhece a prescrição da ação punitiva ou
intercorrente e determina o arquivamento consoante a Lei nº 9.873, de
23 de novembro de 1999:
AUTUADO: CTC COMÉRCIO IMPORTAÇÃO EXPORTA-
ÇÃO LTDA
25767.599699/2013-80 – AIS:0858120/13-7 – GGPAF/AN-
VISA
JULIANA DE MELOS COUTO DE ALMEIDA
Substituta
N
o-47 – A Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Re-
cintos Alfandegados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária –
ANVISA, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo art. 42,
XII, da Portaria n. 354, de 11 de agosto de 2006, alterada pela
Portaria n. 783, de 13 de julho de 2009, vem tornar públicas as
decisões administrativas referentes aos processos administrativos sa-
nitários abaixo relacionados:
AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
RESOLUÇÃO – RE N° 592, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto de recondução de 11 de outubro de 2011, da Presidenta da República, publicado no DOU
de 13 de outubro de 2011, tendo em vista o disposto no art. 13-D e no inciso VIII do art. 16 da Portaria nº 354, de 11 de agosto de 2006, republicada no DOU de 21 de agosto de 2006, e alterada pela Portaria n.
422, de 16 de março de 2012, e considerando o disposto no art. 23 da Resolução da Diretoria colegiada – RDC nº 90, de 27 de dezembro de 2007, republicada no DOU de 28 de março de 2008, e suas alterações,
resolve:
Art.1º Indeferir a petição de Registro de Produto Fumígeno – Dados Cadastrais, conforme relação anexa.
Art.2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANO
ANEXO
AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
CIA SULAMERICANA DE TABACOS S/A.
CNPJ: 01.301.517/0001-83
Marca Processo Expediente Assunto MotivaçãoW&S VERMELHO (cigarro com filtro) – em-
balagem maço25351.071374/2013-02 0101369/13-6 6001 – Registro de Produto Fumígeno –
Dados CadastraisNão atendimento ao Art. 22 e ao inciso I do
Art. 23 da Resolução RDC nº 90/2007.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201431ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
AUTUADO: ASSOCIATES OF CAPE COD INTERNATIO-
NAL-BRASIL LTDA.
25759.807132/2010-54 – AIS:926004/10-8 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 2.000,00 (
DOIS MIL REAIS )
AUTUADO: B W U SERVIÇOS MARITIMOS LTDA –
ME
25767.559946/2010-82 – AIS:738539/10-1 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 6.000,00 (
SEIS MIL REAIS )
AUTUADO: CLEAN OCEAN SERVIÇOS DE LIMPEZA –
ME
25767.689205/2011-35 – AIS:967801/11-8 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 6.000,00 (
SEIS MIL REAIS )
AUTUADO: GENERAL ELECTRIC DO BRASIL LTDA
25759.713051/2010-62 – AIS:123184/10-7 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 12.000,00
( DOZE MIL REAIS )
AUTUADO: IMACT IMPORTAÇÃO E COMÉRCIO LT-
DA.
25759.038956/2012-12 – AIS:0055439/12-1 – GGPAF/AN-
VISA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 24.000,00
( VINTE E QUATRO MIL REAIS )
AUTUADO: IMACT IMPORTAÇÃO E COMÉRCIO LT-
DA.
25759.102031/2012-71 – AIS:0146496/12-5 – GGPAF/AN-
VISA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 12.000,00
( DOZE MIL REAIS )
AUTUADO: KOBME IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO
LTDA – EPP
25767.324828/2011-19 – AIS:451760/11-1 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 4.000,00 (
QUATRO MIL REAIS )
AUTUADO: LAS – LATIM AMERICAN SOLUTIONS IM-
PORTACAO E EXPORTACAO LTDA.
25759.577013/2011-95 – AIS:809408/11-0 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE ADVERTÊNCIA
AUTUADO: LIMPADORA ORQUIDÁRIO LTDA
25767.732909/2011-35 – AIS:362534/11-6 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE ADVERTÊNCIA
AUTUADO: MARIMEX DESPACHOS TRANSPORTES E
SERVIÇOS LTDA
25767.472447/2012-91 – AIS:0679062/12-3 – GGPAF/AN-
VISA
PENALIDADE DE ADVERTÊNCIA
AUTUADO: NOBEL BIOCARE BRASIL LTDA
25759.060130/2009-31 – AIS:074402/09-6 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 6.000,00 (
SEIS MIL REAIS )
AUTUADO: NOBEL BIOCARE BRASIL LTDA
25759.060229/2009-76 – AIS:074527/09-8 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 6.000,00 (
SEIS MIL REAIS )
AUTUADO: NOBEL BIOCARE BRASIL LTDA
25759.056593/2009-71 – AIS:069928/09-4 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 6.000,00 (
SEIS MIL REAIS )
AUTUADO: PAREXEL INTERNATIONAL PESQUISAS
CLÍNICAS LTDA.
25759.008120/2012-56 – AIS:0011574/12-6 – GGPAF/AN-
VISA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 12.000,00
( DOZE MIL REAIS )
AUTUADO: RICHARDS DO BRASIL PRODUTOS CI-
RURGICOS LTDA
25759.197009/2012-55 – AIS:0284423/12-1 – GGPAF/AN-
VISA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 12.000,00
( DOZE MIL REAIS )
AUTUADO: TAKASHIMAYA COMERCIAL DE ALI-
MENTOS LTDA. – EPP
25767.163944/2012-16 – AIS:0235798/12-4 – GGPAF/AN-
VISA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 4.000,00 (
QUATRO MIL REAIS )
AUTUADO: TRANSOIL COMERCIAL E DESIDRATA-
CAO DE RESIDUOS LTDA
25767.725076/2010-43 – AIS:236777/10-7 – GGPAF/ANVI-
SA
PENALIDADE DE MULTA NO VALOR DE R$ 2.000,00 (
DOIS MIL REAIS
PAULO BIANCARDI COURYSECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE
PORTARIA Nº 114, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
Habilita número de leitos da Unidade de
Tratamento Intensivo de estabelecimento de
saúde.
A Secretária de Atenção à Saúde – Substituta, no uso de suas
atribuições,
Considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS, de 24 de junho de
2011, que institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) – a
Rede Cegonha;
Considerando a Portaria nº 930/GM/MS, de 10 de maio de
2012, que define os critérios de classificação e habilitação de leitos de
Unidade Neonatal; e
Considerando a avaliação técnica da Coordenação-Geral de
Atenção Hospitalar – DAHU/SAS/MS, resolve:
Art. 1º Fica habilitado o número de leitos da Unidade de
Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN) do hospital a seguir rela-
cionado:
H O S P I TA L Maternidade Balbina Mestrinho – Manaus/AMCNES 2019558Código 26.10Nº leitos Rede Cegonha/PAR
(novos)10
Nº Portaria PAR Cegonha Resolução CIB 104 de 03/10/2013.Total geral de leitos habilitados
ao SUS20
Art. 2º Fica excluído o número de leitos da Unidade de
Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN) do hospital a seguir rela-
cionado:
H O S P I TA L Maternidade Balbina Mestrinho – Manaus/AMCNES 2019558Código 26.02Total de leitos a ser excluído 10
Art. 3º As referidas unidades poderão ser submetidas à ava-
liação por técnicos da Secretaria de Atenção à Saúde/MS e, no caso
de descumprimento dos requisitos estabelecidos na Portaria nº
930/2012, terão suspensos os efeitos de seu cadastramento.
Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
CLEUSA RODRIGUES DA SILVEIRA BERNARDO
PORTARIA Nº 115, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
Habilita número de leitos de Unidade de
Cuidado Intermediário Neonatal Conven-
cional (UCINCo) de estabelecimento de
saúde.
A Secretária de Atenção à Saúde – Substituta, no uso de suas
atribuições,
Considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS, de 24 de junho de
2011, que institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) – a
Rede Cegonha;
Considerando a Portaria nº 930/GM/MS, de 10 de maio de
2012, que define os critérios de classificação e habilitação de leitos de
Unidade Neonatal; e
Considerando a avaliação técnica da Coordenação-Geral de
Atenção Hospitalar – DAHU/SAS/MS, resolve:
Art. 1º Fica habilitado o número de leitos da Unidade de
Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo) do hospital
a seguir relacionado:
H O S P I TA L Hospital Regional Adamastor Teixeira de Oliveira –
Prefeitura Municipal de Vilhena – Vilhena/RO
CNES 2798484Código 28.02Nº leitos Rede Cegonha/PAR
(novos)06
Nº Portaria PAR Cegonha Portaria GM/MS 1.142/2013 de 11/06/2013.Total geral de leitos habilitados
ao SUS06
Art. 2º As referidas unidades poderão ser submetidas à ava-
liação por técnicos da Secretaria de Atenção à Saúde/MS e, no caso
de descumprimento dos requisitos estabelecidos na Portaria nº
930/2012, terão suspensos os efeitos de seu cadastramento.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
CLEUSA RODRIGUES DA SILVEIRA BERNARDO
PORTARIA Nº 120, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Remaneja recurso do limite financeiro
mensal, destinado ao custeio da Nefrologia
no Estado de Alagoas – Bloco da Atenção
de Média e Alta Complexidade Ambula-
torial e Hospitalar.
A Secretária de Atenção à Saúde – Substituta, no uso de suas
atribuições;
Considerando a Portaria nº 3.053/GM/MS, de 11 de dezem-
bro de 2013, que estabelece recurso anual a ser adicionado ao limitefinanceiro destinado ao custeio da Nefrologia dos Estados, Distrito
Federal e dos Municípios; e
Considerando o Ofício nº 579, de 10 de fevereiro de 2013,
da Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas, resolve:
Art. 1º Fica remanejado o recurso mensal destinado ao cus-
teio da Nefrologia no Estado de Alagoas, conforme discriminado no
quadro a seguir:
IBGE Município Valor alterado mensal (R$)270030 Arapiraca (44.620,43)270430 Maceió (150.777,99)270630 Palmeira dos Índios (549,71)270860 São Miguel dos Campos 195.948,13
Art. 2º O remanejamento não acarretará impacto financeiro
para o Ministério da Saúde.
Art. 3º Os recursos orçamentários, objeto desta Portaria, cor-
rerão por conta do orçamento do Ministério da Saúde, devendo onerar
o Programa de Trabalho 10.302.2015.8585- Plano Orçamentário 0007
– Atenção à Saúde da População para Procedimentos de Média e Alta
Complexidade.
Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação, com efeitos financeiros a partir da competência janeiro de
2014.
CLEUSA RODRIGUES DA SILVEIRA BERNARDO
PORTARIA Nº 121, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Remaneja recurso do limite financeiro
mensal, destinado ao custeio da Nefrologia
no Estado de São Paulo – Bloco da Atenção
de Média e Alta Complexidade Ambula-
torial e Hospitalar.
A Secretária de Atenção à Saúde – Substituta, no uso de suas
atribuições,
Considerando a Portaria nº 3.053/GM/MS, de 11 de dezem-
bro de 2013, que estabelece recurso anual a ser adicionado ao limite
financeiro destinado ao custeio da Nefrologia dos Estados, Distrito
Federal e dos Municípios;
Considerando a Resolução nº 001, de 24 de janeiro de 2014,
da Comissão Intergestores Bipartite do Estado de São Paulo, que
aprova o remanejamento de recursos, resolve:
Art. 1º Fica remanejado o valor mensal de R$ 2.327,39 (dois
mil, trezentos e vinte e sete reais e trinta e nove centavos), da Gestão
Municipal de Mogi Mirim (IBGE 353080) para a Gestão Municipal
de São João da Boa Vista (IBGE 354910), destinado ao custeio da
Nefrologia.
Art. 2º O remanejamento não acarretará impacto financeiro
para o Ministério da Saúde.
Art. 3º Os recursos orçamentários, objeto desta Portaria, cor-
rerão por conta do orçamento do Ministério da Saúde, devendo onerar
o Programa de Trabalho 10.302.2015.8585- 0035 – Atenção à Saúde
da População para Procedimentos de Média e Alta Complexidade do
Estado de São Paulo.
Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data da sua pu-
blicação, com efeitos financeiros a partir da competência fevereiro de
2014.
CLEUSA RODRIGUES DA SILVEIRA BERNARDO
PORTARIA Nº 122, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Habilita o Laboratório de Análises Clínicas
e Toxicológicas (UFRGS) para realizar
exames de contagem de linfócitos.
A Secretária de Atenção à Saúde – Substituta, no uso de suas
atribuições,
Considerando a Portaria nº 1.015/GM/MS, de 27 de maio de
2004, que estabelece a qualificação dos estados, Municípios e Distrito
Federal para os laboratórios que realizam exames necessários para o
monitoramento de esquemas utilizados no tratamento da infecção pelo
H I V;
Considerando a Portaria nº 334/SAS/MS, de 8 de junho de
2007, que estabelece as normas de credenciamento/habilitação dos
laboratórios especializados para a contagem de linfócitos T
CD4+/CD8+ e quantificação do RNA do HIV-1, no âmbito do Sis-
tema Único de Saúde – SUS;
Considerando a Portaria nº 621/SAS/MS, de 17 de outubro
de 2008, que altera, na tabela de habilitações de serviços especia-
lizados do sistema de cadastro nacional de estabelecimentos de saúde
– SCNES, a denominação da habilitação de código 11.02 – laboratório
para CD4/CD8, carga viral para laboratório especializado em con-
tagem de linfócitos T CD4+/CD8+ e HIV-1 quantificação do RNA;
e
Considerando a análise técnica da Secretaria de Vigilância
em Saúde – Coordenação Nacional de DST e AIDS – Unidade de
Laboratório e a avaliação da Secretaria de Atenção à Saúde – De-
partamento de Atenção Especializada e Temática – Coordenação-Ge-
ral da Média e Alta Complexidade, resolve:
Art. 1º Fica habilitado o estabelecimento a seguir informado,
para realizar a contagem de linfócitos CD4+/CD8+, sob o código
1105 e quantificação de carga viral do HIV-1, sob código 1106:
INSTITUIÇÃO CNPJ CNESLaboratório de Análises Clínicas
e Toxicológicas – UFRGS92969856/0001-98 2693380
Art. 2º O custeio do impacto financeiro gerado por esta
habilitação deverá onerar o teto do Estado ou do Município de acordo
com o vínculo da unidade e modalidade da gestão.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
CLEUSA RODRIGUES DA SILVEIRA BERNARDO
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201432ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
SECRETARIA EXECUTIVA
DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO
PORTARIA Nº 25, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE
TRÂNSITO – DENATRAN, no uso das atribuições legais, e, con-
siderando o disposto nas Portarias nº 131, de 23 de dezembro de
2008, e Portaria nº 312, de 27 de abril de 2010, ambas do DE-
NATRAN, bem como o que consta do Processo Administrativo nº
80000.014149/2013-38, resolve:
Art. 1º Aplicar, nos termos dos itens 02, 05 e 11 do ANEXO
I da Portaria DENATRAN nº 312, de 27 de abril de 2010, as sanções
administrativas de suspensão de 30 (trinta) dias e cassação, à firma
individual ADMIR GARCIA DA SILVA – VISTORIAS VEICULAR
– ME, CNPJ – 04.673.821/0001-40, situada no Município de São José
do Rio Preto – SP, na Avenida México, 410 – Jardim América, CEP
15.055-340, para atuar como Empresa Credenciada em Vistoria de
Veículos – ECV no Município de São José do Rio Preto no Estado de
São Paulo.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação
MORVAM COTRIM DUARTE
PORTARIA Nº 26, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE
TRÂNSITO – DENATRAN, no uso das atribuições que lhe confere o
artigo 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que
instituiu o Código de Trânsito Brasileiro;
Considerando o disposto no artigo 105 do Código de Trân-
sito Brasileiro, e nas Resoluções nºs. 14/98 e 92/99, do CONTRAN,
bem como o que consta do processo nº 80000.001406/2014-52;
Considerando o teor da Portaria Inmetro/Dimel nº 0289, de
10 de dezembro de 2013, que aprovou o modelo FMD-1000, Marca
FUL MAR, de acordo com o Regulamento Técnico Metrológico apro-
vado pela Portaria Inmetro nº 201, de 02 de dezembro de 2004; e
Considerando o Relatório Técnico nº 001.255/2013, do Ins-
tituto Nacional de Tecnologia – INT, do Ministério da Ciência e
Tecnologia, processo INT nº 01240.001184/13, resolve:
Art. 1º Homologar o equipamento registrador instantâneo e
inalterável de velocidade e tempo, Cronotacógrafo Digital, Marca
FUL MAR, Modelo FMD-1000, com as seguintes especificações:
REQUERENTE: Telemetrik Ind. E Com. Atacadista de Pro-
dutos de Telemetria Ltda.
CNPJ: 14.747.667/0001-67
Endereço: Rua amaro Moraes Sarmento, s/n, L4, Q6,
CEP: 26.373-310 – Queimados – RJ
FABRICANTE: Telemetrik Ind. E Com. Atacadista de Pro-
dutos de Telemetria Ltda.
CNPJ: 14.747.667/0001-67
Endereço: Rua amaro Moraes Sarmento, s/n, L4, Q6,
CEP: 26.373-310 – Queimados – RJ
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MORVAM COTRIM DUARTE
PORTARIA Nº 27, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE
TRÂN SITO DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o
Art. 19, da Lei nº. 9.503, de 23 setembro de 1997, que institui o
Código de Trânsito Brasileiro – CTB,
Considerando o que dispõe o artigo 3º, inciso VII, alínea “d”,
da Portaria nº 1279, de 23.12.2010, do DENATRAN.
Considerando o que consta do processo nº
80000.040474/2013-56, resolve:
Art. 1º Credenciar, por 02 (dois) anos, a partir da publicação
desta Portaria, nos termos do Artigo 3º, inciso VII, alínea “e” da
Portaria nº 1279, de 23 de dezembro de 2010, do DENATRAN, a
pessoa jurídica SEARCH INFORMÁTICA LTDA, CNPJ nº
32.917.874/0001-02, situada no SHC Norte CL Quadra 108, Bloco A,
nº 68, salas 201 a 213, Asa Norte, Brasília-DF, CEP 70.744-510, para
atuar como empresa produtora/fornecedora de sistema informatizado
de Talonário eletrônico.
Art. 2º Homologar a certificação do sistema informatizado
(software) E.TALÃO do talão eletrônico submetido à auditoria do
Instituto OMNIS, credenciado pelo DENATRAN.
Art. 3º A alteração nos códigos da aplicação do sistema,
qualquer que seja a extensão da modificação, cancelará automati-
camente a certificação e, consequentemente, a sua homologação, sen-
do exigida nova homologação.
Art. 4º A credenciada ao fornecer/comercializar o sistema
informatizado do talão eletrônico deverá oficiar ao DENATRAN in-
formando o nome, CNPJ e endereço do órgão que utilizará o sis-
tema.
Art. 5º Esta portaria entra em vigor na data da sua pu-
blicação.
MORVAM COTRIM DUARTEPORTARIA Nº 28, DE 19 DE FEREVEIRO DE 2014
O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE
TRÂNSITO – DENATRAN, no uso das atribuições legais, e, con-
siderando o disposto na Resolução nº 232 de 30 de março de 2007, do
Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN, e na Portaria nº 27, de
24 de maio de 2007, do Departamento Nacional de Trânsito – DE-
NATRAN, bem como o que consta do Processo Administrativo nº
80000.043989/2011-46, resolve:
Art. 1º Revogar, devido ao cancelamento da acreditação, a
Portaria nº 891, de 1 de novembro de 2011, publicada no DOU, em
3 de novembro de 2011, seção 1, página 88, que concedeu a licença
de funcionamento a filial da pessoa jurídica INSPECAR LTDA,
CNPJ 01.183.238/0003-24, situada no Município de Ponta Grossa –
PR, na Avenida Visconde de Taunay, S/N, Barracão 24-80, Ronda,
CEP 84.052-000.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MORVAM COTRIM DUARTEParticiparam da deliberação o Presidente João Batista de
Rezende e os Conselheiros Jarbas José Valente, Marcelo Bechara de
Souza Hobaika, Rodrigo Zerbone Loureiro e Igor Vilas Boas de
Freitas.
JOÃO BATISTA DE REZENDE
Presidente do ConselhoSUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO
GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE SÃO PAULO
ATO Nº 1.458, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo n° 53000.056589/2005 – FUNDAÇÃO NOSSA SE-
NHORA DO CARMO – FUNSC – OM – JABOTICABAL/SP – 1210
KHz – Autoriza características técnicas.
EVERALDO GOMES FERREIRA
Gerente
ATO Nº 1.494, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo n° 53000.041766/2013 – RÁDIO CIDADE AM DE
VOTUPORANGA LTDA – FM – CARDOSO/SP – Canal 203 – Au-
toriza características técnicas.
EVERALDO GOMES FERREIRA
Gerente
SUPERINTENDÊNCIA DE OUTORGA E RECURSOS
À PRESTAÇÃO
ATO Nº 1.004, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo n.º 53500.012727/2006. Extingue, por cassação, a
autorização do Serviço de Comunicação Multimídia, de interesse co-
letivo, expedida à SUBWAY LINK PRODUCAO AUDIOVISUAL
LTDA, CNPJ n.º 07.677.962/0001-29, tendo em vista a perda de
condição indispensável à manutenção da autorização, com fulcro nos
arts. 133, I e 139, da Lei n.º 9.472, de 16 de julho de 1997.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.026, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo n° 535000028292012. Expede autorização de uso
da(s) radiofrequência(s), à HE NET TELECOMUNICAÇÕES LTDA-
EPP, CNPJ nº 07.146.090/0001-72, associada à Autorização para ex-
ploração do Serviço de Comunicação Multimídia, até 25 de Julho de
2028, sendo o uso das radiofrequências sem exclusividade, com-
partilhada no espaço e no tempo com outras autorizadas, sem direito
à proteção contra interferências prejudiciais, em caráter precário, re-
ferente(s) ao(s) radioenlace(s) ancilar(es).
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.028, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo no 53500.008624/2012. Expede autorização à VA-
LE S.A, CNPJ no 33.592.510/0164-09, para explorar o Serviço Es-
pecial Para Fins Científicos ou Experimentais, de interesse restrito,
sem caráter de exclusividade, pelo prazo de 2 (dois) anos, contados a
partir da data de publicação deste Ato, e tendo como área de pres-
tação do serviço os municípios de Itabira/MG e São Gonçalo do Rio
Abaixo/MG.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.204, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo nº 53500.023861/2013. Expede autorização à ADM
INTERNET LTDA – ME, CNPJ/MF nº 18.531.635/0001-80, para
explorar o Serviço de Comunicação Multimídia, por prazo indeter-
minado, sem caráter de exclusividade, em âmbito nacional e in-
ternacional e tendo como área de prestação de serviço todo o ter-
ritório nacional.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.219, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo no 53500.017417/2013. Expede autorização de uso
da(s) radiofrequência(s), à PRYMUS PROVEDOR DE ACESSO À
REDES DE TELECOM LTDA. ME, CNPJ no 07.185.229/0001-97,
associada à Autorização para exploração do Serviço de Comunicação
Multimídia, pelo prazo de quinze anos, sendo o uso das radiofre-
quências sem exclusividade, compartilhada no espaço e no tempo
com outras autorizadas, sem direito à proteção contra interferências
prejudiciais, referente(s) ao(s) radioenlace(s) ancilar(es), em caráter
precário, prorrogável uma única vez e de forma onerosa, por igual
período.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
Ministério das Cidades.
AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES
CONSELHO DIRETOR
ACÓRDÃOS DE 11 DE FEVEREIRO DE 2014
Nº 52/2014-CD – Processo nº 53500.016643/2009
Conselheiro Relator: Rodrigo Zerbone Loureiro. Fórum Deliberativo:
Reunião nº 730, de 6 de fevereiro de 2014. Recorrente/Interessado:
ASSOCIAÇÃO DOS MOTORISTAS AUTÔNOMOS DE TÁXI DA
GLÓRIA (CNPJ/MF nº 02.017.821/0001-66)
EMENTA: PROCESSO ADMINISTRATIVO. LICITAÇÃO
DE RADIOTÁXI NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE
JANEIRO. EDITAL Nº 005/2012/SPV-ANATEL. PEDIDO DE RE-
CONSIDERAÇÃO EM FACE DA DECISÃO QUE DESCLASSI-
FICOU A PROPONENTE. APRESENTAÇÃO TEMPESTIVA DE
DOCUMENTOS. HOMOLOGAÇÃO DE ADJUDICAÇÃO. 1. Pe-
dido de Reconsideração apresentado pela ASSOCIAÇÃO DOS MO-
TORISTAS AUTÔNOMOS DE TÁXI DA GLÓRIA. 2. Alegação de
que foi apresentada à Comissão Especial de Licitação a documen-
tação solicitada de forma tempestiva. 3. Contagem do prazo para
apresentação de documentos deve ter início a partir do dia útil sub-
sequente à notificação da Interessada. 4. Apresentação tempestiva de
documentação. 5. Conhecer e dar provimento ao Pedido de Recon-
sideração.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes au-
tos, acordam os membros do Conselho Diretor da Anatel, por una-
nimidade, nos termos da Análise nº 31/2014-GCRZ, de 31 de janeiro
de 2014, integrante deste acórdão, que o Pedido de Reconsideração
seja conhecido e, no mérito, provido, mantendo-se a classificação da
Recorrente no certame e homologando-se a adjudicação do canal 14,
portadora 169,33 MHz, à ASSOCIAÇÃO DOS MOTORISTAS AU-
TÔNOMOS DE TÁXI DA GLÓRIA, CNPJ/MF nº 02.017.821/0001-
66.
Participaram da deliberação o Presidente João Batista de
Rezende e os Conselheiros Jarbas José Valente, Marcelo Bechara de
Souza Hobaika, Rodrigo Zerbone Loureiro e Igor Vilas Boas de
Freitas.
Nº 59/2014-CD – Processo nº 53500.007743/2012
Conselheiro Relator: Jarbas José Valente. Fórum Delibera-
tivo: Reunião nº 730, de 6 de fevereiro de 2014. Recorrente/In-
teressado: ASSOCIAÇÃO DOS TAXISTAS DA LOMAS VALEN-
TINA (CNPJ/MF nº 08.934.327/0001-42)
EMENTA: PADO. SERVIÇO DE RADIOTÁXI PRIVADO.
NÃO RECOLHIMENTO DE TFF. PEDIDO DE RECONSIDERA-
ÇÃO. ADIMPLEMENTO DO DÉBITO DENTRO DO PRAZO RE-
CURSAL. PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO CONHECIDO E
PARCIALMENTE PROVIDO. 1. Em sede de Pedido de Recon-
sideração, a Prestadora pretende a anulação da sanção de caducidade
que lhe foi aplicada em virtude do não recolhimento da Taxa de
Fiscalização de Funcionamento (TFF), referente ao ano de 2011. 2.
Uma vez que a Prestadora comprovou o pagamento do débito dentro
do prazo recursal, entende-se ser razoável o afastamento da sanção de
caducidade e a aplicação de sanção de advertência. 3. Registrada a
necessidade de determinação à Superintendência de Administração e
Finanças (SAF) para que adote providências no sentido de efetuar a
cobrança dos valores devidos pelas demais entidades relacionadas no
Anexo I do Ato nº 1.581/2013, dado que a extinção de suas au-
torizações não as exime do cumprimento de suas obrigações tri-
butárias.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes au-
tos, acordam os membros do Conselho Diretor da Anatel, por una-
nimidade, nos termos da Análise nº 2/2014-GCJV, de 2 de janeiro de
2014, integrante deste acórdão, conhecer do Pedido de Reconside-
ração interposto pela ASSOCIAÇÃO DOS TAXISTAS DA LOMAS
VALENTINA para, no mérito, dar-lhe provimento parcial, reforman-
do-se o Ato nº 1.581/2013, de modo que seja afastada a sanção de
caducidade aplicada à referida Prestadora, impondo-lhe a sanção de
advertência.
Ministério das Comunicações.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201433ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
ATO Nº 1.220, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo no 53500.020813/2008. Expede autorização de uso
da(s) radiofrequência(s), à CONSULT INFORMATICA LTDA.,
CNPJ no 01.018.680/0001-33, associada à Autorização para explo-
ração do Serviço de Comunicação Multimídia, até 19 de Agosto de
2018, sendo o uso das radiofrequências sem exclusividade, com-
partilhada no espaço e no tempo com outras autorizadas, sem direito
à proteção contra interferências prejudiciais, em caráter precário, re-
ferente(s) ao(s) radioenlace(s) ancilar(es).
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.222, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo no 53500.011372/2011. Expede autorização de uso
da(s) radiofrequência(s), à ACESSE COMUNICAÇÃO LTDA., CNPJ
no 10.462.644/0001-55, associada à Autorização para exploração do
Serviço de Comunicação Multimídia, até 13 de Março de 2022, sendo
o uso das radiofrequências sem exclusividade, compartilhada no es-
paço e no tempo com outras autorizadas, sem direito à proteção
contra interferências prejudiciais, em caráter precário, referente(s)
ao(s) radioenlace(s) ancilar(es).
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.227, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo nº 53500.018187/2013. Expede autorização à P4
TELECOM LTDA ME, CNPJ/MF nº 10.703.677/0001-40, para ex-
plorar o Serviço de Comunicação Multimídia, por prazo indeter-
minado, sem caráter de exclusividade, em âmbito nacional e in-
ternacional e tendo como área de prestação de serviço todo o ter-
ritório nacional.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.229, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo nº 53500.020202/2013. Expede autorização à UNI-
VERSO ONLINE LTDA – ME, CNPJ/MF nº 17.559.372/0001-55,
para explorar o Serviço de Comunicação Multimídia, por prazo in-
RETIFICAÇÃO
No Despacho publicado em 19.02.2014, Seção 1, pág.78, no Anexo,
onde se lê:
DESPACHO DEAA Nº 06 DE
18/02/2014APL FUNDAÇÃO RÁDIO FM EDUCADORA ITAGUARY N.S. CONCEIÇÃO PA CACHOEIRA DO ARARI FM 29 53000.007856/2013
leia-se:
DESPACHO DEAA Nº 06 DE
18/02/2014APL FUNDAÇÃO RÁDIO FM EDUCADORA ITAGUARY N.S. CONCEIÇÃO PA CACHOEIRA DO ARARI FM 233E 5 3 0 0 0 . 0 5 0 1 8 0 / 2 0 11
DEPARTAMENTO DE ACOMPANHAMENTO
E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA
PORTARIAS DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 9º da Portaria nº
112, de 22 de abril de 2012, e tendo em vista o que consta nos processos abaixo, resolve:
Art. 1º Aplicar às Entidades abaixo relacionadas a penalidade de multa, em função de processos administrativos instaurados pela Anatel, nos termos do Convênio celebrado entre o Ministério das Comunicações
e Anatel em 08/08/2011.
Art. 2º Estas Portarias entram em vigor na data de suas publicações.
N° do Processo Entidade Serviço Município UF Sanção Valor (R$) Enquadramento Legal Portaria Embasamento da Portaria de
Multa
53504.009044/2013 Associação Movimento Comunitário
CanoasRADCOM Paraibuna SP Multa 1.028,10 Art. 40, XV, do Decreto nº
2.615/1998 e alínea “h” do item 12
do art. 28 do Decreto nº
52.795/1963Portaria DEAA n° 210, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
53504.020272/2012 Associação Cultural Comunitária de Pe-
dreiraRADCOM Pedreira SP Multa 1.142,33 Inciso XV do art. 40 do Decreto
nº 2.615/1998Portaria DEAA n° 211, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
53554.008010/2012 Associação Comunitária Lajista Inde-
pendente de RádioRADCOM Laje BA Multa 571,16 Inciso XV do art. 40 do Decreto
nº 2.615/1998Portaria DEAA n° 212, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
53516.005103/2012 Fundação Canal 20 FM Cascavel PR Multa 8.019,14 Art. 38, alínea “e”, e art. 71 da
Lei nº 4.117/1962Portaria DEAA n° 213, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
53560.001802/2012 Sociedade Beneficente Francisca Alves
AlmeidaRADCOM Acopiara CE Multa 1.142,33 Inciso XV do art. 40 do Decreto
nº 2.615/1998Portaria DEAA n° 214, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
53508.006066/2012 Rádio Petrópolis FM Ltda FM Petrópolis RJ Multa 3.448,16 Alínea “h” do item 12 do art. 28
do Decreto nº 52.795/1963Portaria DEAA n° 215, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 858/2008 Por-
taria MC n° 112/2013
53508.006054/2012 Televisão Verdes Mares Ltda OM Rio de Janeiro RJ Multa 2.873,46 Alínea “h” do item 12 do art. 28
do Decreto nº 52.795/1963Portaria DEAA n° 216, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 858/2008 Por-
taria MC n° 112/2013
5 3 5 0 8 . 0 11 3 2 7 / 2 0 1 2 Radiodifusão Verde Amarela Ltda OM Rio de Janeiro RJ Multa 9.595,56 Alínea “h” do item 12 do art. 28
do Decreto nº 52.795/1963Portaria DEAA n° 217, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
53545.000236/2013 Associação Cultural e Comunitária de
Amigos – ACCARADCOM Juína MT Multa 571,16 Inciso XV do art. 40 do Decreto
nº 2.615/1998Portaria DEAA n° 218, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
53572.000233/2013 Central de Comunicação de Amarante
do MaranhãoRADCOM Amarante do Mara-
nhãoMA Multa 913,86 Inciso XIX do art. 40 do Decreto
nº 2.615/1998Portaria DEAA n° 219, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 562/2011 Por-
taria MC n° 112/2013
determinado, sem caráter de exclusividade, em âmbito nacional e
internacional e tendo como área de prestação de serviço todo o
território nacional.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.235, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo nº 53500.007484/2013. Expede autorização à NET
SUL INFORMÁTICA E SERVIÇOS DE PROVEDOR LTDA – ME,
CNPJ/MF nº 08.092.905/0001-40, para explorar o Serviço de Co-
municação Multimídia, por prazo indeterminado, sem caráter de ex-
clusividade, em âmbito nacional e internacional e tendo como área de
prestação de serviço todo o território nacional.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.312, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo nº 535000132892013. Expede autorização à PO-
LICIA MILITAR DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ nº
04.198.514/0041-41, para explorar o Serviço Especial Para Fins Cien-
tíficos ou Experimentais, de interesse restrito, sem caráter de ex-
clusividade, pelo prazo de 2 anos, contado a partir da data de pu-
blicação deste Ato, e tendo como área de prestação do serviço o
Estado de São Paulo.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.481, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Autorizar GLOBO COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÕES
S/A, CNPJ nº 27.865.757/0001-02 a realizar operação temporária de
equipamentos de radiocomunicação, na(s) cidade(s) de Rio de Ja-
neiro/RJ, , no período de 18/02/2014 a 19/02/2014.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
SECRETARIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO
ELETRÔNICA
PORTARIA Nº 1.988, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012
O SECRETÁRIO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO
ELETRÔNICA, no uso das atribuições que lhe confere o Anexo IV,
Art. 71, inciso XXII, da Portaria nº 143, de 9 de março de 2012, e
observado o disposto no art. 7º do Decreto nº 5.820, de 29 de junho
de 2006, bem como o que consta no Processo nº 53000.021656/2011,
resolve:
Art. 1º Consignar à TELEVISÃO RIO FORMOSO LTDA,
autorizatária do Serviço de Retransmissão de Televisão, na localidade
de MINEIROS, estado de Goiás, o canal 34 (trinta e quatro), cor-
respondente à faixa de frequência de 590 a 596 MHz, para trans-
missão digital do mesmo serviço e na mesma localidade, no âmbito
do Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre.
Art. 2º A presente consignação reger-se-á pelas disposições
do Código Brasileiro de Telecomunicações, leis subsequentes e seus
regulamentos, bem como pelo Decreto nº 5.820, de 2006.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO ATO Nº 1.487, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Autorizar a(o) Embaixada do Reino Unido da Grã-Bretanha
e Irlanda do Norte a realizar operação temporária de equipamentos de
radiocomunicação, na(s) cidade(s) de Manaus/AM, São Paulo/SP e
Brasília/DF, no período de 17/02/2014 a 19/02/2014.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
ATO Nº 1.491, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo nº 53710.001483/00. FUNDAÇÃO EDUCATIVA E
CULTURAL EDILSON BRANDAO GUIMARAES – TV – Janaú-
ba/MG – Canal 13- E. Autoriza o Uso de Radiofreqüência.
MARCONI THOMAZ DE SOUZA MAYA
Superintendente
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201434ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
O DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 9º da Portaria nº
112, de 22 de abril de 2012, e tendo em vista o que consta no processo abaixo, resolve:
Art. 1º Aplicar à Entidade abaixo a penalidade de multa.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
N° do Processo Entidade Serviço Município UF Sanção Valor (R$) Enquadramento Legal Portaria Embasamento da Portaria de
Multa
53000.049837/2010 Rádio Universo Ltda OM São Bernardo do
CampoSP Multa 2.586,12 Alterar o valor da multa aplicada
por meio da Portaria DEAA nº 26,
de 15/1/13, publicada no DOU de
18/1/13Portaria DEAA n° 220, de
19/2/2014 DPortaria MC n° 112/2013
OCTAVIO PENNA PIERANTI
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 116,
DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Dispõe sobre a criação do Grupo de Tra-
balho Interministerial sobre a Agenda de
Desenvolvimento Pós-2015, sua composi-
ção e atribuições.
OS MINISTROS DE ESTADO DAS RELAÇÕES EXTE-
RIORES, DA FAZENDA, DO MEIO AMBIENTE, DO DESEN-
VOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME, E CHEFE DA
SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no
uso da atribuição que lhes confere o inciso II do parágrafo único do
art. 87 da Constituição, resolvem:
Art. 1º Fica criado o Grupo de Trabalho Interministerial
sobre a Agenda para o Desenvolvimento Pós-2015, com vistas a
articular os elementos orientadores da posição brasileira para as ne-
gociações intergovernamentais daquela Agenda, que ocorrerão no âm-
bito da Assembleia Geral das Nações Unidas.
Art. 2º Compete ao Grupo de Trabalho Interministerial pro-
mover a interlocução entre os órgãos e entidades federais, estaduais,
municipais e a sociedade civil com a finalidade de articular os ele-
mentos orientadores da posição brasileira nas negociações da Agenda
para o Desenvolvimento Pós-2015.
Art. 3º O Grupo de Trabalho Interministerial será presidido
pelos Ministros de Estado das Relações Exteriores e do Meio Am-
biente e integrado, ainda:
I – pelo titular de cada órgão indicado a seguir:
a) Ministério da Fazenda;
b) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fo-
me;
c) Secretaria-Geral da Presidência da República.
§ 1º Poderão ser convidados a contribuir com as atividades
do Grupo de Trabalho Interministerial, quando apropriado, repre-
sentantes de outros órgãos da Administração Pública, bem como dos
Poderes Legislativo e Judiciário.
§ 2º No caso de impedimento, os co-presidentes do Grupo de
Trabalho Interministerial e os membros indicados no inciso I poderão
ser representados por seus substitutos imediatos no órgão respec-
tivo.
Art. 4º O Grupo de Trabalho Interministerial contará com
uma Secretaria-Executiva, integrada por:
I – representante do Ministério das Relações Exteriores, que
a presidirá;
II – representante do Ministério da Fazenda, que coordenará
os temas econômicos;
III – representante do Ministério do Desenvolvimento Social
e Combate à Fome, que coordenará os temas sociais;
IV – representante do Ministério do Meio Ambiente, que
coordenará os temas ambientais; e
V – representante da Secretaria-Geral da Presidência da Re-
pública, que coordenará consultas ad hoc à sociedade civil.
§ 1º Os representantes previstos nos incisos I a V do caput e
seus suplentes serão indicados pelos titulares dos respectivos órgãos e
designados pelos co-presidentes do Grupo de Trabalho Interminis-
terial.
§ 2º A Secretaria-Executiva poderá convidar para suas reu-
niões representantes de órgãos federais, estaduais e municipais, de
entidades privadas, da sociedade civil, bem como especialistas.
§ 3º A participação de representantes de órgãos federais,
estaduais e municipais, de entidades privadas, da sociedade civil, e
especialistas nas reuniões do Grupo de Trabalho Interministerial será
custeada pelo órgão ou entidade de origem de cada membro.
§ 4º A participação no Grupo de Trabalho não enseja re-
muneração de qualquer espécie, considerada serviço público rele-
vante.
Art. 5º Os membros do Grupo de Trabalho Interministerial
responsáveis respectivamente pela coordenação dos temas econômi-
cos, sociais e ambientais deverão promover consultas com seus in-
terlocutores principais, em formato a seu critério;
§ 1º A Secretaria-Geral da Presidência da República com-
plementará as atividades previstas no caput por meio de consultas ad
hoc com a sociedade civil.
Art. 6º O Ministério das Relações Exteriores será respon-
sável por consolidar os resultados das atividades do Grupo de Tra-
balho Interministerial em documento orientador da participação do
Brasil nas negociações para a Agenda de Desenvolvimento Pós-
2015.
Ministério das Relações Exteriores.Art. 7º O Grupo de Trabalho Interministerial será extinto
concomitantemente com o término das negociações intergovernamen-
tais da Agenda de Desenvolvimento Pós-2015.
Art. 8º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
LUIZ ALBERTO FIGUEIREDO MACHADO
Ministro de Estado das Relações Exteriores
GUIDO MANTEGA
Ministro de Estado da Fazenda
IZABELLA TEIXEIRA
Ministra de Estado do Meio Ambiente
TEREZA CAMPELLO
Ministra de Estado do Desenvolvimento Social
e Combate à Fome
GILBERTO CARVALHO
Ministro de Estado Chefe da Secretaria-Geral
da Presidência da República
S E C R E TA R I A – G E R A L
DAS RELAÇÕES EXTERIORES
PORTARIA DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
O SECRETÁRIO-GERAL DAS RELAÇÕES EXTERIO-
RES, no uso de suas atribuições e de conformidade com a Portaria de
26 de março de 2003, do Senhor Ministro de Estado das Relações
Exteriores, resolve:
Art. 1º Criar o Consulado Honorário em Alanya, República
da Turquia, com jurisdição sobre as cidades de Manavgar, Side,
Gazipasa, Anamur e Bozyazi, subordinado à Embaixada em An-
cara.
Art. 2º Esta Portaria entrará em vigor na data de sua pu-
blicação.
EDUARDO DOS SANTOS
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA No-63, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no
uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos
II e IV, da Constituição, tendo em vista o disposto nos arts. 60 e 63,
do Decreto n
o5.163, de 30 de julho de 2004, nos termos do Edital do
Leilão no05/2013-ANEEL, e o que consta do Processo no
48500.003991/2013-09, resolve:
Art. 1oAutorizar a empresa Ventos de Santa Brígida V
Energias Renováveis S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o no
17.875.103/0001-06, com Sede na Rodovia Doutor Mendel Stein-
bruch, km 8, s/no, Sala 143, Distrito Industrial, Município de Ma-
racanaú, Estado do Ceará, a estabelecer-se como Produtor Indepen-
dente de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração da
Central Geradora Eólica denominada EOL Ventos de Santa Brigida V,
no Município de Paranatama, Estado de Pernambuco, com 29.700 kW
de capacidade instalada e 15.000 kW médios de garantia física de
energia, constituída de onze Unidades Geradoras de 2.700 kW, cujas
localizações são apresentadas no Anexo à presente Portaria.
Parágrafo único. A energia elétrica produzida pela autorizada
destina-se à comercialização na modalidade de Produção Indepen-
dente de Energia Elétrica, conforme estabelecido nos arts. 12, 15 e
16, da Lei n
o9.074, de 7 de julho de 1995.
Art. 2oDeverá a autorizada implantar, por sua exclusiva
responsabilidade e ônus, o Sistema de Transmissão de Interesse Res-
trito da EOL Ventos de Santa Brigida V, constituído de uma Su-
bestação Elevadora de 34,5/230 kV, junto à Usina, e uma Linha de
Transmissão em 230 kV, com cerca de quarenta e cinco quilômetros
de extensão, em Circuito Simples, interligando a Subestação Ele-
vadora à Subestação Garanhuns II, de propriedade da Interligação
Elétrica Garanhuns S.A., em consonância com as normas e regu-
lamentos aplicáveis.
Art. 3
oConstituem obrigações da autorizada:
I – cumprir o disposto na Resolução Normativa ANEEL no
389, de 15 de dezembro de 2009;
II – implantar a Central Geradora Eólica conforme Crono-
grama apresentado à Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL,
obedecendo aos marcos descritos a seguir:
a) obtenção da Licença de Instalação: até 1
ode outubro de
2014;
Ministério de Minas e Energia.b) início da Montagem do Canteiro de Obras: até 1
ode
novembro de 2014;
c) início das Obras Civis das Estruturas: até 15 de novembro
de 2014;
d) início das Obras do Sistema de Transmissão de Interesse
Restrito: até 1
ode dezembro de 2014;
e) início da Concretagem das Bases das Unidades Geradoras:
até 1
ode janeiro de 2015;
f) início da Montagem das Torres das Unidades Geradoras:
até 1
ode abril de 2015;
g) conclusão da Montagem das Torres das Unidades Ge-
radoras: até 15 de junho de 2015;
h) obtenção da Licença de Operação: até 1
ode julho de
2015;
i) início da Operação em Teste da 1
aà 4aUnidades Ge-
radoras: até 15 de julho de 2015;
j) início da Operação em Teste da 5
aà 7aUnidades Ge-
radoras: até 1ode agosto de 2015;
k) início da Operação em Teste da 8aà 11aUnidades Ge-
radoras: até 15 de agosto de 2015; e
l) início da Operação Comercial da 1
aà 11aUnidades Ge-
radoras: até 1ode setembro de 2015;
III – manter, nos termos do Edital do Leilão no05/2013-
ANEEL, a Garantia de Fiel Cumprimento das Obrigações assumidas
nesta Portaria, no valor de R$ 5.095.350,00 (cinco milhões, noventa e
cinco mil, trezentos e cinquenta reais), que vigorará até três meses
após o início da operação da última Unidade Geradora da EOL
Ventos de Santa Brigida V;
IV – submeter-se aos Procedimentos de Rede do Operador
Nacional do Sistema Elétrico – ONS;
V – aderir à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
– CCEE;
VI – firmar Contrato de Energia de Reserva – CER, nos
termos do Edital do Leilão n
o05/2013-ANEEL; e
VII – encaminhar à ANEEL, ao término da construção ou
quando solicitado, informações relativas aos custos com a implan-
tação do Empreendimento, na forma e periodicidade a serem de-
finidas em regulamento próprio.
Parágrafo único. Pelo descumprimento das obrigações de-
correntes da legislação de regência de produção e comercialização de
energia elétrica e do disposto nesta Portaria, a autorizada ficará su-
jeita às penalidades estabelecidas nas normas legais vigentes.
Art. 4
oEstabelecer em cinquenta por cento, nos termos do
art. 26, § 1o, da Lei no9.427, de 26 de dezembro de 1996, o
percentual de redução a ser aplicado às Tarifas de Uso dos Sistemas
Elétricos de Transmissão e de distribuição, para o transporte da ener-
gia elétrica gerada e comercializada pela EOL Ventos de Santa Bri-
gida V, enquanto a potência injetada nos Sistemas de Transmissão ou
Distribuição for menor ou igual a 30.000 kW, nos termos da le-
gislação e das regras de comercialização vigentes.
Art. 5
oA presente autorização vigorará pelo prazo de trinta e
cinco anos, contado a partir da publicação desta Portaria.
Parágrafo único. A revogação da autorização não acarretará
ao Poder Concedente, em nenhuma hipótese, qualquer responsabi-
lidade quanto a encargos, ônus, obrigações ou compromissos as-
sumidos pela autorizada com relação a terceiros, inclusive aquelas
relativas aos seus empregados.
Art. 6
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
EDISON LOBÃO
ANEXO
Coordenadas Planimétricas da Localização das Unidades Geradoras
da EOL Ventos de Santa Brigida V
Aerogerador Coordenadas UTME (m) N (m)1 747.551 9.017.7502 747.604 9.017.9343 747.932 9.018.1604 747.943 9.018.3495 747.962 9.018.5346 747.729 9.018.8287 747.769 9.019.0098 747.812 9.019.1889 747.923 9.019.37810 748.096 9.019.56011 748.267 9.019.746
Fuso/Datum: 24S/SIRGAS2000.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201435ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
PORTARIA No-64, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no
uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos
II e IV, da Constituição, tendo em vista o disposto nos arts. 60 e 63,
do Decreto n
o5.163, de 30 de julho de 2004, nos termos do Edital do
Leilão no06/2013-ANEEL, e o que consta do Processo no
48500.005655/2013-92, resolve:
Art. 1oAutorizar a empresa Canto do Buriti Bioeletricidade
S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o no14.780.903/0001-47, com Sede
na Rodovia PI-141, km 22, Fazenda Canto do Buriti, Zona Rural,
Município de Canto do Buriti, Estado do Piauí, a estabelecer-se como
Produtor Independente de Energia Elétrica, mediante a implantação e
exploração da Central Geradora Termelétrica denominada UTE Canto
do Buriti, constituída de três Unidades Geradoras de 50.000 kW, em
ciclo Rankine, totalizando 150.000 kW de capacidade instalada e
119.100 kW médios de garantia física de energia, utilizando Ca-
vaco/Resíduo de Madeira como combustível, localizada às Coorde-
nadas Planimétricas E 697466 m e N 9096528 m, Fuso 23S, Datum
SIRGAS2000, no Município de Canto do Buriti, Estado do Piauí.
Parágrafo único. A energia elétrica produzida pela autorizada
destina-se à comercialização na modalidade de Produção Indepen-
dente de Energia Elétrica, conforme estabelecido nos arts. 12, 15 e
16, da Lei n
o9.074, de 7 de julho de 1995.
Art. 2oDeverá a autorizada implantar, por sua exclusiva
responsabilidade e ônus, o Sistema de Transmissão de Interesse Res-
trito da UTE Canto do Buriti, constituído de uma Subestação Ele-
vadora de 13,8/230 kV, junto à Usina, e uma Linha de Transmissão
em 230 kV, com cerca de um quilômetro de extensão, interligando a
Subestação Elevadora ao Seccionamento da Linha de Transmissão
São João do Piauí – Eliseu Martins, de propriedade da Companhia
Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf, em consonância com as
normas e regulamentos aplicáveis.
Art. 3
oConstituem obrigações da autorizada:
I – cumprir o disposto na Resolução Normativa ANEEL no
389, de 15 de dezembro de 2009;
II – implantar a Central Geradora Termelétrica conforme
Cronograma apresentado à Agência Nacional de Energia Elétrica –
ANEEL, obedecendo aos marcos descritos a seguir:
a) obtenção da Licença de Instalação: até 20 de maio de
2014;
b) início das Obras Civis das Estruturas: até 9 de julho de
2015;
c) início das Obras do Sistema de Transmissão de Interesse
Restrito: até 15 de outubro de 2015;
d) início da Montagem Eletromecânica das Unidades Ge-
radoras: até 3 de março de 2016;
e) conclusão da Montagem Eletromecânica das Unidades Ge-
radoras: até 1
ode março de 2017;
f) início da Operação em Teste da 1aUnidade Geradora: até
11 de maio de 2017;
g) início da Operação em Teste da 2
aUnidade Geradora: até
22 de junho de 2017;
h) início da Operação em Teste da 3
aUnidade Geradora: até
3 de agosto de 2017; e
i) início da Operação Comercial da 1
aà 3aUnidades Ge-
radoras: até 29 de dezembro de 2017;
III – manter, nos termos do Edital do Leilão n
o06/2013-
ANEEL, a Garantia de Fiel Cumprimento das Obrigações assumidas
nesta Portaria, no valor de R$ 23.470.350,00 (vinte e três milhões,
quatrocentos e setenta mil, trezentos e cinquenta reais), que vigorará
até três meses após o início da operação da última Unidade Geradora
da UTE Canto do Buriti;
IV – submeter-se aos Procedimentos de Rede do Operador
Nacional do Sistema Elétrico – ONS;
V – aderir à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
– CCEE;
VI – firmar Contrato de Comercialização de Energia no Am-
biente Regulado – CCEAR, nos termos do Edital do Leilão n
o
06/2013-ANEEL; e
VII – encaminhar à ANEEL, ao término da construção ou
quando solicitado, informações relativas aos custos com a implan-
tação do Empreendimento, na forma e periodicidade a serem de-
finidas em regulamento próprio.
Parágrafo único. Pelo descumprimento das obrigações de-
correntes da legislação de regência de produção e comercialização de
energia elétrica e do disposto nesta Portaria, a autorizada ficará su-
jeita às penalidades estabelecidas nas normas legais vigentes.Art. 4
oEstabelecer em cinquenta por cento, nos termos do
art. 26, § 1o, da Lei no9.427, de 26 de dezembro de 1996, o
percentual de redução a ser aplicado às Tarifas de Uso dos Sistemas
Elétricos de Transmissão e de Distribuição, para o transporte da
energia elétrica gerada e comercializada pela UTE Canto do Buriti,
enquanto a potência injetada nos Sistemas de Transmissão ou Dis-
tribuição for menor ou igual a 30.000 kW, nos termos da legislação e
das regras de comercialização vigentes.
Art. 5
oA presente autorização vigorará pelo prazo de trinta e
cinco anos, contado a partir da publicação desta Portaria.
Parágrafo único. A revogação da autorização não acarretará
ao Poder Concedente, em nenhuma hipótese, qualquer responsabi-
lidade quanto a encargos, ônus, obrigações ou compromissos as-
sumidos pela autorizada com relação a terceiros, inclusive aquelas
relativas aos seus empregados.
Art. 6
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
EDISON LOBÃO
AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA
SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES,
PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE
TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
Em 19 de fevereiro de 2014
Nº 388 – Processo nº: 48500.005503/2013-90. Interessada: PIE-RP
Comercializadora de Energia S.A. Decisão: autorizar a PIE-RP Co-
mercializadora de Energia S.A., inscrita no CNPJ/MF sob nº
04.810.290/0001-00, a atuar como Agente Comercializador de Ener-
gia Elétrica no âmbito da Câmara de Comercialização de Energia
Elétrica – CCEE.
Nº 389 – Processo nº: 48500.007231/2013-62. Interessada: Geração
Céu Azul S.A. Decisão: autorizar a Geração Céu Azul S.A., com sede
na Rua Praia do Flamengo nº 78, 3º andar, município do Rio de
Janeiro, estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ/MF sob o nº
09.136.819/0001-55, a realizar estudos geológicos e topográficos, ne-
cessários à elaboração do projeto da Linha de Transmissão de In-
teresse Restrito UHE Baixo Iguaçu – Cascavel Oeste, em 230 kV, com
cerca de 60 km (sessenta quilômetros) de extensão, a sobrepassar os
municípios de Capanema, Capitão Leônidas Marques, Lindoeste, San-
ta Tereza do Oeste e Cascavel, no estado do Paraná.
Nº 390 – Processo nº: 48500.006981/2013-17. Interessada: Contour-
global Latam. Decisão: denegar o pedido formulado pela Contour-
global Latam, de autorização para realização de estudos geológicos e
topográficos, necessários à elaboração do Projeto Básico da Linha de
Transmissão Chapada II – Picos, localizada no estado do Piauí.
A íntegra destes Despachos consta dos autos e estarão dis-
poníveis em www.aneel.gov.br/biblioteca.
IVO SECHI NAZARENO
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO
DOS SERVIÇOS DE ELETRICIDADE
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
Em 19 de fevereiro de 2014
N
o-391 – Processo nº: 48500.002461/2012-54. Interessado: Compa-
nhia Campolarguense de Energia – COCEL. Decisão: Reconsiderar
parcialmente a decisão constante do AI nº 1045/2013-SFE, alterando-
a para R$ 32.265,54 (trinta e dois mil, duzentos e sessenta e cinco
reais e cinquenta e quatro centavos), com base no art. 34 da Res.
63/2004. A íntegra deste Despacho consta dos autos e estará dis-
ponível no endereço eletrônico www.aneel.gov.br/biblioteca.
JOSÉ MOISÉS MACHADO DASILVA
AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS
DIRETORIA I
SUPERINTENDÊNCIA DE ABASTECIMENTO
AUTORIZAÇÃO No-74, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO DA
AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIO-
COMBUSTÍVEIS – ANP, no uso das atribuições que lhe foram con-
feridas pelas Portarias ANP n.º 92, de 26 de maio de 2004, con-
siderando o disposto na Resolução ANP n.º 17, de 18/06/2009, e
tendo em vista o que consta do processo n.º 48610.007323/2011-33,
torna público o seguinte ato:
Art. 1º Fica a sociedade Master Brasil Comércio de Com-
pressores de Ar Importação e Exportação Ltda., inscrita no CNPJ sob
o n.º 07.890.663/0001-78, situada na Rua Curagiru, nº 135 – A, Vila
Guilhermina, São Paulo – SP, CEP 03.541-120, autorizada a exercer a
atividade de importação de óleo lubrificante acabado.
Art. 2º Os efeitos da presente autorização ficam condicio-
nados à manutenção das condições, comprovadas pela empresa, para
o exercício da atividade de Importação acima mencionada, à época de
sua outorga.
Art. 3º Esta autorização entra em vigor na data da sua pu-
blicação
AURELIO CESAR NOGUEIRA AMARAL
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
Em 19 de fevereiro de 2014
N
o-177 – O SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO DA
AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIO-
COMBUSTÍVEIS – ANP, no uso das atribuições que lhe foram con-
feridas pelas Portarias ANP nº 92, de 26 de maio de 2004, e com base
na Resolução ANP nº 41, de 06 de novembro de 2013, torna pública
a revogação da seguinte autorização para o exercício da atividade de
revenda varejista de combustível automotivo, ao J B L COMÉRCIO
DE PETRÓLEO LTDA., inscrito no CNPJ sob o nº 11.802.087/0001-
37, mediante Processo Judicial nº 0009413-59.2010.4.05.8100.
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO
ECONÔMICA E FINANCEIRA
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
Em 19 de fevereiro de 2014
N
o-387 – Processo nº 48500.006293/2012-76. Interessada: CEB Dis-
tribuição S.A. Decisão: anuir ao Acordo de Cooperação Técnica, a ser
celebrado entre a Interessada e a Secretaria de Estado de Plane-
jamento e Orçamento do Distrito Federal (SEPLAN/DF), pelo prazo
de 4 (quatro) anos, tendo por objeto o compartilhamento das in-
fraestruturas de dutos, postes e torres da Interessada e do ambiente
para hospedagem de servidores computacionais da SEPLAN/DF, em
regime de mútua cooperação. A íntegra deste Despacho consta dos
autos e estará disponível em: www.aneel.gov.br/biblioteca.
ANTONIO ARAÚJO DA SILVA
RETIFICAÇÃO
No Despacho nº 3.978, de 13 de dezembro de 2012, pu-
blicado no sítio eletrônico da Agência Nacional de Energia Elétrica
no dia 14 de dezembro de 2012, cujo resumo, com conteúdo correto,
foi publicado no Diário Oficial da União do dia 14 de dezembro de
2012, Seção 1, página 123, onde se lê: “no valor de até R$
5.200.000,00 (cinco milhões e duzentos mil reais)”, leia-se: “no valor
de R$ 5.200.000,00 (cinco milhões e duzentos mil reais) mensais, até
alcançar o valor total do depósito em juízo objeto da caução”.
N
o-178 – O Superintendente de Abastecimento da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS – ANP, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP nº
92, de 26 de maio de 2004, e com base na Portaria ANP nº 297, de 18 de novembro de 2003, torna pública a revogação das seguintes autorizações para o exercício da atividade de revenda de gás liqüefeito de petróleo
– GLP:
Nº de Registro Razão Social CNPJ Município UF ProcessoGLP/SP0012691 AGNALDO FIRMINO DE OLIVEIRA – ME 07.461.880/0001-42 FERRAZ DE VASCONCELOS SP 48610.003597/2007-77GLP/PR0003345 COBRA COMÉRCIO DE GÁS LTDA – ME 00.324.463/0001-09 C A S C AV E L PR 48610.000599/2005-42GLP/MG0021643 COMERCIAL BHZ QUALITE GAS E MATERIAIS DE CONSTR.
LT D A .08.850.764/0001-88 BELO HORIZONTE MG 48610.006496/2008-39
GLP/SP0176838 COMÉRCIO DE GÁS PADRE ANCHIETA LTDA. 09.549.937/0001-95 BARUERI SP 48610.001416/2009-30GLP/SP0014871 CONSIGAZ COMÉRCIO DE GÁS 69.238.160/0013-03 SAO PAULO SP 48610.005258/2007-25GLP/MG0210703 DARCI VENANCIO DE FREITAS 13.435.650/0001-01 PEDRA DOURADA MG 4 8 6 1 0 . 0 1 2 3 0 1 / 2 0 11 – 9 5GLP/MG0186376 DONIZETTI FERNANDES AMARAL 00.571.205/0002-08 BAEPENDI MG 48610.006550/2010-61GLP/ES0183376 DUARTE E DE ANGELI COMERCIO LTDA – ME 09.644.603/0001-09 V I TO R I A ES 48610.001262/2010-10GLP/PE0009161 ELIANE VALENÇA MOTA 05.542.214/0001-03 SAO BENTO DO UNA PE 48610.010183/2006-13GLP/GO0008756 ELIEDINA ALVES MEDEIROS SOUZA 07.050.277/0001-78 ANAPOLIS GO 48610.007557/2006-13GLP/ES0176929 ES ULTRA AZUL COMÉRCIO DE GÁS LTDA – ME 09.595.721/0001-66 VILA VELHA ES 48610.001744/2009-36GLP/SP0018467 ETHEL BARREIRA ME. 08.940.137/0001-38 I TA P E T I N I N G A SP 48610.013779/2007-56G L P / PA 0 2 1 8 2 8 0 F MACHADO DE MACEDO 09.089.477/0002-40 ALENQUER PA 48610.012944/2012-10GLP/ES0181604 GA ÁGUA E GÁS LTDA 10.979.868/0001-39 SAO GABRIEL DA PALHA ES 48610.014640/2009-91GLP/SP0208074 GABRIELA I. P. DA SILVA ALMEIDA COMERCIO DE GAS 13.403.477/0001-60 TUPI PAULISTA SP 4 8 6 1 0 . 0 0 7 3 9 9 / 2 0 11 – 6 9GLP/MG0214878 JOSE CARLOS DE OLIVEIRA 11 . 8 2 1 . 6 4 4 / 0 0 0 1 – 6 7 SIMONESIA MG 4 8 6 1 0 . 0 0 1 9 6 7 / 2 0 11 – 1 8
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201436ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
G L P / G O 0 1 8 3 3 11 JOSEMAR MOREIRA LOPES – O JOSA 08.149.193/0002-30 IACIARA GO 4 8 6 1 0 . 0 0 11 6 4 / 2 0 1 0 – 8 2G L P / R S 0 0 2 11 7 0 JOSIANI DA SILVA POSPICHIL 08.207.240/0001-73 ROLANTE RS 48610.004997/2008-81GLP/SP0209173 JUSSARA MARIA TRESSO SILVA 11 . 7 4 0 . 4 5 4 / 0 0 0 1 – 1 5 JALES SP 4 8 6 1 0 . 0 0 9 3 4 8 / 2 0 11 – 7 1GLP/RS0175498 JV COMERCIAL LTDA. 09.562.839/0001-98 PORTO ALEGRE RS 48610.013345/2008-37GLP/PR0202959 LIMA & PERON LTDA. 12.103.565/0001-83 ALVORADA DO SUL PR 48610.016245/2010-87G L P / S P 0 2 11 9 0 0 L&L COMGÁS COMÉRCIO LTDA. 09.400.800/0002-55 I TA Q U A Q U E C E T U B A SP 4 8 6 1 0 . 0 1 4 9 0 8 / 2 0 11 – 1 8GLP/RO0178663 M. A. DOS SANTOS ARAUJO – ME. 02.205.427/0001-51 PORTO VELHO RO 48610.008212/2009-20GLP/PR0004746 M. D. DE SOUZA GOMES – ME. 07.003.271/0001-40 ALTO PARANA PR 48610.005096/2005-63GLP/BA0021759 M M DA SILVA ME 08.782.373/0001-73 S A LVA D O R BA 48610.006216/2008-92GLP/MG0201770 MÁRCIA MEDEIROS VIEIRA 04.921.576/0001-42 SANTA RITA DE JACUTINGA MG 48610.013231/2010-10GLP/MG0006822 MARCIO CEZAR DOMINGUES ME 00.175.647/0002-35 SAO DOMINGOS DO PRATA MG 4 8 6 1 0 . 0 0 2 8 2 3 / 2 0 0 6 – 11GLP/SP0216046 MARCONIO HERINGER DA SOLIDADE – ME 13.601.647/0002-00 SANTA ISABEL SP 48610.007508/2012-29GLP/PR0183495 MINIPREÇO COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA – ME 09.336.378/0001-35 ALTO PIQUIRI PR 48610.001353/2010-55GLP/PI0201447 MOREIRA E ABREU DEPÓSITO DE GLP LTDA. 11 . 4 9 0 . 6 3 1 / 0 0 0 1 – 5 2 TERESINA PI 48610.012447/2010-50G L P / PA 0 1 7 9 4 7 5 O DOS SANTOS BARBOSA – ME 14.187.330/0001-42 JURUTI PA 48610.010250/2009-42GLP/SP0007794 PETROLIQ COMÉRCIO DE GÁS LTDA. 07.158.906/0006-92 SAO PAULO SP 48610.006333/2006-94GLP/SP0006644 PETROLIQ COMÉRCIO DE GÁS LTDA. 07.158.906/0012-30 SAO VICENTE SP 48610.000024/2006-19GLP/MG0185441 PLANTÃO GAS LTDA ME 11 . 2 6 0 . 9 6 2 / 0 0 0 1 – 0 4 SANTA LUZIA MG 48610.004579/2010-16GLP/BA0019421 REI DO GÁS LTDA – ME. 09.014.216/0001-80 S A LVA D O R BA 48610.000849/2008-97GLP/GO0002806 RONAN PEREIRA DE SOUZA 06.788.048/0001-92 GUARANI DE GOIAS GO 48610.010971/2004-48GLP/BA0187858 S J COMERCIO VAREJISTA DE GAS LIQUEFEITO LTDA – ME 11 . 9 2 8 . 9 2 1 / 0 0 0 1 – 3 5 S A LVA D O R BA 48610.010190/2010-00GLP/PR0012419 SHELTON GÁS COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO LTDA. 08.181.699/0001-45 ARAPONGAS PR 48610.002785/2007-88GLP/GO0017538 SIAURA & SILVA LTDA. 05.230.120/0002-80 LEOPOLDO DE BULHOES GO 4 8 6 1 0 . 0 11 0 3 5 / 2 0 0 7 – 1 3GLP/MS0206469 TOTAL GÁS COMERCIAL LTDA – ME 12.695.975/0001-60 CAMPO GRANDE MS 4 8 6 1 0 . 0 0 3 4 4 4 / 2 0 11 – 1 4GLP/MG0182497 TRANSPORTE LARA DEL REI LTDA. 10.173.597/0001-20 SAO JOAO DEL REI MG 48610.016201/2009-13GLP/GO0009219 VR COMÉRCIO DE GÁS LTDA. 02.181.217/0001-70 ANAPOLIS GO 48610.008618/2005-89GLP/DF0019106 W. P. COMERCIO DE GAS LTDA. – ME. 08.818.376/0001-10 BRASILIA DF 48610.000034/2008-16
No-179 – O Superintendente de Abastecimento da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS – ANP, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP nº
92, de 26 de maio de 2004 e com base na Portaria ANP nº 297, de 18 de novembro de 2003, torna pública a outorga das seguintes autorizações para o exercício da atividade de revenda de gás liqüefeito de petróleo
– GLP, observado:
I) as instalações dos revendedores ora autorizados foram vistoriadas por instituições de bombeiros, atendendo os requisitos de segurança, e se encontram limitadas às quantidades máximas de armazenamento
de GLP, conforme certificado expedido pelo corpo de bombeiros competente; e
II) a manutenção da presente Autorização fica condicionada ao atendimento aos requisitos constantes no certificado que trata o item anterior e à Norma NBR 15514:2007, da Associação Brasileira de Normas
Técnicas – ABNT, adotada pela Resolução ANP nº 05, de 26 de fevereiro de 2008.
Nº de Registro Razão Social CNPJ Município UF ProcessoG L P / TO 0 2 2 4 4 3 5 A C L REZENDE – ME. 38.155.065/0001-89 A R A G U AT I N S TO 48610.001791/2014-47GLP/MS0224436 A. L. GRANDO COMERCIO DE GAS – ME 18.422.715/0001-06 CAMPO GRANDE MS 48610.012370/2013-61GLP/RO0224437 A M DA CONCEIÇÃO MINIMERCADO ME 09.179.016/0001-88 C A S TA N H E I R A S RO 4 8 6 1 0 . 0 0 3 9 3 7 / 2 0 11 – 4 6GLP/GO0224438 ADALBERTO PEREIRA DA SILVA JUNIOR 03062939192 17.521.681/0001-36 PIRES DO RIO GO 48610.001749/2014-26GLP/SP0224439 AGUAGAS – COMERCIO DE AGUA E GAS LTDA – ME. 17.937.792/0001-28 PINDAMONHANGABA SP 48610.001474/2014-21GLP/MG0224440 ALOIZO MARCIANO DE OLIVEIRA FILHO – ME 10.593.365/0001-20 PONTE NOVA MG 48610.001515/2014-89GLP/SP0224441 AMADEUS DE ABREU E SILVA – ME. 18.782.825/0001-70 SANTA ISABEL SP 48610.012194/2013-67GLP/GO0224442 ANA MARIA CORREA DE SOUSA – ME. 08.774.902/0001-97 MONTES CLAROS DE GOIAS GO 48610.001651/2014-79GLP/MG0224443 ANA PAULA BALMANT 08151749695 18.960.603/0001-09 SAO JOSE DO MANTIMENTO MG 48610.001539/2014-38GLP/PR0224444 ANTONIO MARIA DA COSTA GAS – ME 05.047.496/0001-72 PORTO AMAZONAS PR 48610.000468/2014-56GLP/MG0224445 APARECIDA PARADALO DE PAULA 91672490600 19.125.447/0001-15 UBAPORANGA MG 48610.001533/2014-61GLP/RS0224446 ARMELINDO LUIZ BASSO – EPP 02.843.541/0001-07 A RV O R E Z I N H A RS 48610.001528/2014-58GLP/ES0224447 AURINDO P. C. DA SILVA EIRELI – ME 19.196.164/0001-64 LINHARES ES 48610.001512/2014-45GLP/PR0224448 AUTO POSTO JULI LTDA – EPP 55.645.378/0006-49 CASTRO PR 48610.001479/2014-53GLP/BA0224449 BERNARD KARAOGLAN GRASSI – ME 17.795.564/0001-60 TA P I R A M U TA BA 48610.001519/2014-67GLP/RJ0224450 C R M S COMERCIO DE GAS LTDA – ME. 18.538.388/0001-44 SAO FIDELIS RJ 48610.001752/2014-40GLP/ES0224451 CARLOS ALBERTO STURIAO 02261583737 19.180.765/0001-89 CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES 48610.001462/2014-04GLP/BA0224452 CELSO REVENDEDORA DE GLP LTDA – ME 19.552.872/0001-90 S A LVA D O R BA 48610.001571/2014-13GLP/RS0224453 CELU DE LACERDA – ME. 96.924.196/0001-80 BARAO DO TRIUNFO RS 48610.001817/2014-57GLP/MG0224454 COMERCIAL AJATO GAS LTDA – ME. 15.564.037/0001-10 PEDRA AZUL MG 48610.001468/2014-73GLP/MG0224455 COMERCIAL CHAMAGAS LTDA – ME. 14.810.460/0001-90 MONTES CLAROS MG 4 8 6 1 0 . 0 0 1 8 11 / 2 0 1 4 – 8 0GLP/RS0224456 COMERCIAL DE GAS EHRIG LTDA – ME. 17.657.995/0001-60 NOVO HAMBURGO RS 48610.001790/2014-01GLP/MG0224457 COMERCIAL GUSTAVO LTDA. 05.152.706/0001-92 ENGENHEIRO CALDAS MG 48610.002933/2006-83GLP/ES0224458 COMERCIAL O. S LTDA – ME 11 . 4 4 0 . 5 0 2 / 0 0 0 1 – 5 0 ALFREDO CHAVES ES 48610.001508/2014-87GLP/MG0224459 COMERCIO DE GASES INDUSTRIAIS LTDA – ME 07.765.230/0001-90 ARAXA MG 48610.001518/2014-12GLP/PR0224460 CONSOLIN E CONSOLIN LTDA 73.312.381/0002-07 TERRA BOA PR 48610.001805/2014-22GLP/BA0224461 CONSSULIN BURANELLI TRANPORTES LTDA 00.674.078/0001-91 ENTRE RIOS BA 48610.001762/2014-85GLP/GO0224462 CONSTRUTORA GBITAR LTDA – ME 06.991.605/0001-78 GOIANIA GO 48610.001750/2014-51GLP/SP0224463 DANIELA LOURDES DA SILVA – ME. 19.103.330/0001-30 B A R R E TO S SP 48610.001792/2014-91GLP/SP0224464 DANIELA MARIA SILVEIRA DE SOUZA 30539822850 18.671.533/0001-60 ITIRAPUA SP 48610.001818/2014-00GLP/GO0224465 DAVID CORREA LEITE NETO 02276060190 14.533.689/0001-24 I TA G U A R I GO 48610.001650/2014-24GLP/GO0224466 DISK GAS NOSSA SENHORA DA ABADIA LTDA – ME 18.780.152/0001-10 COCALZINHO DE GOIAS GO 48610.001509/2014-21GLP/GO0224467 DISTRIBUIDORA CITY GAS EIRELI 18.385.399/0001-31 ANAPOLIS GO 48610.001514/2014-34GLP/MG0224468 DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS VERY GOOD R & R LTDA –
ME17.732.894/0001-07 C A N TA G A L O MG 48610.001813/2014-79
GLP/MG0224469 DONIZETTI FERNANDES AMARAL 00.571.205/0001-27 BAEPENDI MG 48610.001575/2014-00GLP/MT0224470 ELIAS RODRIGUES DOS SANTOS – ME. 17.329.065/0001-88 CUIABA MT 48610.001809/2014-19GLP/SP0224471 ELITE COMERCIO DE GAS LTDA – ME 18.258.580/0001-87 FERRAZ DE VASCONCELOS SP 48610.001747/2014-37G L P / PA 0 2 2 4 4 7 2 ELIVAN ALMEIDA DOS SANTOS 96506393220 18.644.678/0001-72 MARITUBA PA 48610.001466/2014-84GLP/SP0224473 ELSON BARBOSA – ME 19.400.490/0001-41 MIRASSOLANDIA SP 48610.001756/2014-28GLP/MG0224474 ERICA SIMOES DE MELO – ME. 19.291.298/0001-64 JUIZ DE FORA MG 48610.001531/2014-71GLP/SP0224475 FERNANDA PATRICIA DE CAMPOS MUNHOZ – ME 10.445.057/0001-58 I TA P E T I N I N G A SP 48610.012741/2013-12GLP/MG0224476 FERNANDO DA SILVA PEREIRA 05115674645 19.270.821/0001-76 BELO HORIZONTE MG 48610.001534/2014-13GLP/CE0224477 FRANCISCO BUERANES MARQUES CARDOSO – ME 09.215.795/0002-00 PA R A M O T I CE 48610.012135/2013-99GLP/AC0224478 FRANCISCO DAS CHAGAS DO CARMO VERAS 21691037249 11 . 5 6 9 . 7 3 5 / 0 0 0 1 – 5 7 RIO BRANCO AC 48610.001536/2014-02GLP/RN0224479 FRANCISCO KLEBER DE LIMA 05167218446 18.358.405/0001-61 CURRAIS NOVOS RN 48610.001524/2014-70GLP/RN0224480 FRANCISCO MAXIMILIANO DA SILVA PONTES 01250169488 17.453.452/0001-21 N ATA L RN 48610.010505/2013-53GLP/MG0224481 FS COMERCIO DE GAS LTDA – ME 18.270.622/0001-03 UBERLANDIA MG 48610.001461/2014-51GLP/SP0224482 GASBOM ITABERABA COMERCIO DE GAS LTDA. 14.871.754/0001-21 SAO PAULO SP 4 8 6 1 0 . 0 11 2 4 7 / 2 0 1 3 – 2 2GLP/SP0224483 GASBOM PARQUE CONTINENTAL COMERCIO DE GAS LTDA 15.208.946/0001-15 SAO PAULO SP 4 8 6 1 0 . 0 11 2 4 9 / 2 0 1 3 – 11GLP/SP0224484 GASBOM SÃO VICENTE COMERCIO DE GAS LTDA 1 7 . 0 3 1 . 2 11 / 0 0 0 1 – 9 4 SAO VICENTE SP 48610.001652/2014-13GLP/PE0224485 GERALDO DIAS DE ARAUJO SILVA – ME 19.069.077/0001-46 ILHA DE ITAMARACA PE 48610.001572/2014-68GLP/GO0224486 GLEIBE MARIA DA SILVA – ME 15.464.388/0001-59 LEOPOLDO DE BULHOES GO 48610.001537/2014-49GLP/SP0224487 GRB COMERCIO DE GAS LTDA. – ME 17.754.840/0001-42 BARUERI SP 48610.001510/2014-56GLP/RJ0224488 H D VIEIRA COMERCIO DE GAS LTDA. 1 7 . 2 6 8 . 11 4 / 0 0 0 1 – 1 0 CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ 48610.001480/2014-88GLP/ES0224489 H. S. GRONER – ME. 1 8 . 0 2 7 . 1 0 1 / 0 0 0 1 – 11 V I TO R I A ES 48610.000693/2014-92GLP/ES0224490 HENRIQUE BALBERINO SIMÕES 05214594780 18.722.572/0001-40 PRESIDENTE KENNEDY ES 48610.001542/2014-51GLP/BA0224491 ILDEFONSO PEDRO DA SILVA – ME. 02.664.261/0001-31 COARACI BA 48610.001803/2014-33GLP/MG0224492 INGRED FERNANDA DOS SANTOS 11455332640 17.358.347/0001-03 GOVERNADOR VALADARES MG 48610.001470/2014-42GLP/AM0224493 J GOMES UCHOA – ME 18.107.965/0001-43 MANAUS AM 48610.001472/2014-31GLP/RS0224494 JOÃO VEDANA COMERCIO DE AGUA E GAS LTDA – ME 18.758.416/0001-39 PORTO ALEGRE RS 48610.001432/2014-90GLP/GO0224495 JOEL RODRIGUES GUIMARAES 58643940178 19.051.616/0001-10 ANAPOLIS GO 48610.001465/2014-30GLP/MG0224496 JOELMA DA SILVA BENTO GAS – ME. 18.276.783/0001-04 SANTANA DO RIACHO MG 48610.001789/2014-78GLP/RO0224497 JOSE MARCIO DE SOUZA ARAUJO 84552123220 18.763.747/0001-67 ARIQUEMES RO 4 8 6 1 0 . 0 11 7 8 1 / 2 0 1 3 – 3 9GLP/RS0224498 JOSE OGENBOSKI 00.984.827/0001-87 CENTENARIO RS 48610.001801/2014-44GLP/BA0224499 JOSE RONALDO DA SILVA OLIVEIRA – ME. 18.810.330/0001-08 JUAZEIRO BA 48610.001481/2014-22GLP/PI0224500 JUCIA IASABEL P. MARTINS – ME. 18.621.848/0001-01 TERESINA PI 48610.001421/2014-18GLP/AM0224501 KM COMERCIO DE BEBIDAS LTDA ME 14.174.234/0001-60 MANAUS AM 48610.001538/2014-93GLP/SP0224502 L & D COMGAS COMERCIO LTDA – ME 18.565.463/0001-66 I TA Q U A Q U E C E T U B A SP 4 8 6 1 0 . 0 0 1 5 7 3 / 2 0 1 4 – 11
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201437ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
GLP/SP0224503 LENER MARIANO DA SILVA E CIA LTDA – ME. 18.548.265/0001-94 V O TO R A N T I M SP 48610.000600/2014-20GLP/PI0224504 L.H. OLIVEIRA PETRÓLEO LTDA. 03.604.432/0005-23 TERESINA PI 4 8 6 1 0 . 0 11 9 5 5 / 2 0 1 3 – 6 3GLP/MG0224505 LIDIANE QUEIROZ SILVA – ME. 19.085.650/0001-05 MONTES CLAROS MG 48610.001788/2014-23GLP/SP0224506 LINCOLN AUGUSTO ALVES – ME 13.148.618/0002-26 TUPI PAULISTA SP 48610.001523/2014-25GLP/PB0224507 LUCAS GOMES DA CRUZ 11817398458 19.086.441/0001-86 SANTA RITA PB 48610.001577/2014-91GLP/SP0224508 LUCIANA RIGOTTI LOURENCO – ME. 02.875.609/0001-30 C ATA N D U VA SP 48610.012176/2013-85GLP/PE0224509 MAISA MACEDO DE ARAUJO – ME. 09.525.447/0001-59 PETROLINA PE 48610.001755/2014-83GLP/MG0224510 MARCIA LUCIA ZAN DA SILVA – ME. 17.574.753/0001-03 PEDRA DOURADA MG 48610.001460/2014-15G L P / R N 0 2 2 4 5 11 MARCILENE REGINA DA SILVA COSTA 08661233429 18.945.890/0001-70 N ATA L RN 48610.001766/2014-63GLP/BA0224512 MARCIO L. L. ARAUJO REVENDEDORA DE GAS – ME. 18.820.620/0001-32 C A R AV E L A S BA 48610.001427/2014-87GLP/RN0224513 MARIA DAS DORES DA SILVA SANTOS 87640236487 19.448.880/0001-91 MACAIBA RN 48610.001768/2014-52GLP/PE0224514 MARIA SHIRLEIDE PINTO ME. 19.164.154/0001-47 GARANHUNS PE 48610.001764/2014-74GLP/SP0224515 MAYCON RODRIGUES CARLOS 34045544852 18.009.601/0001-20 S A LTO SP 48610.009570/2013-36GLP/MA0224516 M.B. BRANDÃO – ME 15.270.684/0001-19 PA R A I B A N O MA 48610.000566/2014-93GLP/DF0224517 MEDEIROS COMERCIO DE GLP LTDA – ME. 18.073.583/0001-46 BRASILIA DF 48610.000257/2014-13GLP/GO0224518 MERCEARIA E CASA DE CARNES SHALOM LTDA – ME 14.264.145/0001-04 GUARANI DE GOIAS GO 48610.001653/2014-68GLP/PR0224519 MICHELI MILCHESKI – ME. 11 . 3 6 2 . 2 1 8 / 0 0 0 2 – 9 3 AGUDOS DO SUL PR 48610.001471/2014-97GLP/MG0224520 MINI MERCEARIA STA LUZIA LTDA – ME 04.403.963/0001-97 C O N TA G E M MG 48610.001513/2014-90G L P / PA 0 2 2 4 5 2 1 M.J. TABOSA BARROS – EPP 05.267.196/0003-60 AFUA PA 48610.001748/2014-81GLP/MA0224522 MOUSINHO SILVA E MENDES LTDA – EPP 03.816.682/0008-70 A L C A N TA R A MA 48610.001525/2014-14GLP/AL0224523 NATALIA FERREIRA DE MELO 35403705449 15.462.928/0001-65 MACEIO AL 48610.001526/2014-69GLP/MG0224524 OLIVEIRA E GUIMARÃES GAS E BEBIDAS LTDA – ME 17.878.958/0001-82 JUIZ DE FORA MG 48610.006987/2013-47GLP/SC0224525 PAPIGAS COMERCIO DE GAS 19.400.816/0001-30 C ATA N D U VA S SC 48610.001522/2014-81GLP/PI0224526 PARNAIBA GÁS LTDA. 63.520.050/0024-06 BURITI DOS LOPES PI 48610.001570/2014-79GLP/MG0224527 PAULA FRACIANE NUNES DA COSTA ATANASIO – ME. 06.007.593/0001-02 SAO DOMINGOS DO PRATA MG 48610.001467/2014-29G L P / PA 0 2 2 4 5 2 8 RAFAEL CARVALHO TAVARES 92899684272 1 5 . 8 11 . 1 3 2 / 0 0 0 1 – 7 0 ANANINDEUA PA 48610.001459/2014-82GLP/MG0224529 RAFAEL SOUZA E SILVA 18.803.985/0001-59 MONTES CLAROS MG 48610.001464/2014-95GLP/SC0224530 RAMON RAMOS DE BORBA 08159357907 16.599.926/0001-85 PASSO DE TORRES SC 48610.001637/2014-75GLP/GO0224531 RAQUEL PEREIRA MILITAO DE SOUZA 35858923100 18.880.844/0001-30 LUZIANIA GO 48610.001473/2014-86GLP/MG0224532 RENATO APARECIDO DOS SANTOS 58550836672 – ME 19.105.989/0001-26 I TA J U B A MG 48610.001530/2014-27GLP/PI0224533 REVENDEDORA DE GAS A & C 19.351.981/0001-40 SAO JOSE DO PEIXE PI 48610.001482/2014-77G L P / TO 0 2 2 4 5 3 4 RN DISTRIBUIDORA DE GAS LTDA 19.039.003/0001-67 PA L M A S TO 48610.001541/2014-15GLP/MT0224535 ROBSON RODRIGUES PEREIRA TORRES 06.149.855/0001-65 CUIABA MT 48610.001753/2014-94GLP/RS0224536 ROGERIO ARGENTA MACHADO – 14.230.861/0002-51 C A N D I O TA RS 48610.001456/2014-49GLP/MA0224537 S. G. ANDRADE – ME 16.102.895/0001-05 ALTO ALEGRE DO MARANHAO MA 48610.001760/2014-96GLP/AM0224538 SEBASTIANA MOREIRA BRANDAO 10.323.924/0001-82 BOCA DO ACRE AM 48610.005967/2013-59GLP/MG0224539 SEBASTIAO REIS DA SILVA – ME 18.483.527/0001-80 ALTO CAPARAO MG 48610.012733/2013-68GLP/MT0224540 SILVA RODRIGUES & CIA LTDA 19.316.912/0001-03 SINOP MT 48610.001521/2014-36GLP/RS0224541 SUELEN U. SARAIVA – ME 17.289.493/0001-24 ELDORADO DO SUL RS 48610.001433/2014-34GLP/SP0224542 SUPERMERCADO BOA ESPERANCA SERVE LTDA. 53.938.643/0002-28 BOA ESPERANCA DO SUL SP 48610.001576/2014-46GLP/MG0224543 SUPERMERCADO RUAS LTDA 18.154.246/0002-64 JORDANIA MG 48610.001751/2014-03GLP/PR0224544 TEREZA RAMOS CORREA MONTANHEIRO – ME 18.851.933/0001-58 SANTO ANTONIO DA PLATINA PR 48610.001761/2014-31GLP/SP0224545 UMBERTO SANTOS DA SILVA RIGAUD – ME. 15.503.883/0001-20 I TA N H A E M SP 48610.001478/2014-17GLP/MG0224546 VANUIR ROGRIGUES JUNIOR 10.937.895/0002-20 MUNHOZ MG 48610.001517/2014-78GLP/MA0224547 VILMAR DA SILVA MARQUES – ME 18.834.188/0001-39 PRESIDENTE DUTRA MA 48610.001422/2014-54GLP/PB0224548 WHANDSON THAYDSON ARAUJO FARIAS 08808543404 19.298.128/0001-01 BOA VISTA PB 48610.001476/2014-10
No-180 – O SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS – ANP, no uso das atribuições que lheforam conferidas pela
Portaria ANP nº 92, de 26 de maio de 2004, torna público o cancelamento do Registro nº 121 e a revogação da autorização para o exercício da atividade de produção de óleo lubrificante acabado da sociedade TIRRENO
INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS LTDA., inscrita no C.N.P.J. sob o nº 61.923.017/0001-5, situada na Rua Bandeirantes, nº 530, Vila Conceição, no município de Diadema – SP, em razão do
não envio de documentação necessária para o recadastramento da atividade de produtor de óleo lubrificante acabado.
AURELIO CESAR NOGUEIRA AMARAL
SUPERINTENDÊNCIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
AUTORIZAÇÃO No-75, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS – ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria ANP nº 322, de 05 de novembro de 2012,
Considerando a Resolução ANP nº 33/2005 e o Regulamento Técnico ANP nº 05/2005, que dispõem sobre a admissibilidade de despesas qualificadas como Pesquisa e Desenvolvimento, visando o cumprimento
da Cláusula de Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento constante dos Contratos de Concessão para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural; e
Considerando o que consta dos processos de nº 48610.012854/2013-18, 48610.011557/2013-47, 48610.000245/2014-99 e 48610.000785/2014-72 torna público o seguinte ato:
Art. 1ºConceder autorização prévia para o concessionário Petróleo Brasileiro S.A, CNPJ 33.000.167/0001-01, realizar investimentos na implantação de infraestrutura laboratorial, para execução de atividades
de pesquisa e desenvolvimento tecnológico de interesse do setor de petróleo e seus derivados e gás natural, no projeto, instituição e respectivo valor, conforme anexo.
Art. 2º A presente autorização prévia é concedida com base em valores estimados, cabendo ao concessionário verificar a coerência dos custos apresentados na proposta, bem como daqueles custos efetivamente
incorridos com os custos usualmente praticados no mercado para bens e serviços de mesma natureza.
Art. 3ºCompete ao concessionário acompanhar, no desenvolvimento do projeto, as condições contidas no respectivo plano de trabalho, em especial no que se refere aos objetivos, resultados esperados, prazos
e valor total estimado.
Art. 4ºAs receitas auferidas em aplicações financeiras feitas com os recursos repassados no âmbito do projeto contratado junto a Instituições credenciadas devem ser revertidas para uso em atividades coerentes
com o respectivo plano de trabalho, fazendo parte da prestação de contas e estando sujeitas a fiscalização por parte da ANP.
Parágrafo único: Em caso de não utilização, as receitas devem ser devolvidas, devendo ser contabilizadas como saldo a ser investido, como parte da obrigação de investimentos do Concessionário.
Art. 5ºO concessionário deverá apresentar, quando do encaminhamento dos Relatórios Demonstrativos Anuais, os dados referentes aos valores contratados e a execução efetiva do projeto até a data de referência
do Relatório Demonstrativo, cotejando com aqueles apresentados no respectivo plano de trabalho, objeto da presente autorização.
Art. 6ºNos termos do item 10 do Regulamento Técnico ANP nº 5/2005, as despesas previstas nesta autorização, para efeito de cumprimento da Cláusula de Pesquisa e Desenvolvimento, estão sujeitas à análise
técnica da ANP, quando da apresentação dos Relatórios Demonstrativos Anuais e da documentação de comprovação dos resultados obtidos.
Art. 7ºO concessionário deverá usar a logomarca da ANP, acompanhada da expressão “Compromisso com Investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento”, em todo material de divulgação relacionado ao
projeto, objeto da presente autorização prévia.
Art. 8ºEsta Autorização entra em vigor na data de sua publicação.
ELIAS RAMOS DE SOUZA
ANEXO
Nº do Projeto Título Programa Tecnológico Instituição Valor (R$) Item de Enquadramento2012/00357-3 Deslignificação de bagaço de cana-de-açúcar por enzimas de fun-
gos basidiomicetos.Programa Tecnológico de Biocombustíveis FIOCROZ 740.013,24 8.2.3
404.412,79 8.2.72012/00373-9 Implantação do Centro de Tecnologia de Nanotubos de Carbono
(CTNanotubos): Desenvolvimento de tecnologia de nanotubos de
carbono aplicada a materiais cimentícios e poliméricos.Programa Tecnológico de Águas Profundas UFMG 6.791.166,09 8.2.3
2013/00105-7 Estabilidade e escoamento de emulsões de água em petróleos pa-
rafínicos.Área Tecnologica de Elevação e Escoamento UFRJ 1.099.952,64 8.2.3
2013/00186-7 Estudo da influência dos compostos oxigenados oriundos do bio-
óleo utilizado na estabilidade da gasolina verde, obtida por co-pro-
cessamento em unidades de FCC, durante a estocagem.Programa Tecnológico de Biocombustíveis PUC-Rio 609.428,00 8.2.7
DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO
MINERAL
DESPACHO DO DIRETOR-GERAL
RELAÇÃO No-17/2014 – SEDE – DF
Fase de Concessão de Lavra
Aprova o relatório de reavaliação de reservas(425)
896.569/2002-ÁGUA PEDRA AZUL S A-ÁGUA MINE-
RAL
SERGIO AUGUSTO DAMASO
SUPERINTENDÊNCIA EM ALAGOAS
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-8/2014
FASE DE AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA
Auto de Infração lavrado (TAH)/prazo para defesa ou pa-
gamento: 30 dias. (6.35)
Baltazar Teixeira Cavalcante Filho – 844015/13 – A.I. 3/14
Frederico Gondim Carneiro de Albuquerque – 844049/11 –
A.I. 1/14, 844050/11 – A.I. 2/14Maria Cicera Jorge Melo – 844057/13 – A.I. 4/14, 844058/13
– A.I. 5/14, 844059/13 – A.I. 6/14
JOSÉ ANTÔNIO ALVES DOS SANTOSSUPERINTENDÊNCIA NO AMAPÁ
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-8/2014
Fase de Requerimento de Pesquisa
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(131)
858.160/2011-AMAZON GLOBAL CONSULT LTDA-OF.
N°141/2012
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201438ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
858.050/2012-AMAPÁ METALS CORPORATION LTDA-
OF. N°287/2012
858.009/2013-AMAZON GREEN WORK-OF. N°182/2013
858.083/2013-SONIZE PIMENTEL DOS SANTOS-OF.
N°358/2013
Fase de Requerimento de Licenciamento
Outorga o Registro de Licença com vigência a partir dessa
publicação:(730)
858.072/2013-FORTIFIX INDÚSTRIA, COMÉRCIO, EM-
PREENDIMENTOS & MINERAÇÃO LTDA-Registro de Licença
N°04/2014 de 18/02/2014-Vencimento em 27/12/2014
Fase de Licenciamento
Autoriza averbação da Prorrogação do Registro de Licen-
ça(742)
858.086/2012-CCL CONSTRUTORA LTDA.- Registro de
Licença N°:04/2012/2012 – Vencimento em 30/08/2015
ANTÔNIO DA JUSTA FEIJÃO
SUPERINTENDÊNCIA NA BAHIA
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-24/2014
Fase de Autorização de Pesquisa
Nega Aprovação ao relatório de pesquisa(318)
871.742/2010-BNM-BAHIA NIGRANITO MINERAÇÃO
LT D A
872.489/2010-COMPANHIA BAIANA DE PESQUISA
MINERAL
872.490/2010-COMPANHIA BAIANA DE PESQUISA
MINERAL
872.491/2010-COMPANHIA BAIANA DE PESQUISA
MINERAL
870.356/2011-ROCHA BAHIA MINERAÇÃO LTDA
870.496/2011-ANTOLINI, EXPORTAÇÃO, IMPORTA-
ÇÃO E MINERAÇÃO LTDA.
871.731/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.288/2011-CAMALEÃO MINERAÇÃO LTDA ME
872.289/2011-CAMALEÃO MINERAÇÃO LTDA ME
872.354/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.355/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.361/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.362/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.364/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.366/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.367/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.374/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.397/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.398/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.400/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.401/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.402/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.403/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.404/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.407/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.408/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.414/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.415/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.417/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.422/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.423/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.424/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.426/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.433/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.435/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.437/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.438/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.872.439/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.440/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.441/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.442/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.443/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.447/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.448/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.458/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
872.554/2011-TAVARES & ARAUJO LTDA ME.
873.556/2011-VICENZA MINERAÇÃO E PARTICIPA-
ÇÕES S A.
RELAÇÃO N
o-25/2014
Fase de Requerimento de Pesquisa
Indefere de plano o requerimento de Autorização de Pes-
quisa(101)
870.134/2012-BNM-BAHIA NIGRANITO MINERAÇÃO
LT D A
870.286/2012-ZUQUETTI & MARZOLA PARTICIPA-
ÇÕES E REPRESENTAÇÕES LTDA
870.290/2012-ZUQUETTI & MARZOLA PARTICIPA-
ÇÕES E REPRESENTAÇÕES LTDA
871.568/2012-MFX PARTICIPAÇÕES LTDA
871.467/2013-RODRIGO ANDRIOTTI GAMA
871.757/2013-VERDE INCORPORAÇÃO OBRAS LIMI-
TADA ME
Indefere requerimento de pesquisa por interferência to-
tal(121)
872.303/2009-VALE S A
873.017/2010-LUIS PAULO FERRARI DE SENA
873.028/2010-LUIS PAULO FERRARI DE SENA
870.033/2013-EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO MI-
NERAL DO BRASIL LTDA
870.061/2013-CABRAL MINERAÇÃO LTDA.
870.139/2013-SIRLEY CHAVES FIGUEIREDO DE SOU-
ZA
870.143/2013-CALTA CALCARIO TAGUATINGA LTDA.
870.144/2013-CALTA CALCARIO TAGUATINGA LTDA.
870.161/2013-AUDISIO PIMENTEL
870.172/2013-BELMONT MINERAÇÃO LTDA
870.195/2013-HERMES DA SILVA LEITE
870.232/2013-UNI GEOLOGIA MINERAÇÃO INDÚS-
TRIA E COMÉRCIO LTDA ME
870.994/2013-DANIELLE NAIR REGIS ALMEIDA MEN-
DES DE CARVALHO
871.237/2013-JOSÉ NICOLAU TEIXEIRA LEITE
871.405/2013-MIRABELA MINERAÇÃO DO BRASIL
LT D A .
871.417/2013-SERVICORPE EXTRAÇAÕ MINERAÇÃO
LT D A
872.075/2013-MINERAÇÃO FAZENDA BRASILEIRO SA
872.076/2013-JACOBINA MINERAÇÃO E COMÉRCIO
LT D A
872.254/2013-WALDSON ALVES PEREIRA JUNIOR
872.255/2013-CIA MINERADORA CAETITE UNO S. A.
872.332/2013-ROZENVAN MINERAÇÃO LTDA
872.343/2013-MINERAÇÃO BARBADOS LTDA. – ME.
872.345/2013-GARROTE MINING PESQUISA MINERAL
LTDA SPE
872.358/2013-PROSERVICE PROMOTORA DE SERVI-
ÇOS ESPECIALIZADOS LTDA EPP
872.384/2013-ECO MINING LTDA
872.437/2013-ROZENVAN MINERAÇÃO LTDA
872.438/2013-ROZENVAN MINERAÇÃO LTDA
872.439/2013-ROZENVAN MINERAÇÃO LTDA
872.473/2013-V DOS SANTOS CERQUEIRA ME
872.535/2013-SUCURI GRANITOS DO BRASIL LTDA
872.731/2013-ELISMAR PEREIRA DOS SANTOS
Indefere requerimento de Autorização de Pesquisa- não
cumprimento de exigência(122)
870.442/2012-MINERAÇÃO PEDREIRA DA BAHIA LT-
DA ME
870.561/2012-EVERALDO BISPO DOS SANTOS
871.568/2012-MFX PARTICIPAÇÕES LTDA
871.706/2012-ULISSES BRAVIN SALES
872.065/2012-HELIO JOSE DANTAS ROSADO
872.335/2012-BRASPEDRAS COMÉRCIO IMPORTAÇÃO
E EXPORTAÇÃO LTDA
872.377/2012-MARCOS NAVARRO COSTA
872.522/2012-MINERAÇÃO VALE DU GRANITO LTDA.
872.615/2012-MANOEL SILVA BENDA
872.481/2013-F G MINERAÇÃO LTDA ME
Fase de Requerimento de Licenciamento
Indefere requerimento de licença – área sem onera-
ção/Port.266/2008(1281)
872.735/2013-W L CONSTRUTORA CASA NOVA LTDA
ME
872.829/2013-RUY GUALBERTO OLIVEIRA DA COSTA
872.877/2013-NESTOR NERESRELAÇÃO N
o-26/2014
Fase de Licenciamento
Retificação de despacho(1391)
870.028/2003-AILTON DA CRUZ ALVES DE CAETITÉ –
Publicado DOU de 24/04/2013, Relação n° 120/13, Seção 1, pág.
84- Onde se lê : “…vencimento em 07/01/2013 ” leia-se : “…ven-
cimento em 07/01/2023”
DANILO MÁRIO BEHRENS CORREIA
SUPERINTENDÊNCIA NO CEARÁ
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-19/2014
FASE DE AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA
Auto de Infração lavrado (TAH)/prazo para defesa ou pa-
gamento: 30 dias. (6.35)
Antonio Carlos Puliciano Dos Santos – 800088/13 – A.I.
28/14
Carbopar Carbomil Participações Mineração e Administração
S/a – 800437/12 – A.I. 21/14, 800920/12 – A.I. 45/14
Cerâmica 4 de Outubro LTDA. me – 800705/13 – A.I.
44/14
Cmn Central Mineral do Nordeste Ltda – 800812/12 – A.I.
26/14
Construtora Goldenfisc Ltda me – 801000/12 – A.I. 23/14,
801004/12 – A.I. 24/14, 801006/12 – A.I. 25/14
Diatomita do Brasil Indústria e Comércio de Minérios Ltda –
800320/12 – A.I. 19/14
Francisco Evandro de Souza Junior me – 800478/12 – A.I.
22/14
Francisco Freire Camelo – 800334/13 – A.I. 37/14
Geraldo Feitosa Júnior Britamentos me – 800220/13 – A.I.
29/14
Goldenex Minerios Ltda – 800640/11 – A.I. 16/14
Indaiá Brasil Águas Minerais Ltda – 800025/12 – A.I.
17/14
José Newton Freitas Filho – 800560/13 – A.I. 41/14
Laurindo Davi de Aguiar me – 800518/13 – A.I. 39/14
Maria Aparecida Pinto do Nascimento – 800524/13 – A.I.
40/14
Martins Barbosa Construcoes, Servicos, Locacoes e Comer-
cio de Maquinas Ltda Epp – 800336/12 – A.I. 20/14
Mineração Elefante Ltda – 800426/11 – A.I. 6/14, 800427/11
– A.I. 7/14, 800428/11 – A.I. 8/14
Mineração Lunar S.A. – 800813/12 – A.I. 27/14, 800636/11 –
A.I. 15/14
Mineração Martins Ltda – 800296/12 – A.I. 18/14
P.w.vasconcelos me – 800598/09 – A.I. 2/14, 800636/09 –
A.I. 3/14, 800637/09 – A.I. 4/14, 800638/09 – A.I. 5/14
Padreco Granitos Ltda me – 800221/13 – A.I. 30/14,
800222/13 – A.I. 31/14, 800223/13 – A.I. 32/14, 800224/13 – A.I.
33/14, 800225/13 – A.I. 34/14, 800255/13 – A.I. 35/14, 800326/13 –
A.I. 36/14, 800639/13 – A.I. 42/14, 800641/13 – A.I. 43/14
Penha Construtora e Locadora LTDA. – 800449/13 – A.I.
38/14
Vicenza Mineração e Participações s a. – 800599/11 – A.I.
9/14, 800600/11 – A.I. 10/14, 800601/11 – A.I. 11/14, 800602/11 –
A.I. 12/14, 800603/11 – A.I. 13/14, 800604/11 – A.I. 14/14
RELAÇÃO N
o-20/2014
Ficam NOTIFICADOS para pagar ou parcelar débito(MUL-
TAS)/prazo 10(dez) dias (6.62)
Jose Aroldo Gonzaga Arruda – 800435/06 – Not.23/2014 –
R$ 125,78
Karine Christie Oliveira de Brito – 800460/07 – Not.18/2014
– R$ 2.743,00
Luisiana Mineração LTDA. – 800318/09 – Not.20/2014 – R$
4.709,09
Matapi Mineradora LTDA. – 800055/09 – Not.19/2014 – R$
4.590,38
Vulcano Export Mineração Exportação e Importação LTDA.
– 800778/07 – Not.21/2014 – R$ 2.503,16
Yang Tower Song – 800349/07 – Not.22/2014 – R$
5.031,99
RELAÇÃO N
o-22/2014
FASE DE AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA
Declara a nulidade do Alvará de Pesquisa-(TAH)/(6.50)
Maria z. da Silva – 800549/12
FERNANDO ANTÔNIO DA COSTA ROBERTO
SUPERINTENDÊNCIA NO ESPÍRITO SANTO
DESPACHO DA SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-21/2014
Fase de Autorização de Pesquisa
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(250)
896.409/2005-MINERAÇÃO ROCHA VIVA LTDA.-OF.
N°0293/2014 – DNPM/ES
896.270/2009-OTÁVIO ZAVARIZE-OF. N°0270/2014 –
DNPM/ES
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201439ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
896.282/2011-BRASILMAR MINERAIS DO BRASIL LT-
DA EPP-OF. N°0271/2014 – DNPM/ES
896.360/2011-FACILITA CRED CONSTRUTORA E IN-
CORPORADORA LTDA ME-OF. N°0250/2014 – DNPM/ES
896.361/2011-FACILITA CRED CONSTRUTORA E IN-
CORPORADORA LTDA ME-OF. N°0251/2014 – DNPM/ES
896.362/2011-FACILITA CRED CONSTRUTORA E IN-
CORPORADORA LTDA ME-OF. N°0252/2014 – DNPM/ES
896.363/2011-FACILITA CRED CONSTRUTORA E IN-
CORPORADORA LTDA ME-OF. N°0253/2014 – DNPM/ES
896.458/2011-QUIUQUI COMERCIO E MINERAÇÃO
LTDA ME-OF. N°0269/2014 – DNPM/ES
Concede anuência e autoriza averbação da cessão total de
direitos(281)
896.099/2001-JOSÉ ANTÔNIO GUIDONI.- Cessionário:Si-
belmar Carlos Frederico – ME- CPF ou CNPJ 07.209.944/0001-12-
Alvará n°4759/2001
896.588/2004-VAINOR ALTOÉ- Cessionário:Ofranti Indús-
tria de Mármores e Granitos Ltda – ME- CPF ou CNPJ
01.980.711/0001-32- Alvará n°7649/2005
Fase de Requerimento de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(361)
890.241/1980-OCIDENTAL GRANITOS E MARMORES
LTDA.-OF. N°0306/2014 – DNPM/ES
896.174/1999-L.Z. MODAS LTDA EPP.-OF. N°0234/2014
– DNPM/ES
896.176/1999-L.Z. MODAS LTDA EPP.-OF. N°0235/2014
– DNPM/ES
Fase de Concessão de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(470)
890.081/1989-MINERAÇÃO THOMAZINI LTDA.-OF.
N°0311/2014 – DNPM/ES
SAMANTA AUGUSTA SOUZA CRUZ
SUPERINTENDÊNCIA EM GOIÁS
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-38/2014
Fase de Autorização de Pesquisa
Torna sem efeito Multa Aplicada-TAH(643)
862.924/2011-EDVAIR ALVES DE OLIVEIRA- AI
N°1.150/12 – de acordo com PARECER/PF/DNPM/GO/TO – Nº
079/2013 – MA
Torna sem efeito a caducidade do alvará de pesquisa-
TA H ( 6 5 1 )
860.768/2010-PEDREIRA CAMPO LIMPO LTDA- Publi-
cado DOU de 10.06.13 – de acordo com PARECER nº
120/2013/PF/DNPM-GO/TO – MA
862.924/2011-EDVAIR ALVES DE OLIVEIRA- Publicado
DOU de 04.01.13 na REL. 463/13 – de acordo com PARE-
CER/PF/DNPM/GO/TO – Nº 079/2013 – MA
Fase de Concessão de Lavra
Torna sem efeito Notificação Administrativa I- MUL-
TA ( 9 0 4 )
860.150/1997-Seta Mineração Ltda- NOT. N°782/12 – (nº
do auto de infração está errado)
Multa aplicada – RAL / prazo para pagamento: 30
dias.(1713)
860.150/1997-SETA MINERAÇÃO LTDA- AI N°764/10
Torna sem efeito multa aplicada – RAL(1723)
860.150/1997-SETA MINERAÇÃO LTDA- AI N°744/10
(nº do auto de infração está errado)
RELAÇÃO N
o-39/2014
Fase de Autorização de Pesquisa
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(250)
861.537/2010-TITANIO GOIÁS MINERAÇÃO IND. E
COM. LTDA-OF. N°168/2014
861.538/2010-TITANIO GOIÁS MINERAÇÃO IND. E
COM. LTDA-OF. N°167/2014
861.864/2010-MINERAÇÃO MARACÁ INDUSTRIA E
COMERCIO SA-OF. N°177/2014
861.865/2010-MINERAÇÃO MARACÁ INDUSTRIA E
COMERCIO SA-OF. N°176/2014
Prorroga prazo para cumprimento de exigência – Prazo 60
dias(252)
860.103/2013-RAFAELLA MENDES DE FREITAS-OF.
N°243/2014
Fase de Requerimento de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(361)
861.329/2008-JT MINERAÇÃO LTDA-OF. N°180/2014
Fase de Concessão de Lavra
Aprova o modelo de rotulo da embalagem de água(440)
860.194/1994-D’VIDA ÁGUAS MINERAIS LTDA.- Fonte:
DA VIDA; Marca: AQUA PURA E LEVE; Embalagens: 300mL e
1,5L (com gás).- BRASÍLIA/DF
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(470)
814.093/1968-BRITACAL IND E COM DE BRITA E
CALCARIO BRASILIA LTDA-OF. N°179/2014
863.474/1996-CALCÁRIO OURO BRANCO LTDA-OF.
N°247/2014
863.475/1996-CALCÁRIO OURO BRANCO LTDA-OF.
N°246/2014
860.228/1998-CARMO MINERAÇÃO INDÚSTRIA E CO-
MÉRCIO LTDA-OF. N°249/2014860.874/1999-TEMPUS ALIMENTOS E LAZER LTDA-
OF. N°169/2014
860.388/2000-CARMO MINERAÇÃO INDÚSTRIA E CO-
MÉRCIO LTDA-OF. N°248/2014
Fase de Licenciamento
Determina cumprimento de exigência – Prazo 30 dias(718)
860.837/2011-MINERAÇÃO BATALHA E PARTICIPA-
ÇÕES LTDA ME-OF. N°178/2014
RELAÇÃO N
o-40/2014
Fase de Requerimento de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(361)
861.168/2005-ANGLO AMERICAN NÍQUEL BRASIL
LTDA.-OF. N°231/DTM/DNPM/2014
862.207/2005-ANGLO AMERICAN NÍQUEL BRASIL
LTDA.-OF. N°229/DTM/DNPM/2014
862.208/2005-ANGLO AMERICAN NÍQUEL BRASIL
LTDA.-OF. N°227/DTM/DNPM/2014
834.306/2007-CERAMICA RIO VERDE LTDA-OF.
N°268/DTM/DNPM/2014
861.431/2007-MINERAÇÃO DE CALCÁRIO MONTIVI-
DIU LTDA.-OF. N°258/DTM/DNPM/2014
860.586/2008-ARENAN EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE
AREIA LTDA-OF. N°221/DTM/DNPM/2014
860.093/2009-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°219/DTM/DNPM/2014
860.264/2009-MINERAÇÃO DE CALCÁRIO MONTIVI-
DIU LTDA.-OF. N°260/DTM/DNPM/2014
860.312/2009-AREAL MINAS GOIÁS LTDA-OF.
N°271/DTM/DNPM/2014
860.435/2009-WERLON ALVES CORDEIRO ME-OF.
N°273/DTM/DNPM/2014
860.848/2009-MINERAÇÃO DE CALCÁRIO MONTIVI-
DIU LTDA.-OF. N°266/DTM/DNPM/2014
860.041/2011-CERÂMICA CATALÃO LTDA-OF.
N°150/DTM/DNPM/2014
860.121/2011-CERÂMICA CATALÃO LTDA-OF.
N°152/DTM/DNPM/2014
860.195/2011-CERAMICA RIO VERDE LTDA-OF.
N°154/DTM/DNPM/2014
860.314/2011-CERAMICA PARAISO LTDA-OF.
N°178/DTM/DNPM/2014
860.997/2011-JOSÉ LEOMAR E IRACIMAR LTDA-OF.
N°180/DTM/DNPM/2014
860.356/2012-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°185/DTM/DNPM/2014
860.357/2012-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°204/DTM/DNPM/2014
860.358/2012-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°185/DTM/DNPM/2014
861.253/2012-CEC MINERADORA LTDA-OF.
N°182/DTM/DNPM/2014
861.254/2012-CEC MINERADORA LTDA-OF.
N°182/DTM/DNPM/2014
Prorroga prazo para cumprimento de exigência(364)
860.001/1987-FERROGEO MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°149/DTM/DNPM/2014-180 dias
862.399/2007-SINTERTEC MINERAIS INDUSTRIAIS
LTDA.-OF. N°224/DTM/DNPM/2014-60 dias
Reitera exigência(366)
861.003/2007-SETA MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°218/DTM/DNPM/2014-180 dias
Determina cumprimento de exigência – Prazo 180
dias(1054)
861.168/2005-ANGLO AMERICAN NÍQUEL BRASIL
LTDA.-OF. N°232/DTM/DNPM/2014
861.856/2005-MINERAÇÃO E COMERCIO DE PRODU-
TOS MINERAIS CAIAPÓ LTDA-OF. N°223/DTM/DNPM/2014
862.207/2005-ANGLO AMERICAN NÍQUEL BRASIL
LTDA.-OF. N°230/DTM/DNPM/2014
862.208/2005-ANGLO AMERICAN NÍQUEL BRASIL
LTDA.-OF. N°228/DTM/DNPM/2014
834.306/2007-CERAMICA RIO VERDE LTDA-OF.
N°269/DTM/DNPM/2014
861.431/2007-MINERAÇÃO DE CALCÁRIO MONTIVI-
DIU LTDA.-OF. N°259/DTM/DNPM/2014
860.586/2008-ARENAN EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE
AREIA LTDA-OF. N°222/DTM/DNPM/2014
860.093/2009-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°220/DTM/DNPM/2014
860.264/2009-MINERAÇÃO DE CALCÁRIO MONTIVI-
DIU LTDA.-OF. N°261/DTM/DNPM/2014
860.312/2009-AREAL MINAS GOIÁS LTDA-OF.
N°272/DTM/DNPM/2014
860.435/2009-WERLON ALVES CORDEIRO ME-OF.
N°274/DTM/DNPM/2014
860.041/2011-CERÂMICA CATALÃO LTDA-OF.
N°151/DTM/DNPM/2014
860.121/2011-CERÂMICA CATALÃO LTDA-OF.
N°153/DTM/DNPM/2014
860.195/2011-CERAMICA RIO VERDE LTDA-OF.
N°155/DTM/DNPM/2014
860.314/2011-CERAMICA PARAISO LTDA-OF.
N°179/DTM/DNPM/2014
860.997/2011-JOSÉ LEOMAR E IRACIMAR LTDA-OF.
N°181/DTM/DNPM/2014
860.356/2012-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°202/DTM/DNPM/2014860.357/2012-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°205/DTM/DNPM/2014
860.358/2012-CATALANA IND E COM DE ARTEFATOS
DE CIMENTO E CONST LTDA-OF. N°203/DTM/DNPM/2014
861.253/2012-CEC MINERADORA LTDA-OF.
N°183/DTM/DNPM/2014
861.254/2012-CEC MINERADORA LTDA-OF.
N°184/DTM/DNPM/2014
RELAÇÃO No-42/2014
Fase de Requerimento de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(361)
860.838/1988-SAFRA MINERAÇÃO, INDUSTRIA E CO-
MERCIO LTDA-OF. N°291/DTM/DNPM/2014
860.839/1988-SAFRA MINERAÇÃO, INDUSTRIA E CO-
MERCIO LTDA-OF. N°291/DTM/DNPM/2014
860.839/1988-SAFRA MINERAÇÃO, INDUSTRIA E CO-
MERCIO LTDA-OF. N°291/DTM/DNPM/2014
860.361/2007-F.S. AREIAS LTDA-OF.
N°226/DTM/DNPM/2014
861.286/2009-KF MINERAÇÃO & TRANSPORTE LT-
DA.-OF. N°296/DTM/DNPM/2014
862.872/2011-ALFA ROCK CONSTRUTORA LTDA-OF.
N°285/DTM/DNPM/2014
Prorroga prazo para cumprimento de exigência(364)
861.409/2009-CIMENTO TUPI S.A.-OF.
N°295/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.240/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°276/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.241/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°277/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.242/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°278/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.243/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°279/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.244/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°280/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.245/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°280/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.246/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°282/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.247/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°284/DTM/DNPM/2014-180 dias
860.248/2011-RTM MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°284/DTM/DNPM/2014-180 dias
Reitera exigência(366)
861.026/2000-BRITACAL IND E COM DE BRITA E
CALCARIO BRASILIA LTDA-OF. N°290/DTM/DNPM/2014-180
dias
860.504/2004-DECORLINE COMÉRCIO E INDÚSTRIA
LTDA-OF. N°288/DTM/DNPM/2014-180 dias
861.321/2004-BRITACAL IND E COM DE BRITA E
CALCARIO BRASILIA LTDA-OF. N°289/DTM/DNPM/2014-180
dias
860.361/2007-F.S. AREIAS LTDA-OF.
N°225/DTM/DNPM/2014-60 dias
861.409/2009-CIMENTO TUPI S.A.-OF.
N°294/DTM/DNPM/2014-60 dias
Determina cumprimento de exigência – Prazo 180
dias(1054)
860.838/1988-SAFRA MINERAÇÃO, INDUSTRIA E CO-
MERCIO LTDA-OF. N°292/DTM/DNPM/2014
860.839/1988-SAFRA MINERAÇÃO, INDUSTRIA E CO-
MERCIO LTDA-OF. N°293/DTM/DNPM/2014
861.286/2009-KF MINERAÇÃO & TRANSPORTE LT-
DA.-OF. N°297/DTM/DNPM/2014
862.872/2011-ALFA ROCK CONSTRUTORA LTDA-OF.
N°286/DTM/DNPM/2014
Fase de Licenciamento
Determina cumprimento de exigência – Prazo 30 dias(718)
860.221/2011-VERA LÚCIA INÁCIA DA CRUZ-OF.
N°216/DTM/DNPM/2014
860.222/2011-VERA LÚCIA INÁCIA DA CRUZ-OF.
N°217/DTM/DNPM/2014
860.405/2013-ANTÔNIO SEBASTIÃO MENDES-OF.
N°233/DTM/DNPM/2014
860.483/2013-ANDERSON BALBINO DE MEDEIROS-
OF. N°207/DTM/DNPM/2014
Autoriza averbação da Prorrogação do Registro de Licen-
ça(742)
861.201/2009-WESLEY VICTOR DE FARIA- Registro de
Licença N°:142/2010 – Vencimento em 16/01/2018
861.497/2009-ROMEU DA SILVA PINHEIRO- Registro de
Licença N°:147/2010 – Vencimento em 26/09/2014
861.607/2009-D. L. DO PRADO M. CONSTRUCAO ME-
Registro de Licença N°:219/2010 – Vencimento em 12/08/2014
860.120/2010-FABIO CALISTRATO RESENDE- Registro
de Licença N°:105/2011 – Vencimento em 30/07/2017
860.724/2011-DIVINA APARECIDA FERREIRA- Registro
de Licença N°:148/2012 – Vencimento em 29/11/2014
861.522/2011-JOÃO BATISTA MACHADO- Registro de
Licença N°:079/2012 – Vencimento em 10/12/2015
861.645/2011-JOÃO BATISTA BERNARDINO- Registro
de Licença N°:246/2012 – Vencimento em 27/10/2014
862.287/2011-LUCILEY ALVES ROSA- Registro de Li-
cença N°:075/2012 – Vencimento em 16/10/2014
862.772/2011-HAILSON FRANÇA MOREIRA- Registro
de Licença N°:099/2012 – Vencimento em 07/11/2015
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201440ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
862.775/2011-ADERI INÁCIO DA SILVEIRA- Registro de
Licença N°:234/2012 – Vencimento em 04/11/2015
862.943/2011-APARECIDO D.DA SILVA ME- Registro de
Licença N°:126/2012 – Vencimento em 20/09/2015
862.961/2011-ALTAMIRA FRANCISCA ITACARAMBY-
Registro de Licença N°:172/2012 – Vencimento em 05/03/2014
860.825/2012-LIVERTINO BATISTA DA SILVA- Registro
de Licença N°:186/2012 – Vencimento em 20/01/2015
860.182/2013-JOSÉ DA ROCHA RODRIGUES- Registro
de Licença N°:156/2013 – Vencimento em 01/06/2016
Indefere pedido de prorrogação do Registro de Licen-
ça(744)
861.376/2006-EURIPEDES BARSANULFO BUENO
861.085/2009-MARILENE RODRIGUES MARTINS
860.014/2010-ERCY JACINTO DA SILVA
Fase de Requerimento de Licenciamento
Outorga o Registro de Licença com vigência a partir dessa
publicação:(730)
861.134/2012-LIVIA VIEIRA GOMES-Registro de Licença
N°021/2014 de 10/02/2014-Vencimento em 12/04/2017
861.383/2012-ROGÉRIO SALDANHA-Registro de Licença
N°012/2014 de 06/02/2014-Vencimento em 03/07/2016
861.602/2012-MARCELO ALVES FERREIRA-Registro de
Licença N°022/2014 de 10/02/2014-Vencimento em INDETERMI-
NADO
862.093/2012-NEILSON GONÇALVES DE ALMEIDA
JUNIOR-Registro de Licença N°17/2014 de 06/02/2014-Vencimento
em 06/11/2017
862.135/2012-ALISSON GONÇALVES DA TRINDADE-
Registro de Licença N°015/2014 de 06/02/2014-Vencimento em
23/10/2014
862.172/2012-LAZARO VIEIRA SOBRINHO-Registro de
Licença N°014/2014 de 06/02/2014-Vencimento em 18/12/2014
860.551/2013-JOÃO DORNELES DE JESUS-Registro de
Licença N°023/2014 de 10/02/2014-Vencimento em 28/12/2016
860.583/2013-SÉRGIO JOSÉ FERREIRA-Registro de Li-
cença N°016/2014 de 06/02/2014-Vencimento em 14/02/2017
861.027/2013-AFONSO DE OLIVEIRA CARVALHO-Re-
gistro de Licença N°018/2014 de 10/02/2014-Vencimento em
18/03/2023
861.137/2013-PABLO CARNEIRO PINTO-Registro de Li-
cença N°020/2014 de 10/02/2014-Vencimento em 18/07/2014
861.150/2013-MARCOS ANTÔNIO MEIRELES FI-Regis-
tro de Licença N°019/2014 de 10/02/2014-Vencimento em
27/05/2015
861.177/2013-AMARILES AGAPITO DA SILVEIRA-Re-
gistro de Licença N°011/2014 de 06/02/2014-Vencimento em
16/05/2023
Determina cumprimento de exigência – Prazo 30 dias(1155)
861.205/2013-HESMONE JOSE DA SILVA-OF.
N°136/DTM/DNPM/2014
Indefere requerimento de licença – área sem onera-
ção/Port.266/2008(1281)
860.935/2013-ATHOS LUIZ DEZONNE DE SOUSA
RELAÇÃO N
o-43/2014
Fase de Requerimento de Pesquisa
Indefere requerimento de pesquisa por interferência to-
tal(121)
861.908/2013-JOSÉ MARIA DA SILVA
861.909/2013-NILZA RODRIGUES PEREIRA DE OLI-
VEIRA
861.914/2013-EUNISSE LELES DOS SANTOS
862.085/2013-HP MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE
L LT D A .
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(131)
861.701/2013-CESAR AUGUSTO SERONNI-OF.
N°158/2014
861.703/2013-BILLION MINERACAO LTDA-OF.
N°159/2014
861.745/2013-GIL ADRIANO DA SILVA-OF. N°141/2014
861.747/2013-ADEMIR MARTINS COSTA-OF.
N°147/2014
861.748/2013-ADEMIR MARTINS COSTA-OF.
N°147/2014
861.754/2013-QUARTZITI MINERADORA LTDA-OF.
N°143/2014
861.756/2013-SETA MINERAÇÃO LTDA-OF. N°148/2014
861.757/2013-SETA MINERAÇÃO LTDA-OF. N°148/2014
861.760/2013-ALCYR VENCESLAU DE OLIVEIRA-OF.
N°144/2014
861.766/2013-DELDUQUE LOPES DE SOUSA-OF.
N°145/2014
861.767/2013-CARLOS AUGUSTO MARTINS MESQUI-
TA-OF. N°146/2014
861.807/2013-MINERAÇÂO E TRANSPORTES CORUM-
BÁ LTDA-OF. N°166/2014
861.808/2013-MINERAÇÂO E TRANSPORTES CORUM-
BÁ LTDA-OF. N°166/2014
861.810/2013-SETA MINERAÇÃO LTDA-OF. N°148/2014
861.811/2013-SETA MINERAÇÃO LTDA-OF. N°148/2014
861.837/2013-EDIFICA PARTICIPAÇÕES LTDA-OF.
N°249/2014
861.839/2013-ADILSON GERALDO DE OLIVEIRA-OF.
N°250/2014
861.841/2013-JOÃO NEURIVALDO GOMES-OF.
N°251/2014861.848/2013-CLAUDEMY PEREIRA DA SILVA-OF.
N°252/2014
861.851/2013-EDIVAN ENES OLIVEIRA DA SILVA-OF.
N°253/2014
861.860/2013-FERNANDES DA SILVA E SOUSA-OF.
N°254/2014
861.949/2013-ANGLO AMERICAN NÍQUEL BRASIL
LTDA.-OF. N°255/2014
861.957/2013-MARIA MOREIRA DOS SANTOS-OF.
N°256/2014
861.970/2013-PEDREIRA PEDRA NEGRA LTDA.-OF.
N°157/2014
Fase de Requerimento de Lavra Garimpeira
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(344)
861.692/2013-EDISON NAGIB ZACCARIAS-OF.
N°030/2014
Fase de Requerimento de Licenciamento
Indefere requerimento de licença – área sem onera-
ção/Port.266/2008(1281)
860.092/2014-ITALO DE SOUZA CARNEIRO ME
RELAÇÃO N
o-47/2014
Fase de Requerimento de Pesquisa
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(131)
861.704/2013-BILLION MINERACAO LTDA-OF.
N°160/2014
861.708/2013-LUIZ SEVERIANO CARDOSO-OF.
N°161/2014
861.709/2013-LUIZ SEVERIANO CARDOSO-OF.
N°161/2014
861.710/2013-LUIZ SEVERIANO CARDOSO-OF.
N°161/2014
861.711/2013-LUIZ SEVERIANO CARDOSO-OF.
N°161/2014
861.714/2013-J.R. PEREIRA-OF. N°163/2014
861.715/2013-BRASIL MINERIOS LTDA-OF. N°164/2014
861.716/2013-MÁRCIO GREIK DE ANDRADE-OF.
N°208/2014
861.717/2013-RUBENS VAZ DA SILVA-OF. N°209/2014
861.718/2013-TATIANA DA SILVA-OF. N°210/2014
861.723/2013-ELIAS NESSRALLA JUNIOR-OF.
N ° 2 11 / 2 0 1 4
861.727/2013-MARA CELESTE DE OLIVEIRA-OF.
N°212/2014
861.731/2013-ANILTON LUIZ DE CAMARGO-OF.
N°213/2014
861.746/2013-LUDMILA SILVA GUIMARAES DE PAI-
VA-OF. N°142/2014
861.778/2013-VALDECI ALVES KELLER-OF.
N°214/2014
861.788/2013-FREDERICO ARANTES SANTOS ME-OF.
N°170/2014
861.790/2013-CAMILA ARÉBALO DE BARCELOS-OF.
N°171/2014
861.806/2013-ANDERSON REIS DE FARIA-OF.
N°172/2014
861.809/2013-EMAC TRANSPORTES LTDA-OF.
N°173/2014
861.814/2013-LUIZ PAGLIATO JUNIOR-OF. N°175/2014
861.817/2013-MSF MINERAÇÃO S.A.-OF. N°177/2014
861.818/2013-FABRICIO LOPES VIEIRA-OF. N°186/2014
861.819/2013-CLAUDIO MEDEIROS DE AZEVEDO-OF.
N°187/2014
861.820/2013-BRUNO OLIVEIRA RIBEIRO-OF.
N°188/2014
861.822/2013-LUIZ PAGLIATO JUNIOR-OF. N°189/2014
861.823/2013-BELCHIOR DE SOUZA-OF. N°190/2014
861.828/2013-MINERAÇÃO PIRINEUS LTDA-OF.
N°246/2014
861.830/2013-LAURO DE OLIVEIRA SILVA-OF.
N°247/2014
861.836/2013-EDIMINAS MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°248/2014
861.863/2013-MBM MINERAÇÃO S A.-OF. N°191/2014
RELAÇÃO N
o-50/2014
Fase de Requerimento de Pesquisa
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(131)
860.988/2013-BRUNO CARMO COSTA-OF. N°245/2014
861.815/2013-JULIANO XAVIER FRAUSINO BARNA-
BE-OF. N°176/2014
861.865/2013-M. BRASILE MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°192/2014
861.868/2013-ADRIANA MÁRCIA LIMA DA SILVA-OF.
N°193/2014
861.872/2013-MINERAÇÃO DE CALCÁRIO MONTIVI-
DIU LTDA.-OF. N°194/2014
861.873/2013-RENATO MOREIRA FALLONI-OF.
N°195/2014
861.894/2013-GUARAMIX COMÉRCIO EXTRAÇÃO E
TRANSPORTE DE MINÉRIO LTDA EPP-OF. N°196/2014
861.895/2013-GUARAMIX COMÉRCIO EXTRAÇÃO E
TRANSPORTE DE MINÉRIO LTDA EPP-OF. N°196/2014
861.896/2013-GUARAMIX COMÉRCIO EXTRAÇÃO E
TRANSPORTE DE MINÉRIO LTDA EPP-OF. N°197/2014
861.897/2013-MATHEUS RODRIGUES-OF. N°198/2014861.898/2013-VETTEL ENGENHARIA & MINERAÇÃO
LTDA-OF. N°199/2014
861.899/2013-VETTEL ENGENHARIA & MINERAÇÃO
LTDA-OF. N°200/2014
861.900/2013-CERÂMICA MOTA LTDA-OF. N°201/2014
861.902/2013-JAIR RODRIGUES DE PAULO-OF.
N°206/2014
861.906/2013-RODRIGO PEREIRA DINIZ-OF.
N°234/2014
861.907/2013-RODRIGO PEREIRA DINIZ-OF.
N°234/2014
861.915/2013-LUCILEIDE EMIDIO DE OLIVEIRA-OF.
N°235/2014
861.917/2013-RIO DO OURO MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°236/2014
861.918/2013-RIO DO OURO MINERAÇÃO LTDA-OF.
N°237/2014
861.921/2013-CALCARIO URUAÇU LTDA-OF.
N°238/2014
861.922/2013-CALCÁRIO OURO BRANCO LTDA-OF.
N°239/2014
861.923/2013-VOTORANTIM CIMENTOS S A-OF.
N°240/2014
861.926/2013-THARCISIO ALMEIDA SOUSA-OF.
N°257/2014
861.927/2013-ANDERSON REIS DE FARIA-OF.
N°242/2014
861.929/2013-FELIPE LUTFALLAH FARAH-OF.
N°264/2014
861.938/2013-DOMINGOS FERNANDO MOURO-OF.
N°241/2014
861.940/2013-GILBERTO FERREIRA TAKATO-OF.
N°243/2014
861.945/2013-AMARILLO MINERAÇÃO DO BRASIL
LTDA.-OF. N°244/2014
861.946/2013-AMARILLO MINERAÇÃO DO BRASIL
LTDA.-OF. N°244/2014
DAGOBERTO PEREIRA SOUZA
SUPERINTENDÊNCIA NO MARANHÃO
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-15/2014
Fase de Autorização de Pesquisa
Torna sem efeito Auto de Infração -TAH(636)
806.726/2010-LIMA E CAVALCANTI LTDA- AI
N°48/2014
RELAÇÃO N
o-16/2014
Fase de Concessão de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(470)
806.092/2001-MINERAÇÃO MONT’ALVERNE LTDA-OF.
N°1.596/2013
Fase de Requerimento de Licenciamento
Outorga o Registro de Licença com vigência a partir dessa
publicação:(730)
806.020/2012-CERÂMICA MADALENA LTDA-Registro
de Licença N°008/2014 de 12 de fevereiro de 2014-Vencimento em
26 de janeiro de 2027
806.285/2012-ICEMA INDUSTRIA CERAMICA DO MA-
RANHÃO LTDA-Registro de Licença N°004/2014 de 10 de feve-
reiro de 2014-Vencimento em 10 de maio de 2014
806.101/2013-GUTERRES CONSTRUÇÕES E COMÉR-
CIO LTDA-Registro de Licença N°006/2011/2014 de 12 de feve-
reiro de 2014-Vencimento em 26 de março de 2018
806.155/2013-CERÂMICA REINALDO SOUSA LTDA
ME-Registro de Licença N°009/2014 de 12 de fevereiro de 2014-
Vencimento em 11 de julho de 2033
806.253/2013-CONSTRUTORA URANO LTDA.-Registro
de Licença N°007/2014 de 12 de fevereiro de 2014-Vencimento em
26 de setembro de 2016
Reconsidera o despacho de indeferimento(1162)
806.083/2013-VIEIRA E RUGERI LTDA EPP
Fase de Licenciamento
Autoriza averbação da Prorrogação do Registro de Licen-
ça(742)
806.681/2011-SAO RAIMUNDO PRODUTOS CERAMI-
COS LTDA- Registro de Licença N°:016/2013 – Vencimento em 19
de dezembro de 2017
FERNANDO JOSÉ OLIVEIRA DUAILIBE
MENDONÇA
SUPERINTENDÊNCIA NO MATO GROSSO DO SUL
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-19/2014
Fase de Requerimento de Pesquisa
Indefere requerimento de Autorização de Pesquisa- não
cumprimento de exigência(122)
868.122/2012-MINERAÇÃO ORO-YTE LTDA.
868.123/2012-MINERAÇÃO ORO-YTE LTDA.
868.228/2012-MINERAÇÃO RIO LUZ E COMÉRCIO LT-
DA
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(131)
868.285/2013-ESMERALDO DIAS PEREIRA-OF.
N°122/14
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201441ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
868.286/2013-ESMERALDO DIAS PEREIRA-OF.
N°122/14
868.287/2013-ESMERALDO DIAS PEREIRA-OF.
N°122/14
868.288/2013-ESMERALDO DIAS PEREIRA-OF.
N°122/14
868.315/2013-CEBRAINNE MINERAÇÃO E COMÉRCIO
LTDA ME-OF. N°134/14
868.316/2013-CEBRAINNE MINERAÇÃO E COMÉRCIO
LTDA ME-OF. N°134/14
868.317/2013-CEBRAINNE MINERAÇÃO E COMÉRCIO
LTDA ME-OF. N°134/14
868.318/2013-CEBRAINNE MINERAÇÃO E COMÉRCIO
LTDA ME-OF. N°134/14
868.319/2013-CEBRAINNE MINERAÇÃO E COMÉRCIO
LTDA ME-OF. N°134/14
868.330/2013-MINERAÇÃO TOZZI JUNQUEIRA LTDA
ME-OF. N°136/14
868.001/2014-COPLAN CONSTRUTORA PLANALTO
LTDA.-OF. N°137/14
868.007/2014-GERSON PRATA JUNIOR-OF. N°179/14
868.008/2014-MINERAÇÃO SANTA MARIA LTDA –
EPP-OF. N°185/14
868.009/2014-MINERAÇÃO SANTA MARIA LTDA –
EPP-OF. N°185/14
868.010/2014-RIO VERDE EXTRAÇÃO DE ARGILA LT-
DA ME-OF. N°186/14
868.011/2014-RIO VERDE EXTRAÇÃO DE ARGILA LT-
DA ME-OF. N°186/14
868.012/2014-TEREZA CRISTINA CORREA DA COSTA
DIAS-OF. N°187/14
Fase de Concessão de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(470)
868.104/1997-JONAS BARBOSA GARCIA & CIA LTDA-
OF. N°182/14
Fase de Requerimento de Licenciamento
Indefere requerimento de licença – área onerada/Port.
266/2008(1282)
868.260/2012-C A A DOS SANTOS ME
Fase de Licenciamento
Determina a cassação do Registro de Licença(1289)
868.124/2005-MARCOS JOSE FELIX- Registro de Licen-
ça N°24/2005- Publicado no DOU de 21/10/2005
ANTONIO CARLOS NAVERRETE SANCHES
SUPERINTENDÊNCIA NA PARAÍBA
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-10/2014
LICENCIAMENTO ( 7.72)
Fica o abaixo relacionado ciente de que não houve apre-
sentação da defesa administrativa; restando-lhes pagar ou parcelar os
débito(s) apurado(s) da Compensação Financeira pela Exploração de
Recursos Minerais – CFEM (art. 3º, IX, da Lei nº 8.876/94, c/c as
Leis nº 7.990/89, nº 8.001/90, art. 61 da Lei nº 9.430/96, Lei nº
9.993/00, nº 10.195/01 e nº 10.522/02), no prazo de 10 (dez) dias, sob
pena de inscrição em Dívida Ativa, CADIN e ajuizamento da ação de
execução.
Processo de Cobrança nº 946.216/2013
Notificado: Severino Cordeiro do Amaral.
CNPJ/CPF: 02.942.745/0001-03
NFLDP nº 83/2013
Valor: R$ 21.513,09
Fica o abaixo relacionado ciente de que não houve apre-
sentação da defesa administrativa; restando-lhes pagar ou parcelar os
débito(s) apurado(s) da Compensação Financeira pela Exploração de
Recursos Minerais – CFEM (art. 3º, IX, da Lei nº 8.876/94, c/c as
Leis nº 7.990/89, nº 8.001/90, art. 61 da Lei nº 9.430/96, Lei nº
9.993/00, nº 10.195/01 e nº 10.522/02), no prazo de 10 (dez) dias, sob
pena de inscrição em Dívida Ativa, CADIN e ajuizamento da ação de
execução.
Processo de Cobrança nº 946.271/2013
Notificado: Suenia da Silva Vieira ME.
CNPJ/CPF: 07.300.703/0001-84
NFLDP nº 105/2013
Valor: R$ 1.914,18
Fica o abaixo relacionado ciente de que se julgou, parcial-
mente, procedente a defesa administrativa interposta, restando-lhes
pagar, parcelar ou interpor recurso relativo ao(s) débito(s) apurado(s)
da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais –
CFEM (art. 3º, IX, da Lei nº 8.876/94, c/c as Leis nº 7.990/89, nº
8.001/90, art. 61 da Lei nº 9.430/96, Lei nº 9.993/00, nº 10.195/01 e
nº 10.522/02), no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de inscrição em
Dívida Ativa, CADIN e ajuizamento da ação de execução.Processo de Cobrança nº 946.338/2011
Notificado: Extração de Areia São Miguel Ltda.
CNPJ/CPF: 03.215.725/0001-95
NFLDP nº 275/2011
Valor: R$ 14.194,23
Fica o abaixo relacionado ciente de que se julgou, parcial-
mente, procedente a defesa administrativa interposta, restando-lhe pa-
gar, parcelar ou apresentar recurso relativo ao(s) débito(s) apurado(s)
da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais –
CFEM (art. 3º, IX, da Lei nº 8.876/94, c/c as Leis nº 7.990/89, nº
8.001/90, art. 61 da Lei nº 9.430/96, Lei nº 9.993/00, nº 10.195/01 e
nº 10.522/02), no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de inscrição em
Dívida Ativa, CADIN e ajuizamento da ação de execução.
Processo de Cobrança nº 946.337/2011
Notificado: Extração de Areia São Miguel Ltda.
CNPJ/CPF: 03.215.725/0001-95
NFLDP nº 271/2011
Valor: R$ 17.835,55
GUILHERME HENRIQUE SILVEIRA E SILVA.
SUPERINTENDÊNCIA NO PARANÁ
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-149/2013
Fica(m) o(s) abaixo relacionado(s) NOTIFICADO(S) a pa-
gar, parcelar ou apresentar defesa, relativa ao(s) débito(s) apurado(s)
da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais –
CFEM (art. 3º, IX, da Lei nº 8.876/94, c/c as Leis nº 7.990/89, nº
8.001/90, art. 61 da Lei nº 9.430/96, Lei nº 9.993/00, nº 10.195/01 e
nº 10.522/02), no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de inscrição em
Dívida Ativa, no CADIN e ajuizamento da ação de execução.
Titular: Baleal Indústria e Comércio de Areia Ltda Epp
Cpf/cnpj :02.046.178/0001-07 – Processo minerário: 826277/98 – Pro-
cesso de cobrança: 926302/13 Valor: R$.4.784,79
Titular: Hobi & CIA.LTDA. Cpf/cnpj :81.639.791/0001-04 –
Processo minerário: 820642/87 – Processo de cobrança: 926506/13
Valor: R$.186.726,73
RELAÇÃO N
o-218/2013
Fica(m) o(s) abaixo relacionado(s) NOTIFICADO(S) a pa-
gar, parcelar ou apresentar defesa, relativa ao(s) débito(s) apurado(s)
da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais –
CFEM (art. 3º, IX, da Lei nº 8.876/94, c/c as Leis nº 7.990/89, nº
8.001/90, art. 61 da Lei nº 9.430/96, Lei nº 9.993/00, nº 10.195/01 e
nº 10.522/02), no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de inscrição em
Dívida Ativa, no CADIN e ajuizamento da ação de execução.
Titular: Pedreira Central Ltda Cpf/cnpj :80.051.881/0001-09
– Processo minerário: 820091/88 – Processo de cobrança: 926577/13
Valor: R$.288.005,69
Titular: Pedreira Ica Ltda Cpf/cnpj :75.218.453/0001-98 –
Processo minerário: 821072/81 – Processo de cobrança: 926574/13
Valor: R$.289.211,31
RELAÇÃO N
o-21/2014
Fica(m) o(s) abaixo relacionado(s) NOTIFICADO(S) a pa-
gar, parcelar ou apresentar defesa, relativa ao(s) débito(s) apurado(s)
da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais –
CFEM (art. 3º, IX, da Lei nº 8.876/94, c/c as Leis nº 7.990/89, nº
8.001/90, art. 61 da Lei nº 9.430/96, Lei nº 9.993/00, nº 10.195/01 e
nº 10.522/02), no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de inscrição em
Dívida Ativa, no CADIN e ajuizamento da ação de execução.
Titular: Euro Minérios Ltda Cpf/cnpj :03.219.633/0001-83 –
Processo minerário: 826261/98 – Processo de cobrança: 926037/14
Valor: R$.37.700,52
Titular: Mineração Fiorese Ltda Cpf/cnpj :80.400.005/0001-
40 – Processo minerário: 800520/68 – Processo de cobrança:
926032/14 Valor: R$.20.142,63
Titular: Minérios Furquim LTDA. Cpf/cnpj
:80.840.861/0001-17 – Processo minerário: 1243/44 – Processo de
cobrança: 926033/14 Valor: R$.128.345,03
Titular: Pedreira Guarapuava Ltda Cpf/cnpj
:77.011.021/0001-37 – Processo minerário: 820337/80 – Processo de
cobrança: 926034/14 Valor: R$.201.611,25
HUDSON CALEFE
SUPERINTENDÊNCIA NO RIO GRANDE DO NORTE
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-30/2014
Ficam NOTIFICADOS para pagar ou parcelar débito(MUL-
TAS)/prazo 10(dez) dias (6.62)
Borborema Mineração LTDA. – 848042/09 – Not.25/2014 –
R$ 2.591,14
Serra Norte Granitos Ltda – 848373/08 – Not.26/2014 – R$
2 . 2 11 , 1 7RELAÇÃO N
o-38/2014
Ficam NOTIFICADOS para pagar ou parcelar débi-
to(TAH)/prazo 10(dez) dias (1.78)
Borborema Mineração LTDA. – 848042/09 – Not.24/2014 –
R$ 8.112,35
ROGER GARIBALDI MIRANDA
SUPERINTENDÊNCIA EM RONDÔNIA
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-11 / 2 0 1 4
FASE DE AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA
Auto de Infração lavrado (TAH)/prazo para defesa ou pa-
gamento: 30 dias. (6.35)
Adivaldo Pires de Oliveira – 886253/12 – A.I. 42/14
Adriano Valdemar Vicentini – 886335/13 – A.I. 51/14
Aldir da Silva Gonçalves – 886335/10 – A.I. 5/14
Antonio Derli Fernandes Borges – 886302/12 – A.I. 44/14
Antonio Furtado Filho – 886369/11 – A.I. 31/14
Britacre Industria e Comercio Eireli me – 886384/13 – A.I.
52/14
c. r. m. Gadelha Importação e Exportação me – 886179/13 –
A.I. 56/14
Castaman Extração e Transportes Ltda me – 886077/13 – A.I.
54/14
Construtora e Instaladora Rondonorte Ltda me – 886320/13 –
A.I. 50/14
Creuza Luce Cunha da Silva – 886257/03 – A.I. 2/14
d & d Serviços e Transportes Ltda me – 886322/12 – A.I.
45/14
Domingos Donizete Solinos – 886197/12 – A.I. 36/14
e. Perini Materiais Para Construção Epp – 886056/13 – A.I.
46/14
Elcim Nunes da Silva – 886294/08 – A.I. 3/14, 886121/10 –
A.I. 4/14
Emec Engenharia e Construção Ltda – 886278/13 – A.I.
48/14
Engeplan Construções e Incorporações Ltda Epp – 886298/13
– A.I. 49/14
Geomine Geologia e Mineração Netuno LTDA. – 880057/86
– A.I. 1/14
Irnaazo Chagas de Lima – 886393/13 – A.I. 53/14
J.C.R. Silva me – 886006/11 – A.I. 7/14
Jânio Mendonça de Sousa – 886216/13 – A.I. 47/14
Joao Carneiro da Silva – 886154/12 – A.I. 35/14
José de Souza Carvalho me – 886215/12 – A.I. 38/14
Marcelo Afonso Name – 886057/12 – A.I. 32/14, 886104/12
– A.I. 33/14
Mineração Jaciara s a – 886274/11 – A.I. 9/14, 886275/11 –
A.I. 10/14, 886276/11 – A.I. 11/14, 886277/11 – A.I. 12/14, 886278/11
– A.I. 13/14, 886279/11 – A.I. 14/14, 886280/11 – A.I. 15/14,
886281/11 – A.I. 16/14, 886282/11 – A.I. 17/14, 886283/11 – A.I.
18/14, 886284/11 – A.I. 19/14, 886285/11 – A.I. 20/14, 886286/11 –
A.I. 21/14, 886287/11 – A.I. 22/14, 886288/11 – A.I. 23/14,
886289/11 – A.I. 24/14, 886290/11 – A.I. 25/14, 886291/11 – A.I.
26/14, 886292/11 – A.I. 27/14, 886293/11 – A.I. 28/14, 886294/11 –
A.I. 29/14, 886295/11 – A.I. 30/14
Mineração Kandandu Ltda – 886222/12 – A.I. 40/14
Mineração Santa Elina Industria e Comercio s a – 886466/10
– A.I. 6/14
n3 Brasil Mineração Ltda – 886019/13 – A.I. 55/14
Nilton Dias Cabral – 886245/12 – A.I. 41/14
Otavio da Luz Dos Santos – 886230/11 – A.I. 8/14
Pedro Gonçalves de Andrade – 886267/12 – A.I. 43/14
Siria Amaral Jacob – 886218/12 – A.I. 39/14
Tobemaq – 886198/12 – A.I. 37/14
Vilmar Jose Garlet – 886115/12 – A.I. 34/14
DEOLINDO DE CARVALHO NETO
Substituto
SUPERINTENDÊNCIA EM SANTA CATARINA
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
RELAÇÃO No-14/2014
Fase de Autorização de Pesquisa
Concede anuência e autoriza averbação da cessão parcial
de direitos(175)
815.383/2011-LEOPOLDO CLAUDINEI JANUÁRIO- Al-
vará n°11020/2011 – Cessionario:815.971/2013-ERIVELTON ORSI-
CPF ou CNPJ 043297179-30
815.057/2012-ERIVELTON ORSI- Alvará n°2661/2013 –
Cessionario:815.972/2013-LEOPOLDO CLAUDINEI JANUÁRIO-
CPF ou CNPJ 902411009-25
815.208/2013-COOPERATIVA DE EXPLORAÇÃO MINE-
RAL DE SOMBRIO- Alvará n°4583/2013 – Cessiona-
rio:815.002/2014-OLARIA ROSSO LTDA ME- CPF ou CNPJ
95799441/0001-01
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(250)
815.271/2004-AREIAL DO VALE LTDA-OF. N°632/2014
815.509/2006-G.R.EXTRAÇÃO DE AREIA E TRANS-
PORTES RODOVIÁRIOS LTDA-OF. N°633/2014
815.017/2009-ELIANE S/A – REVESTIMENTOS CERÂ-
MICOS-OF. N°628/2014
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201442ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
815.219/2010-E A W EMPREITEIRA DE MÃO DE
OBRA LTDA-OF. N°598/2014
815.138/2011-RUDIMAR DEBONA-OF. N°596/2014
815.678/2012-COOPERATIVA DE EXPLORAÇÃO MINE-
RAL DE SOMBRIO-OF. N°605/2014
Concede anuência e autoriza averbação da cessão total de
direitos(281)
815.587/2011-FLAVIO NEDEL- Cessionário:MAURÍCIO
PAMPLONA- CPF ou CNPJ 376580509-20- Alvará n°15.078/2011
Aprova o relatório de pesquisa com redução de área(291)
815.333/2008-CERÂMICA E MINERAÇÃO SILVA LT-
DA- Área de 134,73 ha para 47,76 ha-Argila
815.509/2009-TERRA MATER PARTICIPAÇÕES E EM-
PREENDIMENTOS LTDA.- Área de 473,11 ha para 49,96 ha-Ar-
gila e Saibro
815.622/2009-TRANSGIACOMOSSI MINERAÇÃO E
TRANSPORTE LTDA EPP.- Área de 83,45 ha para 49,83 ha-Ar-
gila
815.634/2009-TRANSGIACOMOSSI MINERAÇÃO E
TRANSPORTE LTDA EPP.- Área de 75,59 ha para 49,32 ha-Ar-
gila
Aprova o relatório de Pesquisa(317)
815.811/2008-RAUL ANTONIO DADAM FILHO-Areia,
Argila e Argila-Arenosa
815.021/2009-RAUL ANTONIO DADAM FILHO-Areia e
A rg i l a
815.456/2011-AREMIX MINERAÇÃO E COMERCIO LT-
DA.-Areia
815.742/2012-EXTRAÇÃO DE AREIA ARGILA E
TRANSPORTE SANTA HELENA LTDA-Areia e Argila
815.743/2012-EXTRAÇÃO DE AREIA ARGILA E
TRANSPORTE SANTA HELENA LTDA-Areia e Argila
815.744/2012-EXTRAÇÃO DE AREIA ARGILA E
TRANSPORTE SANTA HELENA LTDA-Areia e Argila
815.745/2012-EXTRAÇÃO DE AREIA ARGILA E
TRANSPORTE SANTA HELENA LTDA-Areia e Argila
815.746/2012-EXTRAÇÃO DE AREIA ARGILA E
TRANSPORTE SANTA HELENA LTDA-Argila e Areia
815.747/2012-EXTRAÇÃO DE AREIA ARGILA E
TRANSPORTE SANTA HELENA LTDA-Areia e Argila
Nega Aprovação ao relatório de pesquisa(318)
815.173/2009-G.R. MINERADORA DE AREIA LTDA
Concede anuência e autoriza averbação da cessão total do
direito de requerer a Lavra(331)
826.541/2002-AREIAL DO VALE LTDA- Alvará
n°9280/2002 – Cessionário: G.R. MINERADORA DE AREIA LT-
DA- CNPJ 81244253/0001-02
815.377/2008-LAUDECIR HASCKEL- Alvará
n°7540/2008 – Cessionário: SCURSEL TRANSPORTES E TERRA-
PLANAGEM LTDA ME- CNPJ 11384876/0001-03
815.412/2008-LAUDECIR HASCKEL- Alvará
n°11117/2008 – Cessionário: SCURSEL TRANSPORTES E TER-
RAPLENAGEM LTDA ME- CNPJ 11384876/0001-03
Fase de Requerimento de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(361)
815.324/2003-VITORETI COMERCIO DE AREIA LTDA
ME-OF. N°593/2014
815.383/2006-CUBATÃO PESQUISAS LTDA.-OF.
N°597/2014
815.764/2010-COOPERATIVA DE EXPLORAÇÃO MINE-
RAL DA BACIA DO RIO URUSSANGA-OF. N°601/2014
Autoriza a emissão de Guia de Utilização(625)
815.072/2001-CEMAN COMÉRCIO DE AREIA LTDA.-
CANELINHA/SC – Guia n° 9/2014-10.000toneladas/ano-Areia- Va-
lidade:07/02/2015
815.549/2008-CUBATÃO DRAGAGENS LTDA.-JOINVIL-
LE/SC – Guia n° 11/2014-8.500toneladas/ano-Cascalho- Valida-
d e : 11 / 0 2 / 2 0 1 5
Indefere requerimento de Guia de Utilização(626)
815.204/1991-RODOMÁQUINAS LTDA ME
Concede anuência e autoriza averbação da cessão total do
requerimento de Lavra(1043)
815.400/1998-MARIA MARLENE DOS SANTOS- Alvará
n° 3521/1998 – Cessionário: CERB CONSTRUTORA E EXPLO-
RAÇÃODE ROCHAS E BRITAGEM LTDA- CNPJ
01357472/0001-69
815.073/2002-RIBEIRÃO DO COBRE-EXTRA-
ÇÃO,COM.TRANSP.EREPR.DE MINERIOS LTDA.-ME- Alvará
n° 6.756/2002 – Cessionário: RIBEIRÃO MINERADORA LTDA
EPP- CNPJ 11419126/0001-11
Fase de Concessão de Lavra
Auto de Infração lavrado – Prazo para defesa ou pagamen-
to 30 dias(459)
814.247/1969-COMPANHIA BRASILEIRA DE ALUMÍ-
NIO- AI N° 127/2014, 128/2014, 129/2014, 130/2014 e 131/2014
815.587/2001-RETA ESTÂNCIAS HIDROMINERAIS LT-
DA- AI N° 191/2014
Multa aplicada /Prazo para pagamento 30 dias(460)
815.153/2001-HOTUSC HOTÉIS DE TURISMO SANTA
CATARINA LTDA- AI Nº 264/2012
815.589/2009-MINERAÇÃO FORQUILHA LTDA- AI Nº
546/2013 e 547/2013
Determina cumprimento de exigência- RAL RETIFICA-
DOR/Prazo 30 dias(1738)
815.587/2001-RETA ESTÂNCIAS HIDROMINERAIS LT-
DA-OF. N°618/2014, 619/2014 e 620/2014Fase de Requerimento de Registro de Extração
Outorga o Registro de Extração, prazo 4 anos, vigência a
partir dessa publicação:(923)
815.284/2013-BIGUAÇU PREFEITURA- Registro de Ex-
tração N°5/2014 de 05/02/2014
Fase de Disponibilidade
Determina arquivamento definitivo do processo(1678)
815.511/1984-COMINAS MINERADORA CONVENTOS
SA
RELAÇÃO N
o-16/2014
Fase de Autorização de Pesquisa
Concede anuência e autoriza averbação da cessão parcial
de direitos(175)
815.432/2010-SÃO GABRIEL MINERAÇÃO LTDA. EPP.-
Alvará n°8708/2011 – Cessionario:816.097/2013-ALESSANDRO
GABRIEL DE MIRANDA- CPF ou CNPJ 031118829-00
815.791/2010-SÍLVIO GERCINO GIACOMOSSI- Alvará
n°15.932/2010 – Cessionario:816.043/2013, 816.044/2013,
816.045/2013, 816.046/2013, 816.047/2013, 816.048/2013,
816.049/2013 e 816.050/2013-EXTRAÇÃO DE ARGILA E
TRANSPORTE SANTA HELENA LTDA- CPF ou CNPJ
03473909/0001-55
815.133/2013-BLAUDINEI NUNES GONÇALVEZ- Alvará
n°4580/2013 – Cessionario:816.075/2013-BNG DISTRIBUIDORA
DE ALIMENTOS LTDA- CPF ou CNPJ 09107361/0001-06
815.469/2013-JULIO CESAR BALDISSERA- Alvará
n°10.648/2013 – Cessionario:816.037/2013-BRITABAL INDUS-
TRIA E COMÉRCIO LTDA- CPF ou CNPJ 00303837/0001-00
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(250)
815.363/2003-SANDER HAHN-OF. N°635/2014
815.065/2006-OMAR ANTONIO HENNING-OF.
N°653/2014
815.018/2009-ELIANE S/A – REVESTIMENTOS CERÂ-
MICOS-OF. N°652/2014
815.253/2009-JEAN CARLOS ZIMMERMANN ME-OF.
N°650/2014
815.639/2009-TERRAPLENAGEM AZZA LTDA.-OF.
N°654/2014
Homologa renúncia da Autorização de Pesquisa(294)
815.673/2012-GIOMAQ SERVIÇOS DE RETRO ESCA-
VADEIRA E CAMINHÃO BASCULANTE LTDA ME -Alvará
N°1437/2013
815.278/2013-OSVALDO VENTURI -Alvará N°5445/2013
Aprova o relatório de Pesquisa(317)
815.786/2010-JOSÉ CARLOS DA SILVA-Argila e Corín-
don
Nega Aprovação ao relatório de pesquisa(318)
815.507/2006-MIVAL MINERAÇÃO VALE DO RIO TI-
JUCAS LTDA
Concede anuência e autoriza averbação da cessão total do
direito de requerer a Lavra(331)
815.002/2009-NIVALDO SANTOS- Alvará n°4509/2009 –
Cessionário: MINERADORA PORTO LTDA ME- CNPJ
04942772/0001-01
Fase de Requerimento de Lavra
Determina cumprimento de exigência – Prazo 60 dias(361)
815.695/2005-MINERAÇÃO RIO MORTO LTDA-OF.
N°645/2014
Autoriza a emissão de Guia de Utilização(625)
815.285/2002-TECNOCLAY MIN IND COMERCIO LT-
DA-ORLEANS/SC – Guia n° 10/2014-14.400toneladas-Argila Re-
fratária- Validade:10/02/2015
815.478/2010-COMERCIAL DACLANDE LTDA EPP-IBI-
RAMA/SC – Guia n° 12/2014-50.000t-Granito(brita)- Valida-
d e : 11 / 0 2 / 2 0 1 5
Fase de Licenciamento
Autoriza averbação da Prorrogação do Registro de Licen-
ça(742)
815.584/2001-MV PEDRAS E MATERIAIS DE CONS-
TRUÇÃO LTDA EPP- Registro de Licença N°:949/2002 – Venci-
mento em 31/10/2014
RICARDO MOREIRA PEÇANHA
SECRETARIA DE PLANEJAMENTO
E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO
PORTARIA No-59, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOL-
VIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENER-
GIA, no uso da competência que lhe foi delegada pelo art. 1
o, inciso
I, da Portaria MME no337, de 30 de setembro de 2013, tendo em
vista o disposto nos arts. 2o, § 2oe 4o, § 1o, do Decreto no5.163, de
30 de julho de 2004, na Portaria MME no463, de 3 de dezembro de
2009, e o que consta no Processo no48000.001069/2013-18, re-
solve:
Art. 1
oDefinir em 1,94 MW médios o montante de garantia
física de energia da Pequena Central Hidrelétrica denominada PCH
Mutum I, com potência instalada de 4,0 MW, de propriedade da
empresa Arcezzil Geração de Energia Elétrica Ltda., inscrita no
CNPJ/MF sob o n
o06.326.654/0001-96, localizada no Córrego Mu-
tum, Município de Santo Antônio do Leverger, Estado de Mato Gros-
so.
Parágrafo único. O montante de garantia física de energia da
PCH Mutum I refere-se ao Ponto de Conexão da Usina. Para efeitos
de comercialização de energia elétrica, as perdas elétricas do Ponto de
Conexão até o Centro de Gravidade do referido Submercado deverão
ser abatidas do montante de garantia física de energia definido nesta
Portaria, observando as Regras de Comercialização de Energia Elé-
trica vigentes.
Art. 2
oPara todos os efeitos, o montante de garantia física de
energia da PCH Mutum I poderá ser revisado com base na legislação
vigente.
Art. 3
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
ALTINO VENTURA FILHO
PORTARIA N
o-60, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOL-
VIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENER-
GIA, no uso da competência que lhe foi delegada pelo art. 1º da
Portaria MME nº 440, de 20 de julho de 2012, tendo em vista o
disposto no art. 6º do Decreto nº 6.144, de 3 de julho de 2007, no art.
4º, da Portaria MME nº 310, de 19 de agosto de 2013, e o que consta
do Processo nº 48500.005850/2013-12, resolve:
Art. 1º Aprovar o enquadramento no Regime Especial de
Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura – REIDI do
projeto de geração de energia elétrica da Central Geradora Eólica
denominada EOL Seridó 1, de titularidade da empresa Rialma Eólica
Seridó I S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 17.256.709/0001-55,
detalhado no Anexo à presente Portaria.
Parágrafo único. O projeto de que trata o caput foi au-
torizado por meio da Resolução Autorizativa ANEEL nº 4.286, de 20
de agosto de 2013, sendo alcançado pelo art. 1º da Portaria MME nº
310, de 19 de agosto de 2013.
Art. 2º As estimativas dos investimentos têm por base o mês
de agosto de 2013 e são de exclusiva responsabilidade da Rialma
Eólica Seridó I S.A., cuja razoabilidade foi atestada pela Empresa de
Pesquisa Energética – EPE.
Art. 3º A Rialma Eólica Seridó I S.A. deverá informar à
Secretaria da Receita Federal do Brasil a entrada em Operação Co-
mercial do projeto aprovado nesta Portaria, mediante a entrega de
cópia do Despacho emitido pela Agência Nacional de Energia Elé-
trica – ANEEL, no prazo de até trinta dias da sua emissão.
Art. 4º Alterações técnicas ou de titularidade do projeto
aprovado nesta Portaria, autorizadas pela ANEEL ou pelo Ministério
de Minas e Energia, não ensejarão a publicação de nova Portaria de
enquadramento no REIDI.
Art. 5º A habilitação do projeto no REIDI e o cancelamento
da habilitação deverão ser requeridos à Secretaria da Receita Federal
do Brasil.
Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
ALTINO VENTURA FILHO
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201443ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
ANEXO
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIAINFORMAÇÕES DO PROJETO DE ENQUADRAMENTO NO REIDI – REGIME ESPECIAL DE
INCENTIVOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA
PESSOA JURÍDICA TITULAR DO PROJETO01 Nome Empresarial 02 CNPJRialma Eólica Seridó I S.A. 17.256.709/0001-5503 Logradouro 04 NúmeroRodovia RN 087 km 1305 Complemento 06 Bairro/Distrito 07 CEPSítio Monte Alegre Zona Rural 59.340-00008 Município 09 UF 10 Te l e f o n eSão Vicente RN 61-3298-880011 DADOS DO PROJETONome do Projeto EOL Seridó 1 (Resolução Autorizativa ANEEL nº 4.286, de 20 de agosto de
2013).
Descrição do Projeto Central Geradora Eólica denominada EOL Seridó 1, compreendendo:I – Central Geradora Eólica constituída de quinze Aerogeradores de 2,00 MW
cada, totalizando a potência instalada de 30,00 MW; e
II – Sistema de Transmissão de Interesse Restrito constituído de uma Subestação
de 34,5/138 kV, com capacidade de 150 MVA, junto à Usina, e uma Linha de
Transmissão com Tensão Nominal de 138 kV, em Circuito Simples, com apro-
ximadamente cinco quilômetros de extensão, conectando-se à Subestação
Elevadora do Complexo Seridó, de 138/230 kV, com capacidade de 150 MVA,
a qual conecta-se, por meio de uma Linha de Transmissão em 230 kV, em
Circuito Simples, de aproximadamente cento e sessenta quilômetros de extensão,
à Subestação Campina Grande II.
Período de Execução De 01/05/2015 a 01/03/2017.Localidade do Proje-
to [Município(s)/UF]Municípios de São Vicente e Tenente Laurentino Cruz, Estado do Rio Grande do
Norte.
12 PRESIDENTE, RESPONSÁVEL TÉCNICO E CONTADOR DA PESSOA JURÍDICANome: Emival Ramos Caiado Filho. CPF: 096.552.981-91.Nome: Ricardo Malaquias Ferreira. CPF: 700.260.331-00.Nome: Simone Cristina Vianna Balaguer. CPF: 273.308.998-60.13 ESTIMATIVAS DOS VALORES DOS BENS E SERVIÇOS
DO PROJETO COM INCIDÊNCIA DE PIS/PASEP E COFINS (R$)
Bens96.137.222,88Serviços7.251.424,55Outros…Total (1)103.388.647,4314 ESTIMATIVAS DOS VALORES DOS BENS E SERVIÇOS
DO PROJETO SEM INCIDÊNCIA DE PIS/PASEP E COFINS (R$)
Bens87.997.458,01Serviços6.637.459,54Outros…Total (2)94.634.917,55
PORTARIA N
o-61, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MI-
NISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA, no uso da competência que lhe foi delegada pelo art. 1º da
Portaria MME nº 440, de 20 de julho de 2012, tendo em vista o disposto no art. 6º do Decreto nº 6.144,
de 3 de julho de 2007, no art. 2º, § 3º, da Portaria MME nº 274, de 19 de agosto de 2013, e o que consta
do Processo nº 48500.002127/2013-81, resolve:
Art. 1º Aprovar o enquadramento no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da
Infraestrutura – REIDI do projeto de geração de energia elétrica da Central Geradora Eólica denominada
EOL Ventos da Andorinha, de titularidade da empresa Atlantic Energias Renováveis S.A., inscrita no
CNPJ/MF sob o nº 11.489.312/0001-27, detalhado no Anexo à presente Portaria.
Parágrafo único. O projeto de que trata o caput foi autorizado por meio da Portaria MME nº
498, de 11 de setembro de 2012, sendo alcançado pelo art. 4º, inciso I, da Portaria MME n
o274, de 19
de agosto de 2013.
Art. 2º As estimativas dos investimentos têm por base o mês de setembro de 2013 e são de
exclusiva responsabilidade da Atlantic Energias Renováveis S.A., cuja razoabilidade foi atestada pela
Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL.
Art. 3º A Atlantic Energias Renováveis S.A. deverá informar à Secretaria da Receita Federal do
Brasil a entrada em Operação Comercial do projeto aprovado nesta Portaria, mediante a entrega de cópia
do Despacho emitido pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, no prazo de até trinta dias
da sua emissão.
Art. 4º Alterações técnicas ou de titularidade do projeto aprovado nesta Portaria, autorizadas
pela ANEEL ou pelo Ministério de Minas e Energia, não ensejarão a publicação de nova Portaria de
enquadramento no REIDI.
Art. 5º A habilitação do projeto no REIDI e o cancelamento da habilitação deverão ser
requeridos à Secretaria da Receita Federal do Brasil.
Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
ALTINO VENTURA FILHO
ANEXO
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIAINFORMAÇÕES DO PROJETO DE ENQUADRAMENTO NO REIDI – REGIME ESPECIAL DE
INCENTIVOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA
PESSOA JURÍDICA TITULAR DO PROJETO01 Nome Empresarial 02 CNPJAtlantic Energias Renováveis S.A. 11 . 4 8 9 . 3 1 2 / 0 0 0 1 – 2 703 Logradouro 04 NúmeroAlameda Carlos de Carvalho 55505 Complemento 06 Bairro/Distrito 07 CEPConjuntos 53 e 54 Centro 80430-18008 Município 09 UF 10 Te l e f o n eCuritiba PR 41 3079-710011 DADOS DO PROJETONome do Projeto EOL Ventos da Andorinha (Autorizada pela Portaria MME nº 498, de 11 desetembro de 2012 – Leilão no0 7 / 2 0 11 – A N E E L ) .Descrição do Projeto Central Geradora Eólica denominada EOL Ventos da Andorinha, compreen-
dendo:
I – Central Geradora Eólica constituída de dezenove Unidades Geradoras de
1.578 kW, totalizando 29.982 kW de capacidade instalada; e
II – Sistema de Transmissão de Interesse Restrito formado por uma Subestação
Elevadora de 34,5/230 kV, junto à Usina, e uma Linha de Transmissão em 230
kV, em Circuito Simples, interligando a Subestação Elevadora ao Seccionamento
da Linha de Transmissão Irecê – Senhor do Bonfim II, de propriedade da
Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf.
Período de Execução 01/10/2014 a 31/12/2015.Localidade do Proje-
to [Município/UF]Município de Campo Formoso, Estado da Bahia.
12 PRESIDENTE, RESPONSÁVEL TÉCNICO E CONTADOR DA PESSOA JURÍDICANome: Marcelo Leite Marder. CPF: 021.562.599-41.Nome: Henrique Soffa Theodorovicz. CPF: 068.799.529-92.Nome: Bruno Borosky. CPF: 914.816.869-68.13 ESTIMATIVAS DOS VALORES DOS BENS E SERVIÇOS
DO PROJETO COM INCIDÊNCIA DE PIS/PASEP E COFINS (R$)
Bens105.542.584,57Serviços23.545.318,24Outros200.231,12Total (1)129.288.133,9314 ESTIMATIVAS DOS VALORES DOS BENS E SERVIÇOS
DO PROJETO SEM INCIDÊNCIA DE PIS/PASEP E COFINS (R$)
Bens96.606.484,73Serviços22.716.177,75Outros193.180,05Total (2)11 9 . 5 1 5 . 8 4 2 , 5 3
PORTARIA N
o-62, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MI-
NISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA, no uso da competência que lhe foi delegada pelo art. 1
oda
Portaria MME no440, de 20 de julho de 2012, tendo em vista o disposto no art. 6odo Decreto no6.144,
de 3 de julho de 2007, no art. 2o, § 3o, da Portaria MME no274, de 19 de agosto de 2013, e o que consta
do Processo no48500.000135/2014-74, resolve:
Art. 1º Aprovar o enquadramento no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da
Infraestrutura – REIDI do projeto de reforços em instalação de transmissão de energia elétrica, objeto da
Resolução Autorizativa ANEEL nº 4.316, de 3 de setembro de 2013, de titularidade da empresa
Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 33.541.368/0001-16,
detalhado no Anexo à presente Portaria.
Parágrafo único. O projeto de que trata o caput é alcançado pelo art. 4
o, inciso III, da Portaria
MME no274, de 19 de agosto de 2013.
Art. 2oAs estimativas dos investimentos têm por base o mês de novembro de 2013 e são de
exclusiva responsabilidade da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf, cuja razoabilidade foi
atestada pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL.
Art. 3
oA Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf deverá informar à Secretaria da
Receita Federal do Brasil a entrada em operação comercial do projeto aprovado nesta Portaria, mediante
a entrega de cópia do Termo de Liberação Definitivo emitido pelo Operador Nacional do Sistema
Elétrico – ONS, no prazo de até trinta dias da sua emissão.
Art. 4
oAlterações técnicas ou de titularidade do projeto de que trata esta Portaria, autorizadas
pela ANEEL ou pelo Ministério de Minas e Energia, não ensejarão a publicação de nova Portaria de
enquadramento no REIDI.
Art. 5
oA habilitação do projeto no REIDI e o cancelamento da habilitação deverão ser
requeridos à Secretaria da Receita Federal do Brasil.
Art. 6
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
ALTINO VENTURA FILHO
ANEXO
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIAINFORMAÇÕES DO PROJETO DE ENQUADRAMENTO NO REIDI – REGIME ESPECIAL DE
INCENTIVOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA
PESSOA JURÍDICA TITULAR DO PROJETO01 Nome Empresarial 02 CNPJCompanhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf 33.541.368/0001-1603 Logradouro 04 NúmeroRua Delmiro Gouveia 33305 Complemento 06 Bairro/Distrito 07 CEPBloco C Sala 213 San Martin 50.761-90108 Município 09 UF 10 Te l e f o n eRecife PE (81) 3229-233011 DADOS DO PROJETONome do ProjetoReforços na Subestação Igaporã II (Resolução Autorizativa ANEEL no4.316, de
3 de setembro de 2013).
Descrição do Projeto Reforços em Instalações de Transmissão de Energia Elétrica, relativo à Su-
bestação Igaporã II, compreendendo:
I – complementação do Módulo Geral da Subestação Igaporã II com um Módulo
de Infraestrutura de Manobra em 230 kV, Arranjo Barra Dupla a Quatro Chaves,
e um Módulo de Infraestrutura de Manobra em 69 kV, Arranjo Barra Principal
e Transferência;
II – instalação do Terceiro Transformador Trifásico 230/69 kV, de 150 MVA;III – instalação de um Módulo de Conexão de Transformador em 230 kV,
Arranjo Barra Dupla a Quatro Chaves; e
IV – instalação de um Módulo de Conexão de Transformador em 69 kV, Arranjo
Barra Principal e Transferência.
Período de Execução De 15/09/2013 a 15/11/2015.Localidade do Proje-
to [Município/UF]Município de Igaporã, Estado da Bahia.
12 PRESIDENTE, RESPONSÁVEL TÉCNICO E CONTADOR DA PESSOA JURÍDICANome: Marcos Aurelio Madureira da Silva. CPF: 154.695.816-91.Nome: Antonio Varejão de Godoy. CPF: 353.308.644-53.Nome: Denilson Veronese da Costa. CPF: 025.971.457-78.13 ESTIMATIVAS DOS VALORES DOS BENS E SERVIÇOS
DO PROJETO COM INCIDÊNCIA DE PIS/PASEP E COFINS (R$)
Bens7.283.382,00Serviços2.427.794,00Outros0,00Total (1)9 . 7 11 . 1 7 6 , 0 014 ESTIMATIVAS DOS VALORES DOS BENS E SERVIÇOS
DO PROJETO SEM INCIDÊNCIA DE PIS/PASEP E COFINS (R$)
Bens6.609.669,17Serviços2.322.864,74Outros0,00Total (2)8.932.533,91
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201444ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA
SOCIAL
PORTARIA No-9, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SO-
CIAL, no uso de suas atribuições e com fundamento na Portaria nº
710, de 30 de setembro de 2010, considerando os fundamentos cons-
tantes no Parecer de Recurso nº 31/2013/CGCEB/DRSP/SNAS/MDS,
exarado nos autos do Processo nº 71000.052000/2009-80, resolve:
Art. 1º Admitir o recurso interposto nos autos do processo nº
71000.052000/2009-80.
Art. 2º Reconsiderar a decisão proferida por meio da Portaria
SNAS/MDS nº 340, de 15/06/2012, publicada no Diário Oficial da
União de 18/06/2012, que indeferiu o pedido de renovação da cer-
tificação de entidade beneficente de assistência social.
Art. 3º Deferir a renovação da certificação de entidade be-
neficente de assistência social requerida pela Associação dos De-
ficientes Visuais de Sete Lagoas – ADVISETE, CNPJ:
18.272.211/0001-49, com sede em Sete Lagoas – MG, com validade
assegurada de 27/07/2010 a 26/07/2015, nos termos do inciso I do art.
6º do Decreto nº 7.237/2010 e do parágrafo único do art. 38-A, da Lei
nº 12.101/2009.
Art. 4º Novo pedido de renovação de certificação de entidade
beneficente de assistência social deverá ser apresentado no decorrer
dos 360 (trezentos e sessenta) dias que antecedem o termo final de
sua validade, em conformidade com o artigo 24, § 1º, da Lei nº
12.101, de 27 de novembro de 2009.
Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
Art. 6º Fica revogada a Portaria SNAS/MDS nº 340 de
15/06/2012, publicada no Diário Oficial da União de 18/06/2012.
DENISE RATMANN ARRUDA COLIN
PORTARIA N
o-10, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SO-
CIAL, no uso de suas atribuições e com fundamento na Portaria nº
710, de 30 de setembro de 2010, considerando os fundamentos cons-
tantes no Parecer de Recurso nº 109/2013 CG-
CEB/DRSP/SNAS/MDS, exarado nos autos do Processo nº
71010.002860/2006-19, resolve:
Art. 1º Admitir o recurso interposto nos autos do processo nº
71010.002860/2006-19.
Art. 2º Reconsiderar a decisão proferida por meio da Portaria
SNAS/MDS nº 613, de 25/07/2012, publicada no Diário Oficial da
União de 30/07/2012, que indeferiu o pedido de concessão da cer-
tificação de entidade beneficente de assistência social.
Art. 3º Deferir a concessão de certificação de entidade be-
neficente de assistência social requerida pelo Centro de Atividades
Nilo Coelho, CNPJ: 10.728.681/0001-62, com sede em Petrolina-PE,
com validade de 03 (três) anos, a contar da data desta publicação, nos
termos do parágrafo 2º, art. 3º do Decreto nº 2.536, de 07 de abril de
1998.
Art. 4º Novo pedido de renovação de certificação de entidade
beneficente de assistência social deverá ser apresentado no decorrer
dos 360 (trezentos e sessenta) dias que antecedem o termo final de
sua validade, em conformidade com o artigo 24, § 1º, da Lei nº
12.101, de 27 de novembro de 2009.
Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
Art. 6º Fica revogada a Portaria SNAS/MDS nº 613, de
25/07/2012, publicada no Diário Oficial da União de 30/07/2012.
DENISE RATMANN ARRUDA COLIN
PORTARIA N
o-11, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SO-
CIAL, no uso de suas atribuições e com fundamento na Portaria nº
710, de 30 de setembro de 2010, considerando os fundamentos cons-
tantes no Parecer de Recurso nº 103/2013/CG-
CEB/DRSP/SNAS/MDS, exarado nos autos do Processo nº
71000.057015/2010-78, resolve:
Art. 1º Admitir o recurso interposto nos autos do processo nº
71000.057015/2010-78.
Art. 2º Reconsiderar a decisão proferida por meio da Portaria
SNAS/MDS nº 800, de 30/08/2012, publicada no Diário Oficial da
União de 31/08/2012, que indeferiu o pedido de renovação da cer-
tificação de entidade beneficente de assistência social.
Art. 3º Deferir a renovação de certificação de entidade be-
neficente de assistência social requerida pela Fundação Mercedes de
Andrade Martins, CNPJ: 58.492.307/0001-37, com sede em Cotia/SP,
pelo período de 06/07/2010 a 05/07/2015, nos termos do inciso I do
art. 6º do Decreto nº 7.237/2010 e do parágrafo único do art. 38-A, da
Lei nº 12.101/2009.
Art. 4º Novo pedido de renovação de certificação de entidade
beneficente de assistência social deverá ser apresentado no decorrer
dos 360 (trezentos e sessenta) dias que antecedem o termo final de
sua validade, em conformidade com o artigo 24, § 1º, da Lei nº
12.101, de 27 de novembro de 2009.Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
Art. 6º Fica revogada a Portaria SNAS/MDS nº 800 de
30/08/2012, publicada no Diário Oficial da União de 31/08/2012.
DENISE RATMANN ARRUDA COLIN
PORTARIA N
o-12, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SO-
CIAL, no uso de suas atribuições e com fundamento na Portaria nº
710, de 30 de setembro de 2010, considerando os fundamentos cons-
tantes no Parecer de Recurso nº 026/2014/CG-
CEB/DRSP/SNAS/MDS, exarado nos autos do Processo nº
71000.088419/2009-70, resolve:
Art. 1º Admitir o recurso interposto nos autos do processo nº
71000.088419/2009-70.
Art. 2º Reconsiderar a decisão proferida por meio da Portaria
SNAS/MDS nº 1.523, de 30/11/2012, publicada no Diário Oficial da
União de 05/12/2012, que indeferiu o pedido de renovação da cer-
tificação de entidade beneficente de assistência social.
Art. 3º Deferir a renovação intempestiva da certificação de
entidade beneficente de assistência social requerida pelo Instituto
Feminino de Educação e Serviços – IFES, CNPJ: 44.441.525/0001-38,
com sede em Luiziânia – SP, pelo período de 5 (cinco) anos, a contar
da data desta publicação no Diário Oficial da União, nos termos do
artigo 7º, inciso II do Decreto nº 7.237/2010, e do parágrafo único do
art. 38-A, da Lei nº 12.101/2009.
Art. 4º Novo pedido de renovação de certificação de entidade
beneficente de assistência social deverá ser apresentado no decorrer
dos 360 (trezentos e sessenta) dias que antecedem o termo final de
sua validade, em conformidade com o artigo 24, § 1º, da Lei nº
12.101, de 27 de novembro de 2009.
Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
Art. 6º Fica revogada a Portaria SNAS/MDS nº 1.523 de
30/11/2012, publicada no Diário Oficial da União de 05/12/2012.
DENISE RATMANN ARRUDA COLIN
PORTARIA N
o-13, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SO-
CIAL, no uso de suas atribuições e com fundamento na Portaria nº
710, de 30 de setembro de 2010, considerando os fundamentos cons-
tantes no Parecer de Recurso nº 90/2013/CGCEB/DRSP/SNAS/MDS,
exarado nos autos do Processo nº 71000.091358/2009-28, resolve:
Art. 1º Admitir o recurso interposto nos autos do processo nº
71000.091358/2009-28.
Art. 2º Reconsiderar a decisão proferida por meio da Portaria
SNAS/MDS nº 699, de 09/08/2012, publicada no Diário Oficial da
União de 10/08/2012, que indeferiu o pedido de concessão da cer-
tificação de entidade beneficente de assistência social.
Art. 3º Deferir a concessão de certificação de entidade be-
neficente de assistência social requerida pelo Núcleo de Atendimento
ao Menor, CNPJ: 04.253.285/0001-23, com sede em Tupã-SP, com
validade de 03 (três) anos, a contar da data desta publicação, nos
termos do parágrafo 2º, art. 3º do Decreto nº 2.536, de 07 de abril de
1998.
Art. 4º Novo pedido de renovação de certificação de entidade
beneficente de assistência social deverá ser apresentado com ante-
cedência mínima de 360 (trezentos sessenta) dias do termo final de
sua validade, em conformidade com o art. 24, §1º da Lei nº 12.101,
de 27 de novembro de 2009.
Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
Art. 6º Fica revogada a Portaria SNAS/MDS nº 699, de
09/08/2012, publicada no Diário Oficial da União de 10/08/2012.
DENISE RATMANN ARRUDA COLIN
PORTARIA N
o-14, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SO-
CIAL, no uso de suas atribuições e com fundamento na Portaria nº
710, de 30 de setembro de 2010, considerando os fundamentos cons-
tantes no Parecer de Recurso nº 04/2014/CGCEB/DRSP/SNAS/MDS,
exarado nos autos do Processo nº 71000.090648/2009-54, resolve:
Art. 1º Admitir o recurso interposto nos autos do processo nº
71000.090648/2009-54.
Art. 2º Reconsiderar a decisão proferida por meio da Portaria
SNAS/MDS nº 1257, de 22/11/2012, publicada no Diário Oficial da
União de 26/11/2012, que indeferiu o pedido de renovação da cer-
tificação de entidade beneficente de assistência social.
Art. 3º Deferir a renovação de certificação de entidade be-
neficente de assistência social requerida pelo Centro Espírita André
Luiz, CNPJ: 22.231.799/0001-60, com sede em Patos de Minas/MG,
pelo período de 26/10/2010 a 25/10/2015, nos termos do art. 6º,
inciso I, do Decreto nº 7.237/2010 e do parágrafo único do art. 38-A,
da Lei nº 12.101/2009.
Art. 4º Novo pedido de renovação de certificação de entidade
beneficente de assistência social deverá ser apresentado no decorrer
dos 360 (trezentos e sessenta) dias que antecedem o termo final de
sua validade, em conformidade com o artigo 24, § 1º, da Lei nº
12.101, de 27 de novembro de 2009.
Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
Art. 6º Fica revogada a Portaria SNAS/MDS nº 1257 de
22/11/2012, publicada no Diário Oficial da União de 26/11/2012.
DENISE RATMANN ARRUDA COLINPORTARIA N
o-15, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A SECRETÁRIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SO-
CIAL, no uso de suas atribuições e com fundamento na Portaria nº
710, de 30 de setembro de 2010, considerando os fundamentos cons-
tantes no Parecer de Recurso nº 047/2013/CG-
CEB/DRSP/SNAS/MDS, exarado nos autos do Processo nº
71010.006034/2008-01, resolve:
Art. 1º Admitir o recurso interposto nos autos do processo nº
71010.006034/2008-01.
Art. 2º Reconsiderar a decisão proferida por meio da Portaria
SNAS/MDS nº 659, de 25/07/2012, publicada no Diário Oficial da
União de 30/07/2012, que indeferiu o pedido de concessão da cer-
tificação de entidade beneficente de assistência social.
Art. 3º Deferir a concessão de certificação de entidade be-
neficente de assistência social requerida pelo Centro Educacional e
Assistencial Oficina das Meninas, CNPJ: 05.076.313/0001-47, com
sede em Araraquara/SP, com validade de 03 (três) anos, a contar da
data desta publicação, nos termos nos termos do parágrafo 2º, art. 3º
do Decreto nº 2.536, de 07 de abril de 1998.
Art. 4º Novo pedido de renovação de certificação de entidade
beneficente de assistência social deverá ser apresentado no decorrer
dos 360 (trezentos e sessenta) dias que antecedem o termo final de
sua validade, em conformidade com o artigo 24, § 1º, da Lei nº
12.101, de 27 de novembro de 2009.
Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
Art. 6º Fica revogada a Portaria SNAS/MDS nº 659, de
25/07/2012, publicada no Diário Oficial da União de 30/07/2012.
DENISE RATMANN ARRUDA COLINMinistério do Desenvolvimento Social
e Combate à Fome
.
INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,
QUALIDADE E TECNOLOGIA
PORTARIA No-81, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014
Consulta Pública. Regulamento Técnico da
Qualidade para Pó para Extinção de In-
cêndio.
O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ME-
TROLOGIA, QUALIDADE TECNOLOGIA – INMETRO, no uso de
suas atribuições, conferidas no § 3º do artigo 4º da Lei n.º 5.966, de
11 de dezembro de 1973, nos incisos I e IV do artigo 3º da Lei n.º
9.933, de 20 de dezembro de 1999, e no inciso V do artigo 18 da
Estrutura Regimental da Autarquia, aprovada pelo Decreto n° 6.275,
de 28 de novembro de 2007, resolve:
Art. 1º Disponibilizar, no sítio www.inmetro.gov.br, a pro-
posta de texto da Portaria Definitiva e a do Regulamento Técnico da
Qualidade para o produto Pó para Extinção de Incêndio.
Art. 2º Declarar aberto, a partir da data da publicação desta
Portaria no Diário Oficial da União, o prazo de 60 (sessenta) dias
para a apresentação de sugestões e críticas relativas aos textos pro-
postos.
Art 3º Informar que as críticas e sugestões deverão ser en-
caminhadas no formato da planilha modelo, contida na página
http://www.inmetro.gov.br/legislacao/, preferencialmente em meio
eletrônico, para os seguintes endereços:
– Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia –
Inmetro
Diretoria de Avaliação da Conformidade – Dconf
Divisão de Regulamentação Técnica e Programas de Ava-
liação da Conformidade – Dipac
Rua da Estrela n.º 67 – 2º andar – Rio Comprido
CEP 20.251-900 – Rio de Janeiro – RJ, ou
– E-mail: [email protected]
§ 1º As críticas e sugestões que não forem encaminhadas de
acordo com o modelo citado no caput não serão consideradas como
válidas para efeito da consulta pública e serão devolvidas ao de-
mandante para que este as adéqüe à planilha.
§ 2º O demandante que tiver dificuldade em obter a referida
planilha no endereço eletrônico citado acima, poderá solicitá-la no
endereço físico ou no e-mail elencados no caput.
Art. 4º Estabelecer que, findo o prazo fixado no artigo 2º, o
Inmetro se articulará com as entidades que tenham manifestado in-
teresse na matéria, para a indicação de representantes que participarão
das discussões posteriores, visando à consolidação do texto final.
Art. 5º Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário
Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.
JOÃO ALZIRO HERZ DA JORNADA
Ministério do Desenvolvimento, Indústria
e Comércio Exterior
.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201445ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
DIRETORIA DE METROLOGIA LEGAL
PORTARIA No-24, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Me-
trologia, Normalização e Qualidade Industrial – Inmetro, no exercício
da delegação de competência outorgada pelo Senhor Presidente do
Inmetro, através da Portaria Inmetro n.º 257, de 12 de novembro de
1991, conferindo-lhe as atribuições dispostas no subitem 4.1, alínea
“g”, da Regulamentação Metrológica aprovada pela Resolução n.º 11,
de 12 de outubro de 1988, do Conmetro,De acordo com o Regulamento Técnico Metrológico para
esfigmomanômetros mecânicos de medição não invasiva, aprovado
pela Portaria Inmetro n.° 153/2005, e considerando o constante do
processo Inmetro/Dimel nº 52600.003044/2014, resolve:
Incluir o subitem 6.7 e seu respectivo desenho, anexo a esta
portaria, na Portaria Inmetro/Dimel nº 035, de 20 de abril de 1999.
A íntegra da portaria encontra-se disponível no sítio do In-
metro: http://www.inmetro.gov.br/pam/
LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOSCAPÍTULO III
DO CANCELAMENTO DA CONCESSÃO DE USO DO
SELO
Art. 6oAs empresas doadores que não entregarem ao Mi-
nistério do Meio Ambiente os atestados de cancelamento de RCEs,
conforme disposição do Acordo de Parceria, até a data de 14 de
novembro de 2014, terão cancelados os seus direitos de utilização do
Selo Sustentabilidade – Baixo Carbono, bem como terão o nome
registrado em listagem a ser publicada no Diário Oficial da União
constando o não cumprimento do Acordo de Parceria no âmbito do o
Projeto de Compensação de Emissões de GEE do Campeonato Mun-
dial de Futebol 2014.
Art. 7
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
IZABELLA TEIXEIRA
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS
RESOLUÇÃO No-142, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL
DE ÁGUAS – ANA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 63,
inciso XVII, do Regimento Interno aprovado pela Resolução n
o567,
de 17 de agosto de 2009, torna público que a DIRETORIA CO-
LEGIADA, em sua 514
aReunião Ordinária, realizada em 17 de
fevereiro de 2014, com fundamento no art. 12, inciso V, da Lei no
9.984, de 17 de julho de 2000, e tendo em vista o que consta no
processo no02501.000593/2005-10, resolveu:
Art. 1oOutorgar à Geração Céu Azul S.A., CNPJ nº
09.136.819/0001-55, doravante denominado Outorgado, o direito de
uso de recursos hídricos com a finalidade de exploração do potencial
de energia hidráulica referente ao Aproveitamento Hidrelétrico Baixo
Iguaçu, situado no rio Iguaçu, nos municípios de Capitão Leônidas
Marques e Capanema, no Estado do Paraná, de acordo com as se-
guintes características:
I – coordenadas geográficas do eixo do barramento:
25º30’12” de Latitude Sul e 53º40’18” de Longitude Oeste;
II – nível d’água máximo normal a montante: 259,00 m;
III – nível d’água máximo normal maximorum: 261,60 m;
IV – nível d’água mínimo normal a montante: 258,00 m;
V – área inundada do reservatório no nível d’água máximo
normal: 31,63 km²;
VI – volume do reservatório no nível d’água máximo normal:
211,92 hm³;
VII – altura máxima da barragem: 23,00 m;
VIII – vazão máxima turbinada: 2.356,00 m³/s;
IX – vazão mínima remanescente na fase de enchimento:
200,00 m³/s;
X – vazão mínima para dimensionamento do vertedor:
53.585,00 m³/s.
§ 1
oA vazão mínima defluente poderá ser reavaliada pelo
órgão ambiental no âmbito das licenças ambientais do empreendi-
mento;
§ 2
oO vertedor deverá garantir a passagem da cheia máxima
provável, mantendo uma borda livre em relação à crista da barragem
adequada para o porte do empreendimento;
§ 3
oO abastecimento de água de sedes municipais e das
localidades afetadas diretamente pelo reservatório, cujos pontos de
captação estejam eventualmente na área a ser inundada, não poderão
ser interrompidos em decorrência da implantação do empreendimen-
to, em suas fases de construção e operação;
§ 4
oAs áreas urbanas e localidades deverão ser relocadas ou
protegidas contra cheias com tempo de recorrência de 50 anos, con-
siderando o efeito do remanso sobre a linha de inundação do re-
servatório;
§ 5
oA infraestrutura viária eventualmente existente, com-
posta por rodovias, ferrovias e pontes, deverá ser relocada ou pro-
tegida contra cheias com tempo de recorrência de 100 anos, con-
siderando o efeito do remanso sobre a linha de inundação do re-
servatório;
§ 6
oDeverão ser mantidas as condições atuais de navegação,
adequadas ao porte de navegação existente atualmente na região du-
rante as fases de construção e operação do empreendimento;
§ 7
oSão de responsabilidade exclusiva do Outorgado todos
os ônus, encargos e obrigações relacionadas à alteração das condições
das outorgas nos trechos de rio correspondentes à área a ser inundada,
de todos aqueles usuários da água que detêm outorgas emitidas pela
ANA ou pelo órgão gestor de recursos hídricos estadual, em vigor na
data de início do enchimento;
§ 8
oA ANA deverá ser informada previamente quanto à data
de início do enchimento do reservatório.
Art 2
oA disponibilidade hídrica para geração de energia
corresponde às vazões naturais afluentes do Anexo I, subtraídas das
vazões médias destinadas ao atendimento de outros usos consuntivos
a montante do Anexo II.
Art 3
oO outorgado deverá apresentar, nos prazos especi-
ficados:
I – Plano de Usos do Reservatório – PUR, programa que visa
compatibilizar os usos de água, atuais e futuros, com a qualidade de
água prevista para o reservatório, a ser apresentado à ANA antes do
enchimento do reservatório.
Art. 4
oA liberação para o primeiro enchimento do reser-
vatório fica condicionada à entrega e ao aceite pela ANA do estudo
indicado no inciso I do Art. 3
odessa resolução de outorga.
Art. 5oA outorga, objeto desta Resolução, vigorará até o dia
20 de agosto de 2047, podendo ser suspensa parcial ou totalmente,
em definitivo ou por prazo determinado, além de outras situações
previstas na legislação pertinente, nos seguintes casos:
SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR
PORTARIA Nº 5, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Estabelece critérios para alocação de cota para importação, determinada pela Resolução CAMEX nº 7, de 18 de
fevereiro de 2014.
O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EX-
TERIOR, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelos incisos I e XIX do art. 15 do Anexo I ao Decreto nº 7.096, de 4 de fevereiro
de 2010, tendo em consideração a Resolução CAMEX nº 7, de 18 de fevereiro de 2014, resolve:
Art. 1º Fica incluído o inciso LI no art. 1º do Anexo III da Portaria SECEX nº 23, de 14 de julho de 2011, com a seguinte
redação:
“LI – Resolução CAMEX nº 7, de 18 de fevereiro de 2014, publicada no D.O.U. de 19 de fevereiro de 2014:
CÓDIGO NCM DESCRIÇÃO ALÍQUOTA DO II QUANTIDADE VIGÊNCIA7601.10.00 — Alumínio não ligado 2 % 39.000 toneladas 19/02/2014 a 17/08/2014
(180 dias)
a) o exame dos pedidos de LI será realizado por ordem de registro no SISCOMEX;
b) será concedida inicialmente a cada empresa uma cota máxima de 5.000 toneladas do produto, podendo cada importador obter mais
de uma LI, desde que a soma das quantidades informadas nas LIs seja inferior ou igual ao limite inicialmente estabelecido.
c) após atingida a quantidade máxima inicialmente estabelecida, novas concessões para a mesma empresa estarão condicionadas à
comprovação do efetivo despacho para consumo da mercadoria objeto das concessões anteriores, mediante a apresentação da cópia do CI e da
DI correspondentes, e a quantidade liberada será, no máximo, igual à parcela já desembaraçada;
d) caso seja constatado o esgotamento da cota global, o DECEX não emitirá novas LIs para essa cota, ainda que já registrado pedido
de licença no SISCOMEX.”
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
DANIEL MARTELETO GODINHO
GABINETE DA MINISTRA
PORTARIA No-70, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Dispõe sobre os critérios e procedimentos
relativos à concessão e uso do Selo Sus-
tentabilidade – Baixo Carbono aos partici-
pantes do Projeto de Compensação de
Emissões de GEE do Campeonato Mundial
de Futebol 2014.
A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso
de suas atribuições e tendo em vista o disposto na Lei n
o10.683, de
28 de maio de 2003 e no Decreto de 14 de janeiro de 2010, institui
o Selo Sustentabilidade – Baixo Carbono a ser concedido às empresas
doadoras de Reduções Certificadas de Emissões (RCEs) para o Pro-
jeto de Compensação de Emissões de GEE do Campeonato Mundial
de Futebol 2014, e
Considerando o potencial de impacto de emissões de gases
de efeito estufa nas atividades do Governo brasileiro na realização do
Campeonato Mundial de Futebol 2014;
Considerando que a observância do respeito à sustentabi-
lidade na realização de Grandes Eventos é um dos elementos sen-
síveis sobre o qual o Governo Brasileiro tem adotado medidas de
sensibilização e gerenciamento;
Considerando as disposições constantes na Resolução GE-
COPA n
o21, de 22 de novembro de 2012;
Considerando o disposto no art.65 da Lei no12.663, de 5 de
junho de 2012; e
Considerando o Acordo de Cooperação Técnica, que ce-
lebraram entre si a União, por intermédio do Ministério do Esporte e
o Ministério do Meio Ambiente, em 29 de abril de 2010, para a
conjugação de esforços para desenvolver as diretrizes para a Agenda
de Sustentabilidade da Copa 2014, resolve:
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DEFINIÇÕES
Art.1
oFica estabelecido que os critérios e procedimentos
relativos à concessão e uso do Selo Sustentabilidade – Baixo Carbono
deverão observar os ditames da presente Portaria e Chamada Pública
a ser lançada pelo Ministério do Meio Ambiente para convocação de
empresas potencialmente interessadas em participar do Projeto de
Compensação de Emissões de GEE do Campeonato Mundial de Fu-
tebol 2014.
Art.2
oPara os fins do disposto nesta Portaria, são adotadas
as seguintes definições:
I – Redução Certificada de Emissão-RCE: 1 (uma) redução
certificada de emissão é uma unidade emitida em conformidade com
o artigo 12 da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança
do Clima e as exigências nele previstas, bem como com as dis-
posições pertinentes das modalidades e procedimentos do Mecanismo
de Desenvolvimento Limpo (MDL), e equivale a uma tonelada mé-
trica de equivalente de dióxido de carbono (CO2), calculada com o
uso dos potenciais de aquecimento global definidos na Decisão
2/CP.3, ou conforme revisado subsequentemente de acordo com o
artigo 5
odo Protocolo de Quioto.
Ministério do Meio Ambiente.II – Mecanismo de Desenvolvimento Limpo-MDL: Meca-
nismo de flexibilização criado pelo Protocolo de Quioto para auxiliar
o processo de redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE)
ou de captura de carbono por parte dos países do Anexo I.
III – Empresas doadoras: Empresas detentoras de RCEs que
efetuarem o cancelamento voluntário de créditos provenientes de pro-
jetos brasileiros no MDL e já emitidos pelo Comitê Executivo do
MDL, para a compensação das emissões de GEE do Campeonato
Mundial de Futebol 2014.
IV – Selo Sustentabilidade – Baixo Carbono: Marca oferecida
como contrapartida às empresas que doarem RCEs para o Projeto de
Compensação de Emissões de GEE do Campeonato Mundial de Fu-
tebol 2014, conforme especificações desta Portaria e Chamada Pú-
blica a ser realizada pelo Ministério do Meio Ambiente.
V – GEE (Gases de Efeito Estufa): constituintes gasosos,
naturais ou antrópicos, que, na atmosfera, absorvem e reemitem ra-
diação infravermelha.
CAPÍTULO II
DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO
DO SELO SUSTENTABILIDADE – BAIXO CARBONO
Art. 3
oO direito de concessão de uso do Selo Sustenta-
bilidade – Baixo Carbono será publicizada por extrato da lista de
empresas doadoras aprovadas pelo Ministério do Meio Ambiente,
indicando o montante de créditos doados, no Diário Oficial da União,
ficando dispensada a emissão posterior de quaisquer documentos que
impliquem a repetição do ato, tais como certidões, declarações e
outros.
Art.4
oEstão aptas a se candidatar à participação no Projeto
de Compensação de Emissões de GEE do Campeonato Mundial de
Futebol 2014 todas as empresas detentoras de RCEs, provenientes de
projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo desenvolvidos no
Brasil, registrados pelo Conselho Executivo do MDL do Protocolo de
Quioto, no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre
Mudança Clima (CQNUMC), desde que as RCEs oferecidas para
doação não tenham sido utilizadas pelos Participantes do Projeto para
fins de compensação de outros compromissos.
I – as RCEs a serem doadas deverão ser canceladas pelas
próprias empresas doadoras, por meio do ‘procedimento para can-
celamento voluntário de RCEs’, da conta de registro do MDL, ado-
tado pelo Conselho Executivo do MDL em sua 69
areunião, ou suas
atualizações subsequentes (Anexo II da EB 69).
II – o valor mínimo de doação para concessão do Selo Sus-
tentabilidade – Baixo Carbono é de 5.000 (cinco mil) RCEs.
Art. 5
oOs agraciados com Selo Sustentabilidade – Baixo
Carbono poderão exibir a marca nos respectivos sítios eletrônicos e
materiais de divulgação, respeitados seus parâmetros de aplicação,
conforme Manual de Identidade Visual, a ser disponibilizado no sítio
eletrônico do Ministério do Meio Ambiente.
Parágrafo único. Qualquer propaganda por parte dos agra-
ciados com o Selo Sustentabilidade – Baixo Carbono deverá levar em
conta as restrições do uso de marca de propriedade da FIFA e re-
lacionadas, conforme disposições da Lei n
o12.663, de 5 de junho de
2012.
I – O Ministério do Meio Ambiente se exime de qualquer
responsabilidade de exposição da marca FIFA e relacionadas ou uti-
lização indevida do Selo de Sustentabilidade – Baixo Carbono.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201446ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
I – descumprimento das condições estabelecidas nesta Re-
solução;
II – conflito com normas posteriores sobre prioridade de usos
de recursos hídricos;
III – incidência nos arts. 15 e 49 da Lei n
o9.433, de 8 de
janeiro de 1997;
IV – indeferimento ou cassação da licença ambiental, se for
o caso dessa exigência;
V- extinção ou revogação do Contrato de Concessão nº
02/2012-MME-UHE Baixo Iguaçu de 20 de agosto de 2012, antes do
prazo previsto no caput deste artigo.
Art. 6
oAs condições de operação do reservatório do apro-
veitamento hidrelétrico serão definidas e fiscalizadas pela ANA, em
articulação com o Operador Nacional do Sistema – ONS, conforme
disposição do art. 4
o, inciso XII e §3o, da Lei no9.984, de 2000,
devendo respeitar as seguintes condições gerais:
§ 1
oVazão mínima defluente no período de enchimento do
reservatório: 200,00 m³/s;
§ 2
oO órgão ambiental licenciador poderá alterar a vazão
remanescente durante o período de enchimento ou definir regras com-
plementares para o enchimento;
§ 3
oEm períodos de estiagem, garantia de uma vazão mí-
nima defluente de 350 m³/s a jusante da UHE Baixo Iguaçu nos
períodos de visitação do PNI, levando-se em consideração os tempos
de trânsito entre a barragem e as Cataratas do Iguaçu;
§ 4
oEm períodos normais, operação diária do reservatório
que atenue ao máximo, para jusante, os efeitos de operação de ponta
das demais usinas da cascata.
Art. 7
oO outorgado deverá implantar e manter estações de
monitoramento e reportar os dados monitorados regularmente à ANA,
conforme as seguintes especificações mínimas, sem prejuízo do dis-
posto na Resolução Conjunta ANA/ANEEL nº 03/2010:
I – monitoramento diário de vazões turbinadas, vertidas e
defluentes na barragem;
II – monitoramento diário de níveis d’água e vazões afluentes
ao reservatório;
III – monitoramento trimestral da descarga sólida, a montante
e a jusante do reservatório;
IV – monitoramento dos parâmetros de qualidade de água
conforme Programa de Monitoramento Limnológico e de Qualidade
da Água.
Art. 8
oEsta outorga, poderá ser revista, além de outras si-
tuações previstas na legislação pertinente:
I – para eventual atualização das vazões destinadas a usos
consuntivos da água a montante e demais condições de operação do
reservatório;
II – quando os estudos de planejamento regional de utilização
dos recursos hídricos indicarem a necessidade de revisão das outorgas
emitidas; e
III – quando for necessária a adequação aos planos de re-
cursos hídricos e à execução de ações para garantir a prioridade de
uso dos recursos hídricos prevista no art. 13 da lei n
o9.433, de 8 de
janeiro de 1997.
Art. 9
oEsta Outorga não dispensa nem substitui a obtenção
de certidões, alvarás ou licenças de qualquer natureza, exigidos pela
legislação federal, estadual ou municipal.
Art. 10
oO direito de uso de recursos hídricos oriundo da
Outorga, objeto desta Resolução, estará sujeito à cobrança nos termos
da legislação pertinente.
Art. 11 O Outorgado é responsável pelos aspectos relacio-
nados à segurança da barragem, devendo assegurar que seu projeto,
construção, operação e manutenção sejam executados de acordo com
o que estabelece a Lei n
o12.334, de 20 de setembro de 2010, e
demais regulamentos emitidos pelo órgão fiscalizador da segurança
da barragem.
Art 12 O Outorgado se sujeita à fiscalização da ANA, por
intermédio de seus agentes, devendo franquear-lhes o acesso ao em-
preendimento e à documentação relativa à outorga emitida por meio
desta Resolução.
Art. 13 Esta Resolução entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
O inteiro teor da Resolução e os seus anexos I e II, bem
como todas as demais informações pertinentes estarão disponíveis no
site www.ana.gov.br.
VICENTE ANDREU
SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO
RESOLUÇÕES DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO DA AGÊN-
CIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA, no exercício da competência
a que se refere a Resolução nº 273, de 27 de abril de 2009, torna
público que o DIRETOR JOÃO GILBERTO LOTUFO CONEJO,
com fundamento no art. 12, inciso V, da Lei nº 9.984, de 17/07/2000,
e com base na Delegação que lhe foi conferida por meio da Re-
solução nº 6, de 1/02/2010, publicada no DOU de 3/02/2010, resolveu
emitir as outorgas preventivas à:
N
o-144 – Ministério da Pesca e Aquicultura – MPA, Reservatório da
UHE Caconde/Graminha, Município de Paraibuna/São Paulo, aqui-
cultura
N
o-164 – Instituto de Desenvolvimento do Piauí – IDEPI, açude
Jenipapo, Município de São João do Piauí/Piauí, abastecimento pú-
blico.N
o-167 – Companhia de Saneamento de Alagoas – CASAL, açude
Bálsamo (rio Bálsamo), Município de Palmeira dos Índios/Alagoas,
abastecimento público, irrigação.
N
o-168 – Município de Pio IX, por intermédio da Prefeitura Municipal
de Pio IX, Açude Piaus (rio Marçal), Município de Pio IX/Piauí,
abastecimento público.
N
o-171 – Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco
e do Parnaíba – CODEVASF, Reservatório da UHE Boa Esperança
(rio Parnaíba), Município de Nova Iorque/Maranhão, esgotamento
sanitário.
N
o-172 – Revita Engenharia S.A., rio Guamá, Município de Ma-
rituba/Pará, indústria.
N
o-221 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Mira Estrela/São Paulo, aquicultura.
N
o-222 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Riolândia/São Paulo, aquicultura.
N
o-223 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Riolândia/São Paulo, aquicultura.
N
o-224 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Cardoso/São Paulo, aquicultura.
N
o-225 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Cardoso/São Paulo, aquicultura.
N
o-226 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Mira Estrela/São Paulo, aquicultura.
N
o-227 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Mira Estrela/São Paulo, aquicultura.
N
o-228 – à União, por intermédio do Ministério da Pesca e Aqui-
cultura – MPA, Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes/Água
Vermelha, Município de Riolândia/São Paulo, aquicultura.
O inteiro teor das Resoluções de outorgas preventivas, bem
como as demais informações pertinentes estarão disponíveis no site
w w w. a n a . g o v. b r.
O SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO DA AGÊN-
CIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA, no exercício da competência
a que se refere a Resolução nº 273, de 27 de abril de 2009, torna
público que o DIRETOR JOÃO GILBERTO LOTUFO CONEJO,
com fundamento no art. 12, inciso V, da Lei nº 9.984, de 17/07/2000,
e com base na Delegação que lhe foi conferida por meio da Re-
solução nº 6, de 1/02/2010, publicada no DOU de 3/02/2010, resolveu
outorgar à:
N
o-143 – Nilzete Ruback Lagrimante FI, rio Pomba, Município de
Palma/Rondônia, mineração.
N
o-145 – Mário Sérgio Garcia de Viveiros, Açude público Trairí (rio
Trairí), Município de Tangará/Rio Grande do Norte, aquicultura.
N
o-146 – José Geraldo Lima Lana, rio Doce, Município de Santa Cruz
do Escalvado/Minas Gerais, mineração.
N
o-147 – Foz de Porto Ferreira S.A, rio Moji Guaçu, Município de
Porto Ferreira/São Paulo, Abastecimento público.
N
o-148 – Companhia de Saneamento de Alagoas – CASAL, rio São
Francisco, Município de Piaçabuçu/Alagoas, Abastecimento público.
N
o-149 – Osvaldo Marques da Silva, Reservatório da UHE Luiz
Gonzaga, Município de Glória/Bahia, irrigação.
N
o-150 – Espedito Arcelino de Melo, Reservatório da UHE Luiz
Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia,
irrigação.
N
o-151 – Tereza Cristina Mello Carvalho de Azevedo, rio Pardo,
Município de Morro Agudo/São Paulo, irrigação.
N
o-152 – Fabio Luciano Barbosa de Araujo, rio São Francisco, Mu-
nicípio de Curaçá/Bahia,irrigação.
N
o-153 – Kelia Gonçalves Gusmão de Avelar, rio Jequitinhonha,
Município de Itaobim/Minas Gerais, irrigação.
N
o-154 – Paulo Nunes de Barros, rio São Francisco, Município de
Juazeiro/Bahia, irrigação.
N
o-155 – Vale Verde Empreendimentos Agrícolas Ltda., rio Pirari,
Município de Pedro Velho/Rio Grande do Norte, irrigação.N
o-156 – Fernando Rezende Serra Rios, Ribeirão do Pinheirinho,
Município de Monte Santo de Minas/Minas Gerais,irrigação.
N
o-157 – SJC Bioenergia Ltda., Reservatório da UHE São Simão (rio
Paranaíba), Município de Inaciolândia/Goiás, irrigação.
N
o-158 – SJC Bioenergia Ltda., Reservatório da UHE São Simão (rio
Paranaíba), Município de Inaciolândia/Goiás, irrigação.
N
o-159 – Ronaldo Pereira de Noronha, Reservatório da UHE Três
Marias (rio São Francisco), Município de Morada Nova de Minas/Mi-
nas Gerais, irrigação.
N
o-160 – Julieta Gaia Lopes, rio Urucuia, Município de Buritis/Minas
Gerais, irrigação.
N
o-161 – SJC Bioenergia Ltda., Reservatório da UHE São Simão (rio
Paranaíba), Município de Gouvelândia/Goiás, irrigação.
N
o-162 – SJC Bioenergia Ltda., Reservatório da UHE São Simão (rio
Paranaíba), Município de Inaciolândia/Goiás, irrigação.
N
o-163 – Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba – Coopadap,
Córrego Catiara, Município de Rio Paranaíba/Minas Gerais, irriga-
ção.
N
o-165 – Clores Tarciane Monteiro Barros, rio Açu, Município de
Açu/Rio Grande do Norte, irrigação.
N
o-166 – Município de Belo Oriente por intermédio da Prefeitura
Municipal de Belo Oriente, rio Doce, Município de Belo Orien-
te/Minas Gerais, abastecimento público.
N
o-169 – Jorge Euclides Idalino Vasconcelos, rio São Francisco,
Município de Penedo/Alagoas, aquicultura.
N
o-170 – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo
– SABESP, rio Paranapanema, Município de Rosana/São Paulo, es-
gotamento sanitário.
N
o-174 – Dirceu Antonio Tonelli – ME, rio Buranhém, Município de
Porto Seguro/Bahia, mineracão.
N
o-175 – Anatércia Santos Costa, Reservatório da UHE Xingó, Mu-
nicípio de Paulo Afonso/Bahia, aquicultura.
N
o-176 – Edigar Marinho dos Santos, Reservatório da UHE Xingó,
Município de Paulo Afonso/Bahia, aquicultura.
N
o-177 – Célia Dione de Novaes Daltro, Reservatório da UHE Xingó,
Município de Paulo Afonso/Bahia, aquicultura.
N
o-178 – Associação de Trabalhadores Rurais Fazenda Nova Es-
perança, Reservatório da UHE Xingó, Município de Olho D’Água do
Casado/Alagoas, aquicultura.
N
o-179 – Luiz Lavanère Cavalcante Pessôa, Reservatório da UHE
Xingó, Município de Piranhas/Alagoas, aquicultura.
N
o-180 – Associação dos Piscicultores e Pescadores Artesanais do
Povoado Salgado Salgatuba Pesca, Reservatório da UHE Xingó, Mu-
nicípio de Delmiro Gouveia/Alagoas, aquicultura.
N
o-181 – João Alberto Okimoto, Reservatório da UHE Paraibuna/Pa-
raitinga, Município de Natividade da Serra/São Paulo, aquicultura.
N
o-182 – Luiz Carlos dos Santos, Reservatório da UHE Paraibu-
na/Paraitinga, Município de Natividade da Serra/São Paulo, aqui-
cultura.
N
o-183 – Clarice Borgiani Errero, Reservatório da UHE Paraibu-
na/Paraitinga, Município de Natividade da Serra/São Paulo, aqui-
cultura.
N
o-184 – José Donizetti de Souza Machado, Reservatório da UHE
Paraibuna/Paraitinga, Município de Paraibuna/São Paulo, aquicultu-
ra.
N
o-185 – Associação de Pesca e Aquicultura Lagoa Dourada, Re-
servatório da UHE Engº Sérgio Motta/Porto Primavera, Município de
Panorama/São Paulo, aquicultura.
N
o-186 – Dario Luiz Vitali, Reservatório da UHE Chavantes, Mu-
nicípio de Timburí/São Paulo, aquicultura.
N
o-187 – Associação dos Piscicultores Ponte Quinca Mariano, Re-
servatório da UHE Itumbiara, Município de Corumbaíba/Goiás, aqui-
cultura.
N
o-188 – Edivaldo Barbosa de Souza, Reservatório da UHE Pa-
raibuna/Paraitinga, Município de Natividade da Serra/São Paulo,
aquicultura.
N
o-189 – Luiz Antunes Pires, Reservatório da UHE Paraibuna/Pa-
raitinga, Município de Natividade da Serra/São Paulo, aquicultura.
N
o-190 – Omar Makanse, Reservatório da UHE Paraibuna/Paraitinga,
Município de Redenção da Serra/São Paulo, aquicultura.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201447ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
No-191 – Afonso Celso de Brito, Reservatório da UHE Paraibu-
na/Paraitinga, Município de Natividade da Serra/São Paulo, aqui-
cultura.
N
o-192 – Roberto Hilf de Moraes, Reservatório da UHE Paraibu-
na/Paraitinga, Município de Natividade da Serra/São Paulo, aqui-
cultura.
N
o-193 – Milton Jose de Freitas, rio São Francisco, Município de São
Francisco/Minas Gerais, irrigação.
N
o-194 – Jose Nildo Marques da Silva, Reservatório da UHE Luiz
Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia,
irrigação.
N
o-195 – José Thomaz da Silva Nonô Netto, rio São Francisco,
Município de Piaçabuçu/Alagoas, irrigação.
N
o-196 – Santos Tinum dos Santos, rio Jequitinhonha, Município de
Jequitinhonha/Minas Gerais, irrigação.
N
o-197 – Iralice Alves Rodrigues, rio Jequitinhonha, Município de
Jequitinhonha/Minas Gerais, irrigação.
N
o-198 – Izaurino Alves Gonçalves, rio Jequitinhonha, Município de
Jequitinhonha/Minas Gerais, irrigação.
N
o-199 – Joao Arcilon de Sa, Reservatório da UHE Luiz Gonza-
ga/Itaparica (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia, irriga-
ção.
N
o-200 – Manoel Adilson de Sa Melo, Reservatório da UHE Luiz
Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia,
irrigação.
N
o-201 – Roberio Mendes da Rocha, rio São Francisco, Município de
Barra/Bahia, irrigação.
N
o-202 – Ailla Ferreira Yamamoto, Reservatório da UHE Sobradinho
(rio São Francisco), Município de Casa Nova/Bahia, irrigação.
N
o-203 – Josue Barbosa de Morais, rio São Francisco, Município de
Belém de São Francisco/Pernambuco, irrigação.
N
o-204 – Evando Esteves de Lucena, rio Jequitinhonha, Município de
Itinga/Minas Gerais, irrigação.
N
o-205 – Mateus Merlin Lourenço e Edivania Speroto Lourenço, rio
Cricaré ou Braço Sul do rio São Mateus, Município de Nova Ve-
nécia/Espírito Santo, irrigação.
N
o-206 – José Ronaldo Soares de Brito, rio São Francisco, Município
de Barra/Bahia, irrigação.
N
o-207 – Santa Vitória Açúcar e Álcool Ltda, Reservatório da UHE
São Simão (rio Paranaíba), Município de Ipiaçu/Minas Gerais, ir-
rigação.
N
o-208 – Edgar Bastianello, Bruno Pilon Bastianello, Cristina Uliana,
Bastianello, Flavio Bastianello, Liete Pilon Bastianello, Anna Paula
Pilon Bastianello, Juassara das Graças de Souza e Robson Bastia-
nello, rio Cotaxé ou braço norte do rio São Mateus, Município de
Nova Venécia/Espírito Santo, irrigação.
N
o-209 – Orlando Meneli, rio Cricaré ou braço sul do rio São Mateus,
Município de Nova Venécia/Espírito Santo, irrigação.
N
o-210 – Ivanio Lima Silva, Reservatório da UHE Apolônio Sa-
les/Moxotó (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia, irriga-
ção.
N
o-211 – Maedson Silva Araujo, Reservatório da UHE Apolônio
Sales/Moxotó (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia, ir-
rigação.
N
o-212 – João Vítor França Alkmim, rio São Francisco, Município de
Manga/Minas Gerais, irrigação e dessedentação animal.
N
o-213 – Laedson Silva Araujo, Reservatório da UHE Apolônio
Sales/Moxotó (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia, ir-
rigação.
N
o-214 – Walmir Pereira Modotti, rio Paranapanema, Município de
Salto Grande/São Paulo, irrigação.
N
o-215 – José Mendonça Filho, rio São Francisco, Município de
Curaçá/Bahia, irrigação.
N
o-216 – José Mendonça Filho, rio São Francisco, Município de
Curaçá/Bahia, irrigação.
N
o-217 – Cléo Túlio de Brito, Reservatório da UHE Furnas (rio
Grande), Município de Boa Esperança/Minas Gerais, irrigação.
N
o-218 – Cléo Túlio de Brito, Reservatório da UHE Furnas (rio
Grande), Município de Boa Esperança/Minas Gerais, irrigação.N
o-219 – Cléo Túlio de Brito, Reservatório da UHE Furnas (rio
Grande), Município de Boa Esperança/Minas Gerais, irrigação.
N
o-220 – Cléo Túlio de Brito, Reservatório da UHE Furnas (rio
Grande), Município de Boa Esperança/Minas Gerais, irrigação.
N
o-229 – José Carlos de Oliveira Valença, rio São Francisco, Mu-
nicípio de Santa Maria da Boa Vista/Pernambuco, irrigação.
N
o-230 – Nelson Mayrinck Cabral da Costa Filho, rio São Francisco,
Município de Juazeiro/Bahia, irrigação.
N
o-231 – Geraldo Lino Soares, rio São Francisco, Município de
Abaeté/Minas Gerais, irrigação.
N
o-232 – Eli Araújo da Silva, rio Jequitinhonha, Município de Itin-
ga/Minas Gerais, irrigação.
N
o-233 – Dimar Moreira de Araújo, rio Jequitinhonha, Município de
Itinga/Minas Gerais, irrigação.
N
o-234 – Jairo Lemos do Nascimento, Reservatório da UHE Luiz
Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco), Município de Belém do São
Francisco/Pernambuco, irrigação.
N
o-235 – Francisco Dilandio de Sousa, rio São Francisco, Município
de Santa Maria da Boa Vista/Pernambuco, irrigação.
N
o-236 – Santa Vitória Açúcar e Álcool Ltda., Reservatório da UHE
São Simão (rio Paranaíba), Município de Santa Vitória/Minas Gerais,
irrigação.
N
o-237 – Santa Vitória Açúcar e Álcool Ltda., Reservatório da UHE
São Simão (rio Paranaíba), Município de Santa Vitória/Minas Gerais,
irrigação.
N
o-238 – Santa Vitória Açúcar e Álcool Ltda., Reservatório da UHE
São Simão (rio Paranaíba), Município de Santa Vitória/Minas Gerais,
irrigação.
N
o-239 – Santa Vitória Açúcar e Álcool Ltda., Reservatório da UHE
São Simão (rio Paranaíba), Município de Santa Vitória/Minas Gerais,
irrigação.
N
o-240 – Santa Vitória Açúcar e Álcool Ltda., Reservatório da UHE
São Simão (rio Paranaíba), Município de Santa Vitória/Minas Gerais,
irrigação.
N
o-241 – Manoel Elizeu de Sá, Reservatório da UHE Apolônio Sa-
les/Moxotó (rio São Francisco), Município de Glória/Bahia, irriga-
ção.
N
o-242 – Finobrasa Agroindustrial S.A, rio Piranhas Açu, Município
de Ipanguaçu/Rio Grande do Norte, irrigação.
N
o-243 – Antonio Gomes, UHE Marechal Mascarenhas de Moraes (ex
Peixoto), Município de Cássia/Minas Gerais, irrigação.
N
o-244 – José Vieira da Silva, Reservatório da UHE Sobradinho (rio
São Francisco), Município de Sento Sé/Bahia, irrigação.
N
o-245 – José Luis Marinho de Andrade, Cláudio Mendes Marinho de
Andrade, Maria Luiza Marinho de Andrade Figueira e Vicente Men-
des Marinho de Andrade, Açude Anagé/Deputado Elquison Soares
(rio Gavião), Município de Anagé/Bahia, irrigação.
N
o-246 – CEMIG Geração e Transmissão S.A., reservatório da UHE
Três Marias e rio São Francisco, Município de Três Marias/Minas
Gerais, irrigação e esgotamento sanitário.
N
o-247 – Rio Corrente Agrícola S.A., Reservatório da UHE Ponte de
Pedra (rio Correntes), Município de Sonora/Mato Grosso do Sul,
irrigação.
N
o-248 – André Piovezan, Córrego do Engano, Município de Pedro
Canário/Espírito Santo, irrigação.
N
o-249 – Irani de Borba Cafundó, Reservatório da UHE Jurumi-
rim/Armando Avellanal Laydner (rio Paranapanema), Município de
Paranapanema/São Paulo, irrigação.
N
o-250 – Jorge Junqueira Franco, Reservatório da UHE Ilha Solteira,
Município de Populina/São Paulo, irrigação.
N
o-251 – Jorge Junqueira Franco, Reservatório da UHE Ilha Solteira,
Município de Populina/São Paulo, irrigação.
N
o-252 – Valdecir Bolsanello, rio Cotaxé ou Braço Norte do rio São
Mateus, Município de Nova Venécia/Espírito Santo, irrigação.
N
o-253 – Valdecir Bolsanello, rio Cotaxé ou Braço Norte do rio São
Mateus, Município de Nova Venécia/Espírito Santo, irrigação.
N
o-254 – Renato de Araújo Collares, rio Jequitinhonha, Município de
Araçuaí/Minas Gerais, irrigação.
N
o-255 – Renato de Araújo Collares, rio Jequitinhonha, Município de
Araçuaí/Minas Gerais, irrigação.N
o-256 – Amistrong Luciano Zanotti, Marcos Pedro Zanotti e Theo-
doro Antônio Zanotti, rio Cotaxé ou Braço Norte do rio São Mateus,
Município de Nova Venécia/Espírito Santo, irrigação.
N
o-257 – Amistrong Luciano Zanotti, Marcos Pedro Zanotti e Theo-
doro Antônio Zanotti, rio Cotaxé ou Braço Norte do rio São Mateus,
Município de Nova Venécia/Espírito Santo, irrigação.
N
o-258 – José Florêncio Coelho Filho, Reservatório da UHE So-
bradinho (rio São Francisco), Município de Casa Nova/Bahia, ir-
rigação.
N
o-259 – Ivanir Rodrigues Ferreira, Reservatório da UHE Masca-
renhas de Moraes (rio Grande), Município de São João Batista do
Glória/Minas Gerais, irrigação.
N
o-260 – Nilton Roberto Oliveira Melo e Rogério Lopes Ferreira,
Reservatório da UHE Três Marias (rio São Francisco), Município de
Morada Nova de Minas/Minas Gerais, irrigação.
N
o-261 – Nilton Roberto Oliveira Melo e Rogério Lopes Ferreira,
Reservatório da UHE Três Marias (rio São Francisco), Município de
Morada Nova de Minas/Minas Gerais, irrigação.
N
o-262 – Davi José de Avellar, rio Paranaíba, Município de Patos de
Minas/Minas Gerais, irrigação.
N
o-263 – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF,
Reservatório da UHE Luiz Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco),
Município de Petrolândia/Pernambuco, irrigação, abastecimento hu-
mano e dessedentação animal.
N
o-264 – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF,
Reservatório da UHE Luiz Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco),
Município de Rodelas/Bahia, irrigação, abastecimento humano e des-
sedentação animal.
N
o-265 – Abrão Marcos de Meira, rio Jequitinhonha, Município de
Jequitinhonha/Minas Gerais, irrigação.
N
o-266 – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF,
Reservatório da UHE Luiz Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco),
Município de Petrolândia/Pernambuco, irrigação, abastecimento hu-
mano e dessedentação animal.
N
o-267 – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF,
Reservatório da UHE Luiz Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco),
Município de Belém do São Francisco/Pernambuco, irrigação, abas-
tecimento humano e dessedentação animal.
N
o-268 – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF,
Reservatório da UHE Luiz Gonzaga/Itaparica (rio São Francisco),
Município de Orocó/Pernambuco, irrigação, abastecimento humano e
dessedentação animal.
N
o-269 – José Geraldo Gonçalves, rio São Francisco, Município de
Matias Cardoso/Minas Gerais, irrigação e dessedentação animal.
N
o-270 – Associação do Distrito de Irrigação do Baixo Assu – DIBA,
rio Piranhas ou Açu, Município de Alto do Rodrigues/Rio Grande do
Norte, irrigação.
O inteiro teor das Resoluções de outorga, bem como as
demais informações pertinentes estarão disponíveis no site
w w w. a n a . g o v. b r.
RODRIGO FLECHA FERREIRA ALVES
RESOLUÇÃO Nº 173, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO DA AGÊN-
CIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA, no exercício da competência
a que se refere a Resolução nº 273, de 27 de abril de 2009, torna
público que o DIRETOR JOÃO GILBERTO LOTUFO CONEJO,
com fundamento no art. 12, inciso V, da Lei nº 9.984, de 17/07/2000,
e com base na Delegação que lhe foi conferida por meio da Re-
solução nº 6, de 1/02/2010, publicada no DOU de 3/02/2010, re-
solveu:
Revogar, a Resolução nº 32, de 2 de janeiro de 2013, pu-
blicada no Diário Oficial da União em 04 de janeiro de 2013, seção
1, página 45, a qual outorgou a Mineração Água Vermelha Ltda. o
uso de recursos hídricos no Rio Grande, com a finalidade de Mi-
neração no Município de Orindiúva – SP, em virtude de os usos
pleiteados serem considerados de pouca expressão e, portanto, in-
dependerem de outorga, conforme disposto na Resolução ANA nº
1.175, de 16 de setembro de 2013.
O inteiro teor da Resolução de revogação, bem como as
demais informações pertinentes estarão disponíveis no site
w w w. a n a . g o v. b r.
RODRIGO FLECHA FERREIRA ALVES
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201448ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE
E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS
INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Regulamenta o art. 4º da Instrução Nor-
mativa Interministerial n° 14 de 26 de no-
vembro de 2012.
O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos
Recursos Naturais Renováveis – IBAMA no uso de suas atribuições,
tendo em vista o disposto na Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009,
na Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, no Decreto nº 6.514, de
22 de julho de 2008, na Instrução Normativa Interministerial MPA e
MMA nº 14, de 26 de novembro de 2012, no Decreto nº 76.623, de
17 de novembro de 1975, no Decreto nº 3.607, de 21 de setembro de
2000, e considerando o que consta do Processo nº
02001.000003/2013-91, resolve:
Art. 1º Definir os procedimentos necessários para controle do
desembarque de tubarões e raias capturados nas Águas Jurisdicionais
Brasileiras e em Alto-Mar por embarcações nacionais ou estrangeiras
arrendadas, bem como do armazenamento, conservação, beneficia-
mento, transporte, comercialização ou exportação de barbatanas.
Parágrafo único. Esta Instrução Normativa não se aplica à
explotação de raias de água continental para fins ornamentais e de
aquariofilia.
Art. 2º Toda pessoa, física ou jurídica, responsável legal pelo
desembarque de tubarões e raias, bem como pelo armazenamento,
conservação, beneficiamento, comercialização ou exportação de bar-
batanas terá um prazo de 30 (trinta) dias, contados a partir da pu-
blicação desta Instrução Normativa, para concluir sua inscrição no
Cadastro Técnico Federal, por meio do endereço eletrônico
h t t p : / / w w w. i b a m a . g o v. b r / a r e a s – t e m a t i c a s – q a / c a d a s t r o – t e c n i c o – f e d e ral.
Art. 3º Os responsáveis legais pela operação de embarcações
pesqueiras empregadas na captura de tubarões e raias que possuam
Arqueação Bruta igual ou superior a 20 (vinte) ou aderidas ao Pro-
grama Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por
Satélite – PREPS deverão comunicar, com antecedência mínima de 3
(três) dias úteis, as operações de desembarque de tubarões e raias a
serem realizadas ao final dos cruzeiros de pesca.
§1º Na comunicação da previsão de desembarque, a pessoa
física ou jurídica deverá entregar preenchido formulário conforme
Anexo I.
§2º Havendo alguma retificação sobre os dados declarados
na forma do Anexo I, o responsável legal deverá encaminhá-la ime-
diatamente à unidade do IBAMA onde entregou a comunicação da
previsão de desembarque.
§3º O responsável legal pela entrega da comunicação de
desembarque e sua eventual retificação receberá um protocolo, de-
vidamente numerado, atestando a entrega das informações ao IBA-
MA.
Art. 4º Para os casos em que se aplica o disposto no art.3º,
o responsável legal pela embarcação deverá controlar todo o de-
sembarque da produção de tubarões e raias, mantendo um livro ou
caderno de registro de folhas tipograficamente numeradas com in-
formações sobre cada evento de desembarque, em ordem cronológica,
assinado em conjunto com o responsável pela pescaria (mestre da
embarcação ou pescador responsável).
§ 1º O controle de cada desembarque deverá conter, obri-
gatoriamente:
I – número do lote (Nome da embarcação/Nº sequencial de
desembarque/Ano);
II – embarcação utilizada na produção, identificada por meio
do número de inscrição junto à Marinha do Brasil, do número do
Registro Geral da Atividade Pesqueira – RGP e da Autorização de
Pesca;
III – data do início da viagem de pesca;
IV – data do término da viagem de pesca;
V – data do desembarque da produção;
VI – hora do início do desembarque da produção;
VII – hora do término do desembarque da produção;
VIII – local de desembarque;
IX – mestre da embarcação ou pescador responsável e nº do
RGP do mesmo;
X – relação das espécies de tubarões e raias (nome comum e
nome científico):
XI – anteriormente ao desembarque, registro de peso e nú-
mero de tubarões e raias com nadadeiras aderidas e informações se
houve retirada da cabeça, evisceração e a forma de acondicionamento
no momento da pesagem, se resfriamento ou congelamento;
XII – posteriormente ao desembarque, registro de peso e
número de nadadeiras separadas do corpo do animal, bem como a
forma de acondicionamento no momento de pesagem.
§ 2° O livro ou caderno de registro a que se refere o caput
deverá estar presente no momento do desembarque, para fins de
anotação imediata dos dados.
Art. 5º O controle da produção de tubarões e raias, bem
como das barbatanas oriundas da pesca artesanal (barcos menores que
20 (vinte) AB) será de responsabilidade do primeiro comprador, que
deverá manter livro ou caderno de registro com folhas tipografi-
camente numeradas e informações sobre cada fornecedor ou produtor,
em ordem cronológica.
§1º O controle referido no caput, deverá conter, obrigato-
riamente:
I – número do lote (Nome da embarcação/Nº sequencial de
desembarque/Ano);
II – número da Nota fiscal de aquisição;
III – nome do fornecedor e respectivo CPF;IV – nome e Registro Geral da Atividade Pesqueira da(s)
embarcação(ões) do fornecedor;
V – local de desembarque e compra do produto;
VI – relação das espécies de tubarões e raias (nome comum
e nome científico):
VII – anteriormente ao desembarque, registro de peso e nú-
mero de tubarões e raias com nadadeiras aderidas e informações se
houve retirada da cabeça, evisceração e a forma de acondicionamento
no momento da pesagem, se resfriamento ou congelamento;
VIII – posteriormente ao desembarque, registro de peso e
número de nadadeiras separadas do corpo do animal, bem como a
forma de acondicionamento no momento de pesagem.
IX – data de entrada;
X – local de armazenamento/conservação.
§2° As informações dispostas nos incisos I a VIII poderão
substituir as “Informações de entrada” apresentadas no Anexo II dessa
IN, de modo a possibilitar o uso de um único livro de registro para
controle de todas as movimentações.
Art. 6º Todas as cargas de barbatanas deverão estar acom-
panhadas, desde sua origem, de cópia das notas fiscais emitidas.
Art. 7º A empresa envolvida nas demais etapas – comer-
cialização, armazenamento, transporte, beneficiamento, secagem ou
exportação – da cadeia de custódia das barbatanas de tubarões e raias,
deverá manter em Livro de Registro, adicionalmente às cópias das
notas fiscais, as informações adicionais discriminadas no Anexo II.
§1º Essa exigência não se aplica àquelas empresas que se
dedicam unicamente ao frete de cargas e mercadorias, situação na
qual o controle ficará a cargo da empresa contratante do serviço.
§2º A empresa que desejar conceber livro de registro em
formato digital deverá submeter projeto do software para avaliação e
aprovação do Ibama, cabendo à Autarquia averiguar a segurança e
disponibilização dos dados.
§3º Restaurantes e demais estabelecimentos que ofereçam
pratos com ingredientes ou compostos por barbatanas de tubarões
devem apresentar resumos diários para as “Informações Intermediá-
rias” e “Informações de saída” requeridas no Anexo II.
Art. 8º O transporte internacional de carga de barbatanas de
tubarão e raias deverá ser acompanhado de cópia impressa do Re-
gistro de Exportação (RE) ou da Licença de Importação (LI), efe-
tivados no Sistema Integrado de Comércio Exterior – SISCOMEX ou
outro sistema que venha a substituí-lo.
§1º Para os produtos sujeitos a anuência prévia do IBAMA
na importação ou exportação, a descrição da mercadoria no campo
“observação do exportador”, constante no Registro de Exportação e
respectivo Despacho de Exportação, deverá conter a data, o horário e
o número do voo no qual a carga será embarcada ou nome da
empresa responsável pela remessa do(s) contêiner(es) em caso de
transporte marítimo, bem como especificar o número e peso de bar-
batanas por espécie.
§2º As empresas que atuarem na exportação de barbatanas de
elasmobrânquios deverão comunicar, com até 3 (três) dias úteis de
antecedência à unidade do IBAMA mais próxima, o local, a data e a
hora em que os contêineres que acondicionarão as cargas de bar-
batanas serão estufados.
§3º Os produtos e subprodutos originários de tubarões e raias
a serem exportados deverão ser classificados conforme os códigos da
Nomenclatura Comum do Mercosul – NCM específicos, quando apli-
cável, estando os mesmos passíveis de serem submetidos à análise
genética para fins de comprovação.
Art. 9º A partir da publicação desta Instrução Normativa, as
pessoas jurídicas que tiverem em depósito barbatanas de tubarão e
raias isoladas das carcaças terão um prazo de 30 (trinta) dias para
declararem o estoque e as demais informações previstas no Anexo II
e para apresentarem as respectivas notas fiscais que comprovem a
origem do produto junto a uma unidade do IBAMA.
Art. 10. O IBAMA, a qualquer momento, poderá solicitar às
pessoas físicas e jurídicas envolvidas na cadeia de custódia de bar-
batanas de tubarões e raias a apresentação das informações registradas
conforme disposto nesta Instrução Normativa.
Art. 11. O IBAMA reserva-se o direito de solicitar ou coletar
amostras de barbatanas, incluindo aquelas a serem objeto de ex-
portação, em qualquer fase da cadeia de custódia, para fins de análise
genética e outras formas de identificação específica.
Art. 12. Os Livros de Registro, Mapas de Bordo e Notas
Fiscais referidos nesta Instrução Normativa são considerados docu-
mentos oficiais de controle, cabendo aos responsáveis legais pelas
embarcações e às empresas envolvidas na cadeia de custódia dos
produtos protegidos por meio desta norma a responsabilidade pelas
informações neles contidas.
Parágrafo único. Na hipótese de as informações estarem in-
completas, inconsistentes ou inverídicas, a conduta do responsável
poderá dar ensejo às sanções administrativas previstas nos arts. 81 e
82 do Decreto n° 6.514, de 22 de julho de 2008.
Art. 13. A produção pesqueira de tubarões e raias e seus
subprodutos, efetuada por embarcações aderidas obrigatoriamente ao
PREPS e realizada em período em que ficar comprovado que os
cruzeiros não foram devidamente rastreados será considerada ilegal.
Art. 14. As condutas e atividades lesivas aos recursos pes-
queiros e ao meio ambiente serão punidas na forma da Lei nº 9.605,
de 12 de fevereiro de 1998, e de seu regulamento.
Art. 15. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de
sua publicação.
VOLNEY ZANARDI JÚNIORANEXO I
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – MMAINSTITUTO BRASILEIRO
DO MEIO AMBIENTE E
DOS RECURSOS NATU-
RAIS RENOVÁVEIS –
IBAMACOMUNICAÇÃO DE PRE-
VISÃO DE DESEMBAR-
QUE PARA TUBARÕES E
RAIASNº COMUNICADO
Em atenção ao artigo 3º da Instrução Normativa IBAMA nº
02/2014, referente ao desembarque de tubarões e raias, venho por
meio deste comunicado informar previsão para desembarque destes
organismos conforme informações abaixo apresentadas:
1 – NOME DA EMBARCAÇÃO:2 – Nº DE INSCRIÇÃO NA
MARINHA3 – Nº RGP
4 – Nº AUTORIZAÇÃO DE PESCA 5 – PERÍODO DA PESCARIADATA INÍCIO: DATA FIM (PREVISTA):6 – PREVISÃO DO DESEMBARQUE
D ATA :
HORARIO DE INÍCIO: DURAÇÃO (ho-
ras):7 – LOCAL DO DESEMBARQUE:
CIDADE/UF:
ENDEREÇO:
ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO8 – ESPÉCIE 9 – TRATAMENTO A
BORDO10 – ARMAZENA-
GEM11- TO-
TAL (kg)
EVISCERADO ( ) DES-
CABEÇADO ( )RESFRIADO ( ) CON-
GELADO ( )
EVISCERADO ( ) DES-
CABEÇADO ( )RESFRIADO ( ) CON-
GELADO ( )
EVISCERADO ( ) DES-
CABEÇADO ( )RESFRIADO ( ) CON-
GELADO ( )
EVISCERADO ( ) DES-
CABEÇADO ( )RESFRIADO ( ) CON-
GELADO ( )
EVISCERADO ( ) DES-
CABEÇADO ( )RESFRIADO ( ) CON-
GELADO ( )
12 – NOME DO RESPONSÁVEL PELA
ENTREGA/CPF:15 – OBSERVAÇÕES:
13 – LOCAL DE ENTREGA DO COMU-
NICADO:
14 – DATA DA ENTREGA / ASSINATU-
RA DO RESPONSÁVEL
____/_____/____ .20 – DATA DE RECEBIMENTO/ASSINATURA E CARIMBO DO REPRESENTANTE
DO IBAMA
____/___/___ .
ANEXO II
Informações a serem mantidas em livro de registro das em-
presas:
I – Informações de entrada:
a. número do lote (Nome da embarcação/Nº sequencial de
desembarque/Ano)
b. especificar produto: espécie, tipo de produto – conjunto ou
barbatana, forma de acondicionamento;
c. se for conjunto: peso e número de conjuntos por espécie
(tubarão/raia com nadadeiras aderidas, descabeçado ou com cabeça,
eviscerado ou não eviscerado, forma de acondicionamento);
d. se barbatana: peso e número de nadadeiras por espécie,
informando a forma de acondicionamento (seco, fresco/resfriado ou
congelado);
e. fornecedor;
f. data de entrada;
g. local de armazenamento/conservação;
h. número da Nota Fiscal de aquisição.
II – Informações intermediárias:
a. número do lote (Nome da embarcação/Nº sequencial de
desembarque/Ano);
b. interferências sofridas: refinamento do corte de acaba-
mento das nadadeiras; mudança de fresco/resfriado para congelado ou
vice versa/secagem ou beneficiamento;
c. peso e número de nadadeiras no início da interferência;
d. peso e número de nadadeiras no final da interferência;
e. data da interferência.
III – Informações de saída (produto que estará disponível
para outra ação):
a. número do lote (Nome da embarcação/Nº sequencial de
desembarque/Ano);
b. se tiver recebido conjunto e sair conjunto: peso e número
de conjuntos por espécie (tubarão/raia com nadadeiras aderidas, des-
cabeçado ou com cabeça, eviscerado ou não eviscerado);
c. se tiver recebido nadadeira e sair nadadeira: peso e nú-
mero das nadadeiras, por espécie, informando a forma de acondi-
cionamento (seco, fresco/resfriado ou congelado);
d. se tiver recebido conjunto e sair carne e nadadeira: peso
da carne, peso e número de nadadeiras, por espécie, informando a
forma de acondicionamento (seco, fresco/resfriado ou congelado);
e. local de armazenamento;
f. data da comercialização;
g. número da Nota Fiscal de venda.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201449ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
GABINETE DA MINISTRA
PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 53, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
AS MINISTRAS DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO E DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto no art. 5º da Lei nº 8.745, de 9 de
dezembro de 1993, resolvem:
Art. 1º Autorizar o Serviço Florestal Brasileiro – SFB, a contratar, a partir de julho de 2014, nos termos do Anexo a esta Portaria, vinte e cinco profissionais, por tempo determinado, para atender necessidade
temporária de excepcional interesse público, na forma da alínea “h” do inciso VI do art. 2º da Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993.
Parágrafo único. Os profissionais de que trata o caput serão contratados para execução de projetos de Cooperação Internacional.
Art. 2º A contratação dos profissionais deverá ser efetuada por meio de processo seletivo simplificado, observando a ordem de classificação e os critérios e condições estabelecidas pelo Poder Executivo,
conforme disposto no art. 3º da Lei nº 8.745, de 1993.
Parágrafo único. O edital de abertura das inscrições deverá prever o número de vagas, a área de atuação, a descrição das atribuições, a remuneração e o prazo de duração do contrato, conforme previsto no
art. 6º do Decreto nº 4.748, de 16 de junho de 2003.
Art. 3º O SFB deverá definir a remuneração dos profissionais a serem contratados em conformidade com o inciso II do art. 7º da Lei nº 8.745, de 1993 e Anexo II ao Decreto nº 4.748, de 2003.
Art. 4º O prazo de duração dos contratos efetuados com base na alínea “h” do inciso VI do art. 2º da Lei nº 8.745, de 1993 deverá ser de um ano, com possibilidade de prorrogação até o limite máximo de
quatro anos, conforme previsto no art. 4º, parágrafo único, inciso III, da Lei nº 8.745, de 1993, desde que a prorrogação seja devidamente justificada, com base nas necessidades de conclusão das atividades de que
trata o parágrafo único do art. 1º desta Portaria.
Parágrafo único. Decorrido o período de quatro anos a partir da homologação do resultado do final do processo seletivo, não mais poderão viger os contratos firmados com base na autorização contida nesta
Portaria.
Art. 5º O prazo para a publicação do edital de abertura de inscrições para o processo seletivo simplificado será de seis meses, contado a partir da publicação desta Portaria.
Art. 6º As despesas com as contratações autorizadas por esta Portaria correrão à conta das dotações orçamentárias consignadas no Grupo de Natureza de Despesa GND 3 – “Outras Despesas Correntes e de
Capital” do Serviço Florestal Brasileiro.
Art. 7º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MIRIAM BELCHIOR
Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão
IZABELLA TEIXEIRA
Ministra de Estado do Meio Ambiente
ANEXO
Fundamento Legal: Lei nº 8.745/1993, art. 2º, inciso VI, alínea “h”.
Unidade Classificação da Atividade Nível Área de AtuaçãoRequisitos Va g a s ProjetoServiço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade GerencialV Suporte técnico e administrativo. Gerenciamento de projetos: planejamen-
to, execução, monitoramento, encerramento.Diploma, devidamente registrado, de curso superior, fornecido por instituição de ensino superior reconhecida
pelo Ministério da Educação, com experiência profissional superior a cinco anos ou qualificação diferenciada,
como mestrado ou doutorado em áreas relacionadas às atividades a serem desenvolvidas.5 GEF, FIP, KFW, FA
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade GerencialV Gestão administrativa, financeira e operacional de projeto de cooperação
técnica internacional estabelecendo interlocução com as demais institui-
ções envolvidas nos acordos cooperativos.Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Administração, Economia, Direito, Ciên-
cia Política ou Relações Internacionais, fornecido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Mi-
nistério da Educação, com experiência profissional superior a cinco anos na elaboração e gestão de Projetos
de Cooperação, PMI e projetos com recursos do BIRD e KFW ou qualificação diferenciada, como mestrado
ou doutorado na área.2 GEF, FIP, KFW, FA
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade GerencialV Elaboração, formulação e avaliação de instrumentos econômicos. Análise
do valor de rentabilidade da floresta. Captação de recursos para projetos
de cooperação nacional e internacional. Conhecimento de legislação am-
biental e fundos financeiros.Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Economia, fornecido por instituição de
ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, com experiência superior a cinco anos ou qua-
lificação diferenciada, como mestrado ou doutorado na área.2 GEF, FIP, FA, KFW
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade GerencialV Elaboração, formulação e avaliação de programas e projetos florestais. Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Engenharia Florestal, fornecido por ins-
tituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, com experiência superior a cinco anos
ou qualificação diferenciada, como mestrado ou doutorado na área.6 GEF, FIP, KFW, FA
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade GerencialV Elaboração de mapas temáticos, interpretação de imagens para avaliação
do uso e cobertura da terra. Elaboração de laudos técnicos e estudos as-
sociados à geoprocessamento.Diploma, devidamente registrado, de curso superior em Agronomia, Biologia, Ciências da Terra, Engenharia
Agronômica, Engenharia Cartográfica, Engenharia Florestal, Geografia ou Geologia, fornecido por instituição
de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, e registro no respectivo conselho profissional,
com pelo menos cinco anos de experiência em sistemas de informação geográfica, sensoriamento remoto e
geoprocessamento, ou qualificação diferenciada, como mestrado ou doutorado em geoprocessamento.1 GEF, FIP, KFW, FA
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade
IntelectualIV Direção e execução de trabalhos especializados sobre gestão orçamentária,
financeira e patrimonial, análise contábil, auditoria contábil e de progra-
mas.Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em qualquer área de formação, fornecido
por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, com experiência profissional
superior a três anos na área ou qualificação diferenciada, como pós-graduação lato sensu, mestrado ou dou-
torado na área.3 GEF, FIP, KFW, FA
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade GerencialV Contratação de serviços especializados para elaboração de Projetos de En-
genharia Civil, apoio à fiscalização e supervisão de obras.Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior completo em Engenharia Civil, fornecido
por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação e registro no órgão de classe
correspondente, com experiência profissional superior a três anos na área ou qualificação diferenciada, como
pós-graduação lato sensu, mestrado ou doutorado na área.1 KFW
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade IntelectualIV Desenvolvimento de atividades de planejamento, supervisão, coordenação
e controle dos recursos de tecnologia da informação e comunicações, bem
como executar análises de soluções tecnológicas específicas.Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior na área de Informática, fornecido por ins-
tituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, com experiência profissional superior a
três anos ou qualificação diferenciada, como pós-graduação lato sensu, mestrado ou doutorado.2 GEF, FIP, KFW, FA
Serviço Florestal
Brasileiro – sede
Brasília/DFAtividades Técnicas de
Complexidade IntelectualIV Desenvolvimento de atividades de planejamento, supervisão, coordenação
e controle dos recursos de tecnologia da informação, bem como executar
análises para o desenvolvimento, implantação e suporte a sistemas de in-
formação e soluções tecnológicas específicas.Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior na área de Sistemas de Informática, for-
necido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, com experiência pro-
fissional superior a três anos na área ou qualificação diferenciada como pós-graduação lato sensu, mestrado
ou doutorado na área3 GEF, FIP, KFW, FA
TO TA L25
SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO
CONSELHO DIRETOR
RESOLUÇÃO No-23, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Institui o Manual de Campo do IFN como
documento de referência nacional para a
coleta de dados em campo no âmbito do
Inventário Florestal Nacional, e dá outras
providências.
O CONSELHO DIRETOR DO SERVIÇO FLORESTAL
BRASILEIRO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 56 da Lei
nº 11.284, de 2 de março de 2006, que dispõe sobre a Gestão de
Florestas Públicas, considerando o constante do processo adminis-
trativo SFB nº 02209.018674/2013-82, bem como:
Considerando o disposto no art. 71 da Lei n
º12.651/2012,
que determina que a União, em conjunto com os Estados, o Distrito
Federal e os Municípios, realizará o Inventário Florestal Nacional
(IFN), para subsidiar a análise da existência e qualidade das florestas
do País, em imóveis privados e terras públicas;Considerando que o parágrafo único do art. 71 da Lei nº
12.651/2012, dispõe que a União estabelecerá critérios e mecanismos
para uniformizar a coleta, a manutenção e a atualização das in-
formações do Inventário Florestal Nacional;
Considerando que o inciso VIII do art. 42 do Decreto nº
6.101/2007, dispõe que compete ao Serviço Florestal Brasileiro (SFB)
estabelecer e gerenciar o Inventário Florestal Nacional;
Considerando a necessidade de padronização da metodologia
e dos procedimentos e especificações técnicas para fins de execução
dos serviços do Inventário Florestal Nacional, resolve:
Art. 1º Instituir o Manual de Campo do IFN: Procedimentos
para coleta de dados biofísicos e socioambientais, doravante deno-
minado Manual, como documento de referência nacional sobre os
procedimentos técnicos e diretrizes operacionais a serem observados
na contratação e execução dos serviços de coleta de dados em campo,
realizadas no âmbito do Inventário Florestal Nacional.
Parágrafo único. O Manual, incluindo os respectivos for-
mulários de campo, constará da página do Serviço Florestal Brasileiro
(SFB) na Internet, sempre em versão atualizada, indicada no res-
pectivo ícone.Art. 2º Para a integração dos inventários florestais, estaduais
e municipais ao IFN, as contratações de serviços necessários à coleta
de dados e informações em campo deverão observar mínimos cons-
tantes no Manual.
Parágrafo único. As contratações de serviço para a realização
do IFN deverão observar os requisitos mínimos de padronização
constantes do Manual de Campo do IFN, independentemente do ente
contratante, em qualquer unidade da federação.
Art. 3º Para os fins do disposto no art. 2º, o SFB dis-
ponibilizará aos entes federados, e demais parceiros envolvidos di-
retamente na execução do IFN, atividades de capacitação e atua-
lização metodológica sobre o Manual de Campo do IFN, bem como,
quando necessário, de sistemas relacionados às atividades do IFN.
Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data de sua pu-
blicação, revogadas as disposições em contrário.
ANTÔNIO CARLOS HUMMEL
Presidente do Conselho
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201450ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
PORTARIA Nº 54, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, OR-
ÇAMENTO E GESTÃO, no uso da competência que lhe foi delegada
pelo art. 1º, inciso IV, do Decreto nº 3.125, de 29 de julho de 1999,
tendo em vista o disposto no art. 205 do Decreto-Lei nº 9.760, de 5
de setembro de 1946, e nos elementos que integram os Processos nº
04916.000105/2010-87 e nº 04916.000103/2010-98, resolve:
Art. 1º Autorizar a Secretaria do Patrimônio da União a
transferir os direitos de ocupação sobre dois terrenos de marinha com
acrescido, ambos com área de 229,18m², localizados na Rua João
Rodrigues de Oliveira, nº 149, Condomínio Habana Beach Flat, Ap-
tos. 6 e 8, Bairro Ponta Negra, Município de Natal, Estado do Rio
Grande do Norte, conforme Escrituras Públicas de Compra e Venda
lavradas em 26/03/2013, Livro nº 238, fls. 180/181v e 182/183v, do
1º Ofício de Notas da Comarca de Macaíba/RN, para o estrangeiro
WOLFGANG FRIEDRICH SCHULTE, de nacionalidade alemã, por-
tador do CPF nº 014.599.364-77.
Parágrafo único. A efetivação da transferência fica condi-
cionada à apresentação pelo interessado de documento de identidade
não vencido (Cédula de Identidade de Estrangeiro ou Passaporte).
Art. 2º Ficam convalidados os atos translativos de ocupação
praticados nos processos.
Art. 3º Esta portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MIRIAM BELCHIOR
PORTARIA Nº 55, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, OR-
ÇAMENTO E GESTÃO, no uso da competência que lhe foi delegada
pelo art. 1º, inciso IV, do Decreto nº 3.125, de 29 de julho de 1999,
e tendo em vista o disposto no art. 205, do Decreto-Lei nº 9.760, de
5 de setembro de 1946, e os elementos que integram o Processo nº
04982.000978/2011-87, resolve:
Art. 1º Autorizar a Secretaria do Patrimônio da União a
transferir a ocupação do terreno acrescido de marinha com área de
837,00m², localizado na Rua Projetada, Lote 01, Quadra A-13, Lo-
teamento Praias do Tabuba, Município de Barra de Santo Antônio,
Estado de Alagoas, conforme Escritura Pública de Compra e Venda
lavrada em 12/11/2004, no Livro 13, às fls. 186, 1º Traslado, do 1º
Ofício de Notas e Registros e Imóveis e Títulos e Documentos da-
quela Comarca, para GIAMBATTISTA CABRA, de nacionalidade
italiana, portador do CPF nº 014.884.004-31 e Passaporte nº
YA0099766, com validade até 30/8/2019.
Parágrafo único. Ficam convalidados os atos translativos de
ocupação praticados no Processo.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MIRIAM BELCHIORPORTARIA Nº 56, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, OR-
ÇAMENTO E GESTÃO, no uso da competência que lhe foi delegada
pelo art. 1º, inciso IV, do Decreto nº 3.125, de 29 de julho de 1999,
tendo em vista o disposto no art. 205 do Decreto-Lei nº 9.760, de 5
de setembro de 1946, bem como nos elementos que integram o
Processo nº 04941.000380/2007-98, resolve:
Art. 1º Autorizar a Secretaria do Patrimônio da União a
efetuar a inscrição de ocupação do terreno de marinha com área de
919,04m², localizado no loteamento Prolongamento da Colônia de
Férias Santa Maria, Quadra J, Lote 01, Bairro de Itacimirim, Mu-
nicípio de Camaçari, Estado da Bahia, para o estrangeiro HANS
ARNO JOSEF DRESCHERS, alemão, portador do CPF nº
687.326.788-00 e do Passaporte nº C4CTN8JN1, com validade até
15/07/2022.
Art. 2º Esta portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MIRIAM BELCHIOR
PORTARIA Nº 57, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, OR-
ÇAMENTO E GESTÃO, no uso da competência que lhe foi delegada
pelo art. 1º, inciso IV, do Decreto nº 3.125, de 29 de julho de 1999,
tendo em vista o disposto no art. 205 do Decreto-Lei nº 9.760, de 5
de setembro de 1946, e nos elementos que integram o Processo n
o
04982.000142/2013-44, resolve:
Art. 1º Autorizar a Secretaria do Patrimônio da União a
transferir a ocupação do terreno de marinha com área de 617,76m²,
cadastrado sob o RIP nº 2709 0100047-09, localizado na Rua Pro-
jetada nº 6, Lote 13, Quadra D, Loteamento Praias de Tabuba, Mu-
nicípio de Barra de Santo Antônio, Estado de Alagoas, conforme
Escritura Pública de Compra e Venda lavrada em 26/11/2012, no 1º
Ofício de Notas e Registros de Imóveis e Títulos e Documentos da
Comarca de São Luiz do Quitunde, naquele Estado, para o estran-
geiro CLAUDIO D’ADDAZIO, italiano, portador do CPF nº
703.893.434-12 e Passaporte nº YA4021412, com validade até
14/10/2022.
Parágrafo único. Ficam convalidados os atos translativos de
ocupação praticados no processo.
Art. 2º Esta portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
MIRIAM BELCHIOR
RETIFICAÇÃO
No preâmbulo da Portaria MP n
o48, de 18 de fevereiro de
2014, publicada no Diário Oficial da União de 19 de fevereiro de
2014, Seção 1, pág. 87, onde se lê: “… tendo em vista a delegação de
competência prevista no art. 11 do Decreto nº 6.944, de 21 de agosto
de 2009 …”, leia-se “… tendo em vista a delegação de competência
prevista no art. 10 do Decreto nº 6.944, de 21 de agosto de 2009
…”
SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL
PORTARIA No14, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
Antecipa o prazo para encaminhamento de
solicitação de remanejamento de dotações
relativas às emendas individuais, e dá ou-
tras providências.
O SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL, no uso
das atribuições estabelecidas no art. 20, inciso II, do Anexo I do
Decreto n
o8.189, de 21 de janeiro de 2014, e tendo em vista, es-
pecialmente, o disposto nos incisos XXIX e XXX do art. 4oda Lei no12.952, de 20 de janeiro de 2014, e
Considerando a necessidade de viabilizar a execução dos
valores incluídos ou acrescidos à programação em decorrência da
aprovação de emendas individuais apresentadas por parlamentares
que contenham impedimentos de ordem técnica de empenho da des-
pesa, a fim de minimizar, dentro do possível, a quantidade das jus-
tificativas desses impedimentos que deve ser apresentada ao Con-
gresso Nacional até 21 de maio de 2014, nos termos do inciso I do §
2
odo art. 52 da Lei no12.919, de 24 de dezembro de 2013, Lei de
Diretrizes Orçamentárias para 2014 – LDO-2014, resolve:
Art. 1
oO encaminhamento à Secretaria de Orçamento Fe-
deral – SOF de solicitações de crédito suplementar de remanejamento
de valores incluídos ou acrescidos à programação em decorrência da
aprovação de emendas individuais apresentadas por parlamentares,
constantes da Lei n
o12.952, de 20 de janeiro de 2014, autorizado no
inciso XXIX do art. 4odessa Lei, fica antecipado para a primeira
quinzena de março de 2014, sem prejuízo dos prazos fixados no
inciso II do caput do art. 5
oda Portaria SOF no11, de 11 de fevereiro
de 2014, e demais procedimentos estabelecidos na referida Portaria.
§ 1
oAs solicitações referidas no caput poderão incluir quais-
quer alterações propostas pelo parlamentar autor da emenda, inclusive
aquelas que visem à superação de impedimento de ordem técnica para
o empenho da despesa.
§ 2
oNas solicitações de que trata este artigo deverão ser
utilizados o tipo 183, “a”, constante da Tabela de Tipos de Alterações
Orçamentárias anexa à Portaria SOF n
o11, de 2014, quando o can-
celamento envolver programações não classificadas como ações e
serviços públicos de saúde (RP=6 e IU≠6), e o 183, “b”, quando se
tratar dessas ações (RP=6 e IU=6).
Art. 2
oAs informações a serem apresentadas à Secretaria de
Relações Institucionais da Presidência da República – SRI/PR pelos
órgãos setoriais do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal
– SPOF, nos termos do art. 1
oda Portaria Interministerial MP-SRI/PR
no39, de 6 de fevereiro de 2014, deverão considerar todas as al-
terações orçamentárias realizadas até a data da referida apresentação,
inclusive as decorrentes do remanejamento de trata esta Portaria.
Art. 3
oNa impossibilidade técnica de o órgão do SPOF,
beneficiário da suplementação do crédito de remanejamento a que
alude esta Portaria, proceder ao encaminhamento previsto no § 1
odo
art. 34 da Portaria SOF no11, de 2014, esse órgão deverá informar ao
Departamento pertinente da SOF os números dos pedidos gerados
pelo Sistema de Planejamento e Orçamento – SIOP, tanto da su-
plementação quanto do cancelamento, para as devidas providências.
Art. 4
oEsta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
JOSÉ ROBERTO FERNANDES JÚNIOR
SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO
COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS
DESPACHO DO COORDENADOR-GERAL
Em 19 de fevereiro de 2014
O Coordenador-Geral de Recursos da Secretaria de Inspeção do Trabalho/MTE, no uso de sua
competência, prevista no art. 9º, inciso I, anexo VI, da Portaria/GM nº 483, de 15 de setembro de 2004
e de acordo com o disposto nos artigos 635 e 637 da CLT, e considerando o que dispõe o § 5º do art.
23 da lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, decidiu processos de auto de infração ou notificação de débito
nos seguintes termos:
1) Em apreciação de recurso voluntário:
1.1 Pela procedência do auto de infração ou da notificação de débito.
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 4 6 2 0 1 . 0 0 3 0 9 4 / 2 0 11 – 7 4 017331081 Consenc Construção Civil e Consultoria Ltda. AL2 4 6 2 0 1 . 0 0 3 0 9 7 / 2 0 11 – 1 6 017328870 Consenc Construção Civil e Consultoria Ltda. AL3 4 6 2 0 2 . 0 0 8 0 9 3 / 2 0 11 – 1 4 018733654 Engeco Engenharia e Construções Ltda. AM4 4 6 2 0 2 . 0 0 5 4 9 3 / 2 0 11 – 6 0 018720226 Navegação Nobrega Ltda. AM5 4 6 2 0 2 . 0 0 5 4 9 4 / 2 0 11 – 1 2 018717969 Navegação Nobrega Ltda. AM6 4 6 2 0 2 . 0 0 5 4 9 5 / 2 0 11 – 5 9 018717977 Navegação Nobrega Ltda. AM7 4 6 2 0 2 . 0 0 5 4 9 6 / 2 0 11 – 0 1 018717993 Navegação Nobrega Ltda. AM8 4 6 2 0 2 . 0 0 5 4 9 7 / 2 0 11 – 4 8 018717985 Navegação Nobrega Ltda. AM9 4 6 2 0 2 . 0 0 5 4 9 8 / 2 0 11 – 9 2 018718001 Navegação Nobrega Ltda. AM10 4 6 2 0 2 . 0 0 5 4 9 9 / 2 0 11 – 3 7 018720234 Navegação Nobrega Ltda. AM11 46202.002870/2010-28 018694624 Sociedade de Televisão Manauara Ltda. AM12 4 6 2 0 5 . 0 0 7 8 1 7 / 2 0 11 – 7 4 020220952 Fisto Web, Design e Confecção Ltda. ME CE13 4 6 2 0 5 . 0 0 2 6 6 0 / 2 0 11 – 9 1 020324456 Paris Comércio Importação e Exportação Ltda. CE14 4 6 2 0 5 . 0 0 0 0 1 3 / 2 0 11 – 4 4 0 2 0 3 2 7 11 0 Patricia Rochelia de Araújo Maciel – ME CE15 46205.004313/2009-88 017548446 Procomp Indústria Eletrônica Ltda. CE16 4 6 2 0 6 . 0 1 5 5 6 6 / 2 0 11 – 9 1 017161517 Dragon Serviços Especializados Ltda. DF17 46208.010418/2014-61 020076398 Armazena Indústria Metalúrgica e Comércio de Fer-
ragens Ltda.GO
18 4 6 2 0 8 . 0 1 2 0 9 3 / 2 0 11 – 5 1 020412886 Check Mate Enterprizes Restaurante e Bar Ltda. GO19 4 6 2 0 8 . 0 1 2 0 9 4 / 2 0 11 – 0 3 020412878 Check Mate Enterprizes Restaurante e Bar Ltda. GO20 46208.008083/2010-30 020353570 Mário Dhimohira GO21 46208.008084/2010-84 020353723 Mário Dhimohira GO22 46208.006005/2010-09 016793285 Minerconsult Engenharia Ltda. GO23 4 6 2 0 8 . 0 0 6 0 1 0 / 2 0 1 0 – 11 016793293 Minerconsult Engenharia Ltda. GO24 46208.009651/2012-81 025063791 Pinto & Siqueira Ltda. GO25 4 6 2 2 3 . 0 0 7 5 8 6 / 2 0 11 – 8 1 020093012 Carrel Engenharia Ltda. MA26 4 6 2 2 3 . 0 0 7 5 8 7 / 2 0 11 – 2 5 020092806 Carrel Engenharia Ltda. MA
27 4 6 2 2 3 . 0 0 2 6 3 1 / 2 0 11 – 1 9 020096780 Empresa São Benedito Ltda. MA28 4 6 3 11 . 0 0 0 9 2 4 / 2 0 11 – 6 4 020148984 Orion Empreendimentos e Aluguéis Ltda. MA29 46223.009316/2010-23 020145055 Vale S.A. MA30 4 6 2 2 3 . 0 0 5 5 0 6 / 2 0 11 – 5 2 020091915 Vicente Moacyr Soares Filho MA31 4 6 5 0 4 . 0 0 1 4 7 3 / 2 0 11 – 1 5 022148710 Companhia Siderúrgica Nacional MG32 4 6 5 0 4 . 0 0 1 4 7 4 / 2 0 11 – 6 0 022148728 Companhia Siderúrgica Nacional MG33 4 6 5 0 4 . 0 0 1 4 7 5 / 2 0 11 – 1 2 022148701 Companhia Siderúrgica Nacional MG34 47747.005200/2009-35 019473419 Consórcio CNO/OAS/QG MG35 47747.005201/2009-80 019473427 Consórcio CNO/OAS/QG MG36 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 2 / 2 0 11 – 2 3 021945950 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG37 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 3 / 2 0 11 – 7 8 021945934 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG38 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 4 / 2 0 11 – 1 2 021945942 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG39 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 5 / 2 0 11 – 6 7 021945977 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG40 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 6 / 2 0 11 – 1 0 021945969 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG41 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 7 / 2 0 11 – 5 6 021945985 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG42 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 8 / 2 0 11 – 0 9 021946019 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG43 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 7 9 / 2 0 11 – 4 5 021946000 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG44 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 8 0 / 2 0 11 – 7 0 021945993 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG45 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 8 1 / 2 0 11 – 1 4 021946035 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG46 4 6 2 4 1 . 0 0 0 9 8 2 / 2 0 11 – 6 9 021946027 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG47 4 6 2 4 1 . 0 0 1 0 0 4 / 2 0 11 – 3 4 022265473 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG48 4 6 2 4 1 . 0 0 1 0 0 5 / 2 0 11 – 8 9 022265465 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG49 4 6 2 4 1 . 0 0 1 0 0 6 / 2 0 11 – 2 3 022265457 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG50 4 6 2 4 1 . 0 0 1 0 0 7 / 2 0 11 – 7 8 022229523 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG51 4 6 2 4 1 . 0 0 1 0 0 8 / 2 0 11 – 1 2 022265481 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG52 4 6 2 4 1 . 0 0 1 0 0 9 / 2 0 11 – 6 7 022265490 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG53 4 6 2 4 1 . 0 0 1 0 11 / 2 0 11 – 3 6 022229531 Fergubras – Ferro Gusa do Brasil Ltda. MG54 46504.000538/2012-96 022521410 Gerdau Açominas S.A. MG55 46504.000539/2012-31 022521992 Gerdau Açominas S.A. MG56 46504.000540/2012-65 022522212 Gerdau Açominas S.A. MG57 46504.000541/2012-18 022522190 Gerdau Açominas S.A. MG58 46504.000542/2012-54 022522174 Gerdau Açominas S.A. MG59 46504.000543/2012-07 022522166 Gerdau Açominas S.A. MG60 46504.000545/2012-98 022522182 Gerdau Açominas S.A. MG61 46504.000546/2012-32 022522204 Gerdau Açominas S.A. MG62 46504.000557/2012-12 022521275 Gerdau Açominas S.A. MG63 46504.000558/2012-67 022521283 Gerdau Açominas S.A. MG64 46504.000559/2012-10 022521291 Gerdau Açominas S.A. MG65 46504.000560/2012-36 022521887 Gerdau Açominas S.A. MG66 46504.000561/2012-81 022521895 Gerdau Açominas S.A. MG67 46504.000562/2012-25 022521909 Gerdau Açominas S.A. MG68 46504.000583/2012-41 022521879 Gerdau Açominas S.A. MG69 46504.000584/2012-95 022521823 Gerdau Açominas S.A. MG70 46504.000585/2012-30 022522140 Gerdau Açominas S.A. MG71 46504.000586/2012-84 022521798 Gerdau Açominas S.A. MG72 46504.000587/2012-29 022522255 Gerdau Açominas S.A. MG73 46504.000588/2012-73 022522247 Gerdau Açominas S.A. MG74 46504.000589/2012-18 022521941 Gerdau Açominas S.A. MG
Ministério do Trabalho e Emprego.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201451ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
75 46504.000590/2012-42 022521950 Gerdau Açominas S.A. MG76 46235.000006/2010-12 0 2 2 2 11 6 9 1 Rotavi Industrial Ltda. MG77 46300.005268/2012-04 025179420 Panificadora e Confeitaria Positiva Ltda. ME MS78 46300.005274/2012-53 0 2 5 1 7 9 4 11 Panificadora e Confeitaria Positiva Ltda. ME MS79 46300.005275/2012-06 025179497 Panificadora e Confeitaria Positiva Ltda. ME MS80 46312.003685/2013-56 200.646.249 S.R. dos Santos Soinski – ME MS81 46312.003686/2013-09 200.646.257 S.R. dos Santos Soinski – ME MS82 46312.003687/2013-45 2 0 0 . 7 8 6 . 11 3 S.R. dos Santos Soinski – ME MS83 46312.003688/2013-90 200.786.121 S.R. dos Santos Soinski – ME MS84 46312.003692/2013-58 200.786.156 S.R. dos Santos Soinski – ME MS85 46312.003696/2013-36 200.786.181 S.R. dos Santos Soinski – ME MS86 46312.003697/2013-81 200.786.199 S.R. dos Santos Soinski – ME MS87 46312.003698/2013-25 200.786.202 S.R. dos Santos Soinski – ME MS88 46312.003699/2013-70 2 0 0 . 7 8 6 . 2 11 S.R. dos Santos Soinski – ME MS89 46312.003700/2013-66 200.786.229 S.R. dos Santos Soinski – ME MS90 46312.003701/2013-19 200.786.237 S.R. dos Santos Soinski – ME MS91 46312.003702/2013-55 200.786.245 S.R. dos Santos Soinski – ME MS92 4 6 3 1 2 . 0 0 3 7 11 / 2 0 1 3 – 4 6 200.786.334 S.R. dos Santos Soinski – ME MS93 46312.003712/2013-91 200.786.342 S.R. dos Santos Soinski – ME MS94 46312.003713/2013-35 200.786.351 S.R. dos Santos Soinski – ME MS95 46300.000743/2012-48 018168141 Sermatec Indústria e Montagens Ltda. MS96 46300.000744/2012-92 018168167 Sermatec Indústria e Montagens Ltda. MS97 46300.000745/2012-37 018168205 Sermatec Indústria e Montagens Ltda. MS98 46300.000747/2012-26 018168191 Sermatec Indústria e Montagens Ltda. MS99 46300.000751/2012-94 018168094 Sermatec Indústria e Montagens Ltda. MS100 46300.000760/2012-85 018168183 Sermatec Indústria e Montagens Ltda. MS101 46210.001641/2009-53 019157339 Master Centro de Ensino Ltda. MT102 46222.009648/2009-84 013244094 Bertillon Serviços Especializados Ltda. PA103 4 6 2 2 2 . 0 11 7 2 7 / 2 0 0 4 – 4 1 006659209 Rio do Norte Industrial Ltda. PA104 46222.002748/2007-18 014304449 Transportadora Transcidade Ltda. PA105 46213.018778/2007-65 016851463 Cartório de Notas do Quinto Ofício da Capital PE106 4 6 2 9 5 . 0 0 2 11 2 / 2 0 0 6 – 3 1 002540061 Cia. Brasileira de Bebidas PE107 46213.002359/2008-82 016869079 Eletroshoping Casa Amarela Ltda. PE108 46213.020522/2009-70 016936183 M P da Fonseca Silva ME PE109 46295.004291/2007-22 013727150 Master Sec Lavanderia Ltda. PE11 0 46213.020518/2009-10 016936221 MP da Fonseca Silva ME PE111 46213.020519/2009-56 016936213 MP da Fonseca Silva ME PE11 2 46213.020520/2009-81 016936205 MP da Fonseca Silva ME PE11 3 46213.020523/2009-14 016936191 MP da Fonseca Silva ME PE11 4 46213.016627/2007-62 016853831 Stefanini Consultoria e Assessoria em Informática
S.A.PE
11 5 46213.006722/2010-53 018517528 Teleinformações Ltda. PE11 6 4 6 2 1 4 . 0 0 7 1 8 0 / 2 0 11 – 1 5 018293697 Bompreço Supermercados do Nordeste Ltda. PI11 7 46214.004655/2010-22 018260390 Cantuário e Oliveira Ltda. PI11 8 46214.005381/2010-99 018257704 Construmax Indústria e Comércio Ltda. PI11 9 46214.005382/2010-33 018257712 Construmax Indústria e Comércio Ltda. PI120 46214.005384/2010-22 018257739 Construmax Indústria e Comércio Ltda. PI121 4 6 2 1 4 . 0 0 5 3 8 6 / 2 0 1 0 – 11 018257721 Construmax Indústria e Comércio Ltda. PI122 46214.005247/2007-92 017139642 ECB Pedras Ornamentais do Brasil Ltda. PI123 46214.003163/2007-14 014130530 Escala Transportes Gerais Ltda. PI124 4 6 2 1 4 . 0 0 5 0 5 9 / 2 0 11 – 4 1 007978375 Francisca A. B. de Meneses PI125 46214.003309/2010-27 018252575 Francisco de Assis Vieira de Sousa PI126 4 6 2 1 4 . 0 0 1 8 6 1 / 2 0 11 – 6 1 018277519 Gildelina Barros de Oliveira PI127 4 6 2 1 4 . 0 0 1 8 6 2 / 2 0 11 – 1 4 018273734 Gildelina Barros de Oliveira PI128 4 6 2 1 4 . 0 0 1 8 6 5 / 2 0 11 – 4 0 018273751 Gildelina Barros de Oliveira PI129 4 6 2 1 4 . 0 0 0 3 6 7 / 2 0 11 – 8 0 018265189 Ice Cartões Especiais Ltda. PI130 4 6 2 1 4 . 0 0 5 0 6 0 / 2 0 11 – 7 5 007978367 Laurentina da S. Real PI131 4 6 2 1 4 . 0 0 5 0 6 1 / 2 0 11 – 1 0 007978359 Laurentina da S. Real PI132 4 6 2 1 4 . 0 0 7 5 7 2 / 2 0 11 – 7 6 018295487 Macrobase Engenharia Comércio e Serviços Ltda. PI133 46214.002103/2010-80 018242189 Qualix Serviços Ambientais Ltda. PI134 46214.002104/2010-24 018242103 Qualix Serviços Ambientais Ltda. PI135 46214.004738/2012-83 017433576 Sustentare Serviços Ambientais S.A. PI136 46214.004739/2012-28 017433592 Sustentare Serviços Ambientais S.A. PI137 4 6 2 1 2 . 0 1 6 5 4 4 / 2 0 11 – 6 0 023520388 Paraná Clínicas Planos de Saúde S.A. PR138 4 6 2 1 2 . 0 1 6 5 4 5 / 2 0 11 – 1 2 023520396 Paraná Clínicas Planos de Saúde S.A. PR139 4 6 2 1 2 . 0 1 6 5 4 6 / 2 0 11 – 5 9 023520400 Paraná Clínicas Planos de Saúde S.A. PR140 46215.022679/2008-39 015153614 Agencia de Fomento do Estado do Rio de Janeiro
S.A.RJ
141 46230.004867/2010-10 0 2 0 0 2 11 8 6 Banco Santander (Brasil) S.A. RJ142 4 6 2 1 5 . 0 3 3 3 4 1 / 2 0 0 8 – 11 015126145 Banco Santander (Brasil) S.A. RJ143 46334.002523/2008-85 015169979 Bayer Cropscience Ltda. RJ144 46215.467582/2009-32 015290689 Brasdril Sociedade de Perfurações Ltda. RJ145 46215.030125/2010-20 023172673 Brasfels S.A. RJ146 46334.004671/2008-34 015163555 Carrefour Comércio e Indústria Ltda. RJ147 46215.023560/2010-06 022938095 CDR Clínica de Doenças Renais S.A. RJ148 4 6 2 2 8 . 0 0 0 2 2 8 / 2 0 0 8 – 11 001414216 Companhia Brasileira de Açúcar e Álcool RJ149 46228.002036/2008-20 015180182 Companhia Brasileira de Açúcar e Álcool RJ150 46666.000088/2009-83 015196739 Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes
– CPTRSNSRJ
151 4 6 2 1 5 . 0 3 2 5 0 1 / 2 0 1 0 – 11 023176172 DBA Engenharia de Sistemas Ltda. RJ152 46215.046003/2008-31 015183380 Faculdades Católicas RJ153 46230.000721/2010-97 020025891 Ferwal Indústria e Comércio de Roupas Ltda. RJ154 46215.471430/2009-34 015297080 Green Recursos Humanos Ltda. RJ155 46215.490874/2009-79 020009941 Instituto Metodista Bennett RJ156 4 6 2 3 0 . 0 0 2 11 7 / 2 0 1 0 – 0 3 020022913 JM Construções Ltda. RJ157 46230.002122/2010-16 020026731 JM Construções Ltda. RJ158 46670.001837/2010-64 023170506 José Rocha Empreendimentos Imobiliários Ltda. RJ159 46215.024595/2010-54 022810722 Laboro Empreendimentos e Serviços Ltda. RJ160 46215.033934/2010-93 023106190 Litoral Rio Transportes Ltda. RJ161 46215.024093/2008-17 015158063 Locobras Locadora de Ferramentas Elétricas Ltda. RJ162 46215.005775/2009-01 020055307 Luau da Praia Biquinis Ltda. RJ163 46232.000707/2010-73 019434839 MA Automotive Brasil Ltda. RJ164 46215.022102/2008-27 015102491 Max Segurança Máxima Ltda. RJ165 46232.005023/2010-68 023100338 Mercado Vitória de Volta Redonda Ltda. RJ166 46232.001828/2010-32 022825380 Peugeot Citroen do Brasil Automóveis Ltda. RJ167 46869.001697/2006-21 013928619 Rio de Janeiro Refrescos Ltda RJ168 46215.025267/2010-75 023227591 Rio Nave Serviços Navais Ltda. RJ169 46215.041202/2005-18 0 11 5 9 6 4 5 7 Roch Administradora de Serviços e Informática Lt-
da.RJ
170 46232.002729/2008-53 015148874 Schweitzer – Mauduit do Brasil S.A. RJ171 46232.002730/2008-88 015148882 Schweitzer – Mauduit do Brasil S.A. RJ172 46334.002993/2008-49 015166082 Sendas Distribuidora S.A. RJ173 46215.008334/2010-97 0 11 3 3 3 3 0 6 Serviços de Radioterapia São Peregrino Ltda. RJ174 46666.000629/2010-15 023191392 Vale das Idéias Ltda. RJ175 46666.000630/2010-31 023191384 Vale das Idéias Ltda. RJ176 46666.000712/2010-86 023191490 Vale das Idéias Ltda. RJ177 4 6 2 1 7 . 0 0 0 8 4 9 / 2 0 11 – 1 8 018360416 Decore Decoração e Revestimentos Ltda. RN178 4 6 2 1 7 . 0 0 5 2 0 5 / 2 0 11 – 1 6 018390421 Glacial Refrigeração Ltda. RN179 4 6 2 1 7 . 0 0 5 2 0 7 / 2 0 11 – 0 5 018390447 Glacial Refrigeração Ltda. RN
180 4 6 2 1 7 . 0 0 2 2 7 2 / 2 0 11 – 7 1 018377092 Reunidas Transportes Ltda. RN181 46225.000251/2012-01 017823781 Cerâmica Santa Rita Indústria e Comércio Ltda. RR182 4 6 6 1 7 . 0 0 5 2 1 9 / 2 0 11 – 1 9 023598352 Auto Posto Sete de Setembro Ltda. RS183 4 6 6 1 7 . 0 0 5 2 2 1 / 2 0 11 – 9 8 023598395 Auto Posto Sete de Setembro Ltda. RS184 4 6 6 1 7 . 0 0 5 2 2 2 / 2 0 11 – 3 2 023598379 Auto Posto Sete de Setembro Ltda. RS185 4 6 6 1 7 . 0 0 4 2 7 8 / 2 0 11 – 7 0 023596422 Bunge Alimentos S.A. RS186 4 6 6 1 7 . 0 0 4 2 8 1 / 2 0 11 – 9 3 023596457 Bunge Alimentos S.A. RS187 4 6 6 1 7 . 0 0 6 2 2 8 / 2 0 11 – 2 7 019145462 Car-Air Refrigeração Ltda. RS188 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 7 0 / 2 0 11 – 0 9 019145501 Car-Air Refrigeração Ltda. RS189 4 6 6 1 7 . 0 0 3 4 2 3 / 2 0 11 – 0 3 023581239 Construtora D Zanco Ltda. RS190 4 6 6 1 7 . 0 0 4 2 0 1 / 2 0 11 – 0 8 023581247 Construtora D Zanco Ltda. RS191 4 6 6 1 7 . 0 1 2 7 4 0 / 2 0 11 – 11 023616423 Cooperativa Triticola Regional Saoluizense Ltda. RS192 4 6 6 1 7 . 0 1 2 7 4 1 / 2 0 11 – 5 7 023616440 Cooperativa Triticola Regional Saoluizense Ltda. RS193 4 6 6 1 7 . 0 0 4 7 4 8 / 2 0 11 – 0 3 019961243 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS194 4 6 6 1 7 . 0 0 4 7 5 0 / 2 0 11 – 7 4 019961251 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS195 4 6 6 1 7 . 0 0 4 9 8 1 / 2 0 11 – 8 8 019962312 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS196 4 6 6 1 7 . 0 0 4 9 8 2 / 2 0 11 – 2 2 023610786 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS197 4 6 6 1 7 . 0 0 5 6 3 5 / 2 0 11 – 1 7 019962282 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS198 4 6 6 1 7 . 0 0 5 6 3 6 / 2 0 11 – 6 1 019962363 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS199 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 1 3 / 2 0 11 – 11 023582464 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS200 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 1 4 / 2 0 11 – 6 6 023582480 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS201 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 1 5 / 2 0 11 – 1 9 023582499 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS202 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 1 6 / 2 0 11 – 5 5 0 1 9 1 7 7 0 11 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS203 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 1 9 / 2 0 11 – 9 9 019177020 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS204 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 2 7 / 2 0 11 – 3 5 018751245 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS205 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 2 8 / 2 0 11 – 8 0 018751229 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS206 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 2 9 / 2 0 11 – 2 4 018751253 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS207 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 3 0 / 2 0 11 – 5 9 019177038 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS208 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 3 1 / 2 0 11 – 0 1 023582502 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS209 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 3 2 / 2 0 11 – 4 8 018751237 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS210 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 3 3 / 2 0 11 – 9 2 023582472 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS2 11 4 6 6 1 7 . 0 0 6 4 3 4 / 2 0 11 – 3 7 019177046 Cotrijui – Cooperativa Agropecuária & Industrial RS212 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 1 4 / 2 0 11 – 1 5 023629509 Execute Engenharia Ltda. RS213 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 1 5 / 2 0 11 – 5 1 023629517 Execute Engenharia Ltda. RS214 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 1 6 / 2 0 11 – 0 4 023629525 Execute Engenharia Ltda. RS215 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 1 8 / 2 0 11 – 9 5 023629541 Execute Engenharia Ltda. RS216 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 1 9 / 2 0 11 – 3 0 023629550 Execute Engenharia Ltda. RS217 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 0 / 2 0 11 – 6 4 023629568 Execute Engenharia Ltda. RS218 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 1 / 2 0 11 – 1 7 023629576 Execute Engenharia Ltda. RS219 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 2 / 2 0 11 – 5 3 023629584 Execute Engenharia Ltda. RS220 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 3 / 2 0 11 – 0 6 023629592 Execute Engenharia Ltda. RS221 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 4 / 2 0 11 – 4 2 023629606 Execute Engenharia Ltda. RS222 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 5 / 2 0 11 – 9 7 023629614 Execute Engenharia Ltda. RS223 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 6 / 2 0 11 – 3 1 023629622 Execute Engenharia Ltda. RS224 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 7 / 2 0 11 – 8 6 023629630 Execute Engenharia Ltda. RS225 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 9 / 2 0 11 – 7 5 023629657 Execute Engenharia Ltda. RS226 4 6 6 1 7 . 0 0 2 0 7 5 / 2 0 11 – 4 9 012665975 Instaladora Elétrica Mercúrio Ltda. RS227 4 6 6 1 7 . 0 0 2 0 7 6 / 2 0 11 – 9 3 012665983 Instaladora Elétrica Mercúrio Ltda. RS228 46617.006587/2010-01 019149476 Instaladora Elétrica Mercúrio Ltda. RS29 46617.006590/2010-17 019149484 Instaladora Elétrica Mercúrio Ltda. RS230 4 6 6 1 7 . 0 0 5 2 5 6 / 2 0 11 – 2 7 023655275 Leroy Merlin Cia. Brasileira de Bricolagem RS231 4 6 6 1 7 . 0 0 5 2 5 7 / 2 0 11 – 7 1 023655291 Leroy Merlin Cia. Brasileira de Bricolagem RS232 4 6 6 1 7 . 0 0 5 2 5 9 / 2 0 11 – 6 1 023655305 Leroy Merlin Cia. Brasileira de Bricolagem RS233 4 6 6 1 7 . 0 1 0 3 7 1 / 2 0 11 – 1 3 023636530 Malu Indústria, Comércio e Serviços Ltda. RS234 4 6 6 1 7 . 0 1 0 3 7 2 / 2 0 11 – 6 8 023636513 Malu Indústria, Comércio e Serviços Ltda. RS235 4 6 6 1 7 . 0 1 0 3 7 3 / 2 0 11 – 11 023636556 Malu Indústria, Comércio e Serviços Ltda. RS236 4 6 6 1 7 . 0 0 9 0 2 5 / 2 0 11 – 9 2 023658070 Manzoli S.A. Comércio e Indústria RS237 4 6 6 1 7 . 0 0 9 0 3 3 / 2 0 11 – 3 9 023658061 Manzoli S.A. Comércio e Indústria RS238 46617.005947/2012-10 023771941 Orquídea Incorporadora Ltda. RS239 4 6 6 1 7 . 0 1 2 7 2 8 / 2 0 11 – 0 6 023571080 Reiter Transportes e Logística Ltda. RS240 4 6 6 1 7 . 0 1 2 7 3 0 / 2 0 11 – 7 7 023571071 Reiter Transportes e Logística Ltda. RS241 4 6 6 1 7 . 0 0 1 2 1 4 / 2 0 11 – 2 5 023572302 Superintendência de Portos e Hidrovias RS242 4 6 6 1 7 . 0 0 9 0 9 0 / 2 0 11 – 1 8 019988303 Superintendência de Portos e Hidrovias RS243 4 6 6 1 7 . 0 0 9 2 4 6 / 2 0 11 – 6 1 0 1 9 9 8 8 3 11 Superintendência de Portos e Hidrovias RS244 4 6 6 1 7 . 0 0 9 2 4 7 / 2 0 11 – 1 3 019988320 Superintendência de Portos e Hidrovias RS245 4 6 6 1 7 . 0 11 2 1 2 / 2 0 11 – 3 6 023572299 Superintendência de Portos e Hidrovias RS246 4 6 6 1 7 . 0 11 2 1 3 / 2 0 11 – 8 1 023572260 Superintendência de Portos e Hidrovias RS247 4 6 6 1 7 . 0 11 2 1 5 / 2 0 11 – 7 0 018980457 Superintendência de Portos e Hidrovias RS248 4 6 6 1 7 . 0 11 2 1 6 / 2 0 11 – 1 4 018980473 Superintendência de Portos e Hidrovias RS249 4 6 6 1 7 . 0 11 2 2 5 / 2 0 11 – 1 3 018980481 Superintendência de Portos e Hidrovias RS250 4 6 6 1 7 . 0 11 5 6 0 / 2 0 11 – 11 019988362 Superintendência de Portos e Hidrovias RS251 4 6 6 1 7 . 0 11 9 8 7 / 2 0 11 – 1 0 019988389 Superintendência de Portos e Hidrovias RS252 4 6 6 1 7 . 0 1 2 0 9 3 / 2 0 11 – 3 9 019988401 Superintendência de Portos e Hidrovias RS253 4 6 6 1 7 . 0 1 2 1 6 4 / 2 0 11 – 0 1 019988371 Superintendência de Portos e Hidrovias RS254 4 6 6 1 7 . 0 1 2 5 3 1 / 2 0 11 – 6 9 023726261 Superintendência de Portos e Hidrovias RS255 46617.010342/2012-32 002183498 Terezinha Thalheimer Moraes RS256 4 6 2 2 0 . 0 0 5 0 0 5 / 2 0 11 – 0 4 020824831 Companhia Docas de Imbituba SC257 4 6 2 2 0 . 0 0 5 0 0 6 / 2 0 11 – 4 1 020824866 Companhia Docas de Imbituba SC258 4 6 2 3 0 . 0 0 5 0 0 4 / 2 0 11 – 5 1 020824840 Companhia Docas de Imbituba SC259 4 6 2 3 0 . 0 0 5 0 0 9 / 2 0 11 – 8 4 020824882 Companhia Docas de Imbituba SC260 4 7 6 2 0 . 0 0 0 4 8 2 / 2 0 11 – 2 5 020717741 Marcos Antonio Perazzoli SC261 4 7 6 2 0 . 0 0 0 7 5 5 / 2 0 11 – 3 1 016393996 Pandolfo Madeiras Ltda. SC262 4 7 6 2 0 . 0 0 0 7 5 6 / 2 0 11 – 8 6 016393988 Pandolfo Madeiras Ltda. SC263 4 7 6 2 0 . 0 0 0 7 5 7 / 2 0 11 – 2 1 016393970 Pandolfo Madeiras Ltda. SC264 4 7 6 2 0 . 0 0 0 7 5 8 / 2 0 11 – 7 5 016393961 Pandolfo Madeiras Ltda. SC265 4 7 6 2 0 . 0 0 0 7 5 9 / 2 0 11 – 1 0 016393953 Pandolfo Madeiras Ltda. SC266 4 7 6
2 0 . 0 0 0 7 6 0 / 2 0 11 – 4 4 016393945 Pandolfo Madeiras Ltda. SC267 4 6 2 2 1 . 0 0 3 8 1 9 / 2 0 11 – 9 6 017950988 Rede Construtora e Telecomunicações Ltda. SE268 46221.005943/2008-91 017918481 Vig’s Vigilância e Segurança Ltda. SE269 46472.000665/2010-96 021777136 Allpac Ltda. SP270 46260.003191/2008-67 015696162 Andrade Açúcar e Álcool S.A. SP271 46472.014240/2009-82 015938271 Atacadão Distribuição Comércio e Indústria Ltda. SP272 46472.019190/2007-68 015702723 Cafase Restaurante Ltda. – EPP SP273 4 6 4 7 2 . 0 1 9 1 9 1 / 2 0 0 7 – 11 015702731 Cafase Restaurante Ltda. EPP SP274 4 6 2 6 7 . 0 0 2 3 3 1 / 2 0 11 – 1 5 023933224 Christovam Garcia Prado Fernandes SP275 46472.010779/2009-62 015468721 Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambien-
talSP
276 46254.000325/2013-34 200.105.850 Comprando-Nacionais e Importados Importação e
ExportaçãoSP
277 46254.000327/2013-23 200.105.841 Comprando-Nacionais e Importados Importação e
ExportaçãoSP
278 46262.000985/2012-35 023884185 Denvtec – Serviços Técnicos Ltda. SP279 46268.001554/2009-31 015888771 Facchini S.A. SP280 46219.005545/2012-08 019814208 Fundação Antônio Antonieta Cintra Gordinho SP281 4 6 2 6 0 . 0 0 3 6 11 / 2 0 0 9 – 9 6 015994279 Fundição Moreno Ltda. SP282 4 6 4 7 2 . 0 0 3 2 9 3 / 2 0 11 – 9 2 021789614 General Eletric do Brasil Ltda. SP283 46219.003976/2012-21 021404321 General Prime Burger Comércio de Produtos Ali-
mentícios Ltda.SP
284 4 6 2 1 9 . 0 1 6 7 5 9 / 2 0 11 – 11 019798971 Gerentec Engenharia Ltda. SP
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201452ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
285 46267.002233/2010-05 015935931 José Amélio Sobrinho e outros SP286 46267.002234/2010-41 015935949 José Amélio Sobrinho e outros SP287 46219.003200/2012-10 019813945 JSL S.A. SP288 46259.002465/2012-16 021478465 Klabin S.A. SP289 46259.002466/2012-61 021478473 Klabin S.A. SP290 4 6 2 5 5 . 0 0 11 7 2 / 2 0 0 9 – 5 6 015561623 KN Equipamentos e Montagens Industriais Ltda. SP291 46219.005732/2012-83 019820429 L’Allegro Restaurante Industrial Ltda. SP292 4 6 4 7 3 . 0 0 2 9 8 9 / 2 0 11 – 9 1 023913886 Linhas Setta Ltda. SP293 4 6 2 6 0 . 0 0 2 1 2 5 / 2 0 11 – 7 5 015601293 Luiz Fernando Nardelli Fibra – EPP SP294 46219.006780/2012-99 019819099 Monogram Confecções Ltda. EPP SP295 4 6 2 1 9 . 0 2 8 7 4 2 / 2 0 11 – 1 4 021448884 Nasa Laboratório Bio Clínico Ltda. SP296 46260.003738/2007-43 013601563 Paulo Maximiano Junqueira Neto SP297 46260.003044/2009-78 013617257 Raizen Energia S.A (nova denominação da Usina
da Barra S.A. Açúcar e Álcool)SP
298 46254.002260/2012-81 023842350 Raizen Energia S.A. SP299 46254.002262/2012-70 023842334 Raizen Energia S.A. SP300 4 6 2 5 4 . 0 0 2 2 6 5 / 2 0 1 2 – 11 023842300 Raizen Energia S.A. SP301 46254.002266/2012-58 023842296 Raizen Energia S.A. SP302 46254.002267/2012-01 023842288 Raizen Energia S.A. SP303 46254.002268/2012-47 023841737 Raizen Energia S.A. SP304 46254.002269/2012-91 023841753 Raizen Energia S.A. SP305 46254.002270/2012-16 023842270 Raizen Energia S.A. SP306 46254.002271/2012-61 023843012 Raizen Energia S.A. SP307 46254.002272/2012-13 023843020 Raizen Energia S.A. SP308 46254.002361/2012-25 023842342 Raizen Energia S.A. SP309 46219.008801/2012-19 021403155 Sé Supermercados Ltda. SP310 46472.008205/201-68 021783667 Sed Indústria e Comércio de Artefatos de Ferro Lt-
da.SP
3 11 4 6 4 2 4 . 0 0 0 1 9 1 / 2 0 11 – 9 1 023954493 Sotracap Transportes Ltda. SP312 46219.001369/2012-27 021449163 Transportes Della Volpe S.A. Comércio e Indústria SP313 46260.003521/2008-14 015868737 Usina Santo Antônio S.A. SP314 4 6 2 6 9 . 0 0 3 4 9 5 / 2 0 11 – 4 0 021483698 Viação Cidade de Ibiuna Ltda. SP315 4 6 2 2 6 . 0 0 3 7 6 9 / 2 0 11 – 0 5 018436749 Agro-Industrial e Mineração Diacal Ltda. TO316 4 6 2 2 6 . 0 0 6 4 6 7 / 2 0 11 – 8 1 018475272 Banco Bradesco S.A. TO317 4 6 2 2 6 . 0 0 6 4 6 8 / 2 0 11 – 2 5 018475281 Banco Bradesco S.A. TO318 4 6 2 2 6 . 0 0 6 4 7 1 / 2 0 11 – 4 9 018482201 Banco Bradesco S.A. TO319 4 6 2 2 6 . 0 0 6 4 7 2 / 2 0 11 – 9 3 018482210 Banco Bradesco S.A. TO320 4 6 2 2 6 . 0 0 1 0 5 9 / 2 0 11 – 3 2 018464564 Construtora Andrade Gutierrez S.A. TO321 4 6 2 2 6 . 0 0 3 111 / 2 0 11 – 9 5018468869 Construtora Andrade Gutierrez S.A. TO322 46226.003635/2010-03 018420982 Construtora Andrade Gutierrez S.A. TO323 4 6 2 2 6 . 0 0 3 7 4 4 / 2 0 11 – 0 1 018483585 Construtora Andrade Gutierrez S.A. TO324 4 6 2 2 6 . 0 0 1 5 0 4 / 2 0 11 – 6 4 018432166 Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária TO325 46226.000130/2010-89 018402836 Habitacional Empreendimentos Ltda. TO326 46226.000147/2010-36 018416357 Habitacional Empreendimentos Ltda. TO327 46517.001055/2010-06 018422578 Indústria e Comércio de Carnes Minerva Ltda. TO328 46226.003626/2010-12 018427570 Simone Teixeira da Silva TO329 46226.003627/2010-59 018420974 Simone Teixeira da Silva TO330 46226.003628/2010-01 018420966 Simone Teixeira da Silva TO331 46226.003629/2010-48 018420991 Simone Teixeira da Silva TO332 46226.003631/2010-17 018421393 Simone Teixeira da Silva TO333 46226.003633/2010-14 018420940 Simone Teixeira da Silva TO334 46226.003634/2010-51 018420958 Simone Teixeira da Silva TO335 4 6 2 2 6 . 0 0 2 7 7 3 / 2 0 11 – 4 8 018474675 WTE Engenharia Ltda. TO336 4 6 2 2 6 . 0 0 2 7 7 4 / 2 0 11 – 9 2 018474683 WTE Engenharia Ltda. TO337 4 6 2 2 6 . 0 0 3 1 7 2 / 2 0 11 – 5 2 018466249 WTE Engenharia Ltda. TONº PROCESSO NOTIFICAÇÃO
DE DÉBITO DE
FGTSEMPRESA UF
1 46202.002146/2009-61 100.134.564 Globalservice Vigilância e Transporte de Valores
Ltda.AM
2 46202.002876/2010-03 506.373.461 Sociedade de Televisão Manauara Ltda. AM3 46204.006128/2008-57 506.099.474 Portela e Fraga Ltda. BA4 46204.000771/2006-13 505.640.058 Retirauto Veículos e Peças Ltda. BA5 46205.008420/2008-02 506.089.452 Bucal Light Planos e Serviços Odontológicos Ltda. CE6 47747.005202/2009-24 506.262.537 Consórcio CNO/OAS/QG MG7 4 6 2 2 2 . 0 0 7 3 2 3 / 2 0 11 – 8 1 506.531.473 Condomínio Edif. Alexandre Severino PA8 4 6 2 2 2 . 0 0 8 8 7 0 / 2 0 11 – 8 4 506.541.258 HF2 Empreendimentos Ltda. ME PA9 46218.018285/2010-71 506.436.209 Agrovitívinicola Vallagarina Ltda. RS10 46218.018286/2010-15 100.175.236 Agrovitívinicola Vallagarina Ltda. RS11 46220.001925/2009-21 506.242.544 Nano Endoluminal S.A. SC12 46262.000987/2012-24 100.245.188 Denvtec – Serviços Técnicos Ltda. SP13 46429.000014/2009-40 506.191.541 Eternox Modulados de Aços para Cozinha Ltda. SP14 46473.001051/2005-14 505.459.221 Mercatto Comércio de Alimentos Ltda. EPP SP15 4 6 2 5 9 . 0 11 9 2 9 / 2 0 11 – 0 2 506.571.971 Recupere Engenharia Construções e Serviços Ltda. SP16 4 6 2 6 9 . 0 0 3 4 9 4 / 2 0 11 – 0 3 506.558.088 Viação Cidade de Ibiuna Ltda. SP17 4 6 2 6 9 . 0 0 3 7 6 5 / 2 0 11 – 1 2 506.565.041 ZF Sistemas de Direção Ltda. SP
1.2 Pela improcedência do auto de infração ou da notificação de débito.
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 2 8 / 2 0 11 – 2 1 023629649 Execute Engenharia Ltda. RS2 4 6 6 1 7 . 0 0 9 0 2 7 / 2 0 11 – 8 1 023658053 Manzoli S.A. Comércio e Indústria RS3 4 6 6 1 7 . 0 11 2 1 2 / 2 0 11 – 3 6 023572299 Superintendência de Portos e Hidrovias RS4 4 6 6 1 7 . 0 11 5 5 9 / 2 0 11 – 8 9 019988354 Superintendência de Portos e Hidrovias RS5 46219.004167/2012-37 019831480 Companhia Paulista de Trens Metropolita-
nosSP
6 46255.000481/2008-28 013572440 K.N. Equipamentos e Montagens Indus-
triais Ltda.SP
7 46255.003094/2008-43 015987124 K.N. Equipamentos e Montagens Indus-
triais Ltda.SP
8 46259.001345/2008-15 015783341 Refritec Refrigeração Técnica Ltda. SP9 46260.006946/2008-85 015532836 Serval Indústria e Comércio de Válvulas
Ltda. EPPSP
10 4 6 4 7 3 . 0 0 4 6 7 5 / 2 0 11 – 2 3 023904526 T Mais S.A. SP
1.3 Pela procedência parcial do auto de infração ou da notificação de débito.
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 4 6 6 1 7 . 0 0 4 2 8 3 / 2 0 11 – 8 2 023596465 Bunge Alimentos S.A. RS2 4 6 6 1 7 . 0 1 3 0 1 7 / 2 0 11 – 4 1 023629533 Execute Engenharia Ltda. RS3 46262.000986/2012-80 023884193 Denvtec – Serviços Técnicos Ltda. SPNº PROCESSO NOTIFICAÇÃO
DE DÉBITO DE
FGTSEMPRESA UF
1 4 6 2 8 1 . 0 0 11 4 6 / 2 0 0 8 – 2 0 506.103.242 Sociedade Filarmonica Euterpe Feirense BA2 46235.000004/2010-15 506.345.068 Rotavi Industrial Ltda. MG3 46222.002256/2005-61 505.478.340 Transporte e Viação Andorinha Ltda. PA4 46259.008203/2010-01 100.174.019 Funapi Fundação de Aço Piracicaba Ltda. SP
1.4 Pelo não conhecimento, por ausência de admissibilidade recurso de auto de infração ou da
notificação de débito, mantendo a procedência.
Nº PROCESSO A.I. EMPRESA UF1 46214.002572/2010-07 018255019 B. F. Sales da Silva PI2 46214.002584/2010-23 018255027 B. F. Sales da Silva PI3 46214.002590/2010-81 018255035 B. F. Sales da Silva PI4 46214.004034/2010-49 018259332 B. F. Sales da Silva PI5 46214.004035/2010-93 018259324 B. F. Sales da Silva PI6 4 6 2 9 8 . 0 0 0 0 1 6 / 2 0 11 – 9 6 014121549 Companhia Energética do Piauí PI7 4 6 2 1 4 . 0 0 2 8 8 8 / 2 0 11 – 7 1 018266746 D Limpeza e Serviços Gerais Ltda. PI8 4 6 2 1 4 . 0 0 3 1 9 9 / 2 0 11 – 8 4 018256171 F.A. Hotel Ltda. PI9 4 6 2 1 4 . 0 0 3 2 0 0 / 2 0 11 – 7 1 018256163 F.A. Hotel Ltda. PI10 4 6 6 1 7 . 0 0 5 8 6 1 / 2 0 11 – 0 6 023578327 J. H. Combustíveis Ltda. RS11 4 6 6 1 7 . 0 0 7 0 4 2 / 2 0 11 – 9 5 023578343 J. H. Combustíveis Ltda. RS12 4 6 6 1 7 . 0 0 8 9 4 5 / 2 0 11 – 9 3 023645466 Luiz Gustavo Indústria e Comércio de
Confecções Ltda.RS
13 4 6 6 1 7 . 0 0 8 9 4 6 / 2 0 11 – 3 8 023645458 Luiz Gustavo Indústria e Comércio de
Confecções Ltda.RS
14 4 6 6 1 7 . 0 0 8 9 4 7 / 2 0 11 – 8 2 023645482 Luiz Gustavo Indústria e Comércio de
Confecções Ltda.RS
15 4 6 6 1 7 . 0 0 8 9 4 8 / 2 0 11 – 2 7 023645490 Luiz Gustavo Indústria e Comércio de
Confecções Ltda.RS
16 4 6 6 1 7 . 0 0 8 9 5 0 / 2 0 11 – 0 4 023645504 Luiz Gustavo Indústria e Comércio de
Confecções Ltda.RS
17 4 6 6 1 7 . 0 0 8 9 5 1 / 2 0 11 – 4 1 023645474 Luiz Gustavo Indústria e Comércio de
Confecções Ltda.RS
18 4 6 2 6 7 . 0 0 4 4 0 4 / 2 0 11 – 11 021706778 E.P.T. Serviços Educacionais Ltda. SP19 4 6 2 6 7 . 0 0 4 4 0 7 / 2 0 11 – 4 7 021706808 E.P.T. Serviços Educacionais Ltda. SPNº PROCESSO NOTIFICAÇÃO
DE DÉBITO DE
FGTSEMPRESA UF
1 46224.004961/2009-14 506.333.442 Ficamp S.A. Indústria Têxtil PB2 46217.007709/2009-48 506.326.632 Guararapes Confecções S.A. RN3 46398.000516/2009-85 506.334.953 Auto Mecânica Fisher Ltda. EPP SP4 4 6 2 6 7 . 0 0 4 4 0 2 / 2 0 11 – 1 4 506.562.191 E.P.T. Serviços Educacionais Ltda. SP
2) Em apreciação de recurso de ofício:
2.1 Pela procedência do auto de infração ou da notificação de débito.
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 46202.000874/2012-33 020631219 Vel Calçados Ltda. AM2 4 6 2 1 2 . 0 1 7 8 9 4 / 2 0 11 – 4 3 023525720 Marini Indústria de Compensados Ltda. PR3 4 6 6 1 7 . 0 0 8 0 4 9 / 2 0 11 – 2 4 023599472 Auto Posto Sete de Setembro Ltda. RS4 4 6 2 5 9 . 0 0 6 7 5 2 / 2 0 11 – 1 4 021648956 Gruppocollor Comércio, Serviços, Importação e
Exportação Ltda.SP
2.2 Pela improcedência do auto de infração ou da notificação de débito.
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 46202.010538/2010-37 019933801 Construtora Andrade Gutierrez S.A. AM2 46202.002873/2010-61 018694594 Sociedade de Televisão Manauara Ltda. AM3 46206.005566/2012-64 022697934 Dom Bosco Empreendimentos Imobiliários
S.A. – SPEDF
4 4 6 2 0 8 . 0 0 7 3 6 7 / 2 0 11 – 9 0 020399804 Feud Tuma GO5 4 6 2 0 8 . 0 0 4 1 4 0 / 2 0 11 – 9 2 020390092 Hospital Goiânia Leste Ltda. GO6 4 6 2 0 8 . 0 0 4 1 5 3 / 2 0 11 – 6 1 020384920 Hospital Goiânia Leste Ltda. GO7 4 6 2 0 8 . 0 0 4 1 5 8 / 2 0 11 – 9 4 020390076 Hospital Goiânia Leste Ltda. GO8 4 6 2 0 8 . 0 0 4 1 8 0 / 2 0 11 – 3 4 020384769 Hospital Goiânia Leste Ltda. GO9 46208.003710/2012-16 020432534 Mármores e Granitos Sul Goiano Ltda. GO10 47747.0043372010-14 019674333 Almaviva Participações e Serviços Ltda. MG11 47533.003353/2004-49 0 11 0 6 7 7 7 2 Andrade Comércio de Artefatos de Madei-
ra Ltda.PR
12 4 6 6 1 7 . 0 0 4 2 8 5 / 2 0 11 – 7 1 023596430 Bunge Alimentos S.A. RS13 4 6 2 2 0 . 0 0 0 8 9 2 / 2 0 11 – 1 6 020833679 Briquetes Pontinho Ltda. SC14 46473.000900/2012-33 021422966 CPI Engenharia Ltda. SP15 4 6 2 5 9 . 0 0 6 7 5 3 / 2 0 11 – 6 9 021648964 Gruppocollor Comércio, Serviços, Importa-
ção e Exportação Ltda.SP
16 4 6 2 6 0 . 0 0 5 8 0 8 / 2 0 11 – 8 4 021659141 MS Fundição Indústria e Comércio Ltda. SPNº PROCESSO NOTIFICAÇÃO
DE DÉBITO DE
FGTSEMPRESA UF
1 46213.007279/2007-32 505.891.395 Condomínio do Edifício Mônica PE2 4 6 2 1 8 . 0 0 1 3 4 1 / 2 0 11 – 1 9 705.036.014 Auto Viação Monte Alverne Ltda. RS
2.3 Pela procedência parcial do auto de infração ou da notificação de débito.
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 46238.001031/2008-61 014869357 José Roberto de Oliveira MG2 46215.031219/2004-78 0 11 3 5 9 5 0 1 Viação Nossa Senhora de Lourdes S.A. RJNº PROCESSO NOTIFICAÇÃO DE
DÉBITO DE FGTSEMPRESA UF
1 47747.005062/2010-28 705.033.040 Fundação Cultural de Belo Horizonte MG2 46269.002746/2010-98 506.420.981 Best Food Restaurantes Ltda. EPP SP3 46269.003874/2010-59 506.452.816 Embobil Embalagens Ltda. EPP SP4 46473.000094/2005-74 505.414.783 Sistemas de Controles Servicontrol Ltda. SP5 46261.002823/2010-80 506.401.448 Transportes Sancap S.A. SP
3- Pelo arquivamento em razão de:
3.1- Incidência da prescrição prevista do art. 1º §1º da Lei 9.873/99
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 46242.000583/1994-26 13029902 Acelino Pires e Cia. Ltda. MG
2 46224.000377/2009-81 017645174 Saf Nordeste Artefatos para Calçados Ltda. PB3 46213.005171/2009-77 016889509 Cristiano Edson Xavier da Silva PE4 46213.000272/2006-17 009610626 Luiz Antônio Barros de Paiva ME PE5 46334.001904/2005-02 11 5 4 1 9 7 1 Asa 341 – Com e Repres Ltda RJ6 46334.003443/2005-02 11 6 0 0 0 8 0 CELF Centro Educacional Liceu Fluminense RJ7 46334.003290/2005-95 11 5 6 7 6 7 8 Centro de Educação Brasileiro Ltda RJ8 46215.023899/2007-07 14927616 Cheiro e Carmin Perfumes Ltda RJ9 46215.046708/2005-13 13351361 Cnec – Colegio Cenecista Capitão Lemos RJ10 46230.003413/2005-56 11 5 2 6 2 8 9 Compari Const Part e Invest Imob Ltda RJ11 46230.001900/2005-84 11 4 9 0 4 0 3 Construtora Modelo S/A RJ12 46230.003860/2004-24 11 4 0 8 0 4 9 Credicenter Empreend e Promoções Ltda RJ13 46666.001978/2005-89 9801839 Ecir Amália Fleiss Tamancoldi RJ14 46215.005243/2005-32 11 4 9 4 0 8 5 Editora Jb S/A RJ15 46334.001922/2005-86 11 5 4 2 7 9 9 Fiuzas e Nunes Rest Ltda Me RJ16 46666.003278/2005-29 11 5 5 8 5 6 3 Foa Incorporaçõe Imobiliárias Ltda RJ17 46232.003632/2005-96 11 5 8 1 4 1 7 Free Port Vigilancia e Segurança RJ
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201453ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
18 46313.001871/2005-31 11 5 7 0 5 6 3 Gallope Seg e Vigilancia Ltda RJ19 46230.002316/2003-84 5676304 Hospital Colonia Rio Bonito RJ20 46670.002162/2003-41 9807284 Hotel Vila Boa Vida II Ltda RJ21 46740.000907/2003-67 9797637 Isojet Ind. Com e Construções Ltda RJ22 46741.00807/2003-21 9973745 JGCM Seg Eletronica e Automação Ltda RJ23 46232.002657/2005-00 11 4 2 4 2 1 4 Lanchonete Bar Auto Douro Ltda RJ24 46230.003201/2004-98 5679427 LF Sistema Educacional Ltda RJ25 4 6 2 1 5 . 0 4 111 2 / 2 0 0 3 – 5 79998381 Light Serviços de Eletricidade S/A RJ26 46215.049734/2005-95 11 5 6 9 7 5 1 Logiscooper – Coop de Trab de Prof da Area RJ27 46215.008340/2005-87 11 5 1 5 9 0 2 Lojas Americanas S/A RJ28 46232.002584/2005-48 11 4 2 4 8 7 7 LSI Adm e Serv Ltda RJ29 46334.000387/2002-01 5647754 Mardozan Utilidades do Lar RJ30 46228.00804/2004-87 11 3 6 9 2 5 6 Nacional Sistema Impermeabilizante Ltda RJ31 46666.003297/2005-55 11 5 5 9 6 2 4 O Temperado Rest e Lanchonete Ltda RJ32 46215.004316/2006-50 11 5 3 4 6 3 0 Prestadora de Serviço Naval Jordão Costa RJ33 46334.001928/2005-53 11 5 3 5 5 9 8 Relajes Ind e Com Ltda RJ34 46334.001929/2005-06 11 5 3 5 6 0 1 Relajes Ind e Com Ltda RJ35 46230.001854/2005-13 11 4 8 8 4 1 7 Rest e Conf Sabor de Itaipu Ltda RJ36 46215.003221/2005-38 11 4 7 4 2 0 3 Restaurante Rio Apa Ltda RJ37 4 6 2 1 5 . 0 1 9 5 6 8 / 2 0 0 4 – 11 9986227 Sautec Tecnologia Ltda RJ38 46215.007254/2004-76 11 3 2 7 7 2 3 Sociedade Bras de Instrução RJ39 4 6 2 1 5 . 0 0 7 2 5 5 / 2 0 0 4 – 11 11 3 4 6 2 6 4 Sociedade Bras de Instrução RJ40 46215.007289/2004-13 11 3 2 7 6 8 5 Sociedade Bras de Instrução RJ41 46334.003234/2005-51 11 4 7 7 8 0 6 Staff Empreend Ltda RJ42 46215.050854/2004-54 11 4 6 0 7 3 3 Staff Serv Terceirizados Soc Simples Ltda RJ43 46230.005495/2005-73 14016087 Távola Redonda Bingo Ltda RJ44 46334.003275/2005-47 11 5 6 7 6 6 0 Termenge Eng Ltda RJ45 46215.007276/2005-17 11 5 1 4 3 0 2 Unimed-Rio Coop de Trab Med do RJ RJ46 46243.000091/2000-50 01084798 Rozilma Batista Farias Santana – ME SP
3.2- Incidência da prescrição prevista do art. 1º -A da Lei 9.873/99
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 46222.002596/2004-19 6621503 AGF Engenharia Ltda PA2 46222.012034/2003-94 6627854 Alunorte Aluminia do Norte Brasil S/A PA3 4 6 2 2 2 . 0 11 8 0 2 / 2 0 0 0 4916786 Brilasa Britagem e Laminação Der Rochas S/A PA4 46222.000525/2004-73 6623581 C.R Comercio Ltda PA5 46222.008952/2003-19 6 6 2 11 4 7 Codearte do Brasil Ltda PA6 46222.008735/2003-29 6594999 Confinorte Seg e Serviços Ltda PA7 4 6 2 2 2 . 0 11 9 5 6 / 2 0 0 3 – 8 4 6629032 Constec Consultoria Serv Gerais e Tec Ltda PA8 46222.001491/2003-53 6597289 E Selzler Madeiras Me PA9 46222.009392/2003-10 6591981 El Chaday Segurança e Vigilância Ltda PA10 46475.000386/2002 7400543 Geraldo Ferreira Nunes PA11 46222.009785/2003-23 6605257 Kengo Sakanashi ME PA12 46222.005048/2001-90 5 1 2 11 2 4 Leal e Leal S/C PA13 46222.003480/2002-27 5142962 M.A.C Comercio ME PA14 46222.004222/2001-87 4956532 M.S Lopes Lima PA15 46222.010673/2003-15 6635053 Maesa Madereira Espirito Santo Ltda PA16 46222.009587/2002-89 5132619 Marajo Islands Business Ltda PA17 4 6 2 2 2 . 0 0 9 8 8 8 / 2 0 0 2 – 11 5148260 Maria da Gloria dos Santos PA18 46222.002817/2001-06 4924954 Miguel Vieira de Freitas Filho PA19 46222.007125/2001-46 5125529 Moacir Paixão Filho PA20 46222.003346/2000-64 3377121 Mota e Cabral Ltda PA
21 46222.007713/2003-41 6604382 O.S.B Industria e Com. de Madeiras PA22 46475.000241/02-43 6940668 Pedro Jose de Campos PA23 46222.009284/2002-66 7792549 Pepita Indust Com de Pescados Ltda PA24 4 6 2 2 2 . 0 11 9 3 3 / 2 0 0 3 – 7 0 6617182 Raphael Siqueira PA25 46222.010556/2003-51 6614540 S.V.M Ltda PA26 46222.010557/2003-04 6614558 S.V.M Ltda PA27 4 6 2 2 2 . 0 11 9 8 8 / 2 0 0 3 – 8 0 6604218 Sandra S.M.C da Silva PA28 46222.007380/2003-51 5140790 Serlimc – Serv Especializados Limp e Cons PA29 46222.007210/2003-76 6596274 Spala Repres e Distribuição Ltda PA30 46222.012142/2003-67 6613136 Total Serviços Gerais Ltda PA31 46222.012143/2003-10 6613128 Total Serviços Gerais Ltda PA32 46475.000020/2002-75 6075029 Vanderval de Araujo PA33 4 6 2 1 5 . 0 4 11 8 8 / 2 0 0 1 – 11 004483812 Multi-Rio Operações Portuárias S.A. RJ
3.2- Incidência da prescrição prevista no art. 1º do Decreto 20.910/32..
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 46287.000084/2004-55 007090820 Calçados Itapuã S.A. – CISA ES2 47747.000843/2005-69 009877746 Academia Galpão 512 Ltda. MG3 47747.000678/2005-45 009877592 Auto Peças Pirescar Ltda. – ME MG4 47747.004037/2002-17 007173717 Empresa Gontijo de Transportes Ltda. MG5 47747.004043/2002-74 007308302 Empresa Gontijo de Transportes Ltda. MG6 47747.005386/2003-37 010539581 Maria do Rosário de Oliveira MG7 47747.003352/2005-70 010567062 Pé de Fada Ltda. MG8 47747.003826/2004-01 010692053 Sports Centro de Reabilitação Ltda. MG
3.3- Incidência da remição prevista na Lei 11.941/99.
Nº PROCESSO AI EMPRESA UF1 46243.000700/1998-20 0278980235 Comercial Lindauto de Veículos Ltda. MG2 46242.000710/2002-68 007381260 Jessica Empreiteira de Mão de Obra Ltda. MG3 46243.001458/2012-76 001023172 Laticinio Soleite Com. e Indústria Ltda. MG4 4 6 2 4 3 . 0 0 11 3 7 / 2 0 0 0 – 3 8 001052314 Luciano Ind. e Comércio de Móveis Ltda. MG5 47747.001922/2001-63 004948882 Magazim Caetes Ltda. MG6 4 6 2 4 3 . 0 0 11 3 8 / 2 0 0 0 – 8 2 001051920 Padaria Camila Ltda. MG7 46242.000622/2002-66 007380453 São Jeronimo Construções Ltda. ME MG8 46232.003210/00-46 001606956 A.P. Meireles Minimercado RJ9 46869.001923/2002-40 005686709 Ilha Mágica Artigos Esportivos Ltda. RJ10 46062.000782/2001-42 001738500 MR dos Santos Turismo RJ11 46232.002345/2001-84 001444310 Pasek Engenharia Ltda. RJ
3.4 – Reformar a decisão de arquivamento dos autos, retornem a origem na condição de
sobrestados..
Nº PROCESSO A.I. EMPRESA UF1 46235.000230/1997-78 277820138 Adélio Angelino Soares MG2 46243.000532/1998-27 0279790136 Anderson Palhares de Souza MG3 46243.001340/1998-00 001090496 Frigoarnaldo Indústria e Comércio Ltda. MG4 46243.000260/1999-18 001082558 Indumaster Ind. e Comércio Ltda. MG5 46243.001008/2001-21 005413249 Olaria Santana Panta Machado MG6 46243.000490/2000-09 000943789 Pohlig Heckel do Brasi Indústria e Comércio
Ltda.MG
7 46243.000528/1998-50 277310186 Supermercado Preferência Ltda. MG8 46243.000529/1998-12 0277310187 Supermercado Preferência Ltda. MG
ROBERTO CAVALCANTE LEÃO BORGES
SECRETARIA DE RELAÇÕES DO TRABALHO
DESPACHOS DO SECRETÁRIO
Em 17 de fevereiro de 2014
O Secretário de Relações do Trabalho, com fundamento nos
arts. 56 e 64 da Lei n° 9.784, de 1999, e na Nota Técnica N°
16/2014/CGRS/SRT, defere o Recurso Administrativo apresentado
por meio do processo n° 46000.006665/2013-51, interposto pelo
SINDHORB – Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de
Belo Horizonte, em face do arquivamento do pedido de alteração
estatutária n° 46211.009727/2011-39, determina seu desarquivamento
e considerando o preenchimento dos requisitos para a publicação do
pedido de registro de alteração estatutária, dá ciência do requerido
pela(s) entidade(s) abaixo mencionada(s), ficando aberto o prazo de
30 (trinta dias), para que os interessados possam se manifestar nos
termos da Portaria Nº 188, de 05 de julho de 2007 e Portarian° 326,
publicada no DOU em 11 de março de 2013.
Processo 4 6 2 11 . 0 0 9 7 2 7 / 2 0 11 – 3 9Entidade SINDHORB – Sindicato de Hotéis, Restauran-
tes, Bares e Similares de Belo Horizonte
CNPJ 17.238.148/0001-61Abrangência Intermunicipal
Base Territorial: Minas Gerais: Abre Campo, Acaiaca, Açu-
cena, Água Boa, Aguanil, Águas Formosas, Aimorés, Aiuruoca, Ala-
goa, Alfredo Vasconcelos, Almenara, Alpercata, Alto Caparaó, Al-
varenga, Alvinópolis, Amparo do Serra, Andrelândia, Angelândia,
Antônio Dias, Araçaí, Araçuaí, Araújos, Arcos, Aricanduva, Ataléia,
Baldim, Bambuí, Bandeira, Barão de Cocais, Barra Longa, Bela Vista
de Minas, Belo Horizonte, Belo Oriente, Belo Vale, Berilo, Ber-
tópolis, Betim, Biquinhas, Bocaina de Minas, Bom Despacho, Bom
Jesus do Amparo, Bom Jesus do Galho, Bom Sucesso, Bonfim, Braú-
nas, Brumadinho, Bugre, Cachoeira da Prata, Cachoeira de Pajeú,
Caetanópolis, Caeté, Camacho, Campanário, Campo Belo, Cana Ver-
de, Candeias, Cantagalo, Capela Nova, Capelinha, Capim Branco,
Capitão Andrade, Caputira, Caraí, Caranaíba, Carandaí, Carlos Cha-
gas, Carmésia, Carmo da Cachoeira, Carmo da Mata, Carmo do
Cajuru, Carmópolis de Minas, Carrancas, Carvalhos, Casa Grande,
Catas Altas, Catas Altas da Noruega, Catuji, Cedro do Abaeté, Cen-
tral de Minas, Chapada do Norte, Cipotânea, Cláudio, Coluna, Co-
mercinho, Conceição da Barra de Minas, Conceição de Ipanema,
Conceição do Mato Dentro, Conceição do Pará, Conceição do Rio
Verde, Confins, Congonhas, Congonhas do Norte, Conselheiro La-
faiete, Conselheiro Pena, Contagem, Coqueiral, Cordisburgo, Coroaci,
Coronel Murta, Córrego Fundo, Crisólita, Cristais, Cristiano Otoni,
Crucilândia, Cuparaque, Desterro de Entre Rios, Diogo de Vascon-
celos, Dionísio, Divino das Laranjeiras, Divinolândia de Minas, Di-
vinópolis, Divisópolis, Dom Cavati, Dom Joaquim, Dom Silvério,Dores de Guanhães, Dores do Indaiá, Doresópolis, Durandé, En-
genheiro Caldas, Entre Folhas, Entre Rios de Minas, Esmeraldas,
Felício dos Santos, Felisburgo, Fernandes Tourinho, Ferros, Ferve-
douro, Florestal, Formiga, Fortuna de Minas, Francisco Badaró, Fran-
ciscópolis, Frei Gaspar, Frei Inocêncio, Frei Lagonegro, Fronteira dos
Vales, Funilândia, Galiléia, Goiabeira, Goianá, Gonzaga, Guanhães,
Guaraciaba, Ibirité, Ibituruna, Igarapé, Igaratinga, Iguatama, Ijaci,
Imbé de Minas, Ingaí, Inhapim, Inhaúma, Ipanema, Itabira, Itabirinha,
Itabirito, Itaguara, Itaipé, Itamarandiba, Itambacuri, Itambé do Mato
Dentro, Itamogi, Itanhomi, Itaobim, Itapecerica, Itatiaiuçu, Itaúna,
Itaverava, Itinga, Itueta, Itumirim, Itutinga, Jaboticatubas, Jacinto,
Jaíba, Jaguaraçu, Jampruca, Japaraíba, Jenipapo de Minas, Jequeri,
Jequitinhonha, Joaíma, Jordânia, José de Melo, José Gonçalves de
Minas, José Raydan, Juatuba, Jeceaba, Jequitibá, João Monlevade,
Ladainha, Lagoa da Prata, Lagoa Dourada, Lagoa Santa, Lamim,
Leandro Ferreira, Leme do Prado, Liberdade, Luisburgo, Luminárias,
Luz, Machacalis, Malacacheta, Mantena, Maravilhas, Mariana, Ma-
rilac, Mário Campos, Martinho Campos, Martins Soares, Materlândia,
Mateus Leme, Mathias Lobato, Matipó, Matozinhos, Medina, Mendes
Pimentel, Minas Novas, Minduri, Moeda, Monte Formoso, Morro do
Pilar, Mutum, Nacip Raydan, Nanuque, Naque, Nazareno, Nepomu-
ceno, Nova Belém, Nova Era, Nova Lima, Nova Módica, Nova Ser-
rana, Nova União, Novo Cruzeiro, Novo Oriente de Minas, Oliveira,
Onça de Pitangui, Oratórios, Orizânia, Ouro Branco, Ouro Preto,
Ouro Verde de Minas, Padre Paraíso, Paineiras, Pains, Palmópolis,
Papagaios, Pará de Minas, Paraopeba, Passa Tempo, Passabém, Pau-
listas, Pavão, Peçanha, Pedra Azul, Pedra Bonita, Pedra do Anta,
Pedra do Indaiá, Pedro Leopoldo, Pequi, Perdigão, Perdões, Periquito,
Pescador, Piedade de Caratinga, Piedade de Ponte Nova, Piedade dos
Gerais, Pimenta, Pingo-d’Água, Piracema, Piranga, Pitangui, Pocrane,
Ponte Nova, Ponto Chique, Ponto dos Volantes, Porto Firme, Poté,
Prudente de Morais, Quartel Geral, Queluzito, Raposos, Raul Soares,
Reduto, Resende Costa, Resplendor, Ressaquinha, Ribeirão das Ne-
ves, Ribeirão Vermelho, Rio Acima, Rio Casca, Rio do Prado, Rio
Doce, Rio Espera, Rio Manso, Rio Piracicaba, Rio Vermelho, Rosário
da Limeira, Rubim, Sabará, Sabinópolis, Salto da Divisa, Santa Bár-
bara, Santa Bárbara do Leste, Santa Bárbara do Monte Verde, Santa
Cruz de Salinas, Santa Cruz do Escalvado, Santa Efigênia de Minas,
Santa Helena de Minas, Santa Luzia, Santa Margarida, Santa Maria
de Itabira, Santa Maria do Salto, Santa Maria do Suaçuí, Santa Rita
de Minas, Santa Rita do Itueto, Santana de Pirapama, Santana do
Jacaré, Santana do Riacho, Santana dos Montes, Santo Antônio do
Amparo, Santo Antônio do Grama, Santo Antônio do Itambé, Santo
Antônio do Jacinto, Santo Antônio do Monte, Santo Antônio do Rio
Abaixo, São Bento Abade, São Brás do Suaçuí, São Domingos das
Dores, São Domingos do Prata, São Félix de Minas, São Francisco de
Paula, São Geraldo da Piedade, São Geraldo do Baixio, São Gonçalo
do Pará, São Gonçalo do Rio Abaixo, São Gonçalo do Rio Preto, São
João do Manhuaçu, São João do Manteninha, São João do Pacuí, SãoJoão Evangelista, São Joaquim de Bicas, São José da Safira, São José
da Varginha, São José do Divino, São José do Goiabal, São José do
Jacuri, São Pedro do Suaçuí, São Pedro dos Ferros, São Sebastião da
Bela Vista, São Sebastião da Vargem Alegre, São Sebastião do Anta,
São Sebastião do Maranhão, São Sebastião do Oeste, São Sebastião
do Rio Preto, São Tiago, São Vicente de Minas, Sardoá, Sarzedo,
Sem-Peixe, Senador Modestino Gonçalves, Senhora de Oliveira, Se-
nhora do Porto, Senhora dos Remédios, Sericita, Seritinga, Serra Azul
de Minas, Serra dos Aimorés, Serranos, Sete Lagoas, Setubinha, So-
brália, Taparuba, Taquaraçu de Minas, Tarumirim, Teixeiras, Teófilo
Otoni, Tumiritinga, Ubaporanga, Umburatiba, Urucânia, Vargem Ale-
gre, Veredinha, Vermelho Novo, Vespasiano, Virginópolis e Virgo-
lândia.
Categoria Profissional: Estabelecimentos de empresas de ho-
téis, restaurantes, bares, pensões, cafés, leiterias, adega, albergues,
aluguel de quartos, alojamento, apart-hotéis exceto aqueles organi-
zados sob a forma de condomínios residenciais, comerciais e mistos,
boate, botequim, bistrôs, buffet, bomboniere, cafeteria, caldos de ca-
na, cantina, casa de frestas e eventos, exceto quando destinados a
aluguel desses espaços, casas de lazer e entretenimento, casa de chá,
casa de sucos e vitaminas, casas de pão de queijo, casa de shows e
eventos, exceto quando destinados a aluguéis desses espaços, casa de
cômodo, casa de lanches, casa de massas, casa de vitaminas e sucos,
casas de recepção, casas noturnas, choperia, cervejaria, comida a
quilo, condhotéis, colônia de férias, churrascaria, cresperia, cyber
café, danceteria-dancing, discoteca, drive-in, dormitório, doçaria, es-
pagueteria, fast-food, fornecimento de bebidas a varejo, flats, ga-
leteria, hospedagens, hospedaria, hotel rural, hotel de lazer, hotel
fazenda, hotel residence, karaokê, kitinete, lanchonete, motel, pas-
telaria, pensionato, petisqueira, pizzaria, pousada, quiosques, restau-
rantes, rotisseira, salão de dança, salões de festas, exceto quando
destinados a aluguéis desses espaços, serviços ambulantes de ali-
mentação e bebidas, salscharia, scooth-bar, self-service, sorveteria,
tendinhas e trailers de lanches.
O Secretário de Relações do Trabalho, no uso de suas atri-
buições legais, com fundamento na Portaria n.º 186/08 e Nota Téc-
nica Nº 214/2014/CGRS/SRT/MTE, resolve RETIFICAR o CNPJ da
Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná,
processo 46000.002888/2006-10, inscrito no CNPJ: 02.818.811/0001-
20, publicado no D.O.U de 28/11/2013, seção 01, pag.117, n.º 231,
para onde se lê: CNPJ: 66.660.846/0001-66, leia-se: CNPJ:
0 2 . 8 1 8 . 8 11 / 0 0 0 1 – 2 0 .
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201454ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Em 18 de fevereiro de 2014
Com fulcro nos termos da decisão judicial exarada nos autos
do Mandado de Segurança n.º 0001715-59.2013.5.10.0021, em trâ-
mite na 21ª Vara do Trabalho de Brasília/DF – TRT da 10ª Região, o
Secretário de Relações do Trabalho, no uso de suas atribuições legais,
considerando o preenchimento dos requisitos para a publicação do
pedido de registro sindical, dá ciência do requerido pela(s) entidade(s)
abaixo mencionada(s), ficando aberto o prazo de 30 (trinta dias), para
que os interessados possam se manifestar nos termos da Portaria N.º
188, de 05 de julho de 2007 e Portaria 326/2013, publicada no DOU
em 11 de março de 2013.
Processo 47998.007794/2012-62Entidade Sindicato dos Empregados em Pet Shops e Clí-
nicas Veterinárias de Campinas e Região
CNPJ 11 . 2 8 9 . 4 9 8 / 0 0 0 1 – 7 0Abrangência Intermunicipal
Base Territorial: São Paulo: Americana, Amparo, Araras,
Artur Nogueira, Atibaia, Bragança Paulista, Caieiras, Cajamar, Cam-
pinas, Campo Limpo Paulista, Cosmópolis, Engenheiro Coelho, Fran-
cisco Morato, Franco da Rocha, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba,
Itapira, Itatiba, Itu, Jaguariúna, Jundiaí, Leme, Limeira, Louveira,
Mairiporã, Mogi Guaçu, Moji Mirim, Monte Mor, Nova Odessa,
Paulínia, Pedreira, Piracicaba, Porto Feliz, Rio Claro, Salto, Santa
Bárbara d’Oeste, Santana de Parnaíba, Santo Antônio de Posse, São
Roque, Serra Negra, Socorro, Sorocaba, Sumaré, Valinhos, Várzea
Paulista, Vinhedo e Votorantim.
Categoria: Empregados na atividade laboral de banhistas,
tosadores, esteticistas de animais domésticos, auxiliares de veterinário
e dos empregados em pet shops, clínicas e estabelecimentos ve-
terinários no comércio atacadista e varejista de produtos, prestação de
serviços, atividades, alojamento, higiene e embelezamento de ani-
mais.
O Secretário de Relações do Trabalho e Emprego, em cum-
primento a Decisão Judicial prolatada nos autos do Processo Judicial
n.º 0000928-87.2013.5.10.0002 – AGU-PRU 1ª Região e com fun-
damento na Portaria 326, publicada em 11 de março de 2013 e, na
Nota Técnica N
º213/2014/CGRS/SRT/MTE, resolve: ARQUIVAR a
impugnação 46000.003983/2012-89, interposta pelo Sindicato Nacio-
nal dos Taifeiros, Culinários e Panificadores Marítimos – TAICU-
PAM, CNPJ 34.133.835/0001-31, com respaldo no art. 18, inciso II,
da Portaria 326/2013; DEFERIR o Registro Sindical ao SINTHOP –
Sindicato dos Trabalhadores de Hotelaria Embarcados em Plata-
formas de Petróleo, CNPJ 31.504.376/0001-67, Processo
46215.025428/2011-10, para a representação da Categoria Profissio-
nal dos trabalhadores de hotelaria embarcados em plataformas de
petróleo, com abrangência e base territorial Interestadual, no Estado
do Rio de Janeiro: Arraial do Cabo, Cabo Frio, Campos dos Goy-
tacazes, Carapebus, Itaguaí, Macaé, Magé, Mangaratiba, Niterói,
Quissamã, Rio das Ostras, Rio de Janeiro e São Pedro da Aldeia, e no
Estado do Espírito Santo: Anchieta, Aracruz, Cariacica, Conceição da
Barra, Jaguaré, Linhares, São Mateus, Serra, Viana, Vilha Velha e
Vitória, com respaldo no art. 25 da Portaria 326/2013. Para fins de
ANOTAÇÃO no Cadastro Nacional de Entidades Sindicais – CNES
resolve promover a seguinte exclusão na representação dos sindicatos
abaixo: A) EXCLUIR da representação do Sindicato dos Trabalha-
dores no Comércio Hoteleiro e Similares dos Municípios de Magé e
Guapimirim – RJ, CNPJ 39.190.236/0001-73, Processo
35311.054645/91-44, a Categoria Profissional dos trabalhadores de
hotelaria embarcados em plataformas de petróleo, no município de
Magé, Estado do Rio de Janeiro/RJ; B-) EXCLUIR da representação
do Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro e Similares do
Município do Rio de Janeiro, CNPJ 33.721.333/0001-69, Carta Sin-
dical: L002 P010 A1940, a Categoria Profissional dos trabalhadores
de hotelaria embarcados em plataformas de petróleo, no município do
Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro/RJ; C-) EXCLUIR da
representação do Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro e
Similares de Campos, CNPJ 29.633.658/0001-12, Carta Sindical:
L015 P001 A1945, a Categoria Profissional dos trabalhadores de
hotelaria embarcados em plataformas de petróleo, no município de
Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro/RJ; D-) EXCLUIR
da representação do SECHSN – Sindicato dos Empregados Comércio
Hoteleiro Similares Niterói, CNPJ 30.132.815/0001-95, Processo
46000.007473/97-26, a Categoria Profissional dos trabalhadores de
hotelaria embarcados em plataformas de petróleo, nos municípios de
Arraial do Cabo, Cabo Frio, Macaé, Niterói e São Pedro da Aldeia,
Estado do Rio de Janeiro/RJ; E-) EXCLUIR da representação do
Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro, Restaurantes, Ba-
res e Similares, Refeições Coletivas, Agências de Turismo, Con-
domínios, Turismo e Hospitalidade de Guarapari e Região Sul do
Estado do Espírito Santo – SECOHTUH, CNPJ 36.403.715/0001-32,
Processo 46000.004242/98-88, a Categoria Profissional dos traba-
lhadores de hotelaria embarcados em plataformas de petróleo, no
município de Anchieta, Estado do Espírito Santo/ES, e F-) EXCLUIR
da representação do Sindicato Nacional dos Taifeiros, Culinários e
Panificadores Marítimos – TAICUPAM, CNPJ 34.133.835/0001-31,
Carta Sindical: L006 P029 A1941, a Categoria Profissional dos tra-
balhadores de hotelaria embarcados em plataformas de petróleo, no
Estado do Rio de Janeiro: Arraial do Cabo, Cabo Frio, Campos dos
Goytacazes, Carapebus, Itaguaí, Macaé, Magé, Mangaratiba, Niterói,
Quissamã, Rio das Ostras, Rio de Janeiro e São Pedro da Aldeia, e no
Estado do Espírito Santo: Anchieta, Aracruz, Cariacica, Conceição da
Barra, Jaguaré, Linhares, São Mateus, Serra, Viana, Vilha Velha e
Vitória, nos termos do artigo 30, da Portaria 326/2013.
MANOEL MESSIAS NASCIMENTO MELO
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO PARÁ
PORTARIA Nº 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O SUPERINTENDENTE REGIONAL DO TRABALHO E
EMPREGO, Senhor. Odair Santos Corrêa, nomeado pela Portaria
Ministerial número 1.390 de 06/07/2011, publicada no DOU de
07/07/2011 no uso das atribuições legais, resolve:
Art. 1º Acatar, a partir de 13 de fevereiro de 2014, o Termo
de Interdição nº. 30107009/2014 emitido por Auditores Fiscais do
Trabalho, lotados na SRTE/PA;
Art. 2º Seguir as recomendações preconizadas pelo Minis-
tério Público do Trabalho – 8ª Região, no que couber, em decorrência
do Termo de Interdição supra.
ODAIR SANTOS CORRÊA
PLENÁRIO
ACÓRDÃO DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014
PROCEDIMENTO INTERNO DE COMISSÃO Nº
0.00.000.000169/2012-10
ASSUNTO: RECOMENDAÇÃO APRESENTADA PELO TRIBU-
NAL DE CONTAS DA UNIÃO A ESTE CONSELHO NACIONAL,
VISANDO MELHOR OPERACIONALIZAÇÃO DAS AÇÕES FO-
CADAS NA POLÍTICA NACIONAL SOBRE DROGAS, QUE OS
PROCURADORES E PROMOTORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO
SEJAM ORIENTADOS A REQUERER AO JUÍZO COMPETENTE,
EM CARÁTER CAUTELAR, A ALIENAÇÃO DOS BENS APRE-
ENDIDOS ORIUNDOS DO TRÁFICO DE DROGAS.
EMENTA PROCEDIMENTO INTERNO DE COMISSÃO. OFÍCIO
DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO QUE ENCAMINHOU
CÓPIA DE DOCUMENTOS RELATIVOS À AUDITORIA DE NA-
TUREZA OPERACIONAL COM FOCO NA POLÍTICA NACIO-
NAL ANTIDROGAS. SUGESTÃO AO CNMP QUE EMITA RE-
COMENDAÇÃO AOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO
PARA QUE REQUEIRAM A ALIENAÇÃO ANTECIPADA DE
BENS APREENDIDOS. ACOLHIMENTO DO PEDIDO E EXTEN-
SÃO DOS LIMITES DA RECOMENDAÇÃO, PARA ATENDER A
OUTRAS NORMAS PENAIS, NÃO APENAS A LEI ANTIDRO-
GAS.
1. A alienação antecipada de bens apreendidos é prevista no
art. 62, §4º, Lei nº 11.343/06).
2. A renda obtida com a alienação antecipada desses bens é
revertida para o combate do tráfico de drogas, o aparelhamento das
polícias e o tratamento de usuários.
3. Sugestão do TCU para que o CNMP recomende aos mem-
bros do Ministério Público brasileiro que requeiram a alienação an-
tecipada dos bens apreendidos.
3. Aprovação de Recomendação nos termos do voto do Re-
lator, ampliando seus termos para abranger não apenas a Lei nº
11.343/06, mas toda a legislação penal que possibilite a alienação
antecipada.
ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os mem-
bros do Conselho Nacional do Ministério Público, por unanimidade,
aprovar a recomendação nos termos do voto do Relator.
MARCELO FERRA DE CARVALHO
Conselheiro-Relator
PP Nº 0.00.000.001811/2013-51
REQUERENTE: ROBERTO BURLAMAQUE CATUNDA SOBRI-
NHO
REQUERIDO: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PER-
NAMBUCO
RELATOR: Conselheiro WALTER DE AGRA JÚNIOR
EMENTA REMOÇÕES. SUSPENSÃO DOS EFEITOS DAS POR-
TARIAS Nº 608/2013, 796/2013, 1.435/2013 E 1437/2013 EDITA-
DAS PELO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DE PERNAM-
BUCO. SUPOSTA PRETERIÇÃO NA REMOÇÃO DE MEMBRO
DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE PERNAMBUCO. COMPROVA-
ÇÃO DE QUE O REQUERENTE FIGUROU EM 10 LISTAS PARA
REMOÇÃO, DAS QUAIS EM DUAS OPORTUNIDADES POR
TRÊS VEZES SEGUIDAS. AUSÊNCIA DE NOMEAÇÃO. VIO-
LAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA IMPESSOALIDADE E LEGALI-
DADE. AUTOAPLICABILIDADE DA NORMA DO ART. 93, VIII-
A, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. DESFAZIMENTO DAS RE-
MOÇÕES PRETÉRITAS. IMPOSSIBILIDADE. SEGURANÇA JU-
RÍDICA. VIOLAÇÃO COMPROVADA. PARCIAL PROCEDÊN-
CIA.
1. A Constituição Federal em seu art. 93, VIII-A estabelece
que devem ser aplicadas à remoção a pedido, no que couber, as
mesmas regras da promoção.
2. A remoção e a promoção são atos de provimento derivado
e possuem uma finalidade coincidente: mobilidade funcional, sendo
assim, perfeitamente aplicável a ambas as hipóteses a regra que fixa
a obrigatoriedade de promoção ao membro do Ministério Público que
figure por três vezes consecutivas ou cinco vezes alternada na lista de
merecimento.
3.- Segundo a Procuradoria Geral de Justiça de Pernambuco
o requerente teria concorrido, de 2006 a 2013, a 09 (nove) editais de
remoção por merecimento: editais: 11/2006, 15/2006, 17/2006;
02/2010, 04/2010 e 06/2010; 13/2013, 17/2013, 19/2013. Portanto, o
próprio órgão administrativo reconhece os fatos postos pelo repre-
sentante.
4.- Em sede de remoção ou promoção, havendo a figuração
de Promotor em lista por três vezes consecutivas ou cinco alternadas,
é OBRIGATORIA a sua nomeação, exceto em caso em que haja mais
de uma pessoa nesta mesma circunstância, caso em que deve ser
nomeado quem primeiro preencheu o requisito constitucional.
5.- O direito pretendido pelo requerente no sentido de ser
removido existe as escancaras, tendo restado a configurada a sua
preterição. Todavia, por segurança jurídica, entendo que não se pode
desfazer ou desconstituir as remoções anteriores nesta oportunidade,
haja vista que estas já se operaram há vários meses antes mesmo da
provocação do CNMP.
AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES
TERRESTRES
SUPERINTENDÊNCIA DE EXPLORAÇÃO
DE INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA
PORTARIA Nº 33, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
A Superintendente de Exploração da Infraestrutura Rodo-
viária, da Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, no uso
de suas atribuições e em conformidade com a Deliberação n.º 157/10,
de 12 de maio de 2010, fundamentada no que consta do Processo n.º
50515.190345/2013-47, resolve:
Art. 1º Autorizar a implantação de rede de cabos de fibra
óptica na faixa de domínio da Rodovia Presidente Dutra, BR-116/SP,
por meio de travessia no km 223+740m, em Guarulhos/SP, de in-
teresse da EMBRATEL – Empresa Brasileira de Telecomunicações.
Art. 2º Na implantação e conservação da referida rede de
cabos de fibra óptica, a EMBRATEL deverá observar as medidas de
segurança recomendadas pela NovaDutra – Concessionária da Ro-
dovia Presidente Dutra S/A, responsabilizando-se por danos ou in-
terferências com redes não cadastradas e preservando a integridade de
todos os elementos constituintes da Rodovia.
Art. 3º A EMBRATEL não poderá iniciar a implantação da
rede de cabos de fibra óptica objeto desta Portaria antes de assinar,
com a NovaDutra, o Contrato de Permissão Especial de Uso, re-
ferente às obrigações especificadas, e sem apresentar a licença am-
biental, se necessária.
Art. 4º A NovaDutra deverá encaminhar, à Unidade Regional
de São Paulo – URSP, uma das vias do Contrato de Permissão Es-
pecial de Uso, tão logo seja assinado pelas partes.
Art. 5º A EMBRATEL assumirá todo o ônus relativo à im-
plantação, à manutenção e ao eventual remanejamento dessa rede de
cabos de fibra óptica, responsabilizando-se por eventuais problemas
decorrentes da mesma e que venham a afetar a Rodovia.
Art. 6º A EMBRATEL deverá concluir a obra de implan-
tação da rede de cabos de fibra óptica no prazo de 90 (noventa) dias
após a assinatura do Contrato de Permissão Especial de Uso.
§ 1º Caso a EMBRATEL verifique a impossibilidade de
conclusão da obra de implantação da rede de cabos de fibra óptica no
prazo estabelecido no caput, deverá solicitar à NovaDutra sua pror-
rogação, por período não superior ao prazo original, devendo fazê-lo
antes do esgotamento do mesmo, a fim de que seja analisado o pedido
e emitida a autorização.
§ 2º Se a solicitação de prorrogação de prazo for recebida
pela ANTT após o esgotamento do prazo original, caberá apenas a
concessão de um novo prazo.
Art. 7º Caberá à NovaDutra acompanhar e fiscalizar a exe-
cução do projeto executivo por ela aprovado e manter o cadastro
referente à rede de cabos de fibra óptica.
Art. 8º A EMBRATEL deverá apresentar, à URSP e à No-
vaDutra, o projeto as built, em meio digital (CAD) referenciado aos
marcos topográficos da Rodovia.
Art. 9º A implantação de rede de cabos de fibra óptica por
meio de travessia autorizada resultará em receita extraordinária anual
para a Concessionária no valor de R$ 1.164,67 (um mil, cento e
sessenta e quatro reais e sessenta e sete centavos), calculado con-
forme Resolução ANTT n.º 2.552/2008, que determina também o
reajuste anual com base no IPCA.
Art. 10. A autorização concedida por meio desta Portaria tem
caráter precário, podendo ser revogada, anulada ou cassada a qualquer
tempo, de acordo com critérios de conveniência e oportunidade da
A N T T.
Parágrafo único. A EMBRATEL abstém-se de cobrar qual-
quer tipo de indenização em razão da revogação, anulação ou cas-
sação da autorização, bem como reembolso em virtude dos custos
com as obras executadas.
Art. 11. Esta Portaria entra em vigor na data de sua pu-
blicação.
VIVIANE ESSE
SECRETARIA DE FOMENTO PARA AÇÕES
DE TRANSPORTES
DEPARTAMENTO DA MARINHA MERCANTE
CONSELHO DIRETOR
RETIFICAÇÃO
No item VI do Art. 1º da Resolução n
o.130, publicada no
Diário Oficial da União de 10 de fevereiro de 2014, Seção 1, pág. 43,
onde se lê “item I da Resolução nº 93 de 12/05/2011”, leia-se “item
XV da Resolução n
o72, publicada em 22/01/2010, posteriormente
alterado pelo item II da Resolução no100, publicada em
0 2 / 1 2 / 2 0 11 ” .
Ministério dos Transportes.
Conselho Nacional do Ministério Público.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201455ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os mem-
bros do Conselho Nacional do Ministério Público, por maioria, re-
jeitar a preliminar de esgotamento das vias administrativas, nos ter-
mos do voto do Relator, vencido o Conselheiro Jarbas Soares Júnior,
que a acolhia. E, por maioria, julgou parcialmente procedente o pe-
dido, para revogar a liminar na parte em que for contrária à decisão
final, reconhecendo a obrigatoriedade de aplicação do art. 93, VIII-A,
da Constituição Federal de 1988, determinando dentre outras me-
didas, o envio de cópia do voto à Corregedoria Nacional, para fins de
profunda apuração da sistemática de promoção e remoção empre-
endida no Ministério Público de Pernambuco, na correição já apra-
zada para março de 2014, e julgando prejudicado o Recurso Interno,
nos termos do voto do Relator. Vencido, parcialmente, o Conselheiro
Jarbas Soares Júnior, que era contrário ao envio de cópia de decisão
à Corregedoria Nacional.
WALTER DE AGRA JÚNIOR
Conselheiro-Relator
PROCEDIMENTO INTERNO DE COMISSÃO Nº
0.00.000.001290/2013-31
ASSUNTO: VISA A APURAR POSSÍVEL INCONSTITUCIONA-
LIDADE FORMAL DA PROPOSITURA DA PROPOSTA DE
EMENDA À CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SP, POR SU-
POSTAMENTE FERIR A AUTONOMIA ADMINISTRATIVA DO
MP DO MENCIONADO ESTADO, EM FACE DA QUESTÃO SER
RESERVADA À LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL, DE INICIA-
TIVA DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA.
EMENTA PROCEDIMENTO INTERNO DE COMISSÃO. PRO-
POSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SÃO
PAULO. INICIATIVA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. VÍCIO
DE INICIATIVA DEVIDO A NATUREZA DA MATÉRIA. APRE-
SENTAÇÃO DE NOTA TÉCNICA E REMESSA AO PROCURA-
DOR-GERAL DA REPÚBLICA.
1. Compete ao Procurador-Geral de Justiça a iniciativa para
propor projeto de lei complementar estadual que verse sobre a or-
ganização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público (art. 128,
§5º, da CR).
2. Proposta de Emenda Constitucional, de iniciativa da As-
sembleia Legislativa do Estado de São Paulo, que trate de redefinição
de atribuição de membro do Ministério Público padece de vício de
inconstitucionalidade formal.
3. Apresentação de nota técnica e remessa de cópia dos autos
ao Procurador-Geral da República.
ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os mem-
bros do Conselho Nacional do Ministério Público, por unanimidade,
aprovar a nota técnica nos termos do voto do Relator, afirmando a
suspeição do Presidente do Colegiado, e remeter cópia dos autos ao
Procurador-Geral da República.
MARCELO FERRA DE CARVALHO
Conselheiro-Relator
ACÓRDÃO DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO N.º
0.00.000.000013/2012-21
RELATOR: LEONARDO HENRIQUE DE CAVALCANTE CAR-
VA L H O
RELATOR PARA O ACÓRDÃO: LUIZ MOREIRA
REQUERENTE: FEDERAÇÃO DE AGRICULTURA E PECUÁRIA
DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL – FAMASUL
ADVOGADO: GUSTAVO PASSARELI DA SILVA OAB/MS Nº
7602
REQUERIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
EMENTA PROCEDIMENTOS DE CONTROLE ADMINISTRATI-
VOS. PRELIMINARES. FALTA DE JUSTA CAUSA. IMPOSSIBI-
LIDADE DE PRODUÇÃO DE EFEITOS CONCRETOS. PRESCRI-
ÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA. RECOMENDAÇÃO. LEGA-
LIDADE DO ATO ATACADO. NÃO CONHECIMENTO.
1. Falta de justa causa. Ainda que houvesse quaisquer má-
culas, o ato atacado encontra-se fulminado pela impossibilidade de
produção de efeitos práticos.
2. Recomendação que preenche seus requisitos legais, resta
impossibilitada aplicação de quaisquer admoestação.
3. Não conhecimento.
ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos os autos, acordam os Con-
selheiros do Conselho Nacional do Ministério Público, por maioria,
pelo não conhecimento do presente Procedimento de Controle Ad-
ministrativo, em decorrência de prescrição da pretensão punitiva, nos
termos do voto do Conselheiro Luiz Moreira, relator para o acor-
dão.
LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR
Conselheiro Nacional do Ministério Público
DECISÕES DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
PP Nº 0.00.000.000723/2013-31
REQUERENTE: JORGE DE MENDONÇA ROCHA (PROCURA-
DOR DE JUSTIÇA MPPA)
RELATOR: CLÁUDIO HENRIQUE PORTELA DO REGODECISÃO
(…) Por todo o exposto, invoco a alínea “b” do art. 43, IX, do
Regimento Interno para arquivar monocraticamente o presente feito.
Intime-se. Publique-se.
CLÁUDIO HENRIQUE PORTELA DO REGO
Conselheiro-Relator
PROCESSO N° 0.00.000.001118/2012-05
ASSUNTO: REPRESENTAÇÃO POR INÉRCIA OU POR EXCES-
SO DE PRAZO – RIEP
RELATOR: CONSELHEIRO ESDRAS DANTAS DE SOUZA
REQUERENTE: ELISIO GONZAGA DA SILVA
REQUERIDO: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
DECISÃO
POR TAIS CONSIDERAÇÕES, determino o arquivamento dos pre-
sentes autos, nos termos do artigo 43, IX, “b”, do RI/CNMP.
ESDRAS DANTAS DE SOUZA
Conselheiro-Relator
REPRESENTAÇÃO POR INÉRCIA OU EXCESSO DE PRAZO Nº
0.00.000.001593/2013-54
RELATOR: CONSELHEIRO LEONARDO HENRIQUE DE CA-
VALCANTE CARVALHO
REQUERENTE: HUMBERTO FARIA UCHÔA
REQUERIDO: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NO ES-
TADO DO PARÁ
DECISÃO
(…) Ante o exposto, mostra-se de rigor o arquivamento da
presente Representação, nos termos do art. 43, X, “b”, do Regimento
Interno deste Conselho Nacional, reconhecendo não ter sido con-
figurada inércia ou excesso de prazo do membro do Ministério Pú-
blico do Trabalho autuante no Estado do Pará.
LEONARDO CARVALHO
Conselheiro-Relator
CORREGEDORIA NACIONAL
DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DECISÃO DE 16 DE JANEIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.001523/2013-04
RECLAMANTE: ANA LÚCIA CARDUCCI GOUVEIA
MANCUSO
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DO MATO GROSSO
Decisão: (…)
Do exposto, ante a inexistência dos requisitos formais para o
recebimento da presente reclamação disciplinar, opino pelo indefe-
rimento liminar do pedido, na forma do artigo 75, caput, do RICNMP,
com o consequente arquivamento dos autos.
Brasília, 16 de janeiro de 2014
CARLOS BRUNO FERREIRA DA SILVA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação supra.
Oficie-se.
Brasília, 16 de janeiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
DECISÃO DE 28 DE JANEIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.001295/2012-83
RECLAMANTE: MAURÍLIO NERIS DE ANDRADE AR-
RUDA
RECLAMADO: MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Decisão: (…)
Pelo exposto, opino no sentido do arquivamento da presente
reclamação, na forma do artigo 77, inciso I, do Regimento Interno do
Conselho Nacional do Ministério Público, visto que os fatos apurados
não configuram infração disciplinar ou ilícito penal.
Brasília, 28 de janeiro de 2014
CARLOS BRUNO FERREIRA DA SILVA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação supra.
Oficie-se.
Brasília, 28 de janeiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério PúblicoDECISÃO DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.001584/2013-63
RECLAMANTE: ABEL RIBEIRO
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Decisão: (…)
Diante do exposto, ante a inexistência dos requisitos formais
para o recebimento da presente reclamação disciplinar, opino pelo
indeferimento liminar do pedido, na forma do artigo 75 do RICNMP,
com o consequente arquivamento dos autos.
Brasília, 28 de janeiro de 2014
ÂNGELO FABIANO FARIAS DA COSTA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho o pronunciamento do membro auxiliar da Correge-
doria Nacional acima realizado, adotando-o como razões de decidir.
Brasília, 4 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
DECISÃO DE 6 DE FEVEREIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.000926/2013-28
RECLAMANTE: CORREGEDORIA NACIONAL DO MI-
NISTÉRIO PÚBLICO
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DO AMAPÁ
Decisão: (…)
Diante do exposto, em razão do decurso do prazo pres-
cricional, sugiro, com base no art. 43, IX, “e”, e no art. 77, I, e, do
Regimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público, o
arquivamento da presente Reclamação Disciplinar em face do Pro-
motor de Justiça.
Brasília, 9 de dezembro de 2013
ÂNGELO FABIANO FARIAS DA COSTA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho o pronunciamento do membro auxiliar da Correge-
doria Nacional acima realizado, adotando-o como razões de decidir.
Cumpra-se.
Brasília, 6 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
DECISÃO DE 7 DE FEVEREIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.000469/2013-71
RECLAMANTE: ABDIEL AFONSO FIGUEIRA E OUTRO
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DE RONDÔNIA
Decisão: (…)
Diante do exposto, sugiro, com base no art. 77, I, do Re-
gimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público, o ar-
quivamento da presente Reclamação Disciplinar em face do Promotor
de Justiça, uma vez que os fatos analisados não constituem infração
disciplinar ou ilícito penal.
Brasília, 10 de janeiro de 2014
ÂNGELO FABIANO FARIAS DA COSTA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho o pronunciamento do membro auxiliar da Correge-
doria Nacional acima realizado, adotando-o como razões de decidir.
Cumpra-se.
Brasília, 7 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
DECISÕES DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.001021/2012-94
RECLAMANTE: LUCIANO DA CONCEIÇÃO AMORIM
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL
Decisão: (…)
Pelas razões ora declinadas, sugiro o arquivamento da pre-
sente Reclamação Disciplinar, com fulcro no art. 77, inciso I, do
Regimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público.
Brasília, 12 de novembro de 2013
CARLOS BRUNO FERREIRA DA SILVA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação de fls. 751/756, nos termos propos-
tos, cujos fundamentos adoto como razões de decidir, para determinar
o arquivamento do presente feito, com fulcro no artigo 77, I, do
R I C N M P.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201456ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Dê-se ciência ao Plenário, à Corregedoria-Geral de origem,
ao reclamante e ao reclamado, nos termos regimentais.
Publique-se,
Registre-se e
Intime-se.
Brasília, 10 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.000419/2012-11
RECLAMANTE: ANA MARIA TENREIRO ARANHA
MOREIRA
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DO PARÁ
Decisão: (…)
Pelas razões acima declinadas, julgo suficiente a atuação
correcional empreendida pela instância local e sugiro o arquivamento
dos autos, com fulcro no art. 77, inciso I, do Regimento Interno do
Conselho Nacional do Ministério Público, ante a inexistência de subs-
trato fático hábil a evidenciar a prática de falta funcional
Brasília, 6 de dezembro de 2013
CARLOS BRUNO FERREIRA DA SILVA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação de fls. 251/256, nos termos propos-
tos, cujos fundamentos adoto como razões de decidir, para determinar
o arquivamento do presente feito, com fulcro no artigo 77, I, do
R I C N M P.
Dê-se ciência ao Plenário, à Corregedoria-Geral de origem,
ao reclamante e aos reclamados, nos termos regimentais.
Publique-se,
Registre-se e
Intime-se.
Brasília, 10 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.000907/2011-30
RECLAMANTE: NICODEMOS CAMPELO BORGES
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DO CEARÁ
Decisão: (…)
Do exposto, opina-se no sentido de se arquivar a Reclamação
Disciplinar, na forma do inciso I do artigo 77 do Regimento Interno
do Conselho Nacional do Ministério Público, visto que ocorreu a sua
perda do objeto.
Brasília, 4 de novembro de 2013
CARLOS BRUNO FERREIRA DA SILVA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação de fls. 838/841, nos termos propos-
tos, cujos fundamentos adoto como razões de decidir, para determinar
o arquivamento do presente feito, com fulcro no artigo 77, I, do
R I C N M P.
Dê-se ciência ao Plenário, à Corregedoria-Geral de origem,
ao reclamante e ao reclamado, nos termos regimentais.
Publique-se,
Registre-se e
Intime-se.
Brasília, 10 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
DECISÃO DE 11 DE FEVEREIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.000577/2013-44
RECLAMANTE: CORREGEDORIA NACIONAL DO MI-
NISTÉRIO PÚBLICO
RECLAMADO: SERVIDOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
Decisão: (…)
Todavia, tendo em vista a falta de atribuição do Conselho
Nacional do Ministério Público para rever processos administrativos
disciplinares contra servidores, não me resta outra alternativa senão
sugerir ao Exmo. Corregedor Nacional o arquivamento da presente
Reclamação Disciplinar, com supedâneo no art. 43, IX, “c”, do Re-
gimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público, com
ciência ao Ministério Público de origem e à reclamada, esperando que
a ilustre acusada passe a tratar com mais urbanidade e respeito todas
as pessoas com que convivem durante seu expediente no Ministério
Público, especialmente aquelas que possuem algum tipo de defi-
ciência.
Brasília, 31 de janeiro de 2014
ÂNGELO FABIANO FARIAS DA COSTA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho o pronunciamento do membro auxiliar da Corre-
gedoria Nacional acima realizado, adotando-o como razões de de-
c i d i r.
Brasília, 11 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério PúblicoDECISÕES DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.001516/2009-18
RECLAMANTE: CORREGEDORIA NACIONAL DO MI-
NISTÉRIO PÚBLICO
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DE SÃO PAULO
Decisão: (…)
Diante do exposto, sugiro, com base no art. 77, I, do Re-
gimento Interno do Conselho Nacional do Ministério Público, o ar-
quivamento da presente Reclamação Disciplinar vez que em todos os
documentos analisados não há quaisquer indícios de prática de in-
fração disciplinar ou ilícito penal por membro do Ministério Público
do Estado de São Paulo.
Brasília, 12 de fevereiro de 2014
ÂNGELO FABIANO FARIAS DA COSTA
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação de fls. 2739/2748, nos termos pro-
postos, cujos fundamentos adoto como razões de decidir, para de-
terminar o arquivamento do presente feito, com fulcro no artigo 77, I,
do RICNMP.
Dê-se ciência ao Plenário, à Corregedoria-Geral de origem,
ao reclamante e ao reclamado, nos termos regimentais.
Publique-se,
Registre-se e
Intime-se.
Brasília, 12 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.001536/2012-94
RECLAMANTE: ROGÉRIO SCHMITT
RECLAMADO: MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO
FEDERAL
Decisão: (…)
Ante o exposto, não havendo a constatação da prática de
falta funcional por integrante do Ministério Público do Estado de São
Paulo, sugere-se, com fundamento no artigo 80, parágrafo único, da
Resolução nº 92/2013 (RICNMP), o arquivamento da presente re-
clamação disciplinar, dada a atuação suficiente do órgão disciplinar
de origem.
É o pronunciamento que se submete à apreciação de Vossa
Excelência.
Brasília, 11 de novembro de 2013
HUMBERTO EDUARDO PUCINELLI
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação de fls. 155/161, nos termos propos-
tos, cujos fundamentos adoto como razões de decidir, para determinar
o arquivamento do presente feito, com fulcro no artigo 130-A, § 3º,
da Constituição Federal c/c o artigo 80, parágrafo único, do
R I C N M P.
Dê-se ciência ao Plenário, à Corregedoria-Geral de origem,
ao reclamante e aos reclamados, nos termos regimentais.
Publique-se,
Registre-se e
Intime-se.
Brasília, 12 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.000047/2014-87
RECLAMANTE: JUSCÉLIA RODRIGUES DA MOTA
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DE GOIÁS
Decisão: (…)
Ante o exposto, não havendo a constatação da prática de
falta funcional por integrantes do Ministério Público do Estado de
Goiás, sugere-se, com fundamento no artigo 77, inciso I, da Re-
solução nº 92/2013 (RICNMP), o arquivamento da presente recla-
mação disciplinar.
É o pronunciamento que se submete à apreciação de Vossa
Excelência.
Brasília, 28 de janeiro de 2014
HUMBERTO EDUARDO PUCINELLI
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação de fl. 666/669, nos termos propostos,
cujos fundamentos adoto como razões de decidir para determinar o
arquivamento do presente feito, com fulcro nos artigos 130-A, § 2º,
da CF e 77, I, do RICNMP.
Dê-se ciência ao Plenário, à Corrregedoria-Geral de origem,
à reclamante e aos reclamados, nos termos regimentais.
Publique-se,
Registre-se, e
Cumpra-se.
Brasília, 12 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério PúblicoRECLAMAÇÃO DISCIPLINAR Nº 0.00.000.000889/2012-77
RECLAMANTE: CORREGEDORIA NACIONAL DO MI-
NISTÉRIO PÚBLICO
RECLAMADO: MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
DO ESTADO DE SÃO PAULO
Decisão: (…)
Ante o exposto, não havendo a constatação da prática de
falta funcional por integrante do Ministério Público do Estado de São
Paulo, sugere-se, com fundamento no artigo 80, parágrafo único, da
Resolução nº 92/2013 (RICNMP), o arquivamento da presente re-
clamação disciplinar, dada a atuação suficiente do órgão disciplinar
de origem.
É o pronunciamento que se submete à apreciação de Vossa
Excelência.
Brasília, 4 de novembro de 2013
HUMBERTO EDUARDO PUCINELLI
Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional
Acolho a manifestação de fls. 183/190, nos termos propos-
tos, cujos fundamentos adoto como razões de decidir, para determinar
o arquivamento do presente feito, com fulcro no artigo 130-A, § 3º,
da Constituição Federal c/c o artigo 80, parágrafo único, do
R I C N M P.
Dê-se ciência ao Plenário, à Corregedoria-Geral de origem e
ao reclamado, nos termos regimentais.
Publique-se,
Registre-se e
Intime-se.
Brasília, 12 de fevereiro de 2014
ALESSANDRO TRAMUJAS ASSAD
Corregedor Nacional do Ministério Público
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
S E C R E TA R I A – G E R A L
DECISÃO DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014
Processo Administrativo nº
Z1.00.000.0015572/2013-61. INTERESSA-
DO: RCC Comércio de Materiais de Constru-
ção Ltda. ASSUNTO: Aplicação de Penalida-
de Administrativa. Recurso Administrativo.
Acolhendo a manifestação da Assessoria Jurídica Adminis-
trativa desta Secretaria Geral, e no uso da atribuição prevista no art.
23, inc. X, do Regimento Interno do Ministério Público Federal,
conheço do presente Recurso Hierárquico e, no mérito, nego-lhe pro-
vimento, mantendo integralmente a decisão à fl. 120, que aplicou a
multa moratória no valor R$ 142,90, correspondente a 10% (dez por
cento) da Nota de Empenho, à empresa RCC Comércio de Materiais
de Construção Ltda.
Publique-se. Comunique-se. Registre-se.
À Secretaria de Administração para providências e posterior
arquivamento.
LAURO PINTO CARDOSO NETO
Secretário-Geral
MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO
PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO
DA 1ª REGIÃO
PORTARIA Nº 38, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
O PROCURADOR DO TRABALHO, que esta subscreve, no
uso de suas atribuições legais,
Considerando o teor dos fatos relatados na Noticia de Fato nº
000081.2014.01.006/9-601, instaurada em face da potencialidade da
lesão, que envolve em abstrato lesão coletiva de frustração coletiva de
direitos rescisórios, com fraude nos pedidos de demissão.
Considerando o disposto nos arts. 127 e 129 da Constituição
da República, art. 6º, VII e 84, III, da Lei Complementar nº 75/93 e
art. 8º, §1º da Lei nº 7347/85, que atribuem ao Ministério Público do
Trabalho a defesa dos interesses difusos, coletivos, sociais e indi-
viduais indisponíveis, bem como a possibilidade de instauração de
Inquérito Civil, resolve:
Instaurar o Inquérito Civil nº 000081.2014.01.006/9-601 em
face de:
TRANSLAR SERVIÇOS HOSPITALARES E AUXILIA-
RES LTDA, CNPJ n.º 36.103.414/0001-93 , com sede na Rua da
Conceição, 105 – sl. 206 – Centro – Niterói – RJ
Presidirá o inquérito o Procurador do Trabalho infrafirmado,
que poderá ser secretariado pela servidora Adolúcia Castro de Oli-
veira Chernicharo, Técnico Administrativo.
PATRICK MAIA MERÍSIO
Ministério Público da União.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201457ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO
DA 20ª REGIÃO
PORTARIA Nº 185, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014
O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO – Procuradoria
Regional do Trabalho da 20ª Região, pelo Procurador do Trabalho ao
final assinado, no uso de suas atribuições institucionais e ao amparo
dos artigos 127 e 129, inciso III, da Constituição da República de
1988, artigos 6º, inciso VII, “d”, e 84, inciso II, da Lei Complementar
n.º 75/93 e artigo 8º, § 1º, da Lei n.º 7.347/85;
Considerando o procedimento 00008.2014.20.001/3 instau-
rado a partir de notícia de fato com identidade mantida sob sigilo,
tendo como objeto o Tema: Jornada Extraordinária em desacordo com
a Lei;
Considerando que a Constituição da República atribui ao
Ministério Público a defesa da ordem jurídica, do regime democrático
e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, estabelecendo
que, dentre outras, é sua função institucional promover o inquéritocivil público e a ação civil pública para a proteção do patrimônio
público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e
coletivos (art. 127, caput, e 129, inciso III, da Constituição da Re-
pública de 1988);
Considerando que ao Ministério Público do Trabalho com-
pete instaurar inquérito civil e outros procedimentos administrativos,
sempre que cabíveis, para assegurar a observância dos direitos sociais
dos trabalhadores (art. 84, inciso II, da Lei Complementar n.º 75/93),
promovendo a ação civil pública no âmbito da Justiça do Trabalho,
para a defesa de interesses coletivos, quando desrespeitados os di-
reitos sociais constitucionalmente garantidos (art. 83, inciso III, da
Lei Complementar n.º 75/93);Considerando a necessidade de apurar os fatos noticiados e a
eventual ocorrência de lesão a direitos metaindividuais, resolve:
I – Instaurar INQUÉRITO CIVIL em face da empresa JSL –
Joalheria São Luís., tendo por objeto a apuração dos fatos em toda a
sua extensão e a busca de soluções administrativas ou de elementos
para a propositura das medidas judiciais que se fizerem necessárias,
visando à defesa da ordem jurídica e à proteção dos interesses que ao
Ministério Público do Trabalho incumbe resguardar;
II – Determinar a formação dos autos de INQUÉRITO CIVIL
com a juntada desta Portaria e das peças que compõe o Procedimento
00008.2014.20.0001/3;
III – Determinar a publicação desta Portaria no quadro de
avisos desta Procuradoria Regional do Trabalho e na imprensa ofi-
cial;
IV – Determinar o cumprimento das demais diligências con-
tidas no despacho de fls.07/08.
ADSON SOUZA DO NASCIMENTO
PORTARIA Nº 51, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014
Publica demonstrativo dos saldos das autorizações para admissão de pessoal.
O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso das atribuições legais e
regimentais,
considerando o que dispõe o art. 80, § 4º, da Lei nº 12.919, de 24 de dezembro de 2013,
publicada no Diário Oficial da União de 26 de dezembro de 2013; e
considerando as informações constantes do processo nº TC-003.272/2014-1, resolve:
Art. 1º O demonstrativo dos saldos das autorizações para admissão de pessoal é o constante do
Anexo Único desta Portaria.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
JOÃO AUGUSTO RIBEIRO NARDES
ANEXO ÚNICO
Demonstrativo dos saldos das autorizações para admissão de pessoal
(artigo 80, § 4º da Lei nº 12.919, de 24 de dezembro de 2013 – LDO 2014)
C a rg o s 2013 2014 provimentos previs-
tos para 2014
autorizado provido a prover autorizado a proverMinistro-Substituto do TCU 102 * 0 59 65 65 124Procurador do Ministério Público
junto ao TCU0
Auditor Federal de Controle Ex-
terno8
Técnico Federal de Controle Ex-
terno30
Auxiliar de Controle Externo 0Oficial de Gabinete – Natureza
Especial1
Assistente de Gabinete – Nature-
za Especial4
* Inclui duas vagas de cargos em comissão criadas pela Lei nº 12.811, de 16 de maio de 2013.
PLENÁRIO
ATA Nº 4, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
(Sessão Extraordinária Reservada)
Presidente: Ministro Aroldo Cedraz
Representante do Ministério Público: Procurador-Geral, em exercício, Dr. Lucas Rocha Furtado
Secretário das Sessões: AUFC Luiz Henrique Pochyly da Costa
Subsecretária do Plenário: AUFC Marcia Paula Sartori
Às 18 horas e 7 minutos, a Presidência declarou aberta a sessão ordinária do Plenário, com a
presença dos Ministros Valmir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Raimundo
Carreiro e José Múcio Monteiro, dos Ministros-Substitutos Augusto Sherman Cavalcanti, André Luís de
Carvalho e Weder de Oliveira (convocado para substituir a Ministra Ana Arraes) e do Representante do
Ministério Público, Procurador-Geral, em exercício, Dr. Lucas Rocha Furtado. Ausentes, em férias, a
Ministra Ana Arraes e o Ministro-Substituto Marcos Bemquerer Costa e, com causa justificada, o
Ministro José Jorge.
HOMOLOGAÇÃO DE ATA
O Tribunal Pleno homologou a Ata nº 3, da Sessão Extraordinária Reservada realizada em 5 de
fevereiro (Regimento Interno, artigo 101).
COMUNICAÇÃO DO MINISTRO VALMIR CAMPELO
A propósito da questão levantada pelo Ministro Valmir Campelo acerca de acesso ao sistema
eletrônico de processo do TCU, a Presidência determinou a remessa da matéria à Consultoria Jurídica,
para análise.
O inteiro teor da comunicação consta do Anexo III desta Ata, que será arquivado na Secretaria
das Sessões.
PROCESSO TRANSFERIDO DA PAUTA DA SESSÃO ORDINÁRIA
Foi transferido da pauta da sessão ordinária realizada nesta data o processo nº TC-
008.657/2013-0, cujo relator é o Ministro Valmir Campelo.PROCESSO EXCLUÍDO DE PAUTA
O processo nº TC-016.945/2013-1, cujo relator é o Ministro-Substituto Augusto Sherman
Cavalcanti, foi excluído de pauta.
PROCESSOS APRECIADOS POR RELAÇÃO
O Tribunal Pleno aprovou a relação de processos apresentada pelo relator e proferiu o seguinte
acórdão:
Acórdão nº 294, adotado no processo nº TC-033.354/2013-8, constante da Relação nº 5 do
Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti;
Acórdão nº 295, adotado no processo nº TC-033.464/2011-8, constante da Relação nº 6 do
Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti;
Acórdão nº 296, adotado no processo nº TC-006.821/2013-8, constante da Relação nº 5 do
Ministro-Substituto André Luís de Carvalho; e
Acórdão nº 297, adotado no processo nº TC-013.093/2004-0, constante da Relação nº 5 do
Ministro-Substituto André Luís de Carvalho.
PROCESSOS APRECIADOS DE FORMA UNITÁRIA
Por meio de apreciação unitária, o Plenário examinou os processos listados a seguir e aprovou
os seguintes acórdãos:
Acórdão nº 298, adotado no processo nº TC-015.944/2011-5, cujo relator é o Ministro José
Múcio Monteiro;
Acórdão nº 299, adotado no processo nº TC-008.657/2013-0, cujo relator é o Ministro Valmir
Campelo;
Acórdão nº 300, adotado no processo nº TC-012.272/2013-2, cujo relator é o Ministro Valmir
Campelo;
Acórdão nº 301, adotado no processo nº TC-018.345/2013-1, cujo relator é o Ministro Valmir
Campelo;
Acórdão nº 302, adotado no processo nº TC-019.888/2003-2, cujo relator é o Ministro-Subs-
tituto André Luís de Carvalho; e
Acórdão nº 303, adotado no processo nº TC-031.412/2013-0, cujo relator é o Ministro Aroldo
Cedraz.
ACOMPANHAMENTO DE JULGAMENTO DE PROCESSO
No julgamento do processo nº TC-015.944/2011-5, nos termos do art. 168, § 6º, do Regimento
Interno, foi autorizada a presença na Sala das Sessões do Dr. Igor Fellipe Araújo de Sousa, procurador
do Consórcio HAZTEC/SERVENG/MANA, bem como da Dra. Gabriela Dellacasa Stuckert, repre-
sentante da Petrobras.
LEVANTAMENTO DE SIGILO DE PROCESSOS
Em razão do levantamento de sigilo dos respectivos processos, tornaram-se públicos os acór-
dãos nºs 294 e 299, a seguir transcritos.
RELAÇÃO Nº 5/2014 – Plenário
Relator – Ministro-Substituto AUGUSTO SHERMAN CAVALCANTI
ACÓRDÃO Nº 294/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em Sessão de Plenário, quanto ao
processo a seguir relacionado, com fundamento nos arts. 1º, inciso XVI, da Lei 8.443/92, c/c arts. 1º,
inciso XXIV, 15, inciso I, alínea “p”, 143, inciso V, alínea “a”, 234, 235, 236, §1º, todos do Regimento
Interno, ACORDAM, por unanimidade, em indeferir o pedido de medida cautelar formulado pelo
denunciante, ante a ausência dos pressupostos necessários à adoção da medida, considerar a presente
denúncia improcedente, retirar a chancela de sigilo com relação ao seu objeto, comunicar ao denunciante
e ao conselho federal acerca desta deliberação e arquivar o processo, em sintonia com o parecer da
unidade técnica (peças 3 a 6), sem prejuízo de o Tribunal vir a analisar a matéria novamente em processo
distinto caso presentes elementos que justifiquem a medida.
1. Processo TC-033.354/2013-8 (DENÚNCIA)
1.1. Responsável: Identidade preservada (art. 55, caput, da Lei n. 8.443/1992)
1.2. Interessado: Identidade preservada (art. 55, caput, da Lei n. 8.443/1992)
1.3. Órgão/Entidade: Conselho Federal de Fonoaudiologia
1.4. Relator: Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti
1.5. Representante do Ministério Público: não atuou
1.6. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo de Aquisições Logísticas (Selog).
1.7. Advogado constituído nos autos: não há.
1.8. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
Tribunal de Contas da União.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201458ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Extraordinária de Caráter Re-
servado
ACÓRDÃO Nº 299/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 008.657/2013-0.
2. Grupo I – Classe de Assunto: V
3. Interessado: Tribunal de Contas da União
4. Entidade: Telecomunicações Brasileiras S.A.
5. Relator: Ministro Valmir Campelo.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Deses-
tatização e Regulação de Energia e Comunicações (SefidEnergia).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos este levantamento de au-
ditoria constituído para examinar as ações a cargo da Telebrás para
adimplemento das obrigações instituídas pelo Governo Federal, na
área de telecomunicações, necessárias à organização da Copa do
Mundo de 2014, como ainda identificar pontos de controle a serem
considerados pelo TCU em suas fiscalizações.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão Extraordinária do Plenário de caráter reservado,
ante as razões expostas pelo Relator, em:
9.1 autorizar a autuação de processo de acompanhamento, a
fim de verificar o andamento dos projetos selecionados como prio-
ritários, assim considerados de acordo com os pontos de controle
identificados à peça 37 destes autos, com base no art. 241 do Re-
gimento Interno do TCU;
9.2. determinar à Telebrás, com base no art. 250, inciso II, do
Regimento Interno do TCU, que, no prazo de 30 (trinta) dias, a contar
da ciência:
9.2.1. disponibilize no Porta da Transparência da Copa do
Mundo de 2014, de forma atualizada, dados orçamentários e de exe-
cução dos projetos para o Mundial de Futebol em que constem, pelo
menos, recursos de cada contrato que são comuns ao Plano Nacional
de Banda Larga (PNBL) e à Copa do Mundo, e recursos exclusivos
para o megaevento, conforme o Decreto 7.034/2009;
9.2.2. apresente ao Tribunal dados que evidenciem a evo-
lução da alocação/execução dos recursos a ela destinados para a Copa
do Mundo, ainda que também sejam relativos à implementação de
ações do PNBL sob sua responsabilidade, discriminando-os, por
exemplo, por contrato ou cidade-sede;
9.3. recomendar ao Ministério das Comunicações, com base
no art. 250, inciso III, do Regimento Interno do TCU, que a con-
tratação de empresa que prestará os serviços de transporte de dados
necessários à transmissão de áudio e vídeo para a Copa do Mundo de
2014 seja providenciada em prazo que permita à contratada estru-
turar-se para a prestação dos serviços de acordo com os requisitos
estabelecidos pela FIFA;
9.4. recomendar à Telebrás, com base no art. 250, inciso III,
do Regimento Interno do TCU, que adote procedimento para dar
maior transparência da sua participação na Copa do Mundo de 2014,
como criar uma seção específica no seu sítio eletrônico ou adotar
outro mecanismo de controle social, em que se registrem e se atua-
lizem, pelo menos com base mensal, os recursos que estão sendo
efetivamente alocados e despendidos, agregando-os por cidade-sede
ou globalmente, conforme a natureza do dispêndio, bem como re-
gistrar valores ou ordem de valores que não serão desembolsados,
conforme a proposta orçamentária inicial, como consequência de
acordos de compartilhamento de infraestrutura ou outros;
9.5. recomendar ao Ministério do Esporte, como coordenador
do Grupo Executivo da Copa do Mundo FIFA 2014 (Gecopa), com
base no art. 250, inciso III, do Regimento Interno do TCU, que:
9.5.1. avalie e atualize as ações, valores e prazos relativos às
ações relativas a Telecomunicações, especialmente às sob respon-
sabilidade da Telebrás, inclusas na matriz de responsabilidades para a
Copa do Mundo de 2014;
9.5.2. adote iniciativas para melhorar a coordenação e a troca
de informações estratégicas entre os entes envolvidos na implemen-
tação da infraestrutura de telecomunicações para os grandes eventos,
e na execução dos serviços associados, de modo a evitar ou mi-
nimizar as principais dificuldades identificadas no relatório acostado à
peça 38;
9.6. dar ciência ao Ministério do Esporte e ao Ministério das
Comunicações das dificuldades com que tem se deparado a Telebrás,
a exemplo das elencadas no Anexo II do relatório de auditoria e, em
especial, daquelas já verificadas nas cidades-sede da Copa das Con-
federações, como atraso na conclusão das salas de comunicações,
obstáculos nas negociações de compartilhamento de infraestruturas e
problemas de fornecimento de energia, com risco de se repetirem nas
demais cidades-sede da Copa;
9.7. levantar o sigilo do presente processo, mantendo, to-
davia, o sigilo das peças já classificadas nos autos como tal;
9.8. encaminhar cópia desta deliberação, acompanhado do
relatório e do voto que a fundamentam, como ainda do relatório
acostado à peça 38 destes autos, atentando para o caráter reservado
desses documentos:
9.8.1. ao Ministério do Esporte;
9.8.2. ao Ministério das Comunicações;
9.8.3. à Telebrás;
9.8.4. ao Coordenador do Grupo de Trabalho “Copa do Mun-
do” da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público
Federal;
9.8.5. ao Presidente da Comissão de Turismo e Desporto da
Câmara dos Deputados; ao Presidente da Comissão de Fiscalização
Financeira e Controle da Câmara dos Deputados; e ao Presidente da
Comissão do Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e
Controle do Senado Federal;9.9. arquivar os presentes autos.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Extraordinária de Caráter
Reservado.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0299-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Aroldo Cedraz (na Presidência),
Valmir Campelo (Relator), Benjamin Zymler e Raimundo Carreiro.
13.2. Ministros-Substitutos convocados: André Luís de Car-
valho e Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: Augusto Sherman Caval-
canti.
O Acórdão nº 299, apreciado de forma unitária, consta tam-
bém do Anexo I desta Ata, juntamente com o relatório e voto em que
se fundamentou. O referido anexo, de acordo com a Resolução nº
184/2005, está publicado na página do Tribunal de Contas da União
na internet.
Os acórdãos relativos aos processos em que foi mantido o
sigilo constam do Anexo II desta Ata, que será arquivado na Se-
cretaria das Sessões.
E N C E R R A M E N TO
Às 18 horas e 42 minutos, a Presidência encerrou a sessão,
da qual foi lavrada esta ata, a ser aprovada pelo Presidente e ho-
mologada pelo Plenário.
MARCIA PAULA SARTORI
Subsecretária do Plenário
Aprovada em 19 de fevereiro de 2014.
JOÃO AUGUSTO RIBEIRO NARDES
Presidente
ATA Nº 4, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014
(Sessão Ordinária)
Presidente: Ministro João Augusto Ribeiro Nardes
Representante do Ministério Público: Procurador-Geral, em exercício,
Dr. Lucas Rocha Furtado
Secretário das Sessões: AUFC Luiz Henrique Pochyly da Costa
Subsecretária do Plenário: AUFC Marcia Paula Sartori
À hora regimental, a Presidência declarou aberta a sessão
ordinária do Plenário, com a presença dos Ministros Valmir Campelo,
Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Rai-
mundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Monteiro, dos Ministros-
Substitutos Augusto Sherman Cavalcanti, André Luís de Carvalho e
Weder de Oliveira (convocado para substituir a Ministra Ana Arraes)
e do Representante do Ministério Público, Procurador-Geral, em exer-
cício, Dr. Lucas Rocha Furtado. Ausentes, em férias, a Ministra Ana
Arraes e o Ministro-Substituto Marcos Bemquerer Costa.
HOMOLOGAÇÃO DE ATA
O Tribunal Pleno homologou a Ata nº 3, referente à sessão
extraordinária realizada em 5 de fevereiro (Regimento Interno, artigo
101).
PUBLICAÇÃO DA ATA NA INTERNET
Os anexos desta ata, de acordo com a Resolução nº
184/2005, estão publicados na página do Tribunal de Contas da União
na Internet (www.tcu.gov.br).
QUESTÃO DE ORDEM (v. inteiro teor no Anexo I a esta
Ata)
Questão de Ordem, apresentada pelo Presidência e aprovada
pelo Plenário, propondo sorteio de um único relator para os processos
nªs TC-012.829/2003-0, TC-009.514/2010-4, TC-012.778/2010-9,
TC-017.184/2010-0, TC-010.799/2010-9 e TC-003.643/2012-3, da
Companhia Brasileira de Trens Urbanos – CBTU, em razão da exis-
tência de matéria conexa entre eles.
COMUNICAÇÕES (v. inteiro teor no Anexo I a esta Ata)
Da Presidência:
Convocação de Sessão Extraordinária para o dia 26 de fe-
vereiro, às 10 horas, em substituição à Sessão Ordinária da mesma
data.
Do Ministro José Jorge:
Proposta, aprovada pelo Plenário, de determinar à Secex-
Saúde que proceda à análise do documento denominado Contrato
Individual para la Prestación de Servicios Profesionales y Tecnicos
em el Exterior, no âmbito do Programa Mais Médicos.MEDIDA CAUTELAR CONCEDIDA (v. inteiro teor no
Anexo II a esta Ata)
O Plenário referendou, nos termos do disposto no § 1º do art.
276 do Regimento Interno deste Tribunal, a concessão da medida
cautelar exarada no processo nº TC-001.203/2014-2, pelo Ministro
Walton Alencar Rodrigues, para que a Secretaria de Estado da Saúde
do Distrito Federal se abstenha de utilizar recursos federais no pa-
gamento de serviços realizados com base nos contratos 241, 242 e
2 4 3 / 2 0 1 3 – S E S / D F.
SORTEIO ELETRÔNICO DE RELATOR DE PROCES-
SOS
De acordo com o parágrafo único do artigo 28 do Regimento
Interno e nos termos da Portaria da Presidência nº 9/2011, entre os
dias 5 e 11 de fevereiro, foi realizado sorteio eletrônico dos seguintes
processos:
Processo: 015.816/2009-4
Interessado: AUDITAR/UNIÃO DOS AUDIT. FED. DE
CONTR. EXT.
Motivo do sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Tipo do sorteio: Sorteio de Relator de Processos – Plenário
Relator sorteado: Ministro ANA ARRAES
Processo: 011.806/1999-0
Interessado: TRT-15ª REGIÃO – CAMPINAS – SP
Motivo do sorteio: Pedido de Reexame (Acórdão)
Tipo do sorteio: Sorteio de Relator de Processos – 2a. Câ-
mara
Relator sorteado: Ministro RAIMUNDO CARREIRO
Processo: 020.370/2009-2
Interessado: Não há
Motivo do sorteio: Revisão de ofício – questão de ordem –
Ata 33/2006-P
Tipo do sorteio: Sorteio de Relator de Processos – 1a. Câ-
mara
Relator sorteado: Ministro BENJAMIN ZYMLER
Processo: 031.203/2011-6
Interessado: Não há
Motivo do sorteio: Impedimento – Art. 111 e 151, inciso II
do R.I.
Tipo do sorteio: Sorteio de Relator de Processos – Plenário
Relator sorteado: Ministro BENJAMIN ZYMLER
Recurso: 007.498/2008-5/R001
Recorrente: Pedro Thadeu Miranda de Argollo Pereira
Motivo do sorteio: Recurso de reconsideração
Relator sorteado: AROLDO CEDRAZ
Recurso: 007.498/2008-5/R002
Recorrente: MESTRA LTDA.
Motivo do sorteio: Recurso de reconsideração
Relator sorteado: AROLDO CEDRAZ
Recurso: 007.498/2008-5/R003
Recorrente: Sergio Ramos dos Santos
Motivo do sorteio: Recurso de reconsideração
Relator sorteado: AROLDO CEDRAZ
Recurso: 017.038/2012-0/R001
Recorrente: HÉLIO PALHARES DINIZ
Motivo do sorteio: Pedido de reexame
Relator sorteado: JOSÉ MÚCIO MONTEIRO
Recurso: 041.780/2012-4/R001
Recorrente: Leonardo Santos Silva
Motivo do sorteio: Pedido de reexame
Relator sorteado: WALTON ALENCAR RODRIGUES
Recurso: 022.635/2013-0/R001
Recorrente: SANTANA LUZIA DE LIMA BEZERRA
Motivo do sorteio: Pedido de reexame
Relator sorteado: ANA ARRAES
SUSTENTAÇÕES ORAIS
Na apreciação do processo nº TC-005.013/2002-8, cujo re-
lator é o Ministro Raimundo Carreiro, o Dr. André Luís Santos Meira
produziu sustentação oral em nome do Estado de Sergipe.
Na apreciação do processo nº TC-011.512/2010-5, cujo re-
lator é o Ministro-Substituto André Luís de Carvalho, o Dr. Leonardo
Oliveira Silva produziu sustentação oral em nome da empresa Delta
Construções S/A.
PROSSEGUIMENTO DE VOTAÇÃO
Na oportunidade do prosseguimento de votação do processo
nº TC-031.086/2013-6 (Ata nº 1/2014), cujo relator é o Ministro
Walton Alencar Rodrigues e o 1º revisor, o Ministro José Jorge, o
Ministro Aroldo Cedraz pediu vista do processo. Após consultar os
autos, o 2º revisor declarou-se apto a votar nesta mesma sessão, nos
termos do § 3º do art. 119 do Regimento Interno. O Tribunal aprovou
por unanimidade o Acórdão nº .
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201459ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
ATOS NORMATIVOS APROVADOS (Anexo III a esta
Ata)
DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 135/2014 – “Altera a re-
dação do § 1º do art. 7º e a relação das unidades do Ministério das
Comunicações e do Comando da Marinha constante no Anexo I da
Decisão Normativa TCU n.º 132, de 02 de outubro de 2013.”
DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 136/2014 – “Aprova, para
o exercício de 2014, os percentuais individuais de participação dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios brasileiros nos recursos
previstos no art. 159, inciso III e § 4º, da Constituição Federal (Cide-
Combustíveis).”
PROCESSO TRANSFERIDO PARA A PAUTA DA SES-
SÃO EXTRAORDINÁRIA RESERVADA
Foi transferido para a pauta da sessão extraordinária rea-
lizada nesta data o processo nº TC-008.657/2013-0, cujo relator é o
Ministro Valmir Campelo.
PEDIDOS DE VISTA
Com base no artigo 112 do Regimento Interno, foi adiada a
discussão dos processos nºs TC-013.812/1993-9, TC-018.618/1994-4
e TC-016.851/2003-9, cujo relator é o Ministro Aroldo Cedraz e o 1º
revisor, o Ministro Valmir Campelo, em função de pedido de vista
formulado pelo Ministro Benjamin Zymler. Por esta razão, os Drs.
René Rocha Filho e Walter Costa Porto não produziram as sus-
tentações orais que haviam requerido.
Com base no artigo 119 do Regimento Interno, foi suspensa
a votação do processo nº TC-046.820/2012-4, cujo relator é o Mi-
nistro José Múcio Monteiro, em função de pedido de vista formulado
pelo Ministro Raimundo Carreiro. Já votou o relator, cujo relatório,
voto e minuta de Acórdão constam do Anexo V desta Ata.
Com base nos artigos 119 c/c 129 do Regimento Interno, o
Ministro Raimundo Carreiro pediu o reexame e vista dos processos
nºs TC-015.772/2012-8, TC-016.825/2012-8 e TC-016.926/2012-9,
cujo relator é o Ministro José Jorge. O relator votou no sentido de
conhecer dos recursos administrativos e negar-lhes provimento, no
que foi acompanhado pelos Ministros Valmir Campelo, Walton Alen-
car Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz e José Múcio Mon-
teiro e pelo Ministro-Substituto Weder de Oliveira. Os relatórios,
votos e minutas de Acórdão constam do Anexo V desta Ata.
PROCESSOS EXCLUÍDOS DE PAUTA
Foram excluídos de pauta os processos de nºs:
TC-032.477/2013-9, cujo relator é o Ministro Valmir Cam-
pelo;
TC-004.179/2011-0 e TC-007.702/2005-6, cujo relator é o
Ministro Benjamin Zymler;
TC-017.576/2011-3, cujo relator é o Ministro Raimundo Car-
reiro;
TC-012.687/2013-8, cuja relatora é a Ministra Ana Arraes;
TC-023.312/2011-4, cujo relator é o Ministro-Substituto Au-
gusto Sherman Cavalcanti;
TC-021.717/2013-3, cujo relator é o Ministro-Substituto An-
dré Luís de Carvalho.
PROCESSOS APRECIADOS POR RELAÇÃO
O Tribunal Pleno aprovou as relações de processos a seguir
transcritas e proferiu os Acórdãos de nºs 226 a 248.
RELAÇÃO Nº 5/2014 – Plenário
Relator – Ministro WALTON ALENCAR RODRIGUES
ACÓRDÃO Nº 226/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão do Plenário, e tendo em vista o requerimento de Ellen de
Fátima Sampaio (doc. 67), nos autos de recurso de revisão, interposto
pelo Ministério Público junto ao TCU, contra o Acórdão 1614/2006 –
TCU – 2ª Câmara, em processo de tomada de contas do Fundo
Nacional de Assistência Social (FNAS), relativa ao exercício de
2003;
Considerando que o Plenário deste Tribunal, ao conhecer e
dar provimento ao recurso de revisão, por meio do Acórdão
1596/2013, aplicou multa individual à requerente e a outros res-
ponsáveis;
Considerando que a requerente solicita a suspensão da co-
brança da multa individual aplicada pelo Acórdão 1596/2013 – TCU
– Plenário, sem caracterizar o expediente como recurso, sem indicar
qualquer das modalidades recursais previstas na Lei Orgânica do
TCU, e sem manifestar intenção em alterar qualquer decisão do
Tribunal, em evidente inobservância ao princípio da voluntariedade
recursal;
Considerando inadequada a adoção do princípio da fungi-
bilidade para admitir o pedido como recurso, tendo em vista a pos-
sibilidade de prejuízo à parte, uma vez que o princípio da con-
sumação impossibilitaria a apresentação de novo recurso, caso ainda
cabível;
ACORDAM, à semelhança do Acórdão 911/2011 – TCU –
Plenário, por unanimidade, em receber o presente expediente como
mera petição, negando-lhe seguimento, e dar ciência à requerente do
teor deste Acórdão.1. Processo TC-005.857/2004-2 (TOMADA DE CONTAS –
Exercício: 2003)
1.1. Apensos: 005.907/2009-7 (Tomada de Contas Especial);
000.157/2003-3 (Representação)
1.2. Responsáveis: Antonio Jose Goncalves Henriques
(755.501.137-91); Cicera Bezerra de Morais (223.459.221-68); Ciro
Cormack Junior (515.014.737-00); Claudio da Rocha Roquete
(664.196.977-00); Eliel Ferreira Pires (646.204.091-20); Ellen de Fá-
tima Sampaio (217.851.986-53); Fundação Getúlio Vargas
(33.641.663/0001-44); Ilza de Fatima Caixeta Salviano (273.728.716-
20); José Menezes Neto (182.714.131-04); José Pereira da Silva ();
Maria Albanita Roberta de Lima (310.987.546-20); Milda Loudes
Pala Moraes (316.758.321-53); Ricardo Manuel dos Santos Henriques
(694.315.587-34); Romeu Rodrigues da Silva (084.571.151-20); The-
rezinha de Jesus Bastos Freitas (422.078.517-53); Tiago Pereira Lima
(055.594.488-34); Wanda Engel Aduan (029.940.387-49)
1.3. Recorrente: Ellen de Fátima Sampaio (217.851.986-53)
1.4. Entidade: Fundo Nacional de Assistência Social; Mi-
nistério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome;
1.5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
1.6. Representante do Ministério Público: Procurador Sergio
Ricardo Costa Caribé
1.7. Unidades técnicas: Secretaria de Recursos (Serur); Se-
cretaria de Controle Externo da Previdência, do Trabalho e da As-
sistência Social (SecexPrevi).
1.8. Advogado constituído nos autos: não há.
1.9. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 227/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão ordinária de Plenário, e considerando o pedido de parce-
lamento de multa formulado pelo Sr. Nelson Goulart Brasileiro da
Conceição, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento nos arts.
143, inciso V, “b”, e 217 do Regimento Interno/TCU, em autorizar o
parcelamento da multa imposta ao responsável, por intermédio do
item 9.5 do Acórdão 2.149/2013 – TCU – Plenário, em 36 (trinta e
seis) parcelas atualizadas monetariamente e acrescidas dos juros de
mora de acordo com a deliberação original, fixando o vencimento da
primeira em 15 (quinze) dias, a contar do recebimento da notificação,
e o das demais, a cada 30 (trinta) dias, na forma prevista na legislação
em vigor, fazer a seguinte determinação e adotar a seguinte medida,
de acordo com o parecer da Secex/MT:
1. Processo TC-010.734/2011-2 (RELATÓRIO DE AUDI-
TO R I A )
1.1. Responsáveis: Adair Jose Alves Moreira (604.418.441-
20); Alberto Duailibi Junior (941.547.241-34); Andre Piloneto Neto
(857.649.491-49); Francisco Holanildo Silva Lima (918.157.201-82);
Jose de Oliveira (587.001.028-49); João Carlos Sá dos Santos
(629.679.671-49); Nelson Goulart Brasileiro da Conceição
(807.576.501-04); Umbelino Alves de Campos (112.367.601-15); Vi-
nicius de Campos Gahyva (835.345.121-20)
1.2. Interessado: Congresso Nacional
1.3. Órgão/Entidade: Prefeitura Municipal de Alto Paraguai –
MT; Superintendência Estadual da Funasa No Estado do Mato Gros-
so
1.4. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
1.5. Representante do Ministério Público: não atuou
1.6. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – MT
(SECEX-MT).
1.7. Advogado constituído nos autos: não há.
1.8. Determinar à Superintendência Regional do DNIT em
Mato Grosso o desconto parcelado na folha de pagamento do servidor
Nelson Goulart Brasileiro da Conceição (CPF 807.576.501-04) em
trinta e seis meses da dívida de R$ 2.500,00, decorrente do item 9.5
do Acórdão 2.149/2013-Plenário, atualizada monetariamente desde a
data da referida decisão até a data do efetivo recolhimento de cada
parcela, em favor dos cofres do Tesouro Nacional, observado o dis-
posto no art. 46 da Lei 8.112/1990 e em consonância com o art. 217
e 219 do Regimento Interno do TCU.
1.9. Medida: comunicar o responsável, Senhor Nelson Gou-
lart Brasileiro da Conceição (CPF 807.576.501-04), de que a falta de
comprovação do recolhimento de qualquer parcela importará no ven-
cimento antecipado do saldo devedor, nos termos do § 2º do art. 217
do Regimento Interno deste Tribunal.
ACÓRDÃO Nº 228/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão ordinária de Plenário, com fundamento no art. 27 da Lei
8.443/1992, e na forma do art. 218 do RI/TCU, ACORDAM, por
unanimidade, em dar quitação ao responsável Sr. Alberto Beltrame
ante o recolhimento integral da multa que lhe foi imputada por meio
do Acórdão 2.221/2012-TCU-Plenário, corrigido por inexatidão ma-
terial pelo Acórdão 2.501/2012-TCU-Plenário, e mantido pelo Acór-
dão 2.685/2013-TCU-Plenário, de acordo com os pareceres emitidos
nos autos
Valor original da multa: R$ 5.000,00Data de origem da mul-
ta: 22/8/2012
Valor recolhido: R$ 5.345,00Data do recolhimento:
4 / 11 / 2 0 1 3
1. Processo TC-006.756/2011-5 (RELATÓRIO DE LEVAN-
TA M E N T O S )
1.1. Responsáveis: Alberto Beltrame (308.910.510-15); Cloer
Vescia Alves (390.161.960-72); Emival Gonçalves de Sousa
(409.916.601-53)1.2. Órgão/Entidade: Ministério da Saúde (vinculador); Se-
cretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal
1.3. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
1.4. Representante do Ministério Público: Procurador Ma-
rinus Eduardo De Vries Marsico
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo da
Saúde (SecexSaude).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 229/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão ordinária de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com
fundamento no art. 1º, inciso I, da Lei nº 8.443/92, c/c os arts. 17,
inciso IV; 143, inciso III; 237, inciso VII, do Regimento Inter-
no/TCU, c/c o art. 113, § 1º, da Lei 8.666/93, em conhecer da
presente representação, para, no mérito, considerá-la improcedente,
indeferir a medida cautelar requerida, por não conter os requisitos de
admissibilidade necessários a sua concessão, adotar a seguinte medida
e arquivar o processo, devendo ser dada ciência desta deliberação à
ABCE – Associação Brasileira de Consultores de Engenharia e ao
Departamento Regional do DNIT no Estado de Mato Grosso, acom-
panhada de cópia da instrução da unidade técnica constante da peça
10.
1. Processo TC-001.358/2014-6 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Órgão/Entidade: Superintendência Regional do Dnit no
Estado do Mato Grosso – Dnit/MT
1.2. Representante: Associação Brasileira de Construções e
Engenharia (ABCE)
1.3. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – MT
(SECEX-MT).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Medida: dar ciência à Superintendência Regional do
Dnit no estado de Mato Grosso que a exigência de patrimônio líquido
mínimo cumulativamente com garantia para assinatura do contrato
(itens 11.7.3 e 15.2.1 do Edital do Pregão 509/2013) contraria o art.
32, §2º, da Lei 8.666/1993, conforme Súmula TCU 275.
ACÓRDÃO Nº 230/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão ordinária de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com
fundamento no art. 1º, inciso I, da Lei 8.443/92, c/c os arts. 17, inciso
IV; 143, inciso III; 237, inciso VII, do Regimento Interno/TCU, c/c o
art. 113, § 1º, da Lei 8.666/93, em conhecer da presente repre-
sentação, para, no mérito, considerá-la improcedente, indeferir a me-
dida cautelar requerida, por não conter os requisitos de admissi-
bilidade necessários a sua concessão, arquivar o processo, devendo
ser dada ciência desta deliberação à empresa EPAVI Segurança Ltda.
e à Superintendência Federal de Agricultura no Rio Grande do Sul,
acompanhada de cópia da instrução da unidade técnica constante da
peça 4.
1. Processo TC-001.489/2014-3 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Interessado: Epavi Segurança Ltda. (10.314.494/0001-
32)
1.2. Órgão/Entidade: Superintendência Federal de Agricul-
tura, Pecuária e Abastecimento No Estado do Rio Grande do Sul
1.3. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RS
(SECEX-RS).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 231/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão ordinária de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com
fundamento nos arts. 143, incisos III e V, “a”, 234, 235 e 250, inciso
II, do Regimento Interno/TCU, em converter os presentes autos em
denúncia, conhecê-la, e no mérito, considerá-la parcialmente pro-
cedente, promovendo-se, em seguida, o apensamento definitivo do
processo ao TC-004.739/2012-4 (Monitoramento), sem prejuízo de
enviar cópia desta deliberação ao denunciante, de acordo com o
parecer da Secex/GO:
1. Processo TC-021.669/2013-9 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Interessado: Secretaria de Controle Externo do TCU/GO
(00.414.607/0007-03)
1.2. Órgão/Entidade: Prefeitura Municipal de Alto Paraíso de
Goiás – GO
1.3. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – GO
(SECEX-GO).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 232/2014 – TCU – Plenário
VISTOS e relacionados estes autos de embargos de decla-
ração opostos por Capricórnio S/A, em face do Acórdão 3.155/2013
– Plenário, que conheceu de representação por ela formulada, para
“considerá-la improcedente, indeferir o pedido de concessão de me-
dida cautelar formulado pela empresa Capricórnio S/A e determinar o
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201460ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
seu arquivamento, dando ciência à representante e à Valec – En-
genharia, Construções e Ferrovias S.A., de acordo com o parecer da
SecobHidro”, em face da ausência de identificação do seu advogado
– nome e número de inscrição na OAB – na pauta e na ata de
julgamento;
Considerando que o autor de denúncia ou representação não
é reconhecido automaticamente como interessado no processo, sendo
necessário, para assumir essa especial condição, demonstrar, de forma
clara e objetiva, razão legítima para intervir no processo, nos termos
do art. 146, § 1º, do Regimento Interno (acórdãos 519/2008 e
3.227/2010, do Plenário);
Considerando que o Regimento Interno exige que o autor de
denúncia ou representação demonstre razão legítima para intervir no
processo, sob pena de indeferimento do pedido ou de não conhe-
cimento do recurso (arts. 144, § 2º, 146, §§ 1º e 2º, e 282);
Considerando que a representante não se desincumbiu desse
mister, na peça apresentada a este Tribunal;
Considerando que simples solicitação para que o advogado
“atue em todas as fases” da representação e seja “intimado de todos
os seus atos” não se presta a suprir a omissão da representante no que
se refere ao dever de demonstrar, de forma clara e objetiva, razão
legítima para intervir no processo;
Considerando que a indicação do nome e do número de
inscrição na OAB do advogado nas pautas e atas das sessões está
adstrita aos profissionais nomeados pelas partes;
Considerando que a omissão, na pauta e na ata, do nome e
do número de inscrição na OAB do advogado da representante, não
habilitada como parte no processo, não enseja nulidade do julga-
mento;
Considerando que a oposição de embargos é faculdade das
partes, não alcançando a representante que não requereu tal habi-
litação;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, com fundamento nos arts. 143, inciso
IV, alínea “a”, e 287 do Regimento Interno em não conhecer dos
presentes embargos de declaração.
1. Processo TC-028.321/2013-8 (Embargos de declaração em
representação)
1.1. Recorrente: Capricornio S/A (60.745.411/0001-38)
1.2. Entidade: Valec Engenharia, Construções e Ferrovias
S/A
1.3. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Relator da deliberação recorrida: Ministro Walton Alen-
car Rodrigues
1.6. Unidade Técnica: não atuou
1.7. Advogado constituído nos autos: Antonio Alberto do
Vale Cerqueira (OAB/DF 15.106)
1.8. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária
RELAÇÃO Nº 5/2014 – Plenário
Relator – Ministro BENJAMIN ZYMLER
ACÓRDÃO Nº 233/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão do Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
no art. 143, V, “d”, do Regimento Interno do TCU e no Enunciado nº
145 da Súmula de Jurisprudência predominante no Tribunal de Con-
tas da União, de acordo com os pareceres emitidos nos autos, em
corrigir, por erro material, o item 9.8 do Acórdão 3.024/2013-Ple-
nário, para, onde se lê “relativo à irregularidade evidenciada no 9º
Termo Aditivo”, leia-se “relativo à irregularidade evidenciada no 9º
Termo Aditivo, com data de ocorrência em 5/12/2002”, mantendo-se
inalterados os demais termos da decisão.
1. Processo TC-019.710/2004-2 (TOMADA DE CONTAS
ESPECIAL)
1.1. Responsáveis: Airson Bezerra Lócio (CPF 000.230.514-
34); Anna Karenina Correia Barra (CPF 855.168.131-15); Construtora
Norberto Odebrecht (CNPJ 15.102.288/0001-02); Eduardo Novais
Borges (CPF 144.211.785-00); Fernando Antônio Freire de Andrade
(CPF 005.662.337-20); Francisco Alfredo Moreira Barra (CPF
150.952.666-87); Guilherme Almeida Gonçalves de Oliveira (CPF
110.870.994-04); Jaques Purim (023.301.727-53); José Ancelmo de
Góis (CPF 039.128.334-00); José Ari Ubarana (CPF 037.854.084-04);
José Carlos Rabelo Ruas (CPF 188.463.356-00); Jp Engenharia Ltda
(CNPJ 44.480.697/0001-10); Jp Meio Ambiente Ltda (CNPJ
42.328.591/0001-70); Marcos Antonio Paraiba Araujo (CPF
000.603.804-20); Orlando Cezar da Costa Castro (CPF 135.259.215-
00); Ramon Gonçalves de Lima (CPF 380.631.826-34); Sergio Au-
gusto Lopes de Parsia (CPF 956.093.346-91); Thiago Lucio Correia
Barra (CPF 939.421.171-34); Wellington Gomes de Oliveira (CPF
111 . 0 3 5 . 1 5 5 – 0 0 )
1.2. Órgão/Entidade: Codevasf – Set. Contábil e Financeira –
Mi; Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e
do Parnaíba
1.3. Relator: Ministro Benjamin Zymler
1.4. Representante do Ministério Público: Procurador Júlio
Marcelo de Oliveira
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo da
Previdência, do Trabalho e da Assistência Social (SecexPrevi).1.6. Advogado constituído nos autos: Walter Costa Porto
(OAB/DF 6.098), Daniele Uchida Campos (OAD/SP 261.303), Ri-
cardo Tosto de Oliveira (OAB/SP 103.650), Rodrigo Jansen (OAB/RJ
111.830) e outros (peças 32, p. 4; 110; 118; e 119).
1.7. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 234/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão do Plenário¸ ACORDAM por unanimidade, com fundamento
nos arts. 143, inciso V, alínea “e”, e 183, parágrafo único, do Re-
gimento Interno/TCU, em:
1. Processo TC-013.716/2012-3 (RELATÓRIO DE AUDI-
TO R I A )
1.1. Órgão/Entidade: Ministério das Relações Exteriores
(vinculador)
1.2. Relator: Ministro Benjamin Zymler
1.3. Representante do Ministério Público: não atuou
1.4. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo do
Desenvolvimento Econômico (SecexDesen).
1.5. Advogado constituído nos autos: não há.
1.6. Determinações/Recomendações/Orientações:
1.6.1. deferir o pedido de prorrogação de prazo efetuado pelo
Ministério das Relações Exteriores de forma que o cumprimento ao
disposto nos subitens 9.1.1. e 9.1.3. do Acórdão 2.054/2013-Plenário
possa ocorrer no prazo adicional de 120 dias, contados do término do
prazo inicialmente concedido.
1.6.2. dar ciência ao requerente do teor deste acórdão.
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária
RELAÇÃO Nº 4/2014 – Plenário
Relator – Ministro AROLDO CEDRAZ
ACÓRDÃO Nº 235/2014 – TCU – Plenário
Os ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
no artigo 143, inciso V, alíneas “e”, do Regimento Interno, em:
1. Processo TC-012.613/2012-6 (RELATÓRIO DE AUDI-
TO R I A )
1.1. Responsável: SPA Engenharia, Indústria e Comércio Lt-
da. e Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A.
1.2. Entidade: Valec Engenharia, Construções e Ferrovias
S.A.
1.3. Relator: Ministro Aroldo Cedraz
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Advogado constituído nos autos: Marcelo Akiyoshi Lou-
reiro (OAB/DF 19.046), José Luiz Ataíde (OAB/DF 11.708), Cássio
Giovanni Maia Pereira (OAB/MG 79.766), Roberto Henrique Couto
Corrieri (OAB/DF 19.071) e André Luiz Melo de Oliveira Carneiro
(OAB/DF 30.).
1.6. Determinações:
1.6.1. considerar prejudicado o pedido de prorrogação de
prazo formulado pela empresa Valec Engenharia, Construções e Fer-
rovias S.A. para atendimento ao Ofício 0260/2013 – TCU/SecobHi-
dro, decorrente de determinações constantes do Acórdão 673/2013 –
TCU – Plenário, tendo em vista as respostas contidas nas peças 82 e
83 dos autos;
1.6.2. deferir o pedido de prorrogação de prazo para aten-
dimento ao Ofício 263/2013 – TCU – SecobHidro, formulado pela
empresa SPA Engenharia Indústria e Comércio S/A, na forma como
solicitado;
1.6.3. reconhecer, como interessados no processo, a Secre-
taria do Programa de Aceleração do Crescimento/MPOG, e fornecer à
solicitante cópia eletrônica das peças 75 e 76 dos autos.
ACÓRDÃO Nº 236/2014 – TCU – Plenário
Os ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
no artigo 143, inciso V, alínea “d”, do Regimento Interno, c/c o
enunciado 145 da Súmula de Jurisprudência predominante do Tri-
bunal, em retificar, por inexatidão material, o Acórdão 3378/2013 –
TCU – Plenário, prolatado na sessão de 4/12/2013, Ata 48/2013,
relativamente ao subitem “9.3.3”, de modo que onde se lê: “Peça 244
do TC 032.632/2013-4”, leia-se: “Peça 242 do TC 012.890/2013-8”,
mantendo-se inalterados os demais termos do acórdão ora retificado,
de acordo com os pareceres emitidos nos autos.
1. Processo TC-032.632/2013-4 (RELATÓRIO DE LEVAN-
TA M E N T O S )
1.1. Interessado: Tribunal de Contas da União
1.2. Unidades: Ministério do Esporte (vinculador), Secretaria
Executiva do Ministério do Esporte, Autoridade Pública O límpica
(APO) e Comitê Organizador dos Jogos O límpicos e Paralímpicos
Rio 2016.5
1.3. Relator: Ministro Aroldo Cedraz
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Advogado constituído nos autos: não há.ACÓRDÃO Nº 237/2014 – TCU – Plenário
Os ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
nos arts. 143, inciso V, alínea “b”, e 217 do Regimento Interno/TCU,
em autorizar o parcelamento da multa imposta aos Srs. Valcir Moreira
Págio (CPF 005.344.357-85) e Wilson Berger Costa (CPF
674.760.907-72), por intermédio do subitem 9.4 do Acórdão
3222/2013 – TCU – 2ª Câmara, em 05 (cinco) parcelas, acrescidas dos
devidos encargos legais, fixando o vencimento da primeira em 15
(quinze) dias, a contar do recebimento da notificação, e o das demais
a cada 30 (trinta) dias, na forma prevista na legislação em vigor,
alertando aos responsáveis de que, conforme disposto no § 2º do art.
217 do Regimento Interno/TCU, a falta do recolhimento de qualquer
parcela importará o vencimento antecipado do saldo devedor, de acor-
do com os pareceres emitidos nos autos.
1. Processo TC-007.644/2012-4 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Responsáveis: Marcos Frizzera Dias (084.442.497-85);
Valcir Moreira Págio (005.344.357-85); Wilson Berger Costa
(674.760.907-72)
1.2. Entidade: Prefeitura de Afonso Cláudio – ES
1.3. Relator: Ministro Aroldo Cedraz
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Advogado constituído nos autos: não há.
ACÓRDÃO Nº 238/2014 – TCU – Plenário
Os ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
nos artigos 27 da Lei 8.443/1992, c/c os artigos 143, inciso V, alínea
“b”, 217 e 218 do Regimento Interno/TCU, em:
1. Processo TC-011.754/2005-9 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Responsáveis: Abdias Guimarães Figueiredo Filho
(067.513.183-91); Carlos Augusto Fortaleza Castro (508.322.713-49);
Construtora Planus Ltda. (05.132.077/0001-39); Cristal Marmore
Granitos Premoldados e Construcao Ltda (01.049.701/0001-88); Do-
mingos do Nascimento Veiga Filho (064.832.083-91); F L – Cons-
trucoes e Comercio Ltda (02.857.864/0001-50); Haroldo Castro Cruz
(235.584.583-20); José de Ribamar Aranha Haickel (064.947.903-30);
Leonísio Lopes da Silva Filho (044.884.403-63); Raimundo Monteiro
dos Santos (124.865.073-53)
1.2. Entidade: Superintendência Regional do Incra no Estado
do Maranhão
1.3. Relator: Ministro Aroldo Cedraz
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Advogado constituído nos autos: não há.
1.6. Determinações:
1.6.1. autorizar o parcelamento da multa imposta Abdias
Guimarães Figueiredo Filho (CPF 067.513.183-91), Carlos Augusto
Fortaleza Castro (CPF 508.322.713-49), Haroldo Castro Cruz (CPF
235.584.583-20), Domingos do Nascimento Veiga Filho
(064.832.083-91) e Raimundo Monteiro dos Santos (124.865.073-53)
por intermédio do subitem 9.2 do Acórdão 2143/2007 – Plenário,
retificado pelo Acórdão 1436/2010-Plenário, em 36 (trinta e seis)
parcelas mensais e sucessivas, acrescidas dos devidos encargos legais,
fixando o vencimento da primeira em 15 (quinze) dias, a contar do
recebimento da notificação e o das demais, a cada 30 (trinta) dias, na
forma prevista na legislação em vigor, alertando aos responsáveis de
que, conforme disposto no § 2º do art. 217 do Regimento Inter-
no/TCU, a falta do recolhimento de qualquer parcela importará o
vencimento antecipado do saldo devedor, de acordo com os pareceres
emitidos nos autos;
1.6.2. dar quitação aos Srs. José de Ribamar Aranha Haickel
(CPF 064.947.903-30) e Leonísio Lopes da Silva filho (CPF
044.884.403-63), ante o recolhimento integral da multa imposta por
intermédio do subitem 9.2 do Acórdão 2143/2007 – TCU – Plenário,
retificado pelo Acórdão 1436/2010 – TCU – Plenário; e
1.6.3. restituir os autos à Secex/MA, para as providências
pertinentes.
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária
RELAÇÃO Nº 3/2014 – Plenário
Relator – Ministro RAIMUNDO CARREIRO
ACÓRDÃO Nº 239/2014 – TCU – Plenário
VISTOS, relacionados e discutidos este Pedido de Reexame
em Relatório de Auditoria, interposto por Agnelo Pacheco Ltda.,
contra o Acórdão 2.188/2007 – Plenário – itens recorridos 9.8.13.2.
Considerando que o presente expediente apelativo já foi ma-
nejado pelo responsável (peça 283) e julgado pelo Acórdão
3367/2010 – Plenário (peça 16, p. 6/7), o que resultou na preclusão
consumativa prevista pelo art. 278, § 3º, do Regimento Interno do
TCU (RI/TCU); e
Considerando o parecer do Ministério Público junto a este
Tr i b u n a l .
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
por unanimidade, com fundamento no art. 38, da Lei 8.443/92 c/c os
arts. 143, III e 2787, § 3º e 4º, do RI/TCU; em:
a) não conhecer o pedido de reexame, em razão da preclusão
consumativa, a teor do disposto nos artigos 278, § 3º e 4º, do Re-
gimento Interno do TCU;
b) enviar os autos à SecexDEsen, para dar ciência às partes
e aos órgãos/entidades interessados do teor deste Acórdão.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201461ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
1. Processo TC-013.141/2005-7 – PEDIDO DE REEXAME
(RELATÓRIO DE AUDITORIA)
1.1. Apensos: 020.071/2012-4 (COBRANÇA EXECUTIVA);
028.938/2008-6 (SOLICITAÇÃO)
1.2. Recorrente: Agnelo Pacheco Ltda (54.779.343/0001-
25)
1.3.Interessados: Ebct Empresa Brasileira de Correios e Te-
légrafos (34.028.316/0007-07); Hélio Ferreira Heringer Junior
(491.913.221-20); Privada (42.914.408/0001-19); Tribunal de Contas
da União
1.4. Unidade: Instituto Brasileiro de Turismo
1.5. Relator: Ministro Raimundo Carreiro
1.6. Representante do Ministério Público: Procurador Ma-
rinus Eduardo De Vries Marsico
1.7.Unidades Técnicas: Secretaria de Recursos (SERUR);
Secretaria de Controle Externo do Desenvolvimento Econômico (Se-
cexDesen).
1.8. Advogados constituídos nos autos: Fernando A. Albino
de Oliveira (OAB/SP 22.998), Adriana Mourão Nogueira (OAB/df
16.718), E OUTROS
ACÓRDÃO Nº 240/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, quanto ao
processo a seguir relacionado, que trata de Cuidam os autos de re-
presentação, com pedido de cautelar, protocolada pela empresa Sta-
catto Indústria e Comércio de Móveis Ltda., contra “decisão de ex-
tremo rigor adotada pela JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU DA 5ª
REGIAO/PE que instaurou o processo administrativo n° 805/2013
proveniente do pregão eletrônico nº 25/2013”, com fundamento nos
arts. 143, inciso III e 237, VII do Regimento Interno/TCU, c/c o art.
113 da Lei 8.666/93, ACORDAM em não conhecer a presente re-
presentação por não atender aos requisitos de admissibilidade pre-
vistos no art. 235 do Regimento Interno do TCU; arquivar o presente
processo, com fundamento no parágrafo único do art. 237, c/c o
parágrafo único do art. 235 do Regimento Interno do TCU; e dar
ciência à representante.
1. Processo TC-000.653/2014-4 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Interessado: Stacatto Indústria e Comércio de Móveis
Ltda. (CNPJ 05.498.012/0001-01)
1.2. Unidade: Justiça Federal de 1ª Grau da 5ª Região
1.3. Relator: Ministro Raimundo Carreiro
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – PE
(SECEX-PE).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária
RELAÇÃO Nº 6/2014 – Plenário
Relator – Ministro JOSÉ JORGE
ACÓRDÃO Nº 241/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União ACORDAM,
por unanimidade, com fundamento no art. 43, inciso I, da Lei nº
8.443/1992, c/c os arts. 143, inciso III, 243, do Regimento Interno, e
art. 42 da Resolução-TCU nº 191/2006, em fazer a determinação
abaixo transcrita, apensar este processo ao TC 007.500/2004-2 e dar
ciência desta deliberação às Centrais Elétricas de Rondônia S.A.:
1. Processo TC-032.827/2011-3 (MONITORAMENTO)
1.1. Interessado: Tribunal de Contas da União – TCU.
1.2. Entidade: Centrais Elétricas de Rondônia S.A. (Ceron) –
Eletrobrás.
1.3. Relator: Ministro José Jorge.
1.4. Representante do Ministério Público: não atuo.u
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RO
(Secex-RO).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Determinar à Controladoria-Geral da União em Ron-
dônia que informe a este Tribunal nas próximas contas das Centrais
Elétricas de Rondônia S.A.:
1.7.1 se a Ceron continua utilizando empregados terceiri-
zados em atividades fins e, em caso afirmativo, as providências ado-
tadas para que o subitem 9.5.4 do Acórdão 591/2008 – Plenário seja
efetivamente cumprido;
1.7.2 se a empresa cumpriu o subitem 9.5.5.1 do Acórdão
591/2008 – Plenário, mediante elaboração de planejamento de ações,
em termos de metas quantitativas, com vistas à substituição dos
empregados terceirizados por concursados;
1.7.3 sobre o resultado dos estudos feitos pela Fundação
COGE para a implantação do Plano de Cargos e Salários da Ceron,
com vistas a cumprir o subitem 9.5.5.2 do Acórdão 591/2008 – Ple-
nário;
1.7.4. sobre o efetivo cumprimento dos subitens 9.5.6 e 9.5.7
do Acórdão 591/2008 – Plenário pela Ceron.
ACÓRDÃO Nº 242/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União ACORDAM,
por unanimidade, com fundamento nos arts. 1º, inciso II, e 43, inciso
I, da Lei nº 8.443/1992, c/c os arts. 1º, inciso XXVI, 17, inciso IV,
143, inciso III, 235, 237, inciso VII, 250, inciso I, 276 do Regimento
Interno, quanto ao processo a seguir relacionado, de acordo com os
pareceres emitidos nos autos, em:a) considerar improcedente a representação adiante relacio-
nada, já conhecida por despacho do Presidente de 19/12/2013;
b) indeferir o pedido de medida cautelar, em face da ausência
dos pressupostos necessários à sua concessão;
c) acolher as razões de justificativas apresentadas pela 15ª
Superintendência da Polícia Rodoviária Federal e pelo Pregoeiro do
Pregão Eletrônico nº 2/2013 da 15ª SPRF;
d) dar ciência desta deliberação ao Ministério Público junto
ao TCU, à 15ª SPRF e à empresa World Center Comércio Importação
e Exportação Ltda.;
e) arquivar os presentes autos:
1. Processo TC-033.384/2013-4 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Representante: Ministério Público junto ao TCU.
1.2. Órgão: 15ª Superintendência Regional de Polícia Ro-
doviária Federal (SPRF/RN).
1.3. Relator: Ministro José Jorge.
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou.
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RN
(Secex-RN).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 243/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União ACORDAM,
por unanimidade, com fundamento nos arts. 113, § 1º, da Lei nº
8.666/1993, c/c os arts. 1º, inciso II, 43, inciso I, da Lei nº
8.443/1992, 1º, inciso XXIV, 17, inciso IV, 143, inciso III, 235, 237,
inciso VII, 250, inciso I, 276, do Regimento Interno, em conhecer da
representação a seguir relacionada, por preencher os requisitos de
admissibilidade, para, no mérito, considerá-la prejudicada por perda
de objeto, indeferir o pedido de medida cautelar formulado pela
empresa Planinvesti Administração e Serviços Ltda., ante a ausência
dos pressupostos necessários à sua concessão, dar ciência desta de-
liberação à representante e à entidade e arquivar os presentes autos:
1. Processo TC-033.963/2013-4 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Representante: Planinvesti Administração e Serviços Lt-
da. (02.959.392/0001-46)
1.2. Entidade: Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.
1.3. Relator: Ministro José Jorge
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo de
Aquisições Logísticas (Selog).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária
RELAÇÃO Nº 4/2014 – Plenário
Relator – Ministro-Substituto AUGUSTO SHERMAN CA-
VA L C A N T I
ACÓRDÃO Nº 244/2014 – TCU – Plenário
VISTOS, relatados estes autos de representação formulada
por Deputado Estadual do Amazonas acerca de possíveis irregula-
ridades na execução do Convênio 1/2012 (Siafi 776488), firmado
entre a Superintendência da Zona Franca de Manaus – Suframa e a
Secretaria de Estado de Infraestrutura do Amazonas – Seinfra, com
vistas à revitalização e expansão do sistema viário do distrito in-
dustrial de Manaus,
Considerando que o representante aponta como irregulari-
dade a paralisação da obra em agosto de 2013, situação que teria
gerado caos nas vias públicas em razão de buracos espalhados pelas
ruas, conforme fotos apresentadas, com risco de acidentes e de im-
pactos negativos à economia local,
Considerando que segundo o representante a obra não con-
templa a construção de sarjetas, calçadas e drenagem pluvial, segundo
fotos anexadas,
Considerando, todavia, que consoante informações colhidas
pela unidade técnica o convênio em questão se encontra em seu
período de plena vigência e de execução, vindo a expirar somente em
29/10/2015, e, em que pese a precariedade das vias, não é possível
concluir que não sejam objeto de intervenções até o final da execução
das obras previstas no referido instrumento, de modo que fica pre-
judicado o exame meritório das questões objeto da representação,
Considerando que, conforme indicado pela Secex/AM, a Se-
cretaria de Fiscalização de Obras deste Tribunal já foi cientificada do
teor da representação,
Considerando que a Controladoria-Geral da União (CGU)
informou estar realizando auditoria compartilhada com a Suframa no
convênio em questão,
Considerando, assim, que as propostas formuladas pela Se-
cex/AM (peças 5 e 6 destes autos), com base nesses elementos, é no
sentido de considerar prejudicada a representação, sem prejuízo da
ciência dos fatos representados à Suframa e à CGU,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão de Plenário, por unanimidade, em:
a) conhecer da presente representação, por preencher os re-
quisitos de admissibilidade previstos nos arts. 235 e 237, inciso III,
do Regimento Interno deste Tribunal, para, no mérito, considerá-la
prejudicada;
b) enviar cópia dos presentes autos à Superintendência da
Zona Franca de Manaus (Suframa), para ciência e adoção das me-
didas cabíveis, inclusive para subsidiar a análise da prestação de
contas, quanto aos recursos repassados à Secretaria de Estado de
Infraestrutura por meio do Convênio 1/2012 (Siafi 776488) – no valorde R$ 94.041.011,10, para revitalização e expansão no sistema viário
do distrito industrial de Manaus/AM – , considerando as alegações de
irregularidades no convênio, entre as quais a inexecução, paralisação
e morosidade na realização da obra, bem como a ausência de previsão
de construção de sarjetas, calçadas e drenagem pluvial;
c) enviar cópia dos presentes autos à Controladoria-Geral da
União, a fim de subsidiar a auditoria compartilhada com a Suframa
no Convênio 1/2012 (Siafi 776488);
d) arquivar o presente processo após ciência ao represen-
tante.
1. Processo TC-001.091/2014-0 (REPRESENTAÇÃO)
1.1. Órgão/Entidade: Superintendência da Zona Franca de
Manaus
1.2. Representante: Deputado Estadual José Ricardo Wen-
dling
1.3. Relator: Ministro-Substituto Augusto Sherman Caval-
canti
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – AM
(SECEX-AM).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária
RELAÇÃO Nº 4/2014 – Plenário
Relator – Ministro-Substituto ANDRÉ LUÍS DE CARVA-
LHO
ACÓRDÃO Nº 245/2014 – TCU – Plenário
Considerando que os presentes autos tratam de tomada de
contas especial instaurada pelo Conselho Nacional de Desenvolvi-
mento Científico e Tecnológico – CNPq em desfavor da Sra. Rafaela
Bellini Panicker;
Considerando que a TCE foi apreciada em 26/11/2013 por
meio do Acórdão 7.264/2013-TCU-2ª Câmara que, ao rejeitar as
alegações de defesa apresentadas pela responsável, concedeu-lhe no-
vo e improrrogável prazo de 15 (quinze) dias para efetuar a com-
provação, perante o TCU, do recolhimento do débito que lhe fora
imputado pelo referido julgado;
Considerando que houve a regular notificação da responsável
sobre os termos do citado aresto por meio do Ofício 2783/2013-
TCU/SECEX-RJ, recebido em 26/12/2013 pelo Sr. Leonardo Fischer
Peçanha (OAB/RJ 102.072), procurador constituído nos autos;
Considerando que, em 9/1/2014 a responsável acostou aos
autos peça nominada “Recurso de Reconsideração”;
Considerando que, conforme o art. 201, § 1º, do RITCU, a
decisão que concede novo prazo para recolhimento de débito tem
natureza preliminar, não ensejando, portanto, a interposição de re-
curso;
Considerando ainda que, nos termos da Resolução TCU nº
36/1995, não cabe recurso da decisão que rejeita as alegações de
defesa apresentadas pelo responsável e que, no caso de não ser re-
colhida a importância devida e serem apresentados novos elementos
de defesa, esses elementos serão examinados quando do julgamento
das contas;
Considerando o parecer exarado pela Secretaria de Recursos
do TCU;
Considerando que, dessa forma, a documentação encami-
nhada pela Sra. Rafaela Bellini Panicker deve ser recebida como mera
petição com novos elementos de defesa, a qual será analisada quando
do julgamento do mérito do presente feito;
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
o art. 143, inciso V, § 3º, do Regimento Interno, aprovado pela
Resolução nº 155/2002, c/c a Resolução-TCU nº 36/1995, em receber
a peça apresentada pela Sra. Rafaela Bellini Panicker como novos
elementos de defesa, dando-se prosseguimento ao feito, sem prejuízo
de fazer a seguinte determinação:
1. Processo TC-012.398/2013-6 (TOMADA DE CONTAS
ESPECIAL)
1.1. Responsável: Rafaela Bellini Panicker (CPF
069.504.597-00).
1.2. Órgão/Entidade: Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico – CNPq.
1.3. Relator: Ministro-Substituto André Luís de Carvalho.
1.4. Representante do Ministério Público: Procurador Ma-
rinus Eduardo De Vries Marsico.
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RJ
(Secex-RJ).
1.6. Advogados constituídos nos autos: Leonardo Fisher Pe-
çanha (OAB/RJ 102.072) e outros.
1.7. Determinar à Secex/RJ que envie cópia da presente
deliberação, acompanhada de cópia do parecer da Serur, à Sra. Ra-
faela Bellini Panicker.
ACÓRDÃO Nº 246/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão da Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
no art. 27 da Lei nº 8.443/1992, c/c o art. 218 do Regimento Interno
do TCU, aprovado pela Resolução nº 246/2011, em dar quitação ao
Sr. Gilcimar da Cruz Izidório, ante o recolhimento integral da multa
que lhe foi imputada por meio do Acórdão 2.580/2008-TCU-Plenário,
Sessão Ordinária de 12/11/2008 (Ata nº 48/2008), de acordo com os
pareceres emitidos nos autos:
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201462ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Valor original da multa: R$ 2.000,00 / Data de origem da
multa: 12/11/2008
Valor recolhido Data do recolhimentoR$ 2.000,00 2 2 / 0 6 / 2 0 11
1. Processo TC-013.153/2000-7 (TOMADA DE CONTAS
ESPECIAL)
1.1. Apenso: TC 012.078/1999-9 (RELATÓRIO DE INS-
PEÇÃO)
1.2. Responsáveis: Alberto Torres (CPF 339.228.027-53);
Carlos Alberto Leitão da Costa (CPF 021.384.336-68); Celia Cleide
Pereira da Silva (CPF 051.710.047-90); Edival Fernando de Oliveira
(CPF 102.162.007-68); Gilcimar da Cruz Izidório (CPF 903.536.767-
72); Helio Monteiro Pegado (CPF 034.956.047-15); Jaceguay de Al-
meida (CPF 115.787.348-00); Jairo do Nascimento Cavalcante (CPF
556.840.257-49); Jose Newton Veras (CPF 033.641.007-72); Jose
Paulo dos Ramos (CPF 435.697.577-49); Marcelo da Mata Tini (CPF
020.782.547-54); Maria Madalena Brandão Cavalcante (CPF
051.827.547-79); Maria da Conceição Amorim (CPF 014.464.987-
00); Maria da Gloria Brandão (CPF 051.869.187-09); Mario de Car-
valho Camargo Filho (CPF 382.263.678-91); Walmir de Oliveira Ro-
drigues (CPF 321.753.707-63) e Walter Vicente Salles dos Reis Filho
(CPF 855.075.807-82).
1.3. Órgão/Entidade: Comando da 1ª Região Militar –
CE/MD.
1.4. Relator: Ministro-Substituto André Luís de Carvalho.
1.5. Representante do Ministério Público: Procurador-Geral
Paulo Soares Bugarin.
1.6. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo da
Defesa Nacional e da Segurança Pública (SecexDefesa).
1.7. Advogado constituído nos autos: não há.
1.8. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 247/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão da Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
no art. 27 da Lei nº 8.443/1992, c/c o art. 218 do Regimento Interno
do TCU, aprovado pela Resolução nº 246/2011, em dar quitação ao
Sr. Wilson Rodrigues Chaves, ante o recolhimento integral da multa
que lhe foi imputada por meio do Acórdão 1.631/2011-TCU-Plenário,
Sessão Extraordinária de Caráter Reservado de 15/6/2011 (Ata nº
21/2011), de acordo com os pareceres emitidos nos autos:
Valor original da multa: R$ 5.000,00 / Data de origem da
multa: 15/6/2011
Valores recolhidos Datas dos recolhimentosR$ 795,39 Agosto/2012R$ 795,39 Setembro/2012R$ 2.446,98 Outubro/2012R$ 795,39 Novembro/2012R$ 166,85 Dezembro/2012
1. Processo TC-021.453/2008-3 (DENÚNCIA)
1.1. Apensos: TC 026.913/2009-6 (SOLICITAÇÃO); TC
022.773/2008-7 (SOLICITAÇÃO); TC 032.070/2012-8 (COBRAN-
ÇA EXECUTIVA); TC 032.068/2012-3 (COBRANÇA EXECUTI-
VA) e TC 026.409/2011-9 (MONITORAMENTO)
1.2. Responsáveis: Antonio Ribeiro (CPF 131.636.634-00);
Aristides Vilar de Oliveira Azevedo Neto (CPF 000.061.184-02) e
Wilson Rodrigues Chaves (CPF 040.273.024-00).
1.3. Órgão/Entidade: Instituto Nacional de Colonização e
Reforma Agrária – Superintendência Regional no Estado da Paraíba –
Incra/PB.
1.4. Relator: Ministro-Substituto André Luís de Carvalho.
1.5. Representante do Ministério Público: não atuou.
1.6. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – PB
(Secex-PB).
1.7. Advogado constituído nos autos: não há.
1.8. Determinações/Recomendações/Orientações: não há.
ACÓRDÃO Nº 248/2014 – TCU – Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão de Plenário, ACORDAM, por unanimidade, com fundamento
no art. 143, inciso V, alínea “a”, do Regimento Interno do TCU,
aprovado pela Resolução nº 246/2011, em considerar cumpridas as
determinações expedidas ao Conselho Regional de Estatística da 2ª
Região – Conre/RJ por meio dos itens 9.3 do Acórdão 1.602/2010-TCU-Plenário (TC 008.128/2008-9) e 9.2.3 do Acórdão 2.409/2006-
TCU-Plenário (TC 011.395/2005-0), sem prejuízo de fazer as se-
guintes determinações, de acordo com os pareceres emitidos nos
autos:
1. Processo TC-041.890/2012-4 (RELATÓRIO DE MONI-
TO R A M E N TO )
1.1. Interessado: Tribunal de Contas da União.
1.2. Órgão/Entidade: Conselho Regional de Estatística da 2ª
Região – Conre/RJ.
1.3. Relator: Ministro-Substituto André Luís de Carvalho.
1.4. Representante do Ministério Público: não atuou.
1.5. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RJ
(Secex-RJ).
1.6. Advogado constituído nos autos: não há.
1.7. Determinar à Secex/RJ que:
1.7.1. encaminhe cópia do presente Acórdão, acompanhada
de cópia do parecer da unidade técnica, ao Conselho Regional de
Estatística da 2ª Região – Conre/RJ; e
1.7.2. apense os presentes autos ao TC 011.395/2005-0, em
obediência ao art. 42 da Resolução TCU nº 191/2006.
Ata n° 4/2014 – Plenário
Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária
PROCESSOS APRECIADOS DE FORMA UNITÁRIA
Por meio de apreciação unitária de processos, o Plenário
proferiu os Acórdãos de nºs 249 a 278, 280 e 283 a , a seguir
transcritos e incluídos no Anexo IV desta Ata, juntamente com os
relatórios e votos em que se fundamentaram. Não foram utilizados na
numeração dos acórdãos, os números 279, 281 e 282.
ACÓRDÃO Nº 249/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 005.013/2002-8
1.1. Apenso: 014.094/2000-9
2. Grupo I – Classe de Assunto: I – Recurso de Recon-
sideração (em Tomada de Contas Especial)
3. Responsáveis/Interessados:
3.1 Responsáveis: Governo do Estado de Sergipe (CNPJ
13.128.798/0001-01), José Ivan de Carvalho Paixão (CPF
077.771.835-91), Marta Oliveira Barreto (CPF 170.185.875-49) e
Sérgio Vasconcelos Garcez (CPF 102.582.055-04)
3.2. Interessado: Governo do Estado de Sergipe
4. Órgão: Secretaria de Estado de Saúde de Sergipe
5. Relator: Ministro Raimundo Carreiro
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro-Substituto
Augusto Sherman Cavalcanti
6. Representante do Ministério Público: Procurador-Geral
Paulo Soares Bugarin
7. Unidade Técnica: Serur
8. Advogado constituído nos autos: não há
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que na presente
etapa processual tratam de recurso de reconsideração interposto em
relação ao Acórdão nº 1319/2012-TCU-Plenário,
ACORDAM os ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, diante das razões expostas pelo
relator, em:
9.1. conhecer do recurso de reconsideração interposto pelo
Governo do Estado de Sergipe, com fundamento no art. 32, inciso I,
e 33, da Lei nº 8.443/1992, para, no mérito, negar-lhe provimento;
9.2. dar ciência desta deliberação ao interessado.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0249-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro (Relator), José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.ACÓRDÃO Nº 250/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 011.512/2010-5.
2. Grupo I – Classe V – Assunto: Auditoria.
3. Responsável/Interessado:
3.1. Responsável: Nilton de Britto (CPF 140.470.121-49).
3.2. Interessado: Congresso Nacional.
4. Entidade: Departamento Nacional de Infraestrutura de
Transportes – Dnit/MT.
5. Relator: Ministro-Substituto André Luís de Carvalho.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidades Técnicas: Secob-2 e SecobEdificação.
8. Advogado constituído nos autos: Leonardo Oliveira Silva
(OAB/PE 21.761) e outros.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de auditoria rea-
lizada no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes –
Dnit, no período de 3/5 a 2/6/2010, com vistas a verificar a re-
gularidade da execução do Programa de Trabalho
26.782.1456.202C.0013, relativo às obras de manutenção de trechos
rodoviários da BR-174/AM;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. rejeitar as razões de justificativa apresentadas pelo Sr.
Nilton de Britto, então coordenador-geral de Desenvolvimento de
Projeto – DPP/Dnit;
9.2. aplicar ao Sr. Nilton de Britto a multa prevista no art.
58, inciso II, da Lei nº 8.443, de 16 de julho de 1992, no valor de R$
5.000,00 (cinco mil reais), fixando-lhe o prazo de 15 (quinze) dias, a
contar do recebimento da notificação, para que comprove, perante o
Tribunal, o recolhimento da quantia aos cofres do Tesouro Nacional,
na forma da legislação em vigor;
9.3. autorizar, desde já, com amparo no art. 26 da Lei nº
8.443, de 1992, e no art. 217 do Regimento Interno do TCU (RIT-
CU), o parcelamento das dívidas deste Acórdão em até 36 (trinta e
seis) prestações mensais e sucessivas, caso requerido, esclarecendo ao
responsável que a falta de pagamento de qualquer parcela importará
no vencimento antecipado do saldo devedor (art. 217, § 2º, do RIT-
CU), sem prejuízo das demais medidas legais;
9.4. determinar ao Departamento Nacional de Infraestrutura
de Transportes que:
9.4.1. adote, no prazo de 30 (trinta) dias a contar da no-
tificação, as providências necessárias para a repactuação dos preços
unitários do Contrato nº 611/2009, firmado com a empresa Delta
Construções S/A, a fim de corrigir as deficiências do projeto original,
levantadas nestes autos, adotando os preços unitários máximos a
seguir discriminados:
Serviço Valor Unitário
Referencial
(R$)
254018 – Cbuq Faixa “C” 152,782006150 – Aquisição Cap 50/70 1.268,53110622 – Reciclagem de Base C/Adição De 3% De
Cimento87,12
400224 – Meio Fio Concreto Mfc 05 Bc 46,1410410 – Base de Solo Brita (40%) Bc 172,63200247 – Transporte Cap 50/70 98,57400172 – Sarjeta Triangular de Concreto – Stc 02 55,64220012 – Sub-Base Estabilizada Granul s/Mistura 38,47290200 – Remoção Mecanizada Camada Granular
P a v.7,59
810115 – Remendo Superficial 20,90110621 – Remendo Profundo 434,94222000 – Base Estabil. Gran. c/Mistura Solo-Brita 172,53110267 – Demolição de Dispositivos de Conc. Sim-
ples134,04
1314341 – Remoção Mecanizada de Revestimento
Betuminoso13,37
9.4.2. promova a compensação, nas próximas faturas de me-
dições, do valor correspondente ao superfaturamento verificado nestes
autos, no valor total de R$ 2.478.884,30;
9.4.3. promova o desconto integral ou parcelado da multa
consignada no item 9.2 deste Acórdão sobre os vencimentos do res-
ponsável indicado no item 9.2 deste Acórdão, nos termos do art. 28,
inciso I, da Lei nº 8.443, de 1992, observado o disposto no art. 46 da
Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990;
9.5. autorizar, desde logo, se for o caso, a cobrança judicial
da dívida a que se refere o item 9.2 deste Acórdão, caso não aten-
didas as notificações, nos termos do art. 28, inciso II, da Lei nº 8.443,
de 1992;
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201463ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
9.6. enviar cópia deste Acórdão, acompanhado do Relatório
e da Proposta de Deliberação que o fundamenta, ao Dnit, bem como
à SecobRodovia, tendo em vista o possível impacto nas contas or-
dinárias da entidade, relativas aos exercícios de 2009 e 2010; e
9.7. determinar que a SecobEdificação promova o moni-
toramento das determinações constantes deste Acórdão, atentando
para a necessidade de, no caso de não cumprimento satisfatório das
medidas ora determinadas, propor a conversão do aludido processo de
monitoramento em tomada de contas especial, com vistas à quan-
tificação do débito e à citação dos responsáveis.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0250-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho (Relator).
ACÓRDÃO Nº 251/2014 – TCU – Plenário
1. Processo TC-010.119/2013-2
2. Grupo II, Classe de Assunto VII – Representação
3. Interessado: Tribunal de Contas da União (Secex-MT)
4. Entidades: Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo
FIFA no Estado do Mato Grosso
5. Relator: Ministro Valmir Campelo
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidades Técnicas: Secex-MT
8. Advogado constituído nos autos: não há
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de representação
de equipe de auditoria da Secex-MT contra irregularidades praticadas
no âmbito da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo FIFA 2014
(Secopa-MT), do Governo do Estado do Mato Grosso, no âmbito das
obras de travessia urbana de Cuiabá e Várzea Grande, lotes III e IV
do Edital de Concorrência 007/2011.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer da presente representação, uma vez que sa-
tisfeitos os requisitos de admissibilidade previstos nos arts. 235 e 237,
inciso V, do Regimento Interno deste Tribunal, para, no mérito, con-
siderá-la procedente;
9.2. determinar à Secretaria Extraordinária da Copa do Mun-
do FIFA 2014 no Estado de Mato Grosso, com base no art. 251,
caput, do Regimento Interno do TCU, que:
9.2.1. instaure processo administrativo, em que deverão ser
chamadas como partes as empresas Ster Engenharia Ltda., Camargo
Campo S.A Engenharia e Comércio; e Métrica Construções Ltda.,
tendo por objetivo efetuar o encontro de contas entre os valores dos
serviços parcialmente executados e ainda não pagos da 10ª medição e
do reajustamento da 10ª medição dos contratos 16 e 17/2012-Secopa,
e os valores necessários para refazer ou recuperar os serviços mal
executados e os que apresentaram defeitos, assegurados o contra-
ditório e a ampla defesa;
9.2.2. abstenha-se de realizar o pagamento dos valores re-
tidos até o desfecho do processo de que trata o item anterior;
9.2.3. , avalie e acione a seguradora Cesce Brasil Seguros de
Garantias e Créditos S.A em caso de insuficiência dos valores retidos,
de forma a obter o montante necessário ao completo ressarcimento ao
erário;
9.3. determinar à Secex-MT que monitore o cumprimento do
item 9.2 desta decisão;
9.4. encaminhar cópia desta decisão, acompanhada do re-
latório e do voto que a fundamentam:
9.4.1. à Secopa-MT;
9.4.2. ao Dnit;
9.4.3. ao Governo do Estado de Mato Grosso; e
9.4.4. ao Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso;
9.5. arquivar o presente processo após as comunicações pro-
cessuais devidas.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0251-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo (Relator), Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz,
Raimundo Carreiro e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.ACÓRDÃO Nº 252/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 026.088/2013-4.
2. Grupo I – Classe de Assunto: VII – Representação
3. Interessados/Responsáveis:
3.1. Responsáveis: Lucascorps Consultoria em Engenharia e
Planejamento Urbano Ltda. (14.003.794/0001-51); Universidade Fe-
deral Fluminense (28.523.215/0001-06).
4. Entidade: Universidade Federal Fluminense.
5. Relator: Ministro Valmir Campelo.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RJ
(SECEX-RJ).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Represen-
tação, com pedido de medida cautelar, apresentada pelo Sr. Waldemar
Dias Rabelo (CPF 028.830.407-10), acerca de possíveis irregulari-
dades ocorridas na Universidade Federal Fluminense (UFF), rela-
cionadas à Tomada de Preços 14/2013, com a finalidade de se con-
tratar empresa para elaboração de projetos executivos para construção
de unidade de alimentação e nutrição e moradia estudantil no campus
do Instituto do Noroeste Fluminense, em Santo Antônio de Pádua/RJ,
no valor estimado de R$ 387.432,42.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
e com fundamento no art. 1º, inciso II, da Lei 8.443/1992, e no art.
1º, inciso XXVI, do Regimento Interno do TCU, em:
9.1. conhecer da presente Representação, uma vez preen-
chidos os requisitos de admissibilidade previstos no do art. 113, §1º,
da Lei 8.666/1993 e arts. 235 e 237, III, do Regimento Interno do
TCU, para, no mérito, considerá-la procedente;
9.2. determinar, com base no art. 71, inciso IX, da Cons-
tituição Federal, e no art. 45, caput, da Lei nº 8.443/1992, c/c o art.
251 do Regimento Interno do TCU, à Universidade Federal Flu-
minense – UFF – que, no prazo de 15 (quinze) dias, adote as pro-
vidências necessárias para a anulação da Tomada de Preços nº
14/2013, em razão de essa licitação ter sido realizada em data diversa
daquela prevista no edital, em desacordo com o disposto no art. 3º,
caput, da Lei 8.666/1993, principalmente com os princípios básicos
da publicidade e da vinculação ao instrumento convocatório;
9.3. determinar, com fundamento nos arts. 237, parágrafo
único, e 250, inciso IV, do Regimento Interno do TCU, a audiência
dos Srs. Alexandre Perez Marques (CPF 353.956.807-72), Aristocles
Caldas Júnior (CPF 303.446.387-15) e Vinicius Goulart Fontes (CPF
095.481.397-90), respectivamente presidente e membros da comissão
de licitação da UFF encarregada da Tomada de Preços 14/2013, para
que, no prazo de 15 (quinze) dias, a contar da ciência, apresentem
razões de justificativa para o fato de terem tomado conhecimento da
divergência entre a data de realização do certame prevista no edital e
a data constante dos avisos publicados, sem que tivessem adotado
providências visando à fixação de nova data para realização do cer-
tame e à publicação dos avisos correspondentes, e, consequentemente,
terem realizado a licitação em data diversa daquela prevista no edital,
em desacordo com o disposto no art. 3º,caput, da Lei 8.666/1993,
principalmente com os princípios básicos da publicidade e da vin-
culação ao instrumento convocatório;
9.4. determinar, com base no art. 243 do Regimento Interno
do TCU, à Secex-RJ que monitore o cumprimento da determinação
constante do item 9.2 acima e suas implicações;
9.5. revogar a medida cautelar objeto do Despacho de
4/11/2013, contido na peça 7, considerando-se o julgamento de mérito
da representação e a determinação contida no item 9.2 deste Acór-
dão;
9.6. dar ciência desta deliberação aos responsáveis indicados
no item 3.1 e ao representante.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0252-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo (Relator), Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz,
Raimundo Carreiro e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 253/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC-031.066/2013-5
2. Grupo I, Classe de Assunto V- Relatório de Acompa-
nhamento
3. Entidades: Banco Nacional do Desenvolvimento Econô-
mico e Social (BNDES
4. Interessado: Tribunal de Contas da União
5. Relator: Ministro Valmir Campelo
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidade Técnica: SecexEstataisRJ
8. Advogado constituído nos autos: não há
9. ACÓRDÃO:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de relatório de
acompanhamento tendente a avaliar a regularidade da operação de
crédito realizada entre o BNDES, a SPE Holding Beira Rio S/A, o
Banco do Brasil e o Banco do Rio Grande do Sul – Banrisul, ne-
cessários à reforma e ampliação do Estádio Beira-Rio, em Porto
Alegre/RS, como parte dos empreendimentos necessários para a rea-
lização da Copa do Mundo de 2014.ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator
em:
9.1. considerar atendida, pela SecexEstataisRJ, a determi-
nação prevista no item 9.3. do Acórdão 935/2013-TCU-Plenário;
9.2. considerar cumpridas, pelo Banco Nacional de Desen-
volvimento Econômico e Social (BNDES), as determinações contidas
no item 9.2. do Acórdão 935/2013-TCU-Plenário;
9.3. determinar à SecexEstataisRJ, com base no art. 157,
caput, c/c os arts. 241 e 242 do Regimento Interno do TCU, que dê
continuidade, no exercício de 2014, ao acompanhamento das ações do
BNDES referentes ao financiamento da Arena Beira-Rio, no âmbito
do Programa Pró-Copa Arenas, elaborando relatório final conclusivo
acerca da regularidade da operação;
9.4. encaminhar cópia desta deliberação, acompanhada do
relatório e do voto que a fundamentam:
9.4.1. ao Presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa
do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal, Senador
Blairo Maggi, em prosseguimento ao atendimento à solicitação do
Congresso Nacional objeto do TC 029.653/2013-4, constituído em
face do Ofício nº 184/2013/CAM, de 8/20/2013;
9.4.2. à Coinfra, para os registros próprios dos processos
relativos à Copa do Mundo de 2014;
9.4.3. ao BNDES;
9.4.4. à SPE Holding Beira Rio S/A
9.4.5. ao Sport Club Internacional;
9.4.6. ao Ministério do Esporte;
9.4.7 ao Coordenador do Grupo de Trabalho “Copa do Mun-
do” da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público
Federal;
9.4.8. ao Presidente da Comissão de Turismo e Desporto da
Câmara dos Deputados e ao Presidente da Comissão de Fiscalização
Financeira e Controle da Câmara dos Deputados;
9.5. arquivar os presentes autos.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0253-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo (Relator), Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz e
José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Augusto Sherman Ca-
valcanti.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 254/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC-033.468/2010-9
2. Grupo II, Classe de Assunto V – Relatório de Moni-
toramento
3. Interessado: Tribunal de Contas da União, Secretaria de
Controle Externo da Fazenda Nacional (SecexFazenda)
4. Órgão/Entidade: Secretaria do Tesouro Nacional e Banco
do Brasil S/A.
5. Relator: Ministro Valmir Campelo
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo da Fa-
zenda Nacional (SecexFazenda)
8. Advogados constituídos nos autos: não há
9. ACÓRDÃO:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de relatório de
monitoramento de determinação contida no subitem 9.3 do Acórdão
nº 3.403/2010-TCU-Plenário, no sentido de que a unidade técnica do
Tribunal “acompanhe a quitação de todas as outras parcelas relativas
à reestruturação da Dívida da República de Cabo Verde com o Te-
souro Nacional, informando ao relator caso haja inadimplência”.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator
em:
9.1. determinar à Controladoria-Geral da União (CGU/MF)
que faça constar nas contas ordinárias da Secretaria de Assuntos
Internacionais – SAIN/MF, exercício de 2014, os comprovantes de
pagamentos das parcelas vincendas em 30/3/2014, 30/9/2014 e
30/3/2015, relativos ao Contrato de Reestruturação da Divida firmado
3/7/2010, entre a República de Cabo Verde e a República Federativa
do Brasil autorizado pela Resolução do Senado Federal nº 6, de
7/4/2010;
9.2. juntar cópia deste acórdão às contas da Secretaria do
Tesouro Nacional relativas ao exercício de 2015;
9.3. encaminhar cópia desta deliberação, acompanhada do
relatório e do voto que a fundamentam, à Secretaria de Assuntos
Internacionais (SAIN/MF), à Controladoria-Geral da União
(CGU/MF) e à Secretaria do Tesouro Nacional;
9.4. encerrar o processo, em razão do que estabelece o inciso
V do art. 169 do Regimento Interno.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0254-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo (Relator), Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz e
José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Augusto Sherman Ca-
valcanti.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201464ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 255/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 034.299/2013-0.
2. Grupo I – Classe de Assunto VII – Representação.
3. Representante: Andersen Tecnologias do Brasil – ATEC
LTDA ME (CNPJ 10.516.398/0001-77).
4. Entidade: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tec-
nologia de Pernambuco.
5. Relator: Ministro Valmir Campelo.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo no Es-
tado de Pernambuco.
8. Advogados constituídos nos autos: Marcos Araújo Fer-
nandes (OAB/PR 37.819) e Gustavo Pedron da Silveira (OAB/PR
34.541).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de representação
formulada pela empresa Andersen Tecnologias do Brasil – ATEC
LTDA ME, acerca de possíveis irregularidades ocorridas no Pregão
Eletrônico para Registro de Preços nº 10/2013, conduzido pelo Ins-
tituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator,
e com fundamento no art. 1º, inciso II, da Lei nº 8.443/1992, e no art.
1º, inciso XXVI, c/c o art. 237, inciso VII e parágrafo único, do
Regimento Interno/TCU, em:
9.1. conhecer da presente representação, para, no mérito,
considerá-la procedente;
9.2. determinar, com fundamento no art. 71, inciso IX, da
Constituição da República, c/c o art. 45 da Lei nº 8.443/1992, ao
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco
que adote, no prazo de 30 (trinta) dias, as providências necessárias ao
exato cumprimento da lei, promovendo a anulação do ato que des-
classificou a empresa Andersen Tecnologias do Brasil – ATEC LTDA
ME, bem como dos atos subsequentes àquele, em razão de vício
insanável no motivo determinante daquele ato administrativo, ficando
a unidade jurisdicionada autorizada, caso haja interesse, a dar con-
tinuidade ao item 3 do Pregão Eletrônico nº 10/2013 a partir da etapa
em que ocorreu o vício identificado, informando ao TCU as medidas
adotadas;
9.3. considerar prejudicado o exame do pedido de medida
cautelar;
9.4. encaminhar cópia da presente deliberação, bem como do
relatório e voto que ao Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia de Pernambuco e à representante.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0255-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo (Relator), Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz e
José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Augusto Sherman Ca-
valcanti.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 256/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 003.852/2013-0.
2. Grupo I – Classe IV – Tomada de Contas Especial.
3. Responsáveis: Maria Francélia da Silva Schmidt
(032.503.688-81); Marli dos Santos (073.139.738-02); Vladimir Re-
nato de Aquino Lopes (063.585.118-07).
4. Unidade: Instituto Nacional do Seguro Social em São
Paulo – INSS/SP.
5. Relator: Ministro Aroldo Cedraz.
6. Representante do Ministério Público: Procurador Sergio
Ricardo Costa Caribé.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – SP
(Secex/SP).
8. Advogado constituído nos autos: não atuou.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de tomada de
contas especial instaurada pelo Instituto Nacional do Seguro Social
em São Paulo, contra os responsáveis supracitados, em razão de
fraudes realizadas na folha de pagamento do Sistema Integrado de
Administração de Recursos Humanos – Siape, no período de 1991 a
1999.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão Plenária, ante as razões expostas pelo relator, com
fundamento nos arts. 1º, inciso I, 19, caput, e 23, inciso III, da Lei
8.443/1992, em:
9.1. julgar irregulares as contas dos responsáveis, Maria
Francélia da Silva Schmidt (032.503.688-81), Marli dos Santos
(073.139.738-02) e Vladimir Renato de Aquino Lopes (063.585.118-
07), com fundamento nos arts. 1º, inciso I, 16, inciso III, alíneas c e
d, e §§ 1º e 2º da Lei 8.443/1992 c/c os arts. 19 e 23, inciso III, da
mesma Lei, e com arts. 1º, inciso I, 209, incisos III e IV, e §§ 1º e 5º,
210 e 214, inciso III, do Regimento Interno, e condená-los, em
solidariedade, nos termos dos demonstrativos abaixo, ao pagamento
das quantias especificadas, com a fixação do prazo de 15 (quinze)
dias, a contar das notificações, para comprovarem, perante o Tribunal
(art. 214, inciso III, alínea a, do Regimento Interno), o recolhimento
das dívidas aos cofres do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS,atualizadas monetariamente e acrescidas dos juros de mora, calcu-
lados a partir das datas discriminadas, até a data dos recolhimentos,
na forma prevista na legislação em vigor, abatendo-se, na oportu-
nidade, os valores já ressarcidos.
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Vladimir Renato de Aquino Lopes – CPF/MF nº 063.585.118-07
28/02/1994 CR$ 1.858.460,3030/3/1994 CR$ 3.497,6830/4/1994 CR$ 2.991,2130/5/1994 CR$ 2.130,6730/6/1994 CR$ 5.516,8530/9/1994 R$ 6.835,3130/10/1994 R$ 4.219,673 0 / 11 / 1 9 9 4 R$ 7.361,983 0 / 11 / 1 9 9 4 R$ 2.490,9130/12/1994 R$ 9.651,6830/12/1994 R$ 10.677,9830/1/1995 R$ 4.040,9030/1/1995 R$ 7.716,3128/2/1995 R$ 6.521,7628/2/1995 R$ 6.521,7630/3/1994 R$ 6.521,76
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Vladimir Renato de Aquino Lopes – CPF/MF nº 063.585.118-07
30/3/1995 R$ 6.521,7630/4/1995 R$ 10.468,4030/4/1995 R$ 8.052,6230/5/1995 R$ 15.364,6230/5/1995 R$ 12.948,8530/6/1995 R$ 14.468,4030/6/1995 R$ 12.052,6230/7/1995 R$ 10.468,4030/7/1995 R$ 8.052,6230/8/1995 R$ 23.870,4730/8/1995 R$ 18.361,9130/9/1995 R$ 11.057,2830/9/1995 R$ 8.505,6130/10/1995 R$ 11.057,2830/10/1995 R$ 8.505,613 0 / 11 / 1 9 9 5 R$ 13.588.88
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Vladimir Renato de Aquino Lopes – CPF/MF nº 063.585.118-07
3 0 / 11 / 1 9 9 5 R$ 11.551,7130/12/1995 R$ 8.832,7730/12/1995 R$ 6.794,4430/1/1996 R$ 8.832,7730/1/1996 R$ 6.794,4428/2/1996 R$ 8.832,7728/2/1996 R$ 6.794,4430/3/1996 R$ 8.832,7730/3/1996 R$ 6.794,4430/4/1996 R$ 8.791,8730/4/1996 R$ 6.762,98
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Vladimir Renato de Aquino Lopes – CPF/MF nº 063.585.118-07
30/5/1996 R$ 8.791,8730/5/1996 R$ 6.762,9830/6/1996 R$ 10.097,2830/3/1998 R$ 1.232,1030/4/1998 R$ 1.232,1030/5/1998 R$ 1.232,1030/6/1998 R$ 1.848,1530/7/1998 R$ 1.232,1030/8/1998 R$ 1.232,1030/9/1998 R$ 1.232,10
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Marli dos Santos – CPF/MF nº 073.139.738-02
30/10/1991 Cr$ 297.952,243 0 / 11 / 1 9 9 1 Cr$ 308.117,0430/12/1991 Cr$ 715.085,3830/1/1992 Cr$ 500.559,7628/2/1992 Cr$ 647.045,7430/3/1992 Cr$ 739.465,3330/4/1992 Cr$ 929.611,0030/5/1992 Cr$ 1.108.382,3330/6/1992 Cr$ 1.331.065,1230/7/1992 Cr$ 1.331.065,1230/8/1992 Cr$ 1.803.316,3630/9/1992 Cr$ 3.436.820,6330/10/1992 Cr$ 5.181.596,943 0 / 11 / 1 9 9 2 Cr$ 7.431.548,08
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Marli dos Santos – CPF/MF nº 073.139.738-02
30/12/1992 Cr$ 3.715.774,0430/1/1993 Cr$ 7.650.849,1028/2/1993 Cr$ 9.891.377,0030/6/1993 Cr$ 11.571.548,1630/7/1993 Cr$ 15.467,6830/8/1993 CR$ 16.210,4430/9/1993 CR$ 30.172,4830/9/1993 CR$ 425.429,46
30/10/1993 CR$ 47.332,523 0 / 11 / 1 9 9 3 CR$ 73.321,203 0 / 11 / 1 9 9 3 CR$ 2.018.267,3230/12/1993 CR$ 44.549,3630/1/1994 CR$ 226.006,36
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Marli dos Santos – CPF/MF nº 073.139.738-02
28/2/1994 CR$ 217.449,0430/3/1994 CR$ 335,5530/4/1994 CR$ 367,4830/5/1994 CR$ 371,0130/6/1994 CR$ 591,5230/7/1994 R$ 3.641,9830/8/1994 R$ 5.090,7030/9/1994 R$ 5.784,9130/10/1994 R$ 7.500,933 0 / 11 / 1 9 9 4 R$ 9.318,8830/12/1994 R$ 12.475,1930/1/1995 R$ 4.165,3428/2/1995 R$ 8.334,22
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Marli dos Santos – CPF/MF nº 073.139.738-02
30/3/1995 R$ 8.204,5230/4/1995 R$ 10.665,8730/5/1995 R$ 16.562,4930/6/1995 R$ 14.757,5930/7/1995 R$ 20.368,7130/8/1995 R$ 10.785,1130/9/1995 R$ 14.935,9730/10/1995 R$ 10.782,743 0 / 11 / 1 9 9 5 R$ 11.025,7630/12/1995 R$ 8.492,8230/1/1996 R$ 8.492,8228/2/1996 R$ 8.492,0830/3/1996 R$ 8.491,86
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Marli dos Santos – CPF/MF nº 073.139.738-02
30/4/1996 R$ 8.491,8630/5/1996 R$ 8.491,8630/6/1996 R$ 10.602,8630/7/1996 R$ 8.788,0030/8/1996 R$ 8.461,3230/9/1996 R$ 8.461,3230/10/1996 R$ 8.461,323 0 / 11 / 1 9 9 6 R$ 10.606,6830/12/1996 R$ 9.879,3530/1/1997 R$ 7.659,7828/2/1997 R$ 7.659,7830/3/1997 R$ 7.662,0230/4/1997 R$ 7.659,7830/5/1997 R$ 7.659,7830/6/1997 R$ 10.605,8530/10/1997 R$ 11.094,523 0 / 11 / 1 9 9 7 R$ 13.214,3830/12/1997 R$ 7.646,8030/1/1998 R$ 7.646,8028/2/1998 R$ 11.328,8430/3/1998 R$ 707,80
Maria Francélia da Silva Schmidt – CPF/MF nº 032.503.688-81 e
Marli dos Santos – CPF/MF nº 073.139.738-02
30/3/1998 R$ 7.643,6430/4/1998 R$ 707,8030/4/1998 R$ 7.643,6430/5/1998 R$ 707,8030/5/1998 R$ 11.281,4330/6/1998 R$ 1.061,7030/6/1998 R$ 11.465,4630/7/1998 R$ 707,8030/7/1998 R$ 7.643,6430/8/1998 R$ 707,8030/8/1998 R$ 7.643,6430/9/1998 R$ 707,8030/9/1998 R$ 9.191,5430/10/1998 R$ 10.709,083 0 / 11 / 1 9 9 8 R$ 11.465,4630/12/1998 R$ 9.936,7330/1/1999 R$ 7.643,6428/2/1999 R$ 7.643,6430/3/1999 R$ 7.643,6430/4/1999 R$ 7.643,64
9.2. aplicar individualmente a Maria Francélia da Silva Sch-
midt, Marli dos Santos e Vladimir Renato de Aquino Lopes multas
individuais no valor de R$ 430.000,00 (quatrocentos e trinta mil
reais), R$ 285.000,00 (duzentos e oitenta e cinco mil reais) e R$
145.000,00 (cento e quarenta e cinco mil reais), respectivamente,
conforme previsto no art. 57 da Lei 8.443/1992 c/c o art. 267 do
Regimento Interno, com a fixação do prazo de 15 (quinze) dias, a
contar das notificações, para comprovarem, perante o Tribunal, con-
forme art. 214, inciso III, alínea a, do Regimento Interno, o re-
colhimento das dívidas aos cofres do Tesouro Nacional, atualizadas
monetariamente desde a data do acórdão que vier a ser proferido até
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201465ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
a dos efetivos recolhimentos, se forem pagas após o vencimento, na
forma da legislação em vigor;
9.3. autorizar, desde logo, nos termos do art. 28, inciso II, da
Lei 8.443/1992, a cobrança judicial das dívidas caso não atendidas as
notificações;
9.4. inabilitar os responsáveis arrolados no item 3 deste
Acórdão para o exercício de cargo em comissão ou função de con-
fiança no âmbito da Administração Pública Federal pelo período de
cinco anos, nos termos do art. 60 da Lei nº 8.443, de 16 de julho de
1992 e do art. 270 do Regimento Interno/TCU;
9.5. encaminhar cópia da deliberação que vier a ser pro-
ferida, bem como do relatório e do voto que a fundamentarem, ao
Procurador-Chefe da Procuradoria Federal Especializada junto ao
INSS, nos termos do art. 60 da Lei nº 8.443, de 16 de julho de 1992
e do art. 270 do Regimento Interno do TCU, para adoção das medidas
necessárias ao arresto dos bens dos responsáveis;
9.6. arquivar os presentes autos.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0256-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz (Relator) e
Raimundo Carreiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Augusto Sherman Ca-
valcanti.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 257/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 005.061/2009-2.
2. Grupo I – Classe I – Pedido de Reexame em Repre-
sentação
3. Recorrentes: Antônio de Pádua Silva (155.303.704-97);
Guilherme Libânio da Rocha Júnior (721.981.334-15); Lindonjohnson
da Silveira Batista (513.139.444-91); Pio X Fernandes (132.475.574-
15); Veneza Diesel Comércio Ltda. (00.306.218/0001-79); Via Diesel
Distribuidora de Veículos Motores e Peças Ltda. (01.937.258/0001-
81)
4. Unidade: Prefeitura de Luís Gomes – RN.
5. Relator: Ministro Aroldo Cedraz
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro Ubiratan
A g u i a r.
6. Representante do Ministério Público: Procurador-Geral
Paulo Soares Bugarin.
7. Unidades Técnicas: Secretaria de Recursos (Serur); Se-
cretaria de Controle Externo – RN (Secex/RN).
8. Advogado constituído nos autos: Eduardo Antonio Dantas
Nobre – 1476 OAB-RN 1476, Ivanka Franci Delgado Nobre 8302
OAB-RN e Álvaro Figueiredo Maia de Mendonça Júnior 14265
OAB-PE.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que cuidam Pe-
didos de Reexame em Representação interpostos por Antônio de
Pádua Silva, Guilherme Libânio da Rocha Júnior, Lindonjohnson da
Silveira Batista, Pio X Fernandes e Via Diesel Distribuidora de Veí-
culos Motores e Peças Ltda. contra o Acórdão 1791/2011 – TCU –
Plenário, mantido e retificado por erro material pelos Acórdãos
350/2012 e 559/2013, ambos do Plenário, no qual foram apuradas
irregularidades, no uso de recursos liberados no âmbito do Programa
Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – Pronaf, ante a
infringência grave de normativos legais e a existência de conluio
entre as empresas participantes.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator,
em:
9.1 conhecer dos Pedidos de Reexame, nos termos dos arts.
33 e 48 da Lei nº 8.443, de 16 de julho de 1992, para, no mérito,
negar-lhe provimento, mantendo-se nos exatos termos o acórdão com-
batido;
9.2 dar ciência deste acórdão, bem como do relatório e voto
que o fundamentam, aos recorrentes.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0257-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz (Relator),
Raimundo Carreiro e José Jorge.
13.2. Ministro-Substituto presente: Augusto Sherman Caval-
canti.
ACÓRDÃO Nº 258/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 028.088/2013-1.
2. Grupo I – Classe de Assunto: II Solicitação do Congresso
Nacional.
3. Interessados: Deputado Penna, presidente da Comissão de
Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos De-
putados; Deputado Henrique Eduardo Alves, presidente da Câmara
dos Deputados.
4. Órgão/Entidade: não há.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade técnica: Secretaria de Controle Externo da Agri-
cultura e do Meio Ambiente (SecexAmb).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de solicitação,
formulada pelo Deputado Henrique Eduardo Alves, presidente da
Câmara dos Deputados, por meio do Ofício 2237/2013 – SGM/P, para
que o Tribunal esclareça a respeito da possibilidade de uso de receitas
provenientes da cobrança pelo uso da água no pagamento de diárias
a policiais em ações de fiscalização e monitoramento de recursos
hídricos e do meio ambiente,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator
e com fundamento nos arts. 1º, inciso XVII, da Lei nº 8.443/92, 264,
inciso I, § 1º, e 265, do Regimento Interno do TCU, em:
9.1. conhecer da solicitação como consulta formulada por
autoridade competente, por se tratar de dúvida na aplicação, em tese,
de dispositivos legais e regulamentares sobre matéria de competência
deste Tribunal;
9.2. informar à Presidência da Câmara dos Deputados que as
receitas provenientes da cobrança pelo uso da água, das quais trata o
art. 4º, §1º, da Lei nº 10.881/2004, podem ser utilizadas para pa-
gamento de diárias a policiais em ações de fiscalização e moni-
toramento dos recursos hídricos, desde que:
9.2.1. com fundamento no art. 22 da Lei nº 9.433/97, fique
caracterizado que as diárias serão pagas a policiais no âmbito de
programas ou projetos, incluídos os dispostos no § 2º da referenciada
Lei, previstos no plano de recursos hídricos da bacia que demandem
ações de fiscalização, cujo apoio de força policial se faça necessário,
ou que o pagamento de diárias a policiais contribui para o custeio,
ainda que indireto, de órgãos e entidades integrantes do Sistema
Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, ou, ainda, caso
seja efetivado através de projeto de melhoria da qualidade, da quan-
tidade e do regime de vazão dos recursos hídricos em benefício da
coletividade, observando-se, nesse caso, o limite previsto no §1º do
art. 22 da Lei nº 9.433/97;
9.2.2. com fundamento no art. 22 da Lei nº 9.433/97 c/c §1º
do art. 4º da Lei nº 10.881/2004, as ações de fiscalização das quais
participam policiais cujas diárias foram custeadas com receitas de-
correntes da cobrança pelo uso da água estejam circunscritas à bacia
hidrográfica em que foram arrecadadas;
9.2.3. a previsão da despesa com o pagamento de diárias de
policiais seja incluída no plano de aplicação dos recursos arrecadados
com a cobrança pelo uso da água e aprovada pelo Comitê de Bacia
Hidrográfica, conforme estabelecido no respectivo contrato de gestão
e no art. 44, inciso XI, alínea ‘c’ da Lei nº 9.433/97;
9.2.4. a despesa com o pagamento de diárias a policiais não
comprometa a execução do programa de trabalho, o alcance de metas
ou o cumprimento de prazos de que trata o art. 2º, inciso I, da Lei nº
10.881/2004;
9.3. encaminhar cópia desta deliberação, acompanhada do
relatório e voto que a fundamentam, à Presidência da Câmara dos
Deputados, à Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sus-
tentável da Câmara dos Deputados e à Agência Nacional de Águas;
9.4. arquivar os presentes autos.10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0258-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 259/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 006.967/2012-4.
2. Grupo I – Classe V – Relatório de Auditoria
3. Interessado: Congresso Nacional.
4. Órgãos/Entidades: Departamento de Estradas de Rodagem,
Infraestrutura Hidroviária e Aeroportuária do Acre (Deracre) e Su-
perintendência Regional do Incra no Estado de São Paulo.
5. Relator: Ministro Aroldo Cedraz.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Obras Ro-
doviárias (SecobRodov).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que cuidam de
Relatório de Auditoria, incluída no Fiscobras/2012, cujo objeto são as
obras de manutenção e conservação de estradas vicinais no Estado do
Acre.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão da 2ª Câmara, diante das razões expostas pelo
Relator, em:
9.1 dar ciência ao Deracre acerca das irregularidades a seguir
indicadas, constatadas no exame de obras de manutenção de estradas
vicinais com revestimento primário:
9.1.1 insuficiência, nos projetos das obras, de dados e es-
tudos para demonstrar os volumes de aterro e de serviços de es-
cavação, carga e transporte de materiais, em desacordo com o pre-
visto na Lei 8.666/93, em seu art. 6º, inciso IX, relativo à adequação
do projeto básico;
9.1.2 insuficiência de dados e estudos, tanto nos projetos das
obras como nas medições de serviços executados, para indicação de
localização de jazidas e bota-fora, em desacordo com o previsto na
Lei 8.666/93, em seu art. 6º, inciso IX, relativo à adequação do
projeto básico, e no art. 67 da mesma lei.
9.2 arquivar o presente processo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0259-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz (Relator),
Raimundo Carreiro e José Jorge.
13.2. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e Weder de Oliveira.
ACÓRDÃO Nº 260/2014 – TCU – Plenário
1. Processo: TC 032.368/2013-5 (processo eletrônico).
2. Grupo I – Classe VII – Representação.
3. Interessada: E do Brasil Tecnologia Ltda. (CNPJ
13.480.093/0001-40).
4. Unidade Jurisdicionada: Empresa de Tecnologia e Infor-
mações da Previdência Social – Dataprev.
5. Relator: Ministro Aroldo Cedraz.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: extinta Secex/RJ.
8. Advogados constituídos nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que tratam de
representação formulada pela empresa E do Brasil Tecnologia Ltda.
com fundamento no art. 113, § 1º, da Lei 8.666/1993, contra o edital
Pregão Eletrônico 140/2012 publicado pela Empresa de Tecnologia e
Informações da Previdência Social – Dataprev com vistas à “Con-
tratação de Serviços para aquisição de licenças de ferramenta de
modelagem de dados para apoio ao desenvolvimento de sistemas”;
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201466ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão plenária, diante das razões expostas pelo relator,
com fundamento nos arts. 237, inciso VII e parágrafo único, e 169,
inciso III, do Regimento Interno/TCU, em:
9.1. conhecer da presente representação para, no mérito, con-
siderá-la improcedente, deixando de acolher, pelas razões lançadas no
relatório e no voto que fundamentam este acórdão, o pedido de
suspensão cautelar do Pregão Eletrônico 140/2012;
9.2. dar ciência desta decisão à empresa representante e à
Dataprev, neste último caso, mediante remessa de cópia da presente
deliberação, acompanhada do relatório e do voto que a precedem e
respaldam;
9.3. arquivar o presente processo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0260-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Aroldo Cedraz (Relator),
Raimundo Carreiro e José Jorge.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: Augusto Sherman Caval-
canti.
ACÓRDÃO Nº 261/2014 – TCU – Plenário
1. Processo TC 033.087/2010-5 (processo eletrônico)
2. Grupo I – Classe I – Recurso de Revisão.
3. Recorrentes: Grupo Dignidade pela Cidadania de Gays,
Lésbicas e Transgêneros do Paraná (CNPJ 68.604.560/0001-99) e
Simone Valêncio Kochanowiski (CPF 015.920.269-82).
4. Unidade: Grupo Dignidade pela Cidadania de Gays, Lés-
bicas e Transgêneros do Paraná (CNPJ 68.604.560/0001-99).
5. Relator: Ministro Aroldo Cedraz.
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro Valmir Cam-
pelo.
6. Representante do Ministério Público: Procurador Marinus
Eduardo De Vries Marsico.
7. Unidades Técnicas: Secex/PR e Serur.
8. Advogados constituídos nos autos: Rafael Wobeto de
Araujo (OAB/PR 31.038) e Umberto Giotto Neto (OAB/PR
22.946).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de tomada de
contas especial em fase de recurso de revisão interposto contra o
Acórdão 10.089/2001-1ª Câmara, mantido pelos Acórdãos 4.447/2012
e 5.341/2012 daquele mesmo colegiado;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão plenária, diante das razões expostas pelo relator,
com fulcro nos arts. 32, inciso III, e 35, inciso III, da Lei 8.443, de
16/07/1992, c/c os arts. 277, inciso IV, e 288, inciso III, do Re-
gimento Interno/TCU, em:
9.1. conhecer do recurso de revisão interposto nestes autos
pelo Grupo Dignidade pela Cidadania de Gays, Lésbicas e Trans-
gêneros do Paraná e pela Srª Simone Valêncio Kochanowiski, para,
no mérito, dar-lhe provimento parcial, de modo a tornar insubsistente
o subitem 9.2 do Acórdão 10.089/2011-1ª Câmara e dar a seguinte
redação ao subitem 9.1:
“9.1. julgar as presentes contas irregulares, com fundamento
nos arts. 1º, I; 16, III,’b’ e ‘c’; e 19 da Lei 8.443/1992, e condenar
solidariamente a Srª Simone Valêncio Kochanowiski e o Grupo Dig-
nidade pela Cidadania de Gays, Lésbicas e Transgêneros do Paraná
ao pagamento da quantia de R$ 8.259,22 (oito mil, duzentos e cin-
quenta e nove reais e vinte e dois centavos), acrescida dos encargos
legais devidos calculados a partir de 27/11/2006 até a data do re-
colhimento, fixando-lhes o prazo de 15 (quinze) dias, a contar da
notificação deste acórdão, para que comprovem, perante o Tribunal,
o recolhimento da dívida aos cofres do Tesouro Nacional, nos termos
do art. 23, inciso III, alínea a, da Lei Orgânica do TCU c/c o art.
214, inciso III, alínea a, de seu Regimento Interno;”
9.2. manter em seus exatos termos os demais dispositivos da
deliberação recorrida;
9.3. dar conhecimento desta decisão aos recorrentes, cien-
tificando-os acerca do valor atualizado das dívidas remanescentes,
abatendo-se as quantias pagas até o momento, e informando-os sobre
a possibilidade de redução, caso queiram, do valor das parcelas vin-
cendas;9.4. remeter cópia desta deliberação, acompanhada do re-
latório e voto que a fundamentam, à Procuradoria da República no
Estado do Paraná.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0261-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz (Relator), Raimundo Carreiro e José Jorge.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: Augusto Sherman Caval-
canti.
ACÓRDÃO Nº 262/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 001.855/2013-1.
2. Grupo I – Classe de Assunto: I Pedido de reexame (em
Relatório de Auditoria)
3. Interessado/Responsável/Recorrente:
3.1. Interessado: Agência Brasileira de Desenvolvimento In-
dustrial – ABDI
3.2. Responsável: Agência Brasileira de Desenvolvimento
Industrial – ABDI
3.3. Recorrente: Agência Brasileira de Desenvolvimento In-
dustrial – ABDI
4. Entidade: Agência Brasileira de Desenvolvimento Indus-
trial.
5. Relator/Relator da deliberação recorrida:
5.1. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
5.2. Relator da deliberação recorrida: Auditor Marcos Bem-
querer Costa
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidades Técnicas: Secretaria de Recursos (Serur)
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de pedido de
reexame interposto pela Agência Brasileira de Desenvolvimento In-
dustrial – ABDI, contra o subitem 9.1.1 do Acórdão 2.250/2013 –
Plenário;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
com fundamento no art. 48 da Lei 8.443/1992, em conhecer do
pedido de reexame interposto pela Agência Brasileira de Desenvol-
vimento Industrial – ABDI, para, no mérito, negar-lhe provimento.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0262-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 263/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 002.983/2013-3.
2. Grupo I – Classe de Assunto: II Solicitação do Congresso
Nacional.
3. Interessados/Responsáveis: Comissão de Meio Ambiente,
Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Fe-
deral.
4. Órgão/Entidade: Banco Central do Brasil.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo da Fa-
zenda Nacional (SecexFazen).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de solicitação de
informação ao TCU, aprovada e encaminhada pela Comissão de Meio
Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Se-
nado Federal atinente ao monitoramento do Acórdão 1448/2012-
TCU-Plenário;ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator
e com fundamento nos arts. 38, inciso II, da Lei nº 8.443/92, 1º,
inciso III, 231, do Regimento Interno do TCU, 3º, inciso II, 4º, inciso
I e 17, inciso II, da Resolução TCU nº 215/2008, em:
9.1. conhecer da solicitação de informações, em atendimento
ao Ofício nº 322/2012, de autoria do Senador Rodrigo Rollemberg,
Presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e
Fiscalização e Controle do Senado Federal;
9.2. informar à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do
Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal que:
9.2.1. o monitoramento do Acórdão 1448/2012-TCU-Plená-
rio está sendo realizado no âmbito do TC 017.710/2013-8, atualmente
em fase de diligência para que o Banco Central do Brasil comprove
o atendimento às determinações exaradas;
9.2.2. tão logo haja julgamento de mérito do TC
005.406/2013-7, o Tribunal encaminhará a essa Comissão a decisão
que vier a ser proferida, acompanhada do Relatório e Voto que a
fundamentarem, com a finalidade de garantir o atendimento a todos
os quesitos contidos na solicitação sob exame;
9.3. estender ao TC 017.710/2013-8 os atributos inerentes
aos processos de solicitação do Congresso Nacional, especificados
nos incisos I a III do art. 5º da Resolução-TCU 215/2008, em ob-
servância ao no inciso III de seu art. 14;
9.4. considerar integralmente atendida a solicitação, nos ter-
mos do art. 17, inciso II, da Resolução TCU nº 215/2008;
9.5. encaminhar à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do
Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Federal cópia desta
deliberação, acompanhada do relatório e voto que a fundamentam;
9.6. determinar o envio dos presentes autos ao Gabinete do
Presidente do TCU para expedição do aviso previsto no art. 19 da
Resolução TCU nº 215/2008; e
9.7. arquivar os presentes autos.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0263-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 264/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 018.944/2008-0.
2. Grupo II – Classe de Assunto: I Embargos de declaração
(em Representação).
3. Interessados/Recorrentes:
3.1. Interessados: Controladoria Geral da Uniao – CGU
(05.914.685/0001-03); Entidades/órgãos do Governo do Estado de
Tocantins; Secretaria Executiva do Ministério das Cidades
(05.465.986/0001-99).
3.2. Recorrente: Construssati Serviços e Construções Ltda.
(06.012.051/0001-10).
4. Órgão/Entidade: Entidades/órgãos do Governo do Estado
de Tocantins.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: Subprocurador-Geral
Lucas Rocha Furtado.
7. Unidades técnicas: Secretaria de Recursos (Serur); Se-
cretaria de Controle Externo – TO (Secex-TO).
8. Advogado constituído nos autos: Leonardo Ramos Gon-
çalves, OAB/DF nº 28428 e outros – Procuração (doc. 188).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos os embargos de declaração
opostos pela empresa Construssati Serviços e Construções Ltda. con-
tra o Acórdão 3079/2012, que deu provimento a pedido de reexame
interposto pelo Procurador-Geral junto ao TCU, Lucas Rocha Fur-
tado, contra o item 9.7 do Acórdão 1.432/2010, e tornou nulos os
Acórdãos 1432/2010 e 586/2011, todos do Plenário;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
e com fundamento no art. 34 da Lei nº 8.443/92 c/c o art. 287 do
Regimento Interno, em:
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201467ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
9.1. conhecer dos embargos de declaração para, no mérito,
rejeitá-los.
9.2. devolver o presente processo ao relator a quo, para que
delibere originariamente sobre a Representação;
9.3. encaminhar cópia desta deliberação à embargante.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0264-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 265/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 025.256/2013-0.
2. Grupo I – Classe de Assunto: II – Solicitação do Congresso
Nacional
3. Interessados/Responsáveis:
3.1. Interessado: Câmara dos Deputados (00.530.352/0001-
59).
4. Órgão/Entidade: Agência Nacional de Transportes Ter-
restres.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Deses-
tatização e Regulação de Transportes (SefidTrans).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Solicitação do
Congresso Nacional,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer da solicitação, com fundamento no art. 4º,
inciso I, alínea “b” da Resolução – TCU 215/2008;
9.2. informar ao Presidente da Comissão de Defesa do Con-
sumidor da Câmara dos Deputados, Sr. Deputado Federal José Carlos
Araújo, e ao autor da Proposta de Fiscalização e Controle nº 93/2012,
Sr. Deputado Federal Weliton Prado, que o TCU empreendeu três
auditorias de conformidade na execução contratual de concessões
integrantes da 2ª Etapa, Fase I e Fase II do Programa de Concessões
Rodoviárias Federais (Procrofe) e que, com base nos resultados ob-
tidos nesses trabalhos, autorizou a realização de Auditoria Opera-
cional nos procedimentos adotados pela ANTT para a fiscalização das
obrigações contratuais relativas às concessões rodoviárias federais da
2ª Etapa do Procrofe, culminando no Acórdão 3.237/2013-TCU-Ple-
nário, que dirigiu uma série de determinações e recomendações com
medidas corretivas à ANTT;
9.3. encaminhar aos solicitantes, em meio digital, cópia in-
tegral dos seguintes processos e documentos:
9.3.1. TC 005.534/2011-9, TC 009.222/2012-0 e TC
001.554/2013-1, relativos às auditorias de conformidade realizadas
pelo TCU nos contratos da 2ª Etapa do Procrofe, alertando que tais
processos encontram-se pendentes de decisão definitiva; e
9.3.2. Acórdão 3.237/2013-TCU-Plenário, que aprovou a Au-
ditoria Operacional voltada aos procedimentos de fiscalização ado-
tados pela ANTT nas concessões rodoviárias federais da 2ª Etapa do
Procrofe, acompanhado do respectivo relatório e voto, bem como de
cópia do respectivo processo e da presente instrução;
9.4. encaminhar os presentes autos ao Gabinete do Presidente
do TCU para expedição do aviso previsto no art. 19 da Resolução-
TCU nº 215/2008;
9.5. considerar a solicitação integralmente atendida, consoan-
te art., inciso I, da Resolução – TCU 215/2008, e encerrar o presente
processo, com fulcro no art. 169, inciso V, do Regimento Interno do
TCU.10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0265-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 266/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 029.318/2013-0
2. Grupo I – Classe de Assunto: V (Relatório de auditoria)
3. Interessado/Responsável:
3.1. Interessado: Congresso Nacional
3.3. Responsável: Departamento Nacional de Infraestrutura
de Transportes – DNIT
4. Entidade: Departamento Nacional de Infraestrutura de
Transportes – DNIT
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Obras Ro-
doviárias (SecobRodov).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de relatório au-
ditoria nas obras de manutenção da rodovia BR-230/CE, entre os
quilômetros 0,0 e 6,37, e 19,8 e 115,24, objeto do Programa de
Conservação, Restauração e Manutenção de Rodovias – Crema 1ª
etapa;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator
e com fundamento no art. 250, inciso I, do Regimento Interno em:
9.1. encaminhar cópia do acórdão, assim como do relatório e
voto que o fundamentam, ao DNIT;
9.2. determinar o encerramento do processo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0266-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 267/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 032.826/2013-3.
2. Grupo I – Classe de Assunto: VII – Administrativo
3. Interessados/Responsáveis: não há.
4. Órgão/Entidade: não há.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Apoio à Gestão do Con-
trole Externo (Segest).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de processo ad-
ministrativo relativo a projeto de decisão normativa que altera a
Decisão Normativa TCU nº 132, de 02/10/2013, que dispõe sobre as
unidades jurisdicionadas que deverão ter constituídos processos de
contas ordinárias relativas ao exercício de 2013,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ao acolher Parecer do Relator, com
fulcro nos arts. 3º da Lei 8.443/1992 e 73 e 84 do Regimento Interno
do TCU, em aprovar o projeto de decisão normativa, na forma do
texto em anexo.10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0267-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 268/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 034.037/2013-6.
2. Grupo I – Classe de Assunto II: Solicitação do Congresso
Nacional
3. Interessado: Comissão de Fiscalização Financeira e Con-
trole da Câmara dos Deputados.
4. Entidades: Departamento Nacional de Infraestrutura de
Transportes – DNIT; VALEC Engenharia e Construções Ferroviárias
S/A.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Obras Ae-
roportuárias e de Edificação (SecobEdif).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Solicitação da
Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos De-
putados sobre informações acerca de fiscalizações realizadas pelo
Tribunal de Contas da União em obras rodoviárias e ferroviárias, sob
responsabilidade respectiva do Departamento Nacional de lnfraes-
trutura de Transportes – DNIT e Da VALEC Engenharia, Construção
e Ferrovias S/A, no período de 2003 a 2011
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer da Solicitação com fundamento nos artigos 38,
inciso II, da Lei 8.443/1992, 232, inciso III, do Regimento Interno do
TCU e 4º, inciso I, alínea “b”, da Resolução – TCU 215/2008;
9.2. encaminhar ao Exmo. Sr. Deputado Edinho Bez, Pre-
sidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara
dos Deputados e ao Deputado Rubens Bueno, autor da Proposta de
Fiscalização e Controle 36/2011, mídia digital constante da peça 4
dos autos, contendo as informações necessárias ao atendimento da
solicitação e cópia da presente instrução;
9.3. determinar à Secretaria de Fiscalização de Obras Ae-
roportuárias e de Edificação (SecobEdif) que proponha aos respec-
tivos relatores o encaminhamento à Comissão de Comissão de Fis-
calização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados de in-
formações acerca das fiscalizações que aguardam o julgamento de-
finitivo por este Tribunal, em atenção à presente solicitação par-
lamentar;
9.4. considerar a solicitação integralmente atendida e ar-
quivar o presente processo, nos termos dos arts. 169, inciso II, do
Regimento Interno do TCU e 17, inciso I, da Resolução – TCU
215/2008.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0268-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 269/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 014.984/2010-5.
2. Grupo I – Classe de Assunto: V (Relatório de Auditoria)
3. Interessados/Responsáveis:
3.1. Interessado: Congresso Nacional
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201468ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
3.2. Responsáveis: Antonio Carlos Lages Monte
(020.862.043-53); Jonas de Souza Luz (101.913.725-87); Laércio de
Aguiar Coqueiro (033.815.443-49); Rogério Márcio Martins Dru-
mond (602.311.901-82); Sebastião Vitor Braga Ribeiro (035.972.103-
68).
4. Órgão/Entidade: Departamento Nacional de Infraestrutura
de Transportes
5. Relator: Ministro Benjamin Zymler.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Obras Ae-
roportuárias e de Edificação (SecobEdif).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que tratam de
auditoria realizada no Departamento Nacional de Infraestrutura de
Transporte (Dnit) com o objetivo de fiscalizar as obras de manu-
tenção de trechos rodoviários situados na BR-343/PI, no estado do
Piauí,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. acolher parcialmente as razões de justificativa apresen-
tadas pelos Srs. Sebastião Vitor Braga Ribeiro, Antônio Carlos Lages
Monte, Laércio de Aguiar Coqueiro, Rogério Márcio Martins Dru-
mond e Jonas de Souza Luz;
9.2. dar ciência à Superintendência Regional do Dnit no
estado da Piauí quanto às seguintes impropriedades constatadas nas
obras de manutenção de trechos rodoviários na BR-343/PI:
9.2.1. desatualização e deficiência dos projetos básicos uti-
lizados na licitação que originou os contratos 849/2009 e 852/2009,
decorrente do descumprimento do disposto no art. 7º, §4º, e no art. 6º,
IX, alínea “d” e “f”, da Lei 8.666/1993, conforme achado 3.1 do
relatório de auditoria (projeto básico deficiente ou desatualizado);
9.2.2. descumprimento de determinação exarada pelo TCU,
decorrente do não cumprimento das determinações constantes do item
9.2.1 do Acórdão 268/2003 – Plenário, de acordo com o apontado no
achado 3.2 do relatório de auditoria (descumprimento de determi-
nação exarada pelo TCU);
9.2.3. ausência das licenças ambientais de âmbito estadual
relativas à instalação e à operação da usina de asfalto, na execução do
Contrato 849/2009, a cargo da empresa Construtora Getel Ltda., de-
corrente do descumprimento do art. 10 da Lei 6.938/1981 e da Por-
taria Interministerial (MMA/MT) 273/2004, conforme tratado no item
3.3 do relatório de auditoria; (Ausência de licenças ambientais de
âmbito estadual e local);
9.2.4. atraso injustificado no início da execução dos serviços
relativos à recuperação funcional da pista de rolamento e dos acos-
tamentos referentes ao Contrato 849/2009, a cargo da empresa Cons-
trutora Getel Ltda., decorrente do descumprimento do art. 66 da Lei
8.666/1993, conforme tratado no item 3.4 do relatório de auditoria
(existência de atrasos injustificáveis nas obras e serviços);
9.2.5. deficiência na apresentação da composição de custos
unitários utilizada como referência para o serviço de “reparo lo-
calizado”, em especial quanto ao tipo de massa betuminosa a ser
utilizada no lote 3, do Edital 360/2009, em função do conflito ve-
rificado entre a composição unitária desse serviço (pré-misturado a
frio), e a previsão contida no Edital 360/2009 (mistura betuminosa
usinada a quente), representando descumprimento ao art. 41, caput, da
Lei 8.666/1993, conforme tratado no item 3.5 do relatório de au-
ditoria (deficiência na apresentação das informações constantes da
planilha orçamentária do Edital /Contrato / Aditivo);
9.2.6. fiscalização deficiente ou omissa, consubstanciada na
demora da execução da sinalização horizontal na rodovia BR-343/PI
sem que a fiscalização do contrato tenha tomado providências quanto
à mora da empresa contratada, conforme apontado no achado 3.6 do
relatório de auditoria (fiscalização ou supervisão deficiente ou omis-
sa);
9.3. alertar o Departamento Nacional de Infraestrutura de
Transportes sobre a necessidade de promover modificações na IS/DG
Nº 04, de 15/5/2008, a fim de adequá-la às determinações constantes
do item 9.2.1 do Acórdão 268/2003-Plenário;
9.4. encaminhar cópia da deliberação que vier a ser pro-
ferida, bem como do Relatório e do Voto que a fundamentarem, ao
Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, e aos res-
ponsáveis arrolados nestes autos;
9.5. arquivar o presente processo.10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0269-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler (Relator),
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 270/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 021.110/2013-1.
2. Grupo I – Classe de Assunto: V
3. Interessados/Responsáveis:
3.1. Interessado: Congresso Nacional.
4. Órgãos/Entidades: Ministério da Saúde (vinculador); Pre-
feitura Municipal de Formosa – GO.
5. Relator: Ministro Benjamin Zymler.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Obras Ae-
roportuárias e de Edificação (SecobEdif).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de relatório de
auditoria, realizada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24
horas localizada no município de Formosa/GO, no âmbito de Fis-
calização de Orientação Centralizada (FOC).
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. dar ciência à Prefeitura Municipal de Formosa/GO acer-
ca das seguintes irregularidades identificadas:
9.1.1. vícios construtivos detectados após a entrega definitiva
das obras, a exemplo da ocorrência de: fissuras na fachada; racha-
duras nos pisos externos e internos; afundamento do piso externo;
janelas não estanques; descascamento da pintura; e bolhas na base das
paredes, que caracterizaram deficiência de qualidade no empreen-
dimento, afrontando o art. 66 da Lei 8.666/1993 (achado 3.1);
9.1.2. projeto executivo deficiente, com baixo nível de de-
talhamento do projeto arquitetônico; sem previsão de impermeabi-
lização; e com tubulação de esgoto das pias deslocadas em relação ao
eixo das tubulações de água, impedindo o uso de sifões, contrariando
o art. 6º, inciso IX, da Lei 8.666/1993 e a Súmula 261/2010 do TCU
(achado 3.2); e
9.1.3. inobservância de requisitos legais e técnicos de aces-
sibilidade, a exemplo da ausência de barras de apoio nos vasos sa-
nitários e lavatórios; inexistência de acesso para cadeiras de rodas;
ausência de piso tátil de alerta no início e no final das rampas e
escadas; e balcões de atendimento não acessíveis à cadeirantes, con-
trariando a NBR 9.050/2004 e a Lei 10.098/2000 (achado 3.3).
9.2. remeter cópia deste Acórdão, bem como do Relatório e
do Voto que o fundamentaram, à Prefeitura Municipal de Formo-
sa/GO, à Agência Nacional de Vigilância Sanitária e ao Ministério da
Saúde.
9.3. apensar o presente processo ao TC 011.581/2013-1, que
consolida os trabalhos da Fiscalização de Orientação Centralizada.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0270-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler (Relator),
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.ACÓRDÃO Nº 271/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 025.170/2009-4.
2. Grupo II – Classe de Assunto: I – Pedidos de reexame
(Representação)
3. Recorrentes: Sebastião Pereira Cajango (826.603.288-20);
Ságuio Moreira Santos (766.747.621-72); César Fernando Schiavon
Aldrighi (425.920.200-63); João Bosco de Moraes (161.458.601-
20).
4. Órgão/Entidade: Superintendência Regional do Incra no
Estado de Mato Grosso.
5. Relator: Ministro Benjamin Zymler
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro Aroldo Ce-
draz.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidades Técnicas: Secretaria de Recursos (SERUR); Se-
cretaria de Controle Externo – MT (SECEX-MT).
8. Advogados constituídos nos autos: João Vicente Montano
Scaravelli (OAB/MT 3.933), Hudson Cesar Melo Faria (OAB/MT
6.474) e Rejane Mara Castiglioni Alves Scaravelli (OAB/MT
5.656).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que tratam de
pedidos de reexame interpostos pelos Srs. Ságuio Moreira Santos,
João Bosco de Moraes, Sebastião Pereira Cajango e César Fernando
Schiavon Aldrighi contra o Acórdão 3.080/2010-Plenário, por meio
do qual lhes foi aplicada multa em razão de irregularidades na ce-
lebração e/ou condução do Convênio 56/2006, celebrado entre o Incra
e a Associação dos Pequenos Produtores Rurais dos Setores Palmeiras
e Belo Horizonte, com a interveniência da Prefeitura Municipal de
C o n f r e s a / M T,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, diante das razões expostas pelo
Relator, em:
9.1. com fulcro no art. 48 da Lei 8.443/1992, conhecer dos
pedidos de reexame;
9.2. dar provimento ao pedido de reexame interposto pelo Sr.
Sebastião Pereira Cajango, para tornar sem efeito a multa que lhe foi
aplicada no item 9.6 do Acórdão 3.080/2010-Plenário;
9.3. negar provimento aos demais pedidos de reexame;
9.4. dar ciência aos recorrentes da presente deliberação.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0271-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler (Relator),
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 272/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 028.919/2012-2.
2. Grupo I – Classe de Assunto: I – Pedido de Reexame (em
Representação)
3. Recorrente: Na Ativa Comercial Ltda. (09.043.182/0001-
52)
4. Entidades: Depósito de Aeronáutica do Rio de Janeiro,
Academia da Força Aérea, Escola de Especialistas de Aeronáutica,
Fazenda de Aeronáutica de Pirassununga, Base Aérea de Natal, De-
partamento de Engenharia e Construção, Comando 1º Grupamento de
Engenharia de Construção, Parque Regional de Manutenção, 22º Ba-
talhão Logístico Leve, Base de Aviação de Taubaté, Arsenal da Ma-
rinha do Rio de Janeiro e Centro Tecnológico da Marinha em São
Paulo.
5. Relator: Ministro Benjamin Zymler
5.1 Relator da deliberação recorrida: Ministro Raimundo
Carreiro
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidade Técnica: Serur
8. Advogada constituída nos autos: Matilde Gluchak
(OAB/SP 137.145)
9. Acórdão:
Vistos, relatados e discutidos estes autos de Pedido de Re-
exame interposto pela empresa Na Ativa Comercial Ltda. contra o
Acórdão 1.906/2013-Plenário.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1 conhecer do presente Pedido de Reexame, nos termos
dos arts. 285 e 286 do RITCU c/c o art. 48 da Lei 8.443/1992, para,
no mérito, negar-lhe provimento;
9.2 manter inalterados os termos do Acórdão recorrido; e
9.3 dar ciência do inteiro teor desta deliberação à recorrente,
à Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério
do Planejamento, Orçamento e Gestão e ao Comitê Gestor de Tri-
butação das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – CGSN,
remetendo-lhes cópia do relatório e do voto que a fundamentarem.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201469ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0272-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler (Relator),
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 273/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 028.110/2013-7.
2. Grupo II – Classe de Assunto: VII – Representação
3. Interessados/Responsáveis:
3.1. Interessados: CCL Paraná Comércio de Peças e Serviços
Ltda. (06.167.061/0001-24); RMS Tecnologia, Comércio e Serviços
de Produtos Laboratoriais Ltda. (12.146.694/0001-59).
4. Órgão/Entidade: Instituto Nacional do Câncer.
5. Relator: Ministro Benjamin Zymler.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RJ
(SECEX-RJ).
8. Advogado constituído nos autos: Thiago Groszewicz Brito
(OAB/DF nº 31.762); Mário Amaral da Silva Neto (OAB/DF nº
36.085/DF).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que cuidam de
representação formulada pela empresa CCL Paraná Comércio de Pe-
ças e Serviços Ltda., com fundamento no art. 113, § 1°, da Lei
8.666/1993, versando sobre possíveis ilegalidades no Pregão Ele-
trônico n° 232/2013, conduzido pelo Instituto Nacional do Câncer –
INCA, para a manutenção preventiva, corretiva e certificação das
áreas limpas e equipamentos de fluxo unidirecional e segurança bio-
lógica das suas unidades,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer da presente representação, vez que preenchidos
os requisitos de admissibilidade previstos nos arts. 237, VII, do Re-
gimento Interno do TCU para, no mérito, considerá-la parcialmente
procedente;
9.2. fixar, nos termos do art. 71, IX, da Constituição Federal,
c/c o art. 45 da Lei 8.443/1992, o prazo de 15 (quinze) dias para que
o Instituto Nacional do Câncer – INCA adote as providências ne-
cessárias ao exato cumprimento da lei, consistentes na anulação do
Pregão Eletrônico n° 232/2013;
9.3. dar ciência ao Instituto Nacional do Câncer – INCA das
seguintes irregularidades:
9.3.1. exigência de qualificação dos licitantes para a limpeza
de dutos de climatização não alicerçada em competente parecer ad-
vindo de pesquisa envolvendo as diversas prestadoras de serviço de
manutenção e certificação de áreas limpas e equipamentos de fluxo
unidirecional e segurança biológica, apontando se a inclusão de lim-
peza de dutos de climatização no objeto contratual não estaria ex-
cluindo um número significativo de possíveis prestadoras de serviço,
identificada nos itens 9.8.2 e 9.8.3 do edital do pregão eletrônico
232/2013, o que afronta o princípio da busca da proposta mais van-
tajosa para a administração, nos termos do art. 3º da Lei
8.666/1993;
9.3.2. exigência de que os licitantes devam ter como res-
ponsável técnico um profissional formado em engenharia mecânica,
identificada no itens 9.8.2 do edital do pregão eletrônico 232/2013, o
que afronta a Lei 8.666/1993, em seu art. 30, § 1º, inciso I, que
dispõe, no tocante à capacitação técnico-profissional, que o profis-
sional responsável detenha atestado de responsabilidade técnica por
execução de obra ou serviço de características semelhantes;
9.3.3. exigência de que os licitantes comprovem possuir re-
presentação e equipe técnica para atendimentos emergenciais na ci-
dade do Rio de Janeiro, identificada no itens 9.8.4 do edital do pregão
eletrônico 232/2013, o que afronta o princípio da busca da proposta
mais vantajosa para a administração, nos termos do art. 3º, § 1º,
inciso I, da Lei 8.666/1993;
9.4. recomendar ao Instituto Nacional do Câncer – INCA que
adote o planejamento anual de contratação de bens e serviços es-
senciais, com vistas a evitar contratações emergenciais e riscos à
qualidade e à continuidade de sua atividade-fim, em prejuízo da
população;
9.5. dar ciência desta decisão, acompanhada do relatório e do
voto que a fundamentam, à representante, CCL Paraná Comércio de
Peças e Serviços Ltda., à interessada, RMS Tecnologia, Comércio e
Serviços de Produtos Laboratoriais Ltda., e ao órgão jurisdicionado;
9.6. arquivar os presentes autos.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0273-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler (Relator),
Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro que alegou impedimento na Sessão: Aroldo
Cedraz.13.3. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.4. Ministro-Substituto presente: André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 274/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 001.198/2014-9.
2. Grupo I – Classe de Assunto: Representação.
3. Interessada: Secretaria de Macroavaliação Governamental
(Semag).
4. Órgão/Entidade: não há.
5. Relator: Ministro Raimundo Carreiro.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Macroavaliação Gover-
namental (Semag).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de representação
formulada pela Secretaria de Macroavaliação Governamental (Semag)
acerca da fixação, para o exercício de 2014, dos percentuais in-
dividuais de participação dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu-
nicípios na distribuição da Contribuição de Intervenção no Domínio
Econômico (Cide), conforme o art. 159, III e § 4º, da Constituição
Federal, incluídos pela Emenda Constitucional n.º 42, de 19 de de-
zembro de 2003, e com a redação dada pela Emenda Constitucional
n.º 44, de 30 de junho de 2004.
ACORDAM os ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
com fulcro no § 4º do art. 1º-A da Lei 10.336, de 2001, e no § 2º do
art. 1º-B da mesma lei, em:
9.1. conhecer da representação e aprovar o projeto de decisão
normativa anexo;
9.2. encaminhar cópias do Acórdão e da Decisão Normativa,
e também do Relatório e do Voto que os fundamentam, aos Pre-
sidentes do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, ao Ministro
de Estado da Fazenda, ao Ministro de Estado do Planejamento, Or-
çamento e Gestão, ao Presidente do Banco do Brasil S/A, ao Diretor
Geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e
ao Diretor Geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e
Biocombustíveis;
9.3. determinar à Secretaria Geral de Controle Externo que
alerte as Secretarias de Controle Externo nos Estados sobre a ne-
cessidade de encaminhar, imediatamente, para a Secretaria de Ma-
croavaliação Governamental eventuais recursos interpostos para re-
tificação dos percentuais ora fixados, independentemente da data de
recebimento das petições, em face dos prazos fixados no art. 292-A
do Regimento Interno;
9.4. arquivar este processo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0274-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Wal-
ton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Raimundo
Carreiro (Relator), José Jorge e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 275/2014 – TCU – Plenário
1. Processo: TC 018.621/2009-7
2. Grupo I, Classe de Assunto I – Pedido de Reexame (em
Representação)
3. Recorrente(s): Eliézer Castiel Menda (CPF: 273.457.423-
34); Belchior da Silva Martins (CPF: 338.808.833-00); Dellano Jose
Gadelha Santos (CPF: 767.359.313-00); Kennedy de Brito Ribeiro
(CPF: 837.936.403-10)
4. Órgão(s)/Entidade(s): Fundação Universidade Federal do
Piauí – MEC
5. Relator: Ministro Raimundo Carreiro
5.1. Relator da decisão recorrida: Ministro Benjamin Zym-
ler
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidade Técnica: Serur
8. Advogado(s) constituído(s) nos autos: não há
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Pedido em
Reexame em Representação interpostos por Eliézer Castiel Menda,
Belchior da Silva Martins, Dellano Jose Gadelha Santos e Kennedy
de Brito Ribeiro contra os termos do Acórdão 1.019/2013 – Ple-
nário,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer dos Pedidos de Reexame, com fundamento no
art. 48 da Lei 8.443/1992, para, no mérito, negar-lhes provimento,
mantendo o Acórdão 1.019/2013 – TCU – Plenário;
9.2. dar ciência aos recorrentes e à Fundação Universidade
Federal do Piauí – MEC.10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0275-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Wal-
ton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Raimundo
Carreiro (Relator), José Jorge e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 276/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 028.820/2012-6.
2. Grupo II – Classe de Assunto: I – Embargos de Declaração
em Representação.
3. Interessados/Responsáveis/Recorrentes:
3.1. Responsável Nuelan Comércio de Materiais e Serviços
Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61).
3.2. Recorrente: Nuelan Comércio de Materiais e Serviços
Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61).
4. Entidade: Parque de Material de Eletrônica da Aeronáu-
tica.
5. Relator: Ministro Raimundo Carreiro
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro Raimundo
Carreiro.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo – RJ
(SECEX-RJ).
8. Advogado constituído nos autos: Murilo da Mota Con-
taiffer (OAB/RJ 170.311).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que cuidam de
Embargos de Declaração opostos pela empresa Nuelan Comércio de
Materiais e Serviços Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61), em face do
Acórdão nº 1.901/2013 – Plenário, por meio do qual o Tribunal
declarou a inidoneidade da empresa para participar de licitação na
Administração Pública Federal pelo período de seis meses.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer dos presentes Embargos de Declaração, uma
vez que foram preenchidos os requisitos específicos de admissibi-
lidade previstos pelos artigos 32 e 34 da Lei 8.443/1992 c/c o art. 287
do RI/TCU, para, no mérito, acolhê-los, com efeitos infringentes, a
fim de que o Acórdão nº 1.901/2013 – Plenário passe a viger com o
seguinte teor:
9.1. conhecer da presente Representação, com fundamento
nos arts. 235 e 237, inciso VI, do Regimento Interno deste Tribunal,
para, no mérito, considerá-la procedente;
9.2. alertar a empresa Nuelan Comércio de Materiais e Ser-
viços Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61) de que sua participação em
licitação exclusiva para microempresa e empresa de pequeno porte,
com tratamento diferenciado, sem que atenda às condições neces-
sárias para usufruir as vantagens previstas na Lei Complementar nº
123/2006, ensejará declaração de inidoneidade para participar de
licitação na Administração Pública Federal pelo período de até cinco
anos;
9.3. encaminhar cópia deste Acórdão, bem como do Re-
latório e Voto que o fundamentam, para:
9.3.1. a empresa Nuelan Comércio de Materiais e Serviços
Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61);
9.3.2. o Comitê Gestor de Tributação das Microempresas e
Empresas de Pequeno Porte (CGSN);
9.4. apensar definitivamente este processo ao TC
023.692/2012-0, após o trânsito em julgado do presente Acórdão.
9.2. encaminhar cópia deste Acórdão, bem como do Re-
latório e Voto que o fundamentam:
9.2.1 à empresa Nuelan Comércio de Materiais e Serviços
Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61);
9.2.2 à Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação
do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para as pro-
vidências necessárias à atualização do registro da empresa Nuelan
Comércio de Materiais e Serviços Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61),
no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores – Sicaf,
informando que os itens 9.2, 9.3, 9.4 e 9.5 do Acórdão nº 1.901/2013
– Plenário foram tornados insubsistentes e, por essa razão, o registro
de declaração de inidoneidade da empresa Nuelan Comércio de Ma-
teriais e Serviços Ltda. (CNPJ 05.112.505/0001-61), decorrente do
Acórdão nº 1.901/2013 – Plenário, deve ser cancelado;
9.2.3. ao Comitê Gestor de Tributação das Microempresas e
Empresas de Pequeno Porte (CGSN);
9.3 apensar definitivamente este processo ao TC
023.692/2012-0, após o trânsito em julgado do presente Acórdão.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0276-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro (Relator), José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201470ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 277/2014 – TCU – Plenário
1. Processo TC 032.726/2010-4
1.1. Apenso: TC 021.953/2008-0
2. Grupo I – Classe de Assunto: I – Pedido de reexame (em
processo de Denúncia)
3. Interessados/Responsáveis/Recorrentes:
3.1. Interessados: Prefeitura Municipal de Capela – SE
(CNPJ 13.119.961/0001-61); Prefeitura Municipal de Carira – SE
(CNPJ 13.099.882/0001-36)
3.2. Responsáveis: Gilma Araújo Santos Chagas (CPF
259.493.495-04); Joao Bosco Machado (CPF 103.513.615-53); Lo-
calyne Transporte Turismo Ltda. (CPF 03.551.401/0001-28); ST Lo-
cadora de Veículos Ltda. (CPF 02.479.172/0001-15)
3.3. Recorrente: Joao Bosco Machado (CPF 103.513.615-
53).
4. Órgão/Entidade: Prefeitura Municipal de Carira – SE.
5. Relator: Ministro Raimundo Carreiro
5.1. Relator da deliberacao recorrida: Ministro Augusto Nar-
des.
6. Representante do Ministério Público: Procurador Marinus
Eduardo De Vries Marsico.
7. Unidades Técnicas: Secretaria de Recursos – Serur; Se-
cretaria de Controle Externo no Estado de Sergipe Secex/SE
8. Advogado constituído nos autos: Lourival Freire Sobrinho
(OAB/SE 5646)
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de pedido de
reexame contra o Acórdão nº 1.063/2012 – TCU – Plenário.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1.conhecer do Pedido de Reexame interposto pelo Sr. João
Bosco Machado, com fundamento no art. 48 c/c os arts. 32 e 33 da
Lei 8.443/1992, para, no mérito, negar-lhe provimento, mantendo em
seus exatos termos o Acórdão nº 1.063/2012 – TCU – Plenário;
9.2. comunicar ao recorrente da decisão que vier a ser ado-
tada bem como aos demais interessados.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0277-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro (Relator), José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 278/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 033.848/2013-0.
2. Grupo I – Classe de Assunto: I – Contestação de Coe-
ficientes de Transferências Obrigatórias (CCTO).
3. Interessados/Responsáveis:
3.1. Interessados: Prefeitura Municipal de Bayeux-PB, Pre-
feitura Municipal de Santa Quitéria do Maranhão-MA e Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
4. Entidade: não há.
5. Relator: Ministro Raimundo Carreiro.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Macroavaliação Gover-
namental (SEMAG).
8. Advogado constituído nos autos: Edras da Silva Guedêlha
(OAB/MA 5.542) e outros.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que cuidam de
Contestação de Coeficientes de Transferências Obrigatórias em face
da Decisão Normativa – TCU 133/2013, de 27/11/2013, publicada no
Diário Oficial da União (D.O.U.) em 29/11/2013, que fixou os coe-
ficientes individuais do Fundo de Participação dos Municípios (FPM)
para o exercício de 2014.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator
e com fulcro no art. 292 do RI/TCU, em:
9.1. conhecer da contestação apresentada pelo município de
Bayeux-PB para, no mérito, considerá-la improcedente, consoante
Decisão adotada em 10/1/2014, com fulcro no art. 29 do RI/TCU, e
ratificada pelo Plenário do TCU na Sessão de 29/1/2014;
9.2. conhecer da contestação oferecida pelo município de
Santa Quitéria do Maranhão-MA, para, no mérito, considerar a aná-
lise prejudicada por perda de objeto, tendo em vista que a matéria foi
tratada pela Consultoria Jurídica do TCU (TC 000.189/2014-6), por
envolver decisão judicial;
9.3. não conhecer do requerimento do Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE) para alteração dos dados encami-
nhados ao TCU, devendo os novos dados ser considerados para o
cálculo da estimativa do próximo exercício;9.4. encaminhar cópia do presente Acórdão, acompanhado do
Relatório e do Voto que o fundamentam, para:
9.4.1. município de Bayeux-PB;
9.4.2. município de Santa Quitéria do Maranhão-MA;
9.4.3. o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IB-
GE);
9.4.4. a Consultoria Jurídica do TCU;
9.5. apensar o presente processo ao TC 030.131/2013-8.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0278-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro (Relator), José Jorge e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 280/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 015.931/2010-2.
1.1. Apensos: TC 029.481/2011-2; TC 036.172/2011-1; TC
002.369/2012-5
2. Grupo: I; Classe de Assunto: V – Relatório de Audi-
toria.
3. Interessado: Congresso Nacional
4. Órgão: Ministério da Defesa – MD
5. Relator: Ministro José Jorge
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Obras Ae-
roportuárias e de Edificação
8. Advogados constituídos nos autos: Amauri Feres Saad
(OAB/SP nº 261.859), Edgard Hermelino Leite Junior (OAB/SP nº
92.114)), Giuseppe Giamundo Neto OAB/SP (234.412) e Moacyr
Amâncio de Souza (OAB/DF nº 17.969) e Michael Gleidson Araújo
Cunha (OAB/DF nº 31.917)
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Auditoria efe-
tuada, com vistas a fiscalizar as obras de construção das vilas olím-
picas dos Jogos Mundiais Militares – RJ, em cumprimento à de-
terminação contida no Acórdão nº 442/2010 – Plenário.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. rejeitar as razões de justificativa apresentadas pelo Sr.
Eduardo Ruffo Monteiro Nunes, chefe da Comissão Regional de
Obras da 1ª Região Militar do Exército – CRO/1, e pelo Sr. Luis
Alfredo Venturini, chefe da Seção de Orçamentos e Cus-
tos/DOM/Exército;
9.2. com fundamento nos arts. 1º, incisos I e II, e 47 da Lei
nº 8.443/1992, c/c o art. 252 do Regimento Interno, converter os
presentes autos em Tomada de Contas Especial;
9.3. promover, nos termos do art. 12, inciso II, da Lei nº
8.443/1992, c/c o art. 202, inciso II, do Regimento Interno/TCU, a
citação dos Srs. Luis Alfredo Venturini e Vládimir Borges Araujo,
responsáveis pela aprovação da planilha orçamentária da licitação
2/2009-CRO/1, e do Sr. Eduardo Ruffo Monteiro Nunes, responsável
por dar causa a pagamento por serviço não realizado, ao descumprir
determinação constante dos itens 9.3 e 9.3.1 do Acórdão 3.032/2010-
TCU-Plenário, solidariamente com a Construtora Carioca Christiani-
Nielsen Engenharia S.A., para, no prazo de 15(quinze) dias, apre-
sentarem alegações de defesa ou recolherem aos cofres do Tesouro
Nacional a quantia original de R$ R$ 2.140.777,60(dois milhões,
cento e quarenta mil, setecentos e setenta e sete reais e sessenta
centavos) – (data-base: 10/8/2009) atualizada monetariamente e acres-
cida dos juros de mora, calculados a partir das datas a serem apuradas
pela SecobEdif até a data do efetivo recolhimento, na forma da
legislação em vigor, em razão de ter sido detectado superfaturamento
decorrente da existência de itens em duplicidade nos serviços re-
lativos à execução das estacas hélice contínua na planilha orçamen-
tária do contrato 4/2009-CRO/1;
9.4. remeter cópia dos presentes autos ao Ministério Público
Federal (MPF), para subsidiar os Inquéritos Civis Públicos
1.26.000.000832/2008-20 e 1.26.000.000956/2011-19 e o Procedi-
mento Administrativo 1.26.000.001531/2011-19, constantes de soli-
citações de informações contidas nos seguintes TCs: 029.481/2011-2,
036.172/2011-2, 002.369/2012-5, apensos ao presente processo.
9.5. dar ciência do presente acórdão, bem como do relatório
e voto que o fundamentam, ao Ministério da Defesa e ao Comandos
do Exército.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0280-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge (Relator) e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.ACÓRDÃO Nº 283/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 017.421/2013-6.
1.1. Apenso: 027.232/2013-1
2. Grupo I – Classe II – Solicitação do Congresso Nacional
3. Unidade: Agência Nacional de Energia Elétrica; Com-
panhia Hidro Elétrica do São Francisco; Ministério de Minas e Ener-
gia (vinculador)
4. Interessado: Comissão de Minas e Energia da Câmara dos
Deputados
5. Relator: Ministro José Jorge.
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Deses-
tatização e Regulação de Energia e Comunicações (SefidEnerg).
8. Advogado constituído nos autos: não consta
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Solicitação do
Congresso Nacional autuada a partir do Requerimento 236, de
17/6/2013, da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos De-
putados, solicitando que este Tribunal, com base nos arts. 70 e 71 da
Constituição Federal, realize auditoria nos processos e contratos de
implantação dos parques de energia eólica localizados na Bahia, no
Rio Grande do Norte e Ceará
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator,
e com fundamento no art. 15, inciso II, § 2º, da Resolução TCU nº
215/2008, em:
9.1 autorizar a prorrogação, por noventa dias, do prazo para
atendimento à presente solicitação;
9.2 dar ciência desta deliberação ao interessado, acompa-
nhada do relatório e voto que a fundamentam;
9.3 restituir o processo para a Secretaria de Fiscalização de
Desestatização e Regulação de Energia e Comunicações para a con-
tinuação das providências a seu cargo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0283-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge (Relator) e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 284/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 032.739/2013-3.
2. Grupo I – Classe de Assunto: II – Solicitação do Congresso
Nacional.
3. Interessada: Câmara dos Deputados.
4. Entidade: Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras).
5. Relator: Ministro José Jorge.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Controle Externo da Ad-
ministração Indireta no Rio de Janeiro (SecexEstat).
8. Advogado constituído nos autos: Carlos da Silva Fontes
Filho, OAB/RJ 59.712, Cristina Muraro Társia OAB/RJ 164.957.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de solicitação de
informações encaminhada ao Tribunal pelo Exmo. Sr. Presidente da
Câmara dos Deputados, acerca da fiscalização que está sendo rea-
lizada pelo TCU no Contrato 6000.0062274.10.2, de 2010, firmado
entre a Petrobras e a Construtora Odebrecht;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer a presente solicitação, uma vez atendidos os
requisitos de admissibilidade explicitados no inciso II do art. 3º e
alínea “a” do inciso I do art. 4º da Resolução-TCU 215/2008;
9.2. informar à Presidência da Câmara dos Deputados que:
9.2.1. se encontra em andamento, no âmbito do TC
031.750/2013-3, auditoria, ainda em fase de planejamento, com o
objetivo de analisar, entre outros, o contrato de prestação de serviços
de segurança, meio-ambiente, eficiência energética e saúde (SMES),
firmado em 2010 entre o grupo Petrobras e o grupo Odebrecht (con-
trato 6000.0062274.10.02);
9.2.2. quando estiverem disponíveis as informações referen-
tes aos valores despendidos item a item, inclusive em valores per-
centuais, durante a execução do referido contrato, o Tribunal as en-
caminhará à Presidência da Câmara dos Deputados;
9.2.3. imediatamente após o julgamento de mérito do TC
031.750/2013-3, o Tribunal encaminhará à Presidência da Câmara dos
Deputados a decisão que vier a ser proferida, acompanhada do Re-
latório e Voto que a fundamentarem;
9.3. encaminhar, desde já, por meio eletrônico, cópia das
páginas 63-82 da peça 7 do TC 016.379/2013-6 (referente ao objeto
contratado no âmbito do Contrato 6000.0062274.10.2, firmado entre o
grupo Petrobras e o grupo Odebrecht), à Presidência da Câmara dos
Deputados;
9.4. alertar a solicitante, em face dos regramentos contidos
nas Resoluções TCU nºs 254/2013 e 191/2006, sobre o caráter si-
giloso do processo, a consequente necessidade de se manter a con-
fidencialidade das informações disponibilizadas e o fato de que o
processo se encontra pendente de deliberação do Tribunal;
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201471ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
9.5. estender ao TC 031.750/2013-3 os atributos de Soli-
citação do Congresso Nacional, em face do que prescrevem o inciso
III do art. 14 e o art. 5º da Resolução-TCU 215/2008;
9.6. determinar a juntada de cópia da presente deliberação ao
TC 031.750/2013-3, em respeito ao que prescreve o inc. V do art. 14
e § 3º do art. 17 da Resolução-TCU 215/2008;
9.7. encaminhar cópia da presente deliberação, bem como do
Relatório e do Voto que a fundamentam, à Presidência da Câmara dos
Deputados;
9.8. determinar à Secretaria de Controle Externo da Ad-
ministração Indireta no Rio de Janeiro que:
9.8.1. tão logo disponha das informações referentes ao Con-
trato 6000.0062274.10.2, encaminhe à Câmara dos Deputados, de
forma a garantir o cumprimento do comando contido no subitem
9.2.2 deste Acórdão;
9.8.2. tão logo se opere o julgamento do TC 031.750/2013-3,
faça constar da instrução final de mérito a ser elaborada nos autos da
presente solicitação, sugestão de encaminhamento tendente a garantir
o cumprimento do comando contido no subitem 9.2.3 deste Acór-
dão.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0284-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge (Relator) e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 285/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 625.089/1998-7.
1.1. Apensos: TC 014.529/1999-8; TC 625.095/1997-9.
2. Grupo II – Classe de Assunto: I – Embargos de De-
claração.
3. Recorrente: Clóvis Antônio Schwertner (185.728.390-
20).
4. Órgão: Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária
e Abastecimento no Rio Grande do Sul – MAPA.
5. Relator: Ministro José Jorge.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: não atuou.
8. Advogados constituídos nos autos: Eliseu Lemos Padilha
(OAB/RS 8.690), Simone Camargo (OAB/RS 49.110), Rubia Guas-
selli Dalpiaz (OAB/RS 75.711) e Caroline Urbanski (OAB/RS
88.222).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de embargos de
declaração opostos pelo Sr. Clóvis Antônio Schwertner em face do
Acórdão nº 955/2013-Plenário.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. conhecer dos embargos de declaração para, no mérito,
rejeitá-los;
9.2. dar ciência desta deliberação, acompanhada do relatório
e do voto que a fundamentam, ao embargante.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0285-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge (Relator) e José Múcio Mon-
teiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 286/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC-018.457/2013-4
2. Grupo II – Classe I – Pedido de Reexame
3. Recorrente: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e
Comércio Exterior (MDIC)
4. Unidade: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Co-
mércio Exterior (MDIC)
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro Aroldo Ce-
draz
6. Representante do Ministério Público: Procurador Sergio
Ricardo Costa Caribé
7. Unidades Técnicas: Segecex e Serur
8. Advogados constituídos nos autos: André Luiz Cavalcanti
Silveira, Advogado da União, e Raul Lycurgo Leite, Procurador Fe-
deral da Advocacia-Geral da União (AGU), na condição de repre-
sentantes jurídicos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria Co-
mércio Exterior9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos em fase de pe-
dido de reexame do Ministério do Desenvolvimento, Indústria Co-
mércio Exterior contra o Acórdão 1.317/2013 – Plenário.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator,
com base no art. 48 da Lei 8.443/1992, em:
9.1. conhecer, excepcionalmente, do pedido de reexame, pa-
ra, no mérito, negar-lhe provimento;
9.2. dar ciência do inteiro teor desta deliberação ao recor-
rente, ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP) e ao
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0286-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Monteiro (Re-
lator).
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 287/2014 – TCU – Plenário
1. Processo TC 022.762/2008-3
2. Grupo II – Classe VI – Revisão de Ofício (em Apo-
sentadoria)
3. Interessados: Armandino Manuel Proença de Almeida
(CPF 388.184.187-34), Berenice Marcolino dos Santos (CPF
098.429.148-28), Jaime Rodrigues Borcem (CPF 104.063.952-68),
José Alves Pessoa (CPF 147.715.784-00), José Pereira Carvalho (CPF
193.149.817-20), Jurema de Oliveira Alves (CPF 456.373.937-53),
Maria Léa dos Santos Sousa (CPF 179.066.521-34), Milton Geraldo
Pereira (CPF 065.952.436-87), Sara Santos da Silva (CPF
183.461.380-91) e Sebastião Telles da Silva Sobrinho (CPF
277.873.629-87)
4. Unidade: Diretoria de Administração do Pessoal do Co-
mando da Aeronáutica
5. Relator: Ministro José Múcio Monteiro
5.1. Relator da deliberação revisada: Ministro Benjamin
Zymler
6. Representante do Ministério Público: Procurador Marinus
Eduardo De Vries Marsico
7. Unidade Técnica: Sefip
8. Advogado constituído nos autos: não há
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que tratam da
revisão de ofício de atos de concessões de aposentadorias a servidores
da Diretoria de Administração do Pessoal do Comando da Aero-
náutica.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator, e
com fundamento no art. 71, inciso III, da Constituição Federal, arts.
1º, inciso V, e 39, inciso II, da Lei nº 8.443/1992 e art. 262, § 2º, do
Regimento Interno, em:
9.1. rever de ofício o Acórdão nº 5.687/2010-TCU-2ª Câ-
mara, de modo a excluir o nome de José Alves Pessoa do seu item
9.3, incluindo-o no item 9.1, com ajuste dos demais itens correlatos,
em face da concessão de registro ao ato anteriormente considerado
ilegal, como segue:
“9.1. considerar legais as concessões de aposentadorias a
Berenice Marcolino dos Santos, José Alves Pessoa, Jurema de Oli-
veira Alves, Milton Geraldo Pereira e Sebastião Telles da Silva So-
brinho e determinar o registro dos respectivos atos;
(…)
9.3. considerar ilegais as concessões de aposentadorias a
Jaime Rodrigues Borcem, Sara Santos da Silva e Armandino Manuel
Proença de Almeida e negar registro aos respectivos atos;
(…)
9.5. determinar à Diretoria de Pessoal do Comando da Ae-
ronáutica que adote as seguintes providências, no prazo de quinze
dias:
9.5.1. dê ciência do inteiro teor desta deliberação aos ser-
vidores Jaime Rodrigues Borcem, Sara Santos da Silva e Armandino
Manuel Proença de Almeida e faça juntar os comprovantes de no-
tificação a estes autos nos quinze dias subsequentes;”
9.2. determinar à Diretoria de Administração do Pessoal do
Comando da Aeronáutica que:
9.2.1. disponibilize, no sistema Sisac, novos atos de apo-
sentadorias:
9.2.1.1. em nome de Armandino Manuel Proença de Al-
meida, com a correção das falhas contidas no formulário anterior-
mente enviado ao TCU, especialmente com relação ao fundamento
legal do ato, ao tempo de serviço para aposentadoria e ao tempo de
efetivo exercício do magistério;
9.2.1.2. em favor de Jaime Rodrigues Borcem, livre das
irregularidades apontadas no Acórdão nº 5.687/2010-TCU-2ª Câmara,
uma vez que a ficha Sisac que teve seu registro recusado continha
dados de vantagens que indicavam que os proventos não haviam sido
fixados com base na média das remunerações do servidor;
9.2.2. providencie, se ainda não o fez, a revisão da apo-
sentadoria por invalidez de José Alves Pessoa, nos termos do art. 2º
da Emenda Constitucional nº 70/2012, enviando o correspondente ato
de alteração para a apreciação do Tribunal;9.3. dar ciência desta deliberação aos inativos referidos nos
itens 9.1 e 9.2 acima;
9.4. arquivar o presente processo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0287-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro,
José Jorge e José Múcio Monteiro (Relator).
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 288/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 025.392/2007-6
2. Grupo II, Classe V – Relatório de Auditoria
3. Interessado: Tribunal de Contas da União
4. Unidade: Coordenação-Geral de Recursos Logísticos do
Ministério da Saúde
5. Relator: Ministro José Múcio Monteiro
6. Representante do Ministério Público: Subprocuradora-Ge-
ral Cristina Machado da Costa e Silva
7. Unidade Técnica: 4ª Secex (extinta)
8. Advogado constituído nos autos: não há
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de relatório de
auditoria de conformidade nos contratos de limpeza, conservação e
vigilância vigentes em 2006 e 2007 no Ministério da Saúde.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator, e
com fundamento no art. 250, inciso II, do Regimento Interno, em:
9.1 determinar ao Departamento de Logística do Ministério
da Saúde que:
9.1.1 nas futuras contratações, se abstenha de incluir nos
orçamentos dos serviços provisão para as parcelas de IRPJ e
CSLL;
9.1.2 justifique a pertinência e a adequação do custo re-
ferente à reserva técnica, quando incluído nas propostas de preços;
9.1.3 realize estudos visando atualizar os percentuais que
compõem as várias rubricas da planilha de formação preços que
subsidiam a fixação de valores-limite para as contratações dos ser-
viços terceirizados de vigilância e limpeza e conservação, em especial
os percentuais de encargos sociais, utilizando dados estatísticos por
estados da federação;
9.1.4 avalie a oportunidade de publicar portaria reduzindo os
valores-limite para a contratação dos serviços de limpeza e con-
servação, observando como referência os percentuais máximos de
encargos sociais utilizados na Portaria SCTI/MP nº 6/2007, que fixou
limites para os serviços de vigilância, até que os estudos propostos no
item anterior estejam concluídos, observando, ainda, no que for ca-
bível, as modificações trazidas pela Lei nº 12.546/2011 e pelo De-
creto nº 7.828/2012, no que tange à desoneração da folha de pa-
gamento em alguns setores da economia;
9.1.5 realize estudos, conforme as necessidades específicas
do órgão, visando otimizar a ocupação nos postos de vigilância de
forma a extinguir aqueles que não forem essenciais, substituir por
recepcionistas aqueles que tenham como efetiva atribuição o aten-
dimento ao público e definir diferentes turnos, visando eliminar pos-
tos de escala 12×36 que ficam ociosos nos finais de semana;
9.1.6 informe ao Tribunal de Contas da União, no prazo
máximo de noventa dias, as providências adotadas para dar cum-
primento às determinações anteriores;
9.2 arquivar o processo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0288-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro,
José Jorge e José Múcio Monteiro (Relator).
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 289/2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 033.949/2013-1
2. Grupo II – Classe de Assunto: VII – Representação
3. Representante: Vigas Consultoria e Engenharia Ltda.
(CNPJ: 06.992.174/0001-64)
3.1. Interessada: Bianchini & Nicolini Ltda. (CNPJ:
00.583.940/0001-50)
4. Unidade: Associação Franciscana de Assistência à Saúde
(Hospital Estrela)
5. Relator: Ministro José Múcio Monteiro
6. Representante do Ministério Público: não atuou
7. Unidade Técnica: Secex/RS
8. Advogados constituídos nos autos: Matheus Rocha Fa-
ganello (OAB/RS 66.639) e Rosemari Hofmeister (OAB/RS
37.509)
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201472ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de representação,
com pedido de medida cautelar, encaminhada pela empresa Vigas
Consultoria e Engenharia Ltda. em face de possíveis ilegalidades
ocorridas na Concorrência 1/2013, promovida pela Associação Fran-
ciscana de Assistência à Saúde para a reforma do bloco cirúrgico e do
pronto socorro do Hospital Estrela, localizado na cidade de mesmo
nome no Estado do Rio Grande do Sul.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, ante as razões expostas pelo Relator, e
com fundamento nos arts. 157, 235, caput, 237, inciso VII e parágrafo
único, e 276, § 6º, do Regimento Interno/TCU c/c o art. 113, § 1º, da
Lei 8.666/1993, em:
9.1. requerer à Associação Franciscana de Assistência à Saú-
de que encaminhe ao Tribunal, no prazo de 5 (cinco) dias úteis, cópia
integral dos documentos relativos à Concorrência 001/2013, incluindo
os atestados e demais elementos de habilitação das licitantes, a pro-
posta vencedora, as atas da comissão de licitação, os pedidos de
impugnação e esclarecimentos prestados, bem como o projeto básico
e o orçamento-base em meio digital (arquivos dwg, doc, pdf ou xls,
conforme o caso);
9.2. determinar à Secex/RS que:
9.2.1. adote as medidas necessárias à concretização do co-
mando acima com a urgência requerida pela situação, valendo-se,
inclusive, dos meios de comunicação mais ágeis que dispor para
promover a notificação da entidade;
9.2.2. tão logo os documentos sejam encaminhados, veri-
fique, de forma expedita, seu eventual reflexo na proposta de en-
caminhamento formulada anteriormente, submetendo imediatamente
os autos ao Relator.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0289-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro,
José Jorge e José Múcio Monteiro (Relator).
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 290/2014 – TCU – Plenário
1. Processo TC-026.169/2013-4.
1.1. Apensos: 029.058/2013-9; 029.440/2013-0;
029.623/2013-8; 028.892/2013-5; 029.078/2013-0; 028.917/2013-8;
029.053/2013-7; 029.120/2013-6; 029.068/2013-4
2. Grupo: II – Classe de assunto: V – Auditoria.
3. Interessado: Tribunal de Contas da União.
4. Unidade: Secretaria Nacional de Assistência Social
(SNAS/MDS).
5. Relator: Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcan-
ti.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade técnica: SecexPrevidência.
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de auditoria de
conformidade, na modalidade fiscalização de orientação centralizada
(FOC), nas entidades que possuem o certificado de entidades be-
neficentes de assistência social (CEBAS) concedido pela Secretaria
Nacional de Assistência Social (SNAS), do Ministério do Desen-
volvimento Social e Combate à Fome (MDS),
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão de Plenário, ante as razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. determinar à Secretaria Nacional de Assistência Social
(SNAS/MDS) que:
9.1.1. apure, no prazo de 180 dias, as ocorrências relatadas
no item 2.1 do Relatório que acompanha este Acórdão em relação às
entidades Centro de Assistência e Promoção Social Nosso Lar (CNPJ
67.139.907/0001-07) e Associação das Damas de Caridade de São
Vicente de Paulo (CNPJ 60.904.711/0001-12), reavaliando o cum-
primento, por parte daquelas instituições, dos requisitos estabelecidos
no art. 18 da Lei 12.101/2009, em especial o da gratuidade da pres-
tação, de maneira a verificar a validade ou não do Certificado de
Entidades Beneficentes de Assistência Social concedido àquelas en-
tidades, dando conhecimento ao Tribunal, ao final do prazo con-
cedido, dos resultados das apurações e das eventuais medidas ado-
tadas;
9.1.2. apure, no prazo de 180 dias, as ocorrências relatadas
no item 2.2 do Relatório que acompanha este Acórdão em relação à
entidade Fundação Obra de Preservação dos Filhos de Tuberculosos
(CNPJ 62.300.082/0001-47), reavaliando o cumprimento, por parte
daquela fundação, dos requisitos estabelecidos no art. 18 da Lei
12.101/2009, em especial o da continuidade da prestação e o de que
a entidade não tenha fins lucrativos, de maneira a verificar a validade
ou não do Certificado de Entidades Beneficentes de Assistência So-
cial concedido àquela entidade, dando conhecimento ao Tribunal, ao
final do prazo concedido, dos resultados das apurações e das even-
tuais medidas adotadas;
9.2. encaminhar cópia do presente Acórdão, acompanhada do
Relatório e da Proposta de Deliberação que o fundamentam, à Se-
cretaria Nacional de Assistência Social (SNAS/MDS);
9.3. arquivar os presentes autos.10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0290-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro,
José Jorge e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti (Relator) e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº 291/2014 – TCU – Plenário
1. Processo TC-029.469/2013-9.
2. Grupo II – Classe de Assunto VII: Representação.
3. Responsável: Obadias Braz Odorico, Prefeito (CPF
288.101.202-72).
3.1. Interessado: Oliveira & Garcia Construções e Terre-
planagens Ltda. – ME (CNPJ 03.174.630/0001-70)
4. Unidade: Município de Alto Alegre dos Parecis/RO.
5. Relator: Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcan-
ti.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade técnica: Secretaria de Controle Externo – RO
(Secex/RO).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de representação
formulada pela empresa Oliveira & Garcia Construções e Terrepla-
nagens Ltda. – ME a respeito de possíveis irregularidades ocorridas na
Tomada de Preços 05/2013, realizada pela Prefeitura Municipal de
Alto Alegre dos Parecis/RO, destinada à contratação de empresa para
construção do Centro de Saúde Homeopático, custeado com recursos
federais oriundos do Convênio CV 065/PCN/2012, celebrado com o
Ministério da Defesa (MD);
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão de Plenário, em:
9.1. conhecer da presente representação, por preencher os
requisitos de admissibilidade previstos nos arts. 235 e 237, inciso VI
e parágrafo único, do RI/TCU c/c o art. 113, § 1º, da Lei 8.666/1993,
para, no mérito, considerá-la parcialmente procedente;
9.2. recomendar à Prefeitura Municipal de Alto Alegre dos
Parecis/RO que envide esforços para promover o adequado treina-
mento dos servidores componentes da comissão de licitação, a fim de
evitar ocorrências de irregularidades na condução de futuros cer-
tames;
9.3. dar ciência à Prefeitura Municipal de Alto Alegre dos
Parecis/RO das seguintes irregularidades e impropriedades ocorridas
na Tomada de Preços 05/2013, com vistas a evitá-las em futuros
certames licitatórios destinados à contratação de objetos custeados por
recursos federais:
9.3.1. exigência de comprovação técnico-profissional sem
demonstração formal e objetiva de que tal exigência refere-se a par-
cela de maior relevância e valor significativo do objeto, nos termos
do art. 30, § 1°, inciso I, da Lei 8.666/93, como ocorrido no tocante
à exigência de apresentação do respectivo atestado pelo engenheiro
eletricista responsável técnico;
9.3.2. necessidade de apresentação de atestado de capaci-
tação técnica em nome do profissional contendo menção à vinculação
deste à empresa licitante, em desacordo com o disposto no art. 30, §
1°, inciso I, da Lei 8.666/93;
9.3.3. exigência de apresentação de garantia em data anterior
à fixada como limite para a entrega da documentação de habilitação
econômico-financeira, com infringência ao disposto nos arts. 4º, 21, §
2º, 31, inciso III, 40, inciso VI, e 43, inciso I, todos da Lei
8.666/93;
9.3.4. inabilitação de empresa devido à ausência de reco-
nhecimento de firma, exigência essa que apenas pode ser feita em
caso de dúvida da autenticidade da assinatura e com prévia previsão
editalícia, conforme entendimento desta Corte, a exemplo do Acórdão
3.966/2009-2ª Câmara;
9.3.5. necessidade de recolhimento de taxa no valor de R$
50,00 para aquisição do edital, valor incompatível com o custo de
reprodução, em desobediência ao art. 32, § 5º, da Lei 8.666/93;
9.4. encaminhar cópia deste acórdão, acompanhado das peças
que o fundamentam, à representante e à Prefeitura Municipal de Alto
Alegre dos Parecis/RO;
9.5. arquivar este processo.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0291-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Benjamin Zymler, Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro,
José Jorge e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti (Relator) e André Luís de Carvalho.ACÓRDÃO Nº 292/2014 – TCU – Plenário
1. Processo TC 032.950/2013-6.
2. Grupo II – Classe I – Agravo.
3. Agravante: LocalFrio S. A. – Armazéns Gerais Frigo-
ríficos (CNPJ 58.317.751/0001-16).
4. Unidades: Secretaria de Portos da Presidência da Re-
pública (SEP/PR) e Agência Nacional de Transportes Aquaviários
(Antaq).
5. Relator: ministro-substituto Weder de Oliveira.
5.1. Relatora da deliberação agravada: ministra Ana Arraes.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: não atuou.
8. Advogados: Pedro Estevam Alves Pinto Serrano (OAB/SP
90.846) e Paulo Henrique Triandafelides Capelotto (OAB/SP
270.956).
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de agravo in-
terposto pela empresa LocalFrio S. A. – Armazéns Gerais Frigoríficos
contra despacho que indeferiu sua habilitação como interessada neste
feito e nos processos TC 029.083/2013-3, 031.834/2013-2,
032.891/2013-0 e 012.687/2013-8, todos relacionados ao arrendamen-
tos de áreas portuárias.
ACORDAM os ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo relator
e com fundamento no art. 31 da Lei 8.443/1992 c/c o art. 289 do
Regimento Interno, em:
9.1. conhecer do agravo interposto pela LocalFrio S. A. –
Armazéns Gerais Frigoríficos e negar-lhe provimento;
9.2. conceder-lhe acesso às informações constantes destes
autos e dos TC 029.083/2013-3, TC 031.834/2013-2, TC
032.891/2013-0, TC 029.596/2013-0 e TC 012.687/2013-8, com fun-
damento na Lei 12.527/2011;
9.3. juntar cópia deste acórdão, acompanhado do relatório e
do voto que o fundamentaram, aos processos referidos no subitem
anterior;
9.4. dar ciência à agravante do teor desta deliberação;
9.5. remeter os autos à SefidTransporte, para cumprimento
das providências determinadas neste acórdão.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0292-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Benjamin Zymler, Aroldo
Cedraz, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira (Re-
lator).
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
ACÓRDÃO Nº /2014 – TCU – Plenário
1. Processo nº TC 031.086/2013-6.
1.1. Apenso: 031.596/2013-4
2. Grupo II – Classe de Assunto: I Embargos de decla-
ração(Desestatização)
3. Interessados/Responsáveis/Recorrentes:
3.1. Interessados: Advocacia-geral da União; Agência Na-
cional de Transportes Terrestres (04.898.488/0001-77)
3.2. Recorrente: Advocacia-geral da União.
4. Órgão/Entidade: Agência Nacional de Transportes Ter-
restres.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
5.1. 1º Revisor: Ministro José Jorge.
5.2. 2º Revisor: Ministro Aroldo Cedraz.
5.2. Relator da deliberacao recorrida: Ministro Walton Alen-
car Rodrigues.
6. Representante do Ministério Público: não atuou.
7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Deses-
tatização e Regulação de Transportes (SefidTrans).
8. Advogado constituído nos autos: não há.
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de embargos de
declaração opostos contra o Acórdão 3.697/2013-Plenário;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, ante as razões expostas pelo Relator
e com fundamento nos arts. 32, inciso II, e 34 da Lei 8.443/1992,
em:
9.1. conhecer dos embargos de declaração opostos pela
Agência Nacional de Transportes Terrestres para, no mérito, dar-lhes
provimento parcial e conceder-lhes efeitos infringentes;
9.2. tornar insubsistentes as determinações contidas nos itens
9.2.2.1, 9.2.2.6 e 9.2.8 do Acórdão 3.697/2013-Plenário;
9.3. conceder a seguinte redação aos itens 9.2.2.2; 9.2.2.3;
9.2.2.4; 9.2.2.5 e 9.2.2.7;
9.2.2.2. seja expurgado o acréscimo indevido a título de
empolamento, e corrigida a DMT de sublastro para considerar as
ocorrências de material, excluindo as jazidas não aproveitáveis;
9.2.2.3. sejam corrigidos os quantitativos, as origens e as
distâncias médias de transporte (DMT) de brita para lastro, admi-
tindo-se que metade da brita fosse levada dos pontos de estoque às
frentes de obra por via rodoviária e a outra metade por via fer-
roviária;
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201473ISSN 1677-7042
EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
9.2.2.4. sejam corrigidas as estimativas para os caminhos de
serviço, calculando-os de acordo com as informações contidas nos
estudos de engenharia e apresentando as memórias de cálculo ob-
servando o padrão de largura de 4m, devendo ser justificados os
trechos específicos em que forem necessárias larguras de estrada
diferentes das que constam do estudo encaminhado;
9.2.2.5. seja promovida a alteração da projeção de inves-
timento para as Obras de Arte Especiais mediante a adoção de uma
das medidas a seguir:
9.2.2.5.1. elaboração de orçamento detalhado baseado nos
projetos básicos das Obras de Arte Especiais elaborados pela VALEC
para a FICO; ou
9.2.5.5.2. elaboração de orçamento parametrizado tendo por
base os custos de todas obras de arte especiais da Ferrovia de In-
tegração Oeste-Leste – FIOL, apurados em relação a projetos atua-
lizados e orçamentos revisados, admitindo-se que a parametrização
seja realizada em relação às obras de características semelhantes.
9.2.2.7. seja realizada a adequação da área e dos valores dos
imóveis a serem desapropriados estimados nos estudos, de forma a
alinhar o custo da desapropriação e aquisição de terras com as ca-
racterísticas da ferrovia e com os valores praticados pelo mercado;
9.4. considerar atendidos os itens 9.2.6 e 9.2.7 do Acórdão
3.697/2013-Plenário, sem prejuízo de a matéria ser reapreciada caso
identificada falha pela unidade técnica;
9.5. conceder a seguinte redação ao item 9.2.4 do Acórdão
3.697/2013-Plenário;
9.2.4. estabeleça expressamente no edital e/ou no contrato
que a metodologia de verificação da capacidade operacional relativa
ao projeto executivo de engenharia a ser elaborado pela conces-
sionária será idêntica àquela estabelecida para a aferição de capa-
cidade operacional efetiva para fins de remuneração da concessio-
nária, e que ambas serão apuradas com a utilização de software
simulador de desempenho que a ser definido pela ANTT.
9.6. incluir, no item 9.4 do Acórdão 3.697/2013-Plenário, a
seguinte recomendação dirigida à ANTT;
9.4.4. regulamente, com a brevidade possível, os procedi-
mentos de aferição dos parâmetros geométricos da via permanente,
bem como especifique o software a ser empregado na medição da
capacidade operacional das ferrovias;
9.7. determinar a autuação de processo de monitoramento
pela Secretaria de Fiscalização de Desestatização e Regulação de
Transportes – SefidTransportes e pela Secretaria de Fiscalização de
Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias – SecobHidro, dando en-
foque nas informações técnicas trazidas nos embargos de declara-
ção;
9.8. dar ciência desta deliberação à Casa Civil da Presidência
da República, ao Ministério dos Transportes e à Agência Nacional de
Transportes Terrestres – ANTT.
10. Ata n° 4/2014 – Plenário.
11. Data da Sessão: 12/2/2014 – Ordinária.
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na
Internet: AC-0-04/14-P.
13. Especificação do quorum:
13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Val-
mir Campelo, Walton Alencar Rodrigues (Relator), Benjamin Zymler,
Aroldo Cedraz (2º Revisor), Raimundo Carreiro, José Jorge (1º Re-
visor) e José Múcio Monteiro.
13.2. Ministro-Substituto convocado: Weder de Oliveira.
13.3. Ministros-Substitutos presentes: Augusto Sherman Ca-
valcanti e André Luís de Carvalho.
E N C E R R A M E N TO
Às 18 horas, a Presidência convocou Sessão Extraordinária
de Caráter Reservado a ser realizada a seguir e encerrou a sessão, da
qual foi lavrada esta ata, a ser aprovada pelo Presidente e homologada
pelo Plenário.
MARCIA PAULA SARTORI
Subsecretária do Plenário
Aprovada em 19 de fevereiro de 2014.
JOÃO AUGUSTO RIBEIRO NARDES
PresidenteArt. 1° O período de trânsito no caso das promoções ou
remoções envolvendo deslocamentos rodoviários inferiores a
1.000km (mil quilômetros) será de 10 (dez) dias, contados da data da
publicação do ato de abertura do trânsito.
Art. 2° O período de trânsito no caso das promoções ou
remoções envolvendo deslocamentos rodoviários que variem de
1.000km (mil quilômetros) a 2.000km (dois mil quilômetros) será de
20 (vinte) dias, contados da data da publicação do ato de abertura do
trânsito.
Art. 3° O período de trânsito no caso das promoções ou
remoções envolvendo deslocamentos rodoviários superiores a
2.000km (dois mil quilômetros) será de 30 (trinta) dias, contados da
data da publicação do ato de abertura do trânsito.
Art. 4º No caso de um dos municípios envolvidos não pos-
suir ligação com a malha rodoviária nacional e não dispor de ae-
roporto com voos diários para a capital do Estado, o período de
trânsito poderá ser majorado pelo Defensor Público-Geral Federal
para até 30 (trinta) dias.
Art. 5º No caso de necessidade de provimento imediato de
determinada vaga em órgão de atuação, o período de trânsito poderá
ser reduzido pelo Defensor Público-Geral Federal para, no mínimo,
10 (dez) dias.
Art. 6º O período de trânsito no caso de remoções por per-
muta ou de concessão de um novo período em intervalo inferior a 24
(vinte e quatro) meses do último trânsito deferido será de 10 (dez)
dias.
Art. 7º Não será concedido período de trânsito para des-
locamento de Defensor Público Federal para a unidade da qual se
encontrava afastado em razão de licença ou afastamento requeridos
por este ou para qualquer tipo de movimentação interna ou em caso
de promoção para o mesmo município.
Art. 8º Na hipótese de o Defensor encontrar-se em licença ou
afastado legalmente no momento em que deveria correr o trânsito,
este será contado a partir do término do impedimento.
Parágrafo único. O período de trânsito poderá correr durante
o recesso judicial, não podendo o Defensor em trânsito figurar em
escala de plantão das unidades envolvidas.
Art. 9° O Defensor Público Federal interessado poderá, por
manifestação escrita e fundamentada, requerer, a bem do serviço
público, a modificação do termo inicial do período de trânsito.
Art. 10. Findo o período de trânsito, o Defensor Público
Federal removido ou promovido deverá adequar eventuais períodos
de férias autorizados pela Chefia da Unidade de origem à escala da
Unidade de destino.
Art. 11. Esta Resolução entra em vigor na data da sua pu-
blicação.
HAMAN TABOSA DE MORAES E CÓRDOVA
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO Nº 85, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2014
Fixa parâmetros objetivos e procedimentos
para a presunção e comprovação da neces-
sidade das pessoas naturais e jurídicas.
O CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA
DA UNIÃO, no uso da atribuição que lhe é conferida pelo inciso I do
artigo 10 da Lei Complementar n. 80, de 12 de janeiro de 1994;
Considerando a exigência republicana de tratar a todos de
maneira uniforme;
Considerando que a assistência jurídica integral e gratuita é
serviço público destinado aos necessitados, resolve:
Disposições gerais
Art. 1º Presume-se economicamente necessitada a pessoa
natural que integre núcleo familiar, cuja renda mensal bruta não
ultrapasse o valor total de 3 (três) salários mínimos.
§ 1º Adotar-se-á a renda mensal bruta de 4 (quatro) salários
mínimos, quando a pessoa natural integrar núcleo familiar que conte
com 6 (seis) ou mais integrantes.
§ 2º Considera-se núcleo familiar o grupo de pessoas com-
posto pelo requerente, cônjuge ou companheiro, pais e, na ausência
de um deles, madrasta ou padrasto, irmãos solteiros, filhos e enteados
solteiros e menores tutelados, desde que vivam sob o mesmo teto.
§ 3º Admite-se a existência de núcleos familiares distintos,
vivendo sob o mesmo teto, hipótese em que apenas será aferida a
renda daquele núcleo integrado pelo requerente.
§ 4º Renda familiar mensal é a soma dos rendimentos brutos
auferidos mensalmente pelos membros do núcleo familiar, incluindo-
se os valores percebidos a título de alimentos.
§ 5º Deduzem-se da renda familiar mensal:
I – os rendimentos decorrentes de programas oficiais de
transferência de renda;
II – os rendimentos decorrentes de benefícios assistenciais e
previdenciários mínimos pagos a idoso ou deficiente;
III – os gastos com valores pagos a título de alimentos;
IV – gastos extraordinários com saúde decorrentes de mo-
léstias graves ou crônicas;
V- outros gastos extraordinários e essenciais.
§ 6º Para atender às peculiaridades regionais, o Defensor
Público-Chefe poderá, por meio de ato normativo próprio, utilizar o
menor piso salarial regional em substituição ao salário mínimo.
§ 7º Os critérios estabelecidos neste artigo não excluem a
aferição pelo Defensor Público da necessidade econômica no caso
concreto, por meio de decisão devidamente fundamentada.
Art. 2º Considera-se economicamente necessitada a pessoa
jurídica, com fins lucrativos ou não, que atenda, cumulativamente, as
seguintes condições:
I – não remunere, individualmente, empregado ou prestador
de serviços autônomo com valor bruto mensal superior a 2 (dois)
salários mínimos;II – não remunere os sócios, individualmente, com pro labore
ou lucros, em valor bruto mensal superior a 3 (três) salários mí-
nimos;
III – não possua faturamento anual superior a 180 vezes o
valor do salário mínimo.
§ 1º Para atender às peculiaridades regionais, o Defensor
Público-Chefe poderá, por meio de ato normativo próprio, utilizar o
menor piso salarial regional em substituição ao salário mínimo.
§ 2º Os critérios estabelecidos neste artigo não excluem a
aferição pelo Defensor Público da necessidade econômica no caso
concreto, por meio de decisão devidamente fundamentada.
Art. 3º Independentemente do preenchimento dos requisitos
de renda, não se caracteriza como economicamente necessitada a
pessoa natural ou jurídica que tenha patrimônio vultoso, excluído o
bem de família.
Art. 4º Deverá ser prestada assistência jurídica em favor da
pessoa natural quando for constatado que, independentemente da con-
dição econômica, não seja possível o acesso à justiça sem a prestação
da assistência jurídica gratuita.
Art. 5º O exercício da curadoria especial independe da ne-
cessidade econômica de seu beneficiário.
Parágrafo único. A função institucional de curadoria especial
possui natureza exclusivamente processual e não abrange as mo-
dalidades de tutela e curatela previstas no ordenamento civil ma-
terial.
Art. 6º A atuação na persecução criminal e em processo
administrativo disciplinar depende da necessidade econômica do be-
neficiário.
§ 1º A atuação na persecução criminal independerá da ne-
cessidade econômica do beneficiário quando, na condição de réu,
intimado para constituir advogado, não o fizer, e sobrevir nomeação
judicial da Defensoria Pública da União.
§ 2º Haverá atuação em carta precatória criminal, indepen-
dentemente da necessidade econômica, em favor de acusado que
indique previamente não dispor de advogado constituído ou que esteja
assistido por Defensor Público ou advogado dativo nos autos do
processo de origem, respeitada a prerrogativa de intimação pessoal do
membro da Defensoria Pública da União, mediante entrega dos autos
com vista.
§ 3º Caso a ausência de assistência por advogado venha a ser
constatada no ato da audiência, ou caso o advogado constituído pelo
acusado, devidamente intimado, não compareça à audiência desig-
nada, a Defensoria Pública da União atuará desde que haja intimação
pessoal de Defensor Público Federal mediante entrega dos autos com
vista, obedecido o período mínimo de 48 (quarenta e oito) horas entre
a comunicação judicial e a realização do novo ato.
§ 3º Para fins do disposto no § 3º, não se considera como
ausência a presunção por parte do juízo criminal de que o advogado
constituído na origem não acompanhará o ato judicial.
Art. 7º Nos processos criminais, se restar constatado que a
pessoa natural ou jurídica não é necessitada econômica, deverá o
Defensor Público Federal provocar o juízo criminal para o arbi-
tramento de honorários, os quais passam a constituir fonte de receita
do Fundo de Aparelhamento e Capacitação Profissional da Defensoria
Pública da União.
Parágrafo único. O Defensor Público-Geral Federal expedirá
ato disciplinando o procedimento de cobrança de honorários.
Art. 8º. Reduzir-se-á a termo a pretensão veiculada por pes-
soa que afirma representar a pessoa natural, devendo ser fornecidos,
salvo em caso de total impossibilidade, meios de contato direto com
a parte que requer assistência.
Parágrafo único. Exigir-se-á do requerente da assistência que
informe sobre aspectos relacionados à necessidade jurídica, previstos
no art. 4º.
Art. 9º Exigir-se-á do requerente da assistência que responda
à pesquisa destinada à identificação de seu perfil social e econô-
mico.
Parágrafo único. Na pesquisa socioeconômica, a pessoa na-
tural deverá fornecer os dados pessoais, de renda e patrimônio pró-
prios e dos membros da família, enquanto a pessoa jurídica deverá
informar a renda e patrimônio próprios, além de comprovar o aten-
dimento das condições previstas no artigo 2º.
Art. 10. Exigir-se-á do requerente da assistência jurídica a
declaração de necessidade, que, no caso de pessoa jurídica, deverá ser
assinada por seu representante legal.
Parágrafo único. Na declaração de necessidade, o econo-
micamente necessitado deverá afirmar que não tem condições de
arcar com as despesas inerentes à assistência jurídica, enquanto o
juridicamente necessitado deverá apenas declarar sua condição.
Art. 11. Poderá ser solicitada do requerente da assistência
jurídica a assinatura de outorga de poderes especiais, quando a si-
tuação o exigir.
Art.12. Não poderá ser exigida a assinatura de termos de
renúncia a direitos.
Art. 13. O representante do assistido poderá assinar a re-
dução a termo, mas não poderá assinar a declaração de necessidade,
a outorga de poderes especiais ou o termo de renúncia, salvo se, por
lei ou procuração, tiveres poderes bastantes para tanto.
Procedimento para a demonstração da necessidade
Art. 14 A necessidade econômica da pessoa natural será
aferida com base na pesquisa socioeconômica e na declaração de
necessidade, enquanto a necessidade econômica da pessoa jurídica
dependerá da pesquisa socioeconômica, da declaração de necessidade
e da devida comprovação.
Art. 15 A necessidade jurídica será caracterizada com base
na declaração da condição de juridicamente necessitado e nos as-
pectos informados pelo requerente, previstos no artigo 4º.
CONSELHO SUPERIOR
RESOLUÇÃO No-84, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014
Dispõe sobre a fixação de período de trân-
sito nos casos de promoção, remoção e
afastamentos legais no âmbito da Defen-
soria Pública da União.
O CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA
DA UNIÃO, no uso das atribuições previstas no art. 10, I, da Lei
Complementar nº 80/94;
Considerando o objetivo de resguardar a transparência, a
segurança jurídica, a isonomia e a razoabilidade na movimentação
dos membros da carreira.
Considerando a necessidade de garantir a continuidade e
eficiência do serviço público prestado pela Defensoria Pública da
União em todo o País.
Considerando que o período de trânsito é no mínimo de 10
(dez) e no máximo de 30 (trinta) dias no caso de transferência dos
agentes políticos de um órgão de atuação da Defensoria Pública da
União para o outro em razão dos procedimentos de promoção ou
remoção, consoante o previsto no artigo 18 da Lei 8.112, de 11 de
dezembro de 1990, resolve:
Defensoria Pública da União
.
Nº 36, quinta-feira, 20 de fevereiro de 201474ISSN 1677-7042
COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html ,
pelo código 00012014022000076Documento assinado digitalmente conforme MP no-2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil.
1
Art. 16. A pessoa natural que não se enquadre nos critérios
de presunção de necessidade econômica, nos termos do artigo 1º, ou
a pessoa jurídica que não tenha comprovado a necessidade econô-
mica, serão intimadas, no momento do atendimento inicial, para de-
monstrar a necessidade no prazo de 10 (dez) dias.
Art. 17 Para a demonstração da necessidade econômica, o
requerente poderá se valer de qualquer meio de prova admitido que
caracterize a impossibilidade de arcar com os honorários contratuais
de advogado e com as custas processuais, sem prejuízo de seu próprio
sustento ou de sua família, no caso de requerente pessoa natural, ou
da manutenção de suas atividades, no caso de requerente pessoa
jurídica.
Deferimento da assistência jurídica
Art. 18 O Defensor Público deverá decidir sobre o defe-
rimento da assistência jurídica, ou determinar a apresentação de do-
cumentação comprobatória da necessidade econômica, em caso de
omissão no atendimento inicial, no prazo de 5 (cinco) dias, con-
tados:
I – do momento do atendimento inicial, na hipótese de ne-
cessidade jurídica, de presunção de necessidade econômica e de su-
ficiente juntada de documentação comprobatória da necessidade eco-
nômica;
II – da juntada de documentos em atendimento à intimação
prevista nos artigos 16 e 20 e no caput deste artigo.
Parágrafo único. O descumprimento do prazo previsto no
caput implica o deferimento tácito da assistência jurídica.
Art. 19 Nas hipóteses de urgência e em havendo indícios da
condição do requerente de necessitado, deverá o Defensor Público
adotar a providência jurídica pleiteada em tempo hábil, mesmo antes
do transcurso do prazo previsto no caput do artigo anterior.
§ 1º Consideram-se hipóteses de urgência, para os fins deste
artigo, aquelas de risco à vida e à liberdade e de perecimento de
direito.
§ 2º O disposto neste artigo não impede a avaliação da
condição de necessitado.
Art. 20. Não se exigirá dilação probatória para o deferimento
da assistência jurídica da pessoa natural que se enquadre no critério
estabelecido para a presunção de necessidade.
Parágrafo único. O Defensor Público poderá, justificadamen-
te, afastar a presunção de necessidade, se identificar indícios de que
as informações prestadas pela pessoa natural não coincidem com a
realidade, hipótese em que será intimada para demonstrar a neces-
sidade no prazo de 10 (dez) dias.
Art. 21. O Defensor Público deverá indeferir a assistência
jurídica quando:
I – o requerente recusar-se a responder a pesquisa socioe-
conômica;
II – o requerente recusar-se a firmar a declaração de ne-
cessidade;
III – o requerente não atender a intimação para a demons-
tração da necessidade econômica no prazo determinado;
IV – considerar, justificadamente, que o requerente não é
necessitado.
Parágrafo único. O Defensor Público poderá, justificadamen-
te, deferir a assistência jurídica, quando o requerente não responder a
pesquisa socioeconômica, se considerar comprovada a necessidade
com base em outros elementos contidos nos autos do pedido de
assistência.
Art. 22. O Defensor Público deverá intimar o requerente ou
seu representante do indeferimento da assistência jurídica no prazo
máximo de 5 (cinco) dias, contados da data da decisão.
§ 1º O requerente ou seu representante poderá interpor re-
curso voluntário no prazo de 10 dias, entendido como tal qualquer
irresignação expressa, independentemente de fundamentação.
§ 2º Interposto recurso voluntário, superado o juízo de re-
tratação do Defensor natural, o feito deverá ser encaminhado, via e-
PAJ, no prazo de 48 horas, à respectiva Câmara de Coordenação e
Revisão.
§ 3º O requerente da assistência poderá, a qualquer tempo,
reiterar o seu pedido, apontando o equívoco do indeferimento ou
alegando mudança de sua situação econômica, caso em que deverá
demonstrar sua necessidade.
Revisão da necessidade
Art. 23. O Defensor Público poderá revisar a necessidade,
após 6 (seis) meses do deferimento inicial, quando houver indícios de
alteração superveniente da necessidade jurídica ou da situação eco-
nômica ou de ocultação ou simulação de dados relevantes para a
respectiva aferição.
§ 1º Constatada a cessação da necessidade, o Defensor Pú-
blico deverá intimar o assistido para constituir advogado no prazo de
30 (trinta) dias, contados da data da intimação.
§ 2º Antes do fim do prazo para constituir advogado, o
assistido poderá requerer a revisão da decisão, demonstrando que
persiste a sua necessidade.
Art. 24. Havendo processo judicial em curso, o Defensor
Público deverá comunicar a revogação da assistência ao juízo, con-
tinuando a patrocinar os interesses da parte, enquanto não for cons-
tituído advogado, durante o prazo fixado em lei.
Parágrafo único. Aplica-se o disposto no caput ao indefe-
rimento da assistência nas hipóteses de atuação previstas no artigo
19.
Art. 25. A revisão não poderá ser realizada com base na
superação da necessidade que decorra de deferimento judicial pre-
cário da pretensão do assistido.Disposições finais
Art. 26. Revogam-se a Portaria DPGU 430, de 10 de no-
vembro de 2008, a Resolução 9, de 6 de julho de 2005, a Resolução
13, de 25 de outubro de 2006, a Resolução 19, de 9 de maio de 2007,
a Resolução 26, de 10 de outubro de 2007, a Resolução 32, de 3 de
junho de 2009, e a Resolução 39, de 10 de março de 2010.
Art. 27. Os casos omissos serão decididos pelo Conselho
Superior da Defensoria Pública da União.
Art. 28. Esta Resolução entrará em vigor no prazo de 60
(sessenta) dias, contados da data de sua publicação.
HAMAN TABOSA DE MORAES E CÓRDOVA
Presidente do Conselho
RESOLUÇÃO Nº 86, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2014
Altera dispositivos da Resolução nº 53, de
21 de novembro de 2011, relacionados à
regulamentação das promoções no âmbito
da Defensoria Pública da União
O CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA
DA UNIÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo
10, inciso I, da Lei Complementar n° 80, de 12 de janeiro de 1994,
resolve:
Art.1º Incluem-se o §§ 8º, 9º e 10º no artigo 8º da Resolução
nº 53, de 21 de novembro de 2011, com a seguinte redação:
Art. 8º
§ 8º A pontuação homologada pelo Conselho Superior da
Defensoria Pública da União passará a constar no registro funcional
do candidato, podendo ser utilizada posteriormente, sem a juntada dos
documentos mencionados no § 2º.
§ 9º Constará no registro funcional a pontuação homologada,
os critérios utilizados para aferir a referida pontuação, a data da
última consolidação de pontos, bem como o registro da efetiva uti-
lização dos pontos para fins de promoção por merecimento.
§ 10º A pontuação homologada poderá ser objeto de revisão
por provocação de interessado ou de ofício pelo Conselho Superior da
Defensoria Pública da União.
Art. 2º Incluem-se os §§ 5º, 6º e 7º no artigo 16 da Re-
solução nº 53, de 21 de novembro de 2011, com a seguinte re-
dação:
Art. 16.
§ 5º No caso de empate de candidatos em pontuação, in-
tegrará (ão) a lista de merecimento o (s) melhor (es) posicionado (s)
na lista de antiguidade da carreira, preferindo-se os mais antigos aos
mais modernos.
§ 6º No caso de dois ou mais candidatos com promoção
vinculada na mesma lista de merecimento, será promovido o can-
didato que primeiro figurou em lista tríplice para promoção por me-
recimento, em seguida o melhor pontuado e, em havendo a mesma
pontuação, deverá ser promovido aquele candidato melhor posicio-
nado em lista de antiguidade.
§ 7º Os candidatos preteridos pela aplicação do critério do
parágrafo anterior, terão promoção vinculada na primeira lista sub-
sequente, consecutiva ou não, em que figurarem.
Art. 3º Os incisos IV e V e o § 1º do artigo 17 da Resolução
nº 53, de 21 de novembro de 2011, passam a vigorar com a seguinte
redação:
Art. 17.
IV. Aos Chefes-Substitutos e Coordenadores de área das uni-
dades, 0,25 (zero vírgula vinte e cinco) ponto por período de 6 (seis)
meses, vedado o cômputo de pontuação decorrente do mesmo pe-
ríodo, até o máximo de 2 (dois) pontos.
V. Aos representantes da DPU em Conselhos, comitês e
comissões, indicados mediante edital de concorrência na carreira, 0,2
(zero vírgula dois) pontos por período de 6 (seis) meses aos titulares
e 0,1 (zero vírgula um) pontos por período de 6 (seis) meses aos
suplentes, vedado o cômputo de pontuação decorrente do mesmo
período, até o máximo de 1,6 (um vírgula seis) pontos.
§ 1º Para fins do inciso II, compõem a assessoria na Ad-
ministração Superior os Membros da Comissão de Prerrogativas, os
Membros das Câmaras de Coordenação, o Diretor da Escola Superior
da DPU, 1 (um) Assessor Parlamentar, 1 (um) Assessor Jurídico, 1
(um) Assessor Internacional da DPGU e 2 (dois) defensores públicos
federais auxiliares da Corregedoria.
Art. 4º Inclui-se o § 2º-A no artigo 17 da Resolução nº 53,
de 21 de novembro de 2011, com a seguinte redação:
Art. 17.
§ 2º-A. Nas unidades onde haja mais de 1 (um) ofício com
atuação exclusivamente trabalhista, poderá haver mais uma coorde-
nação destinada a esta área.
Art. 5º O caput e os incisos I, V, VI e VII do artigo 18 da
Resolução nº 53, de 21 de novembro de 2011, passam a vigorar com
a seguinte redação:
Art. 18. Os pontos atribuídos em razão da atividade aca-
dêmica, relativamente às áreas de direito, ciência política, filosofia e
sociologia, serão distribuídos da seguinte forma:
I. 1 (um) ponto para o título de pós-doutorado obtido pelo
candidato, até o limite de 2 (dois) pontos;
V. 1 (um) ponto por cada livro jurídico devidamente re-
gistrado no ISBN/ISSN, de autoria individual do candidato, publicado
por meio de editora constante em lista aprovada pelo Conselho Su-
perior e publicada em boletim interno, até o limite de 4 (quatro)
pontos;
VI. 0,5 (zero vírgula cinco) ponto por cada livro jurídico
devidamente registrado no ISBN/ISSN, publicado em coautoria pelo
candidato, por meio de editora constante em lista aprovada pelo
Conselho Superior e publicada em boletim interno, até o limite de 2
(dois) pontos;VII. 0,25 (zero vírgula vinte e cinco) ponto por publicação
de artigo jurídico, de autoria individual, em periódicos com avaliação
Qualis/CAPES nos estratos A ou B, ou em periódicos oficiais da
Defensoria Pública da União, até o limite de 2 (dois) pontos.
Art. 6º Incluem-se os §§ 4º, 5º e 6º no artigo 18 da Re-
solução nº 53, de 21 de novembro de 2011, com a seguinte re-
dação:
Art. 18.
§ 4º Os títulos de pós-graduação stricto sensu obtidos no
exterior não-revalidados serão considerados como especialização, sen-
do pontuados nos termos do inciso IV do caput.
§ 5º A lista de que tratam os incisos V e VI do caput será
elaborada pelo Conselho Superior levando em consideração a re-
levância acadêmica da editora, seu reconhecimento no mercado edi-
torial e a existência de processo interno de seleção de obras para
publicação.
§ 6º A modificação da lista de editoras poderá ser feita de
ofício ou mediante requerimento de qualquer membro da Defensoria
Pública da União, de acordo com os critérios estabelecidos no § 5º.
Art. 7º Os incisos I, II e III e o § 2º do artigo 19 da
Resolução nº 53, de 21 de novembro de 2011, passam a vigorar com
a seguinte redação:
Art. 19.
I. 0,1 (zero vírgula um) ponto por participação como mem-
bro de comissão de sindicância e 0,25 (zero vírgula vinte e cinco)
ponto por participação como membro de comissão de processo ad-
ministrativo disciplinar instauradas no âmbito da Defensoria Pública
da União, até o máximo de 1 (um) ponto;
II. 0,25 (zero vírgula vinte e cinco) ponto por participação
em Comissão Eleitoral para escolha do Defensor Público-Geral Fe-
deral ou de integrantes do CSDPU, até o máximo de 0,5 (zero vírgula
cinco) ponto;
III. 0,05 (zero vírgula zero cinco) ponto por dia por par-
ticipação no projeto DPU Itinerante, limitado cada período a 0,25
(zero vírgula vinte e cinco) ponto, até o máximo de 2 (dois) pon-
tos;
§2º. Considera-se como período de trabalho no Projeto “DPU
Itinerante” o período de designação extraordinária (art. 8º, inciso XV,
da LC 80/94) em localidade em que haja unidade da Defensoria
Pública da União para atuação em mutirão carcerário ou para subs-
tituição, na ausência de qualquer titular, de form